Governo discute ações para combater alagamento recorrente em trecho da Rota do Sol

No final da tarde dessa terça-feira (21), uma equipe de gestores estaduais, liderada pelo Secretário de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos (Semarh), João Maria Cavalcanti, se reuniu virtualmente para discutir e elencar as próximas ações para resolver a questão do alagamento provocado pelo intenso período chuvoso em trecho da Rota do Sol. Participaram da videoconferência o Secretário de Infraestrutura (SIN), Gustavo Rosado; os diretores presidentes da Companhia de Águas e Esgotos do Rio Grande do Norte (Caern), Roberto Linhares, e do Instituto de Gestão de Águas do RN (Igarn) Auricélio Costa; o presidente do Departamento de Estradas de Rodagens do RN (DER), Manoel Marques, diretores do Idema e equipe técnica da Semarh e Caern.

Um estudo sobre as causas do alagamento já vinha sendo realizado e, na oportunidade, foi apresentado o diagnóstico da situação. “Diante das últimas ocorrências, a recarga de água elevou o lençol freático na área de influência da lagoa de infiltração da Estação de Tratamento de Esgotos (ETE)”, explica o secretário João Maria Cavalcanti, destacando que a Caern já vem tomando as medidas necessárias para minimizar o impacto: “A Lagoa de Infiltração da Estação de Tratamento de Esgotos (ETE) Rota do Sol e o excesso de água na via já estão sendo bombeados para um área, cedida pela Aeronáutica”.

Para acabar de vez com o transtorno no local, na ocasião, a Caern foi orientada pelos técnicos presentes a aumentar a vazão de bombeamento para que a retirada de água no local aconteça mais rapidamente. A equipe já se prontificou e essas atividades serão iniciadas amanhã (22).

“Estas são medidas de curto e médio prazo, em dois anos, a Estação de Tratamento de Esgotos (ETE) Jundiaí/Guarapes, na Zona Oeste da capital deverá ser finalizada. Com a entrada em operação desta nova ETE, a Estação na Rota do Sol não funcionará mais com tratamento e as lagoas deverão ser desativadas. “Com a nova ETE, a Caern deixará de fazer o uso destas lagoas junto da Rota do Sol”, explica o Diretor Presidente da Caern, Roberto Linhares.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Azevedo disse:

    Cadê o imbecil da Caern que foi para a televisão na semana passada afirmando que essa água era das chuvas e ligadas via galerias pluviais. A água é de esgoto, ou seja, água de merda pura. Coitada da governadora Fátima Bezerra, com esses auxiliares falando nerds o tempo todo, ela tá ferrada para se reeleger. Esse é o novo cartão postal de Natal para o turismo, Rota da Metda.

  2. Octávio Lamartine disse:

    Este bombeamento é um paliativo.
    Hoje realmente foi visto que que o ESGOTO que cobria a a ROTA DO SOL teve uma baixa de 25 a 27 cm. Como o terreno da BARREIA DO INFERNO , se encontra com sua boa parte , já encharcado, com pouco tempo teremos de volta o alagamento e se cair um pouco de chuva, a ciclovia e a parte da pista volta a alagar. Sem falar , agora nos buracos.
    A CAERN precisa de uma melhor ação.

  3. nasto disse:

    E só fazer uma vala funda do lado esquerdo de quem vai para as praias por dentro do terreno da Barreira do Inferno que resolve. Quando passar o inverno faz se a drenagem correta.

  4. Idiota completo disse:

    Sensacional!!!!!
    Juntaram essa ruma para descobrir q tem q bombear a água pro mato!!!!!
    Imagine se fosse um problema real.
    Meu Deus.

  5. Luciana Morais Gama disse:

    Não convidaram ninguém da Promotoria do Meio Ambiente?? Cadê Dra. Gilka da Mata.

Contas públicas têm maior déficit da História, de R$ 126,6 bi, com gastos para combater coronavírus

O secretário do Tesouro, Mansueto Almeida, que deixará o cargo em julho Foto: Adriano Machado / Reuters

As contas públicas brasileiras registraram déficit de R$ 126,6 bilhões em maio, segundo dados divulgados pelo Tesouro Nacional nesta segunda-feira. O número é o pior da serie histórica, iniciada em 1997, considerando todos os meses.

O resultado foi impactado principalmente pela queda na arrecadação causada pelas ações de combate à crise do coronavírus.

Apesar de recorde, o número veio melhor que as expectativas de analistas, que projetavam que as contas ficariam em R$ 140 bilhões no vermelho, segundo relatório Prisma Fiscal.

Em maio de 2019, o rombo havia sido de R$ 14,7 bilhões. Ou seja, o dado deste ano é oito vezes o do ano passado.

No acumulado do ano, o saldo está negativo em R$ 222,5 bilhões, também o pior da série. Em 2019, o déficit no mesmo período foi de R$ 17,5 bilhões.

Os números correspondem à diferença entre arrecadação e despesas no chamado governo central, que não inclui estados e municípios.

A conta, que não abrange os gastos para pagar a dívida pública, engloba Tesouro, Banco Central e Previdência Social.

Gastos contra pandemia

A equipe econômica já espera que o país tenha um rombo fiscal recorde neste ano, por causa dos gastos emergenciais com a pandemia.

Até hoje, foram autorizados R$ 404,2 bilhões em despesas extras, dos quais R$ 208,7 bilhões foram efeticamente desembolsados.

A principal despesa é o auxílio emergencial de R$ 600, pago a trabalhadores informais e autônomos. O programa custa, até agora, R$ 152 bilhões. Esse número, no entanto, deve aumentar porque o presidente Jair Bolsonaro já confirmou que o benefício será prorrogado.

Programas sociais

Em nota, o Tesouro descartou prorrogar de forma permanente programas sociais, porque isso levaria o governo a elevar impostos.

“Nos últimos meses teve início um debate sobre a necessidade ou não de alguns programas temporários este ano se transformarem em programas permanentes. Não há espaço fiscal para a criação de novas despesas obrigatórias no Brasil sem que haja um forte aumento de carga tributária”, afirma o comunicado.

A pasta se refere a propostas para criar no Brasil a chamada renda básica universal, que ganhou força após o agravamento da crise e a necessidade de proteger a população mais vulnerável.

A equipe econômica trabalha na elaboração de uma proposta chamada Renda Brasil, espécie de reformulação do Bolsa Família.

O benefício, no entanto, deve ser baseado na revisão de outros programas, como o abono salarial, considerado pouco efetivo no combate à pobreza.

O Globo

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Justus disse:

    Desinformação é jogo duro, né Soraya?

  2. Soraya disse:

    Metade desses gastos foi para comprar o centrão.

Polícia Civil realiza Força-Tarefa na Grande Natal para combater roubos em propriedades rurais

Foto: Divulgação

A Polícia Civil do Rio Grande do Norte está realizando uma Força-Tarefa, durante toda esta sexta-feira (15), em propriedades rurais de São José do Mipibu, com o objetivo de colher depoimentos de vítimas de roubos, que aconteceram em sítios e granjas da região.

A Força-Tarefa é coordenada pelo delegado-geral adjunto, Odilon Teodósio e conta com o trabalho dos policiais civis da Delegacia Municipal de São José do Mipibu, sob a orientação da delegada municipal Michelle Alcântara. Para que as vítimas não se desloquem à delegacia da cidade, a Delegacia Móvel da Polícia Civil está instalada próxima aos imóveis rurais, para que os policiais civis colham os depoimentos. “Essa nossa ação com o uso da Delegacia Móvel é uma forma de contribuir para a prevenção da disseminação da covid-19”, destacou o delegado Odilon Teodósio.

A Força-Tarefa realizada em São José Mipibu, que tem o intuito de identificar suspeitos que estão agindo de forma criminosa em granjas, sítios e fazendas, já aconteceu no dia 03 de março nas áreas rurais de Ceará-Mirim e São Gonçalo do Amarante.

“O trabalho que fizemos nas duas primeiras cidades resultou na colheita de 50 depoimentos e na instauração de 15 inquéritos policiais. Pretendemos com a ação de São José Mipibu, instaurar mais dois inquéritos, apenas nesta sexta-feira (15). Destacamos que as investigações sobre os roubos que aconteceram na zona rural de São José do Mipibu continuarão após a colheita dos depoimentos, pois o intuito é identificar todos os suspeitos envolvidos e solicitar à Justiça a prisão de todos os envolvidos nos crimes”, detalhou o delegado Odilon Teodósio.

A Polícia Civil pede que a população continue enviando informações de forma anônima através do Disque Denúncia 181.

Fonte: Secretaria de Comunicação Social da Polícia Civil/RN – SECOMS

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Cecilio Araújo da Costa disse:

    Beleza, estava lá e aproveitei e dei meu depoimento sobre um assalto na minha chácara domingo dia das mães.

  2. Paulo disse:

    Excelente, trabalho de investigação começa assim, depois é só ir buscar de baixo da cama…

Isolamento social ainda é a melhor maneira de combater a Pandemia, reforça LAIS/UFRN

Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil

O isolamento social comprova sua eficiência, tanto que os prognósticos iniciais apontados nos modelos matemáticos dinâmicos já apresentam cenários diferentes, porque atitudes estão sendo tomadas.

Sabemos que quando uma pessoa se cura da Covid-19 em meio à crise sanitária que estamos enfrentando é uma alegria e motivo para comemorar. Seguramente essa é uma boa notícia. No entanto, não podemos considerar as estatísticas em torno das curas do ponto de vista da Saúde Pública, nesse momento. Isso porque o cuidado deve ser direcionado àquelas pessoas que se internam, que sofrem e que morrem em virtude da doença.

A preocupação das entidades de saúde e dos pesquisadores é conseguir manter um equilíbrio e condições mínimas para a atenção na rede hospitalar que irá receber as pessoas que estão infectadas e que apresentem sintomas. São essas pessoas que de fato precisarão utilizar os recursos da saúde pública e é importante que eles não estejam colapsados.

“A questão dos curados só tem uma importância. É quando esse quantitativo chega a 70% da população absoluta da comunidade, se eles tiverem imunizados realmente, isso vai constituir uma barreira para que a epidemia continue. É o que chamamos de imunidade de rebanho. Mas estamos muito longe disso ainda”, explica o pesquisador do LAIS e epidemiologista da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), Ion Andrade.

O pesquisador ressalta, ainda, que não se pode analisar isoladamente o número de pessoas que estão curadas por conta de vários fatores que interferem na análise, como falta de testes e as subnotificações. Muito dos infectados que não desenvolveram sintomas poderiam ser tecnicamente considerados curados. “Isoladamente isso não tem valor nenhum. Na verdade, todas as pessoas que não vierem a falecer ficarão curadas”, reitera Andrade.

Com a ausência de vacinas ou um tratamento eficiente, a expectativa de controle definitivo para a Covid-19 é essa formação de imunidade de rebanho. Contudo, o epidemiologista alerta que essa imunidade deva ser alcançada com o alongamento da curva epidêmica (alongamento do tempo de contágio), já que a curva explosiva ameaça os serviços de saúde, gerando o colapso. Isso faz com que pesquisadores, cientistas e profissionais da saúde defendam a estratégia do isolamento social.

Existem vários modelos matemáticos de projeção dos infectados. Ion Andrade cita o modelo desenvolvido pelo professor do Departamento de Física da UFRN, José Dias, e destaca como os números variam conforme as estratégias adotadas e revelam pistas para a compreensão da realidade da doença onde não há testagem em massa.

“O modelo do professor José Dias considera que cada óbito projeta um determinado quantitativo de pessoas contaminadas. Então eles se utilizam dessa pista para saber quantos contaminados poderia ter em uma dada população de acordo com o primeiro óbito. A única forma de se ter esse dado de forma absoluta é a testagem em massa, mas essa não é uma realidade do Brasil”, relata Andrade.

Naqueles locais ou países onde existe a testagem em massa (que todas as pessoas da comunidade são testadas independente de apresentarem sintomas ou não) é possível uma apreciação de qual é o contingente da população que efetivamente está infectado ou contaminado.

Como ação, nesse momento, os cientistas defendem o controle social da doença, a informação da população feita com qualidade e a ampliação da curva epidêmica para evitar o colapso na saúde pública.

Modelo matemático de compreensão da Covid-19

O modelo matemático apresentado pelo astrofísico e professor do Departamento de Física da UFRN, José Dias, explica cenários possíveis sobre o comportamento do coronavírus em relação a densidade populacional do Rio Grande do Norte e considera fatores como a quantidade óbitos, medidas de políticas públicas e comportamento da população com ações sanitárias e isolamento social.

Esses indicadores mostram mudanças na curva de prognóstico de mortes, o que reforça a tese de que é vital a existência de tais ações, como o isolamento social, para o controle da letalidade da doença e o não colapso do sistema de saúde. Na ausência dos testes em massa, os modelos são as únicas formas de fato de entender melhor o sistema dinâmico que se apresenta na pandemia. As projeções vão se atualizando conforme os dados do comportamento da doença se modificam.

