Saúde

VÍDEO capta ação de proteína capaz de impedir infecção pelo Sars-CoV-2

Foto: Pixabay

A proteína spike é a grande facilitadora para que o Sars-CoV-2 entre e se instale nas células humanas. Mas pesquisadores da Universidade da Colúmbia Britânica, no Canadá, registraram a ação de uma outra proteína, conhecida como lectina, que consegue se acoplar à spike e, assim, impedir que o novo coronavírus infecte nosso corpo. Os resultados estão disponíveis no repositório bioRxiv, em versão preprint (ainda não revisado por pares).

Liderada por Josef Penninger, diretor do Instituto de Ciências da Vida em Vancouver, a equipe desenvolveu uma biblioteca com diferentes tipos de lectina e identificou dois com alto potencial de ligação aos glicanos da proteína spike — ou proteína S. “Nossa ideia é aproveitar essa propriedade para desenvolver um medicamento contra a Covid-19”, compartilha Penninger, em comunicado.

A intenção de bloquear a ação da proteína S já está avançada em outras pesquisas. A droga APN01, que atualmente passa por testes clínicos, funciona travando receptores das nossas células, para evitar que a spike consiga se ligar a elas. Já o uso da lectina foca diretamente no bloqueio da proteína do vírus, de acordo com Penninger, inviabilizando seu acoplamento em estruturas humanas. “A porta está obstruída porque a chave está cheia de lectinas”, comenta o especialista.

Os cientistas também observaram que, em diferentes variantes, há uma boa conservação nos glicanos da proteína que garante a entrada do patógeno nas células. Segundo um dos autores do estudo, Stefan Mereiter, esse pode ser o “calcanhar de Aquiles” do temido Sars-CoV-2.

A filmagem do vínculo entre a proteína spike e a lectina revelou uma mobilidade da molécula viral que surpreendeu os pesquisadores. Em fotografias, o formato triangular da proteína S geralmente aparece fechado. No vídeo, ela se abriu na superfície e esteve presa às lectinas por um longo tempo em uma escala molecular, o que é um bom sinal para diminuir a vida útil do coronavírus.

Confira, no vídeo abaixo, a proteína spike do Sars-CoV-2 rodeada de lectinas (pequenas manchas ao redor da molécula central):

Galileu

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Sars-CoV-2 usa saliva para infectar outras partes do corpo, sugere estudo; entenda o “além do óbvio”

(Foto: Divulgação/Paola Perez, PhD, Warner Lab, NIDCR)

Vários estudos já investigaram a relação entre o vírus da Covid-19, o Sars-CoV-2, e possíveis sequelas na boca, como perda de paladar e o aparecimento de bolhas. Mas, pela primeira vez, uma equipe internacional de pesquisadores encontrou evidências de que o coronavírus não só afeta a cavidade oral como também usa a saliva para atingir outras partes do corpo, caso dos pulmões e do próprio sistema digestivo.

A pesquisa, publicada nesta quinta-feira (25), no jornal científico Nature Medicine, foi liderada pelos Institutos Nacionais da Saúde (NIH) e pela Universidade da Carolina do Norte em Chapel Hill, nos Estados Unidos. Os autores acreditam que o potencial do Sars-CoV-2 para infectar várias partes do corpo pode explicar os sintomas orais relatados por pacientes ao redor do mundo.

Já se sabia que a saliva de pessoas infectadas pode conter altos níveis do vírus, afinal, testes de coleta dessa secreção são tão confiáveis para detectar a Covid-19 quanto os de esfregaço nasal. Porém, uma questão-chave ainda precisava ser respondida: como o agente infeccioso vai parar na água da boca?

Até então, a hipótese principal para responder a essa pergunta era que o Sars-CoV-2 atinge a saliva a partir da expectoração expelida dos pulmões. Mas isso não ocorre com todo mundo. Existem pessoas que não expectoram o vírus, pois não têm sintomas respiratórios – o que não as impede de abrigar o malfeitor na secreção salivar.

Logo, os pesquisadores acreditam que pelo menos parte do Sars-CoV-2 na saliva é proveniente da própria boca. Para investigar isso melhor, eles analisaram tecidos orais de pessoas saudáveis e pacientes que haviam morrido de Covid-19 só para verificar se as células da boca eram mesmo suscetíveis ao coronavírus.

Isso foi realmente confirmado, pois os experts encontraram, em células das glândulas salivares e em tecidos da boca, o RNA para fabricar as “proteínas de entrada” que são necessárias para o Sars-CoV-2 invadir essas células. São elas: o receptor ACE2 e a enzima TMPRSS2.

“Os níveis de expressão dos fatores de entrada [nas glândulas salivares] são semelhantes aos de regiões conhecidas por serem suscetíveis à infecção por Sars-CoV-2, como o tecido que reveste as passagens nasais das vias aéreas superiores”, explica, em comunicado, o líder do estudo, Blake Warner.

Mas ainda faltava saber se o vírus poderia partir da saliva, infectando as demais áreas do corpo. Os pesquisadores atestaram isso ao coletarem a secreção salivar de oito pessoas com Covid-19 assintomática e a colocarem em células de tecidos corporais saudáveis. A saliva de dois dos voluntários infectou as células.

A equipe coletou então saliva de um grupo separado de 35 voluntários sem manifestações ou com sintomas leves. Das 27 pessoas sintomáticas, aquelas com vírus na secreção salivar eram mais propensas a relatar perda de paladar e olfato. Isso mostra que pode existir alguma relação entre sintomas orais e a infecção por meio da saliva.

“Ao revelar um papel potencialmente subestimado para a cavidade oral na infecção por Sars-CoV-2, nosso estudo poderia abrir novos caminhos investigativos levando a uma melhor compreensão do curso da infecção e da doença”, comenta Warner.

Galileu

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Sars-CoV-2: Análise indica que a habilidade do vírus de infectar humanos e outros mamíferos provavelmente evoluiu em morcegos

(Foto: NIAID)

Um estudo realizado por pesquisadores do Reino Unido, Estados Unidos e Bélgica mostrou que nos primeiros 11 meses da pandemia de Covid-19 (contando a partir de dezembro de 2019) poucas mudanças genéticas “importantes” foram observadas nas centenas de milhares de genomas sequenciados do vírus Sars-CoV-2.

“Isso não significa que nenhuma mudança ocorreu, mutações sem significado evolutivo se acumulam e ‘surfam’ ao longo dos milhões de eventos de transmissão, como fazem em todos os vírus”, esclarece, em nota, Oscar MacLean, pesquisador da Universidade de Glasgow, na Escócia, e primeiro autor do artigo publicado na sexta-feira (12) na revista científica Plos Biology.

Segundo MacLean, “o que tem sido tão surpreendente é o quão transmissível o Sars-CoV-2 tem sido desde o início [da pandemia].” Em geral, após saltar para uma nova espécie hospedeira, os vírus levam algum tempo para se adaptar e adquirir novas características que possibilitem uma maior disseminação. A maioria deles nunca ultrapassa esse estágio, provocando apenas surtos localizados.

Algumas mutações encontradas no vírus tiveram efeito, como é o caso do substituto da proteína spike D614G, que está ligado ao aumento da transmissibilidade e a alguns ajustes espalhados no genoma do Sars-CoV-2. Mas, no geral, os processos evolutivos “neutros” dominaram.

Estudando as mutações do Sars-CoV-2 e sarbecovírus relacionados (grupo que engloba vírus que se hospedam em morcegos e pangolins), os autores encontraram evidências de mudanças bastante significativas — mas todas ocorridas antes do novo coronavírus ter começado a infectar humanos. Isso indica que a habilidade do Sars-CoV-2 de infectar humanos e outros mamíferos provavelmente evoluiu em morcegos, antes da disseminação do vírus entre nós.

Após um ano circulando ao redor do mundo, no entanto, o vírus está se modificando rapidamente se comparado à versão detectada em janeiro de 2020, que baseou as vacinas desenvolvidas até agora. Os imunizantes continuarão a ser eficazes contra a maioria das variantes existentes, mas quanto mais tempo levar para diminuir a diferença entre pessoas vacinadas e não-vacinadas, mais oportunidades o Sars-CoV-2 terá para se modificar. “A primeira corrida foi para desenvolver uma vacina. Agora, a corrida é para fazer com que a população global seja vacinada o mais rápido possível”, alerta David L. Robertson, um dos líderes do estudo.

