Sisu, Prouni e Fies: veja datas para o 1º semestre de 2020

Foto: Ana Carolina Moreno/G1

Os candidatos que fizeram a edição 2019 do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) poderão ver o resultado em 17 de janeiro de 2020. Com as notas em mãos, os estudantes devem ficar atentos aos cronogramas do primeiro semestre do Sisu, do Prouni e do Fies, que já foram divulgados pelo Ministério da Educação (MEC).

Veja abaixo as datas:

Sisu

O Sistema de Seleção Unificada (Sisu) é o sistema do MEC que reúne centenas de milhares de vagas de graduação em universidades públicas brasileiras. Para participar do Sisu em 2020, é preciso ter feito o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) em 2019, e não ter tirado nota zero na prova de redação.

Cronograma do Sisu 2020:

Abertura das inscrições: 21 de janeiro
Fim das inscrições: 23h59 de 24 de janeiro
Resultado: 28 de janeiro

Prouni

O Programa Universidade Para Todos (Prouni) oferece bolsas de estudo parciais (que cobrem 50% da mensalidade) e integrais em universidades privadas em cursos de graduação e de cursos sequenciais de formação específica. O programa tem dois critérios de avaliação: desempenho no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) e a avaliação da renda familiar.

Cronograma do Prouni 2020:

Início das inscrições: 28 de janeiro de 2019
Fim das inscrições: 31 de janeiro de 2019 (às 23h59)
Primeira chamada: 4 de fevereiro de 2019
Entrega dos documentos para garantir a matrícula: 4 a 11 de fevereiro de 2019
Segunda chamada: 18 de fevereiro de 2019
Entrega dos documentos para garantir a matrícula: 18 a 28 de fevereiro de 2019
Adesão à lista de espera: 6 a 9 de março de 2020

Fies

O Programa de financiamento Estudantil (Fies) é um programa de financiamento para estudantes cursarem o ensino superior em universidades privadas e, atualmente, possui duas categorias: a primeira, oferece vagas com juros zero para os estudantes com renda mensal familiar de até três salários mínimos. Já a segunda, chamada P-Fies, é direcionada para os estudantes com renda mensal familiar de até cinco salários mínimos.

Cronograma do Fies 2020:

Inscrições: 5 a 12 de fevereiro
Pré-seleção: 26 de fevereiro
Chamada da lista de espera: 26 de fevereiro a 31 de março

Universidades particulares

As notas do Enem também podem ser usadas nas universidades particulares que não participam do Prouni, mas utilizam a nota no lugar do vestibular próprio. Elas podem estabelecer regras para o processo seletivo, que é desvinculado de qualquer programa do governo.

Além disso, mais de 40 universidades em Portugal também aceitam o exame como forma de ingresso.

G1

STF: candidatura avulsa, sem necessidade de filiação a um partido político, pode ser votada no 1º semestre, diz Barroso

Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

O ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), disse nesta segunda-feira (9) que vai liberar no primeiro semestre de 2020, para votação no plenário da Corte, o processo que pode resultar na liberação da candidatura avulsa, sem necessidade de filiação a um partido político.

Barroso preside nesta segunda-feira, na sede do Supremo em Brasília, uma audiência pública para debater o assunto. O ministro é relator do recurso de duas pessoas que tentaram se candidatar a prefeito e vice do Rio de Janeiro em 2016, mas foram barrados pela Justiça Eleitoral por não terem partido.

O caso tem repercussão geral, e uma decisão do Supremo deverá afetar todos os processos em que pessoas sem filiação partidária almejem concorrer em eleições majoritárias ou proporcionais.

“A posição deste tribunal, pelo menos deste relato neste momento, é nenhuma. Portanto, meu papel aqui é verdadeiramente vazio de convicções prévias e total disponibilidade intelectual para ouvir todos os argumentos que serão postos aqui”, disse Barroso ao abrir a audiência pública. “A minha ideia é ser capaz de liberar esse tema para a pauta no primeiro semestre do ano que vem”, afirmou em seguida.

Barroso disse que o debate deve ser considerado em duas etapas: num primeiro momento é preciso entender se o Supremo tem caminhos para decidir sobre o assunto, ou se o tema caberia apenas ao Parlamento; superada essa parte, deve-se saber se é indispensável para o país a filiação partidária para fins de candidatura. “Se isso é bom e fortalece a democracia. Ou se isso significa uma reserva de mercado para partidos que, muitas vezes, não têm democracia interna”, disse o ministro.