“Esses modelos apresentam também evidências reais do impacto do isolamento social nas curvas de óbito e de crescimento dos casos. Por tanto, sem a testagem de grande parte da população, os modelos matemáticos agem como uma bússola, uma lanterna que pode clarear o futuro e as ações que já foram feitas”, comenta o professor José Dias, em material divulgado em seu canal no Youtube.

José Dias destaca que é vital o cuidado na análise e divulgação das informações contidas nesses modelos para não gerar pânico na população. O pesquisador salienta, ainda, que eles são recursos matemáticos e científicos para compreender cenários sociais em suas relações dinâmicas. “Precisamos de um pouco mais de tempo para entender a dinâmica e ajudar o nosso estado a atravessar por essa crise, sobretudo em explicar a importância de se ter o isolamento social e de uma forma mais ampla combater essa desinformação que circula pelas redes sociais, atrapalhando as ações de saúde pública”, diz o físico.

Ele reforça que o prognóstico inicial que era assustador e pessimista se modificou porque parte população aderiu ao isolamento e ações de saúde pública foram tomadas. “O Brasil não é o país da inação, existe uma parte da população que entende o que é a palavra de um médico, de um cientista. Temos pessoas que são conscientes cientificamente. E isso faz a diferença”, comenta.

Pessoas curadas e o trabalho voluntário

A situação de pandemia gera temor em parte da população. Sabe-se que muita gente enfrenta dificuldades das mais diferentes para conseguir manter a subsistência em virtude do isolamento necessário. Nesse momento ações de solidariedade fazem a diferença.

Há uma possibilidade de que as pessoas que fiquem curadas se tornem imunes ao vírus, como acontece em outras viroses. Se isso de fato acontece a solidariedade pode ser um caminho a seguir.

Em alguns lugares essas pessoas, após o restabelecimento da imunidade, estão sendo convidadas a atuar em trabalhos voluntários, como apoio a doentes e nos locais onde se necessita de recursos humanos que não irão mais adoecer ou que possuem menor risco. Estar curado não quer dizer que a epidemia, que a Covid-19, ficou para trás. “Pode significar que essa pessoa mudou de papel. Ela pode ter um papel mais ativo na solidariedade que precisa acontecer”, reforça o infectologista Ion Andrade.

Por Thays Teixeira, doutora em Estudos da Mídia pelo Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN)

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Pedro disse:

    LAIS doutora mande isolar na Paraíba Fatao do GD, Cipriano espermatozoide imaturo, a equipe técnica da SESAP , e o resto do secretariado no cafundós do Judas. Aí vc estarão fazendo um bem danado ao RN, sim, tem que admitir que a catástrofe vai passar longe. Vão todos voltar ao primário para aprender matemática.

  2. Birimbolo disse:

    Quem é LAIS ??

  3. Abelão disse:

    É pra qui, que o Mandeta agora tem que mandar beijinhos e tchau tchau.
    Eita Mandeta, o teu dia chegou.
    Kkkkkkkk

  4. Silva disse:

    PRONTO!!!
    FALOU O PT.

  5. Francisco disse:

    Não poderia dizer outra coisa, alinhamento total com o caos e os desonestos petralhas. Agora corta as verbas lá.

Operação visa combater descarte irregular de resíduos nos arredores da Avenida da Integração

Foto: Assessoria Semurb

Duas operações conjuntas serão realizadas para combater o descarte irregular de resíduos sólidos e inertes na avenida governador Tarcísio de Vasconcelos Maia (av. da Integração), que fica na lateral do condomínio Green Towers, em Lagoa Nova. As ações serão realizadas nos dias 3 e 5 de dezembro, a partir das 8h30 da manhã, sob a coordenação da Secretaria de Meio Ambiente e Urbanismo (Semurb), que contará com o apoio das secretarias de Serviços Urbanos (Semsur), Mobilidade Urbana (STTU), Vigilância Sanitária (SMS), Companhia de Limpeza Urbana (Urbana) e a Guarda Municipal (Semdes).

O local é alvo de constantes descartes de resíduos, tendo em vista que se trata de uma via que ainda não recebeu pavimentação. Carroceiros e motoristas de carros depositam frequentemente material inerte, ou seja, restos de material de construção – metralhas, de móveis e podas, além do lixo doméstico em seu leito.

“Essa ato se configura como um crime ambiental e passível de multa”, ressalta o secretário da Semurb, Thiago Mesquita. Durante a operação serão removidos todo o material ali depositado e recolhido os animais que estiverem no local. As ações são frutos de um compromisso firmado em audiência com a 71ªPmJ, para desobstruir a via que é a continuação da av. da Integração.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Jorge disse:

    Aqui na rua Lago da pedra, no conjunto dos bancários, o lixão está se formando no calçadão, as pessoas levam os cães para passear e fazer cocô em plena calçada, demonstrado a maior falta de educação, ou é no calçadão ou nas calçadas dos moradores mesmo. Tão simples de resolver, bastava levar um saquinho para apanhar o cocô. Qdo vejo a cena, fico pensando quem é o irracional?

  2. Só olhando disse:

    A proibição dos carroçeiros mais os ecopontos seriam muito bem vindos.

  3. Eduardo Peixoto disse:

    Enquanto isso, a Rua Curimatã, no Bairro de Alagamar, há 14 anos é um depósito oficial de lixo do Bairro de Ponta Negra.

  4. Ana leticia disse:

    Mas pode descartar depois do dia 6?
    Façam o serviço direito prefeitura, coloquem pontos de coletas, retirem esses pontos de dois em dois dias semelhante a coleta de lixo, nós contribuintes já pagamos os impostos pra isso, mas o que vcs querem é economizar nas costas dos cidadãos. Acari, currais novos as ruas são todas limpas e cuidadas, é no mesmo estado e mesmo país, portanto o diferencia está em quem gerência mesmo

    • Jorge disse:

      Há um ano fiz denuncia ao MP, sobre esse lixão clandestino.
      Mas vale tarde do que nunca.

Reforma administrativa quer combater privilégios de servidor, entende que funcionalismo deve ter tratamento igual ao do setor privado

 Mansueto Almeida: discussão precisa ser feita com a sociedade e a melhor forma de promover o debate é no Congresso — Foto: Gustavo Ranieri/Ministério da Economia

O Projeto de Emenda Constitucional (PEC) da reforma administrativa pretende acabar com algumas regalias de determinados setores do funcionalismo, como as férias de dois meses para os servidores do Judiciário. A intenção da área econômica do governo é de tratar com maior isonomia todos os funcionários públicos. Assim, o Judiciário teria um mês de férias, como os demais trabalhadores dos setores público e privado.

A reforma administrativa é parte do pacote de medidas constitucionais que seria anunciado ontem, mas que foi adiado para a próxima semana por não terem sido concluídas as costuras políticas com a Câmara e o Senado. As negociações com lideranças políticas é para que parlamentares assumam como de sua autoria as propostas elaboradas pelo Executivo relativas ao pacto federativo.

A reforma administrativa, que deve ser projeto do Executivo, vai tratar das condições de contratação de novos servidores, sob um regime jurídico diferentes, chamado de Novo Serviço Público. Como a PEC trata de princípios gerais, os salários de ingresso serão menores do que os atuais, mas definidos em legislação ordinária.

As outras emendas constitucionais são a da Emergência Fiscal, duas do Pacto Federativo, que trará a distribuição dos recursos do pré-sal entre a União, os Estados e os municípios e, também, a medida dos 3 D – desindexação, desvinculação e desobrigação.

A desvinculação se refere aos cerca de 280 fundos setoriais que deixam de ter suas receitas destinadas a despesas específicas e vão compor as verbas discricionárias do Orçamento. A desindexação poderá render cerca de R$ 50 bilhões, na medida que corta a correção automática de despesas por índices de preços ou pela variação do salário mínimo.

Já a desobrigação é uma medida destinada a dar maior flexibilidade aos gestores estaduais e municipais para gastar mais em saúde ou em educação, conforme a necessidade de cada um. A PEC vai desobrigar o gasto de um percentual fixo para educação e outro para a saúde, desde que a despesa tenha como piso a soma dos dois orçamentos.

O programa de Emergência Fiscal trará a definição do gatilho que será acionado para o corte de gastos obrigatórios em caso de ameaça de rompimento do teto do gasto. Os gastos com pessoal são os principais candidatos a cortes, com a redução da jornada de trabalho do servidor e a diminuição correspondente dos salários.

Essa PEC combina com uma outra, de número 438/2018, de autoria do deputado Pedro Paulo (DEM-RJ), que define o gatilho para o eventual estouro da “regra de ouro” (que proíbe o governo de se endividar para pagar gastos correntes).

A PEC da Emergência Fiscal se aplicará nos três níveis da federação (União, Estados e municípios). A tendência é que a ação emergencial só se aplique às contas do orçamento de 2021, já que dificilmente a PEC será aprovada ainda neste ano.

O pacote de medidas será chamado de plano “Mais Brasil”, para dar uma ideia de descentralização do poder hoje, na visão do governo, muito concentrado na capital federal.

Trata-se, porém, de um amplo programa de reforma do Estado e de controle do gasto público. “Estamos quebrando paradigmas”, resumiu uma fonte que está acompanhando a discussão.

O Palácio do Planalto também aproveitará a marca de 300 dias do governo para realizar uma solenidade, na segunda-feira, na qual deve apresentar um projeto de lei para privatizar a Eletrobras. Pela proposta que vem sendo discutida e está em seus detalhes finais, a privatização será feita por meio de aumento de capital, que poderá ser acompanhado de oferta pública secundária de ações de propriedade da União. Com isso a intenção é garantir que a União passe a ter uma participação minoritária na estatal.

Está prevista para amanhã a divulgação, também, de medidas de combate ao desemprego. Segundo o Valor apurou, a ideia de auxiliares de Bolsonaro agora é que o presidente encerre a semana gerando um fato positivo de forte impacto social e que tenha desdobramentos no noticiário durante o fim de semana. A avaliação interna é de que o anúncio das medidas contra a expansão do gasto público seria bem recebido no Congresso e no mercado, mas não teria reflexos na população.

O adiamento do anúncio do pacote para a semana que vem repercutiu no meio político logo de manhã. O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), foi ao Ministério da Economia para se reunir com o ministro Paulo Guedes. Enquanto isso, o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), recebia na residência oficial líderes partidários. No fim da tarde, o líder do governo no Senado, Fernando Bezerra (MDB-PE), que assumirá a paternidade das PECs do pacto federativo, recebeu em seu gabinete o secretário especial de Previdência e Trabalho, Rogério Marinho, para dar andamento às negociações.

Perguntado sobre o motivo do atraso, o secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, não comentou. Mas afirmou que a agenda é robusta e não deve ser aprovada “em dois ou três meses”. Para ele, essa é uma discussão que precisa ser feita com a sociedade e que a melhor forma de promover esse debate é dentro do Congresso Nacional. “O debate leva ao consenso”.

Questionado sobre a PEC apresentada pelo senador José Serra (PSDB-SP), que propõe entre outros pontos a retirada das despesas da Previdência do teto de gastos, Mansueto disse que não gosta da ideia e prefere o teto de gasto como está, ou seja, incluindo os gastos com benefícios previdenciários. Segundo ele, retirar o gasto com Previdência do teto abre espaço para aumento de despesa e para manter a trajetória de primário seria necessário aumentar a carga tributária ou aceitar uma recuperação do primário mais lenta.

Valor

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Anselmo Júnior disse:

    E por que não aproveitam a onda e acabam com as férias parlamentares no meio e final do ano? Eles têm mais de 30 dias de férias e ainda ganham um 14º salário !!!!

  2. Rogério disse:

    Viva viva o GIGANTE esta acordando!
    Tem que acabar toda e qualquer espécie de regalias em todos poderes, principalmente dos políticos e da justiça.
    Juiz e promotores só trabalham 6meses no ano, isso mesmo, 60dias de ferias, 20 dias de recesso, 90 dias de licença premio e ainda tem umas folgas administrativas que criaram mesmo que nao trabalhem. Meu irmao é juiz em Segipe e testemunho a realidade surreal desses funcionários públicos chamados elegantemente de “membros”.
    É preciso dar um basta de vez nas desigualdades e no falso moralismo, chega de regalias bancadas pelo povo.

