Prefeitura de Parnamirim vai abrir 75 novos leitos para atender pacientes da Covid-19 em Hospital de Campanha

Foto: ASCOM

A Prefeitura de Parnamirim, através da Secretaria Municipal de Saúde (Sesad) vai abrir 75 novos leitos de UTI para atender pacientes vítima, do novo Coronavírus, causador da Covid-19. Os novos leitos estão em fase de conclusão e serão abertos no Hospital de Campanha, que vai funcionar no Centro Especializado em Reabilitação (CER) e no Hospital Márcio Marinho, em Pirangi.

De acordo com a Sesad, 44 dos leitos que funcionarão no Hospital de Campanha serão usados, inicialmente, para dar apoio aos pacientes com o quadro de COVID-19 que aprsentem sintomas leves. Dois leitos darão suporte aos pacientes que necessitarem de estabilização antes de serem encaminhados para outro hospital. Quando for necessário suporte respiratório, os pacientes serão encaminhados para a UPA de Nova Esperança. Já os outros 31 leitos, que funcionarão no Hospital Márcio Marinho serão utilizados como retaguarda para a UPA.

A secretária de saúde Terezinha Rêgo falou sobre a importância da implantação do Hospital de Campanha no CER. “Esta é mais uma das medidas que a Prefeitura de Parnamirim tomou visando prevenir os casos de Covid-19, que possam acontecer, e dar um suporte à rede de saúde. O Hospital de Campanha é uma peça fundamental no enfrentamento ao Coronavírus”.

O Hospital de Campanha contará com uma equipe composta por 8 médicos internistas, 2 infectologistas, 2 plantonistas a cada 12 horas e 2 enfermeiros por turno. 10 técnicos de enfermagem a cada 12 horas, 2 fisioterapeutas, 2 funcionários de limpeza e duas secretárias também atuarão na unidade, além de profissionais com serviços de assistência social, psicologia, bioquímicos, recepcionistas, enfermeiros e técnicos.

Dados atualizados nesta segunda-feira (4) pelo Departamento de Vigilância em Saúde da Sesad apontam 150 casos confirmados de Covid-19 no município, sendo 44 desse total curados. Ainda segundo o relatório, 423 casos foram descartados e outros 206 estão em observação.

Prevenção

Entre as medidas de prevenção ao contágio do novo Coronavírus, a mais recente adotada pela Prefeitura foi a determinação para o uso obrigatório de máscaras pela população do município. A medida começou a valer na última quinta-feira (30) após decreto publicado no Diário Oficial do Município (DOM).

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Pedro disse:

    Homem tenha fé, esses irresponsáveis da SESAP estão mais perdidos do que cego em meio a tiroteio. Nunca foi vista tanta irresponsabilidade e desprepararo como estamos vendo. É lamentável o nível de informações desencontradas, mentiras, alucinações, despreparo e mediocridade. Está perdida a Governadora é seus secretarios titular e adjunto. Não fizeram nada, e não irão fazer.

  2. Manoel disse:

    E o hospital de campanha do governo do estado? Ninguém sabe, ninguém viu!

Cidades de Minas flexibilizam comércio e hotéis poderão abrir

Foto: Divulgação / Parque do Avestruz Hotel Fazenda

As cidades de Itaúna, a 87 km de Belo Horizonte e Esmeraldas, na região metropolitana da capital, anunciaram a abertura de comércios locais que haviam sido fechados como forma de prevenção à propagação do novo coronavírus.

O novo decreto desses municípios permite que os serviços de hotéis, pousadas e equivalentes possam retornar as atividades.

Na cidade de Esmeraldas, o Parque do Avestruz Hotel Fazenda realizou adaptações para receber os hóspedes com maior segurança.

De acordo com Fabiana Silveira, diretora comercial do hotel as mudanças foram pensadas antes da flexibilização da prefeitura. O estabelecimento voltará a funcionar a partir do dia 1º de maio e, segundo ela, medidas de segurança serão adotadas.

— Nesses últimos dias estamos realizando os ajustes. Nossos colaboradores já estão em isolamento e estamos preparando o restaurante para receber os hóspedes respeitando as orientações dos órgãos de saúde.

Áreas comuns foram fechadas e os hóspedes poderão realizar atividades individuais como caminhadas, passeio à cavalo, pesca, dentre outros.

R7

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. FRASQUEIRINO disse:

    Pelo teor da reportagem, com as medidas tomadas mais parece uma prisão de luxo. Difícil vai ser encontrar quem vai querer se hospedar com a falta de dinheiro e a crescente epidemia do CV.

  2. Flaus Henrique disse:

    Eu só queria saber o q passa na cabeça de um dono de hotel que resolve abrir o comércio em uma situação dessas, vai abrir? Vai, mas quem danado vai passear e se hospedar fora de sua casa na hora em q o mundo passa por uma Pandemia? Eu sinceramente não tenho coragem jamais de fazer algo parecido.

MEDIDAS RESTRITIVAS X NECESSIDADE (VÍDEO): Feirantes tentam iniciar atividades na Zona Norte de Natal e reclamam de ação da guarda municipal

Desesperados pela falta de trabalho desde as medidas restritivas em decorrência da prevenção ao coronavírus, feirantes tentaram iniciar atividades nas imediações da estrada da Redinha nesta quinta-feira(26) e foram impedidos pela guarda municipal. No registro em vídeo que circula nas redes sociais, trabalhadores reclamam de excesso e da ação dos guardas.

A Guarda Municipal do Natal (GMN) deslocou viaturas durante a manhã desta quinta-feira (26) para atuar na suspensão de cinco feiras livres na capital. A ação apoiou a equipe de fiscalização da Secretaria Municipal de Serviços Urbanos (Semsur) e atuou nas feiras do Planalto, Panorama, Cidade Praia, Nova Natal e a feirinha da Avenida das Alagoas.

“Durante o trabalho registramos apenas uma alteração na feira do Panorama(em destaque), sendo necessários a intervenção dos guardas municipais devido uma ameaça de feirantes aos fiscais da Semsur, porém tudo foi resolvido no local”, comentou o subcomandante de Segurança da GMN, Carlos Cruz.

As viaturas de patrulhamento ostensivo da GMN vão continuar o trabalho de fiscalização que ocorre durante as rondas preventivas sistemáticas em todas as regiões da cidade.

Veja abaixo:

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Francisco Alves disse:

    Pessoal quanto mais terror e caos na sociedade melhor! Isso é tudo o que a esquerda e os oportunistas querem. O povo no desespero por não poder trabalhar e ter alimento em casa e, a coisa vai se agravando até o desastre coletivo, com saques em supermercados, arrombamento de lojas, histeria etc. Desespero e caos social. Quem leu a carta de recomendações de Mariguela sabe bem do que estou falando.

  2. Carlos Roberto disse:

    Tem que ter um bom senso, organizem as feiras, um distanciamento de 5metros de cada banca. Agora sempre foram desorganizados e sem higiene. É o momento de melhorarem o seu serviço.

  3. Bel disse:

    Para a Oposição,qto pior,melhor,mais fácil de manipular o povo!!!!

  4. Europeu disse:

    O governo brasileiro é muito bom pro cidadão, vc´s não tem do q reclamar…Um amigo servidor público me disse que estão pagando o salário integral pra vc´s ficarem de quarentena e vc´s ainda insistem em ir pra rua…Aqui tem só a ajuda de custo…Quem entende esses brazucas???? Péra, num é todo mundo que recebe isso não??? Nem todo mundo aí é considerado cidadão??? Como? Tem uns que são mais cidadãos que outros???? Público é de um jeito e privado é de outro??? Ôxe, varêi…

  5. N.A. disse:

    Que HUMILHAÇÃO, o trabalhador sendo AGREDIDO por querer trabalhar. Essas pessoas não estão aí por que querem, estão por NECESSIDADE MAIOR.

  6. Tota disse:

    Vejam o que a CLT diz:

    "CLT. Art. 486 – No caso de paralisação temporária ou definitiva do trabalho, motivada por ato de autoridade municipal, estadual ou federal… que impossibilite a continuação da atividade, prevalecerá o pagamento da indenização, que ficará a cargo do governo responsável.""

    Fátima e Álvaro estão com os cofres bem cheinhos para pagar os milhões e milhões de indenizações devidas aos empresários e trabalhadores? Se não, é bom acabarem com a pantomima, porque o direito à indenização pelos atos deles é claro e será dado na justiça, mesmo que demore alguns anos.

  7. Jr Laranjeiras disse:

    Se eu fosse o prefeito deixava fazer a quantidade de feiras e festas q quisessem, mas jogava nos peitos de cada um aquele documento me isentando de qualquer responsabilidade por contágios e mortes, fácil assim.

  8. Nrr disse:

    Ridículo.

    Essas são pessoas humildes que precisam ganhar o seu pão. Os ditadores travestidos de prefeitos e governadores estão abusando de um poder que sequer possuem.

    Basta de histeria: o vírus é sério, mas não podemos condenar mães e pais de família que querem trabalhar à fome! Basta!

BNDES paga R$ 48 milhões para abrir caixa-preta do banco, mas não encontra irregularidades

Foto: Arquivo/Agência Brasil

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) gastou R$ 48 milhões com uma auditoria interna que prometia abrir a caixa-preta da estatal. Após um ano e 10 meses de investigação, o banco divulgou, no fim de dezembro, um relatório que não apontou nenhuma evidência direta de corrupção em oito operações com a JBS, o grupo Bertin e a Eldorado Brasil Celulose, realizadas entre 2005 e 2018.

O valor foi pago a um escritório estrangeiro, o Cleary Gottlieb Steen & Hamilton LLP, que subcontratou outro brasileiro, o Levy & Salomão. O BNDES não revela quantos funcionários trabalharam na auditoria nem quais critérios foram utilizados para fazer o pagamento pelo trabalho. O relatório tem oito páginas. Seria como se cada folha custasse R$ 6 milhões.

Depois que a reportagem foi publicada, a assessoria de imprensa do BNDES entrou em contato com a reportagem para informar que, além do relatório de oito páginas, a auditoria entregou outro documento, “mais robusto”, às autoridades, que decidirão se usam o material. A assessoria do banco não quis, porém, dizer quantas páginas tem o outro documento, cujo teor não é público.

No parecer de oito páginas, a equipe de investigação concluiu que as decisões do banco “parecem ter sido tomadas depois de considerados diversos fatores negociais e de sopesados os riscos e potenciais benefícios para o banco”. “Os documentos da época e as entrevistas realizadas não indicaram que as operações tenham sido motivadas por influência indevida sobre o banco, nem por corrupção ou pressão para conceder tratamento preferencial à JBS, à Bertin e à Eldorado”, diz trecho do relatório.

A abertura da caixa-preta foi uma das missões conferidas por Jair Bolsonaro ao presidente do BNDES, Gustavo Montezano, que tomou posse em julho, em substituição a Joaquim Levy, primeiro nomeado pelo governo para comandar a instituição. Ele se juntou a outros executivos que passaram pelo banco após o fim da gestão Dilma Rousseff e tiveram dificuldades para comprovar irregularidades na concessão dos financiamentos.

No governo Temer, Maria Silvia Bastos Marques evitou o assunto. Paulo Rabello de Castro e Dyogo Oliveira negaram sua existência. “Ou sou um completo idiota ou não existe caixa-preta no BNDES”, chegou a dizer Rabello.

Levy falou em “ter clareza sobre operações do passado”, mas não chegou a avançar na busca por operações fraudulentas. A dificuldade foi apontada como um dos motivos para a insatisfação de Bolsonaro com sua gestão – o executivo pediu demissão após o presidente dizer em entrevista que estava “por aqui” com ele.

A caixa-preta foi um dos temas dominantes na campanha de Bolsonaro. Para muitos apoiadores do presidente, a sua abertura teria potencial para malfeitos maiores do que os descobertos pela Operação Lava Jato na Petrobrás.

Logo após a vitória nas urnas, o presidente eleito se comprometeu a determinar, no início do mandato, “a abertura da caixa-preta do BNDES e revelar ao povo brasileiro o que foi feito com seu dinheiro nos últimos anos”.

O ex-economista-chefe da Federação Brasileira de Bancos (Febraban) Roberto Luis Troster afirma que operações importantes do banco com esses grupos não foram exploradas no “relatório milionário”, embora tenham sido investigadas pela auditoria. Ele cita como exemplo a aquisição da Swift Armour, conhecida como Swift Argentina.

A operação foi fechada em 2005 e é considerada o pontapé inicial da internalização da JBS, que, na época, ainda era conhecida como Friboi. A Swift exportava para 70 países, sendo os Estados Unidos seu maior mercado. Troster diz que o BNDES financiou R$ 187,5 milhões para o grupo fechar essa operação.

Em seguida, houve desembolsos de R$ 1,14 bilhão em ações da JBS para financiar a aquisição da Swift Foods nos Estados Unidos, em 2008, e um aporte de R$ 995,9 milhões para auxiliar a aquisição das empresas National Beef e Smithfield nos Estados Unidos, todas as operações antes de 2010. “Faltou essa auditoria de R$ 48 milhões explicar os porquês dessas operações”.

(mais…)

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Fonseca S. disse:

    Da muita vontade de rir destes Minion's Otários 😂😂😂😂😂Gado sem utilidade zootécnica, só serve para votar e mugir " mito, mito" vergonha pouca é besteira 👉🏾🐃🐂🐃🐂🐃🐂

  2. Bento disse:

    Dinheiro muito bem pago
    E a finalidade do relatório é essa mesma.
    Deixem se aproximar as eleições de 2022 que vocês vao ver o que é bom pra tosse.
    Vocês só tomaram conhecimento do avião do Hulk dos empréstimos para a JBS, dos empréstimos para Cuba Venezuela Argentina bolivia e países Africanos com juros subsidiados.
    Aguardem o Presidente é um verdadeiro estrategista

  3. Santos disse:

    Aguardando o comentário do professor Marco Aurélio da 96fm, sobre essa revelação. Acho que ele ficará bem desapontado.

  4. Santos disse:

    O presidente poderia anunciar essa informação. Que tal?

  5. Fonsa disse:

    E lá se vai mais um mito dos minions idiotas, que era a abertura da caixa preta do BNDS. Deviam cobrar deles esses 48 milhões gastos na auditoria.

  6. Lucas disse:

    "Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará!"
    Pagou os 48 milhões e descobriu o Véio da Havan, seu financiador, pendurado em uma das tetas! Mito! Pra terminar a mitada, ficou caladinho!

  7. Bento II disse:

    Tudo culpa da esquerda. Bolsonaro vai meter a mão no BNDS agora.

Flamengo vai abrir o Maracanã para torcedores acompanharem final da Libertadores

Foto: Divulgação/Flamengo

O torcedor do Flamengo que não vai conseguir acompanhar a decisão da Libertadores em Lima, no Peru, no dia 23 de novembro, pode ter clima de estádio no Rio de Janeiro. O Rubro-Negro vai promover um evento com telões no Maracanã para a transmissão da final contra o River Plate. A informação foi publicada pelo jornal “O Dia” e confirmada pela reportagem do GloboEsporte.com.

O clube pediu a autorização da Conmebol, ganhou o aval e acertou todos os termos com a entidade. A diretoria trabalha em conjunto com uma empresa para definir os detalhes, fechar capacidade de público, preço dos ingressos e demais atrações.

A decisão da Libertadores, em jogo único, virou novela. Marcada num primeiro momento para Santiago, passou por alteração no local devido ao momento de instabilidade e protestos no Chile. Após a escolha por Lima, no Peru, o Flamengo definiu a programação e parte para a capital peruana no dia 20.

Globo Esporte

Pesquisa mostra as 10 melhores cidades para abrir uma franquia no Brasil

Empreendedora: cidade do Rio de Janeiro ocupa a primeira posição da lista (monkeybusinessimages/Thinkstock)

Se você busca a melhor região para abrir uma unidade franqueada em todo o país, você pode olhar para os bairros cariocas da Barra da Tijuca e Ipanema e para a cidade de São Paulo. Mas há oportunidades em lugares menos visados, como as capitais Maceió, Campo Grande, Belo Horizonte, Curitiba e São Luís e as regiões metropolitanas paulistas Santo André, Guarulhos e Campinas.

É o que mostra a pesquisa “As 10 Melhores Cidades para Investir em Franquia no Brasil”. O estudo foi feito pela consultoria Goakira, usando dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística e de geomarketing das empresas Economapas e Geofusion. Foram analisados indicadores como participação da região no total do consumo brasileiro e taxa geométrica de crescimento anual da população e da renda medidas pelo IBGE entre 2010 e 2018.

O potencial de consumo total do Brasil em 2018 foi estimado pela consultoria em mais de 4 trilhões de reais. Porém, esse potencial está dividido de forma desigual. Os quatro estados do Sudeste concentram mais da metade (50,47%) do share nacional de consumo. As regiões Sul e Nordeste, somadas, totalizam 35,51%. Norte e Centro Oeste detêm os 14,02% restantes. As 10 melhores cidades para abrir uma franquia no Brasil têm uma participação de 20% no consumo brasileiro, com crescimento populacional e de renda média.

A cidade do Rio de Janeiro ocupa a primeira posição. Apesar de o estado passar por crises que vão de economia à violência, a Goakira afirma que dois bairros ajudaram o Rio a se destacar no ranking. A Barra da Tijuca tem 400 mil passantes diárias e mostra-se uma boa região para franquias dependentes de fluxo de pessoas. Já Ipanema tem uma das maiores rendas médias mensais do país, estimada em 50 mil reais. O segundo lugar do ranking ficou com São Paulo.

Por mais que centros urbanos dominem, há locais com diversas características na lista das 10 melhores cidades para abrir uma franquia no Brasil. Em terceiro lugar ficou Maceió, no estado de Alagoas, um centro urbano de menor densidade do que Rio de Janeiro e São Paulo. É o mesmo caso de capitais como Campo Grande (Mato Grosso do Sul) e São Luís (Maranhão). Além de cidades menores há regiões metropolitanas, como Guarulhos e Santo André, na Grande São Paulo.

Veja, a seguir, a lista completa das 10 melhores cidades para abrir uma franquia no Brasil (clique para ampliar):

Exame

VÍDEO: Suspeito de desviar dinheiro de tratamento do filho pretendia abrir casa de prostituição, diz Polícia Civil

Suspeito de usar dinheiro de doação é apresentado pela Polícia Civil — Foto: Magno Dantas/TV Globo. REPORTAGEM NA ÍNTEGRA COM VÍDEO AQUI

Mateus Henrique Leroy Alves, de 37 anos, suspeito de usar cerca de R$ 600 mil arrecadados em campanha para tratamento do filho doente, também pode estar envolvido em esquema de gerenciamento de garotas de programa. De acordo com a Polícia Civil de Minas Gerais, ele é investigado por usar parte do dinheiro doado para o filho, que tem atrofia muscular espinhal (AME), com passeios, perfumes caros, relógios e roupas de marca. A investigação aponta que a quantia desviada financiou, ainda, farras, bebidas e drogas.

A campanha para recolher dinheiro para o filho de Mateus, João Miguel, de 1 ano e 7 meses, comoveu os moradores de Conselheiro Lafaiete (MG), onde a família mora. Em quase um ano, foi arrecadado mais de R$ 1 milhão. O dinheiro, que seria usado para comprar um medicamento caro – cada dose custa cerca de R$ 360 mil –, era esbanjado pelo pai.

Com autorização da Justiça, a Polícia Civil gravou conversas por telefone entre Mateus e uma mulher. O diálogo foi mostrado neste domingo (28) no Fantástico:

Mulher: “e cê confia, Mateus?”
Mateus: “de olho fechado.”
Mulher: “tá bom, então.”
Mateus: “são meninas que já trabalhou na minha casa lá de [Conselheiro] Lafaiete, de Belo Horizonte.”

Os planos de Mateus, no entanto, não deram certo. Na semana passada, ele acabou preso no quarto onde estava hospedado em Salvador e levado para Minas Gerais. Ele foi denunciado pela mulher, Karine Rodrigues, que considerou suspeita sua atitude e até pediu bloqueio judicial das contas junto à Vara da Infância e Juventude. Com Mateus, a polícia encontrou perfumes caros, relógios e roupas de marca, algumas delas ainda com a etiqueta.

“Ele fala que gastou cerca de R$ 600 mil, ele efetivamente gastou, sendo que R$ 300 mil foram gastos com farra com mulheres, com bebidas e com drogas. No momento da prisão, inclusive, ele estava com porções de maconha. E [com] o restante do dinheiro, ele alega que estava sendo extorquido”, disse o delegado Daniel Gomes.

R$ 7 mil gastos em motel de BH

A vida de ostentação do suspeito começou em Minas Gerais. Os investigadores descobriram que, durante nove dias de maio, ele gastou mais de R$ 7 mil para se hospedar em um motel em BH. Ele ficou na suíte mais luxuosa, onde há adega com vinho importado, frigobar, espaço gourmet, jukebox e TV a cabo. O quarto tem até barra de pole dance, banheira de hidromassagem e luz especial.

O que diz a defesa

A defesa diz que Mateus estava sendo vítima de extorsão. “A história que ele me contou parece que é a mesma que ele já contou para o delegado, que ele foi, na verdade, extorquido, né? [Isso aconteceu] quando ele foi para Belo Horizonte fazer um curso de segurança. Um curso interessante, porque parece que foi a própria irmã que pagou. Ele foi fazer o curso e conheceu uma pessoa que o levou até uma boca de fumo. Nessa boca, ele comprou droga (…) e pensou em fazer uma sociedade com um traficante. Esse traficante, então, talvez não sei se já sabia ou investigou um pouco sobre o Mateus, descobriu sobre a campanha, dos valores da campanha e, em cima disso, começou a extorquir [dinheiro] do Mateus”, disse o advogado Túlio César de Melo Silva.

Até a polícia fez campanha

Reprodução

Em Conselheiro Lafaiete, a atitude do pai que parecia ser amoroso e preocupado com o filho doente foi motivo de espanto e revolta.

“Como que ele rouba o dinheiro do próprio filho que está doente?”, questionou a vendedora ambulante Aparecida de Souza.

“Todo mundo ficou sem entender o porquê. Porque ele ajudou nas campanhas também. A gente também ajudou, tirando da gente pra poder doar, né”, questionou a dona de casa Josiane Soares.

Até a polícia fez campanha por João Miguel. “A Polícia Civil também se mobilizou, nós fizemos uma corrida pela vida aqui, em Conselheiro Lafaiete, com mais de 500 inscritos para arrecadar fundos e todos nós hoje, polícia, família, nos sentimos traídos pela conduta desse cidadão”, explicou o delegado Carlos Capistrano.

Nas redes sociais, artistas e jogadores também pediram ajuda para campanha. O goleiro Victor, do Atlético-MG, doou uma camisa para ser leiloada. “É um sentimento de qualquer um, um sentimento de revolta, de tristeza, de lamentação (…) A que ponto chega a maldade, a falta de amor no coração do ser humano… Então realmente é algo que, quando eu recebi a notícia, foi algo muito chocante, algo bastante frustrante, foi algo… triste, mas felizmente foi descoberto aí e tenho certeza que vai pagar por isso”, disse o jogador

A família deixou de fazer a campanha desde junho, quando conseguiu na Justiça o direito de receber do Sistema Único de Saúde (SUS) três doses do medicamento.

Com o dinheiro que estava na conta, a compra das outras três doses que ele precisa estavam garantidas, mas, agora, a situação é outra.

“A causa é nobre, a campanha deve continuar em prol do João Miguel e da mãe dele (…) O único que deve ser responsabilizado com essa história toda é apenas o pai que cometeu essa atitude criminosa. O menino não deve ser responsabilizado, pelo contrário, acredito que seja o momento até de ganhar força para que ele consiga o tratamento e consiga continuar sobrevivendo”, falou Daniel Gomes.

G1