Cientistas criam 1º ser vivo com DNA 100% reescrito e sintetizado em laboratório

(Rodolfo Parulan Jr/Getty Images)

Nada de super humanos ou afins. O primeiro ser vivo com o DNA criado 100% em laboratório é uma bactéria. O novo micróbio é fruto de dois anos de pesquisa da Universidade de Cambridge, os resultados foram publicados no periódico científico Nature. Ele é bem parecido com outras bactérias da sua espécie, mas é capaz de sobreviver com um código genético simplificado.

A bactéria que carrega o DNA sintetizado em laboratório é da espécie Escherichia coli, normalmente encontrada no solo e no intestino humano. Após a modificação, ela pode ajudar a criar novos medicamentos ou se tornar resistente a vírus. Mas no que, exatamente, os cientistas mexeram para deixá-la assim? E mais: o que exatamente queremos dizer com “código genético simplificado”?

É o seguinte: o DNA de um organismo possui toda a informação necessária para construir e operar seu corpo. Essa informação é codificada em sequências de quatro moléculas, identificadas pelas letras A, T, C e G.

Cada gene é o manual de instruções para produzir uma determinada proteína. E as proteínas, por sua vez, são cadeias de moléculas menores chamadas aminoácidos. Cada aminoácido é identificado por uma sequência de três letrinhas de DNA: as letrinhas CTT, CTC e CTA correspondem à leucina, por exemplo. Essas sequências de três letrinhas são chamadas “códons”. Há 64 códons, mas só 20 aminoácidos, de maneira que há mais ou menos três códons para cada aminoácido. Um gene nada mais é do que uma fila de códons.

Os pesquisadores removeram alguns desses códons e substituíram por outros que fazem o mesmo trabalho. Eles fizeram mais de 18 mil edições desse tipo. No final, um organismo que tinha 64 códons ficou com 61. E o mais surpreendente: ele sobrevive mesmo assim. As redundâncias foram eliminadas, mas tudo continua normal.

As alterações no código genético não foram feitas no DNA da própria bactéria: os cientistas criaram um DNA completamente novo em laboratório e substituíram as moléculas originais pela versão com o upgrade.

A bactéria recebeu o nome de Syn61 — uma junção da palavra síntese com o seu novo número de códons. Por ter um DNA tão diferente do normal, os vírus podem ter dificuldade para infectar a bactéria.

O Escherichia coli é utilizado na produção de insulina para diabetes e medicamentos para o tratamento de câncer, esclerose múltipla e ataques cardíacos. Quando um vírus infecta uma cultura bacterial dessas, a produção inteira precisa ser jogada fora.

Essa é a primeira vez que os cientistas conseguem alterar e sintetizar um DNA tão grande. Em 2010, a bactéria Mycoplasma mycoides foi a primeira a ter seu genoma sintetizado. Ao contrário da E. coli, seu DNA era bem menor e não foi redesenhado.

Super Interessante

Laboratório do Gaeco/MPRN desvenda crimes com análise avançada de imagens

Foto: Divulgação/MPRN

A investigação dos crimes cometidos no Rio Grande do Norte conta com mais um aliado, que é apoio de softwares e técnicas de melhoria de imagens e tratamento de sinais, para identificação dos criminosos e das circunstâncias que envolvem os fatos. O serviço é disponibilizado pelo Laboratório de Forense Computacional do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), órgão do Ministério Público do Rio Grande do Norte (MPRN).

Um caso recente que contou com o apoio desse serviço garantiu a identificação de Janderson Ferreira Leones, acusado de matar o policial José Edivaldo do Nascimento, no dia 21 de abril de 2018. Em sua rota de fuga, o criminoso passou por um posto de gasolina na Avenida Alexandrino de Alencar, zona Leste de Natal. Durante as investigações, a Polícia solicitou as imagens das câmeras de segurança do estabelecimento e encaminhou ao Gaeco/MPRN. Com as mídias em mãos, a equipe do Laboratório de Forense Computacional conseguiu sensíveis melhorias nas imagens, o que permitiu identificar o autor do crime, que foi preso no dia 28 de março deste ano.

“Quando uma pessoa testemunha um crime, ela passa as características físicas, tentando buscar na memória essas informações. Quando câmeras testemunham o fato, a imagem fica gravada e vira prova”, explica o assistente ministerial de Tecnologia da Informação do Gaeco/MPRN, Jorge Ramos de Figueiredo, que também é professor universitário na área de Forense Computacional e tem especialização em tratamento de imagens. Essa comparação mostra como a comprovação de crimes por meio de fotos, vídeos ou áudios, seguida da análise realizada com apoio de tecnologia, garante resultados reais.

A análise forense de multimídia compreende a checagem de fotografias digitais, vídeos e áudios. Além disso, o Laboratório de Computação Forense do Gaeco/MPRN associa o trabalho de recuperação de imagens. “Quando alguém comete um ato ilícito, tende a destruir o objeto que possa carregar provas, como um computador. No Laboratório, também conseguimos restaurar o HD do equipamento danificado e recuperar as imagens que foram apagadas”, exemplifica Jorge.

O Laboratório de Computação Forense do Gaeco/MPRN conta com uma equipe de sete servidores, sendo que 80% deles têm pós-graduação em Computação Forense ou Ciência Forense. No período de atuação, o Laboratório tem uma produção média de cerca de 170 equipamentos processados por mês e pelo menos dois casos por mês são recebidos para análise multimídia, sendo a maioria de imagens envolvendo crimes de homicídio.

Outro caso de grande repercussão que contou com apoio do trabalho do Laboratório do Gaeco/MPRN para identificar e prender os criminosos foi o assassinato da policial militar de Santa Catarina, Caroline Pletsch, no dia 26 de março de 2018. Os acusados Weverton Lenário Gomes e Raissa Torres Lima de Souza foram identificados nas imagens fornecidas pela Polícia e entregues ao Laboratório de Computação Forense para análise, trabalho que auxiliou na comprovação da autoria do crime.

Os softwares também apoiam a identificação de veículos. “Uma situação prática acontece quando a Delegacia de Homicídios, por exemplo, precisa que seja identificado um veículo que foi utilizado para o cometimento de um determinado crime. Nós recebemos a imagem, que pode vir turva ou desfocada, conseguimos identificar modelo, detalhes do carro e deixar as placas mais nítidas para identificação”.

Atualmente, os órgãos que demandam o Laboratório de Computação Forense do Gaeco/MPRN são as Promotorias e Procuradorias de Justiça, ou seja, o trabalho resulta em incremento das investigações do próprio MPRN; Polícias Civil e Militar e Justiça Estadual. Na época em que a Força Nacional de Polícia Judiciária atuou no RN, o Laboratório também prestou serviço para auxiliar em diligências específicas.

No caso de outros órgãos precisarem desse apoio técnico fornecido pelo Laboratório, é necessário fazer uma solicitação à coordenação do Gaeco/MPRN. Assim, o órgão faz um trabalho de cadeia de custódia, apresenta todas as evidências etiquetadas, em formato simples, com todas as descrições técnicas.

“O investimento em aquisição de hardware, software e treinamento dos profissionais tem permitido levar para os processos outro tipo de prova, derivada da tecnologia da informação aplicada à área investigativa, buscando-se com esse esforço evoluir quanto aos meios clássicos, notadamente a prova testemunhal, muitas vezes precária, estando o Gaeco à disposição não só dos órgãos de execução, que são as Promotorias e Procuradorias, mas também dos parceiros institucionais”, ressaltou Fausto França, coordenador do Gaeco.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Ana leticia disse:

    E o Policia Civil Andre Severiano, profissional dedicado, que teve todas as honrarias de um profissional de excelencia, assassinado semana passada, ate agora ninguem preso nem procurado???????
    Quando teremos uma resposta?
    Nao basta promessas e elogios.
    Com a palavra a policia.

  2. Allan disse:

    Quem pode, pode. Enquanto isso as polícias estão sucateadas. Será que são órgãos de Estados distintos?

    • Realista disse:

      Tem um prédio ali no centro, perto de onde era o antigo Dinâmico, que de nada serviu.

Laboratório da UFRN oferece bolsa de pós-graduação; valor de R$ 2.500,00 mensais

O Laboratório de Inovação Tecnológica em Saúde (LAIS) da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), no uso de suas atribuições legais, torna pública a abertura de inscrições para a seleção de pesquisadores para o Projeto Desenvolvimento Científico e Tecnológico Aplicado a Esclerose Lateral Amiotrófica.

Para participar do processo é preciso ser graduado em Sistemas e Computação, Sistemas de Informação, Ciências da Computação, Engenharia da Computação ou Análise e Desenvolvimento de Sistemas, e estar regularmente matriculado em curso de mestrado na área de Inovação em Tecnologias Educacionais, Tecnologias Educacionais ou Computação.

O candidato convocado desenvolverá atividades de pesquisa, ensino e desenvolvimento de soluções tecnológicas direcionadas à saúde e executará atividades de formação em Tecnologias Web Front-end, Back-end e UX Designer. O valor da bolsa é de R$ 2.500,00 mensais, pelo período de 12 meses, mediante avaliação de desempenho do pesquisador, podendo a bolsa ser renovada durante o período vigente do Projeto.

As inscrições estarão abertas no período de 30 de abril a 04 de maio e devem ser efetuadas através do site do Laboratório, onde os candidatos precisam submeter os documentos listados no edital do processo.

Com informações da UFRN

Empresa israelense cria o primeiro bife feito em laboratório no mundo

(Foto: Shutterstock / nevodka)

Uma empresa israelense chamada Aleph Farms afirmou que conseguiu criar o primeiro bife desenvolvido em laboratório no mundo. E sem matar um único animal no processo.

Para chegar ao produto, a empresa afirma que descobriu como criar a estrutura da carne real a partir de células animais em uma placa de Petri – com isso, segundo, seus os cientistas da empresa, a sensação é que que você está, realmente, mordendo um pedaço de carne, em vez de apenas saboreá-la.

“Teoricamente, estamos falando que você pode estar comendo carne de boi sem matar bois. Você poderia estar comendo baleia sem prejudicar as baleias ”, disse Jan Dutkiewicz, pesquisador da Universidade Johns Hopkins, em entrevista ao jornal Wall Street Journal.

A Aleph Farms está entre as várias empresas que disputam uma corrida para cultivar carne em um laboratório usando grupos de células de animais, sem realmente matá-las. Reguladores nos EUA ainda estão avaliando se esse tipo de produto é seguro para os consumidores, e se eles deveriam ser chamados, de fato, de carne.

As empresas envolvidas dizem que essas novas carnes podem ser produzidas por uma fração dos custos ambientais que vêm da agricultura tradicional de larga escala. No entanto, neste estágio inicial de desenvolvimento, produzir um quilo de carne a partir de células ainda é muito mais caro que o processo tradicional, envolvendo o abate dos animais.

Olhar Digital, via Wall Street Journal

 

Atenção você que se acha!!! Esperma será fabricado em laboratório

Pesquisadores na Alemanha e em Israel conseguiram produzir sêmem de rato em laboratório, abrindo o caminho para a produção artificial de esperma humano, o que pode revolucionar os tratamentos de fertilidade.

O estudo, publicado na revista Nature, detalha o cultivo de células germinativas, que dão origem aos espermatozóides masculinos e aos óvulos femininos.

As células foram colocadas em uma substância gelatinosa, similar à encontrada nos testículos.

A substância gelatinosa, chamada Soft Agar Culture System, já era usada em outras pesquisas envolvendo reprodução celular.

O professor Mahmoud Huleihel, da Universidade Ben-Gurion, da cidade israelense de Negev, celebrou a descoberta.

“O estudo deve abrir novas estratégias terapêuticas para homens inférteis que não conseguem produzir esperma ou pré-adolescentes com câncer, que correm o risco de ficarem inférteis por causa do agressivo tratamento com quimio e radioterapia”, diz.

‘Morfologia normal’

O estudo foi feito em parceria com o professor Eitan Lunenfeld, da Universidade de Soroka, em Beer-Sheva, Israel, e o professor Stefan Schlatt, da Universidade de Münster, na Alemanha.

Segundo o artigo da Nature, os espermatozóides produzido em laboratório tinham “morfologia normal”.

O experimento também conseguiu reproduzir com sucesso a acrossoma, a parte dianteira do espermatozóide.

O artigo diz que a substância gelatinosa usada no experimento “poder ser utilizada em tubos de laboratórios para a maturação de células germinativas de ratos pré-mitóticas ao estágio pós-mitose”. BBC Brasil – Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

BBC Brasil