  3. Wellington disse:

    Para combater esses privilégios e ter tratamento igual, primeiro teria que os parlamentares começar por eles mesmos dando como exemplo dentro no congresso, coisa que nunca vai acontecer. Aí sim, que sabe poderia dar certo. Mais enquanto isso…

  4. Wellington disse:

    Para combater esses privilégios e ter tratamento igual, primeiro teria que os parmentares começar por eles mesmos dando como exemplo dentro no congresso, coisa que nunca vai acontecer. Aí sim, que sabe poderia dar certo. Mais enquanto isso…

  5. Gil disse:

    Só os juízes e Promotores tem essa mamata, e eu não entendo como a República ainda não conseguiu acabar com isso. Bora Ministério Público!!!! Vamos se movimentar para acabar com esse absurdo. O pessoal das facções têxteis agradeceriam muito.

    • Pato disse:

      Já ouviu falar em corporativismo? Eu não confiaria muito no MP pra tal, já que é um dos órgãos que goza desses mesmos privilégios! Kkkkkk

    • Cristian disse:

      Boicotaram meu comentário… MP se mela da mamada no poder público!

  6. Cristian disse:

    Vale para o Legislativo e Judiciário?

PASME. O pacto de PCC e Comando Vermelho: Facções criminosas vão à Justiça contra portaria de Moro

Foto: IsaacAmorim/AG.MJ

 Rompidas desde 2016, as duas maiores facções do Brasil se juntaram em uma tentativa de derrubar as restrições impostas pelo ministro da Justiça, Sergio Moro , para o sistema penitenciário federal. Integrantes das organizações criminosas paulista e fluminense concordaram em ir à Justiça para contestar a portaria 157, assinada por Moro em fevereiro, que proíbe o contato físico entre presos e seus familiares, além de reforçar o veto à visita íntima .

A medida visa a bloquear a comunicação com o mundo externo. Isso porque chefes presas costumam enviar ordens para os integrantes da rua, por meio de bilhetes entregues a familiares e advogados. A portaria também ratifica outra decisão, de agosto de 2017, que proibiu visitas íntimas, por tempo indeterminado, a quem foi membro de facção, líder de quadrilha ou que tentou fuga.

A costura do acordo entre as facções, assim como as ações judiciais, foram feitas por advogados do Instituto Anjos da Liberdade , que atuam em nome de todos os presos das unidades federais. Para contestar as imposições da portaria de Moro, o instituto entrou no Supremo Tribunal Federal (STF) com três arguições de descumprimento de preceito fundamental, entre outras ações.

— Existia uma preocupação a respeito de quem me pagava (se era a facção rival). Eu disse: “Ninguém paga, não. O instituto tem um trabalho gratuito, a gente não recebe de ninguém” — afirma Flávia Pinheiro Fróes, presidente do instituto.

Em maio, Fróes levou a discussão à reunião da Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH), órgão da Organização dos Estados Americanos (OEA), na Jamaica. No dia 21, o Instituto Anjos da Liberdade promoverá um colóquio internacional no auditório do Senado, em que mulheres dos presos das facções inimigas dividirão a mesa para falar sobre a rotina das visitas diante das restrições impostas.

A recente união judicial é vista como trégua pontual pelo promotor Lincoln Gakiya, do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público de São Paulo.

— A guerra continua. Mas houve uma espécie de trégua não declarada com a ida desses chefes paulistas para o sistema penitenciário federal. Como eles estão privados de regalias, a tendência é haver alianças para pressionar o Estado e favorecer os chefes no sistema federal. Eles agem baseados em interesses próprios — diz o promotor.

As advogadas do Instituto Anjos da Liberdade, assim como o Ministério Público do Rio de Janeiro, negam que houve um armistício.

O Globo

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Claudionor disse:

    O crescimento do crime organizado em todas as esferas da nação brasileira, está configurado em duas consoantes: PT.

  2. Claudionor disse:

    O crescimento do crime organizado em todas as esferas da nação brasileira, está configurado em duas consoantes: PT.

  3. Lope disse:

    A reportagem esqueceu de uma facção que esta junta das outras.. o PT, SUCUPIRA PERDE!!!

  4. abc disse:

    Oxente, e Toffoli advogado do PT num é presidente do Supremo??

  5. BB Barroca disse:

    BG!
    Não precisa de espanto, quem tem Rodrigo Maia, como advogado da bandidagem, não precisa falar mais com ninguém. Todos
    Viram o que ele fez semana passada.

  6. Quero saber disse:

    Como as facções criminosas cresceram tanto nesse país?
    Quem deixou isso acontecer?
    Quando começaram a ter voz e vez as facções criminosas no Brasil?
    Como elas se tornaram tão fortes a ponto de ir a justiça questionar ação de ministro contra o crime?
    Quem deixou essa herança criminosa para o país?
    Isso não tem responsáveis diretos e indiretos? Tudo aconteceu do nada, por acaso?

  7. Eduardo disse:

    Há muito tempo a banana está comendo o macaco aqui no Brasil. Um país aonde o crime próspera e compensa.

  8. Verivaldo disse:

    A solução é pena de morte menos despesas

  9. Az disse:

    Esse pais nunca terá jeito, temos um presidente e secretário de segurança que quer trabalhar pelo povo mais uma parte desse mesmo povo que tudo esculhanbado, quanto pior Melhor.

  10. joaozinho disse:

    Nada de pasme… tem grupos que so mudam a sigla e seus simpatizantes tb defendem bandido e atacam o juiz.

TRANSTORNOS EM SEU BAIRRO OU SUA CIDADE: População pode ajudar a combater ligações clandestinas, orienta Caern

FOTO: CAERN/ASSECOM

A Companhia de Águas e Esgotos do Rio Grande do Norte (Caern) tem, repetidamente, alertado a população sobre o uso correto do sistema de esgotamento sanitário que opera em várias cidades. Um problema recorrente, que tem trazido transtornos para a própria população, é a ligação clandestina de esgotos, seja quando a pessoa faz a ligação do esgoto de seu imóvel numa rede que ainda não está pronta, ou quando direciona a água da chuva para o sistema, que não é dimensionado para isso.

Na semana passada, mais um caso foi registrado na Zona Norte de Natal, principalmente no bairro Nossa Senhora da Apresentação. Durante o período das últimas chuvas, várias tampas de poços de visita foram abertas para escoar a água que se acumulava nas ruas. Com a intenção de resolver um problema, a população criou outro, jogando carga indevida em uma rede de esgoto que não estava em operação.

Um dos locais atingidos foi a estação elevatória 06BN, localizada no cruzamento das ruas Araçatuba com Votuporanga, com extravasamento afetando também várias residências. A estação elevatória não está em operação, visto que faz parte da rede que será interligada à Estação de Tratamento de Esgoto Jabuaribe, ainda em construção na Zona Norte.

Fazer a ligação numa rede de esgoto que ainda não está concluída é uma irregularidade sujeita a punição. Além de tratar-se de crime ambiental, a ligação clandestina pode ensejar auto de infração e aplicação de multa. Também está sujeito a penalidades quem liga o esgoto à rede antes da autorização da Caern, nos casos de rede nova que entra em operação. Constatada a ligação, a empresa dá um prazo de 72 horas para que ela seja desfeita. Se o infrator persistir, ele é notificado e o caso é encaminhado ao Ministério Público, para a Promotoria de Meio Ambiente.

As ligações irregulares na rede de esgotamento que ainda não está em operação podem trazer transtornos porque, sem a interligação da rede a um sistema de coleta e tratamento, estes dejetos ficam sem a destinação necessária. Resultado: transbordamento nas vias, com consequente poluição, mau cheiro e proliferação de doenças, além de obstrução do sistema antes mesmo de começar a funcionar.

CAICÓ

Em Caicó, a Caern prepara uma ação de fiscalização para coibir casos de ligação irregular de esgoto. Denúncias chegaram à companhia dando conta de ligações indevidas numa rede coletora não concluída, na Zona Norte da cidade. A obra atualmente está paralisada, para adequações no contrato. A Caern está finalizando a licitação e a retomada do serviço, com nova empresa contratada, deve ocorrer ainda no segundo semestre deste ano.

As ligações feitas numa rede que sequer está concluída vêm provocando transtornos para a população caicoense, com registros de extravasamento nas vias públicas.

Ao mesmo tempo em que orienta a população sobre a gravidade do problema, a Caern também recomenda que casos desse tipo sejam denunciados pela população, nos canais de atendimento da companhia, a fim de se possa combater a prática com mais eficácia.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. mauricio disse:

    na avenida maria lacerda, ao lado do nordestão tem um bueiro em frente ao condominio que exala um mal cheiro, seria bom verificar o que está havendo

  2. Fabia Rejane disse:

    Fiz várias reclamações sobre ligações clandestinas na rede de esgoto que não está em funcionamento.
    Aliás, faz uns seis anos que entubaram as ruas e até agora não existe estação de tratamento para ligar.