Saúde

Grupo técnico organizado pelo Ministério da Saúde elabora documento contra cloroquina e azitromicina para tratar hospitalizados por Covid; texto será analisado por Comissão

Um grupo técnico organizado pelo Ministério da Saúde elaborou um documento com orientações sobre uso da cloroquina, azitromicina e ivermectina no tratamento de pacientes hospitalizados por causa da Covid-19.

O texto será agora analisado pela Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS (Conitec). Ele será colocado em consulta pública por um período de 10 dias e depois pode vir a ser adotado como uma nova orientação do governo federal sobre o tema.

Em 6 de maio, o ministro da Saúde Marcelo Queiroga prestou depoimento na CPI da Covid no Senado. Questionado sobre se a cloroquina deve ser usada para tratar a Covid, ele alegou que a questão deve ser decidida pela Conitec.

Chamado de “Diretrizes Brasileiras para Tratamento Hospitalar do Paciente com Covid-19”, o documento foi inicialmente divulgado pela “Folha de S. Paulo” e também obtido pela TV Globo. O parecer também aborda outros medicamentos sem eficácia comprovada contra o Sars-Cov-2 até então defendidos pelo governo e pelo presidente Jair Bolsonaro.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) vem alertando desde o segundo semestre do ano passado que a cloroquina, hidroxicloroquina e azitromicina não tem eficácia comprovada contra a Covid-19 e podem provocar efeitos colaterais.

“Alguns medicamentos foram restados e não mostraram benefícios clínicos na população de pacientes hospitalizados, não devendo ser utilizados, sendo eles: hidroxicloroquina ou cloroquina, azitromicina, lopinavir/ritonavir, colchicina e plasma convalescente. A ivermectina e a associação de casirivimabe + imdevimabe não possuem evidência que justifiquem seu uso em pacientes hospitalizados, não devendo ser utilizados nessa população”, aponta o documento.

Mudança de posição

Se a indicação for formalizada, será a primeira vez, em mais de um ano de pandemia, que o Ministério da Saúde vai divulgar um documento desaconselhando tais drogas para tratar a Covid-19. Em maio do ano passado, o então ministro da Saúde Eduardo Pazuello mudou o protocolo do Ministério para permitir a prescrição de cloroquina para pacientes com sintomas leves da Covid-19, como queria Jair Bolsonaro.

Com informações do G1

Opinião dos leitores

  1. Queridos e inteligentes GADOS, esse tratamento não é proibido, ainda, e é usado no Brasil, todavia, sei que não importa pra vcs mas, de cada 10 internados 7 morrem, pq será? Não entendo.

    Bugou minha cabecinha imagina a cabeça do gado?

  2. Esse vírus está escancarando as más intenções e a falta de caráter de muitos. Esses remédios devem ser usados para EVITAR a hospitalização. Seus efeitos positivos estão sendo atestados em muitos locais. Países estão adotando. Muitos desses hipócritas que criticam estão usando como se fossem vacinas. Conheço petistas que usam assim. É uma gente asquerosa.

  3. Essas drogas apresentam resultados apenas se usadas após os primeiros sintomas. Elas podem dificultár a multiplicação do vírus e ajudar a EVITAR a hospitalização. Após a hospitalização, outras drogas serão necessárias. Isso já foi exaustivamente explicado por incontáveis especialistas. Por que essa perseguição? Toma quem quer. Deixem os médicos trabalhar e cuidem das suas vidas.

  4. Manoel F, se você for hospitalizado com COVID, espero que não aconteça, proíba expressamente que quer ir para casa e tomar dipirona. Não recuse. Conheço muitos iguais a você que na hora H aforuxaram e tiveram uma reputação bastante satisfatória. Estão covardemente bem caladinhos.

  5. Lascou os dois neurônios do gado…🤦
    E agora, vacaria?
    Já sei: vão usar bosta, igual aos indianos…
    🤡💩🤡💩🤡💩🤡💩
    Muuuuuuuuuuummmm

    1. os apoiadores do cachaça, bebados, vem aqui com opiniões ridiculas.
      vão tomar mais uma para equilibrar os neuronios.

    2. Os burros e.squerdopatas não podem tomar ivermectina que mata parasitas

    1. Minúsculo é o juízo de quem não entende a diferença de tratamento para pacientes HOSPITALIZADOS e tratamento precoce, para evitar a hospitalização.

    2. Isso mesmo, Cezar. Mas, eles sabem. A questão ai é de caráter. É proposital.

  6. Finalmente PARECE que estamos saindo da idade média no tratamento da covid para finalmente seguir o caminho da ciência que países ocidentais e desenvolvidos já seguem faz tempo e por isso tiveram sucesso no combate a covid… Em nenhum país sério do ocidente, nem mesmo do oriente, há “tratamento precoce” usando cloroquina, azitromicina e ivermectina!

    1. Sempre fazendo comentários equivocados, leia melhor, o tratamento é para pacientes HOSPITALIZADOS. Portanto não tem nenhuma relação com o tratamento precoce, para quem está evitando se hospitalizar.

    2. Nada mais que um comentário e fajuto tendencioso de um Mané. Vc precisa ler mais e ser mais responsável, esses medicamentos podem ser úteis na fase anterior é precoce da doença. Inclusive são prescritos por milhares de médicos, vc como muito auto suficiente e entendido bufa e Fajuto, não precisa tomar. . . .

    3. Acho lindo como o gado precisa do totem mágico para acreditar! A cloroquina não é usada faz tempo nos países desenvolvidos e sérios em nenhuma fase do tratamento da covid! A ivermectina é usada no Brasil e na Índia, deve ser por isso que a mortalidade aqui e na Índia são as maiores em todas as faixas etárias do que no resto do mundo! Vamos pegar Natal, que alguns pregam o uso da ivermectina e a letalidade da covid aqui é maior que no resto do Estado! Mas não adianta, já sei que amanhã vai ter mais carreatas de “médicos que querem ser políticos” em prol desses placebos! E o gado vai atrás para onde o MINTO direcionar! KKKKK

    4. Eu nem tô acreditando que vc, Manoel F, tá questionando um remédio que o grande especialista internacional Dr Bolsonaro passou…
      Ele e o Dr Albert Dickson defendem a ivermectina… aliás, o Dr Dickson foi vacinado hj no via direta…parece que ele não confia tanto assim no tratamento precoce…espera até o Dr Bozo saber disso…
      Muuuuuuummmm

    5. Ninguém com um mínimo conhecimento do assunto, de bom senso e bom caráter iria propor substituir vacina por remédio, seja ele qual for. O Dr. Dickson é médico (entende do assunto) e certamente não pauta sua atuação por suas gracinhas. Gente decente não trata assunto sério com molecagem.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Brasileiros estudam drogas psicodélicas para tratar depressão e dependência química, administradas em ambientes clínicos e com supervisão

Foto: BBC News Brasil

“Sou hoje (semanas depois da primeira experiência) um homem mais desamarrado, sobretudo bem mais livre de mim mesmo […] Livrei-me de algumas túnicas da minha fantasia, quase todas depressivas. Despertei certa manhã de domingo, muito mais curioso do universo e muito menos angustiado pela catástrofe humana. Existir ficou um pouco menos difícil.”

O trecho acima é parte de uma série de crônicas em que o escritor Paulo Mendes Campos (1922-1991), um dos mais importantes nomes da literatura brasileira, relatou suas experiências com o LSD (dietilamida do ácido lisérgico), uma substância psicodélica hoje proibida.

Em 1962, quando participou dos testes, a droga estava sendo explorada e pesquisada pela ciência e pela medicina. Poucos anos depois, o LSD e outras substâncias psicotrópicas foram proibidas e criminalizadas praticamente no mundo todo, interrompendo os estudos científicos sobre o potencial dessas drogas.

Nos últimos anos, no entanto, as pesquisas com as drogas psicotrópicas, também chamadas simplesmente de “psicodélicos”, renasceram como uma possibilidade de tratamento eficaz para patologias que têm se mostrado difíceis de tratar: depressão, ansiedade, dependência química, transtorno de estresse pós-traumático, entre outras. E, mais uma vez, cientistas brasileiros estão na vanguarda dos estudos nessa área.

Médicos, psiquiatras, neurocientistas, psicólogos e terapeutas do país estão pesquisando os efeitos positivos de substâncias sintéticas, como LSD e MDMA, mas também algumas que têm origem na natureza, como ibogaína, psilocibina e ayahuasca.

Nas últimas semanas, a BBC New Brasil conversou com alguns deles para entender o que vem sendo estudado, qual o potencial dos psicodélicos e como eles podem ser usados por pacientes e médicos brasileiros.

MDMA e estresse pós-traumático

Um dos pesquisadores é o neurocientista Eduardo Schenberg, diretor do Instituto Phaneros. Neste ano, ele publicou um estudo sobre uso psiquiátrico de MDMA (metilenodioximetanfetamina), em parceria com uma entidade americana que também pesquisa essas drogas.

O neurocientista Eduardo Schenberg fez um estudo clínico com MDMA. Foto: BBC News Brasil

No mercado ilegal de drogas, o MDMA já teve dezenas de apelidos, como ecstasy e molly, e é usado principalmente por jovens em festas e baladas — também é conhecido como “a droga do amor”, por sua capacidade de gerar empatia.

No tráfico, as substâncias são produzidas sem controle de qualidade: já foram apreendidas centenas de tipos diferentes de ecstasy, grande parte deles sem nenhuma molécula de MDMA.

Já o composto puro, sem acréscimo de elementos que podem fazer mal à saúde, é considerado seguro e não causa grandes efeitos colaterais — no máximo, dor de cabeça e no maxilar, náusea, inquietude e uma angústia temporária.

No ensaio, Schenberg utilizou a droga em três pacientes diagnosticados com transtorno de estresse pós-traumático (Tept), cujo gatilho, em geral, são experiências de violência extrema, como abuso sexual, tiroteios, sequestros, morte repentina na família e, hoje, até a covid-19.

“O transtorno causa um medo paralisante: a pessoa tem pesadelos recorrentes, ataques de pânico, palpitações, desespero, raiva. Para lidar com isso, ela reprime as emoções, pois não consegue falar sobre o trauma. Algumas vivem num estado de anestesiamento, sem propósito. Esse transtorno tem uma taxa alta de suicídios”, diz o neurocientista.

Os três pacientes passaram por uma terapia assistida por drogas psicodélicas de quatro meses. Foram 15 consultas de 90 minutos cada uma, sob supervisão de dois terapeutas, mas em apenas três delas houve uso de MDMA, com quantidade escalonada. Nessas consultas, o paciente ouve música e é estimulado a ficar introspectivo, em contato com seus sentimentos e memórias. Mas ele também pode dialogar com os terapeutas sobre o que está sentindo.

Dois dos participantes ficaram curados do transtorno, segundo o pesquisador. O terceiro melhorou muito, mas ainda precisa continuar se tratando. “Os resultados no Brasil foram espetaculares, muito parecidos com o que vem sendo observado no exterior. As estatísticas mostram que dois terços dos pacientes saem do tratamento curados”, diz.

Nesse contexto, o MDMA surge como uma possibilidade efetiva de melhorar o transtorno. Hoje, a medicação tradicional consegue tratar apenas sintomas secundários, como ansiedade, depressão e insônia. Já a terapia com MDMA propõe justamente o contrário: ela busca curar o trauma em si.

(mais…)

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Brasileiros identificam quatro drogas com potencial para tratar Covid-19

Foto: ThisisEngineering RAEng/Unsplash

Pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP) e da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) descobriram quatro drogas com o potencial para inibir a infecção pelo novo coronavírus. A primeira versão do artigo produzido pela equipe foi publicada no periódico de pré-impressões bioRxiv.

Os cientistas realizaram testes in vitro (em culturas de células vivas) e in silico (por simulação de computador) em 65 compostos químicos já conhecidos e geralmente utilizados com outras finalidades. Segundo os especialistas, as análises indicaram que o brequinar, o acetato de abiraterona, o extrato de Hedera helix e a neomicina poderiam ser mais explorados no tratamento da Covid-19.

“O mapeamento das intrincadas interações das drogas com os sistemas biológicos do corpo humano e do vírus indica como as substâncias cuja eficácia foi demonstrada nos testes in vitro poderiam atuar no sistema biológico”, disse Ludmila Ferreira, coordenadora do Laboratório de Biologia de Sistemas de RNA da UFMG, em declaração à imprensa.

Como explicam os pesquisadores no artigo, tanto o brequinar quanto o acetato de abiraterona demonstraram ter “atividade antiviral potente e seletiva” contra o Sars-CoV-2. Já o extrato de Hedera helix e a neomicina foram avaliados como “com atividade antiviral moderada”. Estas observações, segundo a equipe, são animadoras e indicam a importância de se continuar estudando estas substâncias.

Com Galileu

Opinião dos leitores

  1. E a Clroquina mais o remédio contra piolho?
    Vai ficar por isso mesmo? Me fizeram tomar isso enganado?

  2. Brasileiro não tem moral para fazer 1 vacina, imagine 4. Brasileiro só faz o que não presta. Fica espalhando por aí que tem o pai da aviação. Mentira para enganar as crianças. O pior é que quando elas crescem descobrem que foram enganadas, e que o pai da criança foram os irmãos Wright.

  3. Vamos deixar fe discussão besta mane.
    O que deve ser feito, tem que ser urgente.
    Outra coisa!
    Primeiro o gado.
    Os petralhas igual a vc, fica na lista de espera do seu guru Maduro.
    É com essa vacina que o maior ladrão do mundo, Lula da Silva, vai se vacinar, depois os petralhas todos.
    Kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
    Kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
    Se afobe não, é brincadeira.
    Kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
    Xau corruptos!!
    Até nunca mais.

  4. Só faz 4 meses de pandemia. À medida que as pesquisas avançam, novos fármacos e novos tratamentos mais eficazes aparecem. Do mesmo modo, antigos remédios deixam de ser utilizados, por terem eficiência reduzida após testes clínicos e depois de pesquisas mais apuradas. Tudo isso é natural. Porém, não se pode politizar nem praticar ideologias com o uso de medicamentos

    1. Pelo alto investimento e custo elevadíssimo de funcionamento, bancado com nossos impostos, sao obrigados a pelo menos produzirem o que se chama de ciencia aplicada… e nao fazerem politica ou baderna.

    2. O que é baderna para você, Mane? Já frequentou alguma faculdade na vida? Se sim, o que aprendeu de útil?

    3. mane, então da próxima vez que alguém abrir a boca pra vomitar bobagens sobre as universidades, diga que pagamos caro, mas eles produzem e produzem coisas importantes.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Reino Unido vai tratar parte de pacientes da Covid-19 com remdesivir

Ampolas do anti-viral remdesivir em conferência no Hospital Universitário de Eppendorf, em Hamburgo, na Alemanha, em abril de 2020. Foto: POOL New / REUTERS

O Reino Unido vai liberar o uso do antiviral remdesivir para alguns pacientes de Covid-19 que tenham mais chance de se beneficiar com o medicamento. A decisão faz parte de uma estratégia tomada junto com a farmacêutica Gilead, informou o Ministério da Saúde britânico nesta terça-feira.

Segundo a pasta, informações preliminares obtidas em testes clínicos em todo o mundo mostraram que o medicamento poderia acelerar em até quatro dias o tempo de recuperação de pacientes com Covid-19.

“Enquanto atravessamos esse período desafiador, precisamos estar na dianteira dos últimos avanços clínicos, garantindo em primeiro lugar a segurança dos pacientes”, disse o ministro de Inovação britânico, James Bethell. “Vamos continuar monitorando os avanços dos testes clínicos pelo país para garantir os melhores resultados para os pacientes britânicos.”

O governo disse que a administração da droga será determinada pela probabilidade de benefício para determinado paciente, mas não informou ao certo quantos serão tratados com ela.

O Instituto Nacional de Saúde (NIH) americano informou na semana passada que dados dos testes do remdesivir mostraram que o medicamento oferece mais benefício para pacientes da Covid-19 que precisam de mais oxigênio, mas que não necessitam de ventilação mecânica.

Os pesquisadores também disseram que “em função da alta mortalidade, apesar do uso do remdesivir”, o mais provável é que o medicamento seria mais eficaz sendo combinado a outros tratamentos contra a Covid-19.

Stephen Griffin, professor associado da Universidade de Leeds, no Reino Unido, celebrou a decisão da adoção do remdesivir no tratamento contra a Covid-19, dizendo que “o mais provável é que pacientes mais graves de Covid receberão a droga em primeiro lugar”.

“Podemos esperar um aumento das taxas de pacientes recuperados e uma redução no’índice de mortalidade”, disse Griffin.

A farmacêutica Gilead disse esperar ter até o fim deste mês resultados de seu estudo sobre remdesivir em pacientes com sintomas moderados da Covid-19.

O Globo

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Cientistas descobrem método para tratar síndrome do X frágil, principal causa hereditária de autismo e deficiências cognitivas; entenda

Cientistas descobrem método para tratar síndrome do X frágil (Foto: Unsplash)

Cientistas do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), nos Estados Unidos, identificaram uma potencial estratégia para tratar a síndrome do X frágil, distúrbio que é a principal causa hereditária de deficiência cognitiva e autismo. Em um estudo com ratos, os pesquisadores mostraram que inibir uma enzima chamada GSK3 alfa reverte muitas das características comportamentais e celulares da condição.

A síndrome do X frágil afeta cerca de um a cada 2500 a 4 mil meninos e uma a cada 7 mil a 8 mil meninas. Ela tem origem em uma mutação genética da proteína FMRP (Fragile X Mental Retardation Protein, em inglês). Essa molécula, por sua vez, é essencial para o desenvolvimento das conexões entre as células nervosas e a maturação das sinapses no nosso cérebro. Isso pode levar a deficiências intelectuais, e os sintomas incluem epilepsia, déficit de atenção e hiperatividade, hipersensibilidade ao ruído e à luz e comportamentos associados ao autismo.

A equipe do MIT estuda a síndrome há cerca de duas décadas e eles já haviam identificado que a síntese proteica nas sinapses é estimulada por um receptor de neurotransmissor chamado receptor metabotrópico de glutamato 5 (mGluR5) — e é a FMRP que normalmente regula essa síntese proteica. Logo, quando essa proteína é alterada ou não existe, esse processo se torna hiperativo, o que pode explicar muitos dos sintomas variados observados em quem tem a síndrome do X frágil

Em estudos realizados com roedores, os cientistas observaram que compostos que inibem o receptor mGluR5 poderiam reverter a maioria dos sintomas. Contudo, nenhuma das substâncias testadas para isso tinha funcionado — até agora. De acordo com os especialistas, alguns estudos sugeriram que a enzima GSK3 (existente nas versões alfa e beta) também era hiperativa em roedores com a síndrome do X frágil, mas essa atividade poderia ser reduzida usando lítio. Só que tem um problema: a dosagem necessária da substância causa efeitos colaterais sérios.

Então, empresas farmacêuticas desenvolveram outros medicamentos de moléculas que inibem a GSK3. Contudo, essas desencadearam o acúmulo de uma proteína chamada beta-catenina, que pode levar à proliferação de células cancerígenas.

“Foram publicados estudos mostrando que, se você eliminar seletivamente a [GSK3] alfa ou a beta, não há o acúmulo de beta-catenina”, disse Florence Wagner, uma das pesquisadoras, em declaração à imprensa. “Os inibidores da GSK3 já haviam sido testados em modelos de X frágil antes, mas nunca foram a lugar algum por causa do problema de toxicidade.”

O estudo do MIT

Levando tudo isso em consideração, a equipe do MIT realizou uma triagem de mais de 400 mil compostos de drogas e identificou algumas substâncias capazes de inibir ambas as formas de GSK3. Ao alterar levemente suas estruturas, os cientistas criaram versões que podiam segmentar seletivamente as formas alfa ou beta.

No laboratório, os especialistas testaram os inibidores seletivos em camundongos geneticamente modificados que não possuem a proteína FMRP e descobriram que o inibidor específico da GSK3 alfa elimina as convulsões induzidas por sons altos, um dos sintomas comuns do X frágil. Além disso, os pesquisadores descobriram que a substância reverteu vários outros, como a superprodução de proteínas, a plasticidade sináptica alterada, o comprometimento de alguns tipos de aprendizado e memória, além da hiperexcitabilidade de alguns neurônios.

Segundo os cientistas, os testes iniciais em camundongos sugerem que os inibidores da GSK3 alfa não apresentam algumas das complicações que podem ter causado os problemas observados durante os ensaios clínicos com inibidores do mGluR5. “Não sabemos se os ensaios com mGluR falharam devido à resistência ao tratamento, mas é uma hipótese viável”, afirmou Mark Bear, coautor do estudo. “O que sabemos é que com o inibidor alfa GSK3, não vemos isso em camundongos, na medida em que analisamos.”

A pesquisa foi publicada nesta quarta-feira (20) no Science Translational Medicine e seus autores pretendem iniciar testes em humanos assim que possível. “É realmente incrível que, se você puder corrigir a síntese proteica em excesso com um composto de drogas, uma dúzia de outros fenótipos serão corrigidos”, disse Bear.

Galileu

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Como médicos canadenses estão utilizando a diálise para tratar a Covid-19

Foto: Lawson Health Research Institute

Especialistas do Instituto Lawson de Pesquisa em Saúde situado em Ontário, no Canadá, foram os primeiros do mundo a tratar um paciente com Covid-19 usando um aparelho de diálise. O feito foi anunciado nesta quinta-feira (07) no portal da instituição.

As evidências sugerem que a infecção por Sars-CoV-2 causa uma resposta imunológica exagerada denominada “tempestade de citocinas”. “Trabalhando na unidade de terapia intensiva (UTI), eu sabia que eram necessárias mais opções de tratamento na luta contra a Covid19”, disse Chris McIntyre, principal pesquisador, em comunicado. “Isso me levou à ideia de tratar o sangue de um paciente fora do corpo. Poderíamos reprogramar os glóbulos brancos associados à inflamação para alterar a resposta imune.”

Os cientistas utilizaram uma versão modificada de um aparelho de diálise padrão para o tratamento. Por meio de um processo que utiliza níveis específicos de componentes bioquímicos, eles “reprogramam” os glóbulos brancos para combater a hiperinflamação em órgãos afetados, ao invés de atacá-los.

Após o sucesso no tratamento do paciente, os pesquisadores esperam conduzir um ensaio clínico que incluirá até 40 pacientes que apresentam quadros graves da infecção pelo novo coronavírus. Os participantes da pesquisa serão randomizados e receberão o atendimento padrão em combinação com este novo tratamento.

“O objetivo final é melhorar a sobrevivência do paciente e diminuir sua dependência de oxigênio e ventilação”, explicou McIntyre. De acordo com ele, se o método for eficaz, será combinado com outras terapias para reduzir as consequências inflamatórias causadas pelo Sars-CoV-2.

Além disso, o estudo permitirá aos especialistas identificar quais citocinas ou biomarcadores são importantes para a resposta hiperinflamatória observada em pacientes com Covid-19. “Com o conhecimento que estamos obtendo, podemos estudar o sangue de um paciente para determinar se esse tratamento extracorpóreo está fazendo a diferença”, afirmou Douglas Fraser, coautor da pesquisa.

Galileu

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Proteína desenvolvida no Instituto de Tecnologia de Massachusetts(EUA) pode ajudar a tratar casos graves de Covid-19

Uma equipe de pesquisadores do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) desenvolveu proteínas especializadas que podem ajudar no combate à Covid-19, especialmente os casos graves da doença causada pelo novo coronavírus.

Uma das principais características enfermidade é a resposta excessiva do sistema imunológico em casos graves. Segundo os cientistas do MIT, quando o Sars-CoV-2 infecta nosso corpo, ele gera uma reação exagerada do sistema imunológico, causando uma “tempestade” de moléculas conhecidas como citocinas — que em excesso podem levar à morte.

Foi pensando nessa estrutura que os pesquisadores desenvolveram os anticorpos, que focam justamente em absorver essas citocinas em excesso. “A ideia é que eles possam ser injetados no corpo e se ligarem às moléculas excessivas geradas pela ‘tempestade’, removendo as citocinas excessivas e aliviando os sintomas da infecção”, explicou Rui Qing, um dos principais autores do estudo, em comunicado.

As proteínas projetadas pelos pesquisadores imitam seis receptores diferentes de citocina presentes em anticorpos. Até agora a tecnologia foi testada em laboratório e funcionou bem, segundo o artigo publicado pela equipe na edição deste mês do Quarterly Review of Biophysics.

Agora os cientistas esperam testar as citocinas em células humanas e em modelos animais para validar o tratamento. Eles esperam licenciar a tecnologia rapidamente e colaborar com empresas farmacêuticas e de biotecnologia, que podem ajudar a aplicá-la em ensaios clínicos com humanos.

“Obviamente, essa abordagem precisará de mais estudos com animais e estudos clínicos potencialmente humanos”, afirmou David Jin, líder do estudo. “Mas temos confiança de que essa descoberta contribuirá para aplicações clínicas a fim de tratar doenças virais que envolvem tempestades de citocinas.”

Galileu

 

Opinião dos leitores

  1. Que pena! O próprio homem criando a sua arma biológica para por fim a sua vida e de muitos milhões no mundo. Apocalipse iniciado, como está no Livro da Vida.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Coronavírus: Hospital de campanha será montado na Arena das Dunas para tratar pacientes

Foto: Inter TV Cabugi

Um hospital de campanha será montado na área interna da Arena das Dunas em Natal para atender pacientes diagnosticados com o novo coronavírus (Covid-19). O espaço foi cedido ao Governo do RN pela empresa que administra o estádio e a previsão é de que a unidade temporária esteja pronta até o fim de abril.

De acordo com a Secretaria Estadual de Saúde (Sesap), a capacidade é de 100 leitos (50 para casos leves e 50 leitos de UTI para os pacientes com quadros mais graves). A estrutura não será instalada no gramado da arena.

O hospital será administrado por uma empresa contratada por meio de edital, que ficará responsável pela instalação de equipamentos e contratação de profissionais médicos, enfermeiros, técnicos e assistentes. Também em Natal, outro hospital de campanha está sendo montado no prédio do antigo Hotel Parque Costeira.

Leia reportagem na íntegra aqui.

Opinião dos leitores

  1. 40 milhões serão gastos e depois o hospital de campanha irá desaparecer.
    Como Assis? ?‍♂️

  2. O Oculto estará aqui….."O hospital será administrado por uma empresa contratada por meio de edital, que ficará responsável pela instalação de equipamentos e contratação de profissionais médicos, enfermeiros, técnicos e assistentes.".
    Dinheiro chegando de Brasília e os LOBOS atacando.
    Já tem um Hospital de campanha na via Costeira, só que como é a Prefeitura de Natal que está adequando, o Governo quer gastar em algo que não será necessário, pois o pico dessa pandemia , aqui , já está passando.,é só para gastar o dinheiro com alguns empresários.

  3. Eu vivi para ver que o roubo dos PETRALHAS, construir estádios era melhor que hospitais.

  4. Mais um elefante branco – Arena das Dunas que será utilizado como valvula de escape ao virus chines…foram perdidos mais de 20 anos com esta roubalheira toda do PT & PSDB conduzindo o desmonte do pais nas areas de saude, educaçao e saude…associado a este estadio, aqui no RN temos tambem o aeroporto novo de Sao Gonçalo onde a concessionaria Infraamerica está devolvendo ao governo federal (caindo no colo do Pr Bolsonaro) que serviu apenas para encher os bolsos de conhecidos politicos do Estado (sem falar que o nosso aeroporto de Parnamirim/Trampolim da Vitoria tinha acabado de sofrer uma melhoria e atendia toda a populaçao)…caso fosse isso na China (que tantos idolatram o PC chines) as familias destes larápios daqui e alhure, estariam agora, pagando as balas para a "limpeza" necessaria!!!

    1. Sergio meu caro o prédio da alpargatas está muito sujo e cetro de convenções de uma grande limitação de acessibilidade . O arena das dunas é gigantesco abaixo das arquibancadas tem toda estrutura tanto na parte externa como interna

  5. Transforma logo aquilo em um hospital, pois para futebol não tem serventia nenhuma. Meus Deus, quanto dinheiro público gasto em um equipamento inútil, onde estava o povo que não reagiu a tal equívoco. Acho que foi tudo culpa da petralhada seus aliados de conveniência.

    1. Em todo planeta, estádios estão sendo transformados em hospitais de campanha…não é exclusividade nossa…o mundo está paralisado…deixe de olhar pra política e olhe pra solução.

  6. BG NOVAMENTE UMA SUGESTÃO , temos 3 hospitais militares , com efetivo para ajudar , basta suspender os procedimentos eletivos e ambulatoriais por um tempo . Existe um efetivo enorme de médicos e farmacêuticos que fazem parte da RESERVA NÃO REMUNERADA , podem ser convocados , pide de lançar uma campanha também para profissionais voluntários MÉDICOS , ENFERMEIROS , BIOQUÍMICOS , PARA MÉDICOS , CRUZ VERMELHA , FISIOTERAPEUTAS . Pessoas que pudessem ajudar no atendimento além de pessoas da sociedade para ajudar na infraestrutura . Ser patriota não é vestir a camisa da seleção , é agir nesse momento .

    1. Correto! O momento que vivemos é difícil, mas tem que saber usar melhor os recursos!

    1. Alguém tem q avisar a governadora sobre essa pandemia, acho que os assessores e secretários são crias de Rubens Barriquelo, já fazem 2 meses agora que ela começou o projeto, quando finalizar, só vai servir pra uma próxima pandemia. ACORDA GOVERNADORA!

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Cientista brasileira cria xampu com cafeína para tratar a calvície

Foto: (Reprodução/Thinkstock)

A calvície, que é a perda parcial ou total dos cabelos do couro cabeludo, afeta mais de 42 milhões de brasileiros, segundo a Associação Brasileira do Cabelo. Para trazer uma solução para o problema, a cientista Jackeline Alecrim desenvolveu um xampu com ativo de café que estimula o crescimento de cabelos na região onde for aplicado. Lançado em 2017, o produto recebeu o nome de “Caffeine’s Therapy” e utiliza extrato biotecnológico de café.

Em entrevista a EXAME, a cientista, formada no curso de farmácia pela Faculdade Pitágoras (Ipatinga, MG), comentou que a inspiração inicial para o produto foi o fato de existirem muitos artigos científicos sobre o uso benéfico do café no cabelo.

“A cafeína isolada sempre foi ressaltada como um ativo que beneficia o ciclo capilar. Ao invés de isolar a cafeína, fizemos o dermocosmético utilizando um extrato concentrado de café para aumentar a eficácia”, explicou Jackeline.

Desenvolvido, em maior parte, com recursos próprios, o xampu foi a forma pensada pela facilidade de absorção que proporciona ao couro cabeludo. De acordo com Jackeline, os voluntários que participaram dos testes iniciais observaram melhorias no crescimento logo após o primeiro uso.

A cientista, que estudou o processo do produto por quatro anos, disse que é importante acertar a concentração do café. “Meus estudos demonstraram que, na concentração correta, o extrato que desenvolvemos teria eficácia muito maior do que o que existia no mercado. Por isso fomos o primeiro grupo de pesquisa a obter resultados significativos com a cafeína com ação beneficiada para o tratamento da alopecia [queda capilar]. Durante quatro anos de estudo, mais da metade deste tempo foi tentando encontrar a concentração ideal para estimular o efeito de crescimento capilar e combate a calvície, pois em concentração errada poderia promover a queda em vez do crescimento”, disse a cientista.

O produto foi patenteado em 2017, e é vendido pela empresa criada por Jackeline, chamada Magic Science. A empresária e cientista informou que a empresa está aberta a realizar exportações do xampu, devido ao número crescente de clientes no exterior. O produto teve 100% de eficácia antiqueda nos testes exigidos pela Anvisa com redução da queda, estímulo no surgimento de novos fios e no crescimento capilar, algo único em todo o mundo”, declarou.

Para utilizar o produto, basta usar como um xampu comum e massagear a região de 3 a 5 minutos, enxaguando o local após o tempo determinado. O xampu é vendido no site oficial da empresa de Alecrim, por 124,90 reais, e em demais sites de revenda, com preços variando de 90 até 100 reais.

Exame

 

Opinião dos leitores

  1. Pois, se há alguém interessado como fazer para obter o shampoo? Pois aqui não diz o nome do shampoo e nem o site oficial para adiquiri-lo.

  2. É o presidente corta cada dia mais verba destinada a educação. Sucateando cada dia a educação do país. Ele acha que todos tem que ser igual a ele e filhos, que não sabem se expressar e não tem raciocínio lógico.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

MÉTODO COM “ENORME POTENCIAL”: Cientistas descobrem célula que poderá tratar todos os tipos de câncer

Uma equipe de cientistas da Universidade de Cardiff, no País de Gales, desenvolveu um método em laboratório que destrói o câncer de próstata, mama, pulmão e outros tipos.

Os achados, divulgados na publicação científica Nature Immunology, ainda não foram testados em pacientes, mas têm um “enorme potencial”, afirmam os pesquisadores.

Para especialistas que não participaram da pesquisa, ainda que o trabalho esteja num estágio inicial, ele é bastante promissor.

O que eles descobriram?

Nosso sistema imunológico é a defesa natural do corpo contra infecções, mas ele também ataca células cancerosas.

A equipe da Universidade de Cardiff estava em busca de maneiras novas e “não convencionais” de fazer com que o sistema imunológico atacasse naturalmente tumores.

Eles encontraram uma célula-T (ou linfócito T) com um novo tipo de “receptor” que identifica e ataca células cancerosas, ignorando as saudáveis.

A diferença nesta célula imunológica é que ela pode escanear o corpo em busca de ameaças que devem ser eliminadas e atacar uma ampla variedade de cânceres.

“Há uma possibilidade de que ele possa tratar todos os pacientes”, afirmou o professor Andrew Sewell à BBC. “Antes ninguém acreditava que isso fosse possível.”

Como ela funciona?

As células T têm “receptores” na superfície que permitem a elas “enxergar” em um nível químico.

Os pesquisadores da Universidade de Cardiff descobriram que a célula T e seu receptor podem encontrar e destruir uma gama de células cancerosas no pulmão, na pele, no sangue, no cólon, na mama, nos ossos, na próstata, no ovário, no rim e na coluna cervical.

E fazem isso deixando intocados os tecidos “normais”.

O modo exato como que isso acontece ainda está sendo pesquisado.

Esse receptor da célula T em particular interage com uma molécula chamada MR1, presente na superfície de todas as células do corpo humano.

Acredita-se que a MR1 seja a responsável por sinalizar ao sistema imunológico o metabolismo disfuncional em curso dentro de uma célula cancerosa.

“Somos os primeiros a descrever a célula T que encontra o MR1 nas células cancerosas — isso não tinha sido feito antes, foi a primeira vez”, disse à BBC o pesquisador Garry Dolton.

Por que essa descoberta é relevante?

Terapias com células T já existem e o desenvolvimento de imunoterapias contra o câncer tem sido um dos avanços mais empolgantes nesse campo.

O mais famoso exemplo é o chamado CAR-T, uma droga viva produzida por meio de engenharia genética em células T para procurarem e destruírem o câncer.

O CAR-T pode trazer resultados incríveis que levam alguns pacientes do estágio de doença terminal para a completa remissão.

Essa abordagem é, no entanto, extremamente específica e funciona com apenas um número limitado de cânceres onde há um alvo claro para treinar a “mira” das células T.

E também enfrenta dificuldades em combater “cânceres sólidos” — aqueles que formam tumores em vez de sangue canceroso como a leucemia.

Já os pesquisadores da Universidade de Cardiff afirmam que o receptor da célula T pode levar a um tratamento de câncer “universal”.

Mas como isso funciona na prática?

A ideia é extrair uma amostra de sangue do paciente em tratamento contra o câncer.

As células T seriam extraídas e modificadas geneticamente a fim de reprogramá-las para constituir o receptor que encontra o câncer.

Essas células aperfeiçoadas seriam cultivadas em largas quantidades em laboratório e depois reinseridas no paciente. É o mesmo processo usado na terapia CAR-T.

No entanto, essa pesquisa da Universidade de Cardiff foi testada apenas em animais e células em laboratório, e testes em humanos demandam mais etapas de segurança.

O que dizem outros especialistas?

Lucia Mori e Gennaro De Libero, da Universidade de Basileia, na Suíça, afirmam que essa pesquisa tem um “enorme potencial”, mas ainda é cedo para afirmar que ela poderia funcionar para todos os tipos de câncer.

“Estamos muito empolgados com as funções imunológicas dessa nova população de células T e o uso potencial do receptor na terapia de células tumorais”, dizem.

Daniel Davis, professor de imunologia da Universidade de Manchester, na Inglaterra, afirmou que “por ora, ainda é uma pesquisa em estágio bastante inicial e nem perto de se tornar um tratamento real para pacientes”.

“Mas não há dúvidas de que é uma descoberta bastante empolgante, tanto para o avanço do nosso conhecimento sobre o sistema imunológico quanto para o desenvolvimento de novos tratamentos.”

BBC

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Prefeitura instala Gabinete de Crise para tratar alagamentos em Natal

Foto: Reprodução

Por causa das fortes chuvas que caíram na madrugada e na manhã desta quinta-feira (09.01), em Natal, a Prefeitura do Natal convocou uma reunião com representantes de diversas secretarias municipais e acionou o Plano de Contingenciamento Municipal, além de instalar o Gabinete de Crise. Na ocasião, os representantes das pastas fizeram um balanço da situação e relataram providências para minorar os transtornos que as chuvas causaram na cidade.

Foram mapeados 22 pontos de alagamentos na cidade, a maioria causada por obstrução de galerias. A Prefeitura, inclusive, pede a colaboração da população para não jogar lixo nas vias públicas.

A Prefeitura disse ainda que as fortes chuvas não estavam previstas para o período, uma vez que são esperados 60 milímetros no mês de janeiro e choveu 115 milímetros em 24 horas.

A Secretaria de Obras e Infraestrutura informou que das 23 lagoas com sistema de bombeamento na capital, apenas duas transbordaram, sendo uma no conjunto Santarém, por causa de um curto-circuito, e a outra na Cidade da Esperança.

Participaram da reunião representantes das secretarias de Serviços Urbanos, Segurança Pública e Defesa Social, Trabalho e Assistência Social, Defesa Civil Municipal e a Companhia de Serviços Urbanos de Natal (Urbana).

Como pedir apoio da Defesa Civil

O cidadão que quiser solicitar a intervenção da Defesa Civil, deve ligar para o número 190, no Centro Integrado de Operações em Segurança Pública (Ciosp), onde há agentes para direcionar a ocorrência ou através do telefone direto da equipe de plantão (84) 98827 3714.

A Defesa Civil atua com foco em ações preventivas, de socorro e de assistência em casos de desastres naturais com intuito de evitar ou minimizar danos à população e preservar vidas.

Opinião dos leitores

  1. Será que o plano diretor de Natal está pensando nas crateras da ZN quando se chove 22mm?
    Acorda Natal!!

  2. A unica coisa que essa Prefeitura faz padrão Fifa é Cobrança de Imposto,o resto é papo furado pra enganar os otários,agora votem nesses Incompetentes !!!!

  3. Chama Zezé de Camargo, Cláudia Leite, Ney Matogrosso etc, milhões de dinheiro jogado fora e o resultado a cidade com vários problemas com as chuvas.

  4. Gabinete de crise que nada, nenhum serviço preventivo e feito na estiagem. Prova disso, eu mesmo já solicitei a SEMOV diversas vezes a desobristrução da drenagem que passa pela rua luiz eneas, que jiga água da lagoa do parque das dunas (ZN) e nunca vieram fazer o serviço. Nesse trecho existe mais de uma dezena de bocas de lobos e todas estão entupidas. Com a chuva de hoje varia casas ficaram alagadas. Por sua vez, a URBANA não faz a limpeza da lagoa citada e resultado e o prejuizo dos moradores. Por fim, se o Secretário Tomaz Neto e Jonny Costa, não sabiam ( o que dificil não saber) mande uma equipe lá. Obg BG pelo espaço.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Após ironia, Alcolumbre fala em Constituinte para tratar de prisão 2º instância e garante que consultará líderes sobre o assunto

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Senadores aproveitaram a sessão de promulgação da Reforma da Previdência para pressionar os presidentes do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP) e da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ) a pautar proposta que permite a prisão de réus após condenação em segunda instância. Na semana passada, o Supremo Tribunal Federal ( STF) mudou o entendimento que mantinha desde 2016 e decidiu que a prisão só pode acontecer quando estiverem esgotadas todas as possibilidades de recurso.

Ao chegar ao Senado nesta terça-feira (12), Alcolumbre tratou o assunto com ironia .”A gente podia fazer uma nova [Assembleia Nacional] Constituinte. Aí todo mundo renunciava os mandatos e a gente fazia logo uma nova Constituinte. Eu estou disposto a fazer, se for para o bem do Brasil”, afirmou.

Logo depois da sessão, o presidente do Senado explicou a declaração. Segundo ele, há uma divisão muito grande entre juristas sobre se o assunto estaria no Artigo 5ª da Constituição, que trata de Direitos e Garantias dos cidadãos. O artigo é uma cláusula pétrea, ou seja,não pode ser modificado, nem por meio de emenda constitucional.

“Há uma divergência enorme [entre juristas] e essa matéria pode lá na frente ser judicializada de novo e criar mais um impasse em relação a uma medida feita pelo Legislativo. Alcolumbre acrescentou que volta e meia o assunto do Brasil ter uma nova Constituinte vem à tona.”Se há novamente esse impasse, se há novamente essas observações e esses conflitos, novamente, eu quero trazer esse debate da Constituinte para esse momento importante da história Nacional”, explicou acrescentando que vai ouvir os líderes sobre a ideia.

Cobranças

Na sessão de promulgação da Reforma da Previdência, o senador Eduardo Girão (Podemos – CE) foi um dos que pediu empenho na discussão do tema. Segundo ele, reformas são importantes; mas a principal reforma que o Brasil precisa é a reforma moral e ética. “Nós temos, tanto na Câmara dos Deputados, como no Senado, PEC e projeto de lei para o restabelecimento da prisão em segunda instância. Eu quero saber qual é o empresário do mundo, qual é o investidor que, por mais que avancemos na reforma da Previdência, na reforma tributária, que vai investir num país que não dá segurança jurídica, que não pune corruptos, que não pune pedófilos? O único país do mundo que tinha a prisão em segunda instância consolidada e voltou atrás. O país tem que mostrar que é sério, e chegou a hora, e eu conclamo os deputados e senadores para que façamos a nossa parte”, criticou.

O líder do PSL no Senado, senador Major Olímpio (SP) também cobrou de Alcolumbre e de Maia rapidez na discussão da segunda instância em suas respectivas Casas Legislativas. “Neste momento, senhores – estão aqui os presidentes e representantes das duas Casas –, deliberações fundamentais das duas Casas e urgentes em relação à possibilidade da prisão após julgamento de colegiado na segunda instância, o fim do foro privilegiado, já votado pelo Senado, são anseios fundamentais que o país está cobrando do Congresso com a mesma celeridade”, disse.

Já o deputado Paulo Ganime ( Novo-RJ) disse que a população também foi às ruas pedir que a corrupção e a criminalidade sejam mais combatidas no país. “Reforço aqui as palavras daqueles que pediram que os tema ligados ao combate à corrupção, como a questão da prisão em segunda instância, sejam discutidos e votados o quanto antes nesta Casa.

No Senado, além de uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC), de autoria do senador Oriovisto Guimarães (Podemos-PR), que trata da prisão após condenação em segunda instância, a presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Casa, senadora Simone Tebet (MDB-MS), disse que também vai pautar projetos de lei sobre o tema que alteram o Código de Processo Penal (CPP). “Há pelo menos dois novos projetos de lei, apresentados pelos senadores Jorge Kajuru e Alessandro Vieira , que propõem mudar o Artigo 283 do Código de Processo Penal, permitindo a prisão após condenação em segunda instância. Vou pautá-los na próxima sessão da CCJ, na semana que vem, adiantou.

Alterar o CPP, na avaliação de Tebet seria o caminho mais fácil para aprovar a medida pois depende de um quórum bem menor de aprovação que uma PEC. Essa última precisa passar por dois turnos de votação em cada e Casa e alcançar,no mínimo, 308 votos de deputados e 49 senadores.

Câmara

Na Câmara, o assunto também está em debate na Comissão de Constituição e Justiça da Casa que pode votar hoje o relatório da deputada Caroline de Toni (PSL-SC), favorável à proposta.

Agência Brasil

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Bolsonaro convoca reunião de emergência com Mourão e ministros para tratar de Venezuela

O vice-presidente Hamilton Mourão Foto: Jorge William / Agência O Globo

O vice-presidente Hamilton Mourão afirmou na manhã desta terça-feira que o presidente Jair Bolsonaro convocou para o início da tarde uma reunião para tratar dos últimos acontecimentos na Venezuela. A situação no país se agravou nos últimos quatro meses ( entenda a cronologia da crise). Neste momento, porém, há mais perguntas que respostas sobre a operação anunciada pelo líder opositor Juan Guaidó.

Guaidó — que em janeiro se proclamou presidente interino com o apoio da Assembleia Nacional de maioria opositora — publicou no início da manhã desta terça-feira em suas redes sociais um vídeo, gravado próximo à base militar de La Carlota, no bairro de Altamira, em Caracas, no qual dizia ter apoio de militares e anunciava “o fim definitivo da usurpação” do poder pelo presidente Nicolás Maduro.

Além de Mourão e Bolsonaro, participarão do encontro, no Palácio do Planalto, os ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), Augusto Heleno, da Defesa, Fernando Azevedo , e das Relações Exteriores, o chanceler Ernesto Araújo.

— Eu estou sabendo só o que foi divulgado hoje de manhã. O presidente vai fazer uma reunião às 12h30 sobre o assunto. Aqui na sala dele — afirmou Mourão, na entrada de seu gabinete na Vice-Presidência.

No encontro, os ministros deverão, segundo Mourão, “colocar as informações que eles têm”. O vice-presidente disse que foi informado de um cerco na base aérea de La Carlota, localizada no centro de Caracas.

— Caracas tem uma autopista que atravessa a cidade de leste a oeste e bem no meio ali fica essa base da La Carlota. E ela fica perto de dois bairros que são bairros nobres da cidade: Altamira, Las Mercedes. Então é uma área complicada ali. Vamos ver o que vai acontecer — declarou Mourão.

Até o momento, no entanto, a reunião não apareceu na agenda oficial de nenhum dos participantes citados por Mourão -nem na do próprio.

O chanceler brasileiro Ernesto Araújo esteve na segunda-feira em Washington, onde conversou com o secretário de Estado americano, Mike Pompeo, e o assessor de Segurança Nacional da Casa Branca, John Bolton. O tema da visita foi Venezuela e, de acordo com autoridades brasileiras, Araújo relatou que o governo Bolsonaro foi informado por Guaidó, na própria segunda-feira, que unidades militares inteiras haviam concordado em apoiá-lo.

O Globo

 

Opinião dos leitores

  1. Vamos conhecer o amor que os mimions tem pelo Bolsonaro! Todos na linha de frente, com as arminhas para defender o governo! Kkkkkkkk

  2. O Brasil tem seus próprios problemas para tratar. Deixa a ONU intervir nos assuntos internacionais.

  3. Quando derrubarem maduro o Brasil precisa cobrar o dinheiro dado pelo BNDS para a Venezuela

  4. É gópi! Tô esperando os PTralhas irem pra linha de frente defender o Maduro na Venezuela… Vamos mandar os representantes apoiadores de ditadura: Gleise Hoffmann, Telmário Mota… Podemos até mandar Luladrão pra lá! E ninguém solta a mão de ninguém viu!

    1. quero ver vcs bolsoninios na linha de frente como patriotas, ao receberem cem rais o patriotismo será jogado em baixo dos pés,

    2. Apoiado! Manda as companheiras Gleise, kokai e aquela que imita Marielle. Ninguém solta a mão de ninguém, vão dançar uma ciranda em torno de maduro

  5. Quero ver os bolsominions pegarem as armas para invadir a Venezuela. Está chegando a hora de provar todo patriotismo. Já vão deixando seus nomes disponíveis, porque se o maduro resistir ao golpe, terão que ir ajudar ao governo da Praça. Seria divertido de ver os governos de Whatsapp junto com o governo da Praça, não fosse trágico e criminoso. Os doidos daqui não conseguem resolver nem os problemas de dentro da sua casa, vão quebrar a paz reinante no continente.

    1. Quero ver os petistas doentes invadirem a Venezuela para pegar o dinheiro que o PT emprestou e o Brasil levou calote.

    2. Quem deve pegar em armas é quem defende a ditadura de maduro. Vcs esquerdopatas me dão muita preguiça

  6. Molusco, treze ou mais, que seu ladrão favorito deixou como herança. Vcs moluscos são mesmo o lixo desse país.

  7. DEIXE A VENEZUELA , SER RESOLVIDA PELOS VENEZUELANOS, VAMOS RESOLVER PRIMEIRO OS PROBLEMAS DO BRASIL, SÃO 13 MILHÕES DE DESEMPREGADOS.

    1. Sem dúvida precisamos cuidar dos milhões de desempregados do Brasil, sem esquecermos que o PT saiu do poder com 13 MILHÕES oficialmente desempregados.
      Mas quando o Brasil dava ajuda "humanitária", enviando recursos públicos sem retorno aos distadores de Cuba e da Venezuela, nunca vi ninguém protestar.
      Quando a ex presidenta Dilma e um de seus últimos atos despachou para Cuba nosso estoque regulador de feijão, ninguém reclamou.
      Quando o BNDES financiou obras em Cuba e na Venezuela, obras que faltam no Brasil, ninguém reclamou.
      Quando Hugo Chaves tomou nossa refinaria, ninguém reclamou.
      Agora estão se preocupando com o desemprego??? Façam a soma de tudo que foi doado aos países com ditadores e vejam quanto deixou de ser feito pelo povo brasileiro.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *