Geral

Governo do RN libera eventos de massa, desde que com o passaporte da vacina

Eventos com mais de 600 pessoas ficam condicionados à liberação prévia da Sesap, com apresentação de protocolo sanitário específico e exigência de comprovação de pelo menos uma dose da vacina 

O Governo do Rio Grande do Norte edita novo decreto estabelecendo medidas de enfrentamento à covid-19 e institui o passaporte da vacina. O Decreto Nº 30.911, de 16 de setembro, será publicado na edição do Diário Oficial do Estado desta sexta-feira (17) e tem validade indeterminada, podendo o governo, a qualquer tempo, rever as medidas em função do cenário epidemiológico.

Novo documento traz como um dos aspectos principais a apresentação do passaporte da vacina – comprovação de pelo menos uma dose do imunizante contra a covid – que passa a ser exigido como protocolo para eventos com mais de 600 pessoas, podendo os municípios exigirem também para outras situações.

Eventos de ruas que não tenham protocolos específicos, regulamentados por portarias, ficam condicionados à autorização da Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap) e da Secretaria de Estado da Segurança Pública e da Defesa Social (Sesed). Os organizadores do evento se responsabilizarão pela observância de todos os protocolos sanitários estabelecidos, bem como das regras de funcionamento dispostas no novo decreto, incluindo a exigência do passaporte da vacina.

As propostas de eventos com público superior a 600 pessoas, instruídas com protocolo sanitário específico, devem ser encaminhadas à Sesap. Nelas, deve estar prevista a exigência, pelos participantes, da comprovação de, no mínimo, uma dose da vacina contra a covid-19, seja pela carteira de vacinação, seja pelo aplicativo “Mais Vacina” ou similar, validado pela União, Estados ou Municípios.

Para os eventos de qualquer natureza com público superior a 600 pessoas, com exceção dos corporativos e religiosos (que não sejam de rua), fica mantida a necessidade de autorização da Sesap, que mantém o poder de dirimir dúvidas sobre a realização de quaisquer eventos onde o decreto e/ou as portarias sejam omissas.

Outra mudança diz respeito às restrições de horários e ocupação durante o funcionamento do comércio e hotelaria. Não há mais a manutenção da restrição de horários para funcionamento do comércio e hotelaria e da restrição de percentual de ocupação, permanecendo apenas o cumprimento de protocolos sanitários.

Apesar do abrandamento da pandemia, permanece em vigor o uso obrigatório de máscara de proteção facial e obediência aos protocolos sanitários.

O funcionamento em desconformidade com o disposto no decreto será punido com a suspensão automática da autorização do evento ou do estabelecimento, sem prejuízo da aplicação de multa pecuniária aos organizadores.

Opinião dos leitores

  1. Lá vem mais um FAZ DE CONTA. Agora arrancaram as portas do cabaré mesmo. tomara DEUS que NAO tenhamos uma terceira onde de covid-19.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Eventos de massa para até 150 pessoas agora estão liberados para cidades como Natal e Mossoró

Autorizados desde a sexta-feira (23), os eventos de massa no Rio Grande do Norte para público de até 150 pessoas, desde que não ultrapassasse 20% da capacidade do local e que os indicadores compostos da pandemia estivessem entre os níveis 1 e 2, que são o verde claro e verde escuro, até o início desta semana não liberavam cidades como Natal,  Parnamirim, Macaíba e Mossoró, por níveis considerados fora do padrão mínimo de segurança epidemiológica.

Contudo, com o mais recente levantamento, Natal, Mossoró, Parnamirim e Macaíba estão entre as cidades liberadas para a realização desses eventos. Conforme decreto, a partir de 6 de agosto, o percentual de ocupação será ainda maior.

Opinião dos leitores

  1. Uma vergonha e uma falta de Sensibilidade e Respeito com as mais de OITO Mil mortes no RN com essa flexibilização e FAZ de CONTA que a pandemia acabou ou está controlada. E MUITA IRRESPONSABILIDADE. Que DEUS tenha MISERICÓRDIA de NÓS.

  2. Matéria sempre sensacionalista , se dependesse do estado e desse decreto estadual as empresas já estaria de portas fechadas e muitos funcionários passando fome, ainda bem que os prefeitos iniciaram já a um tempo atraz com decretos municipais, e nem por isso a taxa de covid aumentou , por que quem trabalha com evento social tem sérios protocolos de segurança a seguir para realização , com isso os eventos são muito mais seguros do que ir a igreja , ao Shopping, muito mais seguro do que está dentro de ônibus super lotados, uma vergonha o poder público ser refém de uma categoria que faz o que quer com o cuidadao como os ônibus agiram, e a classe de eventos foi colocada como bode expiatório ou culpada de taxa de covid , a classe de eventos foi a primeira a parar e vai ser a última a ser recuperar . Sem ajuda nenhuma do estado e do município, nem uma . Nem uma ajuda em nenhum um sentido pelo estado . Deixaram os salões de festas fecharem as portas e entrar num buraco 🕳 sem volta .

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Clima

Meteorologia explica massa de ar polar que atingirá o Brasil; temperaturas mínimas ficarão entre -6ºC e -8ºC em algumas regiões

Foto: Arquivo/Agência Brasil

O Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) vem atualizando informações sobre a nova massa de ar polar que causará “frio intenso” nas regiões Sul, Sudeste, Centro-Oeste e no sul da Região Norte entre os dias 28 de julho e 1º de agosto.

Segundo meteorologistas, as temperaturas começam a declinar de forma acentuada a partir de hoje (27) no Rio Grande do Sul. A frente fria deverá trazer chuvas para os três estados da Região Sul, estendendo-se também ao sul de Mato Grosso do Sul para, amanhã (28), chegar em algumas localidades do Sudeste, como o leste de São Paulo, o sul de Minas Gerais e, em seguida, no Rio de Janeiro e Espírito Santo.

Em um vídeo disponibilizado no site do Inmet, a meteorologista Morgana Almeida informa que, eventualmente, em áreas de maior altitude, entre os dias 29 e 31, as temperaturas mínimas ficarão entre -6ºC e -8ºC. “Teremos, pelo menos durante três dias consecutivos, temperaturas máximas inferiores a 10ºC na Região Sul”, disse.

O Inmet acrescenta que, ainda no dia 28, a presença de um ciclone extratropical no Oceano Atlântico intensificará os ventos no litoral da Região Sul e também favorecerá a incursão de umidade nas serras gaúcha e catarinense.

“A combinação de umidade com o ar frio poderá favorecer a ocorrência de chuva congelada e/ou queda de neve nas áreas de maior altitude”, acrescenta a Meteorologia ao informar que persiste a previsão de que – entre os dias 28 e 31 de julho – o ar frio predominará por toda a Região Sudeste, Centro-Oeste e sudoeste da Amazônia Legal, ocasionando mais um episódio de friagem.

Entre os dias 30 de julho e 1º de agosto, a previsão é de que o ar frio avance sobre sul da Bahia e partes do interior da Região Nordeste, com “declínios de temperaturas entre 6ºC e 4°C, especialmente nas áreas de maior altitude”.

Destaques

Entre os destaques climáticos elencados pelo Inmet está a persistência de chance de “mais um evento de queda de neve” nas serras gaúcha e catarinense, de forma “fraca e bem isolada” entre os dias 28 e 29, não sendo descartada a possibilidade de chuva congelada ou neve na serra do Sudeste no Rio Grande do Sul.

Os dias mais críticos – em termos de menores temperaturas, mínimas e máximas na Região Sudeste – serão 29 e 30 deste mês, com mínimas entre -2°C e -5°C na Serra da Mantiqueira, divisa entre São Paulo e Minas Gerais e máximas abaixo de 15°C em parte da região, especialmente nas regiões metropolitanas de São Paulo e Belo Horizonte. “Também são previstas temperaturas negativas no sul do Mato Grosso do Sul e no sudeste de São Paulo”.

Geadas

Com relação a geadas, a Meteorologia informou que há previsão de “geadas amplas, que podem chegar com forte intensidade em algumas áreas, em todo interior do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina, além do sul e sudoeste do Paraná e, com menores chances, de forma mais pontual e de menor intensidade, entre o noroeste do Paraná e o extremo sul do Mato Grosso do Sul”.

Há também previsão de “geada ampla” dia 29 em praticamente toda a Região Sul, sul de Mato Grosso do Sul e sudeste de São Paulo. Não está descartada a possibilidade de chuva congelada nas áreas de maior altitude da Serra da Mantiqueira, localizada na divisa entre São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro.

No dia 30, a previsão de geada se entende para todo o estado de São Paulo, sul, Campo das Vertentes, oeste, Triângulo e Alto Paranaíba em Minas Gerais. Na Serra da Mantiqueira, a geada poderá ter intensidade de moderada a forte. Há também possibilidade de geada, de forma mais isolada, no sul de Goiás.

Agência Brasil

Opinião dos leitores

  1. Com 20° no nordeste o povo veste casaco como se estivesse no pólo norte, imagina -6º kkkkkkkkkkkkk …… Lula Deus me livre!

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Eventos de massa no RN liberados a partir desta sexta-feira; entenda limite

Seguindo o cronograma definido pelo Governo do Estado, os eventos de massa poderão ser realizados no Rio Grande do Norte a partir da sexta-feira (23). Conforme estabelecido, serão liberados para público de até 150 pessoas, desde que não ultrapasse 20% da capacidade do local.

Cinemas e teatros poderão ter até 60% da capacidade e eventos corporativos poderão ter até 450 pessoas, também a partir de sexta-feira. Os cuidados com higiene, distanciamento e utilização de máscaras seguem em vigor.

Opinião dos leitores

  1. Oi…há… som!!!
    Teste…
    Som…
    Oi… oi… som!!!
    Kkkkkkkkk
    E tome chote!!!!
    Saldade de um rela bucho.
    Kkkkkkk
    Vamos esperar, só mais um bocadinho, vai dar tudo certo.
    Tamos juntos meu presidente Bolsonaro.
    De 2022 até 2026.
    Depois entra o próximo rodízio.
    Pegue pêia, pegue pêia na petezada derrotada.

  2. MEU SENHOR E MEU DEUS, Tenha MISERICORDIA DE NÓS e nos Livre desses males, pois além da pandemia ainda tem essa autoridades IRRESPONSAVEIS que NAO pensam nas vidas e SIM em ARRECARDAR Mais e Mais impostos, flexibilizando tudo e NAO fazendo com CERTEZA Nenhuma FISCALIZAÇÃO RIGOROSA E EFETIVA para combater a disseminação do covid-19. JESUS CRISTO nos Cubra com seu MANTO SAGRADO e nos proteja de todos os males e autoridades irresponsaveis.

    1. Ninguém é obrigado a comparecer a evento algum. Quem puder e quiser, fique em casa. Aliás, isso não depende da pandemia, que está acabando. Para quem quer, a vida tem que seguir.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Cidade do Espírito Santo terá teste de vacinação em massa com vacina da AstraZeneca e utilizará meia dose em pessoas de 18 a 49 anos

Foto: CNN Brasil

A cidade de Viana, no Espírito Santo, fará um teste com uma vacinação em massa em sua população. Será usada meia dose da vacina do laboratório AstraZeneca, que é produzida pela Fiocruz, em duas doses. Ao invés de duas doses com 0,5 ml cada, com intervalos de três meses, como ocorre nos postos de saúde hoje, no teste serão duas doses com 0,25 ml, com o mesmo intervalo de tempo entre elas.

A Coronavac, produzida pelo laboratório Butantan, também fez um estudo de vacinação em massa em Serrana, no interior de São Paulo, mas com a mesma dose aplicada nos postos de saúde. Lá, resultados iniciais mostraram queda de 95% no número de mortes por Covid-19.

O anúncio sobre o teste da vacina de Oxford foi feito nesta sexta-feira (4) pelo governador do Espírito Santo, Renato Casagrande. Também participam da coletiva o secretário de Estado da saúde, Nésio Fernandes, e representantes da OPAS e Fiocruz.

O objetivo do estudo é avaliar a efetividade da vacina imunizando 85% da população de Viana de 18 a 49 anos, o que contabiliza cerca de 35 mil habitantes, de acordo com o número de eleitores. A cidade foi escolhida porque é próxima da região metropolitana, além de ser um centro logístico que fica às margens da rodovia que dá acesso à Vitória, Minas Gerais e Rio de Janeiro – se tornando uma cidade com potencial forte de transmissão e contaminação.

Segundo a médica Valéria Valim, coordenadora do projeto científico, o estudo terá como público-alvo moradores de Viana que não tomaram nenhuma das doses e que não fazem parte de grupos prioritários estabelecidos pelo Plano Nacional de Imunização (PNI). Os casos serão acompanhados por um ano.

“A população será acompanhada por um ano para observar a efetividade da vacina produzida pela Fiocruz. Queremos observar a redução de casos e de mortes por Covid-19 após a imunização, por exemplo. Baseado em estudos preliminares, esperamos que vacina em dose ajustada, ou seja, metade da dose padrão, seja suficiente para produzir anticorpos e células de defesa e reduzir 60% da incidência de Covid-19, ao longo de seis meses após a vacinação”, disse Valéria Valim.

O teste em massa está previsto para 12 e 13 de junho, em 34 pontos de vacinação, e será coordenado por equipes de pesquisadores do Hospital Universitário Cassiano Antônio Moraes da Universidade Federal do Espírito Santo e da Fundação Oswaldo Cruz. As doses da vacina Astrazeneca Oxford/Fiocruz foram doadas pelo PNI.

Hoje, Viana conta com mais de 18 mil pessoas vacinadas com a primeira dose de vacinas e, com esse teste, será a cidade do estado do Espírito Santo com maior cobertura vacinal contra a Covid-19.

CNN Brasil

Opinião dos leitores

    1. Cobaias foram e são os que se submetem a tomar cloroquina oral ou nasal por nebulização …

    2. Manoel F. Esqueceu de citar anal também. Pois quem tomou este medicamento, não deixa a hipótese de ter tomado no c*.

    3. E essa vacina foi aprovada pela ANVISA sem ser testada? Que diabos você tem no lugar dos miolos, Rogers? Seria Ozônio?

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Queiroga diz que vacinação em massa é fundamental para retorno da economia e que governo federal aumentou significativamente recursos contra a pandemia

Foto: Reprodução/CNN Brasil (6.mai.2021)

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, afirmou nesta segunda-feira (31), durante sua fala no Fórum de Investimentos Brasil 2021, que o sucesso da vacinação contra a Covid-19 será fundamental para o retorno da economia no país.

Segundo ele, todos os brasileiros estarão vacinados contra a Covid-19 ainda neste ano. “O sucesso da vacinação é fundamental para o retorno da economia no Brasil. (…) Até o final do ano, teremos todos os cidadãos imunizados em nosso país.”

“Todos sabemos que a contenção da pandemia é por meio da vacinação em massa, da vigilância ativa, (…) é imprescindível para o retorno da economia global”, disse o ministro. Segundo ele, os “efeitos devastadores” da pandemia demonstraram a importância de mais investimentos em saúde.

De acordo com o Queiroga, 0,9% do PIB do Brasil foram “alocados para ações de mitigações da pandemia no âmbito da saúde”. “A pandemia e seus efeitos devastadores demonstrou importância de investimentos em saúde. No Brasil, o governo federal aumentou significativamente os recursos públicos em saúde para combater a pandemia.”

Queiroga afirmou ainda que, desde que assumiu a pasta no lugar do general Eduardo Pazuello, tem buscado acelerar a vacinação e garantir assistência à saúde dos afetados pela Covid-19. “Saúde é um direito fundamental garantido pela nossa Constituição (…) Desde que assumi o Ministério da Saúde, há pouco mais de 60 dias, temos buscado expandir ações de enfrentamento à pandemia”, disse.

Ao se dirigir aos investidores, o ministro ressaltou que a saúde, além de um direito fundamental, “é uma ótima oportunidade de negócios”. “Estamos certos que para superar essa pandemia e estar mais bem preparados para responder futuras crises na saúde, precisamos de mais investimentos na saúde. Não podemos fazer isso sem parceria do setor privado”, completou.

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) abriu o primeiro dia do Fórum de Investimentos Brasil 2021 nesta segunda. Ao discursar aos investidores sobre a situação da pandemia no Brasil, ele afirmou que a crise provocada pela Covid-19 “enseja preocupações, mas não tem o poder de comprometer o longo prazo de uma das maiores economias do mundo”.

CNN Brasil

Opinião dos leitores

  1. Na verdade, o Brasil está dando show em vacinação e também na economia. Em 2021, já recuperamos quase 1 milhão de empregos e há previsão de crescimento de 5% do PIB para este ano, feita pelo mercado financeiro. A tendência é de crescente melhora em função do progresso da vacinação.

  2. Excelente ministro, homem sério e que entende de saúde (é médico), adequado ao momento. Pazuello não era médico mas fez a difícil parte da logistica, quando era mais necessária, e cercou-se de excelentes técnicos da área de saúde.

  3. Como vacinar em massa se esses Crápulas não tem interesse EFETIVO na compra Urgente de vacinas para imunizar a população. Que DEUS tenha MISERICÓRDIA de NÓS

  4. Esse ministro é um fanfarrão, um medíocre!
    Samba na cara da população… Ele acha o que? Todos nós sabemos que para sonharmos em ter vida normal novamente, é necessário vacinação em massa!

  5. Sério mesmo que a vacinação em massa é fundamental para retorno da economia? Caramba, que ministro extraordinariamente eficiente em descobrir isso depois de mais de um ano de pandemia!!! Tô impressionado com a eficiência do governo do MINTO inepto!

    1. Esse ômi não faz um comentário inteligente kkkk pelas caridade kkkk

    2. Na Argentina “Haddad ” ganhou.
      Já foram aplicadas 11 milhões de doses.
      Ou seja, se Haddad fosse o presidente, estaríamos esperando vacina cubana…
      Esquerdista é bicho cara de pau mesmo…

    3. Toinho kkkkkkk. Mexi com seu político corrupto das rachadinhas foi? Desculpa aí tá! Esqueci que vc só eh contra a corrupção de lulaladrao e dos petralhas… Entendi!

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Cidade que fez vacinação em massa em SP tem média de mortes até 4 vezes menor que vizinhas

Foto: Instituto Butantan/Divulgação

Mais de um mês depois do término de uma vacinação em massa contra a Covid-19, Serrana (SP) registra uma média de mortes causadas pela doença até quatro vezes menor, se comparada com municípios com população similar na região de Ribeirão Preto (SP).

Desde o início de maio até quarta-feira (19), a cidade escolhida para o Projeto S, estudo do Instituto Butantan sobre a efetividade da CoronaVac, registrou três novas vítimas, contra óbitos que oscilam entre 5 e 13 nas demais. Com isso, a média para cada 10 mil habitantes é de 0,66, contra 2,89 na pior situação epidemiológica entre as outras três localidades.

Serrana também apresenta melhores retrospectos com relação às médias móveis diárias e, agora, também na totalização de mortes quando comparada com outras cidades (veja ao longo da reportagem).

O comparativo foi feito com Orlândia (SP), Pontal (SP) e Jardinópolis (SP), que têm entre 45 mil e 50 mil habitantes, mas, diferente de Serrana, ainda não atingiram a mesma proporção de moradores imunizados contra a doença.

Enquanto as duas doses chegaram a 60% da população por meio do estudo, nessas outras cidades as doses chegaram a proporções que variam entre 6% e 10%.

Para especialistas como o médico infectologista Fernando Bellissimo, da USP de Ribeirão Preto, os números colocam em evidência um dos principais resultados esperados pela vacina desenvolvida pelo Butantan com a Sinovac, que é de reduzir a manifestação de casos graves da doença.

“Esse é o efeito esperado da vacina Coronavac: redução da mortalidade, sem grande efeito sobre a incidência. Ou seja, a vacina previne o adoecimento com maior gravidade, mas não a infecção pelo SARS-CoV-2. Portanto, não há imunidade de rebanho como alguns pretendem”, diz.

Procurada, a Secretaria Municipal de Saúde de Serrana informou que não comentará números nem passará mais informações além das divulgadas periodicamente no boletim epidemiológico, até a divulgação dos resultados do estudo, prevista para o fim de maio.

O Instituto Butantan não comentou os dados até a publicação desta reportagem, mas confirmou que os resultados do estudo do Projeto S devem ser divulgados nos próximos dias.

Vacinação em massa

Iniciada em 17 de fevereiro, a imunização em massa foi concluída em 11 de abril, com mais de 27 mil pessoas vacinadas duas vezes, o equivalente a 60% da população de Serrana.

Por terem ficado de fora dos testes nas fases anteriores sobre a CoronaVac, não foram imunizadas no projeto menores de idade, mulheres grávidas ou em amamentação, pessoas com doenças graves e quem teve febre 72 horas antes da vacinação.

Localizada a 315 quilômetros de São Paulo, a cidade foi escolhida para o estudo clínico por ter um baixo número populacional, de 45.644 habitantes, além de estar próxima a Ribeirão Preto, que é considerada uma referência nacional em saúde.

Além disso, Serrana apresentou dados preocupantes de transmissão do vírus em um inquérito sorológico realizado pelo Instituto Butantan em 2020, que estimou que a cidade tinha 10,6% dos moradores infectados pelo novo coronavírus.

Além da queda nos casos e mortes após a vacinação em massa, entre os indicadores positivos profissionais da área também registraram queda de 55% no número de pacientes atendidos pela Unidade de Pronto Atendimento (UPA) e uma proporção sete vezes menor de pessoas que desenvolveram complicações da doença.

Um acompanhamento divulgado pela Secretaria Municipal de Saúde, também indicou baixa constante na média móvel de casos da doença desde meados de março.

Mortes e casos por 10 mil habitantes

Com base em números divulgados pelas prefeituras, é possível apontar que, desde março, a média de mortes por grupo populacional está em queda em todos os municípios avaliados. Mas, entre eles, Serrana é o que tem a menor proporção de óbitos causados pela Covid-19.

Nos registros entre 1º e 19 de maio, em um grupo populacional de 10 mil pessoas, a taxa é de 0,66, menos de um quinto da média de Jardinópolis, com 2,89, e até 55% abaixo do atingido em Orlândia e Pontal, entre 1,13 e 1,18.

A média também representa a metade do registrado em abril, quando a cidade já tinha a menor incidência no comparativo.

A baixa também é observada com relação aos novos registros gerais da Covid-19, ainda que a eficácia global para casos sintomáticos seja de 50,38%, segundo os resultados de testes divulgados pelo Butantan em janeiro.

Em Serrana, a média de casos por 10 mil habitantes vem caindo desde março e até o dia 19 deste mês é de 44,91, o que deixa a cidade acima de Pontal, com 42 registros por 10 mil pessoas, mas abaixo de Orlândia e Jardinópolis, onde há, em média, entre 68 e 103 novos registros no mesmo contingente populacional.

Números acumulados da pandemia

No acumulado desde o início da pandemia, o município ainda é o que tem o segundo maior saldo de casos, com 3.906 pessoas infectadas, somente atrás de Pontal, mas é o que menos acumula mortes, com 87. Veja os resultados por cidade:

Serrana: 3.906 casos e 87 mortes

Pontal: 4.011 casos e 132 mortes

Orlândia: 3.518 casos e 97 mortes

Jardinópolis: 3.111 casos e 121 mortes

Médias móveis

Quando avaliadas as médias móveis diárias, ou seja, baseadas nos novos registros dos últimos sete dias, Serrana também apresentou melhora no retrospecto ao longo das semanas, até ficar abaixo de outras cidades.

Na avaliação das mortes, em 11 de março, o município teve um pico de 0,86, número que chegou a superar Orlândia e Jardinópolis e ficou oscilando até 24 de março, quando começou a demonstrar tendência de queda.

Ainda com elevações pontuais, sem voltar aos patamares anteriores, a média móvel chegou a 0 entre 22 de abril e 4 de maio, e desde então ficou em 0,14, número semelhante ao de Pontal.

Na análise dos casos, a média móvel chegou a 38 no dia 19 de março em Serrana, índice que superava os das outras três cidades, mas se manteve com tendência de queda até 2 de maio, quando atingiu o patamar de 2,86, abaixo de todos os outros.

Os números voltaram a subir, mas em níveis abaixo dos anteriores, e até o dia 19 chegou à média de 12,57 casos, acima de Pontal (10,71), mas abaixo de Orlândia (23) e Jardinópolis (20,86).

G1

 

Opinião dos leitores

  1. O pior dessa falta de vacinas foi a pagina da prefeitura de Natal continuar colocando ‘filas intensas’, filas moderadas etc quando não existia mais sequer uma dose. Enganosa e provocadora de prejuízos para os cidadãos a a pagina: https://vacina.natal.rn.gov.br/

  2. O sindicato dos professores fez duas manifestações esse ano:
    a primeira para que a educação não fosse considerada atividade essencial.
    a segunda que os professores tivessem prioridade na vacinação.
    Existe coerência nisso?
    Se professor deve ter prioridade, por quê não estariam incluídos os policiais militares e civis, os garis, motorista de ônibus, funcionários de supermercado, padarias, farmácias, açougues, bombeiro de posto de gasolina, construção civil e todo pessoal que vem trabalhando normalmente?

  3. Sou a favor da vacinação, mas a forma que foi veiculada pela imprensa, de que o indivíduo vacinado não apresenta a forma grave e nem vem a óbito, esta sendo um tiro no pé.
    Pois o próprio estudo feito em Serrana mostra números contrários, apesar que diminuiram drasticamente os casos.
    Todo cuidado é pouco, ainda não sabemos totalmente com o que estamos lidando. Acho que é valido todos os métodos que possamos utilizar, acho melhor pecar pelo excesso, do que pela falta.

    1. Em se tratando de medicação, excesso significa OVERDOSE

    1. Basta vc pesquisar um pouco, compare as capitais do sudeste ( onde não houve protocolos de tratamento precoce ), com as outras capitais que aderiram em parte ao tratamento precoce. Veja o dado de mortalidade/habitante e tire suas conclusões

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Cidade de Botucatu-SP vai vacinar toda a população adulta contra a Covid com doses da vacina de Oxford

Foto: Sandro Pereira/Fotoarena/Estadão Conteúdo

A cidade de Botucatu, no interior de São Paulo, vai vacinar toda a população adulta contra a Covid-19 com o imunizante de Oxford/AstraZeneca.

A iniciativa faz parte de uma parceria com o Ministério da Saúde e vai avaliar a eficácia da vacina distribuída pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) contra as novas variantes, como a P1.

O sequenciamento das amostras coletadas vai ser feito pelo laboratório do Hospital das Clínicas de Botucatu.

Cerca de 105 mil habitantes acima de 18 anos começam a ser vacinados em duas semanas. A campanha, que vai usar doses doadas pelo Plano Nacional de Imunizações (PNI), deve durar aproximadamente oito meses.

CNN Brasil

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Covid-19: Israel pode ter atingido imunidade de rebanho, diz especialista; vacinação em massa reduziu em 97% o número de novos casos

Vacinação contra a Covid-19 em Israel Reprodução/VEJA

Com mais de 54% da sua população totalmente vacinada (primeira e segunda dose), Israel pode se tornar o primeiro país a ter alcançado contra a Covid-19 a chamada “imunidade de rebanho”, uma situação que se caracteriza quando uma parcela significativa dos moradores foi vacinada contra uma doença.

A afirmação foi feita neste sábado, 10, pelo cientista Eran Segal, professor de biologia computacional do Instituto de Ciência Weizmann ao Channel 12, que monitora a pandemia, segundo reportagem do jornal The Times of Israel. Para ele, a situação do país é ainda mais confortável em razão do esquema de proteção adotado contra o novo coronavírus no país desde o início da crise sanitária.

“É possível que Israel tenha alcançado uma espécie de imunidade de rebanho e, independentemente disso, temos uma ampla rede de segurança”, disse Segal. “Acho que isso torna possível remover algumas das restrições imediatamente”, completou.

Com uma população de 9 milhões de habitantes, Israel já vacinou 5.309.825 pessoas com a primeira dose e 4.920.877 com a segunda. A vacina mais usada no país é a da Pfizer/BioNtech, que tem eficácia de 91% contra casos graves.

Neste sábado, 10, Israel tinha 4.002 casos ativos da doença, sendo 268 deles considerados graves. Até agora, o país registrou 6.292 mortes desde o início da pandemia. Com a prioridade dada à vacinação, o número de casos diários de coronavírus despencou 97%, segundo Eran Segal.

Para efeito de comparação, o Brasil vacinou com a segunda dose até este sábado, 10, apenas 6.916.075 pessoas, o que dá cerca de 3,3% da sua população. Já a primeira dose foi aplicada para 22.917.088 brasileiros.

Veja

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

VÍDEO: Após vacinação em massa, Serrana-SP está sem intubar pacientes desde 28 de março, afirma prefeito da cidade, Leo Capitelli

Foto: Reprodução. Assista vídeo AQUI.

A cidade de Serrana, no interior de São Paulo, foi escolhida pelo Instituto Butantan para participar de um estudo denominado “Projeto S”, que analisa o resultado da imunização com a Coronavac em toda a população adulta do município.

Iniciado em fevereiro, o projeto S vem colhendo frutos e, segundo o prefeito da cidade, Leo Capitelli (MDB), Serrana está sem intubar pacientes de Covid-19 desde o dia 28 de março.

“Vimos diminuição na lotação da UPA e da Santa Casa da cidade, o fluxo de casos graves diminuiu bastante e desde o dia 28 de março não precisamos intubar pacientes de Covid-19. Ainda é cedo para fazer correlação com a vacinação, mas já estamos vendo resultados”, disse o prefeito em entrevista à CNN.

Capitelli afirmou que, apesar de não poder cravar que a vacina foi a responsável pelos resultados positivos, o relatório sobre o projeto deve sair na primeira semana de maio, e pode confirmar a teoria de que o imunizante foi eficiente no combate à Covid-19 em Serrana.

Número de mortos

Do total de 27.150 voluntários imunizados com as duas doses da vacina Coronavac na cidade, um morreu em decorrência do novo coronavírus. Isso indica um índice de mortalidade pela pandemia em vacinados de 0,004%.

Quando analisados também os voluntários que tomaram apenas uma dose da vacina, o número de óbitos sobe para seis, ou seja, cinco pessoas morreram após terem tomado apenas uma dose da Coronavac e uma pessoa morreu após ter tomado as duas doses.

No total, Serrana tem pouco mais de 43 mil habitantes, segundo o IBGE. O ‘Projeto S’, uma parceria do Instituto Butantan e o governo do estado de São Paulo, se propôs a vacinar toda a população adulta do município.

CNN Brasil

Opinião dos leitores

  1. Vamos lá Sr. Santos inteligente kkkkk.
    As atuais vacinas NÃO conferem imunização absoluta, fato.
    No Sírio Libanês e Albert Einstein, hoje, lotação das UTIS com diversos pacientes completamente imunizados com as vacinas atuais para covid..
    O Diretor Clínico do Butantan, disse na CNN, que talvez seja necessária e terceira dose da coronavac.
    A ivermectina, cloroquina e azitromicina são usados largamente a vários anos e quando usados na fase Inicial da doença ou de forma precoce, evidências científicas relatam a sua eficácia contra o covid.
    A insanidade pela queda do presidente, leva alguns partidos ao Vale tudo, inclusive mortes.
    Pena, ficam para as galinhas que só sabem cacarejar como vc.
    Repetir mantras imbecis como verdadeiros, só denotam a incapacidade de discussão e fraqueza de caráter.
    Por último, não tome nada, ou tome apenas Dipirona, seu médico deve ser tampa, só não sei de que, mais lhe serve.

  2. Foi a cloroquina, hidroxicloroquina e forçando a barra pro lado do presidente, ou a Ivermectina?
    Ah não!
    Foi a vacina mesmo.
    kkkkkkkkkkkkkkkkkk
    Olha, de bolsonarista pra burro só falta uma coisa, as penas.
    kkkkkkkkkkkkkkkkk

  3. Raciocínio lógico e provado cientificamente, enquanto esses esquerdistas safados estiverem querendo destruir o presidente e o Brasil, com essa politização ridícula da pandemia, o povo nos vamos seguir morrendo a passos largos

  4. As medidas realmente eficazes contra esse vírus são: distanciamento social, medidas sanitárias, uso de máscara quando necessário, tratamento precoce, investimento na saude (leitos, respiradores, etc.) e vacinação. Esse “lockdown” absurdo e irresponsável não resolve nada, só piora a situação, criando problemas maiores que o virus em si.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Guedes faz afago ao Congresso, defende vacinação em massa e descarta imposto

Foto: Reprodução/CNN Brasil

O ministro da Economia, Paulo Guedes, classificou o auxílio emergencial como “um instrumento muito efetivo” e defendeu a vacinação em massa para que “38 milhões de brasileiros [os ‘invisíveis’] possam trabalhar para ganhar a própria vida”. Ele também agradeceu ao Congresso pela aprovação da PEC Emergencial, promulgada na segunda-feira, disse que as novas lideranças do Congresso ajudaram a “destravar a pauta de reformas”. Guedes afirmou, ainda, que não irá “cair na armadilha” de aumentar impostos.

As afirmações foram feitas em entrevista exclusiva à CNN, com o âncora Márcio Gomes e o analista político Igor Gadelha, gravada na segunda-feira (15). Veja abaixo alguns dos principais tópicos abordados pelo ministro.

Auxílio emergencial

“Eu queria começar agradecendo o Congresso. Acabo de ter a informação de que o Congresso promulgou a PEC Fiscal. Isso era importante porque, como você diz, a coisa começa com o auxílio emergencial, que foi um instrumento muito efetivo. Nós protegemos 64 milhões de brasileiros durante a primeira grande onda da pandemia, e nós temos que agora renovar os esforços, porque essa tragédia continua entre nós.”

Troca de comando no Congresso

“É importante deixar claro para todo mundo que é a política que dispara essas ondas de reformas. Nós tínhamos que esperar justamente a troca de comando na Câmara dos Deputados e no Senado para podermos encaminhar [as reformas]”.

Vacinação em massa

“O que vem pela frente? Vacinação em massa. Porque os 38 milhões de invisíveis, que nós descobrimos, são pessoas que têm que trabalhar de manhã para comer à noite. Então, elas precisam dessa vacinação, porque está indissociável a economia da saúde. Economia e saúde andam juntos, são indissociáveis. Então, se nós quisermos que esses 38 milhões de brasileiros possam trabalhar para ganhar a própria vida, eles têm que ser vacinados. A vacinação em massa é um passo indispensável, porque ela permite que haja uma redução dramática do desemprego informal.”

Tomar a vacina

“Já queria ter vacinado. Já queria ter vacinado. Eu acho ótimo. Sou candidato a vacinar, quero me vacinar.”

Andamento das reformas

“Considerando todos os fatores, nós temos um Congresso reformista. Ele já avançou com a reforma da Previdência, fizemos a cessão onerosa. Nós estamos fazendo muita coisa que estava parada. Eu acho que nós temos conseguido um coeficiente de 70% de aprovação das medidas que mandamos. 70% parece um número razoável, incluindo o fogo amigo. O que é satisfatório para fazer a economia se mover.”

Reforma administrativa

“A [reforma] administrativa está pronta para ser aprovada. Ela é uma reforma leve e suave. Como eu disse, ela já conseguiu, para os três níveis da Federação, economizar uns R$ 140, R$ 150 bilhões em salários, que nenhuma reforma administrativa teria potência para fazer isso em tão curto tempo. E, ao mesmo tempo, em nível federal, ela permite uma economia de outros R$ 300 bilhões.”

Reforma tributária e alta de impostos

“A [reforma] tributária é um pouco mais complexa, e justamente nós não queriamos cair na armadilha que estava preparada para fazer aumento de impostos. Nós estamos há 40 anos aumentando os impostos no Brasil. Toda vez que há um déficit, nós aumentamos os impostos.

O nosso raciocínio na tributária foi exatamente o seguinte: a economia brasileira teve dois anos de recessão, em 2015 e 2016, ou seja, a base de arrecadação caiu bastante. Tivemos de novo em 2017, 2018 e 2019, um crescimento de 1%, 1,3%, 1,4%. È um crescimento baixo, ou seja, continua reprimida a arrecadação. Então, seria um contrassenso, baseado nesse déficit que está lá, você tentar aumentar os impostos para fechar o déficit.

Muitos críticos, inclusive, despreparados, estavam reclamando o tempo inteiro, que nós devíamos estar aumentando os impostos, porque tem um déficit, etc. Despreparados porque você não deve aumentar impostos no meio de uma recessão. Se não, você agudiza a recessão.”

Troca no comando da Petrobras

“O que nós dissemos ao presidente é que isto tem um custo econômico pesado. Então, resultado: se o objetivo era baixar o preço do combustível, o que aconteceu com isso [a troca do presidente da Petrobras] foi que os mercados começaram a subir o câmbio, a Petrobras perdeu valor, e o presidente mesmo falou: ‘Mas, peraí, eu quero fazer isso organizadamente’.

Aí, mostrou-se ao presidente que tem contratos, e o presidente, o CEO da Petrobras, na verdade, que é o Castello Branco, não terá seu contrato renovado. Por quê? Quer se mexer nessa governança? Isso é uma questão em aberto aí para o futuro. Vamos ver como esse novo presidente da Petrobras vai enfrentar esse problema ali na frente.”

Lava Jato

“A Lava Jato não foi uma ficção. Aconteceram uma porção de coisas. Pode ter tido arbritrariedades de um lado, ou do outro, mas a verdade é que bilhões foram devolvidos. Se bilhões foram devolvidos, bilhões foram roubados. Tem diretor da Petrobras que devolveu US$ 100 milhões. Muita coisa aconteceu e, realmente, tinha uma grande liderança política à frente disso tudo.”

Futuro econômico

“Eu acho que daqui até o fim do governo –ao contrário do que está sendo dito, que vai ser cada vez mais difícil, porque a base do governo é instável… Eu acho o contrário. Eu acho que o governo ficou dois anos para montar sua base de sustentação parlamentar. E justamente ela acaba de destravar a pauta de reformas.”

CNN Brasil

Opinião dos leitores

  1. Infelizmente, não vejo com otimismo as reformas pautadas por esse governo, principalmente essa reforma administrativa que, em sua essência, retira direitos dos servidores públicos.
    Como condição e para ganhar o apoio popular, foi aprovada a PEC emergencial que garante o auxílio emergência e proíbe os entes federativos conceder aumento salarial ao servidor público por 15 anos.
    Sou servidor público estadual há 12 anos, nunca tive aumento, nunca mudei de nível e ganho exatamente o mesmo que ganhava no primeiro mês de trabalho, e agora com a garantia de passar mais 15 anos sem aumento.
    Será que o servidor público não é cidadão? Não tem família? Não contribui para economia? Mas se engana quem pensa que o servidor não vota e seus familiares também.
    Como o ministro da economia disse “Vamos jogar uma granada na mão do inimigo (o servidor público).
    Sei que a ideia desse governo é sucatear o serviço publico do Brasil, para assim precarizar o serviço ofertado pelos governos e impulsionar a narrativa que deve privatizar tudo.
    Veja os correios que mesmo dando lucro vai ser privatizado, não para economizar, mas para atender interesse do mercado.
    O Grande problema do serviço público no Brasil são os cargos comissionados (Presidentes, diretores, coordenadores e tantos outros cargos comissionados) ocupados na sua GRANDE MAIORIA com indicação política, apadrinhados, incompetentes, por arranjos políticos que são colocados lá não para atender o interesse comum, que é servir o cidadão mais para fazer politicagem.
    Em contraponto vamos assistir daqui a pouco algumas categorias politizadas conseguir aumentos consecutivos e o judiciário recebendo auxílios e mais auxílios, e reajustes passando o dedo no nariz da grande maioria dos servidores.
    Triste do nosso país e do nosso povo…

  2. Não podiam ter focado na vacinação em massa,quando as primeiras ofertas foram ofrrecidas.
    Omissão cruel….!

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Com compra de 138 milhões de doses, Ministério da Saúde projeta vacinação da população em geral a partir de maio

Foto: Sérgio Lima/Poder360

O ministro da Saúde Eduardo Pazuello anunciou, nessa segunda-feira (15), que o governo completou as negociações com as farmacêuticas Pfizer e Janssen para compra de vacinas contra o coronavírus. Segundo o ministro, foram negociadas 100 milhões de doses da Pfizer e 38 milhões da Janssen, a única que precisa de apenas uma aplicação para imunização. Com isso, de acordo com a pasta, será possível vacinar as pessoas que não estão nos grupos prioritários a partir de maio — veja ao final do texto a ordem dos grupos prioritários.

— Estou informando à população que nós já concluímos a contratação da União Química da Sputnik, da Pfizer e da Janssen. Todas essas contratações foram finalizadas a partir da lei que foi sancionada — disse. — Só para que os senhores compreendam a velocidade administrativa desse trabalho. A partir da lei, sancionada na quarta-feira, hoje, segunda-feira, estou informando que já fizemos essas contratações completas.

— Todos laboratórios que chegam a nós entram em tratativas a partir de robustez de dados — afirmou.

O ministro afirmou que até o final de abril vai vacinar 88% dos prioritários e que toda população será vacinada até o fim de 2021.

— É provável que até maio todos de grupos prioritários sejam vacinados — disse.

Somadas às negociações com a AstraZeneca, a Sinovac, a Covax Facility, a União Química (Sputnik V) e Bharat Biotech, o governo projeta adquirir 562 milhões de doses de vacinas neste ano.

— Temos mais vacinas contratadas que brasileiros. Essas vacinas se mantêm na validade para 2022, por isso, temos que ter estoque. E não podemos contar com 100% das entregas. Há oscilações — disse. Ele afirmou que Estados e municípios podem adquirir o imunizante, desde que venham pelo Programa Nacional de Imunização (PNI).

— Não haverá Estados e nem municípios vacinando antes do que outros, não haverá divisão entre regiões e nem entre ricos e pobres na vacinação — disse.

O governo federal estava em tratativas para a compra das doses da Pfizer desde setembro do ano passado. Segundo o Ministério da Saúde, o contrato não foi formalizado antes devido às cláusulas, consideradas pela pasta, “abusivas”. Um projeto de lei aprovado no Congresso autorizou a compra do imunizante.

Também na coletiva, Pazuello confirmou que a pasta iniciará uma campanha publicitária para imunização nesta terça (16).

— Amanhã começamos uma campanha nacional de conscientização para vacinação — declarou o ministro.

Contratos firmados

O Ministério da Saúde tem contrato firmado para compra de vacinas com seis empresas: Fiocruz, Butantan, Precisa (vacina indiana), União Química (Sputnik V), Pfizer e Janssen. Dessas, não tem autorização da Anvisa as vacinas Sputnik, Precisa e da Janssen. As primerias doses da Pfizer vão chegar ao brasil em abril, mas a maioria dos lotes será enviada apenas no segundo semestre do ano.

Ordem de vacinação dos grupos prioritários

Pessoas com 60 anos ou mais institucionalizadas;

Pessoas com deficiência institucionalizadas;

Povos indígenas vivendo em terras indígenas;

Trabalhadores de saúde;

Pessoas de 80 anos ou mais;

Pessoas de 75 a 79 anos;

Povos e comunidades tradicionais ribeirinhas;

Povos e comunidades tradicionais quilombolas;

Pessoas de 70 a 74 anos;

Pessoas de 65 a 69 anos;

Pessoas de 60 a 64 anos;

Comorbidades;

Pessoas com deficiência permanente grave;

Pessoas em situação de rua;

População privada de liberdade;

Funcionários do sistema de privação de liberdade;

Trabalhadores da educação do Ensino Básico (creche, pré-escolas, ensino fundamental, ensino médio, profissionalizantes e EJA);

Trabalhadores da educação do Ensino Superior;

Forças de segurança e salvamento;

Forças Armadas;

Trabalhadores de transporte coletivo rodoviário de passageiros;

Trabalhadores de transporte metroviário e ferroviário;

Trabalhadores de transporte aéreo;

Trabalhadores de transporte aquaviário;

Caminhoneiros;

Trabalhadores portuários;

Trabalhadores industriais.

Zero Hora

Opinião dos leitores

  1. População privada de liberdade deveria ser os últimos. Eles acabam com o sossego do cidadão de bem e ainda tem esse tipo de privilégio.

  2. Não entendo essa prioridade aos marginais ante a outros grupos como militares, professores…..Eles estão "privados de liberdade" porque assim quiseram. Mataram, roubaram, estupraram e por isso devem ser vacinados como prioritários.
    Ah mundo injusto. Será que se eu for presa eu me vacinou antes dos outros?
    É uma opção. ???????

  3. TODOS estão enquadrados na condição de: "pessoa privada de liberdade". Pelo menos nisso o lockdown teve utilidade.
    Vamos TODOS receber vacina logo.

    1. À depender de quanto tempo de imunização tem essas vacinas, que até agora não foi comprovado, e lembrando que as vacinas não impede de contrair o vírus e sim evita que caso contraia não chegue ao caso grave da doença, então por enquanto todos os cuidados para evitar tem que ser mantido, e Governo tem que deixar isso bem claro para a população, ou vai sir tudo mundo doido ai na rua achando que o problema esta resolvido.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

FOTOS: Ratos migram em massa para as áreas residenciais durante o lockdown em Londres

Fotos: CNN

É pouco antes do amanhecer em Richmond, na margem sul do rio Tâmisa, e o controlador de pragas Michael Coates está vasculhando as latas de lixo em busca do que normalmente é um inimigo esquivo, ratos.

“Tem algo aqui, com certeza”, diz ele, chutando um recipiente de lixo transbordando. “Os ratos são como pequenas máquinas de sobrevivência, onde quer que você dê acesso seguro ao desperdício de comida, eles continuarão frequentando.”

Os ratos se tornam cada vez mais visível em Londres quanto mais tempo dura o confinamento na Inglaterra.

Além do mais, os animais estão se movimentando pela cidade.

Os controladores de pragas dizem que, como muitos restaurantes e prédios de escritórios no movimentado centro da cidade de Londres permanecem vazios, os ratos são forçados a migrar para áreas residenciais em busca de comida.

As famílias que passam mais tempo em casa – e ali fazem todas as suas refeições – têm produzido mais lixo, e isso está atraindo ratos para habitações suburbanas. Enquanto isso, os comedouros para pássaros, que são sempre abastecidos durante o inverno, estão atraindo os roedores, que se entocam nos quintais.

Exterminadores dizem que os ratos estão migrando para áreas residenciais em busca de comida durante o confinamento.

“Tivemos o caso de uma senhora que costumava alimentar seus amados pássaros”, disse Coates à CNN. “Quando ela nos ligou, havia cerca de 10 a 15 ratos cavando em volta dos canteiros de flores”, acrescenta.

Paul Claydon, outro exterminador que atua na orla da Floresta Epping, no leste da capital, já viu coisas piores. Ele diz que, recentemente, matou uma colônia que tentava violar uma gaiola para comer um animal de estimação desavisado.

“Pode ser que estejamos vendo e ouvindo os ratos com mais frequência, trabalhando em casa, no escritório sob o sótão… Mas acho que Londres pode ter uma grande surpresa quando for reaberta”, diz Claydon. “Especialmente se as empresas e propriedades que tiveram problemas não mantiveram seus planos de controle de pragas.”

Coates e Claydon deixaram longas carreiras em outras áreas para abrir pequenas empresas no que se tornou um setor em expansão.

Coates, um veterano da Guerra do Iraque, fundou sua unidade há cinco anos e, desde então, escreveu um e-book chamado “Guerra e Peste: de Basra aos percevejos”.

Claydon passou 25 anos trabalhando com tecnologia da informação em uma empresa de serviços financeiros antes de abrir seu negócio, há dois anos. “Eu queria algo que fosse à prova de recessão, e tenho estado constantemente ocupado”, diz ele.

Claydon diz que normalmente recebe cerca de 10 chamados por semana para combater roedores, mas, durante o bloqueio, tem sido “facilmente, mais de 20”.

Controle

A Associação Britânica de Controle de Pragas (BPCA), que representa 700 combatentes de pragas em todo o país, disse que seus membros relataram um aumento de 51% na atividade de roedores durante o primeiro lockdown, na primavera de 2020, e um aumento de 78% em novembro, após outro fechamento.

Eles ainda não calcularam os números para este ano, mas disseram à CNN que o encontro com animais desse tipo aumentou, o que representa um problema de saúde pública que muitos moradores têm que resolver por conta própria.

“Podemos ver ratos agora onde normalmente não veríamos, porque eles estão muito desesperados”, disse Natalie Bungay, do BPCA. “Os ratos podem mastigar substâncias muito duras, como metais macios e tijolos.”

Quando se trata de controlar ratos, Londres não parece ter um plano abrangente.

A prefeitura de Londres disse à CNN que o Conselho de Londres, que reúne representantes dos 32 distritos da região da Grande Londres, está em melhor posição para responder sobre o assunto. O gabinete do prefeito diz que não coleta dados sobre isso porque é o trabalho de cada um dos 32 distritos.

Um porta-voz do distrito de Richmond upon Thames, no entanto, disse à CNN que não coleta dados sobre ratos e não oferece serviços de controle de pragas.

Em 2017, depois que um vídeo de ratos saindo de um canteiro de flores em Harrow viralizou, os conservadores na Assembleia da Grande Londres (GLA) encomendaram um relatório e descobriram que mais de 100 reclamações eram registradas nos conselhos todos os dias.

Chamada de “Terra dos Ratos”, o relatório alertava que o distrito de Harrow deveria controlar seu problema com roedores antes que as notícias ruins começassem a prejudicar a imagem do local, como aconteceu em Paris depois que surgiram vídeos de “super ratos” em parques públicos próximos ao Louvre.

Ninguém sabe ao certo quantos ratos existem em Londres, embora algumas pesquisas privadas de exterminadores afirmem que a população de roedores desse tipo pode chegar a 20 milhões. É provável que haja mais deles do que os nove milhões de habitantes humanos da cidade, cujo crescimento populacional está diminuindo, de acordo com o Escritório de Estatísticas Nacionais.

Os ratos, entretanto, continuam a se multiplicar rapidamente. Pesquisa da empresa de controle de pragas Rentokil, citada no relatório GLA, afirmou que apenas um casal reprodutor de ratos pode levar ao nascimento de cerca de 1.250 por ano.

O tamanho dos ratos também está aumentando. Claydon afirma que não é incomum para ele pegar um rato medindo até 40 centímetros. Muitos, diz ele, requerem armadilhas mais fortes e mais veneno para matar.

Bungay, da Associação Britânica de Controle de Pragas, diz que o melhor remédio é a prevenção. Isso significa vedar qualquer resíduo de comida fora de casa em recipientes de lixo apropriados, manter os alimentos trancados dentro de casa e verificar se todas as saídas de ar estão protegidas com tela de aço e se as rachaduras foram preenchidas com aço e cimento. Aqueles que praticam a jardinagem também devem estar cientes de que montes de compostos atraem ratos, diz ela.

Os moradores de Londres também estão se acostumando a ver seus novos vizinhos, e estão cada vez mais espantados com a ousadia deles.

“Eu vi um vir até mim enquanto eu caminhava”, disse Jen Johnson, que mora no distrito oriental de Tower Hamlets.

“Eu vi outro subir em um prédio de apartamentos e gritei. Moro em Londres há quatro anos e nunca vi nada parecido”, diz ela. “Eles estão aparecendo em lugares que eu costumava pensar que eram belas paisagens.”

As autoridades de Tower Hamlets, que oferece aos seus residentes alguma ajuda gratuita com pragas, disse à CNN que “curiosamente, nossa equipe de controle de pragas recebeu menos chamadas durante a pandemia.” No entanto, um porta-voz do distrito não forneceu dados que confirmassem isso, e disse que não mantém números sobre o número de ratos mortos.

A cidade de Westminster e os distritos de Harrow, Waltham Forest e Redbridge, que ficam próximos à floresta de Epping, não responderam até o momento da publicação.

CNN

Opinião dos leitores

  1. É mesmo meme, vacina, grupo de risco, terceira idade, amigo, titia, casa animada? Como vc é escolado, será que vc tem certeza de sua hombridade, se não tiver não tenha vergonha, a gente tem visto muito desses casos como o seu por aí, bom para estudo. ???????????? se irritar não resolve.

  2. É melhor vc ir procurar sua vacina, 3ª idade é grupo de risco.
    Tenho um amigo que tem um tio (a) assim idosa, ele fala que é a animação da casa. ???

  3. É mesmo meme? Vc já teve ou tem algum amor desses, ou é daqueles enrustidos que gostam de fofoca. O problema hoje são só as ratazanas e os camundongos, se vc estiver outro defeito não precisa dizer, assuma em casa que o resto é sociedade ?????????

  4. Aqui no Brasil tem um que vale por mil, prenderam e soltaram, só toma cachaça, gosta de charutos cubanos (coisa de rico), triplex, sítio, palestra, bons amigos delatores, é chegado numa ratazana e sempre tem camundongos amestrados para o defender.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

“A economia e a saúde andam juntas. O Brasil está tentando comprar todas as vacinas”, diz Guedes, defendendo vacinação em massa

Foto: Pablo Jacob / Agência O Globo

O ministro da Economia, Paulo Guedes, defendeu nesta segunda-feira a vacinação em massa da população contra a Covid-19 como necessária para a recuperação da atividade econômica neste ano.

— A volta segura ao trabalho é importante, e a vacinação em massa é decisiva. A vacinação em massa é um fator crítico de sucesso para o bom desempenho da economia logo à frente — disse Guedes, em entrevista à imprensa sobre o resultado da arrecadação de impostos de 2020.

Até agora, o governo iniciou a distribuição de 2 milhões de doses produzidas pelo laboratório Astrazeneca em parceria com a universidade de Oxford importadas da Índia. Essa vacina também será produzida pela Fiocruz no Brasil.

Também estão sendo aplicadas pouco mais de 10 milhões de doses produzidas pelo laboratório chinês Sinovac em parceria com o Instituto Butantan.

— Estamos começando a vacinação em massa, que vai garantir o retorno seguro ao trabalho. A economia e a saúde andam juntas. O Brasil está tentando comprar todas as vacinas. Estamos tentando adquirir todas as vacinas — disse Guedes, parabenizando a Fiocruz, o Butantan, a Anvisa, as Forças Armadas e os profissionais de saúde.

Para o ministro, saúde e economia “andam juntas”. Por isso, afirma, a vacinação em massa, o retorno seguro ao trabalho e a votação de propostas econômicas pelo Congresso são necessários para destravar a economia.

— Limpar a pauta logo na volta no Congresso, destravar o horizonte de investimentos, transformar esse empurrão na economia à base do consumo numa retomada sustentável de crescimento pela reformulação dos marcos regulatórios é crítico. A nossa agenda é clara. Nós temos que acelerar as privatizações, reduzir as alíquotas de impostos — disse Guedes.

Ao contrário do discurso adotado por parte do governo ao longo da pandemia, que defendeu a volta à “normalidade” e ao trabalho apesar do aumento no número de casos da doença e de mortes, Guedes pediu que as pessoas se cuidem.

— Espero que todos se cuidem. Saúde e vacinação em massa são críticos, são fatores críticos de desempenho econômico também. Então, para que a economia possa voar novamente, nós precisamos acelerar essa vacinação em massa — disse.

Guedes aproveitou também para pedir a aprovação de projetos e reformas pelo Congresso após a volta ao trabalho dos parlamentares, a partir da semana que vem.

— Sempre houve essa perspectiva que a saúde e a economia andam juntas e nós precisamos enfrentar esses dois desafios simultaneamente — afirmou.

Sem citar nomes, o ministro criticou quem “sobe em cadáveres” para fazer política.

— Tem muita gente subindo em cadáveres para fazer política. Isso não é bom. A população e os eleitores vão saber diferenciar isso lá na frente — afirmou o ministro.

O Globo

Opinião dos leitores

  1. Fortes mesmo kkkkkkkk são o pingunço de nove dedos , a analfabeta da Anta, o vampiro de Recife, a amante, Lilindenberg, Ze Geraldo, Haddad, Manuela D'avila, Falcão, e os demais derrotados do PT.

  2. A globo tentando livrar a cara do Guedes. O Brasil miliciano com a política entreguista e exploradora de Guedes está acabado. A globo tenta dissociar o Guedes do bolsonaro, mas são obras da mesma engenharia. Um ataca om povo enquanto ser humano e o outro ataca os seus direitos e sua dignidade.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

‘Vacinação gratuita, voluntária e em massa’ é o que o país precisa para que a “asa da saúde bata ao mesmo tempo da asa da recuperação econômica”, diz Guedes

Foto: Marcos Corrêa/PR

O capítulo mais importante no combate à pandemia de covid-19 está para começar com a vacinação em massa, disse há pouco o ministro da Economia, Paulo Guedes. Em apresentação do balanço de fim de ano da pasta, ele defendeu a liberação de R$ 20 bilhões para o programa de imunização.

“O capítulo mais importante vem agora, que é a vacinação em massa. São mais R$ 20 bilhões para a vacinação em massa dos brasileiros”, declarou o ministro. Guedes defendeu que a imunização seja opcional, mas ressaltou que as vacinas são importantes para sustentar a retomada da economia, garantindo a volta da população ao trabalho presencial.

“O retorno seguro ao trabalho exige a vacinação em massa da população brasileira. É uma vacinação voluntária e o que o governo tem que fazer é disponibilizar todas as vacinas para a população de forma voluntária e gratuita. Qualquer brasileiro pode escolher a vacina que ele quer tomar, não paga pela vacina e escolhe a vacina se quiser tomar. Essa vacinação gratuita de forma voluntária para os brasileiros é o que nós precisamos para que a asa da saúde bata ao mesmo tempo da asa da recuperação econômica”, afirmou.

Auxílio emergencial

O ministro elogiou o auxílio emergencial. Segundo Guedes, o Brasil privilegiou a proteção da população no início da pandemia e conseguiu implementar um programa de transferência de renda mais rápido que muitos países, promovendo a inclusão bancária por meio da tecnologia. “Diversos países desenvolvidos ainda mandam cheque para a casa das pessoas”, disse.

Emprego

Guedes também elogiou o programa de suspensão de contratos e de redução de jornada durante a pandemia, que segundo ele, ajudou a preservação do emprego formal. Ele citou as estatísticas do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), que registra as contratações e demissões de postos com carteira assinada, e disse que o país pode encerrar o ano zerando a perda de empregos registradas durante a pandemia de covid-19.

De janeiro a outubro, o Caged registrou a perda de 171,1 mil postos de trabalho formais. Até setembro, a eliminação de vagas estava em 558,6 mil. “Não sei se conheço outros países que conseguiram [em 2020] manter 33 milhões de empregos formais”, declarou.

Guedes citou ainda o programa de crédito que ajudou cerca de 650 mil micro, pequenas e médias empresas e também mencionou ajuda a setores da economia, como aviação, como fatores que também ajudaram na preservação de empregos.

Reformas

Apesar do aumento de gastos públicos em 2020, Guedes reiterou a defesa do compromisso com as reformas estruturais depois da pandemia. Destacou que, mesmo com a paralisação das discussões no Congresso nos últimos meses, a equipe econômica conseguiu recentes vitórias, como a aprovação da nova Lei de Falências, do projeto de ajuda a estados em troca de um plano de ajuste fiscal, da liberalização da navegação de cabotagem e da autonomia do Banco Central (aprovada pelo Senado e em discussão na Câmara).

Agência Brasil

Opinião dos leitores

  1. Aliás, depois que o indigitado saiu, a curva ascedente de óbitos se estabilizou?
    É só uma correlação, viu? Relação de causalidade? Quem sabe.
    A se pensar.

  2. Ou seja, Mutreta pulou fora (ou foi 'pulado') quando a bomba (igual ao resto do Mundo) estava explodindo.

  3. Vc compara períodos em que uma das médias comparada parte praticamente do zero, cotejando com uma área de platô. Compara o periodo de ascenção com o de estabilidade em mortes diárias.
    aliás, nisso o pior foi lá por fins de julho. Bem 'honesta' a sua comparação.

  4. Hô Véio macho é Paulo Guedes.
    A vacina vai ser gratuita, disponibilize logo e pare de pagar auxílio emergencial, o governo vai economizar E deixe que os governos estaduais e municipais se virem, para manter a máquina pública.
    #Bolsonaro tem razão

  5. O ministro acordou inspirado . O governo de Tonho deu uma guinada depôs da ação profícua , rápida e eficiente do excelente governador Dória . Tonho está uma manteiga . Antes tarde do que nunca .

  6. Em *03/06* o atual ministro da saúde do Brasil foi nomeado como interino. Certo? CERTO!
    Nesse dia o Brasil tinha um acumulado*32,5 mil óbitos por covid registrados.
    Considerando que a primeira morte foi registrada em 12/03* conta mais ou menos 81 dias entre as duas datas.
    Se dividirmos 32500/81, pelas continhas dá 401 mortes/dia, em média só por covid 19.
    Se contarmos que de 04/06 até hj 17/12, se passaram 193 dias e o Brasil tem mais 152,3mil óbitos registrados por covid19, fazendo novamente as continhas….?
    152300/193, dá 789 mortes/dia, em média.
    Comparando, até hj, se nada mudou na matemática 783 é quase o dobro de 401.
    Ou seja, comparando o periodo antes e depois da nomeação do ministro Pazuello e considerando o advento de "tratamentos precoce" com a Cloroquina, Ivermectina, terapia com Ozônio e outras cositas más no mesmo periodo, o número médio de mortes/dia por covid 19 praticamente DOBRIU, na atual gestão da pasta Ministério da Saúde.
    Se isso significa que o presidente tem razão na forma como está conduzindo a crise do covid19, não sabemos mais o que significa ele estar errado.
    Chega logo vacina!

    1. Quando eu vejo essa campanha ignomioosa contra a cloriquina e outros medicamentos (ozônio é só um espantalho de picaretas que tentam jogar na mesma vala medicamentos empricamente válidos) para uso PRECOCE, a gente sabe que é politica mesmo que está de discutindo com gente insidiosa. E comparar o período de ascenção da doença com o de platô é pura vigarice.
      Vai ver as mortes per capita na Europa.

    2. Vc compara períodos em que uma das médias comparada parte praticamente do zero, cotejando com uma área de platô. Compara o periodo de ascenção com o de estabilidade em mortes diárias.
      aliás, nisso o pior foi lá por fins de julho. Bem 'honesta' a sua comparação.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Judiciário

Com alta da covid, MPRN recomenda suspensão de eventos de massa em mais 13 municípios, e total já chega a 39; veja lista

Foto: Ilustrativa

O Ministério Público do Rio Grande do Norte (MPRN) expediu mais 13 recomendações para que Prefeituras municipais suspendam, imediatamente, a realização de quaisquer eventos corporativos, técnicos, científicos, convenções, shows ou qualquer outra modalidade de evento de massa. Essas 13 recomendações foram publicadas na edição do Diário Oficial do Estado (DOE) desta sexta-feira (18) e agora já são 39 recomendações semelhantes para cidades de todo o Estado.

A série de recomendações do MPRN vale para eventos públicos ou privados, promovidos ou patrocinados pelo ente público ou por particular, incluindo queima de fogos para o réveillon, que impliquem em aglomerações de pessoas.

As recomendações são direcionadas a prefeitos e secretários municipais de saúde, que devem fortalecer ações de prevenção e monitoramento do Covid-19 tendo como principal ação a suspensão de eventos de massa. Os 13 municípios alcançados nesta sexta-feira são Currais Novos, Lagoa Nova, Cerro Corá, Serra Negra do Norte, Timbaúba dos Batistas, São Fernando, Taboleiro Grande, Riacho da Cruz, Viçosa, Portalegre, Baraúna, Antônio Martins e Martins. Nessa quinta-feira(17), a recomendação foi destacada para Mossoró, Patu, Messias Targino, Ouro Branco, Jardim do Seridó, São José do Seridó, Cruzeta, São José do Campestre, Serra de São Bento, Monte das Gameleiras, Arez, Georgino Avelino, Goianinha, Extremoz, Serrinha dos Pintos, Macau, Guamaré, Galinhos, Areia Branca, Grossos, Tibau, Santana do Matos, Upanema, Touros, São Miguel do Gostoso e Rio do Fogo

A medida foi estabelecida em Decreto Estadual, publicado no último dia 8 de dezembro, e que suspende os eventos promovidos ou patrocinados pelo Governo do RN que impliquem em aglomeração de pessoas e dá outras providências como justamente recomendar que os municípios adotassem ações necessárias para a suspensão de show e eventos públicos ou privados de massa. Três dias antes, o Comitê de Especialistas da Secretaria de Saúde do Estado (Sesap), já sinalizava para essa necessidade de cancelamento de eventos e também para a elaboração de instrumento normativo orientativo para os municípios de como proceder para garantir a segurança sanitária e o controle da pandemia.

A recomendação ministerial ainda orienta que os Municípios cancelem as autorizações para a promoção de eventos públicos ou privados que possam gerar aglomeração de pessoas, que porventura tenham sido anteriormente liberados no âmbito do território de cada Município.

Opinião dos leitores

  1. Onde estava o MPRN no período das eleições? Acho que estavam de férias como também estava o virus chinês!!

  2. Essa turma trabalha em casa ou nos seus gabinetes refrigerados, com um gordo salário garantido no final do mês, quem trabalha, produz e paga impostos, é quem tem que se lascar, hipócritas!

  3. O MP não tem poder de nada sobre o TSE, o povo fica questionando o MP que não tem poder pra cancelar uma eleições só eventos pequenos q tb não seja do interesses deles …

  4. MP se mete em tudo que traz holofotes, esquece de suas funções básicas, recomendação não é determinação, quem emite a autorização de evento são as prefeituras, que o executivo Não participe de eventos até entendo, mas os eventos privados que cumprirem regras sanitárias, levanta outras interpretações, pra finalizar, e os 5 milhões? Que tipo de atuação está tendo esse MP? Fica a pergunta como cidadão indignado.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *