Saúde

Nova terapia para câncer de próstata reduz em cerca de 40% chance de morte de pacientes com metástase, aponta estudo

Foto: Divulgação

A descoberta de uma nova terapia experimental reduziu em quase 40% as mortes de homens com câncer de próstata agressivo, em comparação a pacientes semelhantes que receberam apenas o tratamento padrão. O estudo, publicado no The New England Journal of Medicine, dá esperança aos pacientes com doença avançada, e abre portas para uma forma promissora de combate ao câncer.

A pesquisa foi pensada para retardar os impactos da doença para pessoas com câncer de próstata metastático, que ainda não possui cura definitiva, e acompanhou 831 pacientes em 10 países por um período médio de 20 meses. O resultado do estudo mostrou que os que receberam o tratamento experimental sobreviveram por uma média de 15,3 meses, em comparação com 11,3 meses para aqueles que tiveram apenas o tratamento padrão, o que representa uma redução de 38%. Além disso, seus tumores eram mais propensos a encolher, seus níveis de antígeno específico da próstata eram mais propensos a cair e o risco de progressão do câncer foi reduzido em 60%.

No Brasil, de acordo com dados do Instituto Nacional do Câncer (INCA), estimam-se 65.840 novos casos de câncer de próstata para cada ano do triênio 2020-2022. Isso significa dizer que, a cada 100 mil homens, cerca de 62,95 terão o risco de desenvolver a patologia. Atualmente, esse tipo de tumor é a segunda principal causa de morte entre pessoas do sexo masculino no país, atrás apenas do câncer de pulmão, e acomete principalmente homens com 65 anos ou mais.

A maioria dos tratamentos que prolongam a vida depende da supressão ou do bloqueio dos andrógenos, os hormônios masculinos que alimentam o câncer de próstata. A descoberta, porém, depende de uma molécula radioativa para atingir uma proteína encontrada na superfície das células do câncer de próstata, que retarda a chance de óbito.

“Isso é algo novo, pois você está direcionando a radiação diretamente para o câncer”, disse Karen Knudsen, presidente e executiva-chefe da American Cancer Society. “Você não está apenas destruindo as células cancerosas, você está bombardeando de forma inteligente o lugar que o tumor encontrou para viver”, complementa.

Como funciona o tratamento

O tratamento experimental, denominado lutécio-177-PSMA-617, combina um composto que tem como alvo uma proteína na superfície das células cancerosas da próstata, chamada antígeno de membrana específico da próstata, ou PSMA, com uma partícula radioativa que ataca as células.

A proteína PSMA, que pode ser detectada por exames de imagem, está quase exclusivamente nas células do câncer de próstata e, portanto, o tratamento causa menos danos ao tecido circundante, segundo o Dr. Oliver Sartor, co-investigador principal do estudo e diretor médico do Tulane Cancer Center em Nova Orleans, nos Estados Unidos.

Embora a proteína não seja onipresente nos tumores de próstata, ela é encontrada em mais de 80% dos casos. Entre os pacientes selecionados para o estudo, 87% eram PSMA-positivos. Apenas os homens positivos para o marcador foram incluídos no estudo. Além disso, o estudo envolveu homens com uma forma de câncer de próstata metastático chamado câncer de próstata resistente à castração. Todos os pacientes tinham doença que progrediu apesar dos tratamentos com quimioterapia e terapia hormonal para suprimir e bloquear os andrógenos.

“Esses pacientes receberam basicamente todas as terapias disponíveis”, disse ele. “Este é o primeiro medicamento direcionado ao tumor que realmente resulta em um benefício de sobrevida geral entre pacientes pré-tratados de forma incrivelmente intensa”, conclui Dr. Oliver Sartor.

No entanto, o estudo teve algumas limitações. Devido às dificuldades de conduzir um estudo duplo-cego com um tratamento radioativo, o teste foi aberto: tanto os pacientes quanto os médicos sabiam se estavam ou não recebendo o tratamento. Isso causou alguns problemas no início, pois os pacientes que ficaram desapontados com sua designação se retiraram do estudo.

O Globo

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

SESAP inicia serviço de ambulatório para pacientes pós-covid; veja locais

A recuperação de um paciente grave acometido pela Covid-19 precisa de acompanhamento de uma equipe multidisciplinar. Muitos pacientes podem evoluir com sintomas persistentes, que podem impactar na qualidade de vida, dificultando inclusive a capacidade de retorno às atividades do dia a dia. Os mais comuns são falta de ar, fadiga, dificuldade de concentração, lapsos de memória, dor de cabeça, palpitações, ansiedade, depressão, insônia, perda de olfato e paladar.

Com a finalidade de acompanhamento e reabilitação dos pacientes acometidos por Covid-19, pós alta hospitalar, a SESAP iniciou no mês de maio o atendimento ambulatorial pós covid nos Hospitais Rafael Fernandes, Hospital Pediátrico Maria Alice Fernandes e no Centro Especializado em Reabilitação, CER.

Os ambulatórios contarão com equipe multiprofissional e atenderão exclusivamente pacientes pós alta hospitalar encaminhados através de agendamento prévio por hospitais no momento da alta, ou por unidades de saúde dos municípios. A reabilitação motora e respiratória, além de outras especialidades será realizada no CER com atendimento presencial ou por teleatendimento. A SESAP também contará com o apoio do Departamento de Fisioterapia da UFRN para treinamento de profissionais da rede própria e municipal.

“O ambulatório para acompanhamento de pacientes com sintomas persistentes pós covid, será importante para ajudar na recuperação, promovendo a reabilitação mediante o atendimento multiprofissional com o objetivo de melhorar a qualidade de vida e devolver a autonomia para o retorno das atividades do dia a dia”, disse a infectologista Milena Martins, Médica Assessora Técnica do Gabinete da Sesap.

Ambulatório do Hospital Rafael Fernandes em Mossoró

De acordo com Leonardo Menezes, diretor do Hospital Rafael Fernandes, toda a estrutura e escalas de serviços já estão prontas e começaram a funcionar esta semana. “No momento estamos articulando com os outros hospitais da região o fluxo e protocolos para regulação desses paciente para esse ambulatório”, disse o diretor.

A proposta é que, depois de instalado o ambulatório, os pacientes possam vir regulados pela atenção básica. O serviço conta com as especialidades de Pneumologia, Infectologia, Psiquiatria, Neurologia, Cardiologia e Psicologia.

Ambulatório Pediátrico

Diante da necessidade observada de crianças que tiveram alta da UTI, após quadros graves, que desenvolveram a Síndrome Inflamatória Multisistêmica(SIMP) Pós Covid, a equipe do Hospital Pediátrico Maria Alice percebeu que as crianças ficavam sem conseguir um atendimento adequado na rede assistencial.

De acordo com Katleen Azevedo, diretora médica do Hospital Pediátrico Maria Alice, o hospital fará uma busca ativa no histórico do hospital desde quando começou a pandemia e avaliar a necessidade de cada paciente.

“Os pacientes serão chamados para a consulta para avaliar a necessidade das terapias necessárias para a recuperação. Algumas crianças precisam de atendimento psicológico, outras precisam de terapia respiratória, fisioterapia ou fonaudiologia. A ideia é montar uma rede de assistência multidisciplinar com acompanhamento completo do paciente”, afirma a pediatra que está à frente do ambulatório.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Geral

EUA enviarão ao Brasil mais de R$ 100 milhões em medicamentos do ‘kit intubação’ para pacientes com Covid-19

Foto: Edilson Dantas / Agência O Globo

O governo Joe Biden está trabalhando para enviar ao Brasil cerca de R$ 108 milhões (US$ 20 milhões) em medicamentos do “kit intubação”, usados para intubar pacientes com Covid-19, informou a Casa Branca nesta terça-feira.

Os medicamentos virão de reservas estratégicas do governo dos Estados Unidos e serão entregues em parceria com a Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), segundo a secretária de imprensa da Casa Branca, Jen Psaki.

— Ainda não foi finalizado, mas estamos trabalhando em parceria com o governo brasileiro nisso — afirmou.

O momento da intubação de pacientes com Covid, ou seja, quando precisam receber um tubo pela boca que levará o ar de um respirador mecânico até os pulmões, depende de três tipos de medicação: analgésico, sedativo e bloqueador neuromuscular.

As três drogas precisam ser usadas em sequência nas UTIs para introduzir o tubo nos pacientes. Sem remédios não é possível fazer esse procedimento.

Feita a intubação, o doente ainda vai precisar de remédios por vários dias. Analgésicos e sedativos são de praxe para quem está com o ventilador mecânico, mas há aqueles, principalmente os em estado mais crítico, que precisam de bloqueador neuromuscular de forma contínua.

O Globo

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Prefeitura de Natal vacina contra a Covid pacientes renais crônicos nesta quarta e quinta-feira

Foto: Joana Lima/Secom

A Prefeitura do Natal vai iniciar o esquema vacinal contra a Covid-19 dos pacientes com insuficiência renal que realizam hemodiálise, uma vez que esse grupo integra parte da população prioritária de comorbidades do Plano Nacional de Imunização (PNI). O imunizante utilizado neste grupo é o da Oxford/AstraZeneca/Fiocruz.

A Secretaria Municipal de Saúde (SMS/Natal) vai enviar equipes com as doses dos imunizantes nas cinco clínicas onde é realizado o procedimento de diálise nesta quarta-feira (05) e quinta-feira (06).

Os estabelecimentos realizaram contato prévio com os pacientes e fizeram o agendamento conforme cronograma estabelecido pela SMS. A aplicação da primeira dose será pela manhã e à tarde nos seguintes locais: Instituto do Rim, Nefron Clínica, Centro de Nefrologia de Natal e DaVita Tratamento Renal unidades Ribeira e Lagoa Nova.

 

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Parnamirim já iniciou a vacinação contra covid de pacientes renais crônicos

FOTO: ASCOM

A Prefeitura de Parnamirim, através da Secretaria Municipal de Saúde (Sesad), segue avançando no Plano de Vacinação contra a Covid-19 e começou a vacinar nesta quarta-feira (28) as pessoas com comorbidades. De acordo com a Sesad, os primeiros a serem vacinados são os pacientes renais crônicos. Ao todo, a cidade conta com 186 pacientes nessa situação, que receberão a 1ª dose do imunizante Oxford AstraZeneca.

As pessoas que fazem parte deste grupo podem procurar qualquer Unidade Básica de Saúde de Parnamirim (exceto as UBSs da Coophab e Passagem de Areia II), além dos pontos extras de vacinação: Supermercado Nordestão da Avenida Maria Lacerda, em Nova Parnamirim; Associação de Moradores da Cohabinal e o Parque Aristófanes Fernandes.

Para vacinar, é necessário apresentar documento de identificação com foto, cartão de vacinação, comprovante de residência de Parnamirim, cadastro no RN Mais Vacina, documentação comprobatória da comorbidade, como atestado, relatório ou receituário médico, com validade de até seis meses.

Além disso, Parnamirim segue vacinando os idosos a partir de 60 anos de idade e também quem tomou a primeira dose da vacina Oxford AstraZeneca nos meses de janeiro e fevereiro.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Geral

Taxa de pacientes curados da Covid-19 atinge 76% no Hospital Zona Sul em Natal

Foto: Manoel Barbosa/Secom

Desde o início da sua operação, no final de fevereiro, o Hospital de Campanha da Zona Sul, uma das unidades exclusivas montadas pela Prefeitura de Natal para tratar os infectados pelo novo coronavírus, já recebeu 46 pacientes. Desse universo, nenhum óbito foi registrado até o momento, computando 35 altas médicas e 11 transferências de doentes que necessitam continuar o tratamento em hospitais de alta complexidade. De acordo com os dados, 76% das pessoas que passam pelo local são curadas.

A direção do Hospital celebra a taxa de altas, destacando o minucioso trabalho e empenho de toda a equipe de médicos, enfermeiros, técnicos, fisioterapeutas, psicólogos, farmacêuticos, assistentes sociais, pessoal da área administrativa que atuam na unidade. De acordo com o diretor-geral do HZS, Edney Agra, disse que o diferencial está na abordagem em tempo hábil realizada em cada paciente, trabalhando para evitar o agravamento do quadro infeccioso e uma eventual intubação.

“Essa é uma unidade pensada para atender pacientes no estágio intermediário da doença, oriundos das nossas Unidades de Pronto-atendimento, Unidades Básicas e Centros Covid. Ao chegarem aqui são acolhidas por nossa equipe multidisciplinar, iniciamos logo nossos protocolos de atendimento, acompanhando os pacientes de maneira eficaz e graças a esse esforço estamos obtendo grandes resultados. Isso é muito gratificante para todos nós”, explicou Edney.

Alegria e alívio

Quem viveu a alegria de receber alta foi o autônomo Djeferson Bezerra, 32. Morador de Extremoz, ele chegou à unidade classificado como um paciente bem grave pela UPA Potengi, com pulmões em 75% de comprometimento e com muita dificuldade para respirar. Ele conta que temeu muito pela sua vida, mas logo que recebeu os primeiros cuidados no hospital recuperou as esperanças e, após sete dias, venceu a Covid-19.

“Fiquei muito aflito e pensei que não iria sair dessa. Agradeço demais o tratamento recebido aqui no Hospital. Abaixo de Deus, toda a equipe foi fundamental para o sucesso do meu tratamento. Hoje saio daqui feliz, doido para reencontrar minha família e eternamente grato aos profissionais da saúde”, finalizou, emocionado.

Ambiente de otimismo

O diretor técnico do Hospital, Raiff Villarim, relata que a atmosfera de otimismo criada no hospital também contribui muito para essa alta taxa de pacientes curados. Ele ressalta que o fator psicológico é fundamental para o sucesso no tratamento. “Muitos desses pacientes, antes de virem para cá, estavam em poltronas mal acomodadas e sem os devidos cuidados. Ao chegarem aqui, se instalam em leitos confortáveis, com todo o suporte, recebem um retorno positivo dos outros pacientes e mudam o pensamento, ajudando sobremaneira ao trabalho da nossa equipe”, detalhou.

A aposentada Maria da Glória, 71, precisou ficar um pouco mais de tempo no hospital, pois, com muitas comorbidades, necessitou de mais cuidados. Idosa, ex-fumante e com enfisema pulmonar, a Covid-19 a atacou de forma agressiva. Por todo esse quadro e por ser uma paciente bem espirituosa, ela logo ganhou a simpatia da equipe de profissionais do hospital e não conteve a emoção ao receber alta. “Ganhei muitas filhas e filhos durante o tratamento. Não me faltou nada aqui. Hoje estou muito satisfeita e pronta para retornar para o convívio da minha família. O que fizeram por mim nesse hospital não tem preço que pague”, contou ela.

O diretor da unidade Edney Agra conta ainda que o trabalho no Hospital de Campanha da Zona Sul vai ser otimizado, após a instalação da usina de oxigênio na última sexta-feira (16). Além disso, o departamento de engenharia da secretaria municipal de Saúde está finalizando ainda esta semana a instalação do sistema de fluxo de ar comprimido no local. Atualmente, a unidade opera com 41 leitos, sendo inicialmente 33 leitos de enfermaria clínica, quatro semi-intensivos, dois de estabilização e dois de admissão, mas o prédio tem capacidade para abrigar até 50 leitos.

“Esse modelo de hospital precisa ser replicado em todo Brasil e tem se mostrado um grande acerto da Prefeitura de Natal. A doença precisa ser combatida desde o início, oferecendo aos pacientes uma abordagem em tempo hábil que evite o agravamento da doença. É o que estamos fazendo aqui com muito sucesso”, apontou.

Rede

Leitos exclusivos para tratamento da Covid-19 montados pela Prefeitura de Natal conta atualmente com:

Hospital Municipal de Natal: 23 leitos de UTI e 31 leitos de enfermaria; Hospital de Campanha: 38 leitos de UTI e 100 leitos clínicos;

Hospital dos Pescadores: 30 leitos clínicos;

Hospital Natal Sul: 33 leitos clínicos e 4 semi-intensivos.

Opinião dos leitores

  1. Quem sabe, muitos óbitos no Brasil não decorrem da falta de atendimento adequado???
    Às vezes é coisa simples como esse aí
    Não é UTI.
    Se a pessoa chega no início e recebe algum tratamento tipo oxigênio talvez já melhore ou previna a piora. .

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Bahia zera fila de regulação de pacientes intubados com Covid-19 em UPAs, e Eduardo Bolsonaro fala que CPI “deveria se chamar CPI dos milagres, ou das causas impossíveis!”

Foto: Mateus Pereira/GOVBA

A Bahia zerou a fila de pacientes com diagnóstico da Covid-19 que estavam intubados e aguardavam transferência em unidades de emergência e Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) nessa terça-feira (13). A informação foi divulgada pela Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab).

De acordo com o secretário da Saúde do Estado da Bahia, Fábio Vilas-Boas, essa foi uma pequena vitória que deve ser comemorada.

A Sesab informou que tem aberto novos leitos clínicos e de terapia intensiva diariamente, a fim de ampliar a assistência à saúde.

Entre janeiro e março deste ano, foram abertos novos leitos nos municípios de Salvador, Camaçari, Lauro de Freitas, Santo Antônio de Jesus, Feira de Santana, Seabra, Alagoinhas, Guanambi, Caetité, Vitória da Conquista, Ilhéus, Itabuna, Senhor do Bonfim, Jacobina, Barreiras, Barra, Bom Jesus da Lapa, Jequié e Porto Seguro.

A secretaria também informou que atualmente, a Bahia ter mais de 3,4 mil leitos ativos. A localização e ocupação deles estão detalhadas na plataforma do órgão estadual.

No dia 18 de março, a Bahia contava com mais de 400 pessoas com Covid-19 à espera de UTI, segundo informações da subsecretária de Saúde da Bahia, Tereza Paim. A situação foi denominada por ela como um “rolo compressor”.

De acordo com Tereza Paim, os pacientes esperavam entre 12 e 18 horas por regulação na primeira onda. No entanto, a espera triplicou, e tiveram casos onde pacientes tiveram que aguardar entre 36 e 48 horas por atendimento no mês de março.

No dia anterior, em 17 de março, o governador da Bahia, Rui Costa, já havia dito que o sistema de saúde do estado estava em colapso por causa do número alto de pacientes com Covid-19 que precisavam de leitos de UTI e da demora na regulação.

No início do mês, em 2 de março, mais de 300 pessoas esperavam regulação para leitos de UTI em todo o estado. A taxa de ocupação dessas unidades estava em 83% na Bahia.

Eduardo Bolsonaro cita CPI e “milagre”

Foto: Reprodução/Instagram

Nas redes sociais, o deputado federal Eduardo Bolsonaro destacou a notícia do portal G1, e disse que “após adicionar governadores e prefeitos essa CPI deveria se chamar CPI dos milagres, ou das causas impossíveis! Aleluia!”.

Com acréscimo de informações do G1

Opinião dos leitores

  1. perto da eleiçao,ele resolveran abaixar.corana virus e uma farsa,a medicina mudial que ganhar dinheiro vendendo vacina para os gorvernante mundial.quem paga e o povo,imposto vai aumentar,tudo amenta.

  2. Agora as mortes diminuirão…leitos serão concluídos…as vacinas estocadas serão aplicadas…Obg CPI!!!!!!!!!!

  3. As coincidências acontecem. Foi só a CPI incluir os prefeitos e governadores que a situação começa a mudar. Tudo indica que as mortes vão diminuir gradativamente e as internações também, crescendo apenas o quantitativo de infectados.
    Para onde foram e em que foram gastos os bilhões enviados aos estados pelo governo federal, que deveriam ser aplicados no combate a pandemia?

    1. Suas insinuações não tem amparo na realidade. O número de contaminados e mortes está reduzindo pois muitos Estados e municípios tomaram medidas para aumentar o distanciamento social e mitigar o contágio. Se o dinheiro foi gasto indevidamente, desviado ou roubado, isso poderá ser investigado a qualquer tempo pelo Ministério Público , TCEs, TCU ou CPIs, por exemplo e devidamente punido (apesar que no Brasil não se tem muito essa cultura ou normativos que punam corruptos) e isso independe de pandemia ou número de mortes ou doentes. A corrupção no Brasil não surgiu por causa da pandemia, isso é certeza! E infelizmente também não irá acabar quando a pandemia passar…

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

RESPONSABILIDADE SOCIAL – (VÍDEO): Ação da Interjato conecta pacientes internados com covid-19 a familiares e eleva chances de recuperação dos doentes

Um dos dilemas mais difíceis de se enfrentar na pandemia de covid-19, o isolamento de pacientes internados, tem sido superado no Hospital dos Pescadores em Natal graças a uma ação de conectividade da Interjato.

Como os pacientes não podem receber visitas, a aflição virou rotina tanto para eles quanto para a família, que no máximo consegue obter notícias através do serviço social. A Interjato preencheu a lacuna doando um equipamento para videochamadas pronto para ser utilizado.

“A chegada desse tablet foi de suma importância. A gente tem recebido muita demanda de paciente que não consegue falar com o familiar. Agora a gente tem assegurado o suporte familiar. Com essa solução, a gente consegue estabelecer o vínculo entre eles e isso contribui muito para a melhora do paciente”, explicou a psicóloga Ana Luisa.

Foi o caso de Ana e Maria, nomes fictícios para mãe, internada, e filha, respectivamente. Elas tiveram finalmente a oportunidade de se comunicarem durante a internação da paciente.

Na videochamada que comoveu os trabalhadores em saúde do Hospital dos Pescadores, a mãe, idosa, contou como está ansiosa para voltar para casa. O contato com a família ajudou no restabelecimento e ela evoluiu para alta, podendo voltar ao convívio familiar, curada da covid-19.

“Participar dessa ação, onde levamos conectividade, e ligar famílias que estão distantes por causa da covid, é sem igual. E com muito amor, com o coração muito quente, que a gente entrega um tablet para o Hospital dos Pescadores”, celebrou Aloisio Lemos, um dos gestores da Interjato que cuidou da entrega do equipamento.

Essa foi mais uma ação voltada para responsabilidade social, que faz parte da cultura da Interjato. Desde o início da pandemia a empresa doou tablets com conectividade e também no ano passado, disponibilizou gratuitamente recursos tecnológicos para otimizar o teletrabalho e o atendimento à população pelos órgãos públicos, além de linhas telefônicas direcionadas para a central de atendimento onde profissionais da área da Saúde e voluntários orientam sobre a Covid-19.

CEO da Interjato Soluções, Erich Rodrigues, reforça a importância de empresas apoiarem o desenvolvimento social: “Acima de uma contribuição material, sempre tentamos agregar nosso conhecimento para entregar uma solução. Nesse caso a motivação foi imensa e muito recompensadora”, ressalta.

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Marcelo Queiroga diz que vai unificar protocolos do tratamento hospitalar para pacientes de Covid

Foto: Reprodução/Globo News

O novo ministro da Saúde, o médico Marcelo Queiroga, afirmou nesta quarta-feira (17) que irá unificar os procedimentos médicos usados no atendimento dos casos hospitalizados da Covid-19 em todo o país.

“Vamos trabalhar para conseguir homogeneizar a conduta assistencial no país como um todo. Por exemplo, as nossas UTIs, temos que ter protocolos uniformizados de assistência, nós temos que transferir a expertise dos grandes centros para as unidades de terapia intensiva que estão nas cidades mais distantes, dos estados menores (…) É preciso garantir um atendimento mais pronto ao paciente, mais rápido, para evitar que a doença progrida”, disse Queiroga.

O anúncio feito durante coletiva de imprensa ocorre dois após a médica Ludhmilla Hajjar, que recusou o cargo de ministra da Saúde, defender ser função da pasta orientar equipes médicas sobre a melhor forma de atender pacientes com Covid-19 e a necessidade de se criar uma “referência nacional de protocolo”.

“O Brasil precisa de protocolos, e isso é pra ontem. (…) Nós estamos discutindo azitromicina, ivermectina, cloroquina. É coisa do passado. A ciência já deu essa resposta. Cadê um protocolo de tratamento? (…) Perdeu-se muito tempo na discussão de medicamentos que não funcionam”, disse Hajjar em entrevista à GloboNews na segunda-feira (15).

Conforme o G1 apurou, ao contrário dos Estados Unidos e da União Europeia e mesmo após um ano de pandemia, o Brasil ainda não tem um protocolo nacional detalhado que unifique os procedimentos não medicamentosos a serem realizados em pacientes da Covid-19.

Queiroga, no entanto, justificou a demora do Ministério da Saúde em se manifestar sobre os protocolos para unificar o atendimento.

“Estamos diante de uma doença nova. Quando começou esses casos, nós não tínhamos esse conhecimento”, justificou o novo ministro.

Inexistência de protocolos

(mais…)

Opinião dos leitores

  1. Se indicar um paracetamol ou dipirona está tudo bem, mas se indicar, cloroquina, azytromicina e Ivermectina, decreta a sua sentença de morte.
    Os esquerdopatas gostam do quanto pior melhor.

  2. Isso eh o óbvio a se fazer! Pq com toda q "competência" do ministro da logística não foi feito antes? Ah, pq só agora o governo do presidente inepto e negacionista acordou pra realidade? Será?

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Prefeitura detalha abertura nos próximos dias de mais um Hospital exclusivo para pacientes com Covid-19, na zona sul de Natal

Foto: Alex Régis

A Prefeitura de Natal vai abrir mais um Hospital nos próximos dias, com capacidade para 50 leitos destinados exclusivamente ao tratamento da Covid-19. O local, um prédio particular na Zona Sul da cidade onde funcionava uma clínica médica, estava fechado e seu uso pelo Município foi autorizado pela Justiça estadual, em parecer favorável ao pedido da Prefeitura. O novo Hospital fica na avenida Senador Salgado Filho, 2993, próximo à UFRN.

A previsão do Município é de que até o fim desta semana sejam instalados 30 leitos clínicos no local para atender pacientes de Covid. O prédio de dois andares tem capacidade para receber 50 leitos que deverão ser instalados pela Prefeitura até o fim deste mês, de acordo com a viabilidade de estrutura na sua capacidade máxima.

“Natal terá mais um Hospital para reforçar a luta contra o coronavírus e salvar vidas. Atitude é a arma da Prefeitura na guerra contra o coronavírus. Estamos agindo o tempo todo e buscando soluções para cuidar bem das pessoas”, destaca o prefeito Álvaro Dias. Que emenda: “Mais um hospital para tratar contra a Covid-19 é resultado do trabalho incansável da nossa equipe na luta pela vida”.

Ação Judicial

De acordo com a Secretaria de Saúde de Natal, foi iniciada uma negociação com o proprietário do imóvel para locação, mas sem êxito. “A SMS Natal fez uma requisição administrativa, que não foi acatada pelo proprietário, então entramos na Justiça e foi concedida uma liminar para utilização do prédio, que tem uma estrutura pronta e não estava cumprindo nenhuma função social”, explica o secretário-adjunto da SMS Natal, Vinícius Capuxu.

O Município de Natal entrou com uma ação civil pública com pedido de tutela de urgência objetivando, em caráter de emergência, a entrega imediata das chaves do imóvel. O Ministério Público também foi provocado pela Justiça a se manifestar sobre o pleito do Município de Natal e opinou favoravelmente. Tanto o parecer do Ministério Público quanto a decisão da juíza Virgínia de Fátima Marques Bezerra, plantonista no TJ, levaram em conta o quadro epidemiológico da Covid-19, que se agravou nos últimos meses.

Na decisão judicial proferida na última sexta-feira (12), foi estipulada multa diária de R$ 50 mil como punição a eventual descumprimento por parte do proprietário do imóvel, bem como a aplicação de força policial, o que não foi necessário.

“Nossa preocupação no momento é salvar vidas e desafogar as UPAs de Natal, que estão operando acima da sua capacidade de atendimento. As instalações deste hospital tem capacidade para 50 leitos”, afirma o secretário municipal de Saúde, George Antunes, acrescentando que até o final desta semana serão instalados os 30 leitos clínicos iniciais. “Até o final do mês, estaremos analisando a viabilidade estrutural para instalação da capacidade máxima”, completa Antunes.

Leitos Covid

Com essa nova medida, Natal passa a ter três hospitais de referência para tratamento da Covid: o Hospital Municipal de Natal, onde funcionam 24 leitos de UTI Covid e 31 leitos de enfermaria; o Hospital de Campanha, na Via Costeira, com 34 leitos de UTI Covid e mais 100 leitos clínicos; o Hospital dos Pescadores, nas Rocas, com 30 leitos clínicos Covid, e, até sexta-feira, mais 30 leitos clínicos no prédio adquirido para ampliar a rede de cuidados da cidade. Além desses leitos de internação, no Palácio dos Esportes estão sendo montados mais 50 leitos no Hospital Dia, para tratamento de casos leves.

Opinião dos leitores

  1. Onde não tem governador, o prefeito tem de assumir.
    Fátima administra mal, não tem dinheiro, não abre nada.
    Álvaro dias faz, Fátima fecha!

  2. E bom deixar bem claro que é a
    PREFEITURA DE NATAL
    não e a governadora não esse zero a esquerda
    A unica coisa.que fez em.2 anos foi.o.dias das lésbicas que virou piada no Brasil todo

  3. Álvaro Dias se saindo muito bem, ainda bem que ele não arregou para essa governadora Fátima Cadeado, parabéns Prefeito Álvaro Dias, futuro governador do RN.
    Como bom Seridoense tamos junto em 2022, para tirar essa governadora inepta e desqualificada para Governar o RN.

  4. Um prédio localizado à margem da BR101, quase de frente à governadoria, excelente vitrine para o Prefeito Ivermectiner!!!!

    1. Qual governadoria??
      Faz tempo que não tem governador.
      Tá abandonado o RN.
      Quem sabe os chirinbabas de Fátima, fica olhando de lá aprendem como é que se faz, e ensina pra ela.

    2. PARABENS AO PREFEITO, DANDO AULA PRA ESSE DESGOVERNO. SIGAM OS BONS EXEMPLOS .

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

RN tem 101 pacientes com Covid-19 à espera de UTI

Foto: Reprodução/Regula RN

O Rio Grande do Norte registra no fim da manhã desta segunda-feira(15) 101 pacientes com Covid-19 à espera de um leito de UTI, de acordo com o portal Regula RN, que monitora em tempo real a ocupação de leitos públicos no estado. Às 12h14, o estado tinha 10 leitos de UTI disponíveis aguardando regulação de pacientes. A maior parte dos pacientes é da região metropolitana de Natal.

 

Opinião dos leitores

  1. Ze…..????????????????? como vc é burro, cuidado para seu vaqueiro não querer colocar os câmbios em vc. Isto que vc relinchou está na cota da inépcia do estado. Lá na tua fazenda não tem uma vazante para vc se esconder numa Moita? Anita vai te procurar ???????????????

  2. E ainda tem quem queira o libera geral. Todos tem que reconhecer que o momento é de união pela vida. Deixem essa politicagem assassina de lado. A covid não tem lado, ela ataca a todos.

  3. O somatório da inépcia do governo do estado + falta de educação da população + politização das açoes de enfrentamento a pandemia + campanha política = milhares de mortes.

  4. Ainda bem que temos um bom prefeito, se fossemos depender da Fátima Cadeado, estávamos lascados.
    Bora Álvaro Dias, dê uma surra de competência nessa governadora chibata.

  5. O governo do Estado recebeu muito dinheiro do Governo Federal e não teve competência para administrar e abrir leitos.
    Governadora fraca e incompetente.

  6. Esse ESTADO não tem governador não??
    Isso é uma vergonha.
    Tem que abrir leitos sim, se for preciso um para cada potiguar, o que não pode é deixar morrer a míngua como está acontecendo.
    Dinheiro tem, e muito pra isso.
    O povo paga os impostos.
    Falta vontade.
    Falta competência.
    Falta gestão.
    Basta vê, a prefeitura de NATAL, está abrindo.

  7. É uma situação de desespero. A pessoa que hoje ta se descuidando nem se dá conta que amanha pode estar na fila, sem oxigenio, torcendo por um leito que nao ira aparecer.

    1. É verdade!
      O RN ta sem governo.
      Não tem leitos pra acudir o povo.
      Fecharam.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Geral

RN tem 102 pacientes com Covid-19 à espera de UTI

Foto: Reprodução/Regula RN

O Rio Grande do Norte registra no fim da manhã desta sexta-feira(12) 102 pacientes com Covid-19 à espera de um leito de UTI, de acordo com o portal Regula RN, que monitora em tempo real a ocupação de leitos públicos no estado. Às 12h15, o estado tinha 8 leitos de UTI disponíveis aguardando regulação de pacientes. A maior parte dos pacientes é da região metropolitana de Natal.

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Anvisa aprova uso do antiviral Remdesivir por pacientes com Covid-19

Foto: Ulrich Perrey/Reuters

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou nesta sexta-feira (12) o uso do antiviral remdesivir como o primeiro medicamento a ter recomendação em bula para pacientes com o novo coronavírus.

O remdesivir recebeu em outubro aprovação nos Estados Unidos da FDA (Food and Drug Administration, órgão equivalente à Anvisa) para uso como medicamento oficial para o tratamento da Covid-19.

Quando foi infectado pelo novo coronavírus, no fim de setembro, o ex-presidente dos EUA Donald Trump fez uso do antiviral para se tratar seguindo orientação de sua equipe médica.

Em novembro, porém, a Organização Mundial da Saúde (OMS) atualizou suas orientações contínuas sobre os medicamentos contra Covid-19 e desaconselhou o uso remdesivir para tratar pacientes hospitalizados, independentemente da gravidade da doença.

De acordo com a atualização, publicada na revista médica BMJ, as evidências não sugeriam que o remdesivir afetava o risco de morte por Covid-19 ou necessidade de ventilação mecânica, entre outros resultados importantes.

Além disso, em entrevista à CNN a vice-diretora geral da OMS, Mariângela Simão, explicou que a orientação era baseada em diversos estudos que, no total, somaram mais de 7 mil pacientes avaliados que usuaram o remédio contra o novo coronavírus.

“Esses estudos mostraram que o remdesivir não adiciona nada em termos de mortalidade ou progressão da doença para pacientes leves e, além de tudo, ele é injetável e bastante caro. A OMS recomenda mais estudos e pesquisas sobre o remdesivir. Com o conhecimento atual, ele não altera a progressão da doença e não evita mortes”, disse a médica sanitarista, na época.

CNN Brasil

Opinião dos leitores

  1. Valor da Ivermectina: 0,3 centavos de dólar; valor do remdesivir: 3 mil dólares! A Ivermectina, mesmo sem eficácia oficialmente comprovada, mas com vários exemplos robustos de eficácia pelo mundo, notadamente nos países africanos, é usada no tratamento precoce e na fase 1 da doença. Já o remdesivir, é usado para pacientes em estado grave, com sintomas de pneumonia. Esse é o medicamento que a Anvisa aprovou? Sem mais.

  2. Agora estamos vendo porque tanto esforço para desqualificar a Ivermectina. Ela pode atrapalhar o faturamento das farmacêuticas na venda destas novas drogas. Quem tiver bala para pagar caro por este Antiviral, não precisa recorrer ao tratamento precoce. Não precisa mais discutirmos tanto sobre a eficácia ou não da Ivermectina, pois já existe uma outra alternativa no mercado, é só pagar por ela.

    1. EXATAMENTE CLAUDIO…..
      A TURMA DO QUANTO PIOR, MELHOR, ESTÁ DESESPERADA.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Dinamarca suspende vacina de Oxford após coágulos em pacientes

FOTO: DADO RUVIC/REUTERS

O governo da Dinamarca decidiu suspender o uso da vacina de Oxford, fabricada pelo laboratório AstraZeneca, contra a covid-19 como medida preventiva, devido a temores relacionados com a formação de coágulos sanguíneos nos vacinados, informou sua Agência Nacional de Saúde, nesta quinta-feira (11).

A suspensão se dá, “depois dos informes de casos graves de formação de coágulos de sangue em pessoas que foram vacinadas com a vacina contra covid-19 da AstraZeneca”, anunciou a Agência Nacional de Saúde, acrescentando que, “por enquanto, não se pode concluir que tenha uma relação entre a vacina e os coágulos de sangue”.

Na segunda-feira (8), a Áustria informou que parou de administrar um lote de imunizantes produzidos pelo laboratório anglo-sueco. O anúncio se deu após a morte de uma enfermeira de 49 anos que sucumbiu a “graves distúrbios de sangramento”, dias depois ser vacinada.

Outros quatro países europeus – Estônia, Lituânia, Letônia e Luxemburgo – suspenderam imediatamente a vacinação com doses desse lote, que foi entregue a 17 países e incluía um milhão de vacinas.

Já a Dinamarca interrompeu o uso de todas as suas vacinas da AstraZeneca.

Ontem (10), uma investigação preliminar da Agência Europeia de Medicamentos (EMA) destacou que não havia relação entre a vacina da AstraZeneca e a morte na Áustria.

Até 9 de março, 22 casos de trombose foram notificados em um universo de mais de três milhões de pessoas vacinadas no Espaço Econômico Europeu, de acordo com a EMA.

“É importante ressaltar que não desistimos da vacina da AstraZeneca, mas estamos fazendo uma pausa em seu uso”, afirmou o diretor da agência dinamarquesa, Søren Brostrøm, em um comunicado.

R7, com AFP

Opinião dos leitores

  1. 3 milhões de doses, 22 pessoas com suspeita de trombos e 1 morte! A covid mata bem mais… acredito que não tenha relação e se tiver o efeito colateral é bem baixo.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

RN tem 91 pacientes com Covid-19 à espera de UTI

Foto: Reprodução/Regula RN

O Rio Grande do Norte registra no fim da manhã desta terça-feira(09) 91 pacientes com Covid-19 à espera de um leito de UTI, de acordo com o portal Regula RN, que monitora em tempo real a ocupação de leitos públicos no estado. Às 12h15, o estado tinha 13 leitos de UTI disponíveis aguardando regulação de pacientes. A maior parte dos pacientes é da região metropolitana de Natal.

Opinião dos leitores

  1. O q foi feito com os 18 BILHÕES de reais repassados pelo governo bolsonaro para Fátima GD?

  2. E infelizmente vão continuar aguardando que desocupem os q já existem, uma vez q a governança está agora, mais do que nunca no lula livre…essa conversa de pacientes aguardando leitos é antiga.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Prefeitura diz que mais de 10% dos pacientes Covid-19 tratados em Natal não residem no município

A Rede de Urgência e Emergência de Natal – formada pelas Unidades de Pronto Atendimento (UPA) e Hospital de Campanha (HC) – registrou 208.601 atendimentos de pacientes com Covid-19 no período entre os meses de junho de 2020 e fevereiro de 2021. A Secretaria Municipal de Saúde (SMS/Natal) aponta que somente no HC, referência exclusiva para tratamento de pessoas acometidas pelo coronavírus, mais de 1.600 pacientes foram internados e receberam tratamento da Prefeitura do Natal. Desse quantitativo, 206 pacientes (12,78%) foram pessoas de outros municípios e estados.

Os municípios que mais receberam essa assistência compartilhada no Hospital de Campanha foram: Parnamirim (26), São Gonçalo do Amarante (16), Extremoz (13) e Ceará-Mirim (6). Além disso, em janeiro de 2021 alguns dos leitos do Hospital de Campanha foram colocados à disposição do Ministério da Saúde para receber pacientes amazonenses diante da crise de oxigênio que ocorreu na região Norte do país. Entre os estados brasileiros, Amazonas (34) vem em primeiro lugar, seguido do Rio de Janeiro (8), Paraíba (7), São Paulo (5) e Pernambuco (5).

“No início desse ano fomos solidários aos nossos irmãos do Amazonas e, como o Hospital de Campanha tinha disponibilidade de prestar essa assistência naquele momento, chegamos a receber mais de 30 pacientes nos leitos clínicos. Foi um marco para a Prefeitura do Natal colaborar com uma causa que deixou o Brasil todo alerta e comovido”, comenta Álvaro Dias, Prefeito de Natal.

Nas quatro UPAs da cidade (Satélite, Esperança, Potengi e Pajuçara), apesar de não serem destinadas exclusivamente à Covid-19, nos últimos nove meses a procura por algum atendimento relacionado à infecção do Sars-Cov-2 foi significativa, já que essas unidades regulam pacientes para leitos de UTI da rede especializada. No geral 206.990 pessoas foram atendidas de junho a fevereiro, sendo 191.730 (92,62%) munícipes de Natal e 15.260 (7,37%) oriundos de outras cidades.

“O quantitativo de pessoas que não são de Natal e estão sendo atendidas em nossas UPAs é preocupante. Os Hospitais são todos regulados, então as UPAs são a porta de entrada para pacientes em estado grave. Há dois meses Natal está atendendo acima da sua capacidade. E o segredo para que esse paciente Covid não evolua está em atender nos primeiros sintomas para evitar a evolução da infecção. Por isso temos os centros Covid com atenção básica à disposição dos natalenses com sintomas leves e as UPAs voltadas para atender sintomas mais graves como falta de ar, por exemplo. Mas paralelo a esse universo, existem as outras doenças também”, indica George Antunes, Secretário Municipal de Saúde de Natal.

A UPA Satélite lidera o ranking de atendimento a usuários que não são de Natal, com um total de 7.426 pacientes de outros municípios durante a pandemia. Em seguida vêm as unidades de pronto atendimento Esperança, com 3.672; Potengi com 2.350; e Pajuçara tendo 1.812. No ranking do perfil desses pacientes, eles são moradores de Parnamirim (2.091), Extremoz (1.305) e São Gonçalo do Amarante (1.239). O total consolidado de atendimentos das UPAs no período de junho de 2020 a janeiro de 2021 soma 206.990.

Opinião dos leitores

  1. Isso é um absurdo! Enquanto isso os municípios recebendo dinheiro do governo federal. Isso acontece com Parnamirim e em outras cidades maiores.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *