Bolsonaro diz que ataque dos EUA no Iraque deve “impactar’ preço dos combustíveis no Brasil e tenta alternativa para “amenizar”

Foto: Adriano Machado

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta sexta-feira (3) que o ataque dos Estados Unidos no Iraque, no qual foi morto o general iraniano Qassem Soleimani, “vai impactar” o preço dos combustíveis no Brasil.

A ação norte-americana foi ordenada pelo presidente Donald Trump. Soleimani, considerado um herói nacional e maior líder militar do país, chefiava a Guarda Revolucionária do Irã. De acordo com os EUA, o ataque aéreo em um aeroporto de Bagdá foi uma resposta a mortes de norte-americanos no Oriente Médio atribuídas pelo governo Trump às autoridades iranianas.

O preço do petróleo no mercado internacional reagiu de imediato e teve forte alta após o ataque. O Irã e o Iraque estão entre os maiores produtores mundiais.

Bolsonaro foi questionado por jornalistas que acompanharam sua saída do Palácio da Alvorada se avalia alguma medida para conter a subida dos preços dos combustíveis no Brasil.

“Que vai impactar, vai. Agora, vamos ver nosso limite aqui. Porque, se subir, já está alto o combustível, se subir muito complica. Agora, o que eu gostaria que vocês fizessem é que mostrasse para o povo duas coisas: primeiro que eu não posso tabelar nada. Pediram para tabelar carne. Já fizemos essa política de tabelamento no passado e não deu certo”, disse o presidente.

Bolsonaro informou que tentou falar sobre o impacto nos combustíveis na manhã desta sexta com o ministro da Fazenda, Paulo Guedes, e com o presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, mas ambos não atenderam o telefone.

Os jornalistas perguntaram a Bolsonaro se havia alguma alternativa, que não fosse o tabelamento, para amenizar uma possível alta no preço dos combustíveis. O presidente disse que vai “conversar com quem entende” para encontrar uma solução.

“Vou conversar com quem entende. O Brasil está dando certo porque eu não meto o bedelho em tudo. Busco informações”, concluiu.

Ele disse ainda que vai se reunir com o ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), Augusto Heleno, para se informar sobre detalhes do ataque dos EUA.

“Tive algumas informações ontem [quinta-feira] à noite, de madrugada. Vou me encontrar agora com o general Heleno para me inteirar do que realmente aconteceu. Daí por diante, emitir o meu juízo de valor”, completou Bolsonaro.

G1

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Plínio disse:

    Pode perguntar a quem é dono de posto de gasolina.
    O governo do RN, aumentou a pauta PMPF, desde o dia 02/01/20. O aumento já está sendo praticado pelas distribuidoras, algo em torno de 10 centavos.
    Pra quem é militonto, petralha, cabe aqui um comentário sobre a já fracassada governdora Fátima Lula Bezerra.
    Vão lá petralhada na governadoria, e pergunte a cumpanheira.
    Que isso!!

  2. Verdade disse:

    Dolarize tudo e arrocha o colorau Miiiito. Os seus seguidores gostam desse teu jeito de ajudar.

  3. JBBatista. disse:

    A alternativa é andar a pé e os políticos de carros blindados pagos por nós otários

    • Anti-Político de Estimação disse:

      e ainda aplaudindo e idolatrando esses "mitos" e "heróis", kkkkkkkkkkkkkk

  4. Santos disse:

    Tudo é motivo pra aumentar os preços dos combustíveis.

    • Minion de Peixeira disse:

      Tudo é o preço do Brent e do Dólar. Quando eles caíram no ano passado o preço nas bombas também caiu.

    • Hebert disse:

      Onde foi que caiu que eu não vi isso!?

Moradores de favelas do Brasil estão otimistas com 2020, diz pesquisa

Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil

O brasileiro que vive em favelas está otimista com a chegada deste ano, segundo a pesquisa Sonho da Favela 2000, apresentada nesta quinta-feira (2) à Agência Brasil. O levantamento mostrou que oito em cada dez pessoas que vivem em favelas no país (81% do total de entrevistados) acreditam que a vida vai melhorar em 2020, sendo que 36% acredita que a melhoria será significativa. Do total de pessoas entrevistadas, 74% disse estar feliz, atribuindo notas entre 8 e 10 para a sua felicidade.

O otimismo inclui vida financeira e familiar para oito em cada dez moradores. E 76% acredita em melhorias na vida profissional também. As expectativas, segundo eles, não dependerão de governos, mas de esforço próprio: 64% do total de entrevistados afirmam que a melhoria de vida depende de si mesmo, enquanto apenas 5% deles atribuem ao governo federal a mudança.

O maior sonho desses moradores é ter uma casa própria, resposta dada por 21%, seguida por saúde (20%). Ainda entram na lista a chance de ter um negócio próprio (7%), de conseguir um emprego (6%) e de ter sucesso profissional (6%). A maior dificuldade para a realização destes sonhos é a questão financeira: 67% dos entrevistados aponta a falta de dinheiro como maior problema para a realização de seus sonhos. Apesar disso, 52% dos entrevistados têm certeza de que vão conquistar o que desejam.

Profissionalmente, o principal sonho revelado pelos entrevistados foi o de ter um negócio próprio (35%), seguido por passar em concurso público (12%), conseguir um emprego (10%) e ter uma profissão (9%)

(mais…)

Facebook é multado no Brasil por compartilhamento indevido de dados

Foto: AP

O Ministério da Justiça multou o Facebook em R$ 6,6 milhões pelo vazamento de dados de 443 mil brasileiros. Ao todo, as informações de 87 milhões de usuários foram usadas pela Cambridge Analytica, uma consultoria de marketing político, em abril do ano passado, sendo 70 milhões nos Estados Unidos. Na última semana, outros 267 milhões de internautas foram afetados por problemas no sistema de segurança da rede social.

As empresas Facebook Inc. e Facebook Serviços Online do Brasil Ltda serão intimadas e poderão recorrer à decisão no prazo de dez dias. Caso concordem com a decisão, deverão realizar o pagamento no período de um mês, segundo o Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor (DPDC), da Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon).

Procurado pela reportagem, Facebook ainda não comentou o caso.

O processo administrativo verificou que o Facebook usava as informações de forma abusiva para “práticas questionáveis”, segundo texto da decisão. Foi identificada a violação aos termos de uso da plataforma através do aplicativo thisisyourdigitallife, que consistia em um teste de personalidade, que oferecia aos usuários previsões do futuro com base no conteúdo publicado pelos internautas na rede social.

De acordo com o processo, as informações dos usuários brasileiros foram “parar em mãos erradas e ficaram, no mínimo, submetidos a risco concreto (e não meramente abstrato) de serem tratados para finalidades não consentidas”.

Cerca de 270 mil pessoas fizeram o download do aplicativo e se conectaram com suas senhas do Facebook. Só que o programa conseguiu ter acesso não só aos dados desses usuários, mas também de seus amigos. Com isso, alcançou informações de milhões de usuários.

O Globo

Em 2019, Brasil registrou cinco armas por hora para pessoas físicas

Foto: Reprodução/TV Integração

Sob o governo de Jair Bolsonaro, o Brasil bateu recorde de novas armas de fogo registradas em um só ano: foram 44.181 entre janeiro e novembro de 2019, alta de 24% em relação a todo o ano passado. É o maior número de autorizações para posse — isto é, para ter uma arma em casa — concedidas pela Polícia Federal desde 2010, segundo estatísticas inéditas obtidas pelo GLOBO com base na Lei de Acesso à Informação (LAI). O levantamento diz respeito apenas a registros para pessoas físicas, excluindo, por exemplo, aquisições de órgãos públicos e empresas de segurança e também dos CACs (colecionadores, atiradores e caçadores), cujo registro é feito pelo Exército.

Mesmo sem os dados referentes a dezembro, o país vendeu cinco armas por hora a cidadãos comuns em 2019— maior média do que em todos os outros períodos analisados. Ano a ano, os registros de armas vêm aumentando. Em 2018, esse número era de 35.758, o maior até então — um aumento de 8% em relação ao ano anterior. A média era de quatro armamentos vendidos por hora.

Em 2019, os maiores crescimentos percentuais de aquisições de armas em relação ao ano anterior ocorreram em Tocantins (645%), Mato Grosso do Sul (241%) e Mato Grosso (219%). Os números deste ano são três vezes maiores do que os de 2010, quando foram catalogados 12 mil novos armamentos.

Facilitar o acesso da população a revólveres e pistolas foi uma promessa de campanha do presidente. Desde que assumiu, Bolsonaro editou oito decretos sobre porte e posse de armas. Quatro foram revogados após serem contestados por áreas técnicas do Congresso e pelo Ministério Público Federal, que os consideraram inconstitucionais.

Autorizações para porte

Pesquisadores ressaltam que um dos principais riscos do aumento de armas nas mãos de cidadãos comuns é o roubo dos equipamentos, que acabam usados por criminosos.

— Os impactos são graves. A gente tem um consenso nas pesquisas de que a arma legal, a tal da arma do cidadão que compra para se defender, é uma arma que migra para o crime. Não é verdade que vai ficar guardada em casa, ela vai ser roubada. Quando fazemos rastreamento de armas usadas no crime, até cerca de 40% delas têm essa origem. É a arma que o seu João comprou e foi roubada — diz Isabel Figueiredo, do Fórum Brasileiro de Segurança Pública.

Houve também aumento no número de porte de armas — a autorização para andar armado —, sob a justificativa do uso para defesa pessoal, em relação aos anos anteriores. Na comparação com 2018, o crescimento foi de 4% (de 2.961 para 3.090), também sem considerar dados de dezembro deste ano. Os maiores aumentos percentuais ocorreram em Paraíba (246%), Maranhão (200%) e Sergipe (156%).

Para Bruno Langeani, do Instituto Sou da Paz, o fato de Bolsonaro não ter conseguido facilitar por decreto regras para o porte de armas — o presidente recuou da ampliação para diversas categorias profissionais e decidiu enviar ao Congresso um projeto de lei que contempla o tema — fez com que o número de autorizações para andar armado não subisse ainda mais. Por outro lado, Langeani destaca que houve alta expressiva de armas para posse, mesmo com a dificuldade de se entender que regra está valendo, em meio às idas e vindas dos decretos presidenciais.

— Bolsonaro não conseguiu mudar na canetada o porte, mas a venda de armas cresceu. Antes a regra (para posse) era conhecida, vigorou por 15 anos. Com Bolsonaro, tivemos três diferentes, em janeiro, maio e outra em junho. Só em agosto o Exército regulou os calibres permitidos para o cidadão comum. Se mesmo com a confusão toda para saber que regra está valendo ou não, houve crescimento expressivo, imagina quando isso estiver estabilizado — explica.

O pesquisador ressalta outra mudança importante feita pelo governo. O registro de posse passou a valer por dez anos e não mais por cinco anos.

— É uma outra flexibilização que é perigosa. Você só checa a aptidão para ter uma arma dez anos depois. Todas essas pessoas só vão renovar e precisar fazer os testes de novo em 2029. Além disso, há cinco ações pendentes de julgamento no Supremo, que pode derrubar as regras que estão valendo. A gente não sabe como ficará a questão para quem já conseguiu a posse de arma esse ano. Fica uma insegurança jurídica — diz Langeani.

O governo também quadruplicou potência das armas de uso permitido a cidadãos comuns, desde que tenham calibre permito pelo Exército. Retirou ainda a necessidade de apresentação de atestado de antecedentes criminais na renovação, o que entra em conflito com decretos anteriores, e facilitou a posse de arma particular para militares e policiais, que ficaram dispensados de apresentar requisitos como atestado de aptidão psicológica.

O Globo

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Raimundo disse:

    Mesmo assim os índices de criminalidade caindo

  2. Carlos Bastos disse:

    Atenção não brige no trânsito o povo está armado, cuidado.

    • Gen disse:

      Nem tente assaltar o cidadão, muito menos fazer arrastões em residência ou pontos comercial, vai que um desse que comprou arma está por lá, aí quem você achava que estava indefeso, vai poder reagir, e o sabidão pode passar por baixo, e levar chumbo. Hehehe

“Brasil não tem quaisquer satisfações a prestar ao regime ilegítimo venezuelano”, responde Itamaraty a Maduro, sobre presença de nacionais do país vizinho em território nacional

Fronteira entre Brasil e Venezuela, perto da cidade de Santa Elena de Uairén. Grupo atacou unidade militar venezuelana na região e roubou um lote de armas Foto: BRUNO MANCINELLE / AFP

O governo brasileiro vai ignorar o pedido realizado pelo presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, de capturar e entregar suspeitos de cometerem atentados a bases militares e policiais venezuelanas que Caracas afirma terem se refugiado em território brasileiro. Em nota, o Ministério das Relações Exteriores disse que o Brasil não tem “satisfações a prestar” ao governo venezuelano.

“O Brasil não tem quaisquer satisfações a prestar ao regime ilegítimo venezuelano sobre a presença de nacionais venezuelanos em território nacional”, diz a nota do Itamaraty, enviada ao GLOBO.

A nota é uma resposta a acusações feitas pelo presidente Nicolás Maduro na noite de segunda-feira, onde afirmou que um lote de armamentos roubados estaria em solo brasileiro e classificou o ocorrido como um “ataque terrorista”. Na ocasião, Maduro dirigiu-se nominalmente ao presidente Jair Bolsonaro, pedindo que o Brasil detenha os suspeitos e os entregue às autoridades venezuelanas, juntamente com as armas. Ele disse ainda que 11 pessoas foram presas, entre civis e militares desertores.

O Itamaraty também reiterou que o governo brasileiro “não tem qualquer participação nas ações em questão ocorridas dentro do território venezuelano”. Essa posição já havia sido formalizada na manhã de segunda-feira, depois de acusação do ministro do Comunicação venezuelano, Jorge Rodríguez, de que os acusados teriam tido ajuda brasileira antes de cometer os atentados.

Rodriguez afirmou que os acusados passaram pelo Brasil antes de realizar a ação. Em pronunciamento ao vivo na TV estatal, o ministro disse, sem apresentar provas, que os homens receberam treinamento em Cali, na Colômbia, antes de serem transportados até o Peru e dali, por terra, até Manaus. Em seguida, foram até a cidade fronteiriça de Pacaraima, em Roraima, onde, segundo o chavista, ficaram hospedados em um hotel por 15 dias, recebendo ali “instruções e detalhes” sobre os ataques.

Colômbia, Peru e Equador

Jorge Rodríguez apontou ainda diretamente para o governo da Colômbia, que, segundo ele, protegia os acusados do ataque e teria agido em conluio com os deputados oposicionistas Gilber Caro, Gaby Arellano, José Manuel Olivares e Ismael León. Ele mencionou o oposicionista Vilca Fernández, que hoje vive no Peru e foi chamado de “psicopata perigoso”.

O governo do Peru negou qualquer participação no episódio, chamando de falsas as acusações feitas pelo chanceler Jorge Arreaza, de que o grupo estaria baseado no país. Em comunicado, o chanceler Gustavo Meza-Cuadra ainda reiterou seu compromisso com “uma solução pacífica” que “permita o retorno para a democratização e o fim do regime ilegal de (Nicolás) Maduro”.

A Chancelaria colombiana também rechaçou as acusações de Caracas, afirmando que tratam-se de “acusações temerárias por parte de um regime que apenas tenta distrair a atenção frente aos graves problemas internos ao inventar inimigos externos”. O Ministério de Relações Exteriores do Equador, por sua vez, classificou as acusações como “audaciosas e sem fundamento” e disse “rechaçar com firmeza” a acusação “frívola” que “não passa de uma mera tentativa de desviar a atenção para o fracasso econômico, a violação dos direitos humanos, emigração massiva e ilegitimidade institucional”.

Quatro unidades atacadas

De acordo com informações oficiais, na madrugada de domingo um grupo de 12 homens pertencentes à etnia pemón, liderados por Andrés Antonio Fernández atacou uma base de infantaria na região de Gran Sabana, no estado de Bolívar, que faz fronteira com o Brasil. Foram levados 112 fuzis, 120 granadas, três lançadores de foguetes, três metralhadoras, dez bazucas e dez caixas de munição, além de um caminhão. As autoridades disseram que quase todos os equipamentos foram recuperados. Um militar teria sido levado como refém.

Ataques a unidades militares

Segundo a Venezuela, os homens que atacaram bases militares e policiais no Sul do país no domingo treinaram em Cali (Colômbia), se deslocaram até o Peru e depois seguiram para Manaus e Pacaraima, no Brasil.

O Globo

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Rick disse:

    Devia complementar que: se tiver algum brasileiro querendo ir pra lá ou fazer turismo, será dado todo apoio. Não sei porquê a esquerdalha não quer ir pra lá, evo morales, jean wills, Fátima bezerra, lula nem pensar, só na parcerias.

Coca-Cola lança bebida alcoólica no Brasil pela primeira vez

Schweppes com álcool: Coca-Cola informou que o objetivo não é concorrer com cervejas (Coca-Cola/Reprodução)

Nem só de refrigerante viverá a fabricante de bebidas Coca-Cola em 2020. Icônica por fabricar bebidas não-alcoólicas desde 1886, a empresa vai lançar sua primeira versão de bebida com álcool no Brasil, conforme anunciou em evento na semana passada.

As bebidas estarão dentro do guarda-chuva da marca de refrigerantes Schweppes, que é de propriedade da Coca-Cola em mais de 100 países, incluindo na América Latina.

São três sabores na nova linha, batizada de “Schweppes Premium Drinks”: Vodca & Citrus, Striptz e Gin Tônica. O rótulo das bebidas é parecido, com apenas mudanças no sabor. Todas são do tipo bebida mista gaseificada, com 5% de álcool (a título de comparação, algumas cervejas podem ter teor alcoólico entre 5% e 10% e destilados como vodca e tequila podem passar de 20%).

A Schweppes está vendendo as bebidas em garrafas de 250 ml e prontas para beber. Cada garrafa custa 7,99 reais no site oficial da Coca-Cola. O produto também começou a ser vendido na Grande São Paulo em algumas lojas da rede AMPM, do Posto Ipiranga, por 9,90 reais a garrafa. A empresa não está vendendo, por ora, garrafas maiores do produto.

Segundo a Coca-Cola, a bebida foi desenvolvida no centro de inovação da empresa, aberto no ano passado no Rio de Janeiro, e passou por testes de campo com os consumidores.

A depender do público que buscar, os drinks da Schweppes concorrerão, no mesmo segmento, com drinks como as garrafinhas de Smirnoff Ice (da fabricante de bebidas Diageo), 51 Ice ou Askov Ice, que custam entre três e sete reais em supermercados.

No Brasil, o lançamento vem no início das festividades que marcam o começo do verão e os preparativos para o Carnaval. Mas a Coca-Cola afirmou, por meio de sua assessoria de imprensa, que o objetivo não é concorrer com cervejas ou vender o drink em bloquinhos de Carnaval.

Renato Shiratsu, diretor de inovação da Coca-Cola Brasil, disse na nota de lançamento do produto que a marca Schweppes é “mundialmente reconhecida em coquetelaria”, isto é, com os refrigerantes sendo misturados a bebidas alcoólicas para elaboração de drinks. “Vemos a nova linha como uma extensão natural da marca no Brasil”, disse.

Diversificação

Em julho deste ano, a Coca-Cola já havia lançado no Japão a primeira uma bebida alcoólica de sua história, batizada de Lemon-do. A bebida é um frisante à base de um fermentado de grãos com sabor limão.

A Coca-Cola vem buscando uma maior diversificação para brigar contra a queda no consumo de refrigerantes. Neste ano, a empresa anunciou que sua previsão de lucro seria de alta de 5% em 2019 justamente pelos bons resultados da Coca-Cola Zero e da Coca-Cola Plus Café Expresso, versão com mais cafeína, que ajudaram as vendas. Segmentos como água, chás e cafés também vêm crescendo dentro da Coca-Cola.

No Brasil, a empresa fez nos últimos meses uma grande campanha publicitária com o mote “Vai no gás” para alavancar a Coca-Cola Plus Café em situações do dia-dia, como trabalho e estudos. Na fórmula vendida no país, o produto tem 40% a mais de cafeína do que a Coca-Cola original, mas 50% menos açúcar.

De 2013 para 2018, o mercado brasileiro de refrigerantes encolheu 21% em volume, segundo a Euromonitor International.

Tal qual no caso da Lemon-do no Japão, o lançamento da Schweppes com álcool é exclusivo para o Brasil. A ver se novos lançamentos do tipo vão acontecer em 2020.

Exame

Brasil garante título do Circuito Mundial de Surfe; disputa está entre o potiguar Ítalo Ferreira e Gabriel Medina

Foto: wsl/Kelly Cestari; foto 2:Tony Heff

No início da tarde desta quinta, o surfista brasileiro Ítalo Ferreira derrotou Peterson Crisanto por 11,84 a 4,23 e garantiu a passagem para as quartas de final do Billabong Pipe Masters, última etapa do Circuito Mundial de surfe.

Com isso, o título do Circuito Mundial de surfe não pode mais ficar nas mãos do norte-americano Kolohe Andino, que ainda hoje enfrenta o francês Michel Bourez. A disputa fica apenas entre Ítalo e o também brasileiro Gabriel Medina.

Medina ainda entrará na água nesta quinta, e enfrentará o também brasileiro Caio Ibelli pelas oitavas de final.

Agência Brasil

Curso de Jornalismo da UERN é o melhor entre as faculdades públicas do Brasil

Estudantes do curso atuam em atividade prática do projeto TV COM. Foto: Divulgação

O curso de Jornalismo da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN) apresentou o segundo melhor desempenho do País entre os cursos de Jornalismo de universidades públicas e privadas, conforme os Indicadores de Qualidade da Educação Superior 2018 divulgados na semana passada pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP/MEC).

Com um Conceito Preliminar de Curso (CPC) contínuo de 4,08, e nota 5 (máxima), o curso da UERN obteve a maior nota do País entre os cursos de universidades públicas. Entre universidades públicas e privadas, o desempenho da UERN foi o segundo melhor, atrás apenas do curso de Jornalismo da UNISINOS, de Porto Alegre/RS. No total, 282 instituições de ensino foram avaliadas. Este é o melhor resultado obtido pelo curso da UERN desde o início da avaliação do ENADE.

O curso de Jornalismo da UERN atende a estudantes do Rio Grande do Norte e estados vizinhos, sendo referência na formação de profissionais em todo o Estado. A maioria dos professores do curso é formada por docentes doutores e com regime de dedicação exclusiva, com forte atuação no campo da pesquisa científica e extensão, além do ensino. Em seu histórico, o curso já obteve diversas premiações com seus estudantes. Nascida como habilitação do curso de Comunicação Social, a graduação passou a ser um bacharelado independente, atendendo ao previsto nas Diretrizes Curriculares Nacionais (DCNs).

O Conceito Preliminar de Curso (CPC) é um indicador de qualidade que avalia os cursos de graduação. Seu cálculo e divulgação ocorrem no ano seguinte ao da realização do Enade, com base na avaliação de desempenho de estudantes, no valor agregado pelo processo formativo e em insumos referentes às condições de oferta – corpo docente, infraestrutura e recursos didático-pedagógicos.

Para o chefe do Departamento de Comunicação Social, Jefferson Garrido, o resultado é extremamente positivo e reflete a qualidade da formação ofertada pela Universidade e a dedicação e empenho dos estudantes, assim como de todo corpo docente e técnico que integram o curso. “Aumenta nosso compromisso de buscar também fortalecer os nossos cursos e torná-los ainda mais fortes. Tudo isso buscando a melhoria da qualidade do ensino entregue aos nossos alunos”, comentou.

O resultado completo está disponível AQUI.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Thalia disse:

    Como o curso pode ser tão bom se nossos jornalistas, com raríssimas exceções são pra lá de medíocres??

    • Pai da Thalia disse:

      que bobagem cê falou aí! que loucura! isso aí que cê disse é tudo bobagem!

  2. Igor disse:

    Já disse aqui mil vezes!!!!!!! O RN falido não tem condições de manter universidade. Isso fica para o governo federal e a iniciativa privada. O governo não consegue pagar os funcionários, imagina bancar uma universidade apinhada de marajás e com turmas de 10 alunos.

  3. Carlão disse:

    Uou.

Home office bateu recorde no Brasil em 2018, diz IBGE

Foto: Economia G1

Um levantamento divulgado nesta quarta-feira (18) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostra que, em 2018, 3,8 milhões de brasileiros trabalhavam dentro de casa, o chamado home office. Trata-se do maior contingente de pessoas nesta condição de trabalho já registrado – resultado da alta informalidade no país, que encerrou o ano passado em 41,1%, e segue em patamares semelhantes em 2019.

De acordo com o IBGE, o home office correspondia a 5,2% do total de trabalhadores ocupados no pais, excluídos da conta os empregados no setor público e os trabalhadores domésticos. Na comparação com 2012, quando teve início a série histórica da pesquisa, esse contingente teve alta de 44,4%.

O home office, destacou o IBGE, teve queda de 2,1% entre 2012 e 2014, cresceu 7,3% em 2015, e voltou a ter queda de 2,2% em 2016. Já entre 2017 e 2018, cresceu em 21,1%.

Também bateram recordes, em 2018, os números de trabalhadores trabalhando em veículo automotor (3,5 milhões), em via pública (2,3 milhões) e em empreendimentos distintos daqueles para o qual a pessoa foi contratada (1 milhão). As altas destes contingentes, na comparação com 2012, foram de 35,21%, 25,9% e 49,78%, respectivamente.

De acordo com a gerente da pesquisa, Adriana Beringuy, esses números refletem o movimento observado nos últimos anos no mercado de trabalho, que diante do desemprego crescente, viu aumentar a informalidade.

“São os arranjos que as pessoas encontraram para se ocuparem no mercado de trabalho”, disse.

Outros locais

O IBGE enfatizou, que a maior parte dos trabalhadores do país atuam no próprio estabelecimento do contratante. Porém, esse número vem registrando queda desde 2014, quando teve início a crise no mercado de trabalho. Em 2012, eram 44,9 milhões nesta condição, número que cresceu em 3 milhões até 2014, uma alta de 6,5%. Desde então, ele foi reduzido em 3,4 milhões (-7,1%), chegando a 44,5 milhões.

Em contrapartida, o trabalho em local designado pelo empregador aumentou em 19,9% entre 2012 e 2018, passando de 8,3 milhões para 10 milhões. Já o trabalho em estabelecimento diferente do contratado, o que indica a terceirização de mão de obra, quase dobrou no mesmo período, passando de 687 mil para 1,029 milhão.

Já o trabalho em fazenda, sítio, granja ou chácara vem registrando queda constante. Segundo a gerente da pesquisa, essa tendência de redução é observada desde o início da série histórica. “Essa diminuição está ligada ao processo de êxodo rural e mecanização dos processos”, disse Adriana Beringuy.

Transporte por aplicativo

O trabalho em veículo automotor é aquele realizado por taxistas, motoristas e trocadores de ônibus, motoristas de caminhão, entre outros. Mas, a alta deste contingente, segundo o IBGE, está relacionado ao crescimento do transporte particular por aplicativo.

“As recentes altas podem estar relacionadas ao crescimento dos serviços de transportes de passageiros e de entregas por aplicativos de celular, refletindo as mudanças na economia atual”, destacou a pesquisadora do IBGE Adriana Beringuy.

Já o trabalho em via pública tem relação direta com o aumento de pessoas trabalhando por conta própria como ambulantes.

G1

 

Brasil estreia contra a Bolívia nas Eliminatórias da Copa 2022; veja sequência de jogos

Foto: Lucas Figueiredo/CBF

O Brasil estreia contra a Bolívia nas Eliminatórias da Copa 2022. A definição do confronto foi dada nesta terça-feira em sorteio na Conmebol. O primeiro jogo está previsto para 26 de março.

A CBF levará em conta o adversário do segundo jogo, o Peru, para definir o local da partida de estreia. A ideia é evitar ao máximo deslocamentos grandes na mesma data Fifa.

Era desejo da comissão técnica ter um início de Eliminatórias diante de um adversário mais tranquilo. O sorteio da Bolívia vem a calhar. Na campanha passada, o primeiro jogo do Brasil foi contra o Chile.

No evento desta terça no Paraguai, representaram a CBF o presidente Rogério Caboclo, o coordenador de seleções, Juninho Paulista, e o técnico Tite.

O formato das Eliminatórias segue o mesmo: quatro seleções se classificam diretamente e a quinta colocada disputará a repescagem.

Primeira rodada

Uruguai x Chile

Colômbia x Venezuela

Brasil x Bolívia

Paraguai x Peru

Argentina x Equador

Sequência de jogos do Brasil

Março 2020

Brasil x Bolívia

Peru x Brasil

Setembro 2020

Brasil x Venezuela

Uruguai x Brasil

Outubro 2020

Colômbia x Brasil

Brasil x Argentina

Novembro 2020

Brasil x Equador

Paraguai x Brasil

Março 2021

Chile x Brasil

Bolívia x Brasil

Junho 2021

Brasil x Peru

Venezuela x Brasil

Setembro 2021

Brasil x Uruguai

Brasil x Colômbia

Outubro 2021

Argentina x Brasil

Equador x Brasil

Novembro 2021

Brasil x Paraguai

Brasil x Chile

O Globo

 

Streaming de esportes DAZN reduz preços para crescer no Brasil

Bruno Rocha, VP executivo do DAZN: estratégia é expandir a base de assinantes no país. Foto: (DAZN/Divulgação)

O DAZN, considerado o maior serviço de streaming de esportes do mundo, se prepara para crescer no Brasil. A empresa anunciou um novo posicionamento de preço, com redução da mensalidade para o início de 2020, de 37,90 para 19,90 reais, além do contrato de exclusividade de transmissão do Campeonato Paranaense de Futebol.

“Nossa empresa está em uma fase de crescimento único. Temos como foco acelerar a expansão no Brasil, ganhando escala de forma bastante rápida”, afirma Bruno Rocha, vice-presidente executivo do DAZN no país.

A plataforma de streaming de esportes tem apenas três anos de existência e já é considerada a maior do gênero no mundo. O DAZN já entregou 450 milhões de horas de conteúdo ao vivo. Embora a empresa não abra números, estima-se que já tenha atingido oito milhões de assinantes globalmente, segundo fontes do mercado.

No Brasil, o aplicativo chegou em maio e o Campeonato Paranaense será o primeiro torneio regional a ser exibido na plataforma. “Trata-se da maior cobertura da competição na história, com pelo menos 52 jogos disponíveis para os assinantes DAZN.” Rocha ressalta que o recorde de número de jogos já transmitidos do torneio aconteceu em 2016, com 45 partidas em TV aberta e canais fechados.

A negociação no mundo esportivo é geralmente restrita aos países onde as partidas são transmitidas. No Brasil, o DAZN também transmite a Copa Sul-Americana, a Série C do campeonato Brasileiro, a Série A do italiano, Ligue 1, campeonato Turco e jogos da Premier League, da Inglaterra.

Além do futebol, o serviço detém direitos para campeonatos nacionais e internacionais de basquete, tênis e lutas.

Rocha garante saber dos desafios de crescer em um cenário em que grandes grupos globais investem no streaming, o que divide a atenção do consumidor. “O consumo de conteúdo de mídia, em todas as áreas, vai caminhar para o streaming. Mas nós queremos ser líderes no esporte e temos condições de atingir essa meta.”

Dentro da estratégia da empresa também está a produção de conteúdo original, feito principalmente por parceiros. Além de documentários, o DAZN investiu na produtora de vídeos de comédia Porta dos Fundos para um conteúdo relacionado ao esporte.

“Queremos criar pontos de engajamento do assinante. Temos feito investimentos para trazer conteúdo novo, diferente, no esporte. Vai ser um laboratório interessante.”

Desafios

O DAZN está em nove países, eo Brasil é um dos que mais oferecem desafios para os planos de expansão da empresa em termos de infraestrutura. “Sem dúvida, a tecnologia é uma das grandes prioridades do DAZN. Se o usuário não tiver uma experiência agradável, ele não volta mais”, diz Rocha.

Conforme o executivo, a infraestrutura do Brasil ainda não é otimizada em todas as regiões e, portanto, os telespectadores não têm as mesmas condições de assistir, com alta definição ou sem interrupções, o conteúdo. “Mas o 5G vai chegar rapidamente a todo o país. Temos feito investimentos fortes em experiência ao vivo para maximizar todas as oportunidades. O avanço da banda larga nos dá animo para continuar crescendo.”

Para ele, o Brasil é um dos mercados com maior potencial mundo. “O brasileiro é apaixonado por esporte e principalmente por futebol. Além disso, a população é jovem e consome novas formas de conteúdo. Queremos colocar o DAZN na página inicial dos celulares.”

Exame

 

A cada cinco garrafas de vodca vendidas no Brasil, uma é falsificada, diz estudo

Foto: Arquivo

O mercado ilegal de bebidas alcóolicas movimentou pelo menos 112 milhões de litros de cachaça em 2017. A cada cinco garrafas de vodca, uma é falsificada. Uma a cada quatro garrafas de uísque não é regularizada. Os dados fazem parte de um estudo divulgado nesta segunda-feira pelo Instituto Brasileiro da Cachaça (Ibrac) sobre o impacto da clandestinidade no setor.

De acordo com o levantamento, a comercialização de produtos ilegais fez com que o Brasil deixasse de arrecadar R$ 10 bilhões em impostos em 2017, último ano com dados disponíveis. O valor seria suficiente para pagar salários de 83 mil enfermeiras ou construir mais de 5,2 mil escolas, estimam os autores da pesquisa. O estudo foi realizado pela consultoria Euromonitor International, a pedido de quatro empresas do setor.

Na avaliação do diretor-executivo do Ibrac, Carlos Lima, a ilegalidade no setor tem relação com a alta carga tributária no setor, que chega a 60% — quase o dobro da média nacional, hoje em 34%. A entidade está divulgando o estudo para sensibilizar o governo e a sociedade num momento em que o Congresso discute uma reforma tributária.

As duas propostas em discussão hoje preveem a criação de um imposto seletivo, voltado a produtos como cigarro e bebidas alcoólicas. O temor do Ibrac é que isso se traduza em aumento da carga e, consequentemente, em mais sonegação.

— A principal preocupação é em relação ao Imposto Seletivo. Há uma discussão se o IS será regulatório ou arrecadatório — afirma Lima. — Nossa preocupação é que, se a modulação dessa alíquota não for muito bem feita, o governo possa aumentar a tributação. A tributação de destilados no Brasil já passou há muito tempo do ponto ótimo de tributação.

O estudo estimou que o mercado geral de bebidas no Brasil representa 1,1 bilhão de litros de álcool puro — uma métrica que leva em consideração o teor alcoólico dos produtos pesquisados. Desse total, 14,6% é de bebidas ilícitas, considerando falsificação, sonegação, contrabando e produção ilegal.

Só na produção de cachaça, o número de agentes ilegais é superior a 9 mil produtores no país. Esses podem ser os responsáveis pelas 112 milhões de litros do produto.

Segundo Lima, com tanta bebida ilegal no mercado, o consumidor deve ficar atento para evitar comprar produtos ilegais.

— Primeiro, buscar no rótulo as informações sobre o produto, tentar entender a procedência. Qual é a questão do preço, o local. Às vezes você acha que vai encontrar determinada de uísque por um preço ou num lugar que não necessariamente aquele preço teria — pondera.

O Globo

 

Brasil está ‘a caminho do upgrade’, diz Guedes sobre nota de crédito do país avaliada como positiva

Foto: Reprodução/TV Globo

O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse nesta quinta-feira (12) que o Brasil está a caminho de um “upgrade” pelas agências de classificação de risco.

Guedes deu a declaração ao comentar a revisão da perspectiva da nota de crédito do Brasil, de estável para positiva, anunciada pela agência Standard & Poors nesta quarta-feira (11).

O rating brasileiro permaneceu em BB-. A mudança da perspectiva deixa o Brasil mais próximo de subir na classificação concedida pela agência nos próximos meses.

A economia brasileira ainda está dois degraus distantes grau de investimento, sob a classificação da S&P.

A marca, perdida em 2015, é uma espécie de “selo de bom pagador” que assegura a capacidade do país de honrar seus compromissos financeiros.

“Então, a expectativa nossa é que estamos já a caminho do ‘upgrade’. Isso normalmente leva dois anos, mas acho até que vamos conseguir antecipar. Se mantivermos nosso ritmo de reformas, o Brasil vai retomar o crescimento acelerado muito rapidamente”, afirmou o ministro a jornalistas.

Segundo Guedes, a Standard & Poors “está só percebendo a efetividade das reformas que estamos implementando”.

“O Brasil está com o menor déficit dos últimos cinco, seis anos. A taxa de juros está desabando. O Brasil esta reacelerando. Vocês viram que os investimentos estão sendo retomados. O ritmo de crescimento esperado para o ano que vem já é mais do que o dobro do ritmo desse ano”, disse Guedes, após almoço com deputados da Frente Parlamentar da Indústria de Máquinas e Equipamentos.

Decisão da S&P

A agência justificou a decisão de melhorar a perspectiva brasileira diante da aprovação da reforma da Previdência, da expectativa do avanço de outras medidas fiscais e de um crescimento mais acelerado, o que pode “melhorar a posição fiscal do Brasil no médio prazo (próximos três anos).”

A S&P disse ainda que a revisão reflete uma expectativa de melhora da nota para o país nos próximos dois anos se essa agenda avançar. A agência estima que o Produto Interno Bruto (PIB) do país vai crescer 1% neste ano e de 2% no ano que vem.

G1

 

O que é libido? Especialistas detalham uma das perguntas mais procuradas de 2019 no Google

Foto: iStock

O Google divulgou nessa quarta (11) as palavras mais buscadas de 2019 no site. Entre as perguntas, se destaca “o que é libido?”. A palavra quer dizer desejo sexual ou vontade de fazer sexo.

Há muitos motivos para essa palavra estar em alta nas buscas. A falta de vontade de transar é mais comum do que se imagina, mesmo para quem está no auge da sexualidade.

O setor especializado em sexologia da UNIFESP (Universidade Federal de São Paulo) revela que a diminuição da libido está em primeiro lugar entre as queixas femininas, seguida pela falta de orgasmo e dor na hora do sexo. São vários os motivos que fazem com que a libido desapareça. O relacionamento está interessante? Há algo atrapalhando o sexo, como traições ou hábitos que tornem a transa mecânica? Como anda a autoestima sexual? A mulher tem hábitos de erotização?

Depois de analisar essas perguntas, é importante verificar se existe algum sinal de depressão. O uso de antidepressivos ou anticoncepcionais e a ocorrência de menopausa mudam um pouco a intensidade do desejo.

Os especialistas garantem que o desejo feminino é, na maioria das vezes, ativado por um estímulo sexual. Ele costuma ser mais ativo no início da relação, quando há paixão e sedução. No relacionamento estável, a pessoa para de pensar em sexo, porque tem a falsa impressão de que a relação é segura. Outros impeditivos: trabalho, filhos, vida doméstica e pessoal.

E se eu nunca tive tesão na vida?

Essa é a falta de libido primária. Nesses casos, os motivos podem ser uma educação muito rígida e repressora, excesso de timidez, medo de se mostrar para o outro e até um trauma, como um abuso sexual. Já a causa secundária é quando estava tudo bem e o desejo foi se perdendo progressivamente. O termômetro para saber se algo está errado é ver se causa sofrimento para a mulher ou no casal.

Aí, é importante procurar um ginecologista e eliminar qualquer suspeita de origem fisiológica, como desequilíbrio hormonal ou doenças crônicas. Analisar os medicamentos e o anticoncepcional usados também faz parte.

A partir daí, a chave é procurar um médico especializado em sexualidade, um psicólogo ou um terapeuta sexual. É ele que vai orientar sobre os hábitos de erotização do casal, como driblar o cansaço e criar momentos de intimidade — um jantarzinho, um vinho ou até uma série erótica.

Serviço: O projeto Afrodite, da Unifesp, presta atendimento gratuito. Na rua Embaú, 66, Vila Clementino, SP. De segunda a sexta, das 7h às 15h30.

Universa – UOL

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Flaviano disse:

    Libido grande é derrotar Bolsonaro em 2022, se ele chegar lá… ahahahah

    • Priziaka disse:

      Sonha Marcelino, sonha! Vcs vão é tomar outra lapada em 2022! Kkkkkkk

    • paulo disse:

      Será que encanadora de vento tem libido, ou sapo 09 dedos tem também?, O certo é que felizmente estamos livres destas duas pragas.

    • ERI disse:

      Isso é uma doença, ver lulopetismo ou aliançobolsonarismo em tudo!

    • Omar disse:

      Libido como diria Bolsonaro é comer gente.

  2. Cigano Lulu disse:

    Libido é quando dou uma lapada em minha nhã égua Adelaide.

Ranking elege as 50 melhores empresas para trabalhar no Brasil em 2020

Foto: Pixabay

Uma pesquisa com funcionários de empresas com atuação no Brasil elegeu os 50 melhores lugares para trabalhar em 2020. O ranking, inédito no país, é realizado pelo site de recrutamento Glassdoor, o segundo maior portal do gênero do mundo. Nesta primeira edição, 20 companhias brasileiras figuram na lista junto com outras empresas com mais de mil funcionários no mundo.

Os setores de tecnologia, serviços financeiros e consultoria são destaques no ranking. A SAP , empresa de softwares corporativos, ocupa o primeiro lugar, com uma nota de 4,6. A consultoria em tecnologia ThoughtWorks (4.5), Google (4.5), Takeda Pharmaceuticals (4.5) e Banco Votorantim (4.5) completam o top 5.

Entre as firmas brasileiras, tiveram destaque a Eurofarma (8º lugar), Nubank Brasil (10º lugar) e Globosat (11º lugar).

A pesquisa, inédita no Brasil, é anunciada simultaneamente em outros 8 países, incluindo Estados Unidos, França, Alemanha. O prêmio também reconhece empresas no México, Singapura, Argentina, Reino Unido e Canadá.

Para constar no ranking, a empresa precisa ter pelo menos mil funcionários ao redor do mundo e contar com a avaliação de, no mínimo, 30 funcionários lotados no Brasil. Para esta primeira edição brasileira, foram consideradas classificações realizadas por colaboradores entre 23 de outubro de 2018 a 21 de outubro de 2019.

As notas vão de 1 a 5, sendo 1 muito insatisfeito e 5 muito satisfeito. Ao avaliar uma empresa no Glassdoor , os usuários classificam sua satisfação geral, além de critérios como oportunidades de carreira, remuneração e benefícios, qualidade de vida, alta liderança , cultura e valores. Além disso, compartilham sua opinião sobre os prós e contras do ambiente de trabalho e são incentivados a deixar conselhos para a presidência.

Também é perguntado aos profissionais se eles recomendariam seu empregador a um amigo e se acreditam que as perspectivas de negócios para os próximos seis meses são positivas, negativas ou neutras.

Entre mais de um milhão de empresas avaliadas pelo ranking, a nota média é de 3,5. Na visão de Christian Sutherland-Wong, presidente e diretor de operações do Glassdoor, as avaliações dos colaboradores demonstram maior preocupação com a cultura e valores das empresas.

“Os vencedores do prêmio são empresas que colocam a cultura, a missão e as pessoas no centro de tudo o que fazem. E, por isso, seus funcionários as reconhecem como os Melhores Lugares para Trabalhar em 2020”, diz Sutherland-Wong “Além disso, os vencedores deste ano se destacam por promover a transparência, oferecer oportunidades de crescimento na carreira e valorizar o trabalho impulsionado por impacto e propósito”.

Melhores empresas para trabalhar em 2020

(mais…)

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Carlúcio disse:

    A mamata não ia acabar.

Com número de alunos caindo, Brasil formará mais 1,5 milhão de professores em cinco anos

Foto: Anna Carolina Negri / Agência O Globo

O Brasil é um país de professores. Isso é o que defende o economista-chefe do Instituto Ayrton Senna , Ricardo Paes de Barros. Segundo ele, de todos os formandos no ensino superior no Brasil nos últimos cinco anos, 21% são professores .

Nesse período, o país formou 1,148 milhão de profissionais. Esse número é a metade de docentes que existem atualmente no país (2,2 milhões). Se considerarmos apenas a rede pública, o índice sobe para 66%.

Os dados foram apresentados, nesta quinta-feira, no lançamento de um estudo na oficina “Enfrentando os desafios educacionais” , com propostas de ações e políticas públicas voltadas para o ensino básico de cada um dos estados e o Distrito Federal.

— Há cinco anos, mandamos para as universidades a mensagem: formem professores. Mas ninguém avisou: parem de formar. Nos próximos cinco anos, serão mais 1,5 milhão. Não estamos preparados para essa queda da demanda. Temos que prestar atenção nisso, não é impacto pequeno no sistema de formação superior. Pode haver uma frustração grande desses formados que não vão conseguir emprego — afirmou Paes e Barros.

A tese, no entanto, não é consenso. Na avaliação de Claudia Costin, ex-diretora global de Educação do Banco Mundial, creches e pré-escolas ainda precisam de mão de obra porque o Brasil ainda não chegou à universalização.

Além disso, as redes do primeiro ciclo de ensino fundamental (1º ao 5º ano) estão recheando os currículos com professores especialistas em Artes, Educaçao Física e Inglês.

— Isso facilita o cumprimento da lei que prevê o planejamento. Ela diz que o professor tem que cumprir um terço da carga horária fora da sala de aula, para planejamento e formação continuada — explica Costin.

Corte de turmas e escolas

O sistema público, segundo Ricardo Paes de Barros, vai ter que reduzir o número de alunos por turma, fechar turmas ou até escolas. Ainda de acordo com o economista, a adoção de tempo integral pode ser um caminho para melhorar a educação e empregar esses professores.

No entanto, Barros acredita que o melhor caminho é melhorar a atratividade da carreira, não só com salários, mas nas condições de trabalho.

— Tem que avisar aos candidatos às universidades que não vai ter vaga para todo mundo. Tudo passa por tornar a carreira mais cobiçada. E não é só salário que conta, como os dados mostram.

Apesar de a formação estar crescente, enquanto a população em idade escolar vem caindo, ainda há áreas que precisam de formação específica.

Segundo o estudo, nos anos finais do ensino fundamental, somente a metade tem formação específica para área que está trabalhando. No ensino médio, essa parcela sobe para 62%. Em ciências, há 22% dos professores sem formação específica.

E a rotatividade dos professores não será tão grande para absorver os 200 mil professores formados a cada ano. Um quinto, na média, tem mais de 50 anos e pode estar mais perto de se aposentar.

A carreira é um instrumento de mobilidade social. Pelo estudo, esses professores, em sua maioria, são mulheres (74%), negros (52%), que concluíram o curso por faculdade privada (62%) e 18% fizeram a formação à distância. Vieram de famílias nas quais as mães não completaram o fundamental. No Brasil, essa parcela chega a 61% dos docentes.

— A maior parte veio de família pobres. A carreira é uma tremenda janela de mobilidade social no Brasil — afirmou.

Contratos

Segundo Ricardo Paes de Barros, um dos problemas de aprendizado no Brasil em relação à União Europeia é a parcela de professores que têm contrato por tempo integral. Lá, são 84% dos professores, contra 43% no Brasil.

— No Brasil, o professor tem contrato para a vida toda, mas roda por muitas escolas. Na União Europeia, a média em cada escola é de 10 anos, no Brasil, sete anos. No Acre, por exemplo, fica somente cinco anos.

Leia Mais: ‘Falta reforma sistêmica no ensino’, diz especialista sobre uma década de estagnação do Brasil no Pisa

O secretário de Educação de São Paulo, Rossieli Soares, levantou outras questões prementes a resolver como o ensino médio noturno, o que reduz o rendimento. Segundo ele, um terço dessa faixa escolar funciona à noite, problema também do Rio de Janeiro.

— Temos que trazer esses jovens para o ensino diurno.

No Rio, não há vagas para todos os alunos do ensino médio em idade regular estudarem de manhã ou de tarde. Em 2018, 20 mil alunos não conseguiram se matricular no começo do ano e foram absorvidos principalmente nas turmas noturnas.

O Globo

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Lucio disse:

    Em todos os governos fascistas do mundo os professores, artistas, cientistas e jornalistas são as primeiras vítimas.
    Esse discurso anti educação, anti universidades, anti jornalistas, anti ciência e anti arte, que vem do bolsão fanático dos evangélicos liderados pela Universal de Edir Macedo e Silas Malafaia, trarão a idade média de volta com suas barbáries e perseguições aos que não se converterem.