Intenção de consumo das famílias tem melhor janeiro desde 2015, informa CNC

Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil

A Intenção de Consumo das Famílias (ICF), medida pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), chegou a 97,1 pontos em janeiro, alcançando seu melhor resultado para um mês de janeiro desde 2015. Segundo a pesquisa, divulgada hoje (22), em relação ao mesmo período de 2019, houve crescimento de 1,2%.

Com o ajuste sazonal, a ICF apresentou uma retração mensal de 0,3%. Apesar de ser a segunda consecutiva na série dessazonalizada, a queda foi menos intensa do que a registrada em dezembro de 2019 (-0,8%).

De acordo com o presidente da CNC, José Roberto Tadros, os números mostram que os consumidores estão cautelosos com seus gastos no curto prazo, mas representam um cenário mais otimista no longo prazo, além de serem um indicativo de que a economia brasileira deve ter um 2020 melhor que 2019.

“Os resultados estão alinhados com uma melhora da percepção econômica, já sinalizada pelo aumento da confiança dos empresários do comércio, que também teve seu melhor janeiro em anos. Os indicadores medidos neste primeiro mês traduzem uma recuperação gradual, impulsionados pela inflação baixa e redução nas taxas de juros”, afirmou, em nota.

Crédito

O item acesso ao crédito apresentou aumento de 0,3% na passagem de dezembro para janeiro, após queda de 1,2% em dezembro. O indicador atingiu 91,7 pontos, o maior nível desde maio de 2015. Na comparação anual, o crescimento foi de 5,6%.

Segundo a CNC, a melhora na percepção das famílias em relação ao mercado de crédito também pode ser observada pela redução da quantidade de brasileiros que acredita que comprar a prazo está mais difícil: 39% contra 39,7% em dezembro e 40,5% em janeiro de 2019.

A parcela de brasileiros que avaliou o momento como positivo para comprar bens duráveis atingiu 34,6%, o maior percentual desde abril de 2015 e acima dos 32,7%, observados no mês anterior, e dos 32% registrados em janeiro passado. Dos sete componentes da ICF, este foi o item que apresentou as maiores variações positivas em ambas as bases de comparação – mensal (+3,3%) e anual (+7,4%) –, chegando ao melhor patamar desde abril de 2015.

Renda

Outro destaque da pesquisa foi o indicador renda atual, que apresentou crescimento de 3,8% em relação a janeiro do ano passado, chegando a 112,7 pontos e alcançando o maior nível desde maio de 2015. O item registrou retração no comparativo mensal, com queda de 1,3%. O item emprego atual contabilizou queda de 1,6% na passagem de dezembro para janeiro.

Segundo a economista da CNC responsável pelo estudo, Catarina Carneiro da Silva, essas quedas podem ser explicadas pelo fato de janeiro ser um mês em que uma parte dos contratos de empregos temporários é encerrada. “Normalmente, também há uma redução de renda neste período, visto que os funcionários não sentem os efeitos do benefício do décimo terceiro e da disponibilidade do saque do FGTS, como em dezembro. Além, claro, dos gastos sazonais no início do ano, como IPTU, IPVA e matrículas escolares.”

Agência Brasil

Deputada Natália Bonavides defende que famílias possam plantar maconha para uso medicinal

Foto: Reprodução/Twitter

“Democratizar o acesso ao uso medicinal da Cannabis é garantir o direito constitucional à saúde de todas e todos. Existe a necessidade de o Congresso Nacional debater a regulamentação, pois diversas pessoas necessitam do tratamento, e no cenário atual as famílias de baixa renda não possuem condições econômicas de obter as medicações que podem melhorar a vida do paciente e de seus familiares”, declarou a deputada federal Natália Bonavides (PT-RN).

A deputada petista foi a primeira a protocolar, na Comissão Especial,  em que faz parte, emendas ao Projeto de Lei nº 399/2015, que permite a comercialização de medicamentos à base de Cannabis. Para a parlamentar, as alterações apresentadas visam ampliar as possibilidades de acesso ao tratamento medicinal com Cannabis, devidamente registradas na Anvisa, conforme aprovação recente da Agência, que aprovou  resolução que permite venda nas farmácias brasileiras de produtos à base de Cannabis para uso medicinal.

Na resolução, por outro lado, vale destacar que a a medida aprovada pela Anvisa, coloca restrições aos produtos com THC, componente importante para o tratamento de muitas doenças, além de restringir o acesso apenas por meio de farmácias.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Rafael disse:

    Quando vocês tiverem um parente que tenha mais de 30 convulsões por dia e, quando usam canabis, esse números cai para menos de 5 convulsões por dia, vocês compreenderão o alcance dessa iniciativa

    • Raimundo disse:

      O remédio tudo bem.
      Mas sabemos que a maiorias dos interessados não estão preocupados com doenças nem cura.
      Se fosse o remédio, ninguém nem falava ou defendia.
      Poderia um órgão público plantar e tirar o extrato pra vender barato…
      Desde que não seja nas universidades.

  2. Carlos disse:

    Plantar, usar e VENDER o excedente da produção na porta das escolas. Na rede pública tem desconto, é só mostrar o vale Canabis chancelado pela esquerda e assinado pelo PT.

  3. Tarcísio Eimar disse:

    Possivelmente ela está querendo plantar também

  4. João Sem Braço disse:

    Aperta um Natália!

  5. Meinardo de Lima disse:

    Vocês não devem ler apenas o título da matéria.
    Lendo vc não vai encontrar nada falando de plantio.

  6. Absurdo desse Brasil disse:

    Quero saber a carteira de trabalho dessa TRABALHADORA ?? Isso nunca teve carteira assinada, nunca gerou 1 real de imposto , uma defensora dos trabalhadores sem nunca ter trabalhado , hipocrisia

  7. Henrique disse:

    Essa mulher é uma vergonha para o RN! Essa não se elege nunca mais.

  8. Roberto disse:

    Eu tenho certeza que Deus está perto de volta. Só Jesus na causa.

  9. Vergonha nacional disse:

    Kkkk é muita hipocrisia, essa boyzinha é do partido dos trabalhadores sem NUNCA ter TRABALHADO, não sabe a cor da carteira de trabalho

    • verdade disse:

      Natália Bastos Bonavides (Natal, 15 de junho de 1988), é uma advogada popular, mestre em direito constitucional, feminista, militante dos direitos humanos e dos movimentos sociais e política brasileira, eleita à Câmara Municipal de Natal pelo Partido dos Trabalhadores em 2016. Foi eleita deputada federal nas eleições gerais de 2018.[1]

      No movimento estudantil foi o início da sua militância. Foi dirigente do Centro Acadêmico Amaro Cavalcanti, representante dos estudantes do curso de Direito da UFRN.[2] Nos movimentos sociais foi advogada do Movimento dos Trabalhadores Sem-Terra, do Movimento de Luta nos Bairros, Vilas e Favelas (MLB), do Movimento de População em Situação de Rua e atuou politicamente junto à Marcha Mundial das Mulheres. Foi uma das fundadoras do Escritório Popular, primeira organização de assessoria jurídica de movimentos sociais do estado[1][3]

      Em 2016 foi eleita a quinta vereadora mais votada da capital potiguar, com 6.202 votos.[4] Acabou eleita deputada federal em 2018, pela coligação PT/PCdoB/PHS com 112.998 votos, a segunda mais votada do estado e a mais votada de Natal onde obteve 43.714 votos.[5]

  10. Jose Carlos disse:

    Fica praticamente dificil num pais Continental como o Brasil, com o avançado arcabouço jurídico q prestigia bandido, separar joio do trigo.

  11. Luciano disse:

    Substâncias existentes na maconha são utilizadas pra produzir remédios com fim medicinal, alguém precisa explicar a deputada, que fumar maconha não é remédio mas vício e ainda alimenta o tráfico de drogas.

  12. rezende disse:

    É essa coisa que pretende ser prefeita da nossa capital? Deus nos livre, isso pra mim é apologia as drogas.

  13. Ceará-Mundão disse:

    Essa criatura é uma das provas vivas dos motivos que seguram o RN no atraso, na desgraça. Se o povo potiguar nào tomar juízo e continuar votando nessas porcarias, o destino deste estado será muito sombrio. Que Deus proteja o RN.

  14. verdade disse:

    Verdade seja dita: “Quando uma mulher avança, nenhum homem retrocede”
    Parabéns deputada. Não sou ptista mas apoio a idéia.
    A legalização da comercialização e do consumo da maconha combaterá o crime organizado e o tráfico de drogas.

    • Prof victor pablo disse:

      O cigarro eh legalizado. Nem por isso acabou com o contrabando e com o crime organizado que fatura milhoes trazendo do paraguai.

    • Raimundo disse:

      Isso é discurso pronto da esquerda.
      Drogas são proibidas porque fazem mal.
      Legalizar o que faz mal vai facilitar o acesso.
      Quem apoia a liberação das drogas usa esses discursos prontos.
      Não preocupados com segurança pública.
      Até porque se liberar a maconha os traficantes vão continuar vendendo cocaína etc ou vão assaltar…
      Traficante tem de ser preso
      No desgoverno do PT, a droga e a violência se espalhou pelo Brasil, especialmente pelo nordeste, com o discurso de Lula de que adolescentes assaltam para comprar tênis etc.
      Papo manjado da esquerda.
      O comunismo é uma seita.
      Quem segue é fanático e segue.

  15. Vergonha nacional disse:

    Essa é do partido dos trabalhadores sem NUNCA TER TRABALHO , não sabe a cor da carteira de trabalho,

  16. Ceará-Mundão disse:

    Correta a atitude.

    • Ceará-Mundão disse:

      Crie vergonha e crie um pseudônimo prá vc, "cumpanhero". Corja sem estilo e decência, são canalhas nas mínimas coisas. Não apoio maconheiro, "cumpanhero", isso é coisa de gente da sua laia, esquerdopatas vagabundos. É pelo que já vi até agora, NUNCA apoiarem algo dessa triste pessoa. Pobre Rio Grande sem norte e sem sorte. Aprendam a votar, potiguares.

    • Cigano Lulu disse:

      Potiguar aprender a votar?
      Só pode ser piada pronta.
      De pé no chão ele ainda conseguiu aprender a soletrar…
      Agora aprender a votar, aí já é querer demais.

  17. Judith disse:

    Só quem precisa da planta para tratar doença. Sabe! Apoio.

  18. joaozinho disse:

    Um discurso generalista em pro de uma droga, passa a ideia que essa substancia cura qualquer doença, e nao tem efeitos colaterais, ao contrario do que se vem provando em centros universitarios serios em todo o mundo.. Neste discurso perigoso, poderia incluir ate a cocaína que tambem tem efeito medicinal, o opio, etc… ou ate o cigarro, que alivia as dores de enxaqueca, sem pensar nas consequencias desse tipo de propaganda irresponsavel.
    Contraditório esta pessoa, vindo de um partido que defende a intervençao do estado na vida das pessoas… quando na verdade ela ta defendendo o liberalismo: que se produza e venda em casa uma droga que causa muito mais males diversos a saude do que beneficios. Qual seria o objetivo vindo de uma pessoa rica , um pensamento desses? Desmoralizar o combate as drogas e integrar as familias ao narcotrafico com naturalidade? aumentar o consumo de drogas psicotropicas para lazer?

  19. aof disse:

    É do PT? Normal. Continuem com essas pautas. As eleições estão proximas e quem não é usuário saberá dar troco.

  20. Ricardo Carvalho disse:

    Já no caso do partido que virou quadrilha e seus puxadinhos é para consumo próprio! kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

  21. Ricardo disse:

    Essa pauta maconhista é muito bem financiada por bilionários globalistas como Soros. O que eles querem com isso?

    • Liberal Minion disse:

      Amigo, podemos investir em empresas que usam canabidiol para medicamentos, isso não é crime nem pecado. Você está confundindo xarope de canabidiol com a pauta maconhista da esquerda. No brasil tem um fundo da Vitreo que investe em ações de canabidiol, é aberto pra qualquer investidor

Intenção de consumo das famílias cresce pelo terceiro mês; em comparação com outubro passado, expansão foi ainda maior

Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

A Intenção de Consumo das Famílias (ICF) cresceu 0,2% no país na passagem de setembro para outubro deste ano e chegou a 93,3 pontos em uma escala de zero a 200 pontos. É a terceira alta consecutiva do indicador, medido pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC).

Na comparação com outubro de 2018, a expansão foi ainda maior (7,7%). De acordo com o presidente da CNC, José Roberto Tadros, a ICF tem refletido uma melhora gradual da economia, “com inflação baixa, juros primários em queda e a reação do mercado de trabalho”.

Na comparação com setembro deste ano, cinco dos sete componentes da ICF tiveram alta, com destaques para a compra de bens duráveis (3,1%) e perspectiva profissional (0,7%). Os dois componentes em queda foram perspectiva de consumo (-1,7%) e emprego atual (-0,4%).

Agência Brasil

Inflação para famílias de baixa renda recua em setembro, diz FGV

Foto: Agência Brasil

A inflação para famílias de baixa renda recuou em setembro, segundo o IPC-C1 (Índice de Preços ao Consumidor — Classe 1), divulgado pela FGV (Fundação Getulio Vargas) nesta segunda-feira (7).