Falas

No primeiro bloco, ao falar em nome da Câmara dos Deputados, a deputada Margarete Coelho (PP-PI) afirmou que a Constituição é clara ao exigir, no artigo 14, a filiação partidária para a elegibilidade, motivo pelo qual não haveria espaço para se debater o assunto fora do Congresso Nacional.

“O que se diz aqui é que já há uma opção clara pela vedação da candidatura avulsa, o constituinte originário foi claro em seus objetivos”, afirmou a deputada. “O que se pede é que esse debate seja transferido para a casa do povo, que seja debatida com o povo, para que seja uma escolha política”, defendeu a parlamentar.

A advogada Luciana Diniz Nepomuceno, presidente da Comissão de Estudos da Reforma Política da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), também argumentou contra as candidaturas avulsas, afirmando que elas devem agravar a pulverização dos interesses políticos que já enfraquece a democracia brasileira.

“Os partidos políticos são os principais responsáveis por agregar a grande complexidade e pluralidade de vontades individuais presentes em toda nossa sociedade, reduzindo essas vontades e representando-as perante as instituições”, disse a advogada. “Função essa que não é substituída nem alcançada pelas candidaturas independentes”, afirmou. “As candidaturas independentes irão apenas fortalecer o individualismo”.

Do outro lado, o deputado federal Luiz Philippe de Orleans e Bragança (PSL-SP) e a deputada estadual Janaina Paschoal (PSL-SP) defenderam as candidaturas avulsas. Eles criticaram sobretudo o que chamaram de oligarquias que controlam os partidos e argumentaram que a concorrência com candidatos sem partido pode forçar as próprias legendas a se aperfeiçoaram internamente.

“Hoje eu vejo, via por fora, agora vejo por dentro, que existe no mundo partidário nacional um cartel”, afirmou Janaina. “Eles [líderes partidários] se unem, eles criam regras para se perpetuarem no poder e para asfixiarem qualquer indivíduo ou qualquer grupo livre que tente se estabelecer ou tente estabelecer uma regra diferente”, argumentou.

Partidos

Ainda pela manhã, representantes de partidos continuaram a se manifestar contra as candidaturas avulsas, insistindo que somente o Congresso teria a prerrogativa de discutir a questão. “A permissão de candidatura avulsa só poderia ser feita por emenda constitucional e não por outro caminho, dada a maneira explícita como isso é tratado em nossa Constituição”, afirmou o representante do MDB, senador Marcelo Castro (PI).

“Desde a origem, não há na confecção, na construção, na elaboração daquela Constituição, que vinha num arroubo de fechar um período de autoritarismo, qualquer reflexão em relação a legitimar as candidaturas avulsas”, lembrou Bruno Araújo, presidente nacional do PSDB.

Manifestaram-se contra as candidaturas avulsas ainda representantes de PT, PROS, DEM, Solidariedade, PL, PSD, PMN e PSB. Ainda devem falar representantes dos partidos Novo e PSB. A audiência pública continua à tarde com manifestações de movimentos sociais, instituições de ensino e acadêmicos.

Agência Brasil

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Geraldo disse:

    É o que eu já vem falando a muito tempo a sociedade local escolhe um cidadãos respeurado adota como candidatos para apresentá-los e faz acampanha voluntariamente, aí temos o povo representado diretamente independente dos atuais partidos que na verdade são clubes ou organizações onde se junta todos tipos de aventureiros, maiús carater e corrumptos mau intencionados e criminosos que querem se dar bem sem ter que correr riscos ou trabalhar duro, e o resultado é isso que se ver aí atualmente, políticos sem afinidades com os cidadãos contribuintes e patrão e bem com a pátria e a nação.

  2. Renata Bastos disse:

    Aprovo. Tudo que precisamos é de candidato competente, coerente e sem amarras políticas.
    Cai perfeito para o MORO.

  3. Antonio Turci disse:

    Aprovo. Qualquer cidadão em pleno uso de suas prerrogativas tem direito de ser candidato a qualquer cargo eletivo no Poder Executivo.

  4. Alaca disse:

    Só espero q seja factível.

  5. J. Dantas disse:

    Excelente! Se o cidadão é honesto, transparente, trabalhador e tem boas propostas, tem o direito de se candidatar a qualquer cargo político sem precisar filia-se as quadrilhas políticas.

Homicídios e outros oito crimes violentos caem no país 1º semestre

Foto: Tânia Rego/Arquivo/Agência Brasil

O número de homicídios caiu 22% em todo o país durante o primeiro semestre deste ano, em comparação com o mesmo período de 2018. A informação foi divulgada nesta segunda-feira(14), em Brasília, pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública, com base em dados do Sistema Nacional de Informações de Segurança Pública, Prisionais, de Rastreabilidade de Armas e Munições, de Material Genético, de Digitais e de Drogas (Sinesp).

O resultado já havia sido parcialmente antecipado pelo presidente Jair Bolsonaro, que, ontem (13), usou sua conta no Twitter para comemorar o que classificou como um dos pontos positivos de seu governo. Segundo o presidente, no primeiro semestre deste ano foram registrados 5.423 assassinatos a menos que no mesmo período de 2018.

Segundo o ministério, a redução no total de ocorrências também foi verificada nos outros oito tipos de crimes registrados na plataforma que reúne informações fornecidas pelos estados e pelo Distrito Federal, a partir de boletins de ocorrência das polícias civis.

Os casos de estupro caíram 12%. Tentativas de homicídio foram reduzidas em 9,4%. Também houve queda no total de latrocínios (-23,8%); lesão corporal seguida de morte (-3,2%); roubos contra instituições financeiras (-40,9%); roubo de carga (-25,7); roubo de veículo (-27%) e furto de veículo (-9,9%).

Agência Brasil

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Manoel disse:

    Engraçado que nos governos do PT essas taxas aumentavam ano após ano!!!

  2. Ems disse:

    Não pode ser !!! A mídia diz que tudo vai de mal a pior.

  3. Só Comento disse:

    Parabéns ao ministro Moro e aos profissionais da segurança pública nos estados!! Não fosse a fraca petista nas rédeas da segurança pública do nosso estado, localmente estaríamos num patamar bem mais avançado.

Lucro do BNDES cresce 190% no 1º semestre; R$ 13,808 bilhões

FOTO: AGÊNCIA BRASIL/ARQUIVO)

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) apresentou lucro líquido de R$ 13,808 bilhões no primeiro semestre deste ano, alta de 190,1% frente ao mesmo período do ano passado, quando foi de R$ 4,76 bilhões, informou a instituição nesta quarta-feira.

O desempenho semestral foi influenciado pelo resultado de participações societárias, que cresceu 228,4% no primeiro semestre, para R$ 13,47 bilhões, refletindo a venda de participação na Petrobras, Vale, Rede Energia, além da operação de incorporação de Fibria pela Suzano. As alienações somaram R$ 10,392 bilhões no período.

Segundo a superintendente de controladoria do banco, Luciana Torres Bastos, o banco conseguiu reverter uma provisão para risco de crédito de R$ 900 milhões.

“A reversão da provisão para risco de crédito foi influenciada pelo recebimento de R$ 900 milhões do Fundo de Garantia à Exportação (FGE), referente a créditos 100% provisionados, basicamente Venezuela”, disse Bastos. Ela também destacou que, apesar da redução da carteira de operações de crédito, o BNDES registrou aumento do produto da intermediação financeira.

O resultado da intermediação financeira foi de R$ 7,96 bilhões no ano passado, 21,8% a mais do que no ano anterior. Já a carteira de crédito somou R$ 470,6 bilhões em junho, com queda anual de 9,3%, conforme dados do balanço divulgados nesta quarta-feira pelo banco de desenvolvimento.

O balanço mostra ainda que o baixo dinamismo da economia brasileira segue influenciando os indicadores de desempenho do BNDES. Os desembolsos acumularam R$ 25,2 bilhões no primeiro semestre, contração nominal de 9% frente ao mesmo período de 2018. “O destaque positivo no semestre se refere aos desembolsos para infraestrutura, que totalizaram R$ 11,4 bilhões, alta nominal de 4% em relação ao primeiro semestre de 2018”, informou o banco.

Tesouro Nacional

O presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Gustavo Montezano, disse que a instituição está confortável para devolver R$ 126 bilhões de recursos ao Tesouro Nacional neste ano.

O presidente do banco reconheceu, porém, que a volatilidade dos resultados das participações societárias do banco provoca volatilidade no resultado da instituição como um todo, o que pode comprometer os propósitos do BNDES. “Essa volatilidade, ao comprometer [o índice de] Basileia, faz com que tenhamos que trabalhar com colchão muito maior, que impacta até a devolução de recursos para a União”, disse o presidente do banco.

Montezano afirmou que existe “alguma chance” de novas vendas de participações neste ano. Ele não quis dar mais detalhes porque as informações podem alterar o mercado.

O presidente também confirmou ter recebido do Ministério da Economia solicitação para a devolução antecipada de dividendos, até o limite estatutário de 60% do lucro líquido “Estamos estudando a demanda e dentro das nossas possibilidades vamos fazer o possível para atender.”

Menor risco

Segundo o diretor de crédito e participações do BNDES, André Laloni, a volatilidade da carteira do banco é maior que a do próprio Índice Bovespa (Ibovespa). “É um risco de renda variável que não é condizente com a atividade do banco”, acrescentou o diretor do banco.

Laloni disse que a carteira do banco precisa ser administrada para ser sustentável, e não para gerar o maior lucro possível. “Vamos diminuir o perfil de risco da carteira e adaptar ao propósito do banco”, disse ele, reiterando que a “missão do banco não é maximizar o valor de um portfólio”.

Durante coletiva sobre os resultados do banco no semestre, o diretor de finanças do BNDES, José Flávio Ramos, acrescentou que os recursos do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT) vão cair 10% ao ano até 2020, o correspondente a R$ 5 bilhões anuais. “O capital do BNDES é de R$ 185 bilhões e vai cair para ordem de R$ 130 bilhões a R$ 120 bilhões”, afirmou Ramos, acrescentando que a devolução de recursos do FAT é um “ponto de atenção” para Basileia. “Estamos acompanhando de perto e vai acontecer no longo prazo”.

Globo, via Valor

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Tarcísio Eimar disse:

    Em pleno momento de crise consegue o banco se reerguer tão rapidamente. E sinal q o ralo foi fechado. Acabou a farra da petralhada.

  2. Bob disse:

    Vai fazer em breve, dois anos que Luiz Odebrecht Inácio Lula da Silva, não rouba, não lava dinheiro e nem deixa roubar, o resultado obviamente é esse.
    Vamos avante Brasil.

  3. Emmanoel do Nascimento Costa disse:

    Lucro bom devido a venda de ativos.

  4. Olimpio disse:

    A quadrilha petista tá presa junto com o chefe.

  5. Dilma disse:

    Os ratos PTralhas deixaram de roubar

Procura por destinos brasileiros cresce 30% no 1º semestre

Capital paulista foi o destino mais procurado, segundo levantamento Crédito: Rogério Cassimiro/MTur

Os turistas nacionais e internacionais buscaram mais os destinos brasileiros durante o primeiro semestre deste ano. É o que aponta levantamento realizado pela agência de viagens online, Expedia. De acordo com o estudo, entre janeiro e junho, a procura pelo Brasil cresceu 30%, sendo o mercado doméstico o que mais demandou viagens dentro do país, correspondendo a 77% da busca no período. Os outros 23% foram preenchidos principalmente por visitantes oriundos de países como Estados Unidos, Argentina, Chile, Reino Unido e México.

Entre os destinos mais demandados estão São Paulo (SP), Rio de Janeiro (RJ), Brasília (DF), Curitiba (PR), Salvador (BA) e Fortaleza (CE). A capital cearense foi a que mais cresceu em buscas no mesmo período e teve a maior duração média de permanência: 3 dias. O mês com maior demanda do exterior no país foi fevereiro.

Para o ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, é notória a vontade dos brasileiros em conhecer o próprio país. De acordo com ele, a Pasta está realizando ações focadas no turismo interno para que isso se concretize cada vez mais. “Isso é só o começo. Estamos trabalhando para que as viagens dentro do Brasil se tornem acessíveis aos brasileiros e que gere, além do prazer de conhecer outras culturas e lugares, emprego e renda para a população. Somos um país rico em turismo, mas que era tão pouco aproveitado. Podemos e vamos fazer muito mais”, pontuou.

De acordo com o levantamento, se observado o segundo trimestre de 2019 a procura foi ainda maior. O índice cresceu 35%, comparado com o mesmo período do ano passado. Os brasileiros seguem como os que mais buscaram viagens nacionais: 8 em cada 10 foram para algum destino do país. As capitais paulista, carioca, paranaense e brasileira também foram as mais demandadas em abril, maio e junho.

AÇÕES DE DESENVOLVIMENTO – O Ministério do Turismo tem trabalhado para tornar o setor de Viagens uma das principais molas propulsoras da economia. Em pouco mais de sete meses de governo, a atual gestão já investiu R$ 233 milhões em 410 obras de infraestrutura turística que levarão mais qualidade para os serviços turísticos dos destinos brasileiros. Além disso, a Pasta lançou o programa Investe Turismo, com investimentos de mais de R$ 200 milhões, para alavancar o desenvolvimento de 30 rotas turísticas espalhadas em todo o país.

Outra medida realizada nesta nova gestão foi a atração de novas empresas aéreas no mercado. A aposta é impulsionar a entrada de empresas estrangeiras para tornar o setor ainda mais acessível à população, com preços menores e uma diversidade de opções para viajar. A Air Europa foi a primeira a se instalar no país e já está autorizada a operar voos entre destinos nacionais. Outro exemplo é a chegada da low cost argentina Flybondi que incluiu o Brasil em sua estratégia de mercado e já vende bilhetes de Buenos Aires a duas cidades brasileiras: Rio de Janeiro e Florianópolis.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Olimpio disse:

    O trabalho dignifica às pessoas, melhor do que fazer protesto em um meio de semana atrapalhando o ir e vir de quem está trabalhando.

    • GEORGE disse:

      O PROBLEMA É QUE BRASILEIRO É PREGUIÇOSO . ADORA UM FERIADO E GANHAR DINHEIRO FÁCIL!

  2. Ricardo disse:

    Bolsominios em festa! A Câmara acaba de aprovar o trabalho aos Domingo sem direito a hora extra. Ponto bom disso tudo é que aquelas manifestações fascistas no Domingo vão acabar, afinal se manifestar em dia de trabalho é vagabundagem né Minions?!

    • Manoel disse:

      Não se preocupe amigo, as manifestações de esquerda continuaram sendo em dias úteis e em horário escolar pra justificar a ausência do professor em sala de aula e sem esquecer de atrapalhar o trânsito do povo que trabalha! Por falar em manifestações, a governadora do PT já voltou atrás e vai descontingenciar a verba na UERN? Contingenciar verba da educação eh coisa de governo facista né?

    • Raimundo disse:

      O problema do esquerdista é de interpretação de texto, a MP é explícita trabalho aos domingos a remuneração é dobrada, e ainda garante a folga semana remunerada. Rapaz lê o texto todo para não passar vergonha as manchetes do Brasil 247 são tendenciosa vai por mim

R$ 1,5 BILHÃO: Governo Federal concede ao RN a maior verba na região Nordeste no 1º semestre para execução de obras de infraestrutura

O total de recursos concedidos para projetos de infraestrutura por meio do Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste (FNE) superou em 15% a projeção para o primeiro semestre deste ano. Os valores são administrados pelo Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR) e concedidos por meio do Banco do Nordeste (BNB).

O maior captador nos primeiros meses de 2019 foi o Rio Grande do Norte. O estado alcançou a marca de R$ 1,5 bilhão, valor 2,5 vezes superior ao projetado para o período. Isso representa ainda 27,1% do total captado na área de atuação da Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste (Sudene), que abrange os nove estados nordestinos, mais as regiões norte do Espírito Santo e de Minas Gerais.

Em Sergipe, o volume de recursos para infraestrutura ficou 138% acima do previsto, alcançando a marca de R$ 89,6 milhões. Minas Gerais também apresentou números expressivos, ao bater a projeção do início do ano em 135%, com um montante de R$ 889,8 milhões.

Com R$ 316,7 milhões contratados, a Paraíba superou a expectativa em 101%. Por sua vez, o Espírito Santo ficou com R$ 252 milhões, número 45% acima do projetado para a concessão de financiamentos. Já a Bahia bateu o total previsto para o primeiro semestre em 5%, ao alcançar a marca de R$ 1,3 bilhão.

“O FNE é um importante instrumento para aquecer a economia e impulsionar o crescimento do Nordeste. E investir em infraestrutura permite levar o desenvolvimento de forma mais rápida para todas as áreas, além de estimular a geração de emprego e renda na região”, afirma o ministro do Desenvolvimento Regional, Gustavo Canuto.

Alguns estados, embora não tenham apresentado projetos em valor suficiente à projeção para os seis primeiros meses do ano, contrataram um grande volume de recursos para infraestrutura. O Ceará, por exemplo, teve acesso a R$ 842,5 milhões, o equivalente a 90% do previsto. Pernambuco, com R$ 401,6 milhões (51%), e Piauí, com R$ 86,9 milhões (30%), também ficaram abaixo da meta estabelecida para o período.

Já Maranhão e Alagoas não tiveram contratos fechados por meio do FNE para o setor de infraestrutura durante o primeiro semestre de 2019.

Por setor

A maior concentração de financiamentos se deu para projetos de geração de energia eólica. Foram cerca de R$ 3,8 bilhões, valor que representou 2/3 do total concedido. Os investimentos em transmissão e em usinas termelétricas ficaram em R$ 548,1 milhões e R$ 842,5 milhões, respectivamente. Também houve a efetivação de contratos para a fonte fotovoltaica, R$ 242,9 milhões; e para o ramo de distribuição, R$ 17,9 milhões.

Relevância

Desde o ano passado, ao menos 30% do montante distribuído pelo FNE é voltado ao financiamento de projetos na área de infraestrutura. Neste ano, o Fundo, como um todo, já disponibilizou R$ 13,4 bilhões. Dessa maneira, os R$ 5,7 bilhões para infraestrutura representam 42,9% desse total. Os recursos podem ser utilizados, por exemplo, em projetos de geração de energia elétrica por fontes renováveis ou na construção, ampliação e recuperação de estradas.

O FNE é um dos três fundos constitucionais criados para implementar a política de desenvolvimento regional e reduzir as desigualdades entre as diferentes áreas do País – os outros são o do Centro-Oeste (FCO) e do Norte (FNO). Apesar de oferecer condições atrativas também a grandes investidores, os recursos são voltados, prioritariamente, a atividades de pequeno e médio porte. Para o setor rural, inclusive, as taxas de juros são as mais baixas de mercado e contemplam agricultores familiares por meio do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf).

Com informações do Ministério do Desenvolvimento Regional

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. ANTONIO BERALDO disse:

    Sou de São Paulo, mas torço para o Governo Federal investir maciçamente no Nordeste. Se ao invés de investir nos países comunistas a esquerda tivesse investido no Nordeste, hoje eles seriam como o sul e o sudeste. Abraços aos Nordestinos

  2. Justo disse:

    Essa verba vem pro nosso RN pq foi enviado PROJETOS.
    Outros "GOVERNANTES", só enviavam o "PIRES "!

  3. Junior OLIVEIRA disse:

    Pensem num texto falacioso e tendencioso. Passa a ideia que o governo federal está repassando dinheiro público para o governo estadual investir em infraestrutura, porém isso não é verdade. Os recursos são do banco do Nordeste, emprestados a pessoas físicas, ou jurídicas, não publicas, que recebem empréstimos para desenvolver ações em áreas que possam desenvolver infraestrutura e a economia de uma região, estado município. Sugiro conhecer melhor o fundo constitucional de financiamento do Nordeste. Ah menos que esta matéria tenha sido encomendada para este fim. Criar a impressão que o governo federal está investindo no RN.

  4. Lampejao disse:

    PQ O GOVERNO PETISTA NAO DIVULGA ISSO????…………É GÓPI!!!!!

  5. Bento disse:

    Esse é o meu Presidente.Até aqui o único Presidente que olha para o Nordeste, parabéns Messias Bolsonaro por tão grande gesto.
    E agora contrários vocês vão falar o que.

    • silva disse:

      Acredito que vc não tenha entendido a matéria!!

      Antes de esbravejar, veja que não me refiro a este ou aquele partido político, mas apenas afirmo que vc teceu seu comentário, sem ter compreendido, corretamente, a matéria!

      rsrsrs…

  6. Arnaldo Franco disse:

    Só o BG mesmo pra pegar essa noticia, direto do MDR (Ministerio do Desenvolvimento Regional). Já notaram que não é da Folhapress, O Globo, Agencia Brasil, Estadão Conteúdo ou mesmo da nossa TN? Obrigado mais uma vez, BG!

  7. Luladrão Encantador de Asnos disse:

    E agora o que dirão os PTraslhas?

  8. Marcone Teodosio de Melo disse:

    Pra ver, se essa anta que se diz Governadora tiver cabeça recupera a malha viária de todo estado e ainda sai no lucro, porque ela que vai aparecer, mais não sei se tem capacidade pra tanto.
    Parabéns ao Presidente.

  9. #GOPI disse:

    Farra do boi ….contrato sem licitação …em 30 dias os PTralhas terminam esse dinheiro , os PTralhas se deixarem eles secam o mar

  10. Manoel disse:

    É góipi!!! Isso não pode! Bolsonaro é contra os nordestinos… E o RN é rico, não precisa de ajuda federal e a governadora vai colocar a folha de pagamento em dia e sem reforma da previdência !!!

    • Anti-Político de Estimação disse:

      O dinheiro NÃO É de Bolsonaro não, é do povo brasileiro, arrecadado através dos tributos. Cabe agora cobrar, fiscalizar e monitorar onde serão investidas essas quantias.
      Chega de tanta torcida contra os governos federal e estadual ; vamos torcer que AMBOS sigam pelo melhor caminho.

    • Sem Corrupto de Estimação disse:

      Verdade e por essa razão foram destinados BILHÕES dos recursos públicos nos governos anteriores entre os anos de 2005 a 2016 a países falidos e com DITADORES como Venezuela, Guiné Equatorial, Líbia, Gabão, Irã, Urbequistão e Cuba.
      Segundo você o dinheiro é do povo, então você deve ter autorizado, pois 85% do povo brasileiro, tenho certeza que não autorizou e iriam preferir destinar as regiões do nordeste e norte.

Contas públicas têm rombo de R$ 14,42 bi no 1º semestre, diz BC

As contas do setor público consolidado, que englobam governo federal, estados, municípios e empresas estatais, registraram um déficit primário de R$ 14,424 bilhões no primeiro semestre deste ano, o equivalente a 0,43% do Produto Interno Bruto (PIB), informou o Banco Central nesta segunda-feira (30).

Isso significa que, nos seis primeiros meses deste ano, o conjunto das despesas superou a soma das receitas com impostos e contribuições. Essa conta, porém, não inclui os gastos com o pagamento dos juros da dívida pública.

Apesar de negativo, esse é o melhor resultado para os seis primeiros meses de um ano desde 2015, ou seja, em três anos. Naquele ano, foi registrado um superávit primário de R$ 16,223 bilhões. No mesmo período de 2017, por exemplo, as contas públicas registraram um déficit de R$ 35,183 bilhões.

O resultado do primeiro semestre pode ajudar o setor público a atingir sua meta fiscal – que é de um rombo de até R$ 161,3 bilhões para o ano de 2018 fechado. Esse valor também não inclui os gastos com juros da dívida.

O governo federal registrou um déficit primário de R$ 28,718 bilhões no primeiro semestre deste ano (0,86% do PIB) e as empresas estatais apresentaram um rombo de R$ 1,080 bilhão. Mas esses resultados negativos foram parcialmente compensados pelo superávit de R$ 13,214 bilhões (0,39% do PIB) dos estados e municípios.

Somente em junho deste ano, ainda de acordo com informações do Banco Central, as contas públicas tiveram um déficit primário (despesas maiores do que receitas, sem contar juros da dívida) de R$ 13,491 bilhões. Foi o melhor resultado para esse mês desde 2016 (rombo de R$ 10,061 bilhões).

Após despesas com juros

Quando se incorpora na conta o gasto do governo central com o pagamento dos juros da dívida pública (conhecido no mercado como resultado nominal), as contas públicas registraram um déficit de R$ 57,941 bilhões em junho.

Em 12 meses até junho de 2018, o resultado ficou negativo (déficit nominal) em R$ 487,041 bilhões, o equivalente 7,28% do PIB. Esse valor é considerado alto para padrões internacionais e também para economias emergentes.

Esse número é acompanhado com atenção pelas agências de classificação de risco para a definição da nota de crédito dos países, indicador levado em consideração por investidores.

O resultado nominal das contas do setor público sofre impacto dos juros básicos da economia (taxa Selic), fixados pelo Banco Central para conter a inflação. Atualmente, a Selic está em 6,5% ao ano, o índice mais baixo da série histórica.

O pagamento de juros nominais somou R$ 44,450 bilhões em junho e R$ 397,217 bilhões em doze meses até junho de 2018 (5,94% do PIB).

Dívidas líquida e bruta

A dívida líquida do setor público (governo, estados, municípios e empresas estatais) subiu de R$ 3,416 trilhões em maio, ou 51,3% do PIB, para R$ 3,440 trilhões em junho deste ano – o equivalente a 51,4% do PIB.

A dívida líquida considera os ativos do país como, por exemplo, as reservas internacionais – atualmente ao redor de US$ 380 bilhões.

No caso da dívida bruta do setor público, uma das principais formas de comparação internacional e que não considera os ativos dos países, como as reservas cambiais, o endividamento brasileiro também cresceu: passou de 77,1% do PIB (R$ 5,133 trilhões), em maio, para R$ 5,165 trilhões em junho, ou 77,2% do Produto Interno Bruto.

O Tesouro Nacional observou recentemente que, de acordo com o Fundo Monetário Internacional (FMI), a dívida bruta de países emergentes, ou seja, no “mesmo estágio de desenvolvimento” do Brasil, está em cerca de 50% do PIB.

Ao mesmo tempo, as agências de classificação de risco consideram o patamar de 80% para a dívida bruta como um “valor de referência” para os países emergentes. Acima de 80%, elas consideram que a sustentabilidade da dívida do país poderia ficar comprometida.

G1

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Amon Carlos de Oliveira disse:

    Não era só tirar Dilma isso foi só o primeiro passo, o que deveria acontecer em seguida era intervenção militar e depois convocar eleições, para um novo presidente botar ordem nessa bagunça, é isso

  2. Manoel disse:

    Era melhor ter deixado Dilma e o PT fazendo pedaladas fiscais e encobrindo o rombo ilegalmente!!!

  3. Ricardo disse:

    Mas não era só tirar a Dilma e o PT????????? A "Ponte para o Futuro" do PSDB está demonstrando tudo isso e a classe trabalhadora que vestiu camisa da CBF e acreditou no MBL estão sofrendo as consequências. E vai piorar…..

    • Lino disse:

      Qualquer primata consegue perceber isso pelo gráfico. Já esta menos pior. Mas a gestão coliformica do PT sujou demais para pouco tempo de arrumação

  4. Leo disse:

    Era só tirar Dilma!!!!

Minha Casa, Minha Vida deve entregar 75 mil moradias no 1º semestre, diz ministro das Cidades

Niterói (RJ) – O ministro das Cidades, Alexandre Baldy, entrega moradias do Minha Casa, Minha Vida para famílias que sofreram com desastres do Morro do Bumba Rafael Luz/Ministério das Cidades

O ministro das Cidades, Alexandre Baldy, disse nesta sexta-feira (8) que o governo federal espera entregar, no primeiro semestre do ano que vem, pelo menos 75 mil novas moradias do Programa Minha Casa, Minha Vida. Segundo o ministro, neste mês devem ser entregues 25 mil unidades.

Baldy participou nesta sexta-feira da entrega de 220 unidades habitacionais do residencial Bento Pestana Condomínio I, em Niterói, na região metropolitana do Rio de Janeiro, na etapa do Programa Agora, é Avançar, lançado no início de novembro para acelerar a entrega de investimentos já iniciados.

Segundo o presidente da Caixa Econômica Federal, Gilberto Occhi, o orçamento que o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) vai destinar à instituição bancária no ano que vem é R$ 85 bilhões, dos quais cerca de R$ 65 bilhões serão para investimentos em habitação e o restante para saneamento, mobilidade e infraestrutura. “Acreditamos que vai haver um aumento da demanda, a economia está melhorando”, disse Occhi. “Habitação é um meio mais rápido de gerar mais empregos, de melhorar os índices econômicos.”

De acordo com a Caixa, desde o início do Minha Casa, Minha Vida, em 2009, o programa já beneficiou 14,4 milhões de pessoas com a entrega de mais de 3,6 milhões de moradias no país.

Agência Brasil

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. jv disse:

    interessante ANTÕNIO, os desempregados e tudo de mais ruim que tá acontecendo, é culpa do vampirão, porém as obras que o vampiro inaugura, temos que agradecer a grande presidente DILMA. KKK, é piada.

  2. Hilário disse:

    Temer segue sustentando a petralhada que não quer trabalhar.

  3. Antônio Silva disse:

    Tudo feito por Dilma. O vampirão usurpador do trabalho alheio nem constrangido fica.