Galileu

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Geral

Estudo mostra presença do SARS-CoV-2 em águas residuais do Brasil antes de 1º caso na China

FOTO: EDUARDO VALENTE/ESTADÃO CONTEÚDO

Pesquisadores da universidade de Burgos, na Espanha, e da Universidade Federal de Santa Catarina, coordenaram um estudo que demonstra a presença do SARS-CoV-2, o novo coronavírus que provoca a covid-19, em águas residuais do Brasil ainda em novembro de 2019.

Conforme informou nesta terça-feira (8) a instituição espanhola, o estudo, publicado pela revista Science of the Total Environment, analisou especificamente a presença do patógeno em águas residuais em Florianópolis.

Todos os resultados da pesquisa indicavam que o SARS-CoV-2, provavelmente, circulava sem ser detectado no Brasil desde aquela época, dois meses antes da notificação do primeiro caso na América do Sul, em 21 de janeiro de 2020 e um mês antes da confirmação dos primeiros positivos em Wuhan, na China.

No estudo, foram analisadas as águas residuais humanas de Florianópolis, recolhidas diretamente da rede de esgoto, para a detecção do novo coronavírus, durante o período de outubro de 2019 e março de 2020.

O patógeno foi detectado mediante diferentes sistemas de RT-qPCR, recomendados por centros de controle de doenças dos Estados Unidos, Europa, entre outras. Todos os resultados positivos de amostras foram confirmados posteriormente por laboratório independente.

Para corroborar a veracidade das conclusões, foram sequenciados os produtos de RT-qPCR para confirmar a identidade com o SARS-CoV-2, e foi feito um estudo de sequenciação direto e completo das amostras de água residual.

Além disso, as amostras de três análises posteriores (de dezembro de 2019, fevereiro e março de 2020) deram positivo em todos os testes RT-qPCR, inclusive com um forte aumento nas amostras colhidas no início de março do ano passado.

Esta é a primeira detecção da presença do RNA do vírus SARS-CoV-2 no continente americano, e indica a presença e circulação do patógeno 56 dias antes da primeira notificação oficial de um caso clínico de Covid-19 no continente, e mais de 90 dias antes do primeiro positivo no Brasil.

Os resultados também demonstraram que a carga viral do novo coronavírus se manteve constante de novembro de 2019 até março de 2020, para em seguida sofrer aumento que coincidiu com o início dos casos em Santa Catarina.

R7

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

NOVO CORONAVÍRUS: UFPR confirma presença de SARS-CoV-2 em dois cães de Curitiba; casos são primeiros do Brasil

Buldogue foi testado na universidade; positivou em um dos testes para Sars-CoV-2 (Foto: Divulgação Pet-Covid)

A Universidade Federal do Paraná (UFPR) confirmou a presença de SARS-CoV-2 em dois cães de Curitiba na última semana: um da raça buldogue francês e um sem raça definida. Estes são os primeiros casos identificados no Brasil, junto ao estudo multicêntrico coordenado pela UFPR, que irá examinar amostras de cães e gatos em seis capitais. No último mês, a equipe já havia contribuído com a identificação da presença do vírus em uma gatinha de Cuiabá, detectada pela Universidade Federal do Mato Grosso (UFMT).

O primeiro caso foi de um macho, adulto, raça Bulldog Francês, cujo tutor, de Curitiba, testou positivo para SARS-CoV-2 no RT-PCR na última semana, sem saber onde se infectou. Ele contou à equipe de pesquisa que percebeu uma discreta secreção nasal no cão, que dorme na mesma cama que ele. Num segundo teste, o tutor negativou, mas o cão estava positivo, já com uma quantidade pequena de vírus no organismo. No segundo teste realizado com o buldogue no dia seguinte, o animal também negativou.

O segundo caso foi de um cão macho, adulto, sem raça definida, cuja tutora também testou positivo para SARS-CoV-2. Segundo seu relato à equipe de pesquisa, seus quatro cães, que dormem na cama com ela, tiveram discretos episódios de espirros. Todos os moradores humanos da casa testaram positivo e, dentre os quatro cães, apenas um confirmou a presença do vírus.

Segundo o professor Alexander Biondo, coordenador do estudo, estes dados serão registrados junto ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA). Todas as amostras estão sendo enviadas para confirmação no TECSA Laboratório Animal, para que sejam testadas em outro laboratorio de referência. Apesar dos primeiros resultados positivos, não existe nehum caso confirmado de cães e gatos transmissores do vírus ou com registro da doença covid-19.

De acordo com Biondo, os animais podem se infectar pelo vírus SARS-CoV-2, inclusive cães e gatos, mas isso não se equivale a dizer que eles têm a doença ou são transmissores. Segundo estudos já publicados, gatos podem se infectar e transmitir para outros gatos, mas não há dados para cães. O professor ainda reforça que o contato mais íntimo entre humanos e pets pode infectar os bichinhos, sendo indicado o distanciamento e o uso de máscara em caso de confirmação para tutores que testarem positivo.

Gatinha foi o primeiro pet confirmado

Uma gatinha foi o primeiro pet com SARS-CoV-2 identificado no Brasil, confirmado na UFPR, no Laboratório do Departamento de Genética, com coordenação institucional do professor Emanuel Maltempi. No teste de RT-qPCR , a presença do RNA viral foi verificada no animal de Cuiabá. Agora, os cientistas trabalham no sequenciamento do genoma do vírus encontrado na felina e no seu tutor. No sequenciamento, será possível determinar a ordem exata dos nucleotídios do RNA genômico do vírus. ” Vai servir para confirmar que é o SARS CoV-2, pois a RT-qPCR identifica só um pedaço do genoma, mas também qual a estirpe ou cepa. Poderemos saber de onde veio”, explica Maltempi.

De acordo com Maltempi, uma hipótese é que só uma estirpe de vírus possa infectar animais. O sequenciamento poderá contribuir com respostas às perguntas que já vêm sendo traçadas nas pesquisas de Biondo, que, com um grupo de outros cientistas, publicou recentemente uma revisão sobre o panorama acerca da contaminação animal por SARS-CoV-2 no mundo.

O projeto

O projeto em andamento coordenado pela UFPR será realizado em Curitiba (PR), Belo Horizonte (MG), Campo Grande (MS), Recife (PE), São Paulo (SP) e Cuiabá (MT). Serão dois momentos de avaliação, com amostras biológicas coletadas com intervalo médio de sete dias, entre animais cujo tutor esteja em isolamento domiciliar, com diagnóstico laboratorial confirmado por RT-qPCR ou resposta imunológica apenas por IgM.

Em Curitiba, uma equipe de pesquisadores fará a coleta em domicílio. Caso necessário, o trabalho também poderá ser feito no Hospital Veterinário. “Se possível, também coletaremos sangue para realizar a sorologia”, explica Biondo, reforçando que “o estudo pode dar resposta definitiva sobre a susceptibilidade e o papel de cães e gatos como reservatórios do vírus”.

Os resultados dos testes serão o mais brevemente possível informados aos tutores ou familiares através de contato telefônico e pela emissão de laudo eletrônico, que será enviado por e-mail ou aplicativo de comunicação. Em caso positivo, de acordo com ele, os demais animais da residência também serão testados em pool por espécie. Além disso, os familiares serão orientados a estabelecer o acompanhamento veterinário por 14 dias, intensificando medidas de higiene e proteção individual e coletiva.

A pesquisa pretende contribuir para a tomada de decisão pelo poder público quanto a medidas de prevenção e controle de COVID-19 em animais de estimação. “Espera-se estabelecer propostas de ações intersetoriais entre as instituições de pesquisa e as secretarias municipais de saúde, para que essas, por meio de ações integradas entre a Vigilância Ambiental e a Atenção Primária à Saúde, possam estabelecer fluxogramas internos de atenção à saúde animal e proteção à saúde humana”.

UFPR

Opinião dos leitores

  1. Dondocas, Dondocos e filhinhos que beijam boca de cachorro, que deixam os cães lamber suas caras (ou focinhos) precisam tomar cuidado. O Covid19 pegando em cachorros e em gatos será um novo momento. Quero só ver a cachorro da aqui do condomínio………..

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Cientistas identificam e recriam anticorpos neutralizantes para Sars-CoV-2

Foto: NIAID

Cientistas liderados pelo Centro Alemão para Pesquisa de Infecções analisaram como se desenvolvem anticorpos neutralizantes contra o Sars-CoV-2 no corpo hurmano. O estudo — publicado nesta terça-feira (7) no periódico científico Cell — avaliou o sistema imunológico de 12 pessoas que tiveram Covid-19 e se recuperaram.

A formação de anticorpos neutralizantes é importante para que nosso corpo possa combater agentes invasores (neste caso, o novo coronavírus). Tendo isso em vista, estudar como estas partículas se formam é interessante, pois pode levar ao desenvolvimento de tratamentos, por exemplo. “Nosso objetivo era entender melhor a resposta imunológica ao Sars-CoV-2 e identificar anticorpos altamente potentes que poderiam ser usados ​​para prevenir e tratar a Covid-19”, explicou Florian Klein, líder do estudo, em declaração à imprensa.

Segundo os cientistas, mais de 4 mil tipos de células presentes no organismo dos voluntários foram analisadas. Isso permitiu à equipe reconstituir 255 anticorpos em laboratório, dos quais 28 se mostraram capazes de neutralizar o novo coronavírus.

Além disso, com amostras de sangue coletadas antes da pandemia, os cientistas descobriram a existência de células do sistema imunológico muito semelhantes aos anticorpos neutralizantes do Sars-CoV-2. “Curiosamente, muitos anticorpos mostraram apenas um pequeno número de mutações”, afirmou Matthias Zehner, coautor da pesquisa. “Isso significa que apenas pequenas alterações foram necessárias para [os anticorpos] efetivamente reconhecerem e neutralizarem o vírus.”

De acordo com os pesquisadores, se funcionarem, os anticorpos desenvolvidos em laboratório poderão ser utilizados no tratamento para o novo coronavírus e até como medida profilática para evitar a Covid-19. “Esta forma de intervenção pode ser interessante para interromper surtos localizados e prevenir a progressão da doença em pessoas em risco”, disse Klein. Os cientistas esperam que os primeiros ensaios clínicos com o material sejam realizados até o fim de 2020.

Galileu

 

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Assintomáticos podem ter uma proteção imunológica mais fraca contra o Sars CoV-2, aponta estudo

Foto: Reprodução/Visual Science

Pacientes assintomáticos infectados pelo Sars CoV-2 podem ter uma resposta imunológica mais fraca do que aqueles que desenvolvem os sintomas – como febre, tosse, ou qualquer consequência da Covid-19 – sugerem pesquisadores chineses na revista “Nature Medicine”.

O estudo descreve as características imunológicas e clínicas de 37 assintomáticos na China. Eles tiveram a infecção pelo coronavírus detectada em um teste com coleta de amostras no nariz e na garganta. O monitoramento ocorreu antes de 10 de abril de 2020 no distrito de Wanzhou, localizado no município de Chongqing.

Esses pacientes sem sintomas foram identificados dentro de um grupo de 178 pessoas com o teste positivo para o novo coronavírus. Entre os 37 assintomáticos, 22 eram mulheres e 15 homens, com idades entre 8 e 75 anos (média: 41 anos).

O autor da pesquisa, Ai-Long Hua, da Universidade Médica de Chongqing, disse que descobriu que esses pacientes, isolados no hospital, tiveram uma duração média de excreção viral de 19 dias. Já entre os pacientes com os sintomas, o tempo médio foi de 14 dias. Essa duração da excreção não significa, no entanto, que eles possam contagiar mais outras pessoas. Essa informação e suas consequências ainda precisam ser avaliadas, segundo os cientistas.

Oito semanas após a alta hospitalar, os níveis de anticorpos neutralizantes, que a priori dão imunidade ao vírus, diminuíram 81,1% nos pacientes sem sintomas, em comparação com 62,2% nos pacientes com sintomas.

Para avaliar a resposta imune, os pesquisadores mediram algumas substâncias (citocinas e quimiocinas) no sangue. Eles observaram baixos níveis em pacientes assintomáticos, o que mostrou uma resposta anti-inflamatória reduzida.

Esses dados, bem como análises anteriores de anticorpos neutralizantes, destacam os riscos potenciais do uso de “passaportes de imunidade” – liberação da quarentena a pacientes já infectados – e, portanto, eles defendem a aplicação continuada de medidas preventivas comuns de saúde.

Bem Estar – G1

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Cientistas identificam moléculas capazes de bloquear Sars-CoV-2; entenda

Cientistas identificam moléculas capazes de bloquear Sars-CoV-2; entenda (Foto: ACS Infectious Diseases)

Pesquisadores da Universidade da Geórgia, nos Estados Unidos, demonstraram que um conjunto de pequenas moléculas consegue bloquear a atividade de uma proteína-chave do Sars-CoV-2. Os cientistas explicam que elas são parecidas com as presentes em medicamentos já conhecidos, o que pode ajudar na busca por um tratamento para a Covid-19.

Em um artigo, publicado em maio no ACS Infectious Diseases, os estudiosos revelam serem os s primeiros a avaliar a proteína PLpro do Sars-CoV-2. Segundo eles, esse estudo é particularmente importante porque, em outros coronavírus, é ela a responsável pela replicação viral e por suprimir a função imunológica do hospedeiro.

“A PLpro do Sars-CoV-2 se comportou de maneira diferente da sua antecessora, que causou o surto de Sars em 2003. Especificamente, nossos dados sugerem que a PLpro do novo coronavírus é menos eficaz em suas funções de supressão imunológica”, disse Scott Pegan, um dos pesquisadores, em declaração à imprensa. “Esta pode ser uma das razões pelas quais o vírus atual não é tão fatal quanto o do surto de 2003.”

A proteína PLpro do Sars-CoV-2 (Foto: ACS Infectious Diseases)

Tendo isso em mente, os cientistas começaram a estudar uma série de compostos que foram descobertos há 12 anos e se mostraram eficazes contra a Sars. Em testes laboratoriais, as moléculas, que são feitas à base de naftaleno, conseguiram inibir a PLpro do Sars-CoV-2.

“O tipo de pequenas moléculas que estamos desenvolvendo são algumas das primeiras projetadas especificamente para essa protease do coronavírus”, explicou Pegan. “Nossa esperança é que possamos transformar isso em um ponto de partida para a criação de um medicamento.”

Galileu

 

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Em teste, anti-inflamatórios Carprofeno e Celecoxib inibem enzima crucial para replicação do Sars-CoV-2

Foto: Pixabay

Pesquisadores da Universidade Rovira i Virgili, na Espanha, encontraram indícios de que os anti-inflamatórios Carprofeno e Celecoxib inibem uma enzima chave na replicação e na transcrição do Sars-CoV-2. Um artigo sobre o assunto foi publicado nesta quarta-feira (27) no International Journal of Molecular Sciences.

Para chegar ao resultado, os cientistas utilizaram inteligência artificial para analisar 6.466 medicamentos autorizados por agências de saúde ao redor do mundo para uso humano e veterinário. O objetivo era encontrar potenciais inibidores para a enzima M-pro, que, entre outras funções, é responsável pela geração de um número de proteínas essenciais para a reprodução do novo coronavírus.

Ao analisar a amostra, os especialistas descobriram que sete das quase 6.500 drogas analisadas eram capazes de enibir a M-pro. Os resultados foram compartilhados com a iniciativa internacional Covid Moonshot, que busca reunir e analisar achados científicos durante a pandemia. A iniciativa selecionou dois dos sete medicamentos para testes in vitro e, assim, os pesquisadores espanhóis chegaram a resultados inéditos.

De acordo com a equipe, em comunicado à imprensa, seus testes mostram que a uma concentração de 50 micrômetros (um micrômetro equivale à milésima parte de um milímetro) de Celecoxib ou Carprofen era capaz de inibir a atividade da M-pro em 11,9% e 3,97%, respectivamente. Agora, os cientistas esperam que a descoberta possa ser útil na criação novos métodos de combate à infecção da Covid-19.

Vale ressaltar que os especialistas não recomendam o uso dessas medicações para o tratamento da doença, uma vez que elas ainda estão sendo testadas. Em caso de suspeita de Covid-19, procure um médico.

Galileu

Opinião dos leitores

  1. Acho que o Romero surtiu. A pesquisa é de espanhóis e ele está reclamando do Bolsonaro! Essa briga esquerdista-direitista já está fazendo mal.

  2. Esse Messias da desgraça é médico ou cientista? Quem fala de remédios e quem estudou e estuda sobre os mesmos. Seca nas cataratas do Iguaçu; ? e desmatamento na Amazônia; óleo nas praias do nordeste e uma gripinha chamada covid-19, só trouxe desgraça.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Estudos de Harvard informam que 6 novas vacinas demonstram eficácia contra Sars-CoV-2 em macacos

Foto: Wikimedia commons

Na luta para combater a Covid-19, duas perguntas não querem calar: existe uma vacina capaz de evitar a infecção pelo novo coronavírus? E pessoas que já tiveram a doença desenvolvem imunidade contra ela? Em dois novos estudos publicados nesta quarta-feira (20) na revista Science, cientistas do Centro Médico Beth Israel Deaconess, da Escola de Medicina da Universidade Harvard, nos Estados Unidos, investigam possíveis respostas.

No primeiro estudo, a equipe demonstrou que seis diferentes candidatas a vacinas podem induzir respostas imunológicas, criando anticorpos neutralizantes e protegendo contra o Sars-CoV-2. Os pesquisadores testaram os medicamentos em 25 macacos rhesus e aplicaram um placebo em dez outros animais para que servissem como grupo controle.

Segundo os cientistas, três semanas após a vacinação de reforço, as 35 cobaias foram expostas ao novo coronavírus. Os exames de acompanhamento revelaram que os macacos vacinados tinham cargas virais drasticamente mais baixas do que os que receberam o placebo: oito dos 25 animais vacinados sequer apresentaram indícios da presença do Sars-CoV-2 em seus corpos.

Além disso, os animais que apresentaram taxas mais altas de anticorpos tiveram níveis mais baixos do vírus. De acordo com os autores, isso sugere que os anticorpos neutralizantes podem ser um marcador confiável de proteção, o que será útil nos testes clínicos de vacinas contra a Covid-19.

Anticorpos = imunidade?

No segundo estudo, nove macacos foram expostos ao Sars-CoV-2 e tiveram suas cargas virais monitoradas. De acordo com os cientistas, todos os animais se recuperaram e desenvolveram anticorpos contra o novo coronavírus.

Os especialistas também avaliaram se as cobaias poderiam contrair a Covid-19 novamente — e o resultado foi animador. Após a segunda exposição ao Sars-CoV-2, os animais demonstraram proteção quase completa, sugerindo que os primatas desenvolvem uma imunidade protetora natural contra o microrganismo.

Outra candidata

Esta não é a primeira vez que cientistas testam, com sucesso, vacina contra a Covid-19 em macacos rhesus, primatas da espécie Macaca mulatta, que vive em florestas temperadas da Índia, da China e do Afeganistão. No fim de abril, estudo realizado com outro grupo de primatas dessa espécie por pesquisadores chineses também se mostrou bem-sucedido.

“Mais pesquisas serão necessárias para abordar questões importantes sobre a duração da proteção, bem como as plataformas de vacinas ideais para proteger os humanos contra o Sars-CoV-2 para humanos”, afirma Dan H. Barouch, autor sênior dos estudos publicados na Science nesta quarta-feira, em comunicado. “Nossas descobertas aumentam o otimismo de que o desenvolvimento das vacinas contra a Covid-19 será possível.”

Galileu

Opinião dos leitores

  1. Todo dia descobrem uma solução p o coronavírus…
    As ações da empresa na bolsa explodem…
    E o povo continua morrendo…

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Coronavírus: as mutações do Sars-Cov-2 que intrigam cientistas

Foto: Getty Images

Pesquisadores nos EUA e no Reino Unido identificaram centenas de mutações no Sars-Cov-2, o vírus que causa a covid-19.

Mas ainda não está claro o que isso significará para a disseminação do vírus na população e para a eficácia de uma possível vacina.

Vírus normalmente sofrem mutações. A questão é: qual dessas mutações no Sars-Cov-2 realmente altera a gravidade ou infecciosidade da doença?

Pesquisas preliminares nos EUA sugeriram que uma mutação específica – D614G – está se tornando dominante e pode tornar a doença mais infecciosa, mas o estudo ainda não foi revisado por outros cientistas e publicado formalmente.

Os pesquisadores, do Laboratório Nacional Los Alamos, no Novo México, vêm acompanhando as mudanças nas “pontinhas” da cápsula do vírus, que lhe conferem a forma de “coroa”, usando um banco de dados chamado Iniciativa Global sobre Compartilhamento de Todos os Dados sobre Influenza (GISAID).

Eles observaram que parece haver algo sobre essa mutação específica D614G que a faz crescer mais rapidamente – mas as consequências disso ainda não são claras.

A equipe de pesquisa analisou dados do Reino Unido de pacientes com coronavírus em Sheffield. Embora as pessoas com essa mutação específica do vírus parecessem ter uma quantidade maior do vírus em suas amostras, os cientistas não encontraram evidências de que elas ficaram mais gravemente doentes ou ficaram no hospital por mais tempo.

‘Mutação não é uma coisa ruim’

Outro estudo da University College London (UCL) identificou 198 mutações recorrentes no vírus.

“Mutações em si não são uma coisa ruim e não há nada que indique que o Sars-CoV-2 esteja sofrendo mutações mais rápidas ou mais lentas do que o esperado”, afirma François Balloux, um dos autores desse estudo.

“Até agora, não podemos dizer se o Sars-CoV-2 está se tornando mais ou menos letal e contagioso.”

Um estudo da Universidade de Glasgow, que também analisou mutações, disse que essas mudanças não representam diferentes cepas do vírus. Eles concluíram que apenas um tipo de vírus está circulando atualmente.

O monitoramento de pequenas alterações na estrutura do vírus é importante para o desenvolvimento de vacinas.

Um exemplo disso é o vírus da gripe, que sofre uma mutação tão rápida que a vacina precisa ser ajustada todos os anos para lidar com a cepa específica em circulação.

Desenvolvimento de remédios

Muitas das vacinas contra covid-19 atualmente em desenvolvimento têm como alvo “pontinhas” diferentes da estrutura externa do vírus – a ideia é que fazer com que o organismo reconheça um elemento único do vírus o ajudará a combater o vírus todo.

Mas se essa estrutura estiver mudando, uma vacina desenvolvida dessa maneira pode se tornar menos eficaz.

No momento, tudo isso é teórico. Os cientistas ainda não têm informações suficientes para dizer o que as alterações no genoma do vírus significam.

Lucy Van Dorp, coautora do estudo da UCL, diz que a análise de um grande número de genomas de vírus pode ser algo “inestimável para os esforços de desenvolvimento de medicamentos”.

No entanto, diz ela à BBC, “existe um limite para o que os genomas podem ajudar a explicar”.

Época, via BBC

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Cientistas descobrem anticorpo totalmente humano que bloqueia infecção por novo coronavírus Sars-CoV-2

Cientistas encontram anticorpo que bloqueia infecção de Sars-CoV-2 nas células. Acima: os receptores do anticorpo estudado em culturas celulares de Sars-CoV, Sars-CoV-2 e Mers (Foto: Nature Communications)

Pesquisadores da Universidade de Utrecht, do Erasmus Medical Center e do Harbor BioMed identificaram um anticorpo totalmente humano que impede o novo coronavírus Sars-CoV-2 de infectar células em culturas cultivadas. A descoberta foi publicada na Nature Communications nesta segunda-feira (4) e pode ajudar no desenvolvimento de tratamentos para a Covid-19.

Segundo os pesquisadores, o estudo focou em anticorpos conhecidos por combaterem o Sars-CoV, causador da Sars, que surgiu na China em 2002. Eles identificaram que um desses anticorpos também é capaz de neutralizar a infecção por Sars-CoV-2, causador da Covid-19, em culturas celulares.

“Esse anticorpo neutralizante tem potencial para alterar o curso da infecção no hospedeiro infectado, apoiar a eliminação do vírus ou proteger um indivíduo não infectado que é exposto ao vírus”, afirmou Berend-Jan Bosch, líder da pesquisa, em comunicado.

Bosch observou que o anticorpo se liga a uma propriedade existente tanto no Sars-CoV quanto no Sars-CoV-2, o que explica sua capacidade de neutralizar os dois microrganismos. “Esse recurso de neutralização cruzada do anticorpo é muito interessante e sugere que ele pode ter potencial na mitigação de doenças causadas por coronavírus — potencialmente emergentes no futuro”, disse Bosch.

A equipe ressalta que muito trabalho ainda é necessário para avaliar se esse anticorpo pode proteger ou reduzir a gravidade da Covid-19 em humanos. Ainda assim, os pesquisadores esperam desenvolver o anticorpo e, se possível, viabilizar um tratamento para a infecção causada pelo novo coronavírus. “Acreditamos que nossa tecnologia pode contribuir para atender a essa necessidade de saúde pública mais urgente e estamos buscando várias outras vias de pesquisa”, comentou Jingsong Wang, um dos especialistas.

Galileu

 

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *