Denúncia

Alunos de medicina da UNP procuram Blog revoltados

Alunos de medicina da Universidade Potiguar(UnP) reivindicam o retorno das aulas presenciais, urgentemente. Alegam que as aulas nas escolas particulares já retornaram, inclusive, de crianças, obedecendo todos os protocolos sanitários, e cobram pela volta definitiva, sob a reclamação de muita perda.

Os alunos destacam, especialmente, a necessidade das aulas presenciais de forma permanente, já que outras faculdades retornaram a sua normalidade em seus cursos. “Chegamos ao ponto de precisar contar com a gentileza de alunos que conseguem acompanhar uma aula presencial e nos disponibilizam o conteúdo gravado”, relevam os alunos.

Segundo os reclamantes, de identidades preservadas, nesta segunda-feira(08), por exemplo, o número de alunos para aula presencial agendado em um anúncio pelo aplicativo, acabou sendo limitado. Uma outra parte, portanto, ficou sem a possibilidade de assisti-la no ambiente físico.

Os alunos pedem uma justificativa da UnP para essa limitação das aulas presenciais. “Entendemos e respeitamos quem possa ter sua limitações familiares ou até comorbidades, compreendemos que acompanhem as aulas de maneira híbrida, mas quem possa estar presente, possa assistir uma aula de melhor qualidade, e possa ter o direito de vivenciar”, disse uma aluna.

Por fim, os alunos classificam o retorno com controle de alunos(limitado) na universidade como um dia de ‘ángústia’. Ainda reclamam da disponibilidade emocional e financeira que depositaram na instituição, que relatam como de um bom histórico, mas que ‘nos últimos tempos’ estaria se perdendo quanto a sua organização e qualidade.

Opinião dos leitores

  1. O blog, pelo alcance e responsabilidade com a informação, deveria incluir a versão da Unp na matéria, aí estaria contribuindo com o fato, não criando uma disputa. Até acho que aulas presenciais tem que ser realizadas seguindo os cuidados necessários, que a mesma medicina tem ajudado a estabelecer na sociedade, mas nem sabemos pq a universidade criou essa forma de revezamento, seria bom informar.

  2. Se ficar o bicho come e se correr o bicho pega. Nas universidades públicas, não há aulas devido à aversão dos seus professores ao trabalho. Nas privadas, não há aulas para aumentar seu lucro em função da brutal redução dos custos.

    1. Seu dedo podre, respeite os professores da federal! Acha que a UFRN se resume a uns 3 cursos de baderneiros. Você deveria ter vergonha de digitar isso, muitos médicos conceituados da cidade também lecionam lá!
      Esse honesta do seu título é uma grande ironia.

  3. A conversa da UNP é que as aulas são remotas e síncronas, mas não liberam acesso nem do professor que tem que entrar no meet pra dar aula a duas turmas ao mesmo tempo só que o app do google, nao da unp, não comporta isso, resultado: 8000 reais pra não conseguir assistir!

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Educação

Desembargador nega recurso e UNP não terá que dar desconto de mensalidades a todos os alunos em razão da pandemia

Foto: Reprodução

O desembargador do Tribunal de Justiça do RN, Claudio Santos, negou o recurso do Ministério Público para obrigar a Universidade Potiguar (UNP) a oferecer desconto linear na mensalidade de todos os alunos, em decorrência da pandemia do Covid-19.

O magistrado manteve a decisão da primeira instância e decidiu que: “não se pode deixar de se levar em conta que, apesar da redução de custos fixos, as instituições de ensino também acabaram por fazer investimentos na necessária estrutura tecnológica para o oferecimento da modalidade de ensino on line, inclusive com a permanência de seu quadro docente e administrativo. Assim, em que pese haver regramento legal quanto a possibilidade de readequação de cláusulas contratuais em situação de evidente desproporcionalidade, neste instante de análise perfunctória, não vislumbro demonstrado de forma evidente tal o desequilíbrio, a autorizar, de forma ampla e indiscriminada, descontos no alto percentual sugerido, o que só será possível após garantido o exercício do contraditório e mediante a devida instrução processual. Com tais considerações, INDEFIRO o pedido de concessão da antecipação dos efeitos da tutela recursal, até ulterior deliberação da Primeira Câmara Cível”.

Confira decisão AQUI no Justiça Potiguar.

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Educação

UNP terá de reduzir mensalidades em 20% durante período de pandemia, decide TJ

Ao julgar recurso, a juíza convocada pela 1ª Câmara Cível do TJRN, Berenice Capuxu, determinou que a Associação Potiguar de Educação e Cultura (Apec), UNP, efetive o desconto de 20% no valor das mensalidades de estudantes de Medicina, que moveram recurso, durante o período de imposição governamental de aulas à distância, decorrente da pandemia (Covid-19), tudo até posterior deliberação do órgão julgador.

No recurso, os oito estudantes foram contrários ao indeferimento do pedido de redução do valor da mensalidade, visto como a forma adequada de garantir o reequilíbrio contratual e defendem que “o serviço está sendo prestado de forma diversa da pactuada entre as partes, com uma qualidade e assertividade inferior, de tal forma que uma parcela considerável do conhecimento que era pra ser adquirido estaria prejudicado”.

A decisão considerou que, no período de isolamento social, os contratos de ensino, neste caso superior, foram, de fato, “extremamente afetados”, precisando, tanto o contratante, quanto o contratado, se adequar às novas formas de comunicação (não presencial), para o fim de se manter a prestação do serviço.

“Neste ponto, se de um lado há a certeza de investimentos realizados para adequação ao novo formato de aulas, de outro, há a inegável redução de despesas ordinárias até então existentes, tanto que várias instituições em todo o país repassaram em forma de desconto essa redução aos seus contratantes”, destaca a relatora.

O julgamento monocrático considerou, desta forma, ser “prudente e necessária” a concessão de desconto no valor da mensalidade paga pelos estudantes, como forma de manter o vínculo contratual e evitar maiores prejuízos a ambas as partes, em um momento, ainda necessário, de isolamento social”.

(Agravo de Instrumento n.0809330-58.2020.8.20.0000)
Justiça Potiguar

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

UnP emite nota de esclarecimento sobre eventuais atividades presenciais de disciplinas práticas

Foto: Reprodução

A Universidade Potiguar entrou em contato com o Blog do BG para enviar seu posicionamento sobre a matéria: (Retorno de atividades presenciais: Alunos da UNP denunciam em manifesto que devem assinar termo isentando universidade em caso de infecção por covid-19).  Leia abaixo.

NOTA DE ESCLARECIMENTO

A Universidade Potiguar esclarece que foi apresentado aos alunos e aos professores o seu Plano de Retorno Seguro, a ser seguido com base no Decreto Nº 29.742, de 4 de junho de 2020, publicado no Diário Oficial do Estado, que prorrogou a suspensão das aulas até dia 6 de julho. Esse planejamento aponta o dia 13 de julho como provável para o retorno de disciplinas práticas, data que pode sofrer alterações em função de determinações governamentais e/ou institucionais, adiando novamente as atividades presenciais.

Desde o início da pandemia, as aulas acontecem de forma remota síncrona (ao vivo), ou seja, nos mesmos dias e horários em que os alunos estavam habituados. Neste primeiro momento, nosso plano prevê retorno gradual somente das atividades práticas. Assim, como detalhado no documento e nos anexos que foram disponibilizados por e-mail ao corpo discente, retornarão às atividades apenas os estudantes de graduação que possuem disciplinas práticas obrigatórias.

É importante frisar que os estudantes que não podem retornar em virtude de questões de saúde não sofrerão prejuízos acadêmicos. Para este público, em momento oportuno, será apresentado um outro calendário de retorno.

Outro cenário é das disciplinas de estágio supervisionado, apontadas por alunos de Odontologia. Excepcionalmente devido à pandemia da COVID-19, para elas, o retorno não é obrigatório neste momento. No entanto, aqueles que optarem por postergar a volta precisarão cumprir no futuro a carga horária dos estágios, atendendo prerrogativas do Ministério da Educação (MEC) para consolidação do curso.

A UnP ressalta que possui comitês que trabalham seguindo todas as orientações das autoridades de saúde e as recomendações dos órgãos públicos. Por isso, é importa frisar que todas as datas de retorno dependerão de eventuais decretos municipais, estaduais ou federais, e, ainda, da situação do avanço da COVID-19 no País, questão que monitoramos de perto para garantir o bem-estar, a saúde e a segurança de nossa comunidade acadêmica.

Por fim, destacamos que a UnP repudia a disseminação de fake news e de conteúdos enganosos. Acreditamos que a educação é o melhor caminho para o acesso ao conhecimento. Em especial, neste momento de pandemia, é importante combater notícias falsas e má-fé. Por isso, orientamos os alunos a procurar informações sempre nos comunicados oficiais e por meio de seus coordenadores de curso.

Universidade Potiguar

Opinião dos leitores

  1. Houve uma apresentação ontem para os professores da UNP. Tocaram TERROR… Pelo que fiquei sabendo, vão usar da MP 936 para suspender os contratos de trabalho de TODOS os professores pelo período de 30 dias. Não houve negociação, chegaram com o "acordo" pronto e se não concordar que procure o RH… Vai pagar apenas 20 dias de férias. Só com a economia de energia elétrica que a instituição está tendo já seria suficiente para arcar com o salário dos docentes. Mas, prefere usar de artifícios para economizar mais ainda, o professor que se lasque.

    1. Fica difícil concordar com achismos quando não se apresentam números que argumentam favorável ao ponto de vista. Ao meu ver, melhor um contrato suspenso, num momento demasiadamente incerto, do que um contrato rasgado.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Educação

Retorno de atividades presenciais: Alunos da UNP denunciam em manifesto que devem assinar termo isentando universidade em caso de infecção por covid-19

Foto: Reprodução

Um grupo de alunos da Universidade Potiguar alerta para a distribuição de um comunicado da instituição em que informa que as práticas obrigatórias( relacionadas ao exercício de aplicar a teoria em laboratórios) dos cursos de graduação serão retomadas a partir a partir de 13 de julho.

Atualmente, o decreto estadual que determina a suspensão das aulas no Estado vence em 1º de julho, com indicação de que deverá ser renovado, conforme ação conjunta no país. O comunicado da UnP, que fixa data, provocou reação de um grupo de 128 alunos concluintes do curso de Odontologia da Universidade Potiguar, contrários ao retorno prematuro das aulas práticas presenciais .

Íntegra abaixo:

NOTA À SOCIEDADE POTIGUAR

Um grupo de 128 alunos concluintes do curso de Odontologia da Universidade Potiguar contrários ao retorno prematuro das aulas práticas presenciais vêm a público alertar a sociedade quanto à intenção da Universidade Potiguar em retomar as aulas do
semestre letivo do curso de Odontologia no dia 01 de julho de 2020, mesmo que ainda dentro do período de pandemia de Covid-19 que assola o Estado do Rio Grande do Norte.

Em reunião na data de 23 de junho de 2020 com a coordenação do curso os concluintes foram informados da possibilidade de retomada das atividades acadêmicas, já tendo sido publicado neste corrente mês um documento chamado de “plano de retomada das aulas” o qual juntamente com vídeos que circulam nos grupos de Whats- app demonstram esta intenção.

A base da proposta de retomada das aulas é a tentativa de enquadramento do último ano do curso de odontologia como atividade “essencial”, alegando que o serviço prestado pelos alunos através das práticas de Aulas clínicas está dentre as exceções previstas nas normas vigentes, porém trata-se de um estágio supervisionado dentro de uma instituição de ensino, onde somos alunos e não profissionais de odontologia, ou seja, não nos enquadramos nessa exceção prevista.

O ponto de divergência entre este grupo de alunos e a universidade potiguar está nesta tentativa de interpretação de conveniência da lei por parte da Universidade Potiguar e no questionamento das condições de biossegurança para todos os presentes nas clínicas odontológicas, sejam alunos, professores, servidores e principalmente pacientes neste momento de colapso do sistema de saúde.

Também é de conhecimento o aluno que atender ao chamado da Universidade para o retorno às aulas deverá assinar um termo de responsabilidade, termo este que intenciona a isenção de responsabilidades da universidade sobre as consequências do risco de contaminação, ou seja há um plano para os alunos que aceitarem a retomada e assumirem as consequências, mas não há qualquer sinalização para aqueles que não se submeterem ao retorno.

O retorno do exercício acadêmico da prática odontológica vai implicar na obrigatória utilização da caneta de alta rotação refrigerada em vários procedimentos, a qual produz um spray de gotículas originados de dentro da cavidade oral dos pacientes e que possui alto poder de disseminação do vírus Sarcov-2. Outro aspecto importante está no risco das instalações coletivas da universidade
para o momento.

Diferente de um consultório individual que possui limites físicos para o espalhamento das gotículas, isolando momentaneamente cada atendimento, as clínicas odontológicas da UNP são um grande ambiente refrigerado por condicionadores de ar de alta potência os quais podem formar uma massa crítica significativa dotada de elevado potencial de contaminação e disseminação do Covid-19 para todos os presentes e para aqueles os quais a carga de ventilação seja enviada para outros ambientes da Universidade. Isto é um ponto de preocupação importante para este grupo.

Informamos à sociedade que os alunos aqui assinados intencionam o retorno às aulas com brevidade para o alcance do sonhado diploma, porém são solidários ao povo potiguar que enfrenta tamanha pressão sobre o sistema de saúde frente a pandemia que aqui no RN atualmente se apresenta em pico.

Estes aqui assinados entendem que não há, neste momento de pico pandêmico, espaço para ampliação do risco de contaminação, mesmo que a convivência com o Sarscov-2 seja uma nova realidade a ser enfrentada pelos profissionais de saúde agora e no futuro.

Destacamos também as tentativas do alunado de adiantamento de disciplinas teóricas por metodologias Web para manutenção das atividades acadêmicas neste período e o retorno às atividades em momento mais distante deste ponto crítico da pandemia, porém não há qualquer manifestação de interesse em outra possibilidade diferente da breve retomada.

Assim, por meio desta, alertamos às autoridades constituídas do potencial risco para ampliação dos casos de covid-19 quando da antecipação da retomada das aulas clínicas presenciais.

Por fim, nós alunos, estamos à disposição da sociedade para esclarecimentos e da Universidade Potiguar para dialogar, a fim de que haja o devido reconhecimento das condições de saúde que passa o Estado do Rio Grande do Norte neste momento, juntamente com a devida adequação das atividades acadêmicas.

Natal, 24 de junho de 2020.
Comissão de alunos do 9o período de Odontologia, UNP.

Opinião dos leitores

  1. A UnP enviando e-mail para os alunos informando que atividades retornam dia 13/07.
    O decreto e o estudo da FIERN não abrange o retorno das aulas nas instituições de ensino.
    Acho que não é o momento, sendo agosto o mais razoável.
    São muitos alunos em uma sala de aula e nas aulas práticas se acumulam por não ter equipamento para propiciar o manuseio por poucas pessoas.
    Vejo como inconveniente o momento.
    Sem garantia de segurança com a saúde não dá!

  2. Que absurdo!! Estão pensando apenas no financeiro e brincando com as vidas das pessoas. Total responsabilidade!!!

  3. O aluno não precisa se rebelar…basta trancar a matrícula e ir pra outra instituição…simples assim! Ninguém é obrigado à estudar lá…Se fosse pública, aí caberia rebelião, manifesto, gritaria, fogos, passeata…

    1. Claro né, como se todos os cursos de lá tivessem respectivos em outras, com mesma carga horária, disciplinas, formas de pagamento…

    1. Procurem no dicionário o significado do (sic) que vocês vão entender a ironia, seus gados!

  4. Essa instituição parece que tem a cura e o controle dessa doença, não estão pensando nos próprios alunos e no povo potiguar,

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Educação

Covid-19: Aluna da UNP consegue liminar para reduzir mensalidade em 30% por seis meses

A juíza Carla Portela da Silva Araújo, titular da 2ª Vara Cível da Comarca de Mossoró, deferiu parcialmente pedido liminar feito por uma aluna do curso de Direito da Universidade Potiguar para determinar a redução das mensalidades contratuais no valor equivalente a 30%, tendo por base a última mensalidade cobrada, pelo período de seis meses, sob pena de multa diária de R$ 500, limitada ao valor correspondente a um ano de mensalidades.

A aluna requereu a suspensão da exigibilidade da cobrança das mensalidades até o mês de dezembro de 2020 ou até que subsistam os impactos econômicos causados pela pandemia do novo coronavírus (Covid-19). Caso tal pleito não fosse atendido, pediu que as parcelas a vencer fossem revistas, de forma a possibilitar o adimplemento mínimo.

Leia matéria completa aqui no Justiça Potiguar.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Educação

ANTECIPAÇÃO DE COLAÇÃO – SAÚDE: UnP diz que requerimentos de concluintes serão analisados individualmente, levando em conta “vários pontos”; veja quais em nota

Universidade Potiguar – UnP, em nota, destaca portaria, diz que “não procede a informação de que a instituição se negou a cumprir qualquer decisão prevista no Plano de Contingência do Governo Federal”, e informa exigências para antecipação de colação, após repercussão de nota de repúdio de turma de medicina, requerente.

Veja integra abaixo:

A Universidade Potiguar – UnP entende o momento vivenciado pela população mundial com o avanço da COVID-19 e a intenção dos órgãos competentes com esta decisão da antecipação da colação de grau dos alunos do último período dos cursos de Medicina, Farmácia, Enfermagem e Fisioterapia. Porém, desde a publicação da Medida Provisória 934, de 1º de abril, que estabeleceu normas excepcionais, decorrentes das medidas para o enfrentamento da situação de emergência de saúde pública e, logo a publicação da Portaria MEC 374/20, de 03 de abril, que foi revogada e substituída pela Portaria MEC 383/20, de 09 de abril, a UnP analisou a extensão da excepcionalidade, procedimentos e riscos para os estudantes, dado que as diretrizes não eram procedimentos ordinários.

O resultado desta análise gerou menos esclarecimentos e mais incertezas sobre o futuro dos estudantes, uma vez que todos deveriam ser selecionados e alocados em ações de enfrentamento da junto ao MS por tempo indeterminado, com registro profissional provisório gerado pelo MS e não por seus respectivos Conselhos Regionais. Diante deste panorama, os alunos foram devidamente orientados por suas coordenações de curso.

No entanto, a partir da nova Portaria nº 383/20, a instituição esclarece os seguintes pontos:

• Os alunos que estão em semestres concluintes e que tenham cumprido integralmente os processos institucionais podem, como previsto no Manual do Aluno, solicitar Colação de Grau por meio do Autoatendimento. O protocolo será analisado levando em conta, entre vários pontos, cumprimento da carga horária exigida de atividades complementares, pendências e/ou reprovações em disciplinas e participação no Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (ENADE). Os requerimentos abertos serão respondidos após análise individual.

• Ainda é importante esclarecer que, de acordo com o disposto no Artigo 53, incisos II e V, da Lei nº 9.394/96, conhecida como a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, compete às universidades fixar os currículos dos seus cursos e programas, observadas as diretrizes gerais pertinentes, bem como elaborar e reformar os seus estatutos. Por esta razão, a Medida Provisória 934/2020 estabeleceu de forma clara que as instituições de ensino superior “poderão” abreviar a duração dos cursos, pois se impusesse tal obrigação estaria ferindo a autonomia prevista na Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional.

• Por fim, a UnP reforça que não procede a informação de que a instituição se negou a cumprir qualquer decisão prevista no Plano de Contingência do Governo Federal.

A UnP entende a preocupação que o momento exige e está comprometida em auxiliar os esforços de contenção e combate à pandemia, tanto que nossos estudantes do último ano do curso de Medicina, junto com a Universidade Federal do Rio Grande do Norte e Secretaria Municipal de Saúde, estão participando de ações no combate à COVID-19 atuando via teleatendimento na triagem de casos suspeitos e orientação à população sobre a doença, de forma segura e adequada.

Como uma instituição de ensino séria e comprometida com a sociedade, a UnP seguirá estritamente o determinado pelos órgãos competentes. No entanto, considera que a formatação do plano de ação estratégica não observou o necessário envolvimento de todos os atores demandados, expondo parte deles – e a própria coletividade – a danos colaterais que virão a se somar a todos aqueles já causados pelo COVID-19.

Universidade Potiguar

Opinião dos leitores

  1. Cortando meus comentários?
    Jornalismo imparcial ou está na folha da empresa mencionada?
    Eu achava que o Sr. fazia um jornalismo independente. Errei?

  2. O fato é que a Laureate está em avançado processo de insolvência no mundo todo e ainda é lucrativo aqui o Curso de Medicina, daí não quererem abrir mão de nenhum centavo das mensalidades.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Educação

Turma Medicina UnP 2020.1 emite nota de repúdio após instituição negar colação de grau antecipada como parte do plano de contingência do Governo Federal ao coronavírus


Foto: Reprodução/Instagram

“Demonstramos aqui toda nossa indignação com uma faculdade que não tem nenhum compromisso com seus alunos”. Frase faz parte de nota de repúdio da Turma Medicina UnP 2020.1, em protesto contra a instituição de ensino superior na capital potiguar, ao negar, segundo os graduandos, colação de grau antecipada, atendendo apelo do Governo Federal para auxílio e suporte no combate ao coronavírus. Veja íntegra de manifesto abaixo:

Opinião dos leitores

  1. Milhares de recém formados, que terminaram seus cursos nas mais variadas áreas da saúde (enfermagem, medicina, fisioterapia, etc) em 2019, tentando entrar no mercado de trabalho, aí vem essa estupidez para adiantar a formatura de graduandos que não concluíram seus cursos, e os já formados qdo tentam alguma oportunidade de trabalho esbarram na cobrança de experiência!!!! Qta falta de visão!!!! O concurso do EBserh obteve dezenas de milhares inscritos em todo o Brasil, e todos já FORMADOS….

    1. NECESSIDADE OU OPORTUNISMO?
      Perfeito seu comentário amigo. Se justificaria tais medidas urgentes e excepcionais se, e somente se, não tivéssemos um exercito de reserva pronto para ser absorvido, esperando só a sinalização para isso.
      O contrário não passa de oportunismo típico dos tempos em que encontram-se mercantilizados os valores e se procura a todo modo se levar vantagem, mesmo em situações em que isso revela um profundo traço de desumanidade de quem se espera ter um sentimento de empatia profundo para com o outro, com a humanidade.

  2. O caminho é a oficialização massiva pelos alunos… se organizem.
    Entrem com pedido liminar cautelar.

  3. Tem que completar tudo!!! Ficam com esse discurso de ajudar em pandemia. Querem é se formar sem fazer o que todos os outros fizeram. E não vão trabalhar em PN de pandemia. Vai abrir seus consultórios caros com o dinheirinho de Papai e cobrar 500 reais s consulta

  4. Tive que viver pra ver gente defendendo que médicos se formem sem terminar o curso! Olha que beleza!!! E não importa qual o %. Se está lá no currículo, é pra fazer!!!!!!!! Imagina a qualidade de médico que vai sair. Uma desgraça

  5. A UnP passou de "referência institucional do ensino superior" para "ralé das escolas de formação". Impressionante! Compromisso com a qualidade acadêmica ZERO! Tudo lá dentro é um faz de conta. Fechará as portas em breve.

  6. A UnP não está preocupada com a formação dos alunos e nem tão pouco dos futuros médicos, ela (UnP) está preocupada com o dinheiro dos alunos . É assim que ela funciona , o dinheiro em primeiro lugar, mas se o governo der dinheiro para ela, mun instante a UnP mudaria de ideia…. antecipação de formatura é funga de receita, ou seja, que se… o mundo.

  7. Dinheiro amigos, dinheiro. A UNP não vai antecipar a formatura de dezenas de alunos que pagam quase 9.000 reais por mês de mensalidade. nessa hora o altruísmo e solidariedade padecem dentro da UNP. ali primeiro vc paga e depois tem direito a alguma coisa.

  8. Ainda o refrão surrado de Geraldo Vandré? Que pena, a mentalidade política desses ativistas cheira a mofo.

  9. Vão estudar! Medicina não é brincadeira, muito menos passa tempo que pode se adiar ou antecipar formatura.

    1. Cara tu leu a matéria?
      Falta pouco mais de 4 (quatro) %,
      para concluírem a faculdade de medicina… E as aulas estão em forma EAD….. A UNP só quer as mensalidades……

      Presta atenção antes de falar tanta merda….

    2. Esses formandos só estão faltando cumprir 4% da carga horária escolar, cumpriram 96%, portanto, nesse momento de escassez de profissionais de saúde, a UNP poderia dá a contribuição com a sociedade, antecipando suas formaturas, como fizeram a UERN e UFRN. Com certeza, as contribuições deles para manutenções de vidas nessa pandemia, seria mais um fôlego dos que se encontrarem com casos mais graves dessa doença perversa.

  10. O governo tem que investir muito mais em abertura de vagas no curso de medicina. Muita gente boa que desistiu do curso de medicina devido ao nível de dificuldade .
    Na maioria quem consegue é o pessoal que tem condições de pagar colégio e cursinhos particulares.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Educação

Covid-19: Aluno da UNP consegue liminar para não pagar mensalidade por seis meses

Foto: Reprodução

O juiz Flávio César Barbalho, da 3ª Vara Cível da Comarca de Mossoró, concedeu medida liminar para determinar que a Universidade Potiguar (UnP) suspenda o pagamento das mensalidades devidas por um aluno, pelo período de seis meses, bem como se abstenha de cortar a bolsa universitária de 50%, de que goza o autor do pedido, sob pena de bloqueio no valor de R$ 10 mil, com base no artigo 139, IV, do Código de Processo Civil.

Em seu pedido, o aluno invocou a teoria da imprevisão em razão da pandemia causada pelo novo coronavírus (COVID-19) pleiteando que a universidade o isente pelo prazo de seis meses, do pagamento das mensalidades relativas ao curso de Direito. Postulou também, em sede liminar, a redução em 50% do valor da mensalidade, em virtude das aulas não mais serem presenciais, além de impor à ré a abstenção de cortar a bolsa de isenção de 50% do valor da mensalidade.

Veja decisão aqui no Justiça Potiguar.

Opinião dos leitores

  1. São medidas como está que devem ser tomadas,nos como alunos ao assinar um contrato somos assegurados como será o ensino acadêmico,ou como pai pagaria a mensalidade do seu filho sem o mesmo está com ensino adequado,pois a mesma unp vem passando por uma face de transição e desde o ano passado vêm realizando demissões em massa,caindo o ensino drasticamente,e nem foi está causa que fez demiti-los.
    Empresa fecha quando pensa apenas em benefícios próprio e deixe e esquecem que necessita de nós alunos como clientes.

  2. São decisões como essa que elevam e muito a falta de credibilidade em parte dos magistrados que só contribuem para a falência das empresas e o desemprego em massa. Ele lá no gabinete, sem gerar um emprego e com o poder de quebrar todo mundo. É uma vergonha. Lembrando que no final do mês, trabalhando ou não o salário estará na conta.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Educação

UNP anuncia suspensão de aulas presenciais em razão do novo coronavírus

Como medida de prevenção e ação que visa ajudar a mitigar o avanço da COVID-19, doença causada pelo novo coronavírus, a UnP comunica que as aulas presenciais estão suspensas em todas as Unidade e Polos pelo período inicial de 15 dias. Para garantir o cumprimento do semestre letivo, sem prejuízos pedagógicos, as aulas presenciais serão ministradas de forma remota por meio da plataforma Blackboard/Collaborate.

Blackboard é uma ferramenta com a qual você já está familiarizado, afinal é utilizada como apoio às aulas presenciais e como Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) para as disciplinas on-line. O Collaborate é um recurso da Blackboard, que permite encontros síncronos e que podem ser gravados para visualização posterior. Ambos são acessados de computadores de mesa (desktops), notebooks, tablets ou smartphones, a partir do Autoatendimento ou por aplicativo disponível nas lojas Apple Store e Play Store.

Durante esse período, as atividades que já são ministradas na modalidade on-line acontecerão normalmente e as unidades permanecerão abertas para atendimento, matrículas, entre outras demandas administrativas.

Fique atento e acesse diariamente os canais oficiais da UnP: site, Autoatendimento e redes sociais para as orientações relativas às aulas na plataforma Blackboard e às atualizações sobre qualquer mudança de cenário.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Educação

Alunos de curso técnico na UNP reclamam de remanejamento de turma e indefinições próximo de início de aulas

Chegam novas reclamações ao Blog sobre remanejamento de turmas na Universidade Potiguar, que estaria provocando sérios transtornos aos alunos, por causa de novos horários e ainda indefinições.

Uma aluna do curso de técnico em Saúde Bucal, de identidade preservada, disse que a sua turma, composta por pelo menos 30 alunos, foi comunicada, uma semana antes do início das aulas, sobre uma mudança no curso. Em resumo: migrariam para outro horário – não definido. O detalhe, segundo a reclamante, é que nem os professores do curso tinham conhecimento da mudança.

Com 50% da carga horária do curso já foi cumprida, o “descaso”, com classifica, ganha contornos de drama: “temos estudantes que moram em outra cidade e acordam de 4h30 para chegarem em tempo das aulas”, disse, ainda alertando que uma outra parte trabalha durante a noite.

 

 

 

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

UnP emite nota de esclarecimento sobre descontinuidade de curso

Alunos do curso de Engenharia Ambiental e Sanitária da UnP que já estavam no 7º período, próximos de se formar, foram informados que o curso será encerrado. A medida revoltou a todos os alunos. Alguns estão acionando a Justiça para conseguir se formar. Outros estão acionando o Ministério da Educação, o Procon e até o DCE em busca de uma solução. Em nota, a UnP diz que “organiza previamente uma série de opções para que o aluno possa escolher a que mais se adeque à continuidade de estudos, sem prejuízo acadêmico, como previsto em contrato de prestação de serviços”. Veja íntegra:

NOTA

A UnP mantém sempre o compromisso em dialogar com a sua comunidade acadêmica, priorizando o cuidado que cada temática demanda dentro do ambiente universitário.

É importante ressaltar que a UnP pauta as suas ações em estrita observância à legislação vigente, exercendo a sua autonomia universitária concedida pela Constituição Federal e deliberada pelo Ministério da Educação (MEC). Dessa forma, ao optar pela descontinuidade de uma oferta, a instituição organiza previamente uma série de opções para que o aluno possa escolher a que mais se adeque à continuidade de estudos, sem prejuízo acadêmico, como previsto em contrato de prestação de serviços.

Neste caso específico de Engenharia Ambiental e Sanitária, o seguimento do curso estava em análise de sustentabilidade pela instituição. Após reuniões com as lideranças acadêmicas, a Instituição decidiu que irá subsidiar excepcionalmente a graduação dos alunos que já cumpriram mais da metade do período de formação, o que inclui a 7ª série, tendo autorizado a manutenção dessas respectivas turmas.

Por fim, em um cenário dinâmico e em constante transformação, a UnP acompanha o movimento de mercado na busca constante pelo aprimoramento de sua qualidade acadêmica, visando entregar aos seus alunos excelência no processo de formação.

Universidade Potiguar

Opinião dos leitores

  1. A pior universidade do RN ! Sinceramente, fico a pensar como é que pessoas ainda buscam essa instituição para cursarem uma GRADUAÇÃO. Pelo AMOR DE DEUS, por experiencia própria, busquem qualquer outra, tais quais; ( FACEX, UNI, NASSAU…. ) para se graduarem, menos a UNP. Penso eu que o povo deve se encantar com a PROPAGANDA DA UNP, pois o ensino é uma PORCARIA.

    EM TEMPO:

    Lembrem-se que: " GAIOLA bonita não dá de comer a PASSARINHO. "

  2. Me formei na UNP ainda no tempo em que prestava, uma vez precisei acessar a biblioteca, a burocracia e tão grande que quase que não entro. Meu dinheiro não ver nunca mais

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Educação

UNP emite nota sobre desligamento de professores

Após novas queixas de alunos e profissionais da saúde sobre demissões de professores no curso de Medicina, e repercussão neste blog, a UnP se pronunciou através da nota abaixo:

A UnP esclarece que a gestão docente provém de uma análise profunda acerca de diversos aspectos da instituição e tem como intuito garantir a perenidade de nossos cursos. Isso inclui alterações no quadro de docentes como contratações, promoções, realocações, substituições e desligamentos de professores, em função do ciclo do segmento, bem como leva em consideração, neste momento, o impacto da instabilidade econômica vivenciada pelo país.

Dessa forma, ressaltamos que a decisão por movimentações no corpo docente não é pautada por um fator único, englobando uma série de questões, que podem ser pontuais ou combinados, e não tem relação direta com a titulação. Pelo contrário, a UnP tem um padrão de contratação para docentes no qual busca sempre profissionais com as melhores qualificações e experiências, atendendo a todas as exigências do Ministério da Educação (MEC).

Importante ainda deixar claro que o processo de desligamento de um professor é conduzido com total lisura e de forma ponderada, porque respeitamos e reconhecemos a contribuição de cada um em nossa instituição. A UnP ratifica o compromisso no aprimoramento acadêmico, visando oferecer a melhor formação aos nossos alunos. Ressaltamos ainda o respeito e reconhecimento pela contribuição de cada docente em nossa instituição.

Universidade Potiguar

Opinião dos leitores

  1. Juro que não entendo por que estas notícias ainda são taaaaaoooo importantes para os blogs. Empresa privada não tem estabilidade, todo mundo sabe disso. Se tem professor com título que está desempregado e aceita ganhar menos, é meio óbvio . Toda vida é isso, já tá com gosto de comida requentada, eu teria era vergonha de ficar repetindo o mesmo tirinete o tempo todo. Pronto, falei.

  2. A UnP perdeu uma ótima oportunidade de esclarecer de forma confiável as medidas adotadas ao longo dos últimos anos, demitindo professores antigos, experientes e muitos com doutorado.
    As demissões são de conhecimento público e com elas a qualidade dos cursos passam a ser questionáveis. Mas essa foi uma decisão tomada pela UnP e as consequências serão do ensino que vai levar aos alunos, a preço elevado.

  3. Professor depois q vira bagaço da laranja ? o futuro é o olho da rua. O importante é faturar. Aos porcos, as pérolas.

    1. As custas dos orelhas secas que vendem seu dia por 4,45 a hora.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Educação

UNP aumenta em 8% valores de mensalidades e demite professores experientes de medicina

Como nos últimos tempos, novos professores com currículos expressivos e reconhecidos por suas referências em turmas de medicina da UNP estão sendo demitidos. A medida acontece em meio ao reajuste de 8% das mensalidades na instituição.

Na lista, doutores com anos de instituição. Entre docentes, a angústia com a nova saída de professores, fato não comum e registrado pela imprensa há pelo menos dois anos.

Segundo fontes ligadas aos doutores, para a substituição, estão sendo contratados médicos até mesmo recém formados.

Opinião dos leitores

  1. Todo ano a mesma coisa, sai professores de todas as áreas experientes e coloca novatos com bem menos preparação.

  2. Toda empresa privada é capitalista. Se conseguir obter mais lucro está certo para ela. Se aumentando o valor existe procura, então o negócio é aumentar. Se trocando professores caros por baratos continua dando certo, então estão no caminho certo. A concorrência para entrar no curso caro e ruim está grande. É a escolha de cada um. Ser médico ainda alimenta a ideia do status e de uma excelente renda. Para os que não estão na área, cuidado. Vocês estão assistindo mais um curso se desvalorizando e de forma rápida. Invistam em seus filhos melhor. UNP é cilada!!!

    1. Medicina se desvalorizar? Em um país onde a maioria dos profissionais se concentram nas capitais? Faz me rir!

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Educação

UNP divulga nota de esclarecimento sobre recentes notícias divulgadas sobre o curso de Medicina

NOTA

Sobre as recentes notícias divulgadas a respeito do curso de Medicina, a UnP esclarece que, em cada ciclo letivo, movimentações no quadro de professores acontecem a partir de um diagnóstico aprofundado composto por inúmeros fatores, como o calendário acadêmico. Este processo natural e específico do segmento de educação, que engloba a gestão de docentes no que tange a contratações, promoções, realocações e desligamentos, é realizado de acordo com as necessidades da graduação e, também, para acompanhar o cenário atual brasileiro.

A UnP mantém o compromisso em dialogar com a sua comunidade acadêmica sempre priorizando a discrição e o cuidado que demandam cada temática, levando em consideração as estratégias, os planejamentos, as ações e os processos internos. A matriz curricular foi redesenhada analisando necessidades atuais de mercado, cursos de universidades renomadas no Brasil e no exterior e sempre atendendo às diretrizes do Ministério da Educação. No processo de comunicação à escola de medicina, reuniões foram realizadas para a apresentação do novo currículo do curso, com momentos de esclarecimento de dúvidas de alunos e abertura de canal para a participação dos professores. Esses encontros ocorreram durante o recesso de julho, mas não devem se encerrar. Momentos de avaliação sobre a implantação do novo currículo devem ocorrer regularmente, com os docentes do curso, para assegurarmos que continuemos entregando à sociedade médicos de excelência.

No que diz respeito ao fim do convênio do Hospital Infantil Varela Santiago, a UnP reforça que esta decisão ocorreu de forma unilateral por parte da direção do HIVS, não tendo sido a instituição comunicada previamente e sem a possibilidade de uma negociação. Diante disso, a Universidade buscou e já consolidou novos campos de rotação clínica e garante que não haverá prejuízos acadêmicos ao estudante.

Por fim, sobre a infraestrutura, a instituição esclarece que efetua manutenção contínua dos laboratórios e dos simuladores, em razão disso está sendo concluído um estudo dos equipamentos para a atualização e eventual troca de possíveis peças que não estejam funcionando adequadamente.

A UnP é sensível ao desconforto que pode ser ocasionado por alterações na operação de um curso tradicional e conceituado como de Medicina, mas esse movimento faz parte do processo de desenvolvimento de uma nova geração de médicos, que fazem uso de ferramentas tecnológicas e trabalham ainda mais focados na relação com os pacientes, bem como na saúde de família.

Opinião dos leitores

  1. A concorrência descendo o pau na unp (nos comentários) porque é a instituição de ensino superior privado com mais alunos no RN, nas outras a situação é pior, só não é tão falada pq não são tão importantes economicamente e por terem poucos alunos, a menos ruim é a UFRN, e só por ser "gratuita".

  2. É o efeito bozo! Gente, as universidades federais recebem subsídios do ProUni! Tenho familiares com bolsas integrais, inclusive em medicina veterinária! É daí pra pior! Agora vira para o bolsominion aí do teu lado e diz assim: É bom jair se acostumando! Faz arminha miserávi pá pá pá pá pá pá pá ???

  3. Infelizmente a UNP vem passando pela pior gestão de todos os tempos nos últimos 3 anos. É uma pena vermos em decadência essa tão renomada instituição Potiguar que nos enchia de orgulho por ter sido reconhecida como uma das melhores Universidades do país. Uma gestão que demonstra claramente sua incompetência a cada atitude tomada inconsequentemente, principalmente no que diz respeito às demissões em massa do seu quadro de funcionários de alto escalão, tanto administrativo quanto acadêmico. Demitiram os melhores profissionais, aqueles que realmente tinham a competência de levar o negócio adiante, com argumento de que precisavam reduzir os custos. Pois é, o “barato ta saindo muito mais caro” e o que não entendemos é como uma empresa de capital estrangeiro deixa uma gestão como essa destruindo décadas de sucesso. A postura da Universidade Potiguar é um desrespeito não somente aos profissionais que dedicaram sua vida a empresa, mas também com todos os alunos que confiaram seu futuro à instituição.

  4. Acho que vai fechar logo logo…Aíh vai ficar Aluno sem professor e professor sem aluno…E os problemas estarão resolvidos…

  5. Laureate está indo embora do Brasil. Estão adequando o curso para não vender a UnP tão barato quanto os compradores estão precificando.
    Acaba de sair o 'balancete' quadrimestral(lá é em quadrimestres), ontem 8 de agosto, direto dos USA. Veja um detalhe e o link para o todo: "Marcelo Santos — J.P. Morgan — Analyst
    Hi. Good morning. Thanks for taking my question. Just wanted to explore a little bit more the EBITDA decline that we saw in Brazil, in the first half of the year.
    We're talking here about more or less a 40% decline versus the previous year."
    pois é: 40% de queda em relação ao ano anterior. Ebidta facil saber, basta colocar no google ou no bing. LINK: https://finance.yahoo.com/news/laureate-education-inc-laur-q2-032412203.html . Resultado: compraram 150 milhões de dolares em ações para evitar uma queda ainda maior no preço da ação. Investidores estão exigindo o retorno do capital e tá dificil mesmo com muitas vendas. Por ex: esses 150 mi foram tirados de uma venda da Laureate no Panamá. São já 50 o numero de instituições vendidas ou devolvidas pela Laureate nos ultimos tempos.

  6. Primeiro pronunciamento que vejo da faculdade, não esclareceram absolutamente nada sobre a mudança de currículo, a forma com que demitem os nossos professores é absolutamente desrespeitosa, os laboratórios SÃO DEFASADOS, um curso que recebe nota 5 no MEC tem a necessidade de nudar de uma hora pra outra? Porque reitoria? Não vi nenhum diálogo conosco durante o período letivo, o que vi foi a gente ter prática reduzida en UBS, a gente chegar pra um semestre sem saber de absolutamente nada, a genter 2 mil horas de curso clrtadas, períodos iniciais não terem aula de anatomia, serem barrados em prática, turma de internato tendo mais aula teórica do que prática, esse comunicado não passa de uma tentativa muito esfarrapada de abafar um problema enorme.

    1. Leiam mais ALUNOS, vejam o risco que correm e pensem muito bem no que estão embarcados, sempre é tempo de mudar.
      Vejam esse cabeçalho de artigo que mostra muito bem o que pensam os gestores:
      Laureate Education CEO Doug Becker convinced international banks, billionaires, hedge fund leaders, and numerous politicians to invest in his high-risk adventure. Now they want a return.]

      https://www.linkedin.com/pulse/clinton-laureate-scandal-lots-smoke-gun-missing-dahn-shaulis/

  7. Só balela. Ano a ano tem piorado a educação na instituição, só vêem grana. As reclamações são todas engavetadas.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Professores na UNP formalizam denúncia no Sindicato dos Médicos do RN e anunciam paralisação na quinta e sexta

Reprodução

Ofício foi assinado nesta terça-feira(06) e inflama crise em situação que envolve alunos, professores e a instituição privada de ensino superior na capital potiguar.

Opinião dos leitores

  1. Descabida a ação, isso pode criar um precedente perigoso, já que via de regra todo professor também é um profissional e pode acionar seu sindicato.

  2. Pq não não fazem um pedido de demissão coletivo? Ninguém é obrigado à trabalhar em condições que não concorda!!! Coragem professores!!!

  3. Cadê nossos deputados, senadores e vereadores que mesmo a Laureate sendo uma empresa privada não fazem protestos nas respectivas esferas por esses abusos?
    Quando contarem a verdadeira historia da Laureate aqui no RN( e no Brasil) muita gente vai ficar estarrecida. Como um bando de piratas sem lastro financeiro tomaram Universidades e Faculdades e se deram bem.

  4. Bom anotar os nomes dos gestores locais pois eles são os grandes operadores dessa prática de sucatear e vender. Eles ganham dezenas de milhares de reais, alguns até com 16 salários por ano e gordas mordomias mas quando se trata de demitir professores horistas alguns ganhando menos de 2 mil reais por mês eles gargalham e dizem " ah, eles se viram"!

  5. Se a UnP não tivesse sido vendida a esse grupo de "mercenários" seria, sem sombra de dúvidas, uma das maiores instituições privadas de ensino, tanto em qualidade quanto em quantidade de cursos e alunos.
    Os projetos eram excelentes e estavam sendo tocados por quem pensa educação e não por quem pensa em dinheiro.
    Uma pena o estado pré-falimentar da mesma já que isso significa menos uma porta ao nível superior.

    1. Concordo.
      A rede Laureate é uma rede gafanhoto.
      Sucateiam as Universidades e depois vendem, já fizeram isso em varios países.

      A proposta agora é demitir os professores antigos e contratar novos com preço abaixo do mercado.

      Felizmente os médicos têm pleno emprego e não se sujeitam a esses absurdos.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *