Exame de impressões digitais pelo ITEP-RN desvenda crimes e auxilia justiça

Examinar marcas deixadas por autores de delitos em cenas de crime, utilizando métodos científicos e com tecnologia apurada que permite comparar as impressões digitais em vestígios com o banco de dados civil e criminal, e assim identificar suspeito e auxiliar na investigação para que a Justiça se realize, é a missão do Setor de Perícias de Biometria e Papiloscopia Aplicadas (SPBA) do Instituto Técnico-Científico de Perícia (ITEP-RN). Criado há pouco mais de seis meses, o setor já recebeu quase 100 solicitações de perícias, das quais mais 80% de exames já realizados e com alto índice de resolutividade de identificação de suspeitos.

“As impressões digitais coletadas em locais de crime são importantes vestígios para que identifiquemos de forma precisa e inquestionável o autor do delito. A equipe de perícia criminal do ITEP-RN acionada para uma ocorrência faz essa coleta e envia para o nosso setor, aqui fazemos com o uso de tecnologia de ponta e conhecimento científico a análise dessas marcas e a comparação com o sistema de dados desenvolvido a partir do arquivo do ITEP-RN. Desse modo, podemos identificar a presença de determinada pessoa portadora daquela impressão digital no local do crime”, explicou o perito criminal Paulo Vale, que ao lado dos também peritos Ana Patrícia, Yuri Bovi e Vitor Lopes, são os responsáveis pelas perícias papiloscópicas e biométricas.

Para o levantamento em locais de crime, a equipe do ITEP-RN conta com importantes recursos tecnológicos, como a luz forense que faz varredura em locais para identificar além de impressões digitais, fluidos biológicos como sêmen, sangue, urina; além de dispor de outras substâncias como luminol e pó magnético para revelação de impressões digitais, plantar (pés) ou palmar (mãos).

“Nós já tivemos importantes resultados em casos de repercussão no RN. Como no caso do latrocínio de um motorista de Uber, no bairro do Planalto, que conseguimos coletar e identificar digitais no retrovisor e lateral do carro que identificou o suspeito. Outro caso também foi na morte da policial de Santa Catarina, que por meio da digital encontrada no veículo também identificamos a digital de uma mulher que esteve presente na cena do crime e posteriormente com a investigação policial ela foi presa”, contou Paulo Vale.

O próximo passo do SBPA é a utilização de um software que também permitirá a identificação por biometria facial. “Iremos contar com esse auxílio para identificar, por exemplo, a partir de imagens de câmeras de vigilância, os traços físicos de um suspeito e comparar com o registro documental para apontar a identidade e assim dar mais elementos para investigação do crime”, descreveu o perito.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Severino Carnegie-Rockfeller. disse:

    CSI Ribeira.

Exame para detectar presença de chumbo em mãos é feito em PM suspeito de matar professor de MMA em Cidade Satélite

O tenente da PM suspeito de ter assassinado a tiros o professor e lutador de MMA Luiz de França Trindade, de 25 anos, na manhã dessa segunda-feira (10), realizou exames no Instituto Técnico-Científico de Polícia (Itep)  para verificação da presença de chumbo em suas mãos.

O exame de residuograma de chumbo, realizado em Iranildo Félix, deve ficar pronto em até 10 dias. Contudo, a defesa do PM poderá questionar qualquer resultado positivo, justamente por ele ser policial e manusear armas.

Informações dão conta que o tenente está de licença médica, e que não poderia sair armado, embora, em sua residência, nada impeça que ele tenha contato. Vale lembrar que o calibre da arma que tirou a vida da vítima é de pistola calibre ponto 40.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Rino disse:

    Verdade, deveria estar em casa dando tiros em ratos, eu já fiz isso.

  2. Luis Fernando disse:

    Todo policial tem residuos de polvora nas mãos. Logico

  3. Justiça disse:

    Ele poderia ser o mandante não? A policia já trabalha essa hipótese?

Desembargador determina bloqueio em Conta do Estado para garantir exame de urgência

O desembargador Claudio Santos determinou o bloqueio da quantia de R$ 30 mil da Conta do Estado do Rio Grande do Norte para a realização com urgência de procedimento médico em paciente que sofre de forma grave de câncer. A medida foi decretada pelo magistrado, em liminar concedida em Mandado de Segurança, pelo fato de a Secretaria Estadual da Saúde não ter tomado nenhum providência para atender ao portador da doença. Informações médicas destacam a urgência do caso em virtude de se tratar de um tipo de câncer que duplica de tamanho em poucos dias. A decisão ressalta que o secretário da pasta Luiz Roberto Leite Fonseca, não cumpriu determinação anterior para a realização do exame.

O bloqueio do dinheiro por meio do sistema BACENJUD, do Banco Central, vai permitir a compra do kit descartável de biópsia estereotáctica, com base em atestado médico. A Secretaria de Saúde do RN deve apresentar prestação de contas sobre a aquisição do kit, no prazo de dez dias. Ressonância magnética apontou que o paciente sofre de tumor cerebral maligno e o material necessário para o exame que poderá confirmar o diagnóstico não é fornecido pelos hospitais da rede pública de saúde.

No dia 4 de fevereiro, o desembargador já havia determinado a intimação pessoal do secretário estadual de Saúde para que fosse feita a biópsia indicada pelo médico que assiste ao paciente, por meio da aquisição deste equipamento. Inclusive, foi aplicada multa diária no valor de R$ 500,00 – pelo não cumprimento da decisão judicial em favor do impetrante, que incidirá sobre a pessoa da autoridade coatora, sem prejuízo das sanções penais, civis, administrativas e processuais.

Com a decisão que determina o bloqueio na Conta do Estado, Claudio Santos reitera a intimação pessoal do secretário Luiz Roberto, para que este apresente explicações pelo aparente descumprimento da ordem judicial, no prazo de 72 horas. Na decisão, o desembargador alerta para a possibilidade de determinação de prisão em flagrante do secretário, em caso de descumprimento.

TJRN

Habilitação: Exame obrigatório vai detectar uso de drogas para motoristas de caminhões, carretas e ônibus

723eb8da3a355d4b41c604bd2c1b0a653c1aa68e Os motoristas profissionais de caminhões, carretas e ônibus vão passar por um exame que detecta o uso de drogas em um período de 90 dias antes do teste.

A resolução é do Conselho Nacional de Trânsito e determina que esse exame seja feito na hora de tirar ou renovar a carteira. O repórter Wilson Kirsche mostra como funciona o mercado de substâncias ilegais nas estradas.

Na cabine, um abuso declarado, bem conhecido por motoristas que não usam, mas são testemunhas do consumo entre os colegas. “Não estão tomando rebite, estão cheirando pó mesmo”, diz um caminhoneiro.

“Cocaína, crack, maconha”, afirma outro caminheiro.

Eles contam que o mercado clandestino transforma pátios e estacionamentos em pontos de tráfico. “Qualquer lugar que você chegar, acha. É como comprar doce no mercado”, diz um caminhoneiro.

Um caminhoneiro que não quer mostrar o rosto só dirige tomando comprimidos estimulantes, conhecidos como rebites. Ele diz que já passou cinco dias sem dormir para dar conta das entregas e aumentar a renda. “Na primeira noite dois, na segunda noite quatro, na terceira noite seis. E aí vai. Te deixa ligado a noite toda, que é o que cara precisa para poder rodar”, conta.

É esse perigo que está na mira da lei. A resolução do Contran vai tornar obrigatório o exame toxicológico ,que detecta consumo de drogas, para emissão e renovação da carteira de motorista, nas categorias C,D e E. As análises terá que ser feita em laboratório credenciado, e o laudo apresentado junto com os exames exigidos pelo Detran.

Para os testes serão coletadas amostras de cabelos, pelos ou unhas. O exame vai mostrar se houve uso de maconha, cocaína, crack ou anfetamina até 90 dias antes da coleta. “A queratina presente nos pelos e cabelos aprisiona pequenas moléculas das drogas, tornando possível que nós as detectemos por um período maior. O resultado sai em aproximadamente 15 dias”, explica o diretor de laboratório Vicente Milani.

Se o resultado der positivo para o uso de drogas, a resolução também permite que seja feita uma contraprova, até 90 dias depois do exame. O motorista só vai poder retirar ou renovar a habilitação se esse novo teste der negativo.

O sindicato dos caminhoneiros reconhece que o rigor do exame vai barrar muita gente, e que será preciso fazer campanhas de conscientização entre os profissionais. “Tem que investir muito nessas campanhas, nessas orientações, para que a gente possa ter uma equipe boa”, ressalta Carlos Dellarosa.

Transportadoras ouvidas pelo Bom Dia Brasil apoiam a medida, mas afirmam que não têm como arcar com o custo do exame, de R$ 350 a R$ 400. O teste teria que ser bancado pelos motoristas. “Para ele ser contratado pela empresa ele vai estar com os documentos todos em ordem, vai ter que estar. Então esse custo vai ser repassado para ele, infelizmente”, diz a supervisora de transportadora Débora Quaglio.

Mesmo assim, dentro da boleia, a aprovação é quase geral. Os caminhoneiros sabem que esse vai ser o preço da segurança. “Quanto menos louco na estrada, melhor”, diz um caminhoneiro.

A resolução já foi publicada, mas o Contran deu prazo até julho do ano que vem para começar a exigir o exame.

Bom Dia Brasil – Rede Globo

Atleta usa pênis falso para enganar testadores de doping

171Um atleta usou uma tática nada “comum” para enganar o doping. Devis Licciardi, de 27 anos, é acusado de usar um pênis artificial para tentar enganar os exames oficiais.

O corredor, que havia acabado de completar um circuito de 10 km, supostamente teria escondido o aparelho em sua cueca e tentou desviar a sua urina contaminada, tentando colocar outra urina na amostra de doping.

Licciardi informou ao médico que queria estar sozinho ao urinar, mas a exigência foi negada. O pedido chamou a atenção e logo a fraude foi descoberta.

O atleta é especialista em longas distantes. Ele será interrogado por uma comissão de funcionários do comitê Olímpico de Roma, nesta quarta-feira, 25.

Ele terá de enfrentar uma longa proibição se for considerado culpado ao tentar usar mecanismos fraudulentos para enganar o doping.

O incidente foi repudiado por dezenas de atletas profissionais que preferiram não comentar o caso.

Na internet italiana estão ‘pipocando’ piadinhas e memes fazendo alusão ao atleta usando um aparelho genital falso com bolsas de urina.

BBC e Jornal Ciência

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Maurício Giovani disse:

    Não era pênis falso, era apenas o suplente.

  2. Cláudia Souto disse:

    Bruninho, sei que você morreu de rir com minha brincadeira, mas só de ruim, não publicou. Isso é censura, hein?!!

    hahahahhaha…

    Beijo, gatinho! Manda um beijo para seu pai, que também amo de paixão! 🙂

Quase metade dos homens brasileiros não faz exame de próstata

200378156-001Um estudo da SBU (Sociedade Brasileira de Urologia) afirma que 44% dos homens na faixa etária dos 40 anos jamais foram ao urologista e não se submeteram ao exame de toque.Em 2012, mais de 60 mil novos casos de câncer de próstata foram diagnosticados segundo o Instituto Nacional do Câncer.

A próstata, glândula que faz parte do aparelho reprodutor masculino, é responsável pela produção do líquido seminal. Para prevenir o desenvolvimento de doenças, é necessário que o homem tenha cuidados frequentes com essa glândula.

De acordo com o urologista Daher Chade, do Instituto do Câncer de São Paulo, as visitas frequentes ao médico são determinantes para o diagnóstico precoce do câncer na próstata.

—  A partir dos 40 anos, o homem deve se submeter ao exame para prevenção de qualquer tipo de doença na próstata. Muitos homens temem o resultado dos exames, mas se diagnosticado precocemente, o câncer de próstata tem tratamento e cura em muitos casos.

