Saúde

No Brasil, 84% das pessoas acham que visitantes só devem entrar no país com comprovante de vacinação contra a Covid, diz pesquisa

Foto: Márcia Foletto 10-12-2020 / Agência O Globo

Um estudo feito pela empresa de consultoria Ipsos para o Fórum Econômico Mundial concluiu que cerca de três em cada quatro adultos em 28 países concordam que viajantes só devem entrar em seus países (dos entrevistados) caso apresentem um comprovante de que foram vacinados contra a Covid-19 ou um documento que comprove que realizaram recentemente um teste cujo resultado deu negativo.

No Brasil, 84% dos participantes que responderam à pesquisa concordaram que turistas só devem desembarcar no país se apresentarem o “passaporte de vacinação”. Para os entrevistados, isto garantiria mais segurança à viagem e aos eventos de grande porte.

Cerca de dois em cada três entrevistados nos 28 países concordam que o acesso a locais públicos, como grandes eventos e estádios de futebol deveriam exigir o “passaporte de vacinação”. Entre os entrevistados brasileiros, a porcentagem foi um pouco maior: 75%.

Além disso, quase metade dos entrevistados concordam que o documento deve ser exigido por lojas, restaurantes e escritórios.

Na pesquisa global, uma média de oito em cada dez dizem que se sentem confortáveis permitindo que seu médico acesse seus dados pessoais de saúde e registros de vacinação. No entanto, pouco mais da metade entre os que estão empregados concorda que não se importariam se seus empregadores tivessem acesso a essas informações, e metade de todos os adultos ficariam confortáveis caso o governo acessasse esses dados. Apenas quatro em cada dez adultos ficariam confortáveis caso as informações fossem acessadas por empresas privadas, como companhias aéreas e hotéis.

No geral, os idosos tendem a se sentir mais confortáveis em permitir que o médico tenha acesso às informações sobre saúde e vacinação do que os mais jovens. Em contraste, os mais jovens tendem a se sentir mais confortáveis permitindo que seu empregador, seu governo e empresas privadas acessem suas informações pessoais de saúde. Pessoas com níveis mais altos de educação ficam um pouco mais confortáveis com o acesso de seu médico, governo e empresas privadas aos seus dados de saúde do que aqueles com níveis mais baixos de educação.

No Brasil, 77% dos entrevistados disseram se sentir confortáveis caso seus médicos tenham acesso às suas informações de saúde e vacinação; 62% não se importariam caso os dados fossem vistos por seus empregadores; e 49% ficariam confortáveis caso os dados fossem acessados pelo governo ou por empresas privadas.

A pesquisa foi realizada online com mais de 21 mil adultos entre 26 de março e 9 de abril de 2021. Foram ouvidas aproximadamente mil pessoas em cada um dos seguintes países: Austrália, Bélgica, Brasil, Canadá, China continental, França, Alemanha, Grã-Bretanha, Itália, Japão, Espanha e os EUA. E 500 pessoas em Argentina, Chile, Colômbia, Hungria, Índia, Malásia, México, Holanda, Peru, Polônia, Rússia, Arábia Saudita, África do Sul, Coreia do Sul, Suécia e Turquia.

Outra pesquisa da Ipsos realizada online com mais de 15 mil adultos em 12 países, de 8 a 11 de abril, mostra que o público global está dividido sobre a a ideia de deixar restrita apenas àqueles que foram vacinados a permissão para participar de atividades que envolvem grandes grupos de pessoas, como andar de transporte público, viajar e participar de eventos culturais e esportivos. No Brasil, 63% concordam com esta ideia.

O Globo

Opinião dos leitores

  1. Estive em Dubai recentemente e lá entra de 1 em 1 mint pessoas vindo da India, gente !! não pede nem doc. pessoas infectadas vindo da India é demais, por isso que daqui alguns dias vai está novamente o mundo todo com picos altissimos… precisa barrar pessoas nas fronteiras, pq não adianta tomar vacina e se isolar, e deixar os infectados de outros países trazendo suas variantes.

  2. Nem se preocupem que ninguém virá a um país onde a mensagem do governo central é: CONTAMINEN SE.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Governo vai exigir exame negativo de Covid-19 para brasileiro ou estrangeiro entrar no país

Foto: Reprodução/TV Globo

Uma portaria publicada pelo governo federal na noite de quinta-feira (17) exige que brasileiros ou estrangeiros que quiserem entrar no país de avião apresentem um teste PCR com resultado negativo para Covid-19 ao embarcar. A medida começa a valer no dia 30 de dezembro.

O teste, a ser apresentado à companhia aérea, deverá ter sido feito até 72 h antes.

A portaria também determina que o viajante assine uma declaração de saúde para concordar com as medidas de prevenção da Covid-19 que deverá seguir enquanto estiver no país. O texto não especifica quais são as medidas.

O viajante que não cumprir as exigências da portaria estará sujeito a deportação, multas e inabilitação de eventual pedido de refúgio.

A portaria mantém regras que vêm sendo editadas desde o início da pandemia para restringir a entrada de estrangeiros por terra, água e ar. O ingresso é permitido em alguns casos específicos, como o de estrangeiros que tenham residência fixa no Brasil, tenham cônjuge brasileiro, viajem ao país para missão de organismo internacional e outros.

Na segunda-feira (15), o blog do Camarotti informou que o governo do presidente Jair Bolsonaro havia ignorado determinação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) de adotar medidas de controle para quem chega ao país via aeroportos.

Uma nota técnica da agência já recomendava a apresentação de um teste negativo para Covid-19 antes da entrada no Brasil. Mas, até então, o governo vinha ignorando a orientação da Anvisa. Uma portaria publicada no dia 11, com regra para entrada de estrangeiros, não determinava a obrigatoriedade do exame.

G1

Opinião dos leitores

  1. Calígula ( Cacá para os íntimos ) , vai ter muito trabalho quando for para Disney , apertar a venta do pateta com sua ninhada de sobrinhos musculosos . É muita gente ! Aí papai !

  2. Está aberta a temporada de falsos exames, como todo brasileiro já faz com atestados médicos. … Medida certa na teoria, na prática inócua

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

JetSmart, aérea low-cost chilena, quer entrar no mercado doméstico brasileiro, diz Reuters

Foto: Divulgação

A JetSmart, aérea low-cost chilena que pertencce ao fundo americano Indigo Partners e opera voos internacionais no Brasil, apresentou à Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), em 10 de março último, um plano para entrar no mercado doméstico brasileiro e disputar espaço com as três grandes empresas estabelecidas no país — Gol , LATAM e Azul —, disse a agência reguladora do setor à Reuters.

A companhia aérea atua no segmento de baixo custo no Chile e na Argentina. O suporte que tem da Indigo Partners a coloca como uma rara empresa do setor capaz de fazer investimentos durante a pandemia de coronavírus.

A JetSmart disse à Reuters que, apesar do colapso no tráfego de passageiros desencadeado pela pandemia, ainda está de olho em uma expansão no Brasil.

“Embora a pandemia tenha reduzido substancialmente a demanda, ainda estamos analisando novas operações na região, apesar de seguirmos a forma e a velocidade da recuperação do mercado no Brasil e em outros países”, afirmou o CEO da companhia, Estuardo Ortiz, em um comunicado.

Dor de cabeça para aéreas brasileiras

O movimento da chilena representa uma dor de cabeça adicional Gol , Latam e Azul, que foram fortemente afetadas pela crise causada pela pandemia de Covid-19.

A Latam pediu recuperação judicial no Chile e nos Estados Unidos. E anunciou o fim de suas operações na Argentina.

Os contadores da Gol estão pressionando para adicionar o chamado aviso de continuidade, um sinal de dúvida sobre se a companhia aérea estará viva daqui a um ano. A Azul, por sua vez, contratou advogados para fazer uma reestruturação da operação em meio às restrições financeiras e de demanda impostas pela Covid-19.

A entrada da JetSmart, no entanto, seria uma vitória para o governo do Brasil, que tenta atrair companhias aéreas de baixo custo para o maior mercado aéreo da América do Sul, mas com pouco sucesso até agora.

Em maio de 2019, o Brasil aprovou a abertura do setor aéreo à participação de até 100% de capital estrangeiro. Ou seja, grupos internacionais podem constituir uma empresa no país para operar no mercado doméstico.

A proposta mais firme, até então, foi feita pela espanhola Air Europa, que pertence à Globalia. A companhia aérea, entretanto, foi adquirida pelo IAG (dono da Iberia e da British Airways) e qualquer movimento nessa direção está em compasso de espera até que a aquisição seja confirmada pelas autoridades da concorrência.

Na semana passada, LATAM e Azul anunciaram um acordo de code-share, anunciando compartilhamento de voos e de seus programas de milhagens.

Na reunião realizada em março, a JetSmart disse que estava interessada em iniciar operações domésticas “em breve”, disse a ANAC, embora não tenha fornecido à Reuters um cronograma mais detalhado.

“Acreditamos que a JetSmart ainda esteja interessada”, disse a ANAC à Reuters.

Recursos para investir

A Indigo Partners, especializada em desenvolver empresas de baixo custo, além da JetSmart, controla também as companhias low-cost Frontier Airlines, nos Estados Unidos, a mexicana Volaris e a húngara Wizz Air. E tem feito apostas altas apesar da crise.

De calçados a montadoras: Setores negociam com governo propostas próprias para destravar crédito

A empresa americana fez uma tentativa frustrada de comprar a Virgin Australia e mantém um pedido finalizado no fim de 2017 com a Airbus para comprar mais de 400 aviões.

A JetSmart foi criada no Chile em meados de 2016, iniciando as operações um ano depois. De lá para cá, já transportou mais de 4 milhões de passageiros. Com uma frota de 11 Airbus 320, terá mais seis desses aviões até janeiro, devendo alcançar uma centena na frota em 2026, quando prevê chegar também a cem milhões de passageiros.

A companhia se define como de ultrabaixo custo, com tarifas que cobrem apenas o transporte ponto a ponto e uma pequena bolsa de mão. Qualquer outro opcional é pago à parte.

O Globo

 

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Coronavírus: os países onde os brasileiros não podem entrar no momento

Foto: Getty Images

A partir desta quarta-feira, 27 de maio, estrangeiros que tenham passado pelo Brasil nos 14 dias anteriores não poderão entrar nos Estados Unidos.

A medida foi tomada para conter o avanço da pandemia do novo coronavírus. O governo americano diz que pessoas que tenham estado no território brasileiro são uma “ameaça” à sua segurança nacional.

A decisão foi tomada depois de o Brasil ultrapassar a Rússia e se tornar o segundo país do mundo com o maior número de casos: são 363,2 mil até agora, de acordo com a Universidade Johns Hopkins.

A disparada das infecções no Brasil foi um dos principais motivos que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a afirmar que a América do Sul é o novo epicentro da pandemia.

Os Estados Unidos seguem como o país mais afetado no mundo, com 1,6 milhão de casos e 98 mil mortes. Com mais de 22,6 mil óbitos, o Brasil é o sexto em número de fatalidades.

“Há quem aponte que os Estados Unidos até demoraram em implementar essa restrição”, afirma Carolina Moehlecke, professora de Relações Internacionais da Fundação Getúlio Vargas (FGV). “Dado o desenvolvimento dos números da epidemia no Brasil, isso poderia ter acontecido antes.”

Um dos fatores que podem ter contribuído para essa demora é o esforço do governo de Jair Bolsonaro (sem partido) de se aproximar e se alinhar com o governo de Donald Trump.

“Mas essa relação especial não foi suficiente para evitar a imposição dessa restrição. Se havia expectativa do governo brasileiro que essa proximidade bastaria, ela foi frustrada”, diz Moehlecke.

Maioria dos países adotam restrições

No entanto, não se trata de uma medida excepcional por parte dos Estados Unidos, que já havia imposto a mesma limitação a pessoas vindas de outras partes do mundo. Também não é algo inédito em outros países.

A princípio, a OMS não indicava haver necessidade de restringir viagens ou fechar fronteiras por causa do coronavírus.

Mas a partir do momento em que foi declarada uma pandemia e ficou claro que as viagens internacionais tiveram um papel crucial na propagação da covid-19, mais e mais nações adotaram medidas do tipo.

Há países que fogem à regra, como o México e o Reino Unido, onde não está em vigor nenhuma restrição do tipo, ou a Coreia do Sul, onde há apenas algumas limitações relacionadas à China.

Mas, atualmente, a maioria dos países do mundo fechou suas fronteiras para estrangeiros — em geral ou de determinadas nacionalidades —, segundo a Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA, na sigla em inglês), ou suspendeu os voos internacionais,

Isso inclui o próprio Brasil, onde as fronteiras estão fechadas desde 27 de março e permanecerão assim até pelo menos o fim de junho.

“Na história recente, não houve no mundo restrições tão amplas e por períodos tão longos”, diz Moehlecke.

E devemos esperar que essas medidas persistam por algum tempo, na avaliação da professora da FGV, mesmo que não de forma contínua.

“Os países devem fechar e abrir fronteiras no futuro próximo para conseguir controlar as taxas de contaminação e mortes conforme o comportamento do vírus. Haverá mais restrições temporárias enquanto não houver uma vacina pronta para ser aplicada em larga escala.”

Confira a seguir alguns dos destinos onde os brasileiros não podem entrar neste momento, salvo algumas exceções, como para quem é residente no país em questão — e, mesmo nestes casos, quem ingressa é normalmente obrigado a passar por uma quarentena.

Estados Unidos: não permite a entrada de estrangeiros que venham do Brasil, da China, do Irã, do Reino Unido, da União Europeia.

Canadá: a entrada de estrangeiros está proibida.

União Europeia: o fechamento das fronteiras para estrangeiros foi prorrogado até 15 de junho.

Japão: não permite a entrada de estrangeiros que venham de dezenas de países, entre eles o Brasil.

China: não permite a entrada de estrangeiros no país.

Índia: os voos internacionais para o país estão suspensos.

Austrália: não permite a entrada de estrangeiros.

Nova Zelândia: não permite a entrada de estrangeiros.

Argentina: as fronteiras estão fechadas para estrangeiros.

Uruguai: os voos internacionais estão suspensos.

Chile: estrangeiros não podem entrar no país.

Paraguai: os voos para o país estão suspensos.

Bolívia: as fronteiras do país estão fechadas para estrangeiros.

Peru: as fronteiras do país estão fechadas para estrangeiros.

Venezuela: os voos internacionais estão suspensos.

Equador: os voos para o país estão suspensos.

Colômbia: os voos para o país estão suspensos.

BBC Brasil

 

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Maior iceberg do mundo está prestes a entrar em mar aberto

Foto: (NASA/Divulgação)

O A68 – maior iceberg da atualidade, com área quatro vezes maior que a cidade de São Paulo – está perto de entrar em mar aberto, segundo observações de satélite. A placa se desprendeu da plataforma de gelo Larsen em 2017 e, desde então, vinha se movendo lentamente para o norte ao longo da Península Antártica.

Agora, o iceberg está no limite do Círculo Polar Antártico, e deverá se aventurar pelas águas do Oceano Austral em breve, indo para longe de qualquer terra firme.

Quando se desprendeu, o iceberg tinha área de cerca de 6000 km² e pesava quase 1 trilhão de toneladas. Desde então, ele perdeu pouco dessas dimensões. Apesar de não ser o maior iceberg já registrado (o B-15, que se desprendeu da Antártida em 2000, tinha uma área de 11 mil km²), as medidas impressionam, principalmente porque o iceberg tem “apenas” 200 metros de grossura para 16 mil quilômetros de comprimento – ou seja, é relativamente fino.

“Com uma proporção de espessura/comprimento semelhante a de cinco folhas de A4 agrupadas, fico surpreso que as ondas ainda não tenham transformado o A68 em cubos de gelo”, disse à BBC Adrian Luckman da Universidade de Swansea, no País de Gales, que vem monitorando o iceberg desde seu desprendimento.

Mas especialistas esperam que as agitadas águas do oceano Antártico quebrem o iceberg em pedaços menores em breve. E isto é bom: objetos grandes como este oferecem um risco óbvio para a navegação. Quanto menor os blocos, melhor para os navios.

Após se desprender em julho de 2017, o A68 ficou praticamente parado por um ano, levando alguns pesquisadores a especular que ele poderia ter se fixado em uma área mais rasa do oceano, como uma “ilha congelada”. Depois, em 2018, ele foi atingido pelo chamado Giro de Weddell, uma forte corrente oceânica que o levou mais de 200 km para o norte.

Na sequência, o iceberg passou a se mover lentamente para o norte, levado por correntes marítimas e fortes ventos. O professor Adrian Luckman publicou em seu blog a trajetória do iceberg entre janeiro de 2018 e janeiro de 2019:

Crédito: Adrian Luckman/Swansea University/Copernicus Programme/ESA (/)

A boa notícia é que a rota do iceberg é estável e bem previsível por enquanto, o que diminui o risco de acidentes. Após passar pelo Oceano Antártico e (provavelmente) se fragmentar, os blocos resultantes serão levados ao Atlântico Sul, onde também deverão quebrar em pedaços ainda menores. Não é uma novidade: outros icebergs já percorreram esse caminho, que é conhecido como “iceberg alley” (algo como “rua dos icebergs”) justamente por isso.

E novos icebergs deverão seguir o mesma mesma rota em breve, segundo os pesquisadores. Um deles, medindo cerca de 300 km², deve se desprender do Glaciar de Pine Island, no oeste da Antártida. Felizmente, ele deve se fragmentar pouco depois disso. Nesse meio tempo, na plataforma de gelo Brunt, da Antártida Oriental, um iceberg de 1500 km² (o equivalente à cidade de São Paulo) deve se desprender em algum momento no futuro próximo, embora ninguém saiba ao certo ainda.

Super Interessante

Opinião dos leitores

  1. O movimento desse iceberg me lembrou a mudança da posição da governadora sobre a necessidade da reforma da previdência de antes para depois de eleita, um giro de 180 graus.

    1. Isso não é pior do que dilmanta, desprender da surra de votos que sofreu em MG, e vir feder aqui no rn. Vai encosto!

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

Polícias param de divulgar nomes e fotos de presos após lei de abuso de autoridade entrar em vigor

Foto: Reprodução/EPTV

Polícias militares e civis de pelo menos 5 unidades da federação (São Paulo, Espírito Santo, Distrito Federal, Santa Catarina e Rio Grande do Sul), ouvidas pelo G1, deixaram de publicar em redes sociais, em páginas institucionais e de divulgar à imprensa fotos e nomes de suspeitos ou presos desde o dia 3 de janeiro, quando entrou em vigor a nova lei de abuso de autoridade.

A lei, criticada por juristas e magistrados quando foi sancionada pelo presidente da República, Jair Bolsonaro (PSL), em 2019, define cerca de 30 situações que configuram abuso e é alvo de questionamentos de organizações que defendem agentes públicos no Supremo Tribunal Federal (STF).

Agora, passam a ser crimes ações que até então eram consideradas infrações administrativas ou atos ilícitos punidos no âmbito cível. Um exemplo são os atos de constranger o detento a exibir seu corpo “à curiosidade pública” ou de divulgar a imagem ou nome de alguém, apontando-o como culpado”. Agora isso pode levar uma autoridade a ser punida com penas de 1 a 4 anos de detenção e de 6 meses a 2 anos, mais multa, respectivamente.

Não é necessário que a vítima acuse o agente público pelo fato. Os crimes são de ação pública incondicionada, quando é dever do estado investigar e punir.

A exceção para divulgação de nome e fotos ocorre com suspeitos foragidos com mandado de prisão em aberto.

Delegado vê prejuízo às investigações

Em São Paulo, por exemplo, a Secretaria da Segurança Pública informou que “os policiais são constantemente orientados acerca das legislações em vigor”. “No tocante a lei de abuso de autoridade, simpósio e cursos foram ministrados aos policiais civis pela Acadepol, que, inclusive, editou súmulas de orientação deixando-as disponibilizadas para consulta de todos os agentes.”

Para o delegado Gustavo Mesquita Galvão Bueno, presidente da Associação dos Delegados de Polícia Civil de São Paulo (ADPESP), a proibição da divulgação das imagens de suspeitos “causa prejuízo nas investigações”.

“A divulgação de fotos de presos, não de forma irresponsável e indiscriminada, mas com responsabilidade e em casos com prova de autoria do crime, é um instrumento que nos ajudava a solucionar inúmeros crimes, porque a população reconhecia. Infelizmente, isso será prejudicado, para não dizer, anulado”, diz Bueno.

“Infelizmente, nesta lei, optou-se por privilegiar a privacidade do criminoso do que a segurança pública”, afirma o delegado.

Além da divulgação ou exposição indevida da imagem de detentos, passam a ser considerado crimes:

colocar presos de diferentes sexos ou crianças no mesmo espaço;
o agente público não se identificar durante uma abordagem;
iniciar investigação sem indícios;
apontar alguém como culpado antes da Justiça;
decretar prisão sem fundamento;
entrar na casa de alguém “à revelia”.

(Veja, mais abaixo, maiores detalhes sobre os crimes):

A Polícia Militar do Espírito Santo fez uma cartilha de bolso para lembrar aos policiais que, no dia a dia do trabalho, não podem expor, em determinadas situações, o preso a uma situação vexatória, mas diz que continuará repassando à imprensa o histórico das ocorrências, sem divulgar nomes.

A Polícia Civil capixaba também orientou, por meio de um documento interno, seus agentes a tomarem precauções em entrevistas “atentando-se para a não divulgação de dados qualificativos de presos/indiciados/investigados ou qualquer elemento que possa qualificar como criminalização prévia ou exposição da intimidade.”

PM do Espírito Santo faz cartilha ‘lembrando’ policiais de usar a identificação profissional e para não divulgarem imagens de pressos — Foto: Reprodução

Orientações sobre divulgação de fotos

(mais…)

Opinião dos leitores

  1. Engraçado as leis brasileiras, não pode divulgar a foto dos ladrões, mas pode divulgar a dos policiais, deve ser para as facções identificar melhor os policiais e executá-los.

  2. Certissimo, no Brasil se divulga tudo dos pobres, enquanto dos ricos nap divulga nada, pelo menos assim fica tudo igual

    1. Esse é um tonto, ser favorável a impunidade, ainda mais achando que ladrões são pobres. Imbecil, isso é uma reação dos bandidos poderosos, iguais a luladrão, Gilmar mendes, dilma, Rodrigo maia, empresários, banqueiros. Se fosse por causa de ladrões de galinha ficava como tava. Acorda babaca

  3. AGRADEÇAM AO SENADOR RODOLFO DPVAT DO AMAPÁ.
    Esse trabalha contra a "Nação Brasileira "
    Defensor da bandidagem e contra as autoridades polícias .

  4. O engraçado que só divulgavam fotos e nomes dos passa fome, os filhos da elite as notícias em sua maioria eram abafadas, quando muito falavam por cima.

  5. Esse é o Brasil que o PT criou, só quem tem direitos são os bandidos, os cidadãos de bem tem que ficar em casa trancado, desarmado e rezando pra não ser roubado.

  6. Até quando a POPULAÇÃO de BEM vai aceitar esses mandos e desmandos desse CONGRESSO CANALHA? ???

  7. Ninguém pode ser exposto à execração pública. Ainda mais não existindo sequer uma Denúncia.

  8. Às vezes podem ocorrer malentedidos que só depois são esclarecidos depois do devido processo. Mas nada vai repor a imagem do sujeito chamado de tudo o que não presta por um apresentador de TV.

    1. se informe melhor mulher , isso foi criado por um deputado apoiador de Lula , o presidente vetou e derrubaram o veto , se informe melhor pra não falar besteira.

  9. Obrigado PT, Rodrigo maia , centrao; a quebrada agradece. Agora a galera cola sem ser reconhecida. Demorô!

  10. Tratamento vip! Trabalhadores honestos se matan mês a mês para receber um mísero salário de R$930,00 enquanto o novo mercado de trabalho gerado por bandido, chega a faturar o valor R$ 1.300,00, s m contar com todo apoio jurídico e saúde… Uma vergonha para um país como o Brasil. Bandido tem que se mostrar a cara independente de idade, quando eles matam e estupram, ele não tem pena nem dó das vítimas. Temos que lutarmos para implantar Leis mais severas e alertar a sociedade desses vermes exclupulossos que vivem em nossa sociedade com o codnome de seres humanos.

  11. Parabéns ao nosso Congresso por pensar nos seus pares e deixar a população sem poder saber da face e nome dos bandidos…

  12. Essa aberração em forma de lei tem como seu patrono um dos maiores canalhas do Congresso Nacional! Como não podemos divulgar o nome do corrupto e ladrão, basta dizer que é senador pelo estado de Alagoas. Bandido protegendo os pares…

    1. Ele é bandido e todos os senadores e deputados federais que votaram para aprovar a lei, são também. Inclusive o presidente que sancionou.
      Vergonha de ter votado nesse presidente.

  13. Parece que os politicos de esquerda e seus cumplices desejam dificultar ao maximo a punicao e a elucidacao de crimes com essas leis.

    1. Infelizmente não foram somente os políticos de esquerda que construíram e aprovaram essa lei. Muita gente do centrão e até direita apoiou a lei…

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Bebianno diz que Bolsonaro chancelou repasses a Bivar para entrar no PSL

Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

Gustavo Bebianno disse à Polícia Federal que Jair Bolsonaro chancelou em 2018 um acordo para repassar 30% do fundo eleitoral do PSL (cerca de R$ 2,7 milhões) para o diretório do partido em Pernambuco, informa a Folha.

O PSL pernambucano é chefiado por Luciano Bivar.

Bebianno foi chamado a depor pelo fato de a verba pública do PSL repassada às supostas candidatas laranjas de Pernambuco ter partido do diretório nacional, presidido por ele durante a campanha presidencial do ano passado.

“Perguntado sobre quem seria o responsável pela definição das contas relativas aos fundos partidário e especial [eleitoral] para cada estado e seu correlato repasse para os candidatos durante o processo eleitoral, [Bebianno] respondeu que na forma do acordo político celebrado entre Jair Bolsonaro, Luciano Bivar, Fernando Francischini [então deputado federal pelo Paraná e aliado de Bolsonaro], Antônio Rueda [braço-direito de Bivar], Eduardo Bolsonaro [filho do presidente] e o declarante, parte relevante do fundo eleitoral, em torno de 30%, seria destinado para o estado de Pernambuco, estado original da fundação do PSL, e que os 70% restantes seriam distribuídos de acordo com o peso eleitoral de cada estado”, diz a transcrição de parte de seu depoimento.

E mais:

“O candidato queria ter esse controle para evitar que pessoas com perfil político mais à esquerda exercessem função de comando nesses diretórios regionais e que as pessoas indicadas fossem corretas no trato público.”

Na campanha, Bolsonaro chegou a assinar uma carta de filiação ao Patriota, mas acabou entrando no PSL.

O Antagonista, com Folha de São Paulo

 

Opinião dos leitores

  1. O jogador conhece o jogo pelas regras hehehe. A velha política mantém seus acordos hehehe

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

Homem é detido após quebrar vidro de carro de desconhecido na Zona Sul de Natal, entrar no veículo e dormir no banco do motorista

Foto: Kleber Teixeira/Inter TV Cabugi

Um homem invadiu um carro na madrugada desta segunda-feira (14) no bairro de Candelária, na Zona Sul de Natal e dormiu do lado de dentro. Na ocorrência, o acusado quebrou o vidro da porta do passageiro para entrar no veículo e foi encontrado pelo dono do automóvel já pela manhã.

Segundo a polícia, o acusado foi abordado por um vigilante e , na ocasião, afirmou que era o proprietário do automóvel. Só não contava com a chegada do dono, que desmentiu o homem que apresentava sinais de alteração a ser esclarecida.

O homem foi levado para a Delegacia de Plantão da Zona Sul, onde o delegado o autuou pelo dano provocado ao carro. Além do vidro estilhaçado, a maçaneta também foi arrancada.

Com acréscimo de informações do G1

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

IMAGENS COMOVEM O MUNDO: Fotógrafo registra imigrante guatemalteca com o filho implorando para entrar nos EUA

Fotos: JOSE LUIS GONZALEZ / REUTERS

Lety Perez caiu de cócoras, a mão fechada cobrindo seu rosto enquanto chorava, um braço segurando o filho de 6 anos de idade, que encarou desafiadoramente o soldado da Guarda Nacional Mexicana impedindo-o de cruzar para os Estados Unidos .

A situação difícil desta mãe e filho que viajaram cerca de 2.400 quilômetros de seu país, a Guatemala , até a cidade fronteiriça de Ciudad Juárez, a apenas alguns metros dos Estados Unidos, foi capturada pelo fotógrafo da Reuters, Jose Luis González. enquanto o crepúsculo se aproximava na segunda-feira.

— A mulher implorou e implorou à Guarda Nacional para deixá-los atravessar… ela queria cruzar para dar um futuro melhor ao seu filho — disse González.

O soldado, vestido com uniforme do deserto, um rifle de assalto pendurado no ombro, não revelou seu nome e disse que estava apenas cumprindo ordens, de acordo com González.

Uma das várias imagens publicadas pela Reuters sobre a cena foi amplamente reproduzida nas mídias sociais. Ele destacou o papel que a força militarizada da Guarda Nacional do México está desempenhando na contenção da migração, principalmente da América Central.

O presidente Andres Manuel López Obrador criou a Guarda Nacional para reduzir as taxas recordes de homicídio, mas quase um terço de seus membros agora está escalado para patrulhar a fronteira e aplacar as exigências do presidente Donald Trump de conter o fluxo de imigrantes centro-americanos.

O soldado não agiu de maneira evidentemente agressiva durante o encontro de nove minutos com Perez e seu filho. Ainda assim, a dinâmica de poder aparente na imagem repercutiu nas críticas ao tratamento que os migrantes estão recebendo durante a repressão pelo México .

O ex-presidente mexicano Felipe Calderón, que retuitou a foto depois de ela ter sido publicada pelo ex-embaixador mexicano nos EUA Arturo Sarukhan, escreveu: “Que pena, o México nunca deveria ter aceitado isso.”

O porta-voz de López Obrador, Jesús Ramírez, disse que a imagem é um exemplo da Guarda Nacional encarregada de cuidar da segurança pública. Ele disse que o soldado não impediu Perez de atravessar, mas avisou-a dos perigos de fazê-lo.

— A Guarda combate o crime de tráfico de pessoas e protege os direitos humanos da população e dos migrantes que atravessam o país — disse Ramirez.

Um oficial da Guarda Nacional disse que o soldado “a convidou a evitar os riscos de cruzar o rio com um menor”.

Em junho, López Obrador disse que a Guarda Nacional não tinha ordens para deter migrantes que cruzam a fronteira dos EUA. Ele enfatiza regularmente que a repressão não deve violar direitos.

As apreensões de migrantes na fronteira sul dos EUA caíram em junho em cerca de um terço, para cerca de 100 mil pessoas, segundo dados dos EUA, após o México ter enviado para suas fronteiras cerca de 21 mil soldados da Guarda Nacional, em grande parte retiradas das fileiras das Forças Armadas.

Trump disse na quarta-feira que o México “provavelmente colocará mais tropas” em sua fronteira com os EUA. O Ministério das Relações Exteriores do México não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.

As tropas da Guarda Nacional em Ciudad Juárez, incluindo o soldado na foto, estão equipadas com capacetes balísticos, armaduras e rifles. Eles são identificáveis por pequenas braçadeiras estampadas com as letras GN.

González disse que estava fazendo sua ronda diária ao longo do leito seco do Rio Grande, que separa sua cidade natal, Ciudad Juárez, de El Paso, no Texas, quando os guardas prenderam um punhado de migrantes, incluindo a mãe e o filho registrados na foto, em uma estrada poeirenta com vista para o rio.

Foi lá que ela fez seu pedido choroso.

— O rosto dela é um pequeno reflexo do sofrimento de todos os migrantes”, disse González. — Muitas pessoas julgam os migrantes, perguntam por que não ficam no país deles, por que vêm para cá ou por que estão entrando nos Estados Unidos. Todo migrante tem uma história.

De repente, aproveitando a oportunidade quando o soldado pronto para a batalha desviou o olhar, Perez se lançou contra os arbustos que crescem ao lado da margem do rio, puxando seu filho com ela. Eles rapidamente correram para o outro lado do rio e para fora da jurisdição dos guardas onde membros da Agência de Aduanas e Proteção de Fronteiras os levaram em custódia.

Em resposta a um pedido de informação, um porta-voz disse que a Agência de Aduanas e Proteção de Fronteiras dos EUA não tinha os recursos necessários para rastrear o paradeiro atual de Perez e seu filho com base nos detalhes que a Reuters pôde fornecer.

Dependendo das particularidades do caso, os dois normalmente seriam processados em uma estação de patrulhamento de fronteira e depois entregues ao Departamento de Imigração e Alfândega, ou colocados em um programa que devolve alguns imigrantes ao México para aguardar audiências judiciais nos EUA, disse o porta-voz, que pediu para não ser identificado.

O Globo, com Reuters

Opinião dos leitores

    1. Quase 2020 e você vem falar de empatia? hahaha isso já era, compadre.

  1. Entendi. Como ele não é o Estado, os outros que resolvam o problema. Empatia da boca pra fora e no lombo dos outros é fácil. Hipocrisia.

  2. Novidade zero. O mundo não é casa de mãe-joana, feito o Brasil. Eu mesmo para entrar na família de minha mula Adelaide, e com ela tirar cria, foi preciso me submeter a um ritual exaustivo.

  3. Eu pensava que só no Braasil tinha eleitor burro quando votava para presidente mas nos Estados unidos parece que o povo de lá ainda eh mais burro

  4. Acho que o bom jornalismo deveria evitar esse tipo de exploração demagógica.
    País nenhum do Mundo pode se dar a luxo de escancarar as portas para a imigração.

    1. Os EUA não prestam, mas todo mundo quer ir morar lá.

    2. Vitor, quero lhe parabenizar. O seu comentário foi um dos mais lúcidos que li a respeito desse assunto.
      Nenhuma nação tem política de portas abertas, todas tem algum tipo de filtro.

    3. Não precisa ser pai pra sentir um nó na garganta, mas sendo um, dá uma vontade danada de chorar. Quanto aos comentários despidos de humanidade, mostram que realmente estamos doentes enquanto sociedade.

    4. Quantos (ex) moradores de rua estão albergados na sua casa, Vitor Silva?
      PS: também me dá um nó na garganta. O Mundo é complexo.

    5. O Vítor não é Estado, Ricardo, para resolver os problemas sociais. O Vítor, diferentemente de você, demonstrou empatia.

    6. Empatia não resolve os problemas do mundo… É necessário que que existam regras, leis, regulamentos, caso contrário estaríamos no caos! Imaginem se os EUA abrissem as fronteiras?Quantos Mexicanos, Cubanos, Brasileiros, Africanos, Haitianos, Venezuelanos estariam lá? será que o país iriam comportar tanta gente? será que ainda seria uma potencia mundial? É necessário humanidade, mas também rigor no controle de fronteiras, nas políticas de migração, etc…

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

TAMBABA: Praia nudista na Paraíba cresce para entrar na rota internacional da prática

Fotos: Roberto de Oliveira/Folha Press

Menino não veste azul e menina não veste rosa. Na verdade, em Tambaba, no sul da Paraíba, ninguém veste nada. A praia de naturismo mais famosa do Brasil está em via de tornar-se uma vitrine internacional da prática, que, para além do nudismo, preconiza o cultivo da vida saudável e o retorno à natureza.

O espaço frequentado por turistas em trajes de banho deverá ser reincorporado ao terreno naturista, uma antiga reivindicação de adeptos. A mudança será possível graças a um decreto estadual que prevê a criação de uma Área de Especial Interesse Turístico e Ecológico para a prática do naturismo em Tambaba.

Atualmente, o acesso principal à área nudista passa pelo trecho ocupado pelos “têxteis”, apelido pelo qual são conhecidos por lá os banhistas que ainda resistem a abandonar sungas, maiôs e biquínis.

Quem já aderiu à filosofia naturista terá, aproximadamente, mais 300 metros de faixa de areia para curtir a praia nu, segundo Rose Barbosa, 61, presidente da Sonata (Sociedade Naturista de Tambaba).

Ao todo, a faixa destinada à prática do naturismo alcançará 800 metros.

Os que ainda não se converteram à filosofia podem frequentar Tambaba, mas têm de ficar no seu espaço. Para evitar confusão, existe uma separação entre os banhistas. Uma passarela fechada por tapumes impede a visão do lado naturista, portanto quem estiver vestido não consegue bisbilhotar o lado dos pelados.

A tal passarela funciona como uma espécie de portal para outra galáxia, em que há regras próprias a seguir. Se a atravessarem, os visitantes terão de aderir ao “dress code”.

Logo serão informados pela equipe de monitores da Sonata (devidamente despidos, mas identificados com um colete verde) de que, a partir daquele ponto, só vai entrar quem tirar toda a roupa.

De acordo com o regulamento interno, não é permitida a entrada de homens desacompanhados de mulheres, mas há alguns que conseguem burlar a norma, adentrando o local seja pelo portão principal, seja pela mata.

A professora paulistana Zuleika Fernandes de Mello, 51, disse que, em sua primeira visita a Tambaba, a socialização na praia ocorreu de imediato. “Foi uma experiência de estar em harmonia com o ambiente, que me trouxe uma sensação de liberdade, respeito e amor ao corpo nunca antes vivenciada. Eu amei Tambaba.”

Nem tudo, porém, são flores. Há relatos de mulheres em grupos que foram assediadas por homens.
A presença de voyeurs, apelidados de “fresteiros” —assim chamados por tentarem ver os nudistas pelas frestas dos galhos de árvores—, é uma dor de cabeça para a entidade, porque nem sempre eles se limitam a observar.

Com o decreto estadual e as mudanças estruturais propostas, os gestores pretendem debruçar-se sobre essa questão e ampliar a segurança.

Uma ideia é fazer passeios nas trilhas guiados por profissionais credenciados (naturistas, é claro), ação que promete banir de vez os invasores e intrometidos, como explica Carlos Santiago, 57, secretário da Sonata.

Os naturistas têm uma filosofia de vida. Estar nu é parte de um modo de viver pautado pela harmonia com a natureza. “A prática tem por intenção favorecer o autorrespeito, o respeito pelo outro e o cuidado com o ambiente”, diz.

A maioria dos frequentadores são famílias, com crianças e adolescentes, avós e grupos de amigos, todos à procura de um lugar para curtir as delícias de uma boa praia: estirar-se ao sol, caminhar pelo areal, jogar frescobol, futebol ou vôlei, tomar um banho de mar.

Estão nos planos de reformulação a ampliação da área e o incentivo à prática do naturismo. O local do estacionamento (onde é obrigatório estar vestido) deverá ser transformado em uma recepção, onde atendentes e palestrantes, devidamente despidos, receberão os visitantes e explicarão o conceito de naturismo e suas normas éticas.

Árvores da mata atlântica serão catalogadas, e trilhas terão o acompanhamento de guias, uma estratégia para divulgar o patrimônio natural.

“Queremos transformar Tambaba em uma referência internacional, onde gente do mundo todo poderá entrar em contato com a fauna e a flora em segurança, sem degradar o ambiente”, diz Julíndio Macuxi, 52, representante do NU (Naturistas Unidos), movimento criado para divulgar, socializar e fortalecer o naturismo por meio de atividades esportivas, socioculturais e conservacionistas.

A maioria dos naturistas é, na verdade, nudista, opina ele. “Somente uma vez por mês, de fato, eles se tornam naturistas, ao entrarem em contato direto com a natureza.”

E natureza é o que não falta em Tambaba: uma faixa de areia fofa, com esculturas de pedras à beira-mar. Na maré baixa, afloram piscinas naturais de águas quase mornas. Falésias, mata atlântica, vegetação de restinga e coqueiros complementam a paisagem.

Agora, com a demarcação da área, vai haver investimento na infraestrutura: serão construídos quiosques, uma pousada naturista com dez apartamentos e uma praça de alimentação, obras que deverão ocupar uma área doada pelo setor imobiliário como compensação ambiental.

Um conselho gestor ganhou corpo. Conta com a participação de órgãos governamentais, entidades, comerciantes e empresários.

Dona da Pousada Aconchego, que fica na região, Rosângela Arantes Corrêa, 57, diz o seguinte: “Do ponto de vista empresarial, sempre vi Tambaba como um ícone da Paraíba. Com a ampliação da área naturista, fico mais otimista em alcançar um número maior de frequentadores de forma organizada e sustentável”.

Para Pedro Ribeiro, 60, presidente da FBrN (Federação Brasileira de Naturismo), no passado foi retirada dos naturistas parte da praia porque “os vestidos se sentiam incomodados com os nus”.

Na opinião dele, a invasão de pessoas trajadas trouxe com ela ofertas comerciais que impactaram o ambiente. “Uma das preocupações do naturismo é o cuidado ambiental, que deve prevalecer sobre interesses comerciais”, afirma.

Ainda não existe uma data para início das obras, se bem que a reformulação já venha sendo implantada, segundo Ivan Burity, 57, secretário-executivo do Turismo da Paraíba.

“Existe um enorme potencial. Tambaba é mais conhecida no mundo do que muitos estados do Nordeste”, diz. “Temos sol o ano inteiro. Com a repaginada e a requalificação, vamos oferecer segurança jurídica para receber esse público específico, inserindo Tambaba definitivamente nos roteiros naturistas internacionais.”

Desde 2010, os integrantes da Sonata mantêm discussões com o governo do estado para transformar o local em um balneário internacional.

Hoje, há estrangeiros por lá, mas eles são poucos. Faltam, sobretudo, os europeus, os principais clientes mundiais e precursores da prática. A cultura do corpo livre surgiu no final do século 19 na Alemanha, país que reúne cerca de 7 milhões de adeptos; no mundo, eles somam 85 milhões.

Tambaba é a praia mais conhecida do litoral sul da Paraíba, um dos trechos mais bonitos da costa brasileira. Está localizada no município de Conde, a cerca de 40 km da capital, João Pessoa.

Ela começou a ser frequentada por naturistas no fim dos anos 1980, quando chegar até lá era difícil. Em dias de chuva, sempre havia quem ficasse atolado nas estradas de terra.

Justamente por estar em um lugar repleto de belezas naturais, à época intocadas, e por ser de difícil acesso, a praia foi escolhida pelos naturistas e se tornou seu reduto.

Em 1996, com a conclusão da rodovia PB 008, que liga a capital ao litoral sul, a chegada de banhistas aumentou e o local ganhou fama.

Amigos contaram para amigos, que contaram para outros não tão amigos. Assim, a praia caiu na boca do povo. Entre os curiosos e os moralistas, não faltaram religiosos, políticos e moradores a se insurgirem contra os naturistas, que, até hoje encarados por alguns como se fossem extraterrestres, são alvo de comentários carregados de preconceito.

A partir de 1991, o lugar passou a ostentar o título de primeira praia oficial de naturismo do Nordeste. O estado da Paraíba só reconheceu o reduto naturista em 2002, a partir da criação da Área de Proteção Ambiental Tambaba.

Com a estrada, veio o tal desenvolvimento. Casas de veraneio, pousadas, hotéis, comércio e muitos curiosos. O crescimento desenfreado de loteamentos na região vem avançando em direção ao território naturista desde 2005.

A partir do decreto estadual de julho de 2018, que criou a Área de Especial Interesse Turístico e Ecológico para a prática do naturismo em Tambaba, o que se pretende é assegurar a vocação naturista em sintonia com o turismo e a preservação do ambiente.

PACOTES

R$ 554 
4 noites, na New Age (newage.tur.br)
Em João Pessoa, com café da manhã. Inclui visitas panorâmicas, city tour, traslados e seguro-viagem. Valor por pessoa. Sem aéreo

R$ 1.292 
5 noites, na CVC (cvc.com.br)
Em João Pessoa, com café da manhã. Inclui passeios à Ponta do Seixas e ao Farol do Cabo Branco e traslados. Preço por pessoa. Com aéreo

R$ 3.035 
4 noites, na Maringá Turismo (maringalazer.com.br)
Em Conde (cidade onde fica Tambaba), com regime de alimentação all-inclusive. Valor por pessoa. Inclui passagens aéreas

Folha de São Paulo

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *