Saúde

Entenda como enxaguantes bucais podem ajudar a impedir a infecção e a transmissão do coronavírus

Foto: Freepik.com

Um estudo feito por cientistas de vários países demonstrou que enxaguantes bucais que contêm cloreto de cetilpiridínio podem ser úteis na redução da transmissão e infecção pela Covid-19. O trabalho ainda não foi revisado por pares.

Segundo os pesquisadores, os experimentos in vitro demonstraram que os enxaguantes bucais com cloreto de cetilpiridínio foram capazes de inibir o Sars-CoV-2 em 99,99%, mesmo com a presença de saliva humana, fator que poderia alterar a capacidade antiviral da substância. Os mesmos resultados foram encontrados em testes feitos com as variantes Alfa (B.1.1.7), Beta (B.1.351) e Gama (P.1, a prevalente no Brasil) do coronavírus.

É possível encontrar enxaguantes bucais com cloreto de cetilpiridínio em mercados e farmácias brasileiras.

A boca humana possui uma enzima chamada de ACE2, que funciona como um receptor primário do coronavírus. Por isso, a cavidade oral pode atuar como um grande reservatório de Sars-CoV-2. Estudos mostram que a saliva de pessoas infectadas com o vírus é altamente contaminada, sendo um potencial vetor de transmissão da Covid-19 por meio de gotículas e aerossóis que são expelidas ao falar e tossir.

O uso do enxaguante bucal com cloreto de cetilpiridínio ajudaria a diminuir a quantidade de coronavírus na saliva, reduzindo o risco de contaminação. Além disso, o acúmulo de placas bacterianas na boca devido à má higienização pode provocar uma infecção gengival, que facilita a entrada de diversos vírus, inclusive o Sars-CoV-2. Enxaguantes bucais também contribuem para a diminuição das placas bacterianas.

Várias organizações de saúde aconselharam o uso de enxaguantes bucais durante procedimentos odontológicos como uma medida para inibir a transmissão do coronavírus. Ingredientes bioativos presentes nos enxaguantes, incluindo cloreto de dequalínio, cloreto de benzalcônio, cloreto de cetilpiridínio e clorexidina, inibem os patógenos por atrai-los e quebrarem seu envelope lipídico (capinha de gordura que envolve os vírus).

Efeito ‘neutralizante’ ocorre em 30 segundos

No ensaio, os cientistas deixaram o coronavírus exposto ao enxaguante bucal por 30 segundos. Eles testaram diferentes formulações, incluindo cloreto de cetilpiridínio com sabor, cloreto de cetilpiridínio sem sabor e digluconato de clorexidina com sabor. Como controles positivo e negativo, eles usaram etanol 70% e água, respectivamente.

Os resultados do ensaio revelaram que ambas as formulações de enxaguante bucal contendo cloreto de cetilpiridínio foram capazes de inibir o Sars-CoV-2 em 99,99%. A quantidade de vírus após 30 segundos ficou abaixo do limite de detecção. Isto ocorreu inclusive com as variantes do vírus que foram incluídas na análise. Em contraste, a solução contendo digluconato de clorexidina mostrou eficácia significativamente menor na inibição do coronavírus.

O Globo

 

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

Fazendeiro vira réu por ajudar Lázaro a fugir de força-tarefa em Cocalzinho de Goiás

Foto: Wesley Costa/O Popular

O fazendeiro Elmi Caetano Evangelista, de 73 anos, se tornou réu por ajudar Lázaro Barbosa a fugir da força-tarefa que tentava capturá-lo e por posse ilegal de arma. Já o processo contra o caseiro Alain Reis foi arquivado. Lázaro era suspeito de matar uma família em Ceilândia e morreu em confronto com policiais em Águas Lindas de Goiás, após ser procurado por 20 dias seguidos.

O G1 entrou em contato por mensagem às 10h05 desta quarta-feira (7) com a defesa do fazendeiro e aguarda retorno.

Elmi e o caseiro foram presos no dia 24 de junho em Girassol, distrito de Cocalzinho de Goiás. Segundo a polícia, o fazendeiro teria proibido que a força-tarefa entrasse em sua propriedade para fazer buscas pelo fugitivo. Ele ficou em silêncio ao ser interrogado na delegacia. Ele segue preso até esta quarta-feira (7).

Já o funcionário disse que o patrão ajudava Lázaro, dando abrigo e comida a ele. Alain contou que não denunciou nada à polícia por ter sido ameaçado pelo foragido. Ele foi solto em audiência de custódia no dia seguinte à prisão.

O Ministério Público denunciou o fazendeiro no dia 30. Ao tornar o fazendeiro réu na noite de terça-feira (6), a juíza Luciana Oliveira de Almeida Maia da Silveira considerou que a denúncia “encontra embasamento no inquérito policial que a acompanha. Não há dúvidas de que os elementos que compõem o procedimento investigatório são suficientes para a instauração do processo penal, já que indicam, prima facie, a ocorrência de crime”.

Pistas falsas

Dias antes de ser preso, o fazendeiro abordou o secretário de Segurança Pública de Goiás, Rodney Miranda, durante buscas para dar pistas falsas sobre o paradeiro do fugitivo.

Em buscas por matas da região, no sábado (19), o secretário contou que foi abordado por ele na porta da fazenda. O homem relatou que Lázaro teria fugido para outra propriedade da região, enquanto o abrigava na sua casa.

Lázaro foi procurado durante 20 dias por uma força-tarefa com mais de 270 agentes. Ele tinha uma extensa ficha criminal, fugiu três vezes da prisão e era acusado de diversos crimes. Mesmo com a morte, as investigações dos crime e rede de apoio ao criminoso continuam.

Baleado e morto

Lázaro morreu em confronto com a polícia na manhã do dia 28 de junho. Segundo o boletim de ocorrências, foram disparados 125 tiros, dos quais quase 40 o atingiram, segundo a Secretaria de Saúde de Águas Lindas de Goiás.

O secretário de Segurança Pública, Rodney Miranda, afirmou que Lázaro Barbosa descarregou uma pistola contra os policiais ao ser encontrado em Águas Lindas de Goiás, no entorno do DF.

“Ele descarregou a pistola contra os policiais e não tivemos outra alternativa se não revidar”, afirmou Rodney.

G1

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

DNA de Lázaro Barbosa é coletado para ajudar em investigações de outros crimes

Foto: Reprodução

O DNA de Lázaro Barbosa foi coletado para ajudar em investigação de outros crimes. Ele, que é suspeito de matar uma família em Ceilândia e um caseiro em Cocalzinho de Goiás, morreu na segunda-feira (28) em confronto com a polícia enquanto tentava fugir. As buscas pelo foragido duraram 20 dias.

Mariana Mota, perita criminal e administradora do Banco de Perfil Genético em Goiás, explicou que é possível incluir amostras genéticas de uma pessoa nesse sistema quando há a condenação por crimes graves ou hediondos, como homicídios, latrocínio, sequestro e estupro.

“Nesse banco a gente insere perfis de vestígios de locais de crime e também vestígios coletados de corpos de vítimas, como, por exemplo, vítimas de estupro. E também colocamos perfis genéticos de condenados por crimes previstos na legislação”, explicou.

Ela explicou ainda que, em casos de cadáveres, é possível fazer a coleta casa haja a suspeita de que eles tenham cometido crimes violentos.

“Aí é possível associar o crime, o vestígio biológico que foi deixado em um local de crime ou no corpo de uma vítima com o perfil de um condenado, de um suspeito ou de um cadáver que cometeu algum tipo de crime”, explicou.

Após a perícia, o corpo foi liberado, mas nenhum familiar procurou o Instituto Médico Legal até as 7h desta terça-feira (29) para fazer a retirada e sepultamento.

O secretário de Segurança Pública informou que além das condenações que Lázaro já tinha, ainda existem casos sem soluções e que ele é suspeito de ser o autor.

“Contando Goiás, DF e Bahia são mais de 30. Temos esses crimes que já são conhecidos: o quádruplo homicídio no DF, a tripla tentativa aqui, o sequestro da família em Goiás e temos outros sete, entre latrocínios, assassinatos, em aberto”, disse.

Confronto

A Secretaria de Saúde de Águas Lindas de Goiás informou que Lázaro foi atingido com pelo menos 38 tiros, mas só a perícia vai poder confirmar.

De acordo com o relato da Polícia Militar, os tiros foram efetuados pelas pistolas Sig Sauer calibre 9mm, Taurus calibre 9 mm e um fuzil calibre .556.

O secretário de Segurança Pública Rodney Miranda afirmou, na manhã desta segunda-feira (28), que Lázaro Barbosa descarregou uma pistola contra os policiais ao ser encontrado em Águas Lindas de Goiás, no entorno do DF.

“Ele descarregou a pistola contra os policiais e não tivemos outra alternativa se não revidar”, afirmou Rodney.

Após ser baleado, Lázaro foi levado por uma viatura do Corpo de Bombeiros para o Hospital Municipal Bom Jesus, mas morreu.

Com G1

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

Caçador desiste de ajudar a procurar Lázaro após apelo da mãe

Foto: Record TV / Reprodução / CP

O caçador conhecido como Babaçu desistiu, na madrugada desta quarta-feira, de ajudar nas buscas pelo “serial killer” Lázaro Barbosa, de 32 anos, em Goiás, após um apelo da mãe para que abandonasse a caçada. Hoje, a polícia entra no 15º dia de procura pelo homem que assassinou uma família em Ceilândia e é condenado por diversos outros crimes.

Na manhã desta quarta-feira, José Marcos Rodrigues Pereira, 41 anos, ainda não havia voltado à cidade em que vive, São Miguel do Araguaia. Babaçu permanece no distrito de Girassol, em Cocalzinho, instalado em uma base montada pela polícia na cidade.

“Fui pensar bem e sempre queria voltar para trás. Minha mãe começou a chorar, ligou pra mim e larguei isso de vez. Vou escutar minha mãe”, disse em vídeo. Babaçu se ofereceu para colaborar com as buscas por Lázaro e em troca pediu uma roupa do exército, uma arma e dinheiro. “Eu assinava um papel dizendo que sou responsável por mim, mas vou embora amanhã cedo já que eles não querem que eu ajude”, diz.

Babaçu afirma que se ofereceu para colaborar com a çacada a Lázaro atendendo a um pedido dos filhos. “Estava em casa e por caçar a vida toda e aprender a viver dentro do mato, meus filhos pequenos falaram que eu dava conta de achar ele para comprar um carro melhor pra nós”, diz.

Entratanto, o caçador diz não se tratar de um trabalho simples nem para ele, tampouco para a polícia. “Eles é bem estruturado, a gente acha que é fácil, mas depois a gente vê que é difícil mesmo, até pra mim que tenho experiência. Por eu sobreviver dentro do mato, eu sobrevivo bem, mas tem 6 meses que eu parei. O povo que me conhece e já me viu acredita em mim.”

Babaçu diz que tinha expectativas de encontrar Lázaro Barbosa na mata. “Pensei que eu ia chegar e pegar ele. Meus filhos me falam pra ficar pra ver se eu consigo mostrar o rumo, rastrear os cachorros. Mas do mesmo jeito que é difícil pra mim é difícil pros policiais. A sobrevivência do lázaro na mata é igual a minha.”

Buscas por Lázaro

Na terça-feira, a polícia atuou na perícia de um carro queimado e apreendeu para análise um lençol encontrado em uma casa por onde ele teria passado. A expectativa para esta quarta-feira é que o cerco se fecha ainda mais e, enfim, o criminoso que matou quatro pessoas de uma mesma família, seja capturado.

A sede das buscas é uma escola municipal localizada na cidade de Girassol, porém os trabalhos das equipes da força tarefa da polícia chegaram ainda mais longe na tarde de terça. Investigadores foram em direção a Santo Antônio do Descoberto, a cerca de 20 km do perímetro de buscas. Existe a possibilidade de Lázaro ter escapado atravessando o rio dos Macacos e o rio da Areia, acessando uma área de mata aberta sobre a qual, segundo a polícia, ele não tem domínio.

Uma outra área cercada pela polícia é de mata fechada e fica entre Girassol e Águas Lindas de Goiás. Ali, contaram com apoio do caçador Babaçu, que foi acionado na segunda mas que, sem sucesso nas buscas, decidiu voltar pra casa.

Também nesta terça, caseiros denunciaram a passagem de Lázaro por uma chácara, onde teria roubado mantimentos. Peritos criminais passaram a reforçar as equipes com três drones que conseguem identificar por meio da temperatura a movimentação de pessoas no meio da mata.

Correio do Povo

Opinião dos leitores

  1. Que história sem pé nem cabeça, o malandro quer virar POLÍCIA , receber uma grana , ter uma arma , pra mim é um IDIOTA que se aproveita da desgraça para comprarem carro , eu teria VERGONHA DE FALAR UMA MERDA DESSAS

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Expulso do DEM, Rodrigo Maia se oferece para ajudar Lula em 2022

Foto: Marcos Alves/Agência O Globo e Amanda Perboelli/Reuters

O ex-presidente da Câmara Rodrigo Maia se ofereceu para colaborar com o programa de governo e nas articulações da campanha de Luiz Inácio Lula da Silva para a Presidência da República em 2022.

Os dois tiveram uma conversa fechada no Palácio da Cidade, sede da Prefeitura do Rio de Janeiro, na última sexta-feira (11), da qual também participaram o prefeito, Eduardo Paes (PSD), e a presidente do PT Gleisi Hoffman.

Maia foi expulso ontem do DEM após desentendimentos públicos com o presidente do partido, ACM Neto. Ele deve se filiar ao PSD que já abrigou Paes. Por ter sido expulso, o deputado federal não perde o mandato.

Na conversa de 20 minutos com Lula, Maia disse que poderia ajudar a fazer a interlocução de sua campanha com políticos e setores da sociedade que hoje rejeitam o PT, em razão do histórico de escândalos e problemas econômicos dos últimos anos de governo do partido. Também se ofereceu para organizar debates e discutir soluções para a crise provocada pela pandemia da Covid-19.

Aliados dizem que o ex-presidente considera o apoio estratégico para trazer o apoio de eleitores de centro, e vai trabalhar para incorporar Maia ao time. Especula-se, no entorno de Lula, que Maia deseje uma vaga de vice na chapa petista.

Por enquanto, porém, não há discussões a respeito, uma vez que o presidente do PSD, Gilberto Kassab, defende publicamente a candidatura do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, para o Palácio do Planalto.

Lula, por sua vez, procura um empresário para compor a chapa. Seu preferido é Josué Alencar, dono da Coteminas e filho do ex-vice de Lula, José Alencar, morto em 2011.

Depois da conversa a portas fechadas, Maia se juntou a secretários de Paes para participar do almoço que o prefeito do Rio ofereceu a Lula e sua comitiva. Não houve registro fotográfico e nem declarações públicas dos dois a respeito do encontro. Procurado, Maia também não comentou a conversa com Lula.

Blog Malu Gaspar – O Globo

Opinião dos leitores

  1. Esse Rodrigo Maia,Alcunha “Botafogo”, nas planilhas da Odebrescht,quase nao se elege Deputado Federal na ultima eleição,ainda fala em “ajudar” o Adestrador de Jumentos de se eleger….rssssssssss

  2. Uma dupla perfeita. Esta cada vez mais fácil identificar quem é quem na política brasileira. De um lado, os patriotas, honestos, trabalhadores, família, bem intencionados. Do outro, os vagabundos, ladrões, preguiçosos, canalhas, incompetentes, mal intencionados, autoritários, supressores de direitos e liberdades, drogados, pervertidos e criminosos de toda espécie. Até o linguajar chulo e desrespeitoso serve para separar o joio do trigo.

  3. Segurou como pôde os pedidos de impeachment,atendendo a alguem.Claro deixou o outro sangrar,apodrecer,vai cair como uma manga.

  4. Deve querer juntar as moedinhas que caírem, dos sacos, das cuecas, das malas e das caixas de vinhos e whisky que transportarem os bilhões. Deverá ser a mesma função do ministro do meio ambiente e do líder do governo bolsonaro flagrados com o dinheiro das corrupção. Ô país pra ter bandidos, só tentar uma terceira via, mas aí tem que ser um cara honesto, capacidade administrativa e serenidade nas decisões, o país precisa de paz.

    1. O primeiro chegou a cumprir pena. O outro impichado.
      Para pagar de legalista são tão inocentes quanto Maia e Calheiros.

    1. Tenho diversos amigos militantes do PT, me recordo, quando falavam dos DEMOCRATAS, vixe, torcia a boca e ficavam escolarizados, nunca nos vamos nos unir aos DEMONIOS, o que a necessidade não faz.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Guedes anuncia novo programa para trabalhadores informais com “Bônus de Inclusão Produtiva (BIP)” que vai ajudar 40 milhões de brasileiros

Foto: © Edu Andrade/Ascom/ME

O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse nesta quarta-feira(28) que o governo vai lançar o programa Bônus de Inclusão Produtiva (BIP) para atender os trabalhadores informais afetados pela pandemia de covid-19. Guedes não deu detalhes, mas disse que o programa vai ajudar os 40 milhões de brasileiros “invisíveis”, como vendedores ambulantes, pessoas que foram atendidas pelo auxílio emergencial do governo federal.

“Essa turma toda que está bloqueada, sem capacidade de trabalho. Queremos o retorno seguro ao trabalho desse brasileiros através da vacinação em massa. Enquanto isso não ocorre, o BIP. Eles têm direito ao trabalho, nunca pediram nada ao Estado, a primeira vez que foram vistos foi durante a pandemia. Nós devemos a eles também ferramentas de sobrevivência nos próximos meses, enquanto fazemos a vacinação em massa”.

O anúncio foi feito durante a coletiva virtual de divulgação dos dados de emprego formal de março. No mês, de acordo com os dados do Novo Caged, o Brasil registrou a criação de 184 mil vagas de trabalho formal.

Para Guedes, esses trabalhadores informais foram excluídos do mercado de trabalho formal “por uma legislação obsoleta”, que onera os empresários e impede a criação de um mercado de trabalho “vigoroso, forte e robusto”.

O ministro defende a redução da carga tributária da folha de pagamento. “Hoje, o salário é muito para quem paga, para quem dá o emprego, e é pouco para quem recebe porque tem uma cunha fiscal muito grande, que quase duplica o custo do trabalho”, argumentou.

Ontem (27), o governo federal também anunciou a flexibilização da legislação trabalhista para combate das consequências econômicas decorrentes da pandemia e a retomada do Programa Emergencial de Manutenção do Emprego (Bem), que permite a empresas a realização de acordos para redução de jornada e salário de funcionários ou a suspensão dos contratos de trabalho.

Guedes informou que o governo deve ainda relançar o Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Pronampe), uma linha de crédito criada para auxiliar financeiramente os pequenos negócios.

Agência Brasil

Opinião dos leitores

  1. O pronampe é uma pegadinha, ele concede empréstimos a juros baixos, no entanto os bancos contratantes exigem que o cliente faça seguro de vida, pague uma taxa mensal de manutenção de contas e outras despesas no pacote, com isso os juros a pagar, se transformam em 200 a 300 % a mais que o anunciado no programa do governo. Tentei fazer e fui surpreendido com esse tipo de empréstimo casado, o que inviabilizou totalmente o empréstimo. as autoridades tem que penalizar essas instituições bancárias, isso é um desrespeito ao micro empresários que estão numa situação falimentar.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Prefeito de Senador Elói de Souza, no interior do RN, renuncia o próprio salário para ajudar comerciantes da cidade

O prefeito de Senador Elói de Souza, município distante 61 Km de Natal, Maciel Gomes (PL), anunciou que devido ao fechamento do comércio local em cumprimento ao decreto n° 30.419/2021 do Governo do Estado, o mesmo vai doar todo o seu salário para ajudar os comerciantes do município que foram diretamente afetados por estas medidas restritivas.

Maciel também comunicou sobre o envio de projeto de lei para criação de um auxílio que vai ajudar no fomento da economia local, bem como dará suporte para a manutenção dos empregos dos funcionários destes comércios.

A medida foi comunicada à população durante live realizada ontem (25) e divulgada nas redes sociais.

Opinião dos leitores

  1. Parabéns prefeito cadê que o de Serra caiada faz algo tipo isso só sabe destrui as praças que já estão feitas e derrubar as árvores das pracinhas

  2. Parabéns prefeito, quero ver se os deputados Senadores , prefeitos e presidendente e governadores faz o mesmo.

  3. Vejam que praticamente só quem não fez NENHUM sacrifício na pandemia foram exatamente os que ganham MUITO BEM nesse país. Executivo, legislativo e Judiciário. Alguém sabe qualquer contribuição que deram, redução que tiveram de salário ou no mínimo privilégios descontinuados durante a pandemia? Eu não sei, posso estar e enganado. Só sobrou pra quem ganha pouco, pra quem é pequeno empresário e aqueles que ja vivem miséria que ficaram mais miseráveis.

  4. Vai ser criticado e deixado de lado politicamente por fazer o certo e olhar para o povo.
    Parabéns prefeito, o povo precisa ser respeitado.
    Não se preocupe prefeito, siga firme, faça a diferença, o povo tem a sensibilidade de ver quem fica prometendo e repetindo promessas sem fazer e aquele que faz.
    Quem mais usa fake news colocou holofotes nesse método de manipulação e agora o povo começa a diferenciar a propaganda mentirosa da vida real. O preço vem nas urnas, aguarde.

  5. Como médico aposentado e pagador de impostos acho uma ótima ideia retirar de todos os funcionários públicos da Ativa ou Inativo e que ganham mais de 5000 mil reais : 5 % do salário bruto por 3 meses e distribuir com o povo pobre.

    1. Porque essa raiva de servidor público, trabalho numa repartição no centro administrativo dois expedientes que nunca fechou suas portas peguei covid como vários colegas inclusive duas mortes e estamos sem aumento salarial fazem dez anos, vá cobrar dos políticos ações concretas e não endeusá-los.

  6. Deveria servir de exemplo para os demais políticos que detém cargos, como também para os demais funcionários públicos, principalmente os do judiciário que ganham altos salários muitas vezes por volta de 30, 40 mil! Fica a sugestão.

    1. Amigo não espere ajuda do pode judiciário, NÃO sei se vc teve conhecimento teve uns procuradores do rio grande do sul que aprovaram um auxilio covid de 10% do salários deles isso cada um vão receber mais 3.500, 00 para alimentação. Na realidade todos os poderes era para renunciar por 3 meses os salários para ajuda o Brasil.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Menino Gabriel proibido em Mossoró de vender água para ajudar a família sensibiliza a web, tem ajuda de vaquinha virtual e conquista legião de seguidores no Instagram

Foto: Reprodução/Instagram

Conhecido pelo país como o “pequeno vendedor”, o menino Franklin Gabriel, de 11 anos, comoveu a web após ser proibido pelo Conselho Tutelar de Mossoró de vender água e outros produtos, cujo objetivo era ajudar a família, que passava por dificuldades nesse período de pandemia.

Veja mais: Mãe é ouvida no Conselho Tutelar após denúncia

A história do menino ganhou repercussão em meados de setembro, sensibilizou a região e, inclusive, empresários locais, que presentearam a criança com celular e até uma bicicleta para que pudesse ajudar na locomoção em suas vendas. Contudo, o início do drama surgiu após uma denúncia. A partir de então, o sacrifício do garoto por sua família foi paralisado com a intervenção do Conselho Tutelar local. Por consequência,  o desespero do menor, que chorou contando o fato, e nem por isso, deixou de criticar o órgão. “Se vocês querem que eu vá para o lado errado, mas eu não vou dar esse gosto a ninguém, não”, desabafou em um dos vídeos que circulam nas redes sociais.

Atualmente, além das doações, o garoto Franklin Gabriel tem ajuda de uma vaquinha virtual criada pelos seguidores para ajudar a sua família e para que ele não precise mais trabalhar nas ruas. Neste momento, acumula mais de R$ 68 mil reais, na meta de R$ 70 mil. No instagram, o menino tem mais de 300 mil seguidores, inclusive, a primeira-dama, Michele Bolsonaro.

MAIS INFORMAÇÕES EM CONTATO NO INSTAGRAM: https://www.instagram.com/gabrielpequenovendedor/

Opinião dos leitores

  1. Trabalhar e ajudar sua família não pode, mas usar drogas e ser um problema para a sociedade pode? Conselho tutelar, entre nas comunidades e proíbam as crianças e adolescentes de consumirem drogas também.

  2. Boy desenrolado! Preocupado com seu sustento, que fala mais alto do que estudar e melhorar a pespectiva de futuro. O Conselho tutelar deveria avaliar a situação de cada família e procurar buscar uma solução junto ao Governo, dando um amparo mínimo pra o sustento da família sem que não perca a frequência na escola.

  3. Parabéns pra esse garoto! Infelizmente, isso é astúcia da esquerda. O tal do politicamente correto. Conselho tutelar, direitos humanos, só atrapalha a vida do cidadão de bem. Só protege bandidos

  4. No papel é muito bonito, chegam proíbem os menores de trabalhar e pronto. Agora, quem vai ajudar no sustento das famílias? Melhor "proteger" o menor, deixá lo em casa e matá lo de fome? Trabalho nunca fez mal a ninguém. No conto de fábulas, tudo fica lindo.

  5. enquando isso politicos ladroes que roubam milhões ficam rindo desse video , mas também na última eleição os burros brigando de tapa pelo candidato e vendendo voto,
    votei nulo porque nao vi nenhum capaz, e olha que assistir os programas varias vezes

    1. Anular voto, não dá direito de reclamar depois. Tem que ser feito uma escolha, vote no menos ruim, mas vote. O voto em branco e nulo foi criado para favorecer o sistema.

    2. Essa história de votar no "menos ruim" nunca me convenceu e essa conversinha de não ter como cobrar depois é balela… procura os politicos depois da campanha pra ver se você acha para cobrar alguma coisa… kkkkkk

  6. Queria ver o Conselho Tutelar ir numa favela e intimar o pai ou a mãe de garotos que são usados por traficantes para vender drogas, aibeu digo, que o Conselho Tutelar funciona.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Canabidiol pode ajudar a evitar danos pulmonares causados pela Covid-19

(Foto: Flickr/Martijn/Creative Commons)

Cientistas da Universidade de Geórgia, nos Estados Unidos, descobriram evidências de que o canabidiol (CBD) pode atenuar danos provocados pela Covid-19. Em um artigo publicado em julho no Cannabis and Cannabinoid Research, a equipe explica que a substância, conhecida por estar presente na maconha, tem potencial de ajudar no controle de respostas exageradas do sistema imunológico, como a tempestade de citocinas e a inflamação pulmonar, consequências graves e comuns da infecção por Sars-CoV-2.

“Nossos estudos de laboratório [realizados em ratos] indicam que o CBD puro pode ajudar os pulmões a se recuperarem da inflamação avassaladora (ou tempestade de citocinas) causada pelo novo coronavírus e a restaurar níveis saudáveis ​​de oxigênio no corpo”, afirmou Jack Yu, membro do Medical College of Georgia e coautor do artigo, em comunicado.

Suas descobertas foram possibilitadas pela descoberta adicional de um modelo seguro e relativamente barato que permite aos cientistas simular em modelos laboratoriais os danos pulmonares causados ​​pela síndrome respiratória aguda grave. Nas análises conduzidas pelo grupo, o CBD se mostrou eficaz, pois melhorou índices sanguíneos de oxigênio e ajudou na recuperação dos pulmões.

Além disso, uma análise mais detalhada dos pulmões testados reforçou a redução de indicadores-chave da resposta exagerada do sistema imunológico, como a interleucina-6 (IL-6) e os neutrófilos.

O modelo

O nova modelagem foi criada com base no material genético viral: é uma versão sintética do RNA de fita dupla do Sars-CoV-2 — responsável por sequestrar nossas células para se replicar — chamada de POLY (I:C).

Nossos corpos não estão acostumados a esse RNA de fita dupla, então, como acontece quando somos contaminados pelo vírus, o POLY (I: C) recebe atenção imediata do receptor toll-like 3, uma família de receptores que ajudam o organismo a reconhecer invasores e a ativar nossa resposta imune inata. Como os coronavírus são enormes (têm o maior RNA vital conhecido), as células humanas “enlouquecem” e levam a uma resposta imune exagerada.

No teste, ratos receberam doses diárias de POLY (I: C) por três dias e, depois, tiveram CBD injetado também diariamente. De acordo com os cientistas, os animais que receberam o CBD primeiro tiveram uma resposta imunológica mais adequada ao RNA injetado.

Acredita-se que o CBD se parece com alguns endocanabinoides, que são um sistema natural de sinalização celular envolvidos com várias funções, do sono à reprodução, ou à resposta imune. CB1 e CB2, os principais receptores desse sistema, são encontrados extensivamente em todo o corpo, incluindo o cérebro e o sistema respiratório.

Os cientistas sabem que mais estudos precisam ser realizados com o CBD, inclusive testes clínicos em humanos, antes da substância ser indicada como tratamento para a Covid-19. Ainda assim, eles estão animados com os resultados obtidos no novo estudo.

“A síndrome respiratória aguda grave é a principal causa de morte em casos graves de algumas infecções virais respiratórias, incluindo o Sars-CoV-2”, ponderou Babak Baban, coautor do estudo. “Precisamos urgentemente de melhores estratégias de intervenção e tratamento.”

Galileu

 

Opinião dos leitores

  1. Este é o tipo de pesquisa que devia ter patente creditada à Uferrenê. Ali sim tem know How em matéria de cannabis.

  2. PARABÉNS DR..ALBERT DICKSON…O RN É O NUMERO UM EM REDUÇÃO AO COVID…GRACAS AO SEU TRABALHO E DEDICACAO COM O IVERMECTINA….PARABENSSSSSSSS

  3. Esse aí "já tem comprovação científica ".
    Daqui a pouco deputados de esquerda vão ao STF para obrigar toda a população a tomar…
    Cloroquina faz mal e esse não…

  4. Maconha pode resolver e curar absolutamente tudo.
    De epilepsia, a calvície. De fimose a COVID19. De hemorroidas a dor de ouvido, tudo pode ser tratado com maconha ou algum de seus componentes.
    Fora uma disfarçada campanha por sua liberação, apresentando-a como inofensiva e até mesmo curadora universal, o que há de verdade nisso tudo?

  5. Pia mesmo!!!
    Maconha é bom pro covid e cloroquina não.
    Vá entender.
    Chega dr. Albert Dickson, socorra nossas mentes.

  6. Quem é esse repórter? Galileu? Com esse nome deve ser algum comunista. Lula tá preso, babaca!

    1. Teu PRESIDENTE de BOSTA E LADRAO BABACA …..CADA MULHER ELE LAVA DINHEIRO PUBLICO CO. IMÓVEIS…AH LADRAO..FORA BOLSOTRALHAS E SEUS BAJULADORES CABEÇA DE MINHOCA PODRE

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Estudo brasileiro pode ajudar na busca por vida extraterrestre

Foto: Reprodução

Pesquisadores do CNPEM (Centro Nacional de Pesquisa em Energia em Materiais), em Campinas, no interior de São Paulo, criaram imagens 3D de formas de vida de aproximadamente 1,9 bilhão de anos atrás. As fotos foram feitas com a ajuda de um método avançado de produção de imagens, e são as mais detalhadas já produzidas até hoje.

A análise foi feita em parceria com pesquisadores da Suíça e da França, e abre caminho para novos estudos com fósseis, que são usados há décadas para entender o surgimento e a evolução da vida na Terra, e até mesmo para ajudar na busca por vida em outros planetas.

De acordo com o CNPEM, os microfósseis foram encontrados na Formação Gunflint, no Canadá, e têm cerca de 1,88 bilhão de anos. Os restos preservam microorganismos semelhantes às bactérias atuais, mas que viveram durante um período em que apenas organismos microscópicos habitavam o planeta. A Formação Gunflint é bem conhecida por paleontólogos por ser referência em preservação de fósseis.

Lâmina de rocha analisada. Os microfósseis se encontram nas áreas vermelhas/Foto: Divulgação

Para produzir as imagens, os pesquisadores usaram raios-X do tipo síncotron, etapa que foi realizada pelo Instituto Paul Scherrer, por meio do Swiss Light Source. A técnica envolve feixes de luz muito intensos produzidos por grandes aceleradores de partículas chamados síncotrons.

Usando essa técnica de tomografia em alta resolução, foi possível observar os microorganismos em três dimensões dentro de minúsculos pedaços de rocha, sem precisar quebrá-las. Assim, os cientistas conseguiram reconstruir as células e observar como os processos geológicos e o tempo afetaram sua forma e composição original.

A 1ª imagem é resultado da análise microscópica; as demais são visualizações em 3D de tomografia de raios-X em diferentes planos/Foto: CNPEM

A única fonte de luz síncotron na América Latina fica no Laboratório Nacional de Luz Síncotron, em Campinas. É onde trabalham os pesquisadores Lara Maldanis, doutora pelo Instituto de Física de São Carlos (USP), e Douglas Galante, pós-doutor em astronomia pela USP, líderes do estudo.

Ao longo da análise, descobriu-se também que, ao contrário do que se imaginava, fósseis antigos não tinham revestimento de hematita. Na verdade, eles eram compostos de material orgânico (invisível na microscopia óptica) e revestidos com cristais de maghemita de óxido de ferro.

“Isso mostrou que, no nível das células e em contato com a matéria orgânica, os óxidos de ferro seguem um padrão de transformação diferente do resto da formação, o que aprimora nossa compreensão de como essas estruturas foram preservadas e como foram alteradas depois de permanecerem enterradas por bilhões de anos”, disse o CNPEM em comunicado.

O instituto acrescentou ainda que o grande desafio em estudos como esse está nas características dos microfósseis, que têm apenas alguns micrômetros de diâmetro – dez vezes menos espessos que um fio de cabelo humano. Além disso, o material sofre alterações geológicas com o passar do tempo, causadas pela pressão e temperatura das rochas acima dele.

Por isso o resultado da pesquisa é importante. “Usando técnicas como esta, a ciência poderá revelar mais detalhes sobre os primeiros vestígios de vida na Terra ou mesmo em Marte, que nos ajudarão a responder algumas das questões mais intrigantes da ciência: como a vida surgiu na Terra? E estamos sozinhos no universo?” concluiu o Centro.

Com UOL

 

Opinião dos leitores

  1. Deixa pra gastar com isso quem pode, as pessoas não tem nem água e alimentação, tão gastando dinheiro com isso, pqp, deixa pra os EUA, que pode gastar

    1. Inútil para muitos, porém importante como notícia por fugir do convencional. Como, por exemplo, a pandemia em curso: de tanto "morder o cachorro" e outros bichos, avalia-se que os chineses terminaram se tornando incubadoras ambulantes do novo coronavírus.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Proteína desenvolvida no Instituto de Tecnologia de Massachusetts(EUA) pode ajudar a tratar casos graves de Covid-19

Uma equipe de pesquisadores do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) desenvolveu proteínas especializadas que podem ajudar no combate à Covid-19, especialmente os casos graves da doença causada pelo novo coronavírus.

Uma das principais características enfermidade é a resposta excessiva do sistema imunológico em casos graves. Segundo os cientistas do MIT, quando o Sars-CoV-2 infecta nosso corpo, ele gera uma reação exagerada do sistema imunológico, causando uma “tempestade” de moléculas conhecidas como citocinas — que em excesso podem levar à morte.

Foi pensando nessa estrutura que os pesquisadores desenvolveram os anticorpos, que focam justamente em absorver essas citocinas em excesso. “A ideia é que eles possam ser injetados no corpo e se ligarem às moléculas excessivas geradas pela ‘tempestade’, removendo as citocinas excessivas e aliviando os sintomas da infecção”, explicou Rui Qing, um dos principais autores do estudo, em comunicado.

As proteínas projetadas pelos pesquisadores imitam seis receptores diferentes de citocina presentes em anticorpos. Até agora a tecnologia foi testada em laboratório e funcionou bem, segundo o artigo publicado pela equipe na edição deste mês do Quarterly Review of Biophysics.

Agora os cientistas esperam testar as citocinas em células humanas e em modelos animais para validar o tratamento. Eles esperam licenciar a tecnologia rapidamente e colaborar com empresas farmacêuticas e de biotecnologia, que podem ajudar a aplicá-la em ensaios clínicos com humanos.

“Obviamente, essa abordagem precisará de mais estudos com animais e estudos clínicos potencialmente humanos”, afirmou David Jin, líder do estudo. “Mas temos confiança de que essa descoberta contribuirá para aplicações clínicas a fim de tratar doenças virais que envolvem tempestades de citocinas.”

Galileu

 

Opinião dos leitores

  1. Que pena! O próprio homem criando a sua arma biológica para por fim a sua vida e de muitos milhões no mundo. Apocalipse iniciado, como está no Livro da Vida.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Netflix doa R$ 5 milhões para ajudar trabalhadores do audiovisual no Brasil

Foto: Getty Images

A Netflix doou R$ 5 milhões para um fundo emergencial em apoio aos trabalhadores do audiovisual afetados pela pandemia de Covid-19 no Brasil.

O fundo será administrado pelo Instituto de Conteúdos Audiovisuais Brasileiros (ICAB) e ajudará até 5 mil pessoas. Profissionais como produtores, assistentes, coordenadores, técnicos e operadores de diferentes departamentos de produção como câmera, áudio, arte, maquiagem, figurino, cenografia, logística, entre outros, que em sua maioria recebem por semana ou trabalham sem contratos garantidos, serão elegíveis para solicitar o benefício, um único depósito no valor do salário mínimo, R$ 1.045.

De acordo com a Netflix, a doação para o ICAB faz parte do fundo de US$ 100 milhões anunciado em março para apoiar os trabalhadores do audiovisual em países como o Brasil, onde a companhia tem uma grande base de produção. Em comunicado oficial, a empresa reforçou que a quantia “é um complemento ao pagamento de cachês que foram feitos às equipes e atores das nossas produções originais no país”.

Os profissionais podem se inscrever por meio de um formulário online na página do ICAB (icabrasil.org) a partir de 28 de abril,. Um comitê, composto por membros do ICAB, da BRAVI e da Netflix, vai revisar cada inscrição e determinar quem pode receber os recursos em até 10 dias. As inscrições poderão ser feitas por dois meses ou até que os recursos do fundo se esgotem.

“Estamos gratos em trabalhar com o ICAB para apoiar aqueles trabalhadores da produção de filme e televisão que foram os mais atingidos no Brasil. A comunidade criativa brasileira sempre recebeu muito bem a Netflix e agora queremos fazer nossa parte para ajudar quem precisa de apoio neste momento sem precedentes que vivemos”, declarou o vice-presidente de produções originais para América Latina da Netflix, Francisco Ramos.

Diretor executivo do ICAB, Mauro Garcia aproveitou para convocar outros nomes do setor a contribuir para o fundo. “O Instituto, que traz em seu DNA a preocupação com o bem estar dos profissionais, não podia deixar de agir no momento em que essas pessoas mais precisam, por isso estamos muito felizes com esta parceria com a Netflix. Também queremos convocar outros membros da indústria audiovisual para contribuir e aumentar os recursos que visam exclusivamente apoiar aqueles que são uma parte fundamental da produção audiovisual brasileira”.

UOL

Opinião dos leitores

  1. Disruptiva por excelência, pode-se afirmar que depois da Netflix ninguém jamais viu cinema como antigamente.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Projeto da UFRN vai ajudar vacinação de idosos em condomínios de Natal durante a pandemia

Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

A Universidade Federal do Rio Grande do Norte, por meio do projeto de extensão “ESTRATÉGIAS DE APOIO À CAMPANHA DE VACINAÇÃO DE IDOSOS CONTRA INFLUENZA NO MUNICÍPIO DE NATAL/RN: uma ação complementar no combate a COVID-2019”, está contribuindo a Secretaria Municipal de Saúde de Natal na vacinação de idosos contra a influenza. A ação visa diminuir os riscos que esta população estaria exposta se aglomerada em espaços coletivos.

Nesse sentido, as unidades envolvidas no projeto de extensão (Departamentos de Enfermagem, Departamento de Saúde Coletiva, Núcleo de Estudos em Saúde Coletiva, Diretoria de Atenção à Saúde do Servidor, Programa de Pós-Graduação em Enfermagem, Instituto Envelhecer o e o Laboratório de Inovação Tecnológica em Saúde – LAIS) disponibilizaram os números de telefone do Instituto Envelhecer para cadastramento dos condomínios através dos síndicos.

No entanto, em virtude do congestionamento das linhas telefônicas do Instituto Envelhecer, o grupo gestor do projeto está desenvolvendo uma plataforma que estará disponível no site do LAIS (https://lais.huol.ufrn.br/), a partir do dia 28/03/2020, para que os síndicos dos condomínios (e somente eles) acessem e cadastrem os idosos com 60 anos ou mais residentes, moradores dos respectivos condomínios, exclusivamente.

Para o cadastramento é necessário informar nome completo, idade, data de nascimento, e ainda se os idosos residentes já foram vacinados nesta campanha ou não.

Recomendamos que até que a plataforma esteja pronta, os síndicos iniciem a busca das informações que serão enviadas por meio da plataforma.

Opinião dos leitores

  1. Comece providenciando as vacinas!!!
    O LAIS é aquele enrolado na justiça com o programa da SIFILIS???

    1. Cabo Silva . Como autoridade militar de tão graduada patente , sugiro que se informe melhor sobre o que é o LAIS , e a importância desse serviço na inovação e gerenciamento médico em todo Brasil . Vovô me contava uma história muito engraçada . Soldado Totonho tinha 29 anos de PM , desses 28 servindo na mesma cidade , ao completar 29 anos e 11 meses foi promovido a cabo . Orgulhoso desfilava pela cidade com o novo uniforme devidamente normatizado com as insinuando de Cabo e o nome CB TOTONHO . Passsando pela farmácia foi cumprimentado por dona ZEFA , irmã do prefeito e senhora de destaque na sociedade local : “ PARABÉNS TOTONHO ! Agora já é cabo ! “ . Totonho parou , inchou o peito em posição de autoridade e respondeu . “ E EU DRUMO DONA ZEFA “ . Só para descontrair Silva .

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Clima

Fogo controlado pode ajudar a evitar incêndios florestais, diz estudo; entenda técnica

Foto: (Nirut Sangkeaw / EyeEm/Getty Images)

O final de 2019 e o começo do 2020 foram marcados por uma série de incêndios florestais de grandes proporções em diversos lugares: na Floresta Amazônica, na África Subsaariana, na Austrália e no oeste dos Estados Unidos, por exemplo. Apesar de diferentes entre si, todos chamaram a atenção do mundo para o problema das mudanças climáticas e do aumento de eventos climáticos extremos. Se preparar para enfrentar incêndios cada vez maiores não é fácil, mas existem algumas técnicas que podem ajudar. Uma delas parece paradoxal: colocar fogo em florestas para evitar incêndios desastrosos no futuro.

Funciona assim: florestas são enormes campos de material combustível acumulado, principalmente na forma de madeira, folhas e arbustos. Dependendo do clima da região, a falta de chuva torna essas áreas extremamente secas, e aí basta uma fagulha inicial para o fogo começar e se espalhar — pode ser uma bituca de cigarro ou um raio, por exemplo.

Quando se sabe que uma floresta pega fogo em épocas de seca, causar um incêndio controlado antes disso vai consumir a maior parte do combustível disponível. Aí, quando a seca chegar, os incêndios podem até ocorrer — mas haverá muito menos matéria para ser queimada, e o resultado será bem menos danoso.

Mas não é só sair por aí com um lança-chamas, queimando tudo o que se vê pela frente: é preciso delimitar uma área primeiro. Em geral, essas áreas são sempre próximas a alguma barreira que impedirá a propagação do fogo para além dos limites desejados, como um rio ou uma estrada, por exemplo. Caso seja necessário, é preciso construir outras barreiras artificiais, usando tratores para derrubar uma “faixa” que separe a área queimada do restante da floresta que permanecerá intacta.

A queimada em si acontece em etapas, para garantir um melhor controle, espalhando o combustível de modo que o fogo se propague contra o vento (ou seja, mais lentamente). Caso tudo ocorra bem nas primeiras etapas, o combustível pode ser espalhado em direções a favor do vento, acelerando o processo.

Os incêndios controlados geralmente são do tipo superficial, ou seja, queimam a matéria que se encontra abaixo de 1,80 m de altura, evitando ao máximo que o fogo chegue no topo das árvores (esse tipo de incêndio, conhecido como incêndio de copas, é mais devastador e difícil de controlar). É possível controlar isso porque o processo é feito em etapas, em épocas que as árvores não estão muito secas. Então, o que está embaixo, como folhas e arbustos, queima muito rapidamente – o que extingue a maior parte do fogo antes que as chamas subam para as árvores. Dessa forma, é possível apagá-lo quando ainda é superficial. Se alguma árvore entra totalmente em chamas no processo, geralmente ela é cortada para evitar a propagação do incêndio para outras.

A técnica não é nova — muito países e estados usam incêndios controlados em áreas de secas, incluindo a Califórnia, nos EUA, e a Austrália, dois lugares que entraram nos noticiários por seus grandes focos de incêndio recentes. No país da Oceania, inclusive, a queimada intencional está longe de ser moderna: os povos aborígenes que ocupavam as terras antes da chegada dos europeus já tinham conhecimento da manobra. Por isso mesmo, os nativos australianos têm sido uma das maiores vozes na crise dos incêndios do país, que já consumiram mais de 10 milhões de hectares e mataram 30 pessoas.

Mas um novo estudo publicado na revista Nature Ecology confirmou novamente que incêndios controlados não apenas são seguros e efetivos, mas que eles também poderiam ter amenizado a desastrosa temporada de incêndios — pelo menos na Califórnia, que também enfrentou chamas anormalmente poderosas no fim do ano. A equipe da Universidade de Stanford analisou os motivos que levaram a uma queda no número de incêndios controlados no estado americano, o que provavelmente teve um papel importante para a crise.

Os cientistas argumentam que cerca de 20% da Califórnia tem que ser frequentemente alvo de queimadas controladas para ajudar a evitar incêndios fora do normal. Nos últimos anos, porém, nem metade desse número foi cumprido. Os motivos para isso são vários: falta de verba, legislações e regulações desatualizadas, falta de profissionais qualificados, etc… A opinião pública também tem um papel importante, porque muitos leigos condenam a medida como algo negativo, mesmo que a ciência comprove que seja efetiva e benéfica para a floresta.

Os pesquisadores também mostram que investir em precaução de incêndios é menos custoso do que tentar lidar com eles depois — tanto financeiramente como ecologicamente.

Mesmo assim, especialistas alertam: somente as queimadas controladas não dão conta de evitar eventos catastróficos. Na Austrália, por exemplo, a medida é empregada regularmente, apesar de uma ligeira queda nos últimos anos, e isso não impediu que o país entrasse em chamas como nunca antes. As mudanças climáticas estão tornando esses eventos extremos mais comuns em todo o mundo — os últimos 10 anos tem tido temperaturas acima da média na Austrália, algo que segue a tendência global. Lidar com esse problema parece inevitável se quisermos proteger nossa natureza.

E na Floresta Amazônica?

O novo estudo coletou dados das queimadas da Califórnia, que tem uma vegetação e um clima semelhantes às áreas incendiadas na Austrália.

Embora também tenha sido palco de grandes incêndios recentemente, nossa Amazônia não compartilha muitas outras coisas com as florestas australianas e californianas. Ela é uma mata úmida, equatorial, que não fica seca naturalmente e dificilmente pega fogo sem intervenção humana. Os polêmicos focos de incêndio que observamos no noticiário foram causados principalmente por queimadas intencionais relacionadas ao desmatamento ilegal, que cresce na região devido ao avanço do agronegócio e da pecuária.

Nesse caso, não faz muito sentido colocar fogo, já que não há queimadas naturais — o melhor mesmo é preservar.

Super Interessante

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Educação

Amigos criam aplicativo para ajudar universitários a produzir TCC

Ketlen Komorek e Tiago Hermano, dois dos criadores do aplicativo “Minha Jornada TCC” (Foto: Divulgação)

O Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) é muito temido pelos universitários. E não é à toa: produzir um projeto grande e conciliá-lo com aulas e estágio é uma das tarefas mais desafiadoras da vida universitária. Mas, com organização e planejamento, a vida do formando pode ficar muito mais fácil.

Foi pensando nisso que os amigos Ketlen Komorek, Tiago Hermano, Victória Arantes e Gabriel Rodrigues decidiram criar um aplicativo que faz um planejamento personalizado e facilita a organização do aluno que está encarando o último ano da graduação.

A ideia surgiu durante um hackathon organizado pela Universidade Federal de Goiás (UFG), onde estudam. “Eu já entendia muito bem a realidade desse processo do TCC, já que passei muito mais tempo do que devia fazendo o meu trabalho pela dificuldade de me organizar”, afirma Ketlen, que se formou em dezembro de 2019 em Publicidade e Propaganda.

Batizado de Minha Jornada TCC, o aplicativo organiza o planejamento do trabalho final e cobra os estudantes para os prazos devem cumprir. Com isso, o universitário consegue traçar suas metas — e a faculdade ainda poderia acompanhar a evolução do trabalho em tempo real.

Segundo a publicitária, eles decidiram criar o aplicativo porque perceberam que não existe um produto focado no processo de produção do TCC. Os recursos disponíveis se aplicam apenas ao resultado final, como editar o trabalho segundo a Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). “Mesmo que o aluno consiga entregar o trabalho no prazo, ainda é um processo que bagunça muito a sua vida”, afirma Ketlen.

Como funciona

O aplicativo começa fazendo algumas perguntas relacionadas ao trabalho e à personalidade do aluno. “A partir dessa análise inicial, a plataforma cruza dados para criar um método de gerenciamento completo das tarefas a serem feitas e ainda estabelece um canal direto com o professor orientador do trabalho”, diz Tiago, que estuda Sistema da Informação.

O app ainda está em fase de desenvolvimento e não tem previsão de quando será lançado. Mas já é muito promissor: ele foi escolhido entre mais de 100 projetos de todo o Brasil para o encontro global do Red Bull Basement University, que aconteceu em dezembro de 2019 no Canadá. O evento contou conta com palestras, oficinas e sessões de orientação, além de uma competição.

Participaram do torneio 26 equipes, mas apenas 10 foram classificadas para a final. “Competimos pelo último lugar na final com o Japão e, infelizmente, não passamos”, diz Tiago. “Mas toda a vivência foi riquíssima, fizemos grandes amigos de diversos países, trocamos muitas experiências e conhecimentos. A energia era muito mais colaborativa do que competitiva”.

Galileu

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

Ex-presidente do Paraguai deu R$ 500 mil para ajudar doleiro foragido

Conversas entre os doleiros Dario e Lucas — Foto: Reprodução

O ex-presidente do Paraguai Horacio Cartes teria disponibilizado US$ 500 mil para o doleiro Lucas Lucio Meirelles Paredes, sócio da Casa de Câmbio Yrendague. Esse valor seria encaminhado de forma gradual a Dario Messer, considerado o doleiro dos doleiros, e na época já era considerado foragido. A operação está descrita na denúncia feita pelo Ministério Público Federal.

O ex-presidente do Paraguai Horacio Cartes é alvo de mandado de prisão preventiva em um desdobramento da Lava Jato nesta terça-feira (19).

A suspeita é que ele tenha ajudado na fuga de Dario Messer, que está preso desde o fim de julho.

A decisão é do juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal fluminense, que determinou a inclusão do nome de Cartes na Difusão Vermelha da Interpol — a lista de procurados distribuída em aeroportos do mundo todo.

A decisão diz que, em junho de 2018, quando estava foragido, Messer mandou uma carta ao ex-presidente do Paraguai pedindo US$ 500 mil para cobrir gastos jurídicos.

A força-tarefa da Lava Jato afirma que Dario Messer é amigo de longa data de Horacio Cartes.

Relação antiga

“O relacionamento da família Messer com a família Cartes se iniciou na década de 80, quando Dario fundou a Cambios Amambay SRL — atual Banco Basa –, tendo como acionista majoritário o pai do ex-presidente”, escreveu Bretas na decisão.

Ainda segundo o Ministério Público (MP) e a Polícia Federal, na década de 90, Horacio e Dario adquiriram uma fazenda juntos.

Em 2016, em um evento público, Horacio — já como presidente — declarou que Dario seria seu “irmão de alma” (“hermano de alma”).

Segundo imagens colhidas no celular de Dario em junho de 2018 — logo após a deflagração da Operação Câmbio Desligo —, o “doleiro dos doleiros” encaminhou uma carta para o “Patrão” solicitando US$ 500 mil para seus gastos iniciais jurídicos, que deveriam ser entregues a Roque.

O MP afirma que “Patrão” é Horacio Cartes. “A carta de fato foi entregue e Roque passou a ser intermediário entre Horacio e Dario”, detalha Bretas.

Nos diálogos, Roque informa que o melhor período, indicado por Horacio, para Dario se entregar às autoridades paraguaias seria após 15 de agosto, quando encerraria o mandato de Horacio.

Já em março de 2019, em conversa com a advogada, Dario assinala que Julio, seu irmão que mora em Nova York, conseguiu falar com seu “hermano de alma” e que as coisas iam ficar mais calmas.

G1

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *