Diretor da OMS chora em apelo contra covid-19: ‘Por que é tão difícil para humanos se unirem?

Tedros Adhanom Ghebreyesus durante coletiva da OMS em fevereiro de 2020 — Foto: Denis Balibouse/Reuters

Com 12 milhões de pessoas contaminadas por Covid-19 e 550 mil mortos no planeta até o dia 9 de julho, o diretor da Organização Mundial da Saúde (OMS) fez um apelo emocionado ao mundo.

Tedros Adhanom Ghebreyesus advertiu na quinta-feira (9) que a pandemia do novo coronavírus segue fora de controle e, em prantos, pediu unidade para a humanidade, dias depois de os Estados Unidos entrarem com pedido formal de saída da OMS.

“A grande ameaça que enfrentamos agora não é o vírus em si, mas a ameaça é a falta de liderança e solidariedade em níveis globais e nacionais”, disse o diretor da OMS em Genebra, na Suíça.

Em um discurso emocionado, cheio de pausas, ele disse: “Esta é uma tragédia que… na verdade… está nos fazendo sentir falta de nossos amigos. Perdendo vidas… E não podemos enfrentar essa pandemia com um mundo dividido”.

“Por que é tão difícil para os humanos se unirem, para lutar contra o inimigo?”

Nos últimos dois dias, foram 170 mil casos novos confirmados de Covid-19, o que representa uma queda em relação aos 200 mil do fim de semana anterior. Ainda assim, os números são considerados altos demais.

As Américas são o continente mais afetado, com 6,12 milhões de contágios confirmados e 272 mil mortes oficiais. Isso é metade de tudo que foi registrado no mundo. O Brasil segue sendo o país com o segundo maior número de casos e mortes no mundo, atrás apenas dos EUA.

Diante desse cenário, o direto da OMS disse que a pandemia “é uma prova de solidariedade e liderança global” e voltou a pedir a unidade de todos os países.

“Isso está matando pessoas de forma indiscriminada. Não podemos ser capazes de identificar um inimigo comum? Não podemos entender que as divisões ou separações entre nós são realmente vantajosas para o vírus? A única maneira é estarmos juntos.”

Enquanto isso, os Estados Unidos seguem com seu processo de saída da OMS. O presidente americano, Donald Trump, finalmente pôs em prática o plano depois de passar meses criticando a entidade.

Na visão americana, a OMS administrou mal a crise do coronavírus e se mantém subordinada à China.

A OMS anunciou nesta quinta-feira a formação de um painel para avaliar a sua resposta à crise de saúde, para responder aos questionamentos dos Estados Unidos.

G1, com BBC

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. José Macedo disse:

    A única maneira é estarmos juntos.”
    Essa é a declaração do diretor da oms para o.mundo combater o coronavirus, por este tipo de informação é que todas as nações teriam que parar de contribuir com essa organização, totalmente inútil para a sociedade.

  2. Indignado disse:

    Por três vezes o povo da Etiópia chorou as perdas dos seus filhos, em razão de endemias de cólera, entre 2006 e 2011, quando esse homem era ministro da Saúde daquele País! E agora, sua desastrosa e ideológica gestão frente à OMS, levou o mundo a 12.600 mil infectados e a perder mais de 560 mil vidas por conta do Covid 19. É um genocida!!

  3. Wilson disse:

    Ele está chorando é com medo de ser associado ao regime corrupto e genocida do psicopata Xi Jinping.

  4. Santos disse:

    Homi, relaxe… chore não…
    Esqueceu o que fizeram com Jesus?
    Ele veio aqui, fez milagres, curou cegos e leprosos, ressuscitou mortos, alimentou milhares de pessoas e etc… e etc…
    O governo, com apoio do povo, humilhou, torturou, e o crucificou. Quando na cruz, quase sem vida, pediu água os soldados deram vinagre.
    Essa é a humanidade.
    Faz tua parte, quem quiser que acredite, quem não quiser deixe pra lá e vida que segue.
    Oxi…

  5. Manoel disse:

    Não tem moral nenhuma pra nada! Sua gestão só atrapalhou o combate ao covid acobertando a China nessa pandemia…

  6. Luciano Brito disse:

    Chorando pó dinheiro.

Band demite diretor e afasta Lacombe de matinal, diz site; “pauta conservadora” teria provocado racha na emissora

Foto: Reprodução

A Band decidiu reformular completamente o programa Aqui na Band – que está no ar apenas há um ano. Segundo o site Notícias da TV, a emissora paulista demitiu o diretor Vildomar Batista e afastou os apresentadores Ernesto Lacombe e Nathália Batista da atração.

De acordo com a publicação, os apresentadores devem ser demitidos ainda nesta quinta-feira (25) e Mariana Godoy, recém-contratada da emissora, deve assumir o programa em julho ao lado de um novo apresentador. A partir desta quinta até o dia 3 de julho, serão exibidas reprises.

A intervenção teria sido ocasionada por conta de uma briga entre as áreas de entretenimento e jornalismo da emissora, devido as pautas conservadoras que são a bandeira do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

Os diretores da Band inclusive estariam em “pé de guerra”. Segundo as informações do site, o agora demitido Vildomar Batista, teve uma discussão tensa com Fernando Mitre (diretor nacional) e Rodolfo Schneider (diretor de jornalismo), após o programa exibir, no começo de maio, um debate com o tema: “Quem mandou matar Jair Bolsonaro?”.

O ápice do conflito aconteceu na última terça-feira (23/06), quando o programa teve como tema o conservadorismo e Allan dos Santos, investigado pela Polícia Federal por disseminação de Fake News. A repercussão negativa foi tanta que Mitre chegou a esclarecer nas redes sociais que não tinha responsabilidade pelo programa.

Na tarde dessa quarta-feira (24/06), a emissora decidiu por suspender os programas inéditos e passar reprises, após a confirmação da contratação de Mariana Godoy. O diretor Vildomar teria se mostrado bastante incomodado por saber das informações através da imprensa e teria ameaçado rescindir seu contrato com a emissora.

Após a reformulação, o Aqui na Band deve ser tocado em conjunto pelas áreas de entretenimento e jornalismo, com o comando do diretor artístico e de programação, Antonio Zimmerle. O chef Dalton Rangel deve ser o único da atual equipe que continua no programa.

Com informações do Metrópoles

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Cigano Lulu disse:

    Teorias da conspiração à parte, foi uma ótima decisão do staff da Band. Veículos de comunicação de grande capilaridade – sobretudo os concessionários de radiodifusão – não têm que ser progressistas ou conservadores. Como dizia o bruxo Golbery, os extremos estão mais próximos entre si do que em relação ao centro. Portanto, caldo de galinha e um pouco de equilíbrio não fazem mal a ninguém.

  2. Neco disse:

    Tempos sombrios. E gente batendo palma.

  3. Az disse:

    Fernando mitre é esquerda declarado, precisamos de mais jornalistas e menos militante políticos.

  4. Acorda Brasil disse:

    Não foi pra isso que o partido comunista da China, através de seus laranjas, comprou a Band? Coloca a bola embaixo do sovaco e acaba a pelada.

  5. DEL GADO disse:

    PARABÉNS, FERNANDO MITRE!

  6. realista disse:

    a concessão vendida pela band e pela globo aos chineses já estão fazendo efeito.

GRAVE: “É como se pusessem uma tornozeleira eletrônica em todos os usuários no Brasil”, diz diretor do Whatsapp, sobre projeto de lei de fake news

Foto: Pixabay

É como se mais de 100 milhões de brasileiros passassem a ser monitorados por tornozeleira eletrônica. É assim que Pablo Bello, diretor de Políticas Públicas do WhatsApp para a América Latina, descreve os possíveis efeitos do projeto de lei sobre fake news que está em discussão no Senado.

O ponto do projeto que mais incomoda a plataforma é a rastreabilidade das mensagens, que obriga aplicativos a guardar as informações sobre todos os reencaminhamentos de cada mensagem, para que se possa identificar a origem de conteúdos potencialmente ilegais.

Há mais de cem emendas ao projeto de lei apresentado pelo senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) e relatado pelo senador Angelo Coronel (PSD-BA).

Ainda não se sabe qual será o texto final do relatório de Coronel, que será apresentado nesta quarta-feira (24), para ser votado na quinta (25). Mas, segundo apurou a Folha, o texto deve manter a rastreabilidade, ponto que mais incomoda o WhatsApp.

“É como se pusessem uma tornozeleira eletrônica em todos os usuários de WhatsApp no Brasil —poderão monitorar todos os movimentos das pessoas, saber com quem todo mundo fala por mensagem”, disse Bello à Folha.

Segundo os números mais recentes, de 2017, há mais de 120 milhões de usuários de WhatsApp no país. A legislação em discussão determina que o WhatsApp deve guardar os registros da cadeia de reencaminhamentos de mensagens até sua origem, e fornecer essas informações mediante pedido judicial.

“Tudo isso, essa coleta maciça de dados para que, no caso eventual de alguém cometer um crime, poderem obter essas informações…isso transformará todos em suspeitos, subverte a presunção de inocência.”

Segundo Bello, embora a medida não implique quebrar a criptografia, porque não revela o conteúdo das mensagens, ela representa violação de privacidade ao mostrar com quem todo mundo fala.

Bello afirma que o WhatsApp de hoje é muito diferente do aplicativo em 2018, quando foi usado para disseminação de notícias falsas durante as eleições. Na ocasião, a plataforma teve de suspender 400 mil contas. “Introduzimos várias modificações para reduzir a viralização de algumas mensagens.”

O número de vezes que uma mensagem pode ser reencaminhada foi reduzido de 20 para 5, o que, segundo Bello, já diminuiu em 30% o número de reencaminhamentos.

Em abril deste ano, o WhatsApp passou a permitir que as mensagens que estejam viralizando sejam reencaminhadas apenas uma vez. Bello voltou a enfatizar que apenas 5% de todas as mensagens trocadas pelo aplicativo são reencaminhadas.

A plataforma defendeu a proibição de envio em massa de mensagens de WhatsApp durante as eleições, o que foi incorporado na regulamentação do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) adotada em novembro do ano passado.

A empresa também está acionando judicialmente agências que fazem disparos em massa, como a Yacows. E está cooperando com agências de checagem de fatos para criar chatbots no WhatsApp, como o da International Fact Checking Network, para combater fake news sobre a pandemia de Covid-19, e canais de informação reunindo ministérios da Saúde de vários países, entre eles o Brasil.

“Essa é nossa visão de como combater desinformação”, diz Bello.

Segundo ele, a coleta e o armazenamento maciço de dados exigidos pela lei vão contra o modelo de negócios do WhatsApp. “É muito arriscado guardar todas essas informações. Imagine um hacker?”, questiona.

Ele lembra que o WhatsApp é uma plataforma global e, eventualmente, essas mudanças poderiam passar a valer em países não democráticos. “Rastreabilidade de mensagens é um presente para governos autoritários; é um problema não apenas de privacidade, mas também de direitos humanos.”

Bello afirma que o WhatsApp colabora com a Justiça ao fornecer os dados já previstos pelo Marco Civil da Internet —os logs de acesso, detalhes sobre quando uma determinada pessoa entrou e saiu do aplicativo, e o IP usado. E que está disposto a aperfeiçoar isso, fornecendo essas informações de maneira mais eficaz e rápida, sempre a partir de pedido judicial.

Folha de São Paulo

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Véi de Rui disse:

    Liberdade total teve Lula, roubou o dinheiro do povo brasileiro, deu aos filhos aos comparsas e mandou pra onde quis e ninguém fez nada. Isso sim é liberdade total!

  2. Santos disse:

    Olha o que está na Constituição Federal, Art. 5°, IV – é livre a manifestação do pensamento, sendo VEDADO O ANONIMATO; V – É ASSEGURADO O DIREITO DE RESPOSTA PROPORCIONAL AO AGRAVO, além da indenização por dano material, moral ou à imagem;

    • Rodrigo disse:

      Não entendi o que vc quis dizer, olhe que conheço da constituição do Brasil.

  3. Manoel disse:

    Depois do gabinete do ódio, da privacidade raqueada (Ótimo filme no netflix) e da eleição de Trump/Bozo, qualquer atitude contra fake news é bem vinda.

  4. João Italiano disse:

    Não existe liberdade total numa democracia, isso é utopia. A liberdade tem limites, e esse limite é a Lei, a ordem jurídica. Divulgar mentiras e destruir reputações não é liberdade de expressão, é crime. Simples assim.

  5. Romero Cezar da Câmara disse:

    Não sei quem tem medo de ser identificado, deve ser bandidos ou caluniadores. A liberdade de se expressar tai; más diga e assuma e essas redes sociais são um prato cheio pra criminosos de todos os ramos se esconderem no anonimato. Facebook, whatsapp etc…, documentos pra ter sua conta, sua liberdade de expressão. Internet e lugar de informação e não de fakes.

  6. Antonio Turci disse:

    Infelizmente, pela irresponsabilidade de alguns, todos terão que pagar. Que venha a lei. Está na hora de dar "um basta" em tantas Fake News.

  7. Ricardo disse:

    Tem gente batendo palma enquanto só se pegar bolsonarista (afinal, do outro lado não se diz mentira, né?). Num dia um desafeto vai usar isso contra vc. E nem vai precisar ser uma mentira.

    • Rafael Franco disse:

      Interessante! O tal do devido processo legal só serve quando beneficia você ou um amigo seu. Quando Sérgio Moro indicava testemunhas para a acusação ninguém se importava… Onde vocês estavam nessa época?

    • Ricardo disse:

      Falsa analogia. Falácia.

  8. Davi disse:

    Qual problema de rastrear quem fez a notícia? Pode ser mentirosa e é crime, projeto de lei acertado.

    • andre bambu disse:

      Quando vc ver o dono do facebook colocando um fita na cam do laptop que utiliza. Vai começar a entender o valor da liberdade. (mesmo sendo vc uma pessoa íntegra)

      Para o bem comum "vou monitora todos". Isso é liberdade? (por punhado de bandidos, todos pagam)

    • Ricardo disse:

      Tem que ser muito ingênuo pra acreditar que esss lei visa só pegar bandido.

FOTO: Diretor da Globo é flagrado descumprindo quarentena em praia

Foto: AgNews

A Organização Mundial da Saúde recomendou algumas medidas para conter o avanço da Pandemia do Coronavírus no mundo. A ideia é evitar que ocorra um congestionamento nos sistemas de saúde.

O isolamento social é a arma mais poderosa no momento, e vem sendo isso que as emissoras de televisão, como a Globo, estão reafirmando diariamente esse pensamento em seus telejornais.

No final da tarde de domingo (19), o diretor da Rege Globo, Amauri Soares, foi flagrado caminhando sem máscara pela praia, no Rio de Janeiro.

Segundo a jornalista, Fábia Oliveira, o chefe da emissora “chegou a apertar o passo quando percebeu que tinha sido reconhecido por fotógrafo de plantão”.

UOL – TNONLINE e TV Foco

https://tnonline.uol.com.br/noticias/cotidiano/67,492931,20,04,diretor-da-globo-e-flagrado-descumprindo-quarentena-em-praia

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. José Macedo disse:

    Mais uma prova que o JB tem razão no isolamento vertical, até o mandetta sabia disso.

  2. Gabriela disse:

    Se o presidente faz passeatas, qual é o problema caminhar no calçadão ?!

  3. Greg disse:

    Eu caminho no calçadão sem problemas, não há aglomeração de pessoas…alguém poderia me dizer qual o problema nisso…muito pior é qdo tenho que ir ao supermercado ou padaria..ai sim, mais preocupante.

  4. Antenado disse:

    Os caras estão defendendo até diretor da Globo. Estou vivo para ver e acreditar. Kkkkkkkk

  5. Luiz Teixeira disse:

    Atividade física solitária é permitida pelas autoridades sanitárias. Machete sensacionalista !!!

  6. Iara disse:

    São uns canalhas e hipócritas, ficar em casa é ótimo para eles, a audiência desse lixo subiu com essa pandemia, se a galera sair pra trabalhar ninguém assiste mais essa porcaria, aliás, cada dia mais as pessoas estão voltadas para a internet, o que é uma maravilha se tomados os devidos cuidados tb

  7. Zé Ninguém disse:

    Ontem (19) aqui em Natal ocorreu uma concentração gigantesca de pessoas e ninguém tomou nenhuma providência???? Lentes de aumento para uns casos, e uma venda nos olhos para outros casos. Tem gente que engole um elefante e se engasga com um mosquito.

  8. Mpj disse:

    Ontem aqui em Natal , nas praias da zona leste tinha muita gente e dezenas de carros. Muita gente mesmo em areia preta, praia do forte, do meio e artistas. Estão brincando com esse vírus .

  9. Victorino disse:

    É na globo que tem um chiqueiro cheio de idiotas, o que esperar mais desse lixo.

  10. Deoclésio disse:

    A PM só prende cidadão comum? A lei é para todos ou só para o trabalhador normal, sem costas largas? Prenderam uma senhora na praça, prenderam um militar da reserva na praia e o pessoal da globo, que a cada 01 minuto pede para o povo ficar trancafiado em casa, pode ir fazer caminhada na praia? Podem explicar se a lei é, a partir de agora, oficialmente seletiva?

  11. Manoel disse:

    O “fiquem em casa” não serve pra eles… E quanto mais vc ficar em casa, mais eles ganham com isso! Desgrudem da TV gente!

Coronavírus: Após divergências, diretor da linha de frente do Ministério da Saúde se afasta e deve deixar cargo

O diretor do departamento de imunização do Ministério da Saúde, Júlio Croda Foto: Jorge William / Agência O Globo

O núcleo central do Ministério da Saúde de combate ao novo coronavírus sofreu uma baixa. Júlio Croda, diretor do Departamento de Imunização e Doenças Transmissíveis da pasta, afastou-se de suas funções após divergências internas com a equipe. Ele está de férias até o começo de abril, mas não deverá retornar ao trabalho em razão de discordâncias com seu chefe, o secretário de Vigilância em Saúde do ministério, Wanderson de Oliveira.

Até seu afastamento, ele estava na linha de frente das ações contra o novo coronavírus, assim como Wanderson. Croda chegou a participar de algumas entrevistas coletivas sobre o tema ao lado do chefe direto e do próprio ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta. Oficialmente, o ministério informa apenas que ele está de férias.

Após “ruídos” internos, potencializados pelo estresse vivido pela equipe, Croda foi incentivado a se afastar por uns dias para baixar a temperatura.

Com informações de O Globo

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Vergonha disse:

    Calma , se o cara esta de férias até o começo de abril , como está na linha de frente??? Essa classe de jornalismo 🤦🏼‍♂️

Diretor de jornalismo da Globo elogia em “nota interna” reportagem sobre o porteiro e revela bastidores

Foto: Reprodução

O diretor de jornalismo da Rede Globo, Ali Kamel, divulgou uma nota interna de elogio aos jornalistas envolvidos na reportagem do Jornal Nacional que revelou a história do porteiro do condomínio de Jair Bolsonaro, depoente no caso do assassinato de Marielle Franco e Anderson Gomes.

Eis a nota na íntegra:

“Há momentos em nossa vida de jornalistas em que devemos parar para celebrar nossos êxitos.

Eu me refiro à semana passada, quando um cuidadoso trabalho da editoria Rio levou ao ar no Jornal Nacional uma reportagem sobre o Caso Marielle que gerou grande repercussão. A origem da reportagem remonta ao dia 1° de outubro, quando a editoria teve acesso a uma página do livro de ocorrências do condomínio em que mora Ronnie Lessa, o acusado de matar Marielle. Ali, estava anotado que, para entrar no condomínio, o comparsa dele, Elcio Queiroz, dissera estar indo para a casa 58, residência do então deputado Jair Bolsonaro, hoje presidente da República. Isso era tudo, o ponto de partida.

Um meticuloso trabalho de investigação teve início: aquela página do livro existiu, constava de algum inquérito? No curso da investigação, a editoria confirmou que o documento existia e mais: comprovou que o porteiro que fez a anotação prestara dois depoimentos em que afirmou que ligara duas vezes para a casa 58, tendo sido atendido, nas palavras dele, pelo “seu Jair”. A investigação não parou. Onde estava o então deputado Jair Bolsonaro naquele dia? A editoria pesquisou os registros da Câmara e confirmou que o então deputado estava em Brasilia e participara de duas votações, em horários que tornavam impossível a sua presença no Rio. Pesquisou mais, e descobriu vídeos que o então deputado gravara na Câmara naquele dia e publicara em suas redes sociais. A realidade não batia com o depoimento do porteiro.

Em meio a essa apuração da Rio (que era feita de maneira sigilosa, com o conhecimento apenas de Bonner, Vinicius, as lideranças da Rio e os autores envolvidos, tudo para que a informação não vazasse para outros órgãos de imprensa), uma fonte absolutamente próxima da família do presidente Jair Bolsonaro (e que em respeito ao sigilo da fonte tem seu nome preservado), procurou nossa emissora em Brasilia para dizer que ia estourar uma grande bomba, pois a investigação do Caso Marielle esbarrara num personagem com foro privilegiado e que, por esse motivo, o caso tinha sido levado ao STF para que se decidisse se a investigação poderia ou não prosseguir. A editoria em Brasilia, àquela altura, não sabia das apurações da editoria Rio. Eu estranhei: por que uma fonte tão próxima ao presidente nos contava algo que era prejudicial ao presidente? Dias depois, a mesma fonte perguntava: a matéria não vai sair?

Isso nos fez redobrar os cuidados. Mandei voltar a apuração quase à estaca zero e checar tudo novamente, ao mesmo tempo em que a Editoria Rio foi informada sobre o STF. Confirmar se o caso realmente tinha ido parar no Supremo tornava tudo mais importante, pois o conturbado Caso Marielle poderia ser paralisado. Tudo foi novamente rechecado, a editoria tratou de se cercar de ainda mais cuidados sobre a existência do documento da portaria e dos depoimentos do porteiro. Na terça-feira, dia 29 de outubro, às 19 horas, a editoria Rio confirmou, sem chance de erro, que de fato o MP estadual consultara o STF.

De posse de todas esses fatos, informamos às autoridades envolvidas nas investigações que a reportagem seria publicada naquele dia, nos termos em que foi publicada. Elas apenas ouviram e soltaram notas que diziam que a investigação estava sob sigilo. Informamos, então, ao advogado do presidente Bolsonaro, Frederick Wassef, sobre o conteúdo da reportagem e pedimos uma entrevista, que prontamente aceitou dar em São Paulo. Nela, ele desmentiu o porteiro e, confirmando o que nós já sabíamos, disse que o presidente estava em Brasília no dia do crime. Era madrugada na Arábia Saudita e em nenhum momento o advogado ofereceu entrevista com o presidente.

A reportagem estava pronta para ir ao ar. Tudo nela era verdadeiro: o livro da portaria, a existência dos depoimentos do porteiro, a impossibilidade de Bolsonaro ter atendido o interfone (pois ele estava em Brasilia) e, mais importante, a possibilidade de o STF paralisar as investigações de um caso tão rumoroso. É importante frisar que nenhuma de nossas fontes vislumbrava a hipótese de o telefonema não ter sido dado para a casa 58. A dúvida era somente sobre quem atendeu e só seria solucionada após a decisão do STF e depois de uma perícia longa e demorada em um arquivo com mais de um ano de registros. E isso foi dito na reportagem. Quem, de posse de informações tão relevantes, não publica uma reportagem, com todas as cautelas devidas, não faz jornalismo profissional.

Hoje sabemos que o advogado do presidente, no momento em que nos concedeu entrevista, sabia da existência do áudio que mostrava que o telefonema fora dado, não à casa do presidente, mas à casa 65, de Ronnie Lessa. No último sábado, o próprio presidente Bolsonaro disse à imprensa: “Nós pegamos, antes que fosse adulterada, ou tentasse adulterar, pegamos toda a memória da secretária eletrônica que é guardada há mais de ano”.

Por que os principais interessados em esclarecer os fatos, sabendo com detalhes da existência do áudio, sonegaram essa informação?

A resposta pode estar no que aconteceu nos minutos subsequentes à publicação da reportagem do Jornal Nacional.

Patifes, canalhas e porcos foram alguns dos insultos, acompanhados de ameaças à cassação da concessão da Globo em 2022, dirigidos pelo presidente Bolsonaro ao nosso jornalismo, que só cumpriu a sua missão, oferecendo todas as chances aos interessados para desacreditar com mais elementos o porteiro do condomínio (já que sabiam do áudio).

Diante de uma estratégia assim, o nosso jornalismo não se vitimiza nem se intimida: segue fazendo jornalismo. É certo que em 37 anos de profissão, nunca imaginei que o jornalismo que pratico fosse usado de forma tão esquisita, mas sou daqueles que se empolgam diante de aprendizados. No dia seguinte, já não valia o sigilo em torno do assunto, alegado na véspera para não comentar a reportagem do JN antes de ela ir ao ar. Houve uma elucidativa entrevista das promotoras do caso, que divulgamos com o destaque merecido: o telefonema foi feito para a casa 65, quem o atendeu foi Ronnie Lessa, tudo isso levando as promotoras a afirmarem que o depoimento do porteiro e o registro que fez em livro não condizem com a realidade. O Jornal Nacional de quarta exibiu tudo, inclusive os ataques do presidente Bolsonaro ao nosso jornalismo, respondidos de forma eloquente e firme, mas também serena, pela própria Globo, que honra a sua tradição de prestigiar seus jornalistas. Estranhamente, nenhuma outra indagação da imprensa motivada por atitudes e declarações subsequentes do presidente foi respondida. O alegado sigilo voltou a prevalecer.

Mas continuamos a fazer jornalismo. Revelamos que a perícia no sistema de interfone foi feita apenas um dia depois da exibição da reportagem e num procedimento que durou somente duas horas e meia, o que tem sido alvo de críticas de diversas associações de peritos.

Conto tudo isso para dar os parabéns mais efusivos à editoria Rio. Seguiremos fazendo jornalismo, em busca da verdade. É a nossa missão. Para nós, é motivo de orgulho. Para outros, de irritação e medo.”

Ali Kamel

O Antagonista

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Pedro disse:

    Como justificar e qual a real motivação de soltar uma materia, como se admite, falsa, tendo bastante tempo não ter sido questionado, o alvo que se queria atingir, Sr. Ali Kamel, vcs deram uma barrigada, atiraram numa mosca e acertaram bem no peito de vcs, não se justifica o injustificável, pedir desculpas Seria mais educado, fino e honesto. Infelizmente ou felizmente vcs tem contas para acertar com o Brasil , que de passagem não é de vcs. A Globo como concessão deveria estar a serviço da verdade, seja lá de onde viesse. Vcs estão sempre a favor dos seus interesses, pena que agora o mandatário não está a seu soldo.

  2. aof disse:

    A mesma postura da Globo, evidenciada desde a primeira entrevista com o então candidato Jair Bolsonaro: antipatia e hostilidade. O cofre um dia seca. A chave do cofre está do outro lado.

  3. Sem Político de Estimação disse:

    Muito bem rede Globo, continuem investigando e informando à população os podres de TODOS os governos. Se não gosta da Globo vão assistir Edir Macedo e Sílvio Santos.

  4. Véi de Rui disse:

    O diretor de jornalismo ia dar uma de Carrile e detonar seus comandados? Claro que tá livrando o seu da reta!

  5. Antenado disse:

    Tão bestinha

Diretor do Detran participa do encerramento da Semana Nacional de Trânsito

Foto: Divulgação

O diretor-geral do Departamento Estadual de Trânsito do RN (Detran), Jonielson Oliveira, participou na manhã desta quinta-feira (26) do encerramento da Semana Nacional de Trânsito (SNT), que aconteceu no Centro Municipal de Referência em Educação (Cemure), situado no bairro de Cidade da Esperança, em Natal. O evento organizado pela Policia Rodoviária Federal (PRF) reuniu as instituições que fazem parte do Programa Vida no Trânsito (PVT).

O momento destacou a participação de nove escolas públicas onde os estudantes realizaram diversas apresentações todas trabalhadas com ênfase a temática do tráfego de veículos e pessoas. O evento denominado 1º Festival Estudantil Temático de Trânsito (Fetran) inseriu crianças, adolescentes e jovens no contexto da segurança, respeito e conscientização do cidadão que faz parte do trânsito, seja ele motorista, motociclista, ciclista ou pedestre.

Para o diretor do Detran, Jonielson Oliveira, o evento fecha a Semana Nacional de Trânsito conscientizando os futuros condutores de veículos. “O Detran realizou uma semana intensa de atividades educativas contemplando a capital e as principais cidades do Estado, e agora fecha a semana da melhor maneira possível, trabalhando o trânsito na escola juntamente com as instituições parceiras”, comentou.

O trabalho desenvolvido pelo Detran durante a SNT abrangeu atividades nas escolas, ruas e avenidas. Foram realizadas blitzen educativas, palestras, debates, eventos lúdicos, entrega de material educativo, distribuição de brindes, amostras institucionais, além de treinamento de pilotagem, ações sobre trilhos e outras.

A SNT é prevista no Código de Trânsito Brasileiro (CTB) e tem a finalidade de conscientizar a sociedade para a criação de um ambiente favorável de valorização da vida, focando o desenvolvimento de valores, posturas e atitudes, no sentido de garantir a segurança e o direito de ir e vir dos cidadãos no trânsito.

Diretor do Hospital Badim no Rio diz que 11 pessoas morreram e 77 foram transferidas após incêndio

Infográfico sobre o incêndio no Hospital Badim, no Rio de Janeiro — Foto: Juliane Monteiro e Rodrigo Sanches/G1

O diretor do Hospital Badim, Fábio Santoro, disse em um comunicado lido na tarde desta sexta-feira (13) que foram confirmadas 11 mortes no incêndio que atingiu a unidade nesta quinta – uma morte ainda está em fase de “oficialização” pelo IML. Até o início da tarde desta sexta a Defesa Civil falava em 10 mortos.

Ainda segundo Santoro, 77 pessoas seguem internadas em hospitais que deram apoio ao Badim.

“Dos 103 pacientes que estavam na unidade, 77 seguem internados e estão em 12 instituições de saúde da nossa cidade. Quinze já estão nas suas residências. Onze óbitos foram confirmados, sendo um deles em fase de oficialização pelo IML”, disse Santoro.

Os peritos que trabalhavam no incêndio deixaram a unidade de saúde no início da tarde. A informação é que eles conseguiram acessar o aparelho, mas ainda tem muita água no subsolo do prédio. A água da estrutura será drenada e deverá ter luz adequada para periciar melhor o local onde está o gerador.

Dez mortos já foram identificados no IML (veja quem são):

Alayde Henrique Barbieri, 96 anos;
Ana Almeida do Nascimento, 90 anos;
Berta Gonçalves Barreira de Souza, 93 anos;
Darcy da Rocha Dias, 88 anos;
Irene Freiras de Brito, 84 anos;
José Costa de Andrade, 79 anos;
Luzia dos Santos Melo, 88 anos;
Maria Alice Teixeira da Costa, 76 anos;
Marlene Menezes Fraga, 85 anos;
Virgílio Claudino da Silva, 66 anos.

Hospitais para onde foram levados pacientes:

Americas
Casa de Portugal
Caxias D’or
Copa D’or
Gafree Guinle
Israelita Albert Sabin
Norte D’Or
Quinta D’Or
Samaritano
São Bernardo
Unimed Barra
Incêndio

O fogo começou na noite de quinta-feira (12), no subsolo da unidade de saúde, no Maracanã, Zona Norte do Rio. Segundo o Instituto Médico Legal (IML), as mortes ocorreram por asfixia e o por desligamento de aparelhos. Ninguém foi carbonizado.

“A maioria foi por asfixia, alguns casos não, mas coisas correlacionadas ao acidente (…) São descompensações das doenças que as pessoas, relacionadas aos aparelhos que as mantinham vivas e que deixaram de funcionar com o incêndio”, explicou Gabriela Garça, diretora do IML que coordenou a necropsia.

Diretor do Inpe diz que discurso sobre Bolsonaro ‘causou constrangimento’ e será exonerado

Reprodução: Globo News

O diretor do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), Ricardo Magnus Osório Galvão, disse nesta sexta-feira (2) que será exonerado do cargo. O anúncio foi feito após reunião com o ministro da Ciência e Tecnologia, Marcos Pontes, em Brasília.

O órgão que Galvão comandava foi acusado pelo presidente Jair Bolsonaro de mentir sobre os dados do desmatamento e agir a “serviço de alguma ONG”. Galvão rebateu as acusações de Bolsonaro e criticou falas e comportamento do presidente.

“Minha fala sobre o presidente gerou constrangimento, então eu serei exonerado”, disse Ricardo Galvão. Galvão lembrou que tinha um mandato de quatro anos, mas que, apesar isso, o regimento prevê que o ministro pode substituí-lo “em uma situação de perda de confiança”. O diretor disse que teve uma conversa muito cortês com Pontes e que concorda com a exoneração.

Os alertas do desmatamento no Brasil registraram alta de 88% em junho e de 212% em julho, segundo análise a partir de dados do Inpe compilados pelo sistema conhecido como Detecção de Desmatamento em Tempo Real (Deter).

O governo afirma que a medição do Deter não deve ser usada para gerar percentuais, e que os dados consolidados de desmatamento são divulgados pelo Programa de Monitoramento da Floresta Amazônica Brasileira por Satélite (Prodes). O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, diz que vai licitar um novo sistema de monitoramento. Especialistas rebatem o governo e afirmam que o Deter mostra a tendência de aumento, com precisão de cerca de 90%, e suas medições parciais sempre foram confirmadas posteriormente pelo Prodes em um balanço anual.

Acusações de Bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro acusou o Inpe de mentir sobre dados de desmatamento e de estar “agindo a serviço de uma ONG”. As primeiras acusações de Bolsonaro contra o Inpe foram feitas na sexta-feira (19), durante café da manhã com jornalistas estrangeiros. As críticas do governo aos dados sobre o desmatamento continuaram e, na quinta-feira (1°), Bolsonaro voltou a fazer acusações contra o instituto.

Logo após as primeiras falas do presidente, Galvão rebateu o presidente e disse que não iria pedir demissão. À época, ele declarou: “Ao fazer acusações sobre os dados do Inpe, na verdade ele faz em duas partes. Na primeira, ele me acusa de estar a serviço de uma ONG internacional. Ele já disse que os dados do Inpe não estavam corretos segundo a avaliação dele, como se ele tivesse qualidade ou qualificação de fazer análise de dados.”

Reunião com o ministro

Nesta sexta, o diretor do Inpe afirmou que o ministro Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Marcos Pontes, afirmou que o Inpe será preservado.

“Claro que com o meu discurso com relação ao presidente causou constrangimento, no entanto eu tinha uma preocupação grande que isso fosse respingar no Inpe. Isso não vai acontecer”, afirmou Galvão.

Galvão disse ainda que não teve que “defender” os dados sobre desmatamento para o ministro Marcos Pontes.

“Frente ao ministro Pontes eu não tive que defender nada. Ele concorda inteiramente com os dados do INPE e sabe como são os dados do INPE”, disse. “O ministro é uma pessoa de alta capacidade técnica, um engenheiro” – Ricardo Galvão.

G1

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Maria Fátima Nunes Meirelles disse:

    É constrangedor ver ESSA CONDUTA IMORAL, temos que aprender JUNTOS o Ato de Respeitar Leis e Atitudes DESCENTES e ao mesmo tempo CONDENAR O ERRO.

  2. Cigano Lulu disse:

    Aquela velha história de poder vertical: manda quem pode, obedece quem tem juízo… Ainda mais no Brasil, onde qualquer um abre uma bodega só para se autoproclamar presidente.

  3. Ceará-Mundão disse:

    O presidente é o Bolsonaro e o mínimo que se exige de um subordinado é que detenha a confiança do chefe. E já está claro que não há essa confiança. Logo…

  4. Fernando disse:

    Um auxiliar ralé falar mal do chefe, tem que ser exonerado pra poder procurar um chefe que se enquadre ao seu trabalho e convicções.

    • Ana disse:

      Não falou mal, falou a verdade, se isso incomoda, fazer o que. Mas esse era o funcionário que todo patrão queria ter, fala a verdade e não o que o chefe quer ouvir. Mentir, enganar, corromper….esse eram predicados do governo anterior, se quer se igualhar, ai é outra coisa.

Diretor da Funpec explica como funciona a auditoria na Fundação e como são indicados os conselheiros

Fotos: Reprodução

O diretor da Fundação Norte-rio-grandense de Pesquisa e Cultura (Funpec), professor André Maitelli, questionado pelo BG em entrevista ao programa Meio-Dia RN, na 98 FM, nesta sexta-feira(31), sobre quem audita a Fundação, disse que são realizadas por órgãos financiadores, a UFRN e TCU.

Sobre como funcionam as indicações na Fundação,o  professor André Maitelli explicou que os conselheiros são indicados pelos centros acadêmicos da Universidade.

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Luiz Dionísio disse:

    A auditoria tem que ser feita pela PF o MP daqui é suspeito, tem “parcerias” obscuras com essa Funpec

  2. Raimundo disse:

    Amigos ele pode ser a melhor pessoa do mundo reencarnação da Madre Tereza, mais que tem mutreta nessa Funpec não tenho dúvidas.

  3. Alicia disse:

    Henrike, você é advogado da Funpec? Ou também participa do racha?

  4. Henrique Föppel Uchôa disse:

    É uma covardia dupla: com a Instituição e com o ser humano, André Maitelli professor de reputação ilibada, chefe de família e acima de qualquer suspeita… depois da tempestade virá a bonanza !!! Amplexo fraterno !!!

    • Sérgio Nogueira disse:

      Comentário que exagera tanto que faz qualquer xeleléu profissional sentir vergonha.