A inflação registrou taxa de -0,09% no mês, frente a 0,11% em agosto.

Habitação, alimentação, transportes e comunicação registraram queda no período. Os itens com maior queda nos preços foram tarifa de eletricidade residencial, bebidas alcoólicas, álcool combustível e tarifa de telefone residencial.

O indicador também apontou recuo em comparação com o mesmo período de 2018, quando a inflação ficou em 0,2%. No acumulado dos últimos 12 meses, o indicador registrou taxa de 3,8%. De janeiro a setembro, a variação ficou em 3,19%.

O indicador mede o impacto da inflação para as famílias que recebem de um (R$ 998) a 2,5 (R$ 2.495) salários mínimos.

R7

 

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. toni disse:

    voces tão de sacanagem a inflação recuol para o povão baixa renda ora vai enganar outro ne porraaaaaaaaaaaaaa!!!!!!! to putooooooooo!!!!! puta que o pariu tou iradoooooooooo!!!!!!!! grgrgrgrgrgrgrgrgrgrgrgrgrgrgrgg!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

  2. Martha Aulete disse:

    E o PT, hein?
    Aquilo que o PT VENERA mesmo e ama profundamente, de verdade — ler, estudar e praticar — é sua mais que divina e dedicada Filosofia: o Roubanismo.

Quase um quarto das famílias brasileiras vive com menos de dois salários mínimos

Foto: Arte R7

Quase um quarto das famílias brasileiras (23,9%) viviam entre 2017 e 2018 com renda total de até R$ 1.908. O valor equivale a menos de dois salários mínimos (R$ 998) e é mais de R$ 3.500 inferior à média dos lares nacionais, de R$ 5.426,70.

O percentual das famílias que faturam até R$ 1.908 corresponde a cerca de 44,8 milhões de pessoas e 16,5 milhões de lares, segundo dados revelados nesta sexta-feira (4), pela POF (Pesquisa de Orçamentos Familiares), divulgada, do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Apesar da elevada quantidade de famílias que vivem com a faixa mais baixa de renda do relatório, o maior percentual do estudo é apresentado pelos lares com rendimentos médios entre R$ 2.862 e R$ 9.540 e corresponde a 30,5% do total de famílias. Para 18,6%, as remunerações mensais da casa variam entre R$ 1.908 e R$ 2.862.

Com os dados, é possível afirmar que três de cada quatro famílias contam com até seis salários mínimos (R$ 5.724) para passar o mês — isso equivale a 147,8 milhões de pessoas, de 50,4 milhões de famílias brasileiras.

Na ponta mais rica do levantamento, aparecem 2,7% das residências do país com renda média acima de R$ 23.850. Há ainda 3,9% com remuneração entre R$ 14.310 e 23.850 e R$ 6,4% ganhando de R$ 9.540 a R$ 14.310.

Regiões

De acordo com o levantamento, o rendimento médio mensal das famílias varia significativamente conforme a localidade em que o grupo vive.

Para os lares da área urbanas, a renda média foi de R$ 5.806,24. Já os grupos que vivem em regiões rurais acumulam rendimento de cerca de R$ 3.050,49, o que representa pouco mais da metade (52,3%) dos ganhos das famílias da zona urbana.

Quando o assunto são as regiões do país, a diferença também é considerável, com o salário médio das famílias moradoras do Centro-Oeste (R$ 6.772,86) mais de 90% superior em relação às do Nordeste (R$ 3.557,98).

Além do Centro-Oeste, as regiões Sul (R$ 5.995,55) e Sudeste (R$ 6.391,29) têm remuneração média familiar acima da média nacional. Na Norte, os grupos de moradores somam renda na casa de R$ 3.647,70.

Em todas as regiões, o componente com a maior participação nos valores recebidos pelas famílias foi o rendimento do trabalho. As maiores participações do rendimento do trabalho foram registradas no Centro-Oeste (61,5%) e no Norte (61,0%).

Arte/R7

R7

 

Inflação para famílias de baixa renda recua em agosto, diz FGV

A inflação para famílias de baixa renda recuou em agosto, segundo a pesquisa IPC-C1 (Índice de Preços ao Consumidor – Classe 1) divulgada pela FGV (Fundação Getulio Vargas) nesta quinta-feira (5). O indicador registrou taxa de 0,11% no mês, frente a 0,43% de julho deste ano.

A tarifa de eletricidade residencial, a taxa de água e esgoto residencial, o pão francês, a cebola e a cerveja foram os itens que mais pesaram no bolso do consumidor em agosto.

Em contrapartida, os itens que ficaram mais baratos e contribuíram mais para o recuo da inflação foram tomate, batata inglesa, cenoura, feijão-carioca e laranja pera.

De janeiro a agosto deste ano, a inflação acumula alta de 3,28%. A taxa é de 4,11% para os últimos 12 meses.

O indicador mede o impacto da inflação para as famílias que recebem de um (R$ 998) a 2,5 salários mínimos (R$ 2.495).

R7

 

Bolsonaro sanciona lei que permite famílias pobres tirarem escritura sem ter o habite-se

Foto: Divulgação

O presidente Jair Bolsonaro sancionou a lei que permite famílias pobres obterem a escritura do imóvel onde moram antes de possuir o habite-se. A sanção foi publicada nesta sexta-feira (9) no “Diário Oficial da União”.

A lei foi aprovada no Senado em julho. Antes, já havia passado pela Câmara.

Pelo texto, a família poderá obter a escritura se já morar há pelo menos cinco anos no imóvel. Outro requisito é que seja uma casa apenas de andar térreo.

Uma vez de posse do documento, o dono poderá vender o imóvel, se desejar.

Quando o projeto passou pelo Senado, o presidente da Casa, Davi Alcolumbre (DEM-AP), estimou que a medida beneficiará 7 milhões de famílias.

G1

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Carina disse:

    Alguém sabe me informar o número da lei?

  2. Só olhando disse:

    O habite-se é um roubo ao cidadão que deu duro para comprar um imóvel onde o poder público não ajudou em nada e ainda precisa pagar mais um imposto.

VÍDEO: BG comenta reintegração de posse de terreno em São Gonçalo que retirou famílias que moravam ilegalmente

Confira o comentário do BG sobre reintegração de posse de terreno em São Gonçalo do Amarante, na Grande Natal, que retirou famílias que moravam ilegalmente. Trecho direto do programa Meio-Dia RN nesta quinta-feira(08).

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Paulo disse:

    Vixe a "desembargadora" Fátima tá com tudo. Mandato Judicial agora tem que passar por ela antes de ser cumprido. Algum já disse a desembargadora"que mandato judicial não se discute e sim se cumpre. Com a palavra a justiça Federal e Estadual.

  2. Pedro disse:

    Virgem, pense numa Paraíba forte, agora, com esse decreto novo. A Governadora usurpa os poderes do judiciário, e a polícia só vai obedecer depois que ela (máquina mortífera bokus) se manifestar. Tá com a gota, não paga a quem deve, vive dançando nas festas, sacaneando os servidores, fornecedores e agora se arvora a autoridade máxima.

  3. Araújo disse:

    Pronto, agora vai. Quer dizer se houver uma ordem judicial, por exemplo para que um de seus secretários tenham que cumprir uma determinação, neste caso, tem que passar pelo crivo da governadora. Vixe…….????

Menos famílias com dívidas em setembro segundo pesquisa

Depois de três meses consecutivos em alta, o endividamento dos brasileiros apresentou pequena queda em setembro. O percentual de famílias que relataram ter dívidas entre cheque pré-datado, cartão de crédito, carnê de loja, empréstimo pessoal, prestação de carro e seguros atingiu 58,9%, contra 59,8% no mês anterior – o nível mais elevado de 2012. Em setembro de 2011, o endividamento afetava 61,6% das famílias.

De acordo com a Pesquisa Nacional de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic), divulgada pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) nesta quinta-feira (27), também recuou o percentual de famílias com dívidas ou contas em atraso.

O percentual de famílias inadimplentes alcançou 19,1% do total em setembro, ante 21,3% em agosto e 24,3% em setembro do ano passado.

“As políticas de estímulos ao crédito e à aquisição de bens duráveis continuam exercendo impacto moderado sobre o número de famílias endividadas, que continua inferior ao observado em 2011”, disse, em nota, Marianne Hanson, economista da CNC.

Tipos de dívida

O cartão de crédito foi apontado como um dos principais tipos de dívida por 73,3% das famílias endividadas, seguido por financiamento de carro, para 17,4%, e, em terceiro, por carnês, para 16,5%.

A Pesquisa Nacional de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic Nacional) é apurada mensalmente pela CNC a partir de janeiro de 2010. Os dados são coletados em todas capitais dos estados e no Distrito Federal, com cerca de 18 mil consumidores.

Fonte: G1, São Paulo