A pesquisa apontou que, de modo geral, os homens acabam não indo ao médico por não serem instruídos a cuidar da saúde e também por não terem acesso ao serviço. Além disso, embora exista conscientização da importância das consultas, ainda há preconceito com o toque retal, completa Daher Chade.

— Infelizmente não é da cultura do homem brasileiro cuidar da saúde e isso não acontece apenas no campo da urologia. O problema é mais abrangente.

A pesquisa foi realizada com quase cinco mil homens em seis capitais brasileiras — Rio de Janeiro, Porto Alegre, São Paulo, Recife, Belo Horizonte e Brasília.

R7

População terá exames de audição gratuitos no Parque das Dunas

Um novo software que ajuda a detecção de comprometimento funcional da audição e pode ser executado em tablets será uma das atrações do Dia Mundial da Saúde, que será comemorado no próximo domingo (07), no Parque das Dunas, em Natal. A novidade será apresentada à população por meio de exames gratuitos, realizados pelo Instituto Pedro Cavalcanti, em parceria com as Secretarias Estadual e Municipal de Saúde.

“Teremos uma equipe de profissionais no Parque das Dunas, orientando a população sobre os cuidados com a audição e com a visão, além disso vamos realizar exames gratuitos, utilizando, inclusive, essa nova tecnologia desenvolvida para dispositivos móveis, como tablets, smartphones ou qualquer computador pessoal”, explica Dr. Pedro Cavalcanti.

A perda auditiva é um problema comum que, ao contrário da crença popular, pode começar muito cedo na vida e piorar sem ser percebido pela pessoa afetada. Um teste de audição pode avaliar a audição das pessoas, embora haja alguns aspectos da audição que não se refletem nos resultados fornecidos pelos testes auditivos convencionais (audiogramas), em grande parte devido à metodologia utilizada no mesmo e limitações dos instrumentos usados até agora. (mais…)

Exame da OAB registra o pior resultado desde a unificação da prova

Somente um em cada 10 participantes que prestaram o IX Exame de Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) no início deste ano foram aprovados. O percentual de 10,3% já é o pior resultado desde que passou a ser aplicado no formato unificado, em 2010. Os números foram apresentados na última sexta-feira (22) pelo Conselho Federal da OAB.

— Muitos que prestam o exame não são capazes nem de interpretar com profundidade um texto. Essa é uma lacuna deixada pelo ensino médio que as faculdades não conseguem suprir porque não há tempo para isso — argumenta Avelino. (mais…)

Exame de sangue que detecta síndrome de Down chega ao país

Laboratórios brasileiros começam a oferecer um exame de sangue para gestantes que detecta problemas cromossômicos no feto a partir da nona semana de gravidez.

O teste é colhido no consultório como um exame de sangue comum e vai para os EUA, onde é feita a análise do material genético do feto que fica circulando no sangue da mãe durante a gestação.

A versão mais completa é eficaz para detectar as síndromes de Down, Edwards, Patau, Turner, Klinefelter e triplo X e custa R$ 3.500 no IPGO (Instituto Paulista de Ginecologia e Obstetrícia), em São Paulo.

Nos próximos meses, o laboratório do hospital Albert Einstein e o Fleury também vão comercializar exames similares, que já estão disponíveis no mercado americano há pouco mais de um ano.

Hoje, o diagnóstico dessas síndromes congênitas é feito por meio do ultrassom e do exame do líquido amniótico ou da biópsia do vilo corial, em que é retirada uma amostra da placenta.

Esses testes são invasivos e trazem um risco de até 1% de abortamento.

Além de não aumentar o risco de complicações na gravidez, o novo teste pode ser feito antes dos tradicionais, indicados, em geral, a partir do início do quarto mês de gestação. O resultado fica pronto em cerca de 15 dias. Segundo o ginecologista Arnaldo Cambiaghi, diretor do IPGO, nenhuma amostra de sangue foi enviada para análise ainda.

O obstetra Eduardo Cordioli, coordenador-médico da maternidade do hospital Albert Einstein, lembra que, se o resultado do teste de sangue for positivo, o diagnóstico deve ser confirmado por meio da biópsia do vilo corial.

“O novo teste vai reduzir o número de biópsias feitas de forma desnecessária. Mas é preciso confirmar os resultados positivos.”

ABORTOS

O problema é o que fazer diante de um resultado positivo. O aumento no número de abortos foi uma preocupação de grupos da sociedade civil na Europa e nos EUA após a aprovação desse tipo de teste nesses mercados.

No Brasil, o aborto é proibido a não ser em caso de anencefalia, violência sexual ou risco de vida para a gestante, mas estima-se que mais de 1 milhão de mulheres o pratiquem por ano.

“Por um lado, o exame vai tranquilizar a grande maioria que não vai ter problemas. Por outro, permite que os pais se preparem caso vão receber uma criança com alguma anomalia cromossômica”, afirma Cambiaghi.

Entre as síndromes detectadas pelo exame, a de Edwards e a de Patau são praticamente incompatíveis com a vida, de acordo com Artur Dzik, diretor científico da Sociedade Brasileira de Reprodução Humana.

Para ele, a entrada do teste no país não deve aumentar o número de abortos porque o acesso ao exame de preço alto será restrito e porque as mulheres que vão procurá-lo já teriam indicação para realizar os testes tradicionais. “Isso vai fazer parte do pré-natal de alto risco, para mulheres com mais de 38 anos.”

No caso das síndromes de Patau e Edwards, afirma Cordioli, do Einstein, é possível pedir uma autorização judicial para realizar o aborto. “Mas cada caso é analisado separadamente.”

Para síndrome de Down, anormalidade cromossômica mais comum, esse tipo de autorização não pode ser pedida, porque o problema não é incompatível com a vida.

Volnei Garrafa, professor titular de bioética da UnB (Universidade de Brasília), diz que a oferta de um teste como esse e as questões morais ligadas a ele deveriam passar por uma discussão ampla, em um conselho de bioética e no Congresso.

“Para interromper a gravidez, os pais teriam de pedir liminares. Como o Legislativo não faz as leis, o Judiciário acaba fazendo, o que é uma distorção da democracia.”

DÉBORA MISMETTI
EDITORA INTERINA DE “CIÊNCIA+SAÚDE”
Folha

 

Mau resultado em exame da OAB alerta Ministério da Educação

Diante da reclamação da OAB de que a baixa qualidade dos cursos jurídicos do país é o principal motivo para o fraco desempenho dos candidatos no exame da Ordem, o governo federal estuda um novo plano de regulação do segmento, que será apresentado em novembro e entrará em vigor em janeiro de 2013. O último exame da entidade aprovou apenas 14,97% dos 109.649 candidatos que compareceram à prova. Foi o pior resultado desde que a verificação, antes promovida pela seccional da ordem em cada estado, foi unificada, em 2009.

O secretário nacional de Regulação e Supervisão da Educação Superior do Ministério da Educação (MEC), Jorge Messias, afirmou que essa realidade vai mudar. Entre as propostas discutidas por um grupo de trabalho formado por representantes do MEC e da OAB, estão a revisão do processo de autorização para a criação de cursos, que ficará mais rigorosa, o congelamento da oferta de vagas, cortes nas vagas efetivas e remanejamento das ociosas. Para definir os critérios destas ações, o ministério está mapeando a distribuição da oferta nas microrregiões do Brasil.

— Queremos uma análise qualitativa mais apurada dos cursos. Na última supervisão que fizemos, no ano passado, cortamos 10.868 vagas de 160 cursos, incluindo vagas efetivas — explica Messias.

OAB contabiliza mais de 1.200 cursos

O número excessivo de cursos de Direito no país é o principal motivo apontado pela OAB para a baixa qualidade do ensino. Os 1.092 cursos superiores de Direito registrados no Ministério da Educação — que reúnem 594,5 mil alunos matriculados — têm atualmente cerca de 80 mil vagas ociosas. Nas contas da OAB nacional, o número de cursos é maior: 1.259, segundo o presidente da Ordem, Ophir Cavalcante.

Cavalcante defende que é “impossível” a oferta de ensino de qualidade com a quantidade elevada de cursos.

— O exame é de dificuldade média. A única matéria cobrada que não é obrigatória na grade curricular do MEC é Direitos Humanos. Quem faz bom curso passa na prova — completa Cavalcante, para quem o percentual de aprovados deveria ser pelo menos de 50%.

O grupo de trabalho começou a se reunir em julho e terá mais três encontros antes de apresentar o plano. O aumento no rigor da fiscalização, porém, já está valendo, afirma o secretário:

— Nos últimos cinco anos, apenas 38 dos 178 pedidos de abertura de cursos de Direito foram atendidos.

Fonte: O Globo

Confira resultado preliminar da 2ª fase do VII Exame de Ordem

O Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) divulga o resultado preliminar da prova prático-profissional (segunda fase) do VII Exame de Ordem Unificado. Fizeram as provas desta etapa, no dia 8 de julho deste ano, os candidatos que foram aprovados na primeira fase (prova objetiva) do VII Exame, aplicada no dia 27 de maio último pela Fundação Getúlio Vargas. O prazo recursal acerca do resultado preliminar da segunda fase se inicia neste sábado (dia 28), às 12h (horário oficial de Brasília), e termina às 12h do próximo dia 31 (terça-feira), conforme o edital.

Estão aprovados nesta segunda e última etapa os candidatos que tiraram a nota mínima 6 na prova, que foi composta de uma peça profissional valendo cinco (5) pontos e quatro questões (valendo 1,25 ponto cada) sob a forma de situações-problema, nas seguintes áreas de opção do examinando: Direito Administrativo, Direito Civil, Direito Constitucional, Direito Empresarial, Direito Penal, Direito do Trabalho ou Direito Tributário e do seu correspondente direito processual.

Resultado no RN:

20.1. Mossoró/RN
168119808, Amirtiany De Moura Sobrinho / 168035698, Antonio Padre Da Silva / 168065875, Augusto Jose De Sousa Araujo / 168042418, Brunna
Clarissa Chaves Fernandes / 168039893, Camila Dias De Medeiros Dantas / 168044886, Carla Ligiane De Oliveira Silva / 168087109, Carlos César De
Oliveira Duarte / 168072470, Clarissa De Lourdes Silva Dos Santos / 168069503, Danyelle Terciane Medeiros / 168094288, Diego Franco Santana De
Assis / 168061176, Elisandra Vanessa Da Costa Rodrigues / 168043190, Emerson Azevedo Neto / 168040036, Érika Georgia Dantas Ferreira /
168084650, Erivelton Nunes De Almeida / 168048133, Esaú Castro De Albuquerque Melo / 168003224, Fernando Flavio Gomes Ferreira Junior /
168017957, Francisco De Assis Lima / 168000589, Francisco Galdino De Andrade Neto / 168007431, Francisco Rodrigues Ventura Neto / 168043028,
Hugo Stênio Fernandes Costa / 168043526, Italo Christiani Do Monte Rebouças / 168117234, Jane Kely Ferreira Mulatinho / 168064102, Kenneth
Kalafange Ferreira Matias / 168118207, Layana Jamilla Ferreira Figueiredo De Sá / 168120149, Louise Camila Paiva / 168002095, Lucas Moreira Rosado
/ 168000924, Luiz Antonio Pereira De Lira / 168106031, Luiz Guilherme Soares Cruz / 168034315, Marcelo Whicliff Lima De Medeiros / 168003393,
Márcio Raniere De Oliveira Pinheiro / 168003606, Maria Daniele Ribeiro / 168053567, Maria Denise De Brito Mendonça Bezerra / 168039337, Maria
Isabel De Mendonça Ferreira E Silva / 168102485, Maria Isabel Fernandes Costa / 168050484, Pablo Ramos Gomes / 168001760, Pamela Sartori
Medeiros / 168081624, Rommel Costa Furtado / 168092288, Savana Dayann Raulino Tomaz / 168006101, Selumiel Ericlênede Dantas Costa /
168042296, Sérgio Rafael Nascimento E Bouças / 168049796, Thaynara Danyelle De Oliveira / 168068968, Tuyra Do Vale Maximino Mota.
20.2. Natal/RN
168015470, Alan Marcos Da Silva Vital / 168045935, Alcineide Justo Siqueira / 168116730, Alcione Sumai Da Silva / 168055093, Alexandre Leocadio Da
Silva / 168056947, Álisson De Sousa Lima / 168083213, Ana Catarina Pereira Da Silva / 168082787, Ana Cecília Lopes De Medeiros / 168078651, Ana
Cristina Diógenes Rêgo / 168000796, Ana Cristina Sousa Camara / 168080587, Ana Elise Lima Matoso / 168080760, Ana Flávia Viana Madruga /
168042570, Ana Karolina Oliveira De Araujo / 168084355, Anderson Ursulino De Souza / 168120388, André Ramon Moreira Lopes / 168035656,
Andreia Coelho Teles Toneli / 168000048, Andressa Flávia Matoso Lettieri Germano Costa Andr / 168092438, Andreza Gomes De Gois / 168054484,
Anne Beatriz Marques Alves De Lima / 168117631, Anne Heloise Bezerra Da Silva / 168112294, Antonio Alves De Souza Sucar / 168001338, Antonio
Marcus De Oliveira Sobrinho / 168118198, Antonio Rodrigues De Carvalho Neto / 168113831, Arinalva Carla Mauricio Pereira Do Nascimento /
168061680, Aron Abrahão Moreira / 168056992, Arthur Luini Damasceno Alexandre / 168023254, Artur De Paiva Marques Carvalho / 168006368,
Aryella Tanara Cesário De Pontes / 168012424, Atlas Gomes Trindade / 168089942, Avner Alexander Costa Da Câmara / 168033348, Barbara Dantas
Neri / 168095586, Bárbara Pessoa Rego De Oliveira / 168102823, Bruno Cavalcanti Teixeira / 168054979, Bruno Furtado Alves / 168005469, Cadja
Pereira De Melo / 168118522, Camilla Nagle Araújo Bezerra / 168087250, Carlos Guedes Pinheiro / 168010952, Carolina De Freitas Sindeaux /
168088876, Chalana Cunha Mota / 168049164, Charllis Alexandre Faustino Limeira Da Silva / 168050305, Cristiano Salustino Dutra Montenegro /
168060068, Cynthia Barreto Fernandes Dias / 168000337, Daniel Cavalcanti Magalhaes / 168061046, Daniele Mozane Cortez Ferreira / 168042655,
David Izac Pereira / 168010225, Diego Mendes De Freitas / 168104890, Dirceu Lopes Da Costa / 168000725, Edcarlos Moisés Lopes Oliveira /
168067780, Eduardo De Medeiros Carlos Ferreira / 168023627, Eduardo Henrique Rodrigues Peixoto / 168110100, Edyanne Alyne Araujo Da Silva /
168111484, Eleazar Cavalcante De Brito / 168025992, Elvira Lins Dos Santos / 168115251, Erasmo Machado Da Silva / 168119631, Érida Cecy Martins
Venâncio Varela / 168049160, Érika Laryssa Das Neves Silva / 168105354, Eugênia Viviane De Araújo Rêgo / 168005814, Everton Mizael Cortez Silva /
168069517, Fabrícia Kécia Dantas De Medeiros Costa / 168045741, Felipe Bezerril Marques / 168008571, Felipe Fagner Barros Araujo / 168074454,
Felipe Lopes Da Silveira Junior / 168083591, Felipe Yves Barreto Gurgel / 168087759, Fernanda Rafael Chrisóstomo / 168108748, Fernanda Tavares
Barreto / 168054740, Flaviana Medeiros Lopes / 168010324, Francicleide Palmeira Silva / 168018102, Francisca Das Chagas Bezerra Dantas /
168125642, Francisco André Diogo Júnior / 168013822, Francisco Petrônio Fernandes Vieira / 168059455, Gabriella Dantas Barros / 168099140,
Genibaldo Gonzaga De Medeiros Filho / 168110380, Gibson Galvão Cantídio / 168117334, Giovanna Bezerra Campos / 168120122, Glauco José Borja
Sena / 168041896, Gleyce Adreane Venceslau Campos / 168052636, Glicério Edwiges Da Silva Júnior / 168091864, Guiomara Laryssa Rodrigues Da
Rocha / 168002885, Gustavo Luiz Tavares / 168084117, Haroldo Wágner Ribeiro Da Cruz Teixeira / 168094269, Hygor Servulo Gurgel De Andrade /
168048366, Iara Maia Da Costa / 168070837, Ibsen Medeiros De Araújo / 168069997, Ilany Maciel Morais Da Silva / 168022862, Irajanne De Souza
Costa / 168000355, Israel Diógenes Dumaresq De Souza / 168009919, Izabel Maria Caldas Xavier / 168032741, Izabele Ariane Iduino Vieira /
168121544, Jaderson Leonardo Da Rocha / 168046352, Jaline De Melo Pessoa Cavalcante / 168008693, Janilson Ribeiro Da Silva / 168017018, Jáxia
Pinto Monte De Souza / 168008754, Jerfferson Brenno Bezerra Bay / 168110227, Joelma De Souza Castro / 168042125, Jonathan Targino Dantas /
168040076, José Cândido Neto / 168086978, José Erivan Dos Santos / 168114047, Jose Felipe De Oliveira Neto / 168005106, Jose Jurandir Pereira
Junior / 168084686, José Marcílio Furtado Jucá / 168002580, José Murilo De Araújo Cruz / 168125205, Kilber Adryan De Medeiros Silva / 168048046,
Kleber Fernandes Da Silva / 168000565, Kleiber Herbethy Silva De Almeida / 168033891, Laíse Pontes De Oliveira / 168058750, Larissa Araujo Portela /
168049576, Larissa Soares França De Sousa / 168025629, Leandro De Macêdo Ferreira / 168011841, Lissandra Nair De Medeiros Queiróz / 168088340,
Luana Cavalcanti De Santana Cruz / 168110694, Luana Karla De Araújo Dantas / 168025312, Luanda Flora Bezerra De Azevedo Almeida / 168069377,
Lucas Rocha De Macedo / 168046867, Lucia Maria De Souza Sena / 168072621, Luciene Nery Ferraz De Magalhães / 168073080, Ludmila Ferreira
Rosso Nelson / 168046152, Luísa Medeiros Brito / 168029505, Luzemberg De Medeiros Brito / 168064811, Magaly Dantas De Medeiros / 168117225,
Magna Lima De Souza / 168035589, Maíra Da Silva Sales / 168068372, Maíra Lopes De Medeiros / 168041299, Marcel Fernandes De Oliveira Rocha /
168060374, Marcel Soares Abdon / 168011743, Marcos Phillip Araújo De Macedo / 168044910, Maria Da Glória Pessoa Ferreira / 168062442, Maria
Emilia Azevedo De Santana / 168010571, Maria Esther Fernandes De Melo / 168019779, Mariana Bezerra De Araújo / 168031154, Marina De Aquino
Dantas / 168110930, Mateus Soares Coelho / 168102435, Max Fontes Varela / 168008566, Michael Andrews De Souza Silva / 168081285, Michaell
César De Araújo Câmara / 168035230, Millena Yane Alves Dos Santos / 168049028, Mirley Silva Azevedo De Medeiros / 168091860, Moises Santos Da
Silva / 168044736, Nathalia Maria Ariston Trindade / 168074008, Nicolly Karoliny Lima Dantas / 168055565, Ohana Galvão De Góes Bezerra /
168079237, Olga Gabriela Gadelha Gonçalves / 168033206, Olinda Joyce De Sousa Barros / 168037507, Orlando Lopes Neto / 168079956, Pâmela Kelly
De Azevedo Lima / 168074168, Patrícia Mayara Souza Cruz / 168077585, Paulo Eneas Rolim Bezerra / 168049067, Paulo Jose De Lima Filho /
168017928, Paulo Márcio Maia De Macedo Costa / 168125504, Paulo Victor Coutinho Pereira / 168010672, Pedro Henrique Dantas De Araújo Motta /
168073484, Pedro Henrique Ferreira Rangel Torres / 168068621, Pedro Henrique Gonçalves Maros / 168080749, Pedro Miguel De Lima Junior /
168003341, Priscila Aparecida Ferrando Marti Lutfi / 168118996, Rachel Faeli Da Justa Ribeiro Stemer / 168020594, Rafaella Maria Grilo Diógenes /
168088663, Raíssa Karoliny Marques Medeiros / 168069471, Ranieri Duarte Maia / 168089126, Raquel Andreia De Souza / 168088127, Rayana
Kareniny Lima Da Silva / 168050081, Rebeca Nunes Torquato Nogueira / 168033381, Renan Leitão Espíndola Borges / 168007840, Renata Barros
Gomes Netto / 168007257, Renata Rosália Dias Cordeiro / 168093061, Ricardo Valério Calazans De Menezes / 168012797, Richard Barros Casacchi /
168085441, Rodolfo Azevedo Do Nascimento / 168114646, Rodolfo Romano Rodrigues De Araújo Pereira / 168052889, Rodrigo Oliveira Aguiar /
168036801, Rubens Elisio Ferreira De Castro / 168103032, Samuel Germano De Aguiar Júnior / 168098368, Sávio Da Rocha Filgueiras / 168096902,
Shirley Morais Bezerra / 168039859, Shisley Glauciene Alencar Bezerra / 168030436, Silvana Pignataro Delgado / 168082743, Silvia Barros De Almeida
/ 168084517, Stphanie Marcelly Macedo Brito Dos Santos / 168081034, Taisa Pinto Nascimento / 168062789, Tâmara Silva De Medeiros / 168093053,
Thalita De Fátima Mendonça Bento / 168124259, Thiago Filipe Da Silva Batista / 168015957, Thiago Pignataro Emerenciano De Araújo / 168017286, Thomas Magnus Da Câmara Medeiros / 168000763, Tiago Dantas Queiroga / 168099662, Ulianderson Dayan Marques De Paiva / 168065858, Vanessa
Maria Ferreira Da Silva / 168019500, Vanessa Padilha Caricio Lambert / 168104224, Victor Hackradt Dias / 168028259, Vitor Chagas Pacheco /
168113404, Vivian Isabela Carvalho Medeiros Brito / 168035312, Wendell Brito Dantas / 168040563, Wenedy Kécio Ferreira Da Silva / 168109457,
Werton José Cabral Rodrigues Filho.

Colunista da 'Folha' dispara críticas contra a OAB e questiona lisura do Exame de Ordem

Na Folha de São Paulo, o colunista Elio Gaspari tece duras críticas à Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e abre o que ele diz ser “A caixa preta do exame da OAB”. Segue o texto do jornalista:

Em dezembro de 2010, quando se descobriu que uma lambança ocorrida na distribuição das provas do Enem atrapalhara a vida de cerca de 10 mil dos 3,3 milhões de jovens que haviam prestado a prova, o presidente da Ordem dos Advogados do Brasil, Ophir Cavalcante, prontamente anunciou que pediria a anulação do exame.

Seria mais razoável oferecer uma nova prova aos prejudicados (o que foi feito), mas a Ordem defendeu uma posição extrema.

A veneranda OAB fez fama como papagaio de pirata de crises. Há um problema, e lá está ela metendo seu bico. Não importa que o assunto nada tenha a ver com o exercício da profissão de advogado. Nem mesmo que proponha uma nova e absurda prova para 3,3 milhões de jovens.

A OAB tornou-se uma instituição milionária e suas contas estão longe da vista do poder público. O doutor Ophir chegou a dizer que “o Congresso Nacional tornou-se um pântano”. Um de seus antecessores, Roberto Busatto, disse que “o comportamento indecoroso de alguns agentes públicos expôs ao desgaste as instituições do Estado”.

No seu próprio quintal, ela não é tão vigorosa, muito menos transparente. Há anos pipocam denúncias de fraudes no exame que os bacharéis são obrigados a prestar na Ordem para poderem trabalhar como advogados.

Desde 2007, sabia-se que uma integrante da banca de Brasília vendera por R$ 4.000 as perguntas de uma prova. Posteriormente ela recebeu o título de “melhor examinadora”.

Em Goiás, 41 candidatos compraram provas por até R$ 15 mil, e o Tribunal de Ética da Ordem decidiu que eles nada devem. Jamais a OAB mobilizou-se para punir exemplar e publicamente esse tipo de delinquência.

Agora a Polícia Federal anunciou que existiram duas infiltrações fraudulentas nos seus exames de 2009 e 2010. Numa ponta, 152 bacharéis compraram provas e, com isso, 62 deles habilitaram-se para cargos na PF, na Receita e na Abin. Felizmente, graças à polícia, foram afastados de suas funções.

Na outra ponta o problema é maior: 1.076 advogados “colaram” durante os exames. A PF descobriu isso de uma maneira simples. Rodou as respostas dos candidatos num programa de computador desenvolvido na Academia Nacional de Polícia, e a máquina descobriu onde se colou.

Simples: se num local 30% dos candidatos acertaram uma questão que teve um índice nacional de acerto de 5%, houve “cola”. (Steve Levitt explica a racionalidade estatística do sistema num capítulo do seu magnífico livro “Freakonomics”). Esse tipo de auditoria tornou-se o terror da rede escolar pública americana. Na semana passada, pegaram uma rede de “cola” num dos melhores colégios de Nova York.

Se a OAB quer continuar a dar lições aos outros, pouco lhe custaria criar uma auditoria semelhante à que a Polícia Federal usou. Não conseguirá pegar todos os examinadores que vendem provas, mas identificará os locais onde a “cola” é ampla, geral e irrestrita.

Fonte: Folha de São Paulo

Segunda fase do Exame da OAB será aplicada hoje

A segunda fase do VII Exame da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) será aplicada neste domingo (8), das 14h (horário de Brasília) às 19h.  Estão aptos a realizar as provas os candidatos que foram aprovados na primeira fase (prova objetiva) do Exame, realizada no dia 27 de maio pela Fundação Getúlio Vargas. Em Natal, 667 candidatos farão a prova na Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Já na cidade de Mossoró, 134 bacharéis farão na Universidade Potiguar. O VII Exame de Ordem Unificado teve 1.737 inscritos no Rio Grande do Norte.

A prova prática deverá ser realizada dentro de cinco horas e será composta de quatro questões práticas sob a forma de situações-problema, valendo, no máximo, 1,25 (um e vinte e cinco) pontos cada. Além disso, a prova será composta de uma peça profissional valendo cinco pontos sobre tema da área jurídica de opção do examinando, sendo as opções as seguintes: Direito Administrativo; Direito Civil; Direito Constitucional; Direito do Trabalho; Direito Empresarial; Direito Penal; ou Direito Tributário.

A avaliação da primeira fase, chamada de objetiva, foi aplicada no dia 27 de maio, e teve 80 questões de múltipla escolha que, segundo o edital, envolveram as disciplinas profissionalizantes obrigatórias e integrantes do currículo mínimo do curso de direito, além de direitos humanos, código do consumidor, estatuto da criança e do adolescente, direito ambiental, direito internacional e o estatuto da advocacia da OAB. Era preciso acertar o mínimo de 40 questões para passar para a fase seguinte do Exame da OAB.

A aprovação no exame é requisito necessário para a inscrição nos quadros da OAB como advogado. O resultado preliminar do exame será divulgado no dia 27 de julho. O resultado final, após os recursos, será em 14 de agosto.

Será eliminado o candidato que durante o exame for surpreendido com aparelhos eletrônicos, como bip, telefone celular, walkman, agenda eletrônica, notebook, palmtop, receptor, gravador, máquina de calcular, máquina fotográfica, controle de alarme de carro, pen drive, bem como relógio de qualquer espécie, óculos escuros ou quaisquer acessórios de chapelaria, tais como chapéu, boné, gorro etc.

Locais de prova
• NATAL – UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE – UFRN – CAMPUS SETOR II – AV. SENADOR SALGADO FILHO/CAMPUS UNIVERSITÁRIO, S/N – LAGOA NOVA – NATAL – RN

• MOSSORÓ – UNIVERSIDADE POTIGUAR – AV. JOAO DA ESCOSSIA,1561 – NOVA BETANIA – MOSSORÓ – RN

Com informações OAB/RN

Após recursos e questões anuladas, exame de Ordem da OAB aprova 46,4% na 1ª fase no RN

O VII Exame de Ordem Unificado aprovou na primeira fase no Rio Grande do Norte, após recursos, 46,4%. Dos 1.737 inscritos, foram aprovados 667 em Natal e 134 em Mossoró. O resultado já contempla a anulação de quatro questões determinadas pelo presidente nacional da OAB, Ophir Cavalcante, e a Comissão Nacional do Exame de Ordem Unificado. Três dessas questões foram consideradas idênticas a de exames anteriores, bem como a questão 65 (Direito Penal – Tipo 1), que teve o gabarito divulgado de forma equivocada, pois a resposta correta deveria ser a letra “B”, e não a letra “A”.

A 1ª fase do Exame de Ordem, prova objetiva, foi realizada em 27 de maio de 2012. Já a 2ª etapa acontecerá em 8 de julho. O Exame de Ordem não tem reserva de números de vagas, basta o examinando alcançar a nota mínima que o habilitará a solicitar a inscrição nos quadros da Ordem se porventura não houve qualquer impedimento legal.

Fonte: OAB

Jornalista vai ter que "inventar" dor no peito essa semana pra conseguir cateterismo pela Amil

Por essa ninguém esperava, nem mesmo Hollywood. Um jornalista vai ter que acompanhar a sugestão de uma atendente da Amil e inventar uma dor no peito na próxima quinta-feira (24) para poder conseguir a autorização para realizar um cateterismo pela operadora de plano de saúde.

O blog teve a informação através do próprio jornalista, que relatou o fato ocorrido e, pelo visto, vai ter que fazer um curso intensivo de teatro daqui pra depois de amanhã para não ser vítima de uma total irresponsabilidade contra as pessoas que pagam, em tese, para ter um atendimento privado de qualidade. Absurdo dos absurdos.

Confira a carta

“Prezado Bruno,

Relato em seu blog o tratamento que recebemos dos planos de saúde quando mais precisamos. Sexta-feira tive um problema cardíaco, pressão alta, diabetes alterada e fortes dores no peito. Fiz vários exames e os médicos por precaução recomendaram que eu passasse a noite na UTI. Quando cheguei na UTI, o médico de plantão preocupado com meu estado de saúde achou por bem eu fazer um cateterismo, entrei em contato com meu cardiologista, que é meu primo, que também foi da mesma opinião.

Marquei o cateterismo para próxima quinta-feira, dia 24 de maio, para minha surpresa quando fui autorizar o procedimento médico, o plano de saúde Amil exigiu que eu fizesse um exame de esteira, tentei explicar que por recomendações médicas não posso fazer esforço, já que tive uma crise de angina e o exame de cateterismo é justamente para verificar a situação das minhas coronárias.

O plano de saúde Amil então pediu que eu fizesse um ecocardiograma, era tudo que eu queria, concordo com o plano de saúde, quero fazer um eco! Mas meu cardiologista, minha endocrinologista não querem o ecocardiograma, querem o cateterismo, que segundo eles é o exame ideal para um diagnóstico preciso.

Então pedi para falar com o médico da perícia do plano de saúde, para explicar meu problema, mas a perícia médica da Amil analisa apenas o relatório feito pela equipe de atendimento. Não tem contato com o paciente. Mais um argumento frustrado.

Dessa forma tenho que esperar cinco dias úteis para saber se o procedimento vai ser autorizado, vou ter que combinar com as placas de gorduras que os médicos desconfiam que tenho nas minhas artérias pra que elas esperem.

Foi quando o atendente da Amil me deu uma solução mágica. Que na quinta-feira pela manhã eu me dirigisse ao hospital que quero fazer o precedimento, simule uma dor no peito, uma dor grande e que imediatamente meu procedimento vai ser feito. Pode isso????

Para fazer um exame sério na data combinada com meus médicos vou ter que primeiro simular uma dor cardíaca que provavelmente não vou ter, ou quero não ter, para poder assim ser atendido. O que preciso é apenas de um procedimento, não de um teatro, ou para ser mais preciso de uma palhaçada.

Se o médico passou o exame é porque tenho histórico familiar de infarto cedo, sou diabetes e tenho pressão alta. O atendimento da Amil é uma calamidade. E eu? Quinta-feira pela manhã vou ter uma dor no peito!!!

Gustavo Negreiros

Jornalista e vítima da Amil”.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. […] O plano de saúde Amil se pronunciou hoje sobre o caso do jornalista relatado ontem no post “Jornalista vai ter que ‘inventar’ dor no peito essa semana pra conseguir cateterismo“. […]

  2. Daniel Maia disse:

    Infelizmente parece ser mais um caso em que, ou o cliente do plano se submete a condições ridículas para ter um atendimento pelo qual PAGA, ou então vai ter que acionar o judiciário para obter o que é seu por direito. Infelizmente ainda existem muitas empresas e empresários sem-vergonha neste país. Não são todos, mas são muitos que se acham no direito de receber o dinheiro pelo serviço, mas na hora de prestá-lo, não querem fazê-lo.

  3. Bebel Urbano disse:

    Quando eu tinha 8 anos e estudava na Escola Doméstica, esqueci de fazer um trabalho de português, que seria cobrado na segunda aula (após o intervalo). Como não queria leva uma bronca da professor, nem uma anotação na agenda, disse à minha mãe, assim que ela foi me deixar, que fosse me buscar às 9h, pq eu iria ter dor de cabeça. E às 8h45 eu estava na sala da coordenadora, dizendo que eu estava com a bendita dor de cabeça para que ela ligasse para minha mãe. Minha mãe me buscou, mas levei uma bronca gigante, acompanhada de algumas palmadas e a promessa de que nunca mais me buscaria na escola fora do horário (promessa essa que foi cumprida até eu terminar o pré). Por que eu estou contando tudo isso?? Simplesmente pelo fato de achar que inventar doenças previamente é coisa de criança, pra fugir das obrigações. Mas pelo que eu estou vendo, é como criança que a gente tem que agir pra ser atendido pelos planos de saúde de hoje em dia. Bom, se serve de alento, pelo menos assim, fingindo a dor (ou com dor de verdade) eles ainda atendem. Ruim vai ser quando chegar o dia que a gente vai ter que provar por A+B que realmente está doendo!

Precatórios: Confira os anexos do laudo que atestaram a falsificação da assinatura de desembargador

Não precisa ser perito para ver que existem algumas diferenças entre as assinaturas do desembargador Osvaldo Cruz colhidas pelo perito criminal Elinaldo Cavalcante da Silva e as que constavam como sendo de sua autoria nos cheques apresentados pela ex-chefe da Divisão de Precatórios, Carla Ubarana. Mas a análise pericial, somente quem entende é que pode fazer.

O BG disponibiliza para você os anexos do Laudo de Exame Documentoscópico (Grafotécnico) realizado:

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Renato José disse:

    Bruno, parabéns por sua cobertura sobre este assunto, é importante que se divulgue os dois lados, alguns blogueiros nem colocaram esse fato novo, que se for confirmado mostra que Carla Ubarana é capaz de tudo, as pessoas que conhecem Dr. rafael Godeiro de perto sabe que ele não é esta pessoa que Carla está querendo mostrar, os Desembargadores já foram jugados pela imprensa e pela opnião pública, cada dia me convenço que tem muita coisa a ser desmascarada dessa senhora que realmente envergonhou nosso estados com aquela reportagem do fantástico. A verdade está vindo a tona.