Adultos jogam mais videogame do que adolescentes no Brasil, aponta levantamento

(FOTO: PIXABAY)

Pare e pense em alguém que curte videogame. Provavelmente, você imaginou um homem jovem, certo? Bem, talvez esteja na hora de rever essa imagem. De acordo com a Pesquisa Games Brasil 2019, os brasileiros fãs de joguinhos eletrônicos são adultos e a maioria, mulheres.

A sexta edição do levantamento – conduzido pelas instituições Sioux Group, Go Gamers, Blend e ESPM – aponta que as mulheres compõem 53% dos gamers no país. E a faixa etária predominante, tanto entre elas quanto entre eles, não são adolescentes: os jogadores convictos têm entre 25 e 54 anos. A maioria, inclusive, está à frente de uma família: 35% moram com os filhos e o cônjuge; aqueles que declararam morar com os pais são 27%.

O celular é a plataforma favorita dos 3.251 brasileiros entrevistados: 83% costumam jogar diretamente pelo smartphone. Os consoles vêm em segundo lugar – 48,5% disseram que preferem videogames como PlayStation e Xbox.

Para 89% dos participantes da pesquisa, os joguinhos são um método de relaxamento, algo que fazem quando estão em casa. Somente 4,7% jogam quando estão no trânsito ou no transporte público.

A cada 10 jogadores, apenas três se consideram gamers hardcore: eles podem até não jogar todos os dias, mas estão sempre por dentro dos lançamentos, preferem partidas mais longas, gostam de jogar em consoles e gastam mais de R$ 1.000 por ano com games.

A maior parte dos voluntários é de gamers casuais. Embora não se interessem tanto pelos avanços tecnológicos nem gastem dinheiro com isso, dedicam bastante tempo para essa atividade: costumam jogar três vezes por semana e podem ficar até três horas jogando sem parar.

Realidade virtual

Jogos de realidade virtual – que contam com efeitos que estimulam os sentidos físicos do jogador – estão se tornando cada vez mais conhecidos: 63,7% dos entrevistados disseram que já ouviram falar dessa tecnologia, embora nunca tenham experimentado. E 85,9% confessaram que têm vontade de testar.

Galileu

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Flávio Barboza disse:

    Faço parte dessa geração dos quarentões que adoram uma boa jogatina on-line!!

Brasil não depende de aval da Argentina para acordo com União Europeia

FOTO: REUTERS/Yves Herman/10.04.2019

Um acordo firmado em julho pelos membros do Mercosul permite que o Brasil não dependa da Argentina para colocar em vigor o tratado de livre-comércio negociado com a União Europeia.

O acerto, feito na última reunião de chefes de Estado do bloco, realizada na Argentina, foi proposto pelo governo de Mauricio Macri e permite que, após a assinatura formal do acordo e o aval do Parlamento Europeu, as novas regras tarifárias passem a valer para o país que obtiver aprovação do texto pelo seu Congresso.

Até então, um acordo comercial negociado pelo Mercosul só poderia vigorar depois de o texto ter passado pelas casas legislativas de Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai.

A medida vale somente para os temas econômicos e comerciais, que estabelecem, por exemplo, a eliminação das tarifas de importação. Os capítulos com acertos políticos e de cooperação, que envolvem compromissos na área ambiental, estão fora. Esses só passam a valer após aprovação pelos parlamentos de todos os membros da União Europeia e do Mercosul.

A medida tornou-se um “seguro” para o Brasil diante das chances cada vez maiores de vitória da chapa da oposição, formada por Alberto Fernández e a ex-presidente Cristina Kirchner.

Durante a campanha, Fernández afirmou que o tratado fechado com a União Europeia, que prevê o fim de tarifas de importação para boa parte dos produtos em até 15 anos, precisaria ser revisto. Segundo o candidato, que é alinhado à esquerda e chegou a visitar o ex-presidente Lula na carceragem da Polícia Federal, o acordo condenará a Argentina à “desindustrialização” e só foi fechado porque Macri tinha motivações eleitorais.

Um economista do mercado financeiro argentino, no entanto, vê essa posição de Fernández mais como um discurso de campanha. “É algo muito grande para se jogar para trás. Durante o kirchnerismo, Fernández não se opôs ao acordo. É normal que o tom de sua campanha seja contrário as ações de Macri”, afirmou.

Brasil

O governo Jair Bolsonaro vê em Macri um aliado e festejava o “alinhamento ideológico” entre as duas administrações. Contava, inclusive, com o atual presidente argentino para avançar em outras negociações comerciais e implementar uma reforma dentro do próprio Mercosul – para a equipe econômica, o bloco deveria se tornar uma zona de livre-comércio.

Havia torcida aberta no governo brasileiro para mais quatro anos de Macri. A vitória de Fernández ameaça, na visão do governo, a agenda de reformas.

“É previsível que um governo peronista seja menos amigável ao Mercosul e ao Brasil, sobretudo com as pretensões do governo Bolsonaro de reduzir tarifas unilateralmente e promover novos acordos de livre-comércio”, disse Welber Barral, ex-secretário de Comércio Exterior.

A medida aprovada em julho, que cria a possibilidade de uma espécie de “fast track” na implementação do acordo com os europeus, era vista pela diplomacia brasileira justamente como uma forma de blindar o tratado com os europeus dos humores políticos da região.

O novo governo argentino assumirá o país em dezembro e, até lá, o Brasil dificilmente terá terminado a tramitação interna do tratado. O processo de aprovação de acordos internacionais são tradicionalmente morosos no Brasil. Eles precisam passar pela Câmara e pelo Senado e cumprir um longo percurso dentro do Executivo até ser “internalizado”, no jargão técnico.

R7, com Estadão

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Toni disse:

    PUTA QUE PARIU AVAL DA ARGENTINA TA DE SACANAGEM EM EM EM UM PAIS MERDA DESSES A GENTE TEM QUE PEDIR AVAL VAI LA DAR A MÃO PARA A VENEZUELA PORRAAAAAAA!!!!!!

  2. Manoel disse:

    Besteira! A Argentina vai virar super potência igual a Venezuela já já…

    • Riva disse:

      Se preocupa com teu país. Enquanto vocês discutem entre Lula e Bolsonaro nada anda pra frente, só pra trás.

Damares diz que Brasil enfrenta “epidemia de suicídio”, e alerta para casos de crianças e jovens; ministra afirma que país pode ficar impressionado quando tiver números atualizados

Foto: Reprodução TV Brasil

A ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, afirmou que o Brasil “está diante do caos da epidemia de suicídio”.

Para ela, o país pode ficar impressionado quando tiver números atualizados sobre o problema. “É possível que a gente se assuste. Que a gente esteja entre os cinco primeiros no mundo em suicídio e automutilação”, afirmou.

Damares Alves ressaltou que há um fenômeno dessas ocorrências entre crianças. “Nós temos registro de crianças de seis anos no Brasil que se suicidaram. A menina mais jovem que conversou comigo, que estava se automutilando, e querendo se matar, tinha sete anos”, revelou. Os casos também são cada vez mais comuns entre os jovens.

Em entrevista à jornalista Roseann Kennedy, no programa Impressões, que vai ao ar nesta terça-feira (6) às 23h, na TV Brasil, da EBC (Empresa Brasil de Comunicação), a ministra fez um apelo: “Todos eles que estão se autoflagelando e tentando o suicídio falam que estão com dor na alma. E a gente não pode subestimar isso. Não subestime e, por favor, não recrimine. Não use essa frase ‘é frescura, quer aparecer’. Não é! Essa geração está em profundo sofrimento. Nós vamos ter que entender, saber o que está causando esse sofrimento. Essa geração não sabe lidar com conflitos”.

Damares disse ainda que acredita que enfrentar esse tema é um desafio da humanidade e que o Brasil já amarga números absurdos.

A ministra lembrou que, segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde), o país já é o oitavo no mundo, mas que o relatório é de um período em que havia subnotificação. Com a nova legislação, sancionada este ano no país, será obrigatório informar suicídio, tentativa e o resultado de investigação criminal que comprove que a pessoa optou pela própria morte. A automutilação também terá de ser registrada.

Damares afirmou o ministério focou nas orientações estabelecidas pela OMS para falar sobre o assunto, para não haver risco de efeito contágio.

“Vamos ter que fazer uma revisão de valores, ir para a escola, conversar com os pais, trazer todo mundo para esse debate. Temos que ter muito cuidado e delicadeza para falar. Obedecer protocolos. Nós precisamos começar a falar com os líderes religiosos que a oração é importante, a fé nesse processo é importante, mas a gente também está diante de uma questão de saúde mental”, alertou.

Segundo a ministra, já há uma parceria com a Associação Brasileira de Psiquiatria para os profissionais de saúde fazerem tutoriais para o ministério e a pasta treinar jornalistas, blogueiros, professores, conselheiros tutelares e líderes religiosos.

R7 com Agência Brasil

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Ceará-Mundão disse:

    Essa ministra, como vários outros, está fazendo um grande trabalho. Parabéns.

    • Bozo-Idiota disse:

      Damares está fazendo muito… gostei muito do projeto de jesus na goiabeira e do projeto de menino veste azul e menina rosa…kkkkkkkkk

    • Ceará-Mundão disse:

      Gente como vc jamais reconhecerá o trabalho dessa ministra. Seu comentário desprezível certamente é compatível com seu caráter.

  2. BOSCO disse:

    Oxente! E esse governo acredita em números ?

    • Ceará-Mundão disse:

      Claro que sim, desde que confiáveis. Por exemplo, pesquisas de institutos de esquerda não merecem confiança e isso já foi comprovado várias vezes por efetivos resultados eleitorais.

  3. Gustavo disse:

    Parabéns, Ministra. Esse assunto é importante e precisa ser tratado. Deixe as discussões de ideologia de gênero fora das escolas e com as bestas que querem impor essa agenda nefasta.

  4. Gust disse:

    Tentam escarnecer essa grande mulher. A despeito disso, tem se mostrado uma grande ministra.

Brasil abre última semana do Pan-Americano de Lima(Peru) como vice-líder do quadro de medalhas

Foto: Pedro Ramos/ rededoesporte.gov.br

Foi um domingo de vitórias para o Brasil, que conquistou 16 medalhas, sete de ouro. Já é o melhor desempenho da delegação brasileira desde o início desta competição, em 24 de julho. O Brasil abriu o domingo na quarta posição no quadro de medalhas – atrás dos Estados Unidos, do Canadá e do México – e terminou o dia no segundo lugar, com 72 medalhas (22 de ouro, 16 de prata e 34 de bronze). Os Estados Unidos mantêm a liderança no quadro geral, com 32 medalhas (54 de ouro 44 de prata e 34 de bronze). O México é o terceiro, com 70 medalhas (20 de ouro, 15 de prata e 35 de bronze).

A canoagem, modalidade em que o Brasil mais conquistou medalhas de ouro neste domingo, levou dois atletas brasileiros duas vezes ao mais alto lugar do pódio. Pepê Gonçalves foi campeão na categoria slalon K1 e também no K1 extremo e Ana Sátila ficou em primeiro lugar no slalom C1 e no K1 extremo. O canoísta Felipe Borges ficou com a medalha de bronze no slalon C1.

A participação do Brasil nessa modalidade já desponta como a melhor da história dos Jogos Pan-Americanos: um total de oito pódios (cinco ouros e três bronzes). No início desta edição, os primeiros pódios vieram na canoagem de velocidade com Isaquias Queiroz (ouro no C1 1000m), Ana Paula Vergutz (bronze no K1 500m) e Vagner Souta (bronze no K1 1000m). Até o Pan de Lima, a melhor passagem da canoagem brasileira havia sido em Toronto, com 14 pódios (três ouros, seis pratas, e cinco bronzes).

Hipismo obtém vaga olímpica

A equipe brasileira, formada pelos cavaleiros Carlos Parros, Rafael Losano e Marcelo Tosi, garantiu presença nos Jogos Olímpicos de Tóquio, no ano que vem, ao conquistar a medalha de prata no conjunto completo de equitação (CCE). O grupo não pôde contar com o cavaleiro Ruy Leme da Fonseca, que no sábado (3) sofreu um grave acidente: ao cair do cavalo e ser atingido pelo próprio animal, Ruy Fonseca teve fraturas no úmero e em três costelas. Ele permanece hospitalizado, em observação, na capital peruana.

Na prova individual, Carlos Parro ficou com o bronze ao terminar em terceiro lugar, atrás dos norte-americanos Boyd Martin (ouro) e Lynn Symansky (prata).

Maratona aquática

O domingo foi dourado para a baiana Ana Marcela Cunha, que venceu a maratona aquática feminina (10 Km): foi o primeiro ouro da atleta nesta categoria e também pódio inédito para o Brasil na história da competição. A atleta completou o percurso em 2h00min51s9, com incríveis 31.3 segundos à frente da segunda colocada, a argentina Cecília Biagioli (2h01min23s2) . O bronze ficou com outra brasileira, Viviane Jungblunt, que chegou em terceiro lugar (2h01min24s0).

Surfe

O surfe brasileiro também fez história neste domingo no Jogos Pan-Americanos de Lima: a carioca Chloé Calmon, foi campeã na categoria longboard. Foi o segundo ouro inédito para o país: o primeiro foi de outra surfista, Lena Ribeiro Guimarães, campeã no stand-up paddle (SUP), na última sexta-feira (2). Também teve um bronze ontem, com a brasileira Nicole Paccelli, na categoria SUP wave.

O surfe estreou como modalidade nos Jogos de Lima e entrará pela primeira vez nos Jogos Olímpicos no ano que vem, em Tóquio.

Tênis

Na final do individual masculino de tênis, quem levou a melhor foi o mineiro João Menezes, de 22 anos, após uma batalha dura contra o chileno Tomás Barrios. O brasileiro saiu na frente: venceu o primeiro set por 7-5, mas Barrios empatou em seguida, fechando a segunda parcial em 3-6. João Menezes retomou o domínio do jogo no terceiro e último set: venceu por 6-4, e conquistou o título para o Brasil, após 11 anos. Os útlimos brasileiros a conquistar o ouro em jogos Pan-Americanos foram Flávio Saretta (2007) e Fernando Meligeni (2003), também com vitórias sobre chilenos.

Atletismo

Nas primeiras provas de atletismo dos Jogos de Lima, o Brasil subiu duas vezes ao pódio: na marcha atlética, Caio Bonfim ficou com a medalha de prata, após ser ultrapassado na última volta pelo equatoriano Brian Pintado. Mais cedo, Érica Senna conquistou a medalha de bronze nos 20Km feminino.

Vôlei

A seleção brasileira de vôlei masculino, que foi para o Pan de Lima com um time alternativo – a equipe principal vai disputar o Pré-Olímpico de 9 a 11 deste mês – ficou com a medalha de bronze, após derrotar o Chile por 3 sets a 0, parciais de 25/12, 25/19, e 25/21). A Argentina conquistou o ouro após ganhar de Cuba por 2 sets a 0. A seleção cubana ficou com a prata.

Agência Brasil

 

Ygor Coelho domina canadense, faz história e conquista primeiro ouro brasileiro no badminton nos Jogos Pan-Americanos; humilde trajetória de atleta impressiona

Conquista coloca Ygor mais próximo da vaga nas Olimpíadas de Tóquio. FOTO: Alexandre Loureiro/COB – 31.7.2019

A paciência para responder às jogadas do rival contrasta com o nervosismo da torcida na arquibancada. Ygor Coelho aprendeu a construir seu caminho sem se deixar abalar com os percalços em volta. Nesta sexta-feira, em Lima, o carioca beirou a perfeição e voltou a cravar seu nome na história do badminton. Ao dominar e vencer o canadense Brian Yang por 2 sets a 0, parciais 21/19 e 21/10, garantiu o primeiro ouro brasileiro no esporte em Jogos Pan-Americanos.

A história de Ygor Coelho remete às ruas da Comunidade da Chacrinha, no Rio de Janeiro. Pela influência do pai, Sebastião, criador do projeto social Miratus, o jovem descobriu o badminton em uma quadra improvisada nos fundos de uma piscina vazia. De lá, se transformou na maior promessa do esporte no país. Foi o primeiro brasileiro a disputar os Jogos Olímpicos, em 2016, no Rio, e a vencer o Pan-Americano da modalidade, em 2017 e 2018. Em Lima, se transformou no primeiro do país a chegar a uma final individual do esporte.

O ouro inédito de Ygor coroa a bela campanha do badminton brasileiro em Lima. A delegação do país conquistou ainda quatro bronzes: Fabrício e Francielton Farias, nas duplas masculinas; Fabiana Silva/Tamires Santos e Sâmia Lima/Jaqueline Lima, nas duplas femininas; e Jaqueline Lima e Fabrício Farias nas duplas mistas.

A melhor campanha do esporte até aqui havia sido no Pan de Toronto 2015. Hugo Arthuso e Daniel Paiola e as irmãs Lohaynny e Luana Vicente foram prata nas duplas. Lohaynny, ao lado de Alex Tjong, também foi bronze nas mistas.

Vitória no talento

Uma pancada no contrapé de Yang foi o cartão de visitas do brasileiro na final desta sexta-feira. Ygor abriu 2 a 0 com um jogo agressivo, mas a promessa de equilíbrio logo se confirmou. Depois de a peteca parar na rede em golpe do brasileiro, o canadense deixou tudo igual. Ygor se mostrava paciente. Trocava golpes sem se desesperar apesar da qualidade do rival. Yang fez 8/7, mas logo o brasileiro passou com 11/9. A vantagem subiu para 15/12 e, depois, em 18/15. Mesmo quando o canadense se aproximou novamente, empatando em 19/19, Ygor manteve seu jogo. No fim do primeiro set, vitória por 21/19.

Ygor manteve o mesmo ritmo na volta à quadra. Enquanto o canadense tentava forçar seu jogo, o brasileiro mantinha a calma para abrir vantagem. Com tranquilidade, abriu 11/5 e se aproximou do ouro. A partir daí, Ygor acelerou o ritmo para fazer história: 21/10. Em seguida, desabou em quadra com a emoção do título.

Globo Esporte

 

Bolsonaro diz que indicação do Brasil como aliado dos EUA extra-Otan é “muito bem-vinda”

O presidente Jair Bolsonaro encontrou-se em março deste ano com o presidente Donald J. Trump, dos Estados Unidos da América. – Alan Santos / PR

Jair Bolsonaro comemorou hoje a indicação do Brasil como aliado preferencial dos Estados Unidos extra-Otan, oficializada ontem por Donald Trump.

“Nós tratamos isso na última viagem que eu fiz aos EUA, conversei com o Trump sobre a nossa intenção. A ideia dele era até nos colocar, mas teria que mexer no estatuto, dentro da Otan. Já se cogita entre os integrantes essas mudanças no estatuto, mas por enquanto é muito bem-vinda a nossa participação como grande aliado extra-Otan. Facilita em algumas coisas, o mais importante é a questão de defesa”, disse Bolsonaro.

O Antagonista

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Araújo disse:

    Bem melhor de que com Cuba e Venezuela.

Brasil fica sem indicados ao prêmio de melhor jogador do ano da Fifa

Lista não tem as duas estrelas das seleções brasileiras. Colagem R7/ Instagram

O futebol do Brasil não tem representantes entre os dez indicados ao prêmio The Best, entregue pela Fifa ao melhor jogador do ano, de acordo com lista divulgada nesta quarta-feira (31), que não tem o vencedor de 2018, o meia croata Luka Modric.

Este é o segundo ano consecutivo que o país pentacampeão mundial não tem nenhum representante na honraria. Em 2017, o atacante Neymar chegou a ser finalista, terminando na terceira colocação, e o lateral-esquerdo Marcelo ficou no oitavo posto. Naquela edição, no entanto, eram 24 nomes apresentados, antes do anúncio do ‘top-3’.

Entre as ausências destacadas na lista anunciada hoje pela Fifa, também está a de Modric, que fez temporada apagada pelo Real Madrid, e não poderá repetir o prêmio, conquistado há um ano, principalmente, devido ao bom desempenho na Copa do Mundo, em que a Croácia foi vice-campeã.

A situação do meia é a mesma vivida por Marta no feminino. A brasileira, que atua no Orlando Pride, dos Estados Unidos, teve participação apagada na Copa do Mundo e não consta entre as 12 concorrentes.

Entre os dez indicados, o destaque vai para os jogadores do Liverpool, que conquistaram a Liga dos Campeões, o zagueiro holandês Virgil Van Dijk, além de dois atacantes do time, o egípcio Mohamed Salah e o senegalês Sadio Mané. Vice da ‘Champions’, o Tottenham emplacou o atacante inglês Harry Kane.

O Ajax, que assombrou o mundo, derrubando gigantes no torneio continental, colocou no ‘top-10’ dois jovens holandeses, o zagueiro Matthijs de Ligt e o meia Frenkie de Jong, que já arrumaram malas neste segundo semestre, em que defenderão Juventus e Barcelona, respectivamente.

O atacante português Cristiano Ronaldo, atualmente na Juve, e o atacante argentino Lionel Messi, do Barça, que dominaram as premiações individuais nos últimos dez anos, também constam entre os indicados, assim como o belga Eden Hazard, do Chelsea, e o francês Kylian Mbappé, do Paris Saint-Germain.

O público pode apontar os três preferidos, do primeiro ao terceiro lugar, com cada posição tendo uma diferente pontuação. No dia 23 de setembro, a Fifa divulgará os três finalistas do The Best.

R7, com EFE

Desemprego no Brasil recua 0,7%, e fica em 12%, revela pesquisa do IBGE

FOTO: WILSON DIAS-ABR

A taxa de desocupação no Brasil, no trimestre encerrado em junho de 2019, ficou em 12% e a subutilização foi de 24,8%.

Houve ligeira queda na comparação com o trimestre anterior, quando a desocupação estava em 12,7% e a subutilização em 25%. No mesmo período do ano passado, as taxas eram de 12,4% e 25,5%, respectivamente.

Os dados são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio – Contínua (Pnad Contínua), divulgada hoje (31), no Rio de Janeiro, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

São 12,8 milhões de pessoas sem trabalho no país e 28,4 milhões que trabalham menos horas do que poderiam.

O rendimento real habitual apresentou queda de 1,3%, caindo de R$ 2.321 no primeiro trimestre do ano para R$ 2.290 na última medição.

O número de desalentados – pessoas que desistiram de procurar trabalho – se manteve recorde no percentual da força de trabalho, com 4,4%, que soma 4,9 milhões.

Agência Brasil

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Giba disse:

    Se for trabalho intermintente não presta pra nada, fizeram essa mesma comemoração no governo do TEMER, era tudo intermitente Deus mim livre.

  2. Alex disse:

    Por que tantos cargos comissionados/temporário e trabalho por indicação no Brasil? Enquanto isso, o desemprego afeta, várias pessoas, inclusive com ensino superior completo. Além disso, ainda estuda para concurso público, na expectativa de algo melhor e continua desempregado(a). Sabe-se que na constituição, exige cargos comissionados, senão, não haverá concursos. Algo tem que ser mudado! Muitos privilégios para algumas pessoas.

  3. Waldemir disse:

    Ninguém esta elogiando por que ?????

    • willian disse:

      Porque no governo Lula era 6%, simplesmente !!!!
      Se orienta Waldemir !!!!

    • Cidadão disse:

      Vixe! um esquerdista ficou magoado.

    • Ceará-Mundão disse:

      Jamais veremos essa gente de esquerda elogiando o governo Bolsonaro porque essa turma torce pelo pior, contra o Brasil e o nosso povo. E ainda têm o descaramento para continuar defendendo seus bandidos prediletos, principalmente o presidiário de 9 dedos, que chefiou a maior roubalheira de que se tem notícia no mundo civilizado e deixou o nosso país nessa difícil situação.

Maca peruana: ‘kit para engravidar’ proibido se espalha nas redes e é investigado no Brasil

“Meninas, o que vocês estão fazendo para conseguir o positivo?”, pergunta *Ana em uma rede social.

Ela tem 36 anos, tenta engravidar desde 2016 e, no Instagram, descobriu e comprou o que vários perfis diziam ser infalível: um kit para engravidar, com maca peruana.

De um deles, a brasileira recebe a seguinte mensagem, atribuída a uma mulher que teria finalmente engravidado após 10 anos de tentativas frustradas: “Tenho que agradecer a Deus e a Maca Peruana por ser uma luz em nossas vidas! Tive meu positivo no primeiro teste depois de tomar. Um único embrião e hoje tenho meu Vitor nos Braços (sic)”, diz o “print” do depoimento que a reportagem da BBC News Brasil identificou como falso, ao lado de outros indícios de irregularidades na venda e promoção de um produto que se espalha no País com a ajuda das redes sociais.

Nos Estados Unidos, maior importador mundial de maca em pó, em farinha e em sêmola, a Food and Drug Administration (FDA)- agência do Departamento de Saúde do governo – encontrou Viagra escondido em uma das marcas, com riscos para pessoas com diabetes, pressão alta, colesterol alto e doenças cardíacas. E orienta, desde junho, os consumidores a não usarem o produto.

A maca peruana é uma raiz cultivada e exportada principalmente pelo Peru.

É produzida a mais de 4 mil metros de altitude, nos Andes, e promovida oficialmente pelo país como “superalimento” que “ganhou o mundo”.

Não só isso. “Ela oferece múltiplos benefícios à saúde de quem consome, devido ao seu alto valor nutritivo e medicinal”, diz um material promocional enviado à BBC News Brasil pela Promperú, órgão vinculado ao governo peruano que promove produtos locais.

O texto diz que o consumo da raiz “é associado a melhorias de pressão alta, depressão, ansiedade e, ‘de um jeito ainda não totalmente entendido’, também ao equilíbrio de hormônios”. A propaganda oficial não faz referência aos supostos benefícios à fertilidade.

O Brasil, que há 10 anos aparecia em 20º lugar entre os maiores compradores da maca em pó, farinha e sêmola, passou à segunda posição, atrás apenas dos Estados Unidos.

As importações em 2018 somaram US$ 862 mil (R$ 3,22 milhões) e um volume de 280.420 kg – com alta de 62% sobre 2017.

‘Energizante’

Mas o que está por trás desse avanço?

Para exportadores, seria o poder “energizante” da planta, aliado a uma demanda crescente por produtos naturais.

Mas é prometendo bem mais do que isso que cápsulas supostamente recheadas com esse pó se espalham, vendidas no Brasil como “supermedicamentos” para “engravidar rápido” e combater a infertilidade.

“São muitas positividades, que fazem você crescer o olho e criar esperança”, diz *Ana.

Ela teve as chances de engravidar reduzidas porque anos atrás fez uma cirurgia de ligação de trompas.

“Fui mãe muito nova, tive quatro filhos e já me sentia completa. Não queria mais engravidar”, diz à BBC News Brasil.

“Mas aí me casei de novo, meu marido não tem filhos e eu decidi fazer a operação para ‘desligar'”.

“A médica disse que eu posso engravidar, mas até agora não consegui e resolvi comprar a maca para ver se me ajuda nisso”.

Investigação

A BBC News Brasil mergulhou durante um mês nos meandros desse negócio.

A reportagem verificou um estímulo ao consumo através de propaganda enganosa e sem comprovação científica que enaltece os poderes de aumentar a fertilidade, e incrementar a libido. Os produtos são oferecidos online a preços que variam de R$ 97 a R$ 2 mil.

A BBC News Brasil encontrou também outros indícios de irregularidades: depoimentos forjados de supostos consumidores satisfeitos, como o da mulher citada no início desta reportagem, uso indevido de registros farmacêuticos e venda irregular de tratamentos.

Os sinais foram identificados em perfis no Instagram, Facebook e YouTube, que remetem a lojas online, contrariando regras das próprias plataformas.

Nas redes sociais, conteúdos recheados de propagandas para vendas não autorizadas se multiplicam, chegam a ser visualizados por milhões de pessoas e levam parte delas, como *Ana, a comprarem – e consumirem – o que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) chama de “produto clandestino”.

A Anvisa afirmou à BBC News Brasil que vai abrir “investigação para averiguar possíveis irregularidades”.

O Facebook e o Instagram disseram, após contato da reportagem, que estão investigando o caso e que removerão conteúdos que violem as políticas das plataformas.

Ajuda a engravidar?

Segundo a presidente da Sociedade Brasileira de Reprodução Humana (SBRH), Nilka Donadio, a maca não é indicada “nem como ajudinha, nem como medicamento”.

“A Sociedade Brasileira de Reprodução Humana contraindica o uso da maca como tratamento. Existem pouquíssimos trabalhos científicos na área, trabalhos sérios, em revistas renomadas e que tragam avaliação da metodologia do estudo. Todos os que existem têm estatísticas muito pequenas. Então, não há embasamento científico. Eu não posso dizer que uma mulher vai tomar e engravidar em 30 dias. Isso não existe. Isso é impossível. Isso está errado. Não tem o menor cabimento falar isso”, disse ela, que é PhD em Infertilidade e Fertilização in vitro.

Maca liberada?

A venda do produto no Brasil só é liberada como alimento (Consulte aqui marcas autorizadas).

Como medicamento que auxilia na fertilidade, ele precisaria ter um registro da Anvisa comprovando tal benefício, com sua segurança e qualidade atestadas.

Mas esse registro não existe, ao contrário do que diz, por exemplo, o perfil @engravidar.macaperuana.

“O comércio sem registro caracteriza infração sanitária e crime contra a saúde pública”, disse a Anvisa à BBC. “É uma irregularidade atribuir propriedades terapêuticas, funcionais ou de saúde relacionadas ao consumo da maca peruana, pois essas não foram avaliadas e aprovadas pela Anvisa”.

Também “não constam em nenhuma política, diretriz ou recomendação técnica do Brasil a utilização do kit para engravidar, nem mesmo evidências científicas para o uso da substância, derivados ou preparações com maca peruana”, segundo o Ministério da Saúde.

‘Infrações’

A Anvisa diz que anúncios apontando a maca, por exemplo, como “supermedicamento 100% natural” capaz de “aumentar a fertilidade, diminuir a mortalidade dos embriões e aumentar a produção de espermatozoides” não são, portanto, permitidos. É assim, no entanto, que eles aparecem nos sites andesprimemaca.com.br e kitparaengravidar.com.br.

Leia reportagem completa da BBC aqui

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Ted disse:

    BG meu querido.
    A receita infalivel pra fazer engravidar e a seguinte, todos os dias, mas todos os dias mesmo! Pela manhã, por volta das 6:30 o cabra enMACAcá a companheira pelo menos duas vezes ou mais, até a hora de se levantar, durante todo período fértil da mulher.
    Não precisa de maca peruana coisa nenhuma, basta o casal trabalhar direitinho, que em pouco tempo aparece o resultado. Bingo!!!!
    Com nove meses tem brasileirinho nascendo.
    Façam!!!
    É infalível.

  2. Maria Lúcia Santos de Sousa disse:

    Quais as marcas liberadas

Trump diz que quer acordo comercial com o Brasil; presidente dos EUA cita bom relacionamento com o país e elogia Bolsonaro

Presidente dos EUA, Donald Trump, fala a jornalistas na Casa Branca no dia 15 de julho — Foto: Kevin Lamarque/Reuters

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse nesta terça-feira (30) que quer seguir em frente com um acordo comercial com o Brasil, abrindo portas para questões comerciais entre os dois países.

Trump, falando a repórteres na Casa Branca, citou o que diz ser um bom relacionamento com Brasil e elogiou o presidente Jair Bolsonaro.

Questionado pela correspondente da GloboNews em Washington, Raquel Kranenburg, se ele queria um acordo de livre comércio com o Brasil, ele afirmou que tem um ótinmo relacionamento com Bolsonaro.

“Eu tenho um ótimo relacionamento com o Brasil. Eu tenho um relacionamento fantástico com o seu presidente. Ele é um grande cavalheiro. Eles dizem que ele é o Trump do Brasil. Eu gosto disso, é um elogio. Eu acho que ele está fazendo um ótimo trabalho. É um trabalho duro, mas acho que seu presidente está fazendo um trabalho fantástico. Ele é um homem maravilhoso com uma família maravilhosa.

Trump disse ainda que que é Brasil é um grande parceiro comercial. “Vamos trabalhar em um acordo de livre comércio com o Brasil. O Brasil é um grande parceiro comercial, eles nos cobram muitas tarifas, mas nós amamos essa relação”.

Brasil presidirá Mercosul

O Brasil assumiu o comando rotativo do Mercosul pelos próximos seis meses. Bolsonaro prometeu avançar em negociações por outros acordos comerciais e deu como exemplo vínculos com Canadá, Singapura, Coreia do Sul e Associação Europeia de Livre Comércio.

Além disso, destacou que o Mercosul deve dedicar especial atenção às negociações externas, na revisão da tarefa externa comum e na reforma institucional do bloco sul-americano.

Em junho, a União Europeia e o Mercosul anunciaram o fechamento do acordo comercial que começou a ser negociado em 1999.

Em discussão há duas décadas, o acordo está em fase de revisão técnica e jurídica e, para entrar em vigor, precisará ser aprovado pelos parlamentos dos países envolvidos.

G1, com Reuters

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Lucianobrito disse:

    A madeira que o PT deixo entra no Brasil foi estilo espiã de peixes,tá deficil de sai.

  2. Claudio disse:

    acordo bom para o Brasil foram os que PT fizeram emprestando dinheiro para obras em países comunistas, esses sim foram bons para o Brasil e o povo brasileiro

  3. Soares disse:

    Se esse elogio viesse de maduro, dos castros de cuba, da Bolívia, Nicarágua ou até dos ditadores africanos, até do ditador da coreia do norte e do Irã, eu achava que o Brasil ia pra frente. Se os EUA tão dando apoio ao Brasil, é porquê querem nos escravizar com muito trabalho, não vai ter tempo nem de fazer greve. Absurdo.

  4. Bento disse:

    Os Mitos se entendem.

  5. Cidadão disse:

    Os admiradores do MOLUSCO CONDENADO ficam loucas!

  6. Papo_Reto disse:

    Lascou agora Bolsonaro tem um orgasmo.

  7. Chico disse:

    É isso aí MITO, tem que pensar grande.
    O mundo é globalizado, chega de países tipo Venezuela e Cuba.
    PT ladrão nunca mais.

  8. Potiguar disse:

    Tipo do acordo: o Brasil fica de quatro, e o EUA entra com a madeira.

    • Manoel disse:

      Né isso! Antes era tão melhor né? O PT dava a juros baixíssimos o nosso dinheiro pra financiar obras inacabadas a países com grande risco de inadimplência, tais como CUBA, VENEZUELA, ANGOLA… Bons tempos em que éramos potência exportadora de esquemas corruptos!!!

JOGOS PAN-AMERICANOS: Isaquias consegue mais um ouro para o Brasil

Isaquias Queiroz é ouro! O canoísta, que fez história ao conquistar duas medalhas nos Jogos Olímpicos de 2016, voltou a brilhar nos Jogos Pan-Americanos. Nesta terça-feira, o baiano conquistou a medalha de ouro na categoria C1 1000m, com o tempo de 1min49s093.

A prata ficou com o cubano Fernando Jorge, com 1min49s144 e o bronze com o canadense Drew Hodges, com 1min55s501.

O também brasileiro, Vagner Souta conseguiu o bronze na categoria K1 1000m. Essa é a primeira medalha individual do atleta na carreira.

R7, com  Lance

No Brasil, 84% evitam atender celular na rua por medo, diz pesquisa

Foto: Pond5

Os brasileiros têm medo de atender o smartphone na rua devido à insegurança crônica no país. Embora a sensação seja compartilhada por muitos, agora ela é confirmada por um estudo que mostra que 84% dos participantes evitam atender as chamadas quando estão fora de casa. Um terço toma o cuidado em qualquer rua, enquanto 51% dizem que a medida “depende da rua”. Apenas 16% dos entrevistados atendem ao telefone em qualquer lugar.

Os números fazem parte de um estudo cujos principais pontos o TechTudo antecipa em primeira mão. Intitulado de “Panorama Mobile Time/Opinion Box – Roubo de Celulares no Brasil – Julho de 2019”, o levantamento traz um raio X completo a partir de questionários online enviados a 2.532 brasileiros. Quase metade admite que já sofreu roubo ou furto de smartphone.

O medo é maior entre usuários que tiveram smartphone roubado ou furtado no passado. Dentre as pessoas que passaram pelo sufoco, 62% dizem ter sofrido o perrengue uma única vez, enquanto 27% declararam que por duas vezes tiveram o celular roubado ou furtado. Para piorar, 11% vivenciaram os crimes ao menos três vezes.

A Opinion Box e o site Mobile Time também produziram uma espécie de mapa dos assaltos de smartphones. O Brasil se divide da seguinte forma, quando considerado o percentual da população que ficou sem o aparelho por ação de bandidos:

Região Norte: 65%
Região Nordeste: 54%
Região Centro-Oeste: 47%
Região Sudeste: 45%
Região Sul: 34%

Na divisão por gêneros, os homens compõem o grupo que mais se queixou do problema, com 48% de vítimas, enquanto as mulheres equivalem a 46%.

A classificação etária traz o grupo entre 16 e 29 anos como principal vítima do roubo ou furto de smartphones (52%), seguido de perto pelo faixa entre 30 e 39 anos (44%). A população mais vivida aparece na lanterna (34%).

Ainda de acordo com o estudo, praticamente não há distinção entre alvos das classes A/B e vítimas das classes C/D/E.

O momento posterior ao crime também foi abordado pela pesquisa: 52% dos entrevistados disseram não ter feito boletim de ocorrência. A maioria bloqueou tanto o aparelho quanto o chip (55%), enquanto parcelas menores optaram por desativar só o chip de telefonia (21%) ou apenas o aparelho (6%). Além disso, 18% dos usuários simplesmente deixaram o assunto de lado e não tomaram nenhuma medida de bloqueio.

O que fazer uma vez que o ladrão leva embora o aparelho que guarda nossas vidas? O estudo revela que 72% dos consumidores compraram um telefone melhor, 15% pegaram um modelo similar e 11% acabaram substituindo por um telefone pior. Apenas 2% das vítimas não pegaram um novo smartphone – um sinal de que o equipamento se tornou indispensável.

Globo, via Techtudo

 

Golpe do tratamento dental grátis no WhatsApp atinge milhares de pessoas no Brasil

Uma mensagem falsa sobre um suposto programa social do governo que oferece tratamento odontológico grátis à população está em circulação no WhatsApp desde o mês de maio, segundo o laboratório de segurança digital dfndr. Intitulado de “Brasil Sorridente”, o golpe atingiu até o momento 162 mil brasileiros, e segundo o laboratório são registrados 2.500 novos acessos a fraude por dia.

O link que acompanha a mensagem direciona para uma página que pede pelo nome completo, telefone e e-mail do usuário. Além disso, a pessoa também precisa informar seu estado, cidade, qual tratamento deseja e compartilhar o programa com mais cinco contatos do WhatsApp. Ao fim do processo, o usuário é induzido a aceitar notificações, que podem ser usadas em futuros golpes, e é direcionado a uma página de anúncios.

O objetivo dos golpistas, neste caso, parece ser ganhar dinheiro com a exibição de propagandas. Mas considerando que o golpe também coleta dados pessoais das vítimas, outros tipos de fraude são possíveis.

Como sempre, as recomendações para não cair em golpes do tipo são verificar as URLs de links, atentar-se para possíveis erros gramaticais nas mensagens, instalar um software de segurança e duvidar de promessas muito vantajosas.

Olhar Digital 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Greg disse:

    Pra quem acredita em mamadeira de piroca, cair nesse golpe é fácil.

Número de pacientes com hepatite cai 7% em 10 anos no Brasil

Foto: Shuttershock / Reprodução

O número de pacientes notificados com casos de hepatites virais no Brasil caiu 7% entre 2008 e 2018, de acordo com o Boletim Epidemiológico de Hepatites Virais 2019 divulgado hoje (22) pelo Ministério da Saúde. Em 2008, foram registrados 45.410 casos. Dez anos depois, o número passou para 42.383 casos.

O levantamento aponta ainda queda de 9% no total de mortes causadas pela doença no país, saindo de 2.362 óbitos em 2007 para 2.156 em 2017.

A hepatite é a inflamação do fígado. Ela pode ser causada por vírus ou pelo uso de alguns remédios, álcool e outras drogas, assim como por doenças autoimunes, metabólicas e genéticas.

De acordo com o Ministério da Saúde, são doenças silenciosas que nem sempre apresentam sintomas, mas quando estes aparecem, podem ser cansaço, febre, mal-estar, tontura, enjoo, vômitos, dor abdominal, pele e olhos amarelados, urina escura e fezes claras.

No Brasil, as hepatites virais mais comuns são as causadas pelos vírus A, B e C. Existem, ainda, os vírus D e E, esse último mais frequente na África e na Ásia.

Tipo de hepatite

De 2000 a 2017, foram identificados no Brasil, segundo o boletim, 70.671 óbitos por causas básicas e associadas às hepatites virais dos tipos A, B, C e D. Desses, 1,6% foi associado à hepatite viral A; 21,3% à hepatite B; 76% à hepatite C e 1,1% à hepatite D.

O boletim mostra que o tipo C da doença, além de ser o mais letal, é o mais prevalente. Ao todo, 26.167 casos foram notificados em 2018.

A doença é transmitida por sangue contaminado, sexo desprotegido e compartilhamento de objetos cortantes.

O maior número de pessoas com hepatite C se concentra em pessoas acima dos 40 anos. A hepatite C nem sempre apresenta sintomas.

Por isso, o Ministério da Saúde estima que, atualmente, mais de 500 mil pessoas convivam com o vírus C da hepatite e ainda não sabem.

Foram notificados ainda 2.149 casos de hepatite A no Brasil. A transmissão mais comum desse tipo da doença é pela água e alimentos contaminados. O tratamento geralmente evolui para cura.

Também foram registrados 13.992 casos de hepatite B, que pode ser transmitida pelo contato com sangue contaminado, sexo desprotegido, compartilhamento de objetos cortantes e de uso pessoal e pode também ser transmitida de mãe para filho.

Já a hepatite D foi registrada em 145 pacientes. A infecção ocorre quando a pessoa já contraiu o vírus tipo B.

Os sintomas da hepatite D são silenciosos e a doença é combatida por meio da vacina contra a hepatite B que também protege contra a D.

Combate

Nas vésperas do Dia Mundial de Luta Contra as Hepatites Virais, dia 28 de julho, o Ministério da Saúde alerta para a importância do diagnóstico e tratamento da doença.

“Estamos garantindo prevenção, por meio de vacinas, e diagnóstico, com oferta de testes, além de tratamento medicamentoso. É muito importante que as pessoas acima de 40 anos procurem a unidade de saúde mais próxima para realizar testagem e se imunizar contra a hepatite B e que os pais vacinem as crianças contra hepatite A. Assim, conseguiremos tratar ainda mais pessoas e eliminar a sombra da hepatite do Brasil”, diz, em nota, o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta.

Em 2018, o Ministério da Saúde distribuiu 25 milhões de testes de hepatite B e C. Para 2019, com o fortalecimento das ações de diagnóstico e ampliação do tratamento, a expectativa é que esse número seja superado.

Além dos testes, o Sistema Único de Saúde (SUS) oferece vacina contra a hepatite A para menores de 5 anos e grupos de risco. Disponibiliza também vacina contra a hepatite B para todas as faixas etárias. Esta vacina também protege contra a hepatite D.

Eliminação da hepatite C

O Brasil tem como meta eliminar a hepatite C até 2030. Para isso, nos últimos três anos, foram disponibilizados pelo SUS 100 mil tratamentos para hepatite C.

Neste ano, foram entregues 24 mil tratamentos para a doença. Até o início de agosto, de acordo com o Ministério da Saúde, serão entregues outros 5 mil tratamentos.

Em 2019, o Ministério da Saúde adquiriu 42.947 tratamentos sofosbuvir/ledipasvir e sofosbuvir/velpatasvir. Outros 7 mil tratamentos estão em processo de aquisição.

De acordo com a pasta, todas as pessoas diagnosticadas com hepatite C têm a garantia de acesso ao tratamento, independente do dano no fígado, assegurando universalização do acesso previsto desde março de 2018. Essa ação, segundo o ministério, coloca o Brasil como protagonista mundial no combate a hepatite C.

* Matéria alterada às 11h25 para atualização de informações divulgadas pelo Ministério da Saúde. Ao contrário do que foi publicado na primeira versão, o número de casos de hepatites no Brasil caiu no período de 2008 a 2018. A informação errada que apontava crescimento nos números da doença, publicada na primeira matéria, foi inicialmente divulgada pelo Ministério da Saúde que, em seguida, enviou os dados corretos para a redação.

Agência Brasil

 

“Olha, o brasileiro come mal. Alguns passam fome. Mas é inaceitável”, explica Bolsonaro após frase mal empregada

Foto: Wilson Dias/Agência Brasil)

Depois de dizer mais cedo, durante café da manhã com correspondentes da imprensa estrangeira, que “passar fome no Brasil é uma grande mentira”,Jair Bolsonaro esboçou uma mudança de discurso ao ser perguntado por repórteres brasileiros sobre a sua declaração.

“Olha, o brasileiro come mal. Alguns passam fome. Mas é inaceitável. Um país tão rico como o nosso, com terras agricultáveis, água em abundância, até o semi-árido nordestino tem uma precipitação pluviométrica maior do que Israel”, disse o presidente ao sair do evento que marcou a comemoração pelo Dia Nacional do Futebol.

Bolsonaro se irritou ao ser confrontado com o que havia dito pela manhã. E respondeu:

“Ah, pelo amor de Deus, se for pra entrar em detalhe, em filigrana, eu vou embora. Eu não estou vendo nenhum magro aqui, tá certo? Temos problema alimentar no Brasil? Temos, mas não é culpa minha, vem de trás, estamos tentando resolver.”

O Antagonista

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Walsul disse:

    Com o desemprego galopante, quebra da indústria e empobrecimento do povo, a fome tende a aumentar. Temos um governante que, além de incompetente e desqualificado, não tem nenhuma sensibilidade, humanismo e respeito com o povo. Pensa apenas no benefício dele e dos seus familiares. Foi isso que elegeram como presidente, uma pessoa ruim.

  2. Potiguar disse:

    Idiota ao quadrado.