  5. Carla disse:

    Uma pessoa admirável! Que Deus lhe dê forças para superar este momento e seguir em sua missão que é acima de tudo promover o bem e o progresso do nosso estado.

    • Sérgio Nogueira disse:

      Poderia nos presentear com a informação de como ele consegue isso contratando por valores astronômicos empresas de São Paulo?
      O caso FUNPEC só tem dois personagens: o idiota útil e o corrupto. Ou não?

  6. Ivan disse:

    Ele e seus colegas também explicam como o Lula foi condenada sem provas…Lava-Jato nas universidades já!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

  7. Waldemir disse:

    Esse diretor é filiado a algum partido politico ?????!

  8. yago disse:

    Quem vai explicar daqui uns dias como funcionava o esquema é a PF e o MPF, aguardem cartas…

  9. Zanoni disse:

    MPF, vamos investigar a sangria que está sendo anunciada.

  10. Cortez Pereira Junior disse:

    Gostaria de saber a filiação dessa figura?

GOVERNO FÁTIMA: Maurício Marques será o diretor da Empresa Gestora de Ativos do Rio Grande do Norte (EMGERN)

O ex-prefeito de Parnamirim, Maurício Marques, será o diretor da Empresa Gestora de Ativos do Rio Grande do Norte (EMGERN), no Governo Fátima Bezerra.

A Emgern tem por missão gerir com excelência serviços e soluções de ativos públicos para o Governo do Estado do Rio Grande do Norte.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Pedro disse:

    Bola fora

  2. Ruimundo Silva disse:

    Vai trabalhar FDP urubu, vai comer tua carniça no inferno.

  3. Marcos Dantas disse:

    O Presidente da Emgern é eleito para um mandato. O Mandato do atual Presidente só termina em Maio de 2020. O STF já se pronunciou a respeito desses mandatos. Igual a Arsep, Correios dentre outros. Maurício terá que esperar até maio do próximo ano pata ser nomeado pelo Conselho Administrativo e não pela Governadora.

  4. Nosdliw disse:

    Bola Fora!!

    Um cara investigado pelo MP e que deixou um rombo na prefeitura de Parnamirim

  5. REVOLTADO disse:

    UM ABSURDO ! UM CARA QUE É INVESTIGADO PELO MINISTÉRIO PÚBLICO POR VÁRIOS PROCESSOS DE CORRUPÇÃO NO MUNICÍPIO DE PARNAMIRIM , SER NOMEADO DIRETOR DA EMGERN. BOLA FORA FÁTIMA BEZERRA.

  6. Tony Seixas disse:

    E o bug na cabecinha dos petistas em 3…2….1…..

    "e o Queiroz?!…"

  7. Luciana Morais Gama disse:

    E Mauricio Marques cheio de processos nas costas pode?? Já vi que tá tudo como antes no quartel de abrantes.

FOTO: Diretor do Banco Mundial visita obras em São Gonçalo

Na manhã da última sexta-feira (30 de novembro), o prefeito de São Gonçalo do Amarante/RN, Paulo Emídio realizou, juntamente com o diretor do Banco Mundial para o Brasil, Martin Raiser, uma série de visitas em diversos pontos turísticos da cidade.

A comitiva, também composta por representantes do Governo Estadual, liderada pelo secretário Vagner Araújo, além de vereadores, também visitou obras que estão sendo realizadas em parceria com o Banco Mundial, Governo do Estado e Prefeitura, como a reconstrução da RN 160 e construção da escola de ensino médio do bairro Jardins.

Na ocasião, o prefeito Paulinho ressaltou a importância da Estrada da Produção, um pleito firmado entre os órgãos.

Governador dá posse à diretora geral do Departamento Estadual de Imprensa (DEI)

Posse Dei Suzy Noronha fot Ivanizio Ramos3O governador Robinson Faria empossou, na noite desta segunda feira (21), a jornalista Suzy Noronha como nova diretora geral do Departamento Estadual de Imprensa (DEI). A posse foi realizada no gabinete do governador, no Centro Administrativo.

“Temos novos projetos e o DEI será um dos protagonistas deste trabalho. já há materiais bem interessantes, como a República e o Nós do RN, sendo feitos por lá. Estamos inovando”, destacou o governador Robinson Faria, ao desejar sucesso à jornalista.

Após assinar o termo de posse, Suzy realçou sua satisfação em assumir o cago. “É um prazer fazer parte de sua equipe. Contribuiremos com mais de 10 anos de experiência em TV e assessoria de comunicação. Vamos trabalhar para fazer acontecer e investir em novos projetos”, ressaltou.

O Departamento Estadual de Imprensa é um órgão da administração que tem por objetivo a edição do Diário Oficial (DOE) e de outras publicações de interesse do Estado, como livros, revistas e periódicos, além da produção de conteúdo de comunicação, em parceria com a Assessoria de Comunicação Social.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Val Lima disse:

    Veja o q é politicagem…Sai um profissional extremamente competente,com no hall comprovado por onde atuou….Enquanto a equipe q chega é apenas expectativa….mas enfim!!!…Cargo comissionado é assim mesmo…vale o QI (Quem Indica)…..

  2. Jorge Sadu disse:

    Será que fazem parte do time dos "ficha-limpa, conforme exigências do próprio Governador?

PF apreende documento de delação de Ceveró com o ex-diretor na prisão

16/04/2014. Credito: Bruno Peres/CB/D.A Press. Brasil. Brasília - DF. Ex-diretor financeiro da Petrobras Nestor Ceveró, durante audiência da Comisão de Fiscalização Financeira e Controle da Câmara dos Deputados, no Congresso Nacional.
Foto: Bruno Peres/CB/D.A Press

A Polícia Federal apreendeu nesta segunda-feira documentos da delação premiada do ex-diretor de área Internacional da Petrobras Nestor Cerveró. A papelada estava com o próprio Cerveró na carceragem da PF, em Curitiba. Na semana passada, as investigações mostraram que o ex-presidente do Banco BTG Pactual André Esteves e o senador Delcídio do Amaral (PT-MS) tiveram acesso a cópias da colaboração do ex-diretor da Petrobras antes mesmo do Supremo Tribunal Federal homologar o acordo.

O relator da Lava-Jato no STF, ministro Teori Zavaski, afirmou que o fato de os dois terem acesso aos documentos revelou a existência de um “canal de vazamento na Operação Lava-Jato que municia pessoas em posição de poder com informações” das investigações. Os termos foram apreendidos, lacrados e encaminhados à Procuradoria Geral da República (PGR), em Brasília.

Os documentos foram entregues pelo próprio Cerveró aos investigadores. O fato ocorreu durante a visita da advogada do ex-diretor da estatal, Alessi Brandão, que esteve na manhã desta segunda-feira na carceragem da PF. Os agentes proibiram a defensora de se encontrar com Cerveró e determinaram que os dois se comunicassem através do parlatório — sala reservada onde advogado e preso ficam separados por uma janela de vidro.

Assim que a advogado chegou, Cerveró mostrou os documentos. O GLOBO apurou que, no momento em que viu o documento, Alessi pediu para chamar um dos investigadores. Um grupo de pelo menos três agentes, entre eles um delegado, chegou e viu os documentos. No mesmo instante, o delegado mandou apreender o documento e lacrar na frente de Cerveró e de sua advogada. Os dois foram ouvidos sobre o caso.

Os documentos apreendidos nesta segunda-feira serão periciados e poderão ser comparados ao material apreendido na 21ª fase da Operação Lava-Jato na semana passada. No inquérito dessa fase da operação, Delcídio e Esteves são acusados de atrapalhar o andamento das investigações da Lava-Jato ao negociarem a compra do silêncio de Cerveró. Em gravação feita no dia 4 de novembro pelo filho de Cerveró e que foi responsável pela prisão de Delcídio, o senador relata que o banqueiro André Esteves, do BTG Pactual, teve acesso ao acordo de delação premiada do ex-diretor da Petrobras.

No acordo de colaboração premiada assinado por Cerveró no dia 18, o ex-diretor da Petrobras relata, segundo Zavaski, a prática de crimes de corrupção passiva por Delcídio na compra de sondas pela Petrobras e na aquisição da refinaria de Pasadena. O ex-diretor também acusa André Esteves de participação no pagamento de propina ao senador Fernando Collor de Mello (PTB-AL) para que uma rede de 120 postos de combustíveis de São Paulo assumisse a bandeira da BR Distribuidora.

Na semana passada, a Polícia Federal abriu inquérito para apurar o vazamento de dados da delação premiada do ex-diretor da Petrobras. O vazamento foi citado na conversa gravada pelo filho de Cerveró, em que o senador, o chefe de gabinete dele, Diogo Ferreira, e o advogado Edson Ribeiro comentam que trechos da delação premiada do ex-diretor da Petrobras foram parar nas mãos do banqueiro André Esteves, dono do banco BTG Pactual.

Eles discutem quem poderia ter vazado o documento, que teria que ficar em sigilo. Um dos citados é o doleiro Alberto Youssef, a própria advogada de Cerveró, Alessi Brandão, um agente da PF e um outro advogado da Lava-Jato que ainda não teve seu nome revelado.

O Globo procurou a advogada, que não quis se manifestar. Ela informou que as investigações correm sob sigilo. Na semana passada, a defesa de Youssef negou ter tido acesso aos documentos. A PF também não quis se manifestar.

Foto: O Globo

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Valério Wagner disse:

    Dessa vez, começo a acreditar que a justiça trunfará.

  2. Val Lima disse:

    Muito estranho…como pode um detido na cancerarem da PF onde até o conteúdo da embalagem da pasta de dente é verificado…ter no poder dele importastes documentos dentro da cela sem q ninguém tenha visto?…..

Diretor do Vídeo Show vira motivo de piada nos bastidores da Globo

625_315_1391555270Ricardo_Waddington_vira_piadaAté recentemente visto como favorito ao cargo de poderoso diretor-geral de Entretenimento da Globo, Ricardo Waddington virou motivo de piadas nos bastidores da emissora. O diretor, que não é nada popular entre os funcionários do Projac, agora é alvo de comentários irônicos.

Como diretor de núcleo, Waddington comanda atualmente três dos quatro programas mais problemáticos da Globo no Ibope: o Vídeo Show (que anteontem pela primeira vez perdeu a liderança para a Record) a novela das seis, Joia Rara, e a das sete, Além do Horizonte, que deve entrar para a história como a pior audiência do horário em todos os tempos. Só faltou Malhação.

Nas conversas reservadas dos corredores da Globo, Waddington é chamado de “Salvador da Pátria”, a quem se deve recorrer quando se tem um problema. Tudo com muita ironia, é claro.

Responsável pela bem-sucedida Avenida Brasil, Ricardo Waddington, no entanto, está com prestígio em alta na cúpula da Globo. Amor & Sexo, que iria terminar em 2013, ganhará nova temporada em 2014. Ele também já foi escalado para comandar uma das próximas novelas das seis da emissora, Saber Viver, do português Rui Vilhena.

Enquanto isso, os profissionais do Vídeo Show se matam de curiosidade para saber o que vai acontecer com o programa, que não decolou com Zeca Camargo. Centralizador, Waddington não conta nada para ninguém. Ele assumiu o comando do programa em outubro e o transformou em um talk show com atores da Globo recortado com reportagens sobre os bastidores da emissora.

UOL

Diretor de escola dá mata-leão em aluna e suspende outros dez

09_20_03_709_file 09_20_03_545_fileDepois que foi postada no Facebook, a foto em que um diretor de escola dá um mata-leão em uma aluna resultou na suspensão de outros dez estudantes, de acordo com o site New York Daily Times nesta segunda-feira (14).

Segundo Todd Whitmire, que dirige a Pittsburgh High School, a foto em que ele aparentemente agride uma aluna está fora de contexto.

— Eu tive que separá-la (de uma briga) e ela começou a se debater e eu a empurrava para tirá-la de lá e ela caiu.

Segundo o diretor, duas alunas brigavam no pátio do colégio na sexta-feira (11) e não havia outra maneira de separá-las a não ser pelo uso da força. Ele puxou a aluna Ashley Johnson, de 15 anos, e os dois se caíram — no exato momento em que a foto foi tirada.

Mas a confusão de verdade começou quando a foto foi publicada no Facebook e começaram a aparecer diversos comentários acusando o diretor de racismo.

Segundo Todd, a suspensão em massa se deu por conta do ambiente hostil criado pelos alunos que compartilharam a foto e fizeram os comentários.

Ashley, que ficou com o pescoço imobilizado durante todo o final de semana, diz que “a história não é bem essa”.

— Eu não estava relutando, e só me deitei no chão.

Segundo o New York Daily Times, não há processo aberto contra o diretor da escola.

New York Daily Times