Polícia Civil prende líder de organização criminosa interestadual responsável por furto de pneus em Parnamirim

Policiais civis da DEPROV, em conjunto com policiais da DECAR/GO, e com apoio de policiais da PCPB e PRF, prenderam Alex Alves Tinoco, e a esposa deste, Daiane Alves Morais, na madrugada desta terça (19), em Natal, por força de mandados de prisão preventiva expedidos pela justiça de Goiás.

Ambos são investigados por integrarem organização criminosa atuante em falsificações, roubo de carga, receptação e estelionato, da qual Alex Alves seria o líder. Em dezembro de 2018, a DECAR prendeu a mãe de Alex Alves, Maria Aparecida Tinoco, investigada pelos mesmos crimes em inquéritos instaurados naquela Especializada.

A prisão do casal gerou diligências durante toda a madrugada e manhã de hoje, que culminaram na prisão de outros integrantes da organização criminosa: Anderson Ribeiro Venâncio, 39 anos; Magnum Campelo Diniz, 33 anos; Rubens Tadeu de Bastos, 53 anos; Aquiles Candido da Rocha, 32 anos; Hérica Caetano dos Reis Kruger, 31 anos; e Edmilson Albertino Magalhães, 41 anos.

Na ação, foram apreendidos um equipamento Jammer (bloqueador de sinal) e uma pistola de uso restrito.

Trata-se de um grupo extremamente organizado, com movimentação financeira milionária e responsável por diversos eventos criminosos, como roubo, furto, lavagem de dinheiro, homicídio, organização criminosa, entre outros.

A Polícia Civil conta com o auxílio da população no envio de informações que ajudem nas investigações. As denúncias possuem garantia de sigilo e podem ser realizadas por meio do 181.

Fonte: Secretaria de Comunicação Social da Polícia Civil/RN – SECOMS

Ministério da Agricultura responsável por reforma agrária, terras indígenas e quilombolas

O Ministério da Agricultura no governo do presidente Jair Bolsonaro será responsável pelas terras indígenas e quilombolas e terá o comando do Serviço Florestal Brasileiro, responsável pela gestão das reservas naturais, de acordo com medida provisória publicada no Diário Oficial da União nesta quarta-feira.

Durante a campanha, Bolsonaro deu sinais de que buscaria o aproveitamento econômico das áreas indígenas, tanto pela agricultura como para exploração mineral.

De acordo com a medida provisória publicada no DO, o ministério da Agricultura ficará responsável pela “identificação, delimitação, demarcação e registros das terras tradicionalmente ocupadas por indígenas”, e também em áreas ocupadas pelos remanescentes das comunidades dos quilombos.

Também ficarão sob responsabilidade da pasta reforma agrária, regularização fundiária de áreas rurais e a Amazônia Legal, de acordo com a MP.

A medida provisória, que estabelece a organização básica dos órgãos da Presidência da República e dos ministérios no governo Bolsonaro, também determina que o Serviço Florestal Brasileiro, atualmente vinculado ao Ministério do Meio Ambiente, ficará a cargo do Ministério da Agricultura.

O Serviço Florestal tem como objetivo promover o uso sustentável e a ampliação da cobertura florestal.

Na parte da medida provisória que trata do Ministério do Meio Ambiente, o novo governo afirma que a gestão sobre florestas públicas será exercida em articulação com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

O Ministério da Agricultura de Bolsonaro será comandado pela ministra Tereza Cristina.

Com Reuters e Notícias Agrícolas

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Jorgensen disse:

    KkkkkkkkkkkkkPiada???!!!