Dilma na Veja: "“Não gosto desse negócio de toma-lá-dá-cá”. “Não gosto e não vou deixar que isso aconteça no meu governo.

Dilma Rouseff concedeu uma entrevista à revista Veja. Em certas passagens, soou clara como a gema. Noutras, expressou-se como se contasse um enredo fantástico passado num governo imaginário. Um enredo bem brasileiro.

É difícil encontrar auxiliares honestos?, quiseram saber os entrevistadores. E Dilma:  “A questão não deve ser colocada dessa forma. Os processos no governo é que precisam ser de tal forma claros e os resultados de avaliação tão lógicos que não sobre espaço para as fraquezas dos indivíduos.”

Como filosofia de pára-choque de caminhão, parece perfeito. Mas convém recordar: na hora da batida, nenhuma filosofia substitui o pára-choque. Assim, poder-se-ia indagar: precisava nomear uma equipe inaugural de ministros composta de indivíduos tão fracos?

Dilma prosseguiu: “Montesquieu ensinou que as instituições é que devem ser virtuosas. Nenhuma pessoa que é chamada para o governo pode achar que haverá algum tipo de complacência. Nós temos de ser o mais avesso possível aos malfeitos. Não vou transigir.”

Vivo, Montesquieu diria: as instituições são mais virtuosas quando não esperam pelas manchetes de jornal para restaurar suas virtudes. A incomplacência é real quando exercida já na escolha das pessoas chamadas para o governo. E a intransigência só é plena quando atinge também o amigo do PT.

Perguntou-se a Dilma o porquê de ter desgostado da expressão faxina ética. E ela: “Parece preconceituosa. Se o presidente fosse um homem, vocês falariam em faxina? Isso é bobagem. A questão não é essa palavra.”

Acrescentou: “A questão é que o governo tem uma obrigação de oferecer serviço público de qualidade à população. E para isso é necessário que os processos no governo sejam eficientes, meritocráticos e transparentes. Eu sempre mudei para tentar melhorar.”

Nesse trecho, disse coisas definitivas. Mas não definiu muito bem as coisas. Lula foi eleito para mudar. No campo dos costumes, mudou para pior. Nos processos, o governo exerceu a ineficiência com máxima eficiência. Praticou meritocracia atípica, privilegiando a falta de mérito. A transparência foi de cristal cica.

Dilma foi trombeteada como candidata da continuidade. Eleita, recepcionou os maus hábitos em sua gestão já nos primeiros movimentos da caneta. Mudança? Por ora, só na marra, quando os fatos revelaram-se incontornáveis. No geral, trocou-se o seis de um partido pelo meio dúzia do mesmo partido. Mérito? Pantomima.

Instada a comentar a crise que sacode o condomínio, Dilma foi categórica: “Não há crise nenhuma. Perder ou ganhar votações faz parte do processo democrático e deve ser respeitado. […] Você não tem de ganhar todas. O parlamento não pode ser visto assim.”

Bonitas palavras. São expressões próprias das pessoas que sabem perder. Dilma revela-se uma admiradora dos perdedores. Mas só quando está do outro lado. Embosca pelos pseudoaliados numa reles nomeação para a agência reguladora dos transportes, mostrou os dentes. Trocou os líderes do Senado e da Câmara.

Editou um decreto autorizando a escolha de um novo gestor para a agência sem o inconveniente do referendo do Senado. Mostrou que “o Parlamento não pode ser visto assim.” Prefere-o assado.

“Em alguma circunstância sempre vai emergir uma posição do Congresso que não necessariamente será a do Executivo”, disse Dilma, em timbre contemporizador. “Isso faz parte do processo. A tensão é inerente ao presidencialismo de coalizão com base partidária.”

O Código Florestal comprova a assertiva. Na Câmara, colegiado de 513 votos, formou-se uma maioria que roça os 400 contra a posição do Executivo. Jogo jogado, informam os agrodeputados. Assim, não admito. Não negocio nem deixo marcar a data da votação, responde Dilma.

Posições contrárias devem ser vencidas no argumento. Se Dilma não consegue convencer os sócios do seu clube, paciência. A turma não foi nomeada, foi eleita. O eleitor escolheu mal? Parte do processo. A conversão do Legislativo em puxadinho do Planalto é que não faz parte do processo”.

“Não gosto desse negócio de toma-lá-dá-cá”, declarou Dilma a certa altura da entrevista. “Não gosto e não vou deixar que isso aconteça no meu governo.” Hã?!? Admita-se que não gosta. Natural. Ninguém aprecia. Mas, francamente, esse lero-lero de “não vou deixar” chega com atraso de um ano e quatro meses.

Na campanha, Dilma teve a oportunidade de construir um destino. Tornou-se fatalidade. Na posse, justiça se lhe faça, não aumentou a taxa de fisiologismo do governo. Manteve-a nos mesmos 100%. Agora, pode até posar de violonista. Mas sabe que sabe que a tribo que a rodeia só conhece a percussão.

É louvável que Dilma peça ao grande Editor a oportunidade de uma segunda edição de si mesma, revista e melhorada. Mas para tornar-se merecedora da dádiva, talvez tenha de reiniciar a história pela autocrítica.

É certo que, para sobreviver como Joana D’Arc, precisa saltar da fogueira. Fingindo que não foi chamuscada, passa a impressão de que já não consegue separar-se dos amigos arcaicos. A essa altura, talvez tenham mesmo se tornado amigos irreparáveis.

Fonte: Josias de Souza

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Daniel Fagundes disse:

    Dilma promete ser uma Presidente diferente dos outros, por isso enfrenta tantos empecilhos com a qualidade de seus ministros.

  2. Aristotelles disse:

    Fotos inéditas de um grave acidente agora há pouco no viaduto de Ponta negra, se quizer, me avise que mando as fotos, TT: @totinharocha. Vlw.

Veja revela trama de estelionatário para ajudar Zé Dirceu e companhia

A Revista Veja que chega hoje as bancas vem recheada com uma reportagem que levantar os cabelos de qualquer um, a revista teve acesso a conversas gravadas pela Polícia Federal com autorização da Justiça que revelam como o PT de José Dirceu se juntou a um notório estelionatário para falsificar documentos, destruir a imagem de adversários e tentar enganar os ministros do Supremo Tribunal no caso do mensalão.

Será que tem alguém supreso com mais uma da Turma do Dirceu?