Economia

Petrobras aumenta preço de gasolina e diesel às vésperas de mudança no comando

Foto: Custódio Coimbra/Agência O Globo

Na véspera da nomeação do general Joaquim Silva e Luna como presidente da estatal, a Petrobras anunciou alta nos preços da gasolina e do diesel hoje. Os novos valores passam a valer a partir de amanhã.

Segundo a estatal, o diesel teve alta média por litro de R$ 0,10 . Assim, passará de um preço médio de R$ 2,66 para R$ 2,76. Esse é o sexto aumento desde janeiro. No ano, o diesel acumula alta de 36,6% nas refinarias.

O litro da gasolina subiu R$ 0,05 por litro, passando de R$ 2,59 para R$ 2,64. Esse é o sétimo aumento do ano. Assim, no acumulado do ano a gasolina acumula alta de 43,4% nas refinarias.

Em nota, a Petrobras disse que o “alinhamento dos preços ao mercado internacional é fundamental para garantir que o mercado brasileiro siga sendo suprido sem riscos de desabastecimento pelos diferentes atores responsáveis pelo atendimento às diversas regiões brasileiras”.

A estatal esclareceu que “os reajustes são realizados a qualquer tempo, sem periodicidade definida, de acordo com as condições de mercado e da análise do ambiente externo”. Isso possibilita, informou a empresa, “competir de maneira mais eficiente e flexível e evita o repasse imediato da volatilidade externa para os preços internos”.

No dia cinco de abril, a Petrobras elevou o preço do gás às distribuidoras em até 39%. A alta começa a valer a partir de maio. O reajuste será repassado ao consumidor final, embora não na mesma proporção, segundo a associação que reúne as distribuidoras.

O aumento nos preços dos combustíveis a partir de meados de fevereiro gerou um desgaste entre o então presidente da estatal Roberto Castello Branco e Jair Bolsonaro. Insatisfeito, Bolsonaro demitiu Castello Branco e nomeou Silva e Luna para o cargo.

O Globo

Opinião dos leitores

    1. caro amigo, se informe melhor ,nenhum presidente pode interferir na Petrobras a não ser mudar a presidência, e mesmo assim quando o atual presidente mudou ,o STF ainda quis investigar se o presidente interferiu na Petrobras, e só a nível de informação eu não sou bolsonarista , mas não faço oposição por fazer , antes me informo bem sobre as notícias, fica a dica.

  1. O que me intriga é Que não tem alguém pra gritar estericamente nos postos quando no Goveno petista a Gasolina subia alguns centavos.agora pasmem.estamos no Mês 04 e já temos 07 aumentos. Onde estará a turma do “Só é tirar a Dilma que tudo melhora ”
    ?????

  2. Pronto, amanha ja sobe 40 centavos nos postos. Daqui a pouco a gasolina vai chegar aos 6 reais e o presidente vai dizer que foram os governadores que aumentaram. O pior é que tem muito apombaiado que acredita, apesar de que a grande maioria ja está percebendo quem realmente está jogando o Brasil num buraco.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Pesquisa mostra que contágio por coronavírus aumenta quando há mais pólen no ar

Foto: OGNEN TEOFILOVSKI/Reuters

A concentração de pólen no ar parece ter relação com a disseminação do coronavírus: quanto mais grãos em suspensão, maior o número de infecções. A conclusão é de um estudo realizado entre março e abril do ano passado, mas que se baseia em dados de quase 250 estações espalhadas por todo o planeta, várias delas na Espanha. A explicação seria a de que o material polínico enfraquece a primeira linha de defesa contra os vírus respiratórios. E isso ocorre independentemente de a pessoa ser alérgica ou não.

– Quando o pólen aumenta, aumenta o contágio. E quando a concentração de pólen cai, cai o contágio – diz María del Mar Trigo, especialista em botânica e fisiologia vegetal da Universidade de Málaga e coautora do estudo.

Os pesquisadores compararam a quantidade diária de grãos de 248 estações aerobiológicas em 31 países com o número de infecções na área mais próxima. Essas estações captam as partículas presentes no ar, sejam elas pólen, bactérias ou poeira inorgânica. Depois de coletados, os materiais são identificados em laboratório.

A correlação entre pólen e o contágio pelo coronavírus foi verificada em quase todas as áreas estudadas, a maioria delas na Europa. O estudo dá até percentuais concretos: para cada aumento de cem grãos por metro cúbico de ar, os pesquisadores observaram um aumento de 4% no número de casos após três ou quatro dias.

María del Mar Trigo destaca a correlação de aumento e queda (de pólen no ar e de casos), que é quase universal. Estavam fora desse padrão apenas as dez estações participantes localizadas no Hemisfério Sul, onde era outono (estação com menos pólen em circulação) quando foram feitas as medições para o estudo, recém-publicado na revista científica PNAS.

O objetivo inicial do trabalho era coletar mais dados pelo mundo, mas em muitos pontos os pesquisadores tiveram de interromper a coleta por causa da pandemia e das medidas de isolamento. Alguns levaram microscópios para casa para determinar a concentração e o tipo de pólen coletado.

Athanasios Damialis, chefe de aerobiologia da Universidade Técnica de Munique, na Alemanha, é o principal destinatário dos dados de concentração de pólen enviados por mais de uma centena de colegas de todo o mundo. Para ele, embora o confinamento tenha sido um retrocesso, foi possível introduzi-lo como variável no estudo e focar no momento em que coincidiam os dois fenômenos de interesse dos cientistas: a primeira onda da pandemia no mundo e a concentração de pólen.

Para Damialis, o fim do confinamento, a reabertura de fronteiras e das escolas teriam obscurecido a influência do pólen. Além disso, em áreas mediterrâneas, como a maior parte da Espanha, “as altas temperaturas e a seca podem eliminar o efeito do vírus, independentemente de outros fatores, como o pólen”. No final do verão e início do outono ocorreu a segunda onda da pandemia, impulsionada pelo turismo, a volta às aulas ou a chegada do frio. E é o momento da menor concentração relativa de pólen. Há também outro detalhe importante: as máscaras. Como uma defesa eficaz que os alergistas vêm recomendando há anos, seu uso generalizado após a primeira onda estaria distorcendo o efeito do pólen. Por fim, os autores do estudo lembram que o fator chave sempre foi o contato interpessoal, a concentração de pólen é um elemento secundário.

Mesmo assim, colegas do Hemisfério Sul enviaram ao grupo de Damialis dados do início da primavera austral. Eles não foram incluídos na redação final do estudo, mas lá também viram a conexão entre o pólen e o coronavírus. Além disso, agora estão verificando os dados de alguns locais selecionados, como a área de Augsburg, na Alemanha, áreas da Holanda e também de climas mediterrâneos, como Salónica, na Grécia.

— Vemos em todos esses lugares que, de fevereiro ao último domingo, há uma correlação positiva consistente e significativa entre o pólen e o número de infecções — disse Damialis.

Por quê? Isso é o que eles tentam responder no restante do estudo. Eles apostam na possibilidade de o pólen enfraquecer o sistema imunológico, facilitando o funcionamento do coronavírus. Para apoiar essa tese (no trabalho, não há um experimento nesse sentido), os pesquisadores recuperam os últimos ensaios feitos por alguns dos coautores do estudo. Em setembro de 2019, por exemplo, a cientista Stefanie Gilles publicou um artigo científico sobre a relação entre a concentração de pólen e dois vírus respiratórios, os rinovírus (causadores do resfriado comum) e o vírus sincicial respiratório.

O trabalho de Gilles, publicado na revista Allergy, apoiou-se em três pilares. De um lado, o acompanhamento de 20 mil pessoas durante três anos, medindo sua exposição ao pólen e os casos de rinovírus. Do outro lado, expuseram as células epiteliais das vias aéreas humanas (das paredes internas) primeiro a três tipos de pólen e depois ao rinovírus. Em um terceiro experimento, com camundongos, eles os envolveram com pólen e os infectaram com o vírus sincicial respiratório. Descobriram que tanto as células humanas quanto a dos camundongos aumentaram a replicação viral.

— O pólen é conhecido principalmente como um alérgeno, mas o que investigamos é como ele também afeta indivíduos não alérgicos. Sabemos, por exemplo, que se borrifarmos extrato de pólen de bétula no nariz de pessoas não alérgicas, muitos genes envolvidos na defesa contra os vírus são desregulados, o que implica na diminuição da resposta imune antiviral — explica Gilles.

Os pesquisadores ainda não sabem qual componente do pólen é a causa, mas sabem “que não é o mesmo que causa a alergia”, como diz Gilles. Esse elemento desconhecido “causa uma menor produção de interferons antivirais durante uma infecção viral”. Eles também não sabem se o que observaram em dois vírus respiratórios seria válido para o coronavírus, outro vírus respiratório.

O imunologista do Hospital Universitário de Canarias, Yvelise Barrios, destaca o papel desses interferons:

— Eles dão o primeiro sinal de alarme, recrutando também outros elementos do sistema imunológico inato.

Barrios, membro da Sociedade Espanhola de Imunologia, acrescenta que uma menor produção dessas proteínas “impede que o sistema imunológico perceba e gere uma resposta em tempo”. Mas, esclarece ele, os estudos sobre a conexão entre o pólen e essa desregulação são tão recentes que pouco se sabe a respeito.

O Globo

 

Opinião dos leitores

  1. vou consultar meu comitê científico para acrescentar no decreto, teremos que destruir as plantas que produzem flores.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Trânsito

Prefeitura aumenta em 30% número de viagens nos horários de pico do transporte público em Natal; veja linhas que terão incremento

Foto: Alex Régis

Com o intuito de evitar a aglomeração no sistema de transporte público da capital, as 15 linhas de ônibus de maior demanda em Natal passarão por readequação de viagens ao longo do dia a partir da próxima segunda-feira. Nos horários de pico de passageiros, haverá aumento de 30% no número de viagens, segundo anunciou a Secretaria de Mobilidade Urbana de Natal em entrevista coletiva na manhã desta quinta-feira.

Esta é uma medida emergencial da Prefeitura de Natal e inicialmente atenderá às 15 linhas de maior uso na cidade, que têm origem na Zona Norte e chegam até a Zona Sul. O secretário de Mobilidade Urbana, Paulo César de Medeiros, afirmou que esta readequação já vinha sendo estudada e será implantada de forma emergencial no período crítico da pandemia, sendo mais uma providência nesta área pela Prefeitura de Natal para conter a contaminação pelo coronavírus. Somente na área de transporte público foram retomadas a desinfecção das paradas de ônibus e a desinfecção dos veículos no meio das viagens das linhas de maior quantidade de usuários.

“A solução que a gente propõe é usar a ociosidade de algumas horas para cobrir os períodos de pico e nós temos convicção de que vai funcionar e vamos ficar acompanhando todos os dias, todas horas”, afirmou o secretário Paulo César de Medeiros. “O problema da superlotação está de manhã, e mais fortemente à tarde. Então a gente deslocou as viagens que estavam no entre pico para esses períodos”, disse, explicando o aumento de 30% das viagens nos períodos de pico, de acordo com levantamento realizado.

Mudança

De acordo com estudo elaborado pelo Departamento de Planejamento da STTU, essas linhas, especificamente, passaram a concentrar o horário de pico maior no período tarde/noite, com a saída das pessoas do trabalho e indo diretamente para suas casas, diferente do que ocorria antes, quando o maior horário de pico de usuários do sistema de transporte era por cerca de duas horas pela manhã.

Nos horários entre picos, a demanda de passageiros diminuiu ainda mais desde o início da pandemia no ano passado e com isso, a estratégia da STTU foi adequar as viagens, diminuindo nos horários de menor fluxo de passageiros, aumentando nos horários de maior demanda.

O levantamento mostra ainda que a queda da demanda do transporte público em Natal foi de 66% com a pandemia, gerando uma queda de 30% da frota e 40% de número de viagens. “Não é frota que determina a qualidade do sistema de transporte, é o número de viagens, é a capacidade que esta frota que está em operação tem de passar na parada de ônibus. Então esta frequência determinada pelo número de viagens, é que faz com que o passageiro sinta que o sistema é eficiente. Aumentar a oferta de viagens vai diluir esse pico”, explica o diretor do Departamento de Planejamento da STTU, Newton Souza Filho.

Eficácia

De acordo com o secretário, o acompanhamento será contínuo para detectar se ainda há aglomeração e assim tomar novas medidas. “A gente sabe que o transporte público provoca aglomeração e portanto pode provocar o agravamento [da contaminação]. Mas só não acho que seja decisivo para este quadro que a gente tá vivendo, pois são muitos fatores que contribuem, afirmou Paulo César. Ele cita os meses em que o transporte público continuou com diminuição de frota e nem por isso houve registro de aumento de casos da Covid-19 em Natal.

Apelo

Além das medidas para evitar a propagação do vírus pela Prefeitura de Natal, o secretário faz um apelo ao usuário dos sistema de transporte para que utilize máscaras, na medida do possível mantenha as mãos limpas e mantenha o distanciamento. “A desinfecção dos veículos também é uma medida educativa, para mostrar às pessoas que elas têm que ter cuidado com as superfícies que elas tocam, e todos, na medida do possível, têm que manter as mãos limpas, usar máscaras. Nós entendemos que essa tarefa no momento pandêmico, não é uma tarefa só do governo. O estado pode fazer muitas coisas, mas não pode fazer tudo. nós também temos que ter cuidado, de toda a população e a gente insiste no pedido de cuidados de manter distanciamento, usar máscaras durante as viagens”, acrescentou.

Linhas que terão incremento de viagens nos horários de pico das 6h às 7h e das 17h às 18h:

73; 50; 08; 29; 60; 64; 43; 07; 77; 79; 84; 35; 02; 15; e 75

Opinião dos leitores

  1. Para Inglês ver. A conta será paga nos hospitais. Com já disseram, veio atrasado, aumento ridículo e focado só em uma zona!

  2. Só vi nesta lista os onibus que fazem a linha da zona norte como ficam as linhas 24, 33, 38, 40, 41, 46, 50, 51 , 54 e a linha 56 ponta negra rocas via costeira que sempre estão super lotado além da demora que pelo menos a espera e de uma hora e nos finais de semana e feriados só jesus.

  3. Aumentou em 30%? A frota estava com 70% , como aumentou 30, essa turma faz o povo d bobo mesmo. Na realidade voltou ao q era antes.

    1. Acho que você perdeu essa aula, mas 30% de 70% não dá 100%. Recomendo estudar um pouquinho mais antes de falar besteira.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Resposta exagerada do sistema imune aumenta mortalidade da Covid-19, diz estudo

Foto: Reprodução/CNN

A hiperatividade do sistema imunológico pode ser uma das causas da alta mortalidade da Covid-19 com relação a outras doenças do aparelho respiratório. Pesquisadores do Reino Unido apontam que um descontrole na resposta imune ao novo coronavírus (SARS-CoV-2) pode acabar por inflamar exageradamente os tecidos de órgãos afetados, agravando a doença e podendo levar à morte.

Assim como outros vírus respiratórios, como os que causam a Influenza A (gripe comum) ou mesmo outros coronarívus (MERS-CoV e a SARS-CoV), o novo SARS-CoV-2 causa um tipo muito particular de tempestade de citocinas, moléculas usadas pelo corpo para indicar às células de defesa onde a infecção está localizada e começar o processo de extinção do vírus.

Essas moléculas de localização, as citocinas, são dividias em duas classes, as pró-inflamatórias e as anti-inflamatórias. Durante as infecções pelos vírus da gripe comum, da MERS e da SARS, o corpo libera essas duas classes de citocinas de maneira equilibrada, de forma que as citocinas pró-inflamatórias sejam enviadas para combater o vírus invasor e, depois, as anti-inflamatórias avisem o sistema imunológico que é preciso relaxar as defesas para não agredir os órgãos.

O que os pesquisadores descobriram ao longo do estudo, é que, em casos graves de Covid-19, a resposta imune é diferente. Os níveis das citocinas anti-inflamatórias IL-2, IL-10, IL-4 ou IL-5 não sobem como deveriam, o que causa uma desregulação do IFN tipo 1, que é o processo de recrutamento dos leucócitos, que combatem o vírus invasor. A falta de um freio eficiente acaba fazendo com que essas células agridam o corpo.

Em resumo, em casos graves de Covid-19, as células pró-inflamatórias são convocadas, mas como o mecanismo anti-inflamatório está desregulado, o corpo não entende a hora que precisa encerrar o combate.

O sistema imunológico acaba estabelecendo um ciclo exacerbado da inflamação e agredindo os órgãos. Essa hiperindução de citocinas pró-inflamatórias causa quadros de inflação grave do aparelho respiratório. “É um dos fatores que contribuem para a mortalidade observada com o coronavírus 2019”, escreveram os pesquisadores.

Com o estudo, os pesquisadores esperam colaborar para a produção de tratamentos mais eficientes, que trabalhem as particularidades das doenças respiratórias. Segundo os cientistas, “o estudo poderia ajudar os especialistas a identificar intervenções que aliviam a síndrome de liberação de citocinas e diferentes doenças, e avaliar se poderiam utilizá-las nos casos de COVID-19”.

CNN Brasil

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Aumenta número de empresas abertas no país

Foto: © José Paulo Lacerda/CNI/Direitos reservados

O número de empresas abertas em 2020 aumentou 6% em relação ao ano de 2019. É o que mostra o boletim anual do Mapa de Empresas, divulgado hoje (2) pelo Ministério da Economia. No ano passado, foram abertas 3.359.750 empresas no país e fechadas 1.044.696, o que deixou um saldo positivo de 2,3 milhões de empreendimentos ativos. O número de empresas fechadas também apresentou uma queda de 11,3% em relação ao ano anterior.

No total, o país fechou 2020 com 19.907.733 empresas ativas, o que representa crescimento de 3,2% em relação ao segundo quadrimestre (maio a agosto) de 2020. Segundo a pasta, o número reflete as medidas tomadas pelo governo para facilitar a abertura de empresas em meio à pandemia da covid-19, que levou muitas pessoas a buscarem no próprio negócio uma oportunidade para gerar renda.

São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro são os estados que têm mais empresas ativas, com quase 50%. O secretário de Governo Digital do Ministério da Economia, Luís Felipe Monteiro lembrou que a maior parte dos empreendimentos está no setor terciário.

“Nessas empresas abertas há uma predominância daquelas que atuam no setor terciário da economia, especialmente comércio e prestação de serviços, que são mais de 80% de empreendimentos ativos no seguimento”, disse Monteiro.

O boletim mostra ainda que a maioria das novas empresas e de microempreendedores individuais (MEI). Foram registrados 11.262.384 MEI’s ativos no final do terceiro quadrimestre de 2020, dos quais 2.663.309 abertos em 2020. Um crescimento de 8,4% em relação ao mesmo período de 2019.

De acordo com a subsecretária de Desenvolvimento das Micro e Pequenas Empresas, Empreendedorismo e Artesanato, Antonia Tallarida, os dados dos últimos anos mostram que a abertura de MEI’s tem elevado a taxa total de empresas abertas. Com isso, a taxa de representação total dos MEI’s tem se elevado nas medições.

“Em 2019 Os micro empreendedores individuais representavam 77,6% dos negócios aberto e, em 2020, a gente atingiu a marca de que 79,3% dos negócios abertos são MEI’s”, disse.

Entre outros pontos, o boletim apura informações relativas ao tempo médio de abertura de empresas, número de aberturas e fechamentos de empreendimentos, localização e atividades desenvolvidas.

Segundo o boletim, no terceiro quadrimestre do ano passado o tempo médio para a abertura de uma empresa foi de dois dias e 13 horas o tempo médio para a abertura de empresas no terceiro quadrimestre de 2020. Em janeiro de 2019, o tempo médio era de cinco dias e nove horas.

Estados

Entre os estados, Goiás é que apresenta o menor tempo médio para a abertura de empresas, e onde é possível registrar um empreendimento em um dia e duas horas. Na sequência, aparece Sergipe, com o tempo médio de um dia e cinco horas para a abertura da empresa.

Já os estados com o maior prazo de tempo para a abertura de um empreendimento são: O Rio Grande do Sul, onde se leva em media três dias e 20 horas para abrir uma empresa e Bahia, onde se leva, em média, seis dias e 20 horas. O estado, entretanto vem apresentando uma evolução nesse prazo, diminuindo em 22 horas o prazo na comparação com o quadrimestre anterior (maio a agosto de 2020) para abrir uma empresa.

Entre as capitais, o destaque é Curitiba (PR), onde se leva, em média, 22 horas para se abrir uma empresa. Em seguida, vem Macapá (AP), com um dia e uma hora. As capitais com maior prazo são Recife (PE), onde se leva três dias e 16 horas para abrir uma empresa, e Salvador (BA), que apresenta o prazo médio de oito dias e 17 horas para finalizar o procedimento. A capital vem melhorando a cada quadrimestre, diminuindo o prazo em 24h em relação ao quadrimestre anterior.

O secretário especial adjunto de Desburocratização, Gestão e Governo Digital, Gleisson Rubin, disse que com as medidas adotadas para diminuir a burocracia, atualmente, cerca de 45,5% das empresas conseguem ser abertas em menos de um dia.

“São as [empresas] classificadas como de baixo risco, que respondem por 60% do total de registros e para as quais não existe a necessidade de obtenção de alvarás e licenças e de serviços”, disse.

Agência Brasil

Opinião dos leitores

  1. Daqui há pouco veremos os comentários dos esquerdopata, tipo do Zédogado, achando o cúmulo a abertura de empresas, para os esquerdopatas, quanto mais dependente do estado o povo, melhor…. Precisamos de EMPREENDEDORES…

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Finanças

Prefeito de São Paulo, Bruno Covas, sanciona lei que aumenta seu próprio salário em 46%

Foto: Governo do Estado de São Paulo/Divulgação

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), sancionou a lei que aumenta o seu próprio salário em 46% e reajusta também o salário do vice-prefeito e de secretários municipais. A promulgação da lei foi publicada no Diário Oficial do Município nesta quarta-feira, 24.

A partir de 1º de janeiro de 2022, o salário do prefeito saltará de R$ 24.175,55 para R$ 35.462,00. Os salários do vice-prefeito e dos secretários municipais também foram reajustados. O vice passará a receber R$ 31.915,80 (hoje, é R$ 21,7 mil), enquanto os secretários municipais passarão de R$ 19.340,40 para R$ 30.142,70, uma variação de 55%.

Sem reajuste desde 2012, o salário do prefeito funciona como teto da remuneração no serviço público do Executivo municipal e era visto como uma trava que impedia alguns setores da elite do funcionalismo de receberem aumento. Essas categorias vinham pressionando vereadores a conceder o reajuste. Com a aprovação, os servidores que ganham R$ 24,1 mil também devem passar a receber R$ 35,4 mil.

O reajuste recebeu críticas de entidades ligadas ao funcionalismo público. A vice-presidente do Sindicato dos Professores e Funcionários Municipais de São Paulo (Aprofem), Margarida Prado Genofre, divulgou uma nota na qual considera o reajuste como “um grande descaso” com a popilação desempregada de São Paulo e “um duro golpe” contra os servidores.

“A mesma Câmara Municipal, vem aprovando sucessivamente, ano após ano, o índice de 0,01% a título de revisão geral anual, desde 2003 [para os servidores públicos municipais]. Ainda que a assessoria da presidência da Câmara alegue que o índice está abaixo da inflação acumulada desde 2012, é absolutamente inaceitável a adoção de dois pesos e duas medidas, ignorando a necessidade de contenção de despesas por conta da pandemia.”, afirmou Genofre, que também é coordenadora do Fórum de Entidades do Município de São Paulo.

A lei que determina o aumento salarial do Executivo municipal foi aprovada na Câmara Municipal nessa quarta-feira, 23. A aprovação em votação final teve placar de 34 votos a favor, 17 contrários e 1 abstenção. A Prefeitura enviou à Câmara um estudo afirmando que esse efeito cascata trará, em 2022, um impacto de R$ 78 milhões ao orçamento da cidade. O cálculo considera que a cidade teria apenas 42 pessoas que recebem R$ 24,1 mil e passariam para R$ 35,4 mil. Um estudo paralelo, elaborado pelo gabinete do vereador José Police Neto (PSD), estimou que seriam 1,873 os servidores ativos e inativos que recebem R$ 24,1 mil. Contando com os servidores também da Câmara e do Tribunal de Contas do Município (TCM), o valor seria de quase R$ 500 milhões.

Na sessão em que aprovaram o reajuste, os vereadores também votaram o Orçamento da cidade para 2021, de R$ 67,9 bilhões, que foi aprovado por 37 votos a favor e 12 contrários. O texto prevê que o Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) do ano que vem não terá correção monetária e que cada um dos 55 vereadores que assumem o mandato na próxima gestão terá direito a R$ 4 milhões em emendas parlamentares.

Estadão

Opinião dos leitores

  1. O povo está esperar o quê ???
    Vendeu o voto, ou seja, escolheu o corrupto.
    Agora é esperar o cara se dar bem por 4 aninhos. Vai recuperar o dinheiro investido e roubar mais,
    Nem puta se vende tão barato como os eleitores do Brasil.

  2. É morrendo e lutando pelo poder. Que coisa deplorável! A ganância não tem limites!

  3. Radicais da direita, centro e esquerda, nojo dessa corja de vagabundos e de seus seguidores alienados! Bando de sem futuro. Analfabetos políticos e de caráter duvidoso!

  4. 35,600,00 é pouco, para administrar uma cidade como São Paulo em comparação à Acari RN , que a partir de janeiro 2021 o prefeito irá receber 18.000,00.
    Art. 1º – Ficam fixados os subsídios do Prefeito e do Vice-Prefeito de Acari-RN, para o período de mandato com início em 1º de janeiro de 2021 e término em 31 de dezembro de 2024, respectivamente em R$ 18.000,00 (dezoito mil reais) e R$ 9.000,00 (nove mil reais), pagos em parcelas únicas.

  5. Esse país é uma vergonha enquanto muitos passam necessidades em meio a uma pandemia esses políticas ainda aumento seus salários q já são exorbitantes.

  6. Ei Thor Black, Boulos já mais faria isso, ele nunca vai ter essa chance. Se vc não sabe, Bruno Covas é da mesma laia de Engomadinho calça apertada Doria, são inimigos mortais do maior vaqueiro do mundo. A boiada está noutro nível, esses dois ai representam o vermelho desbotado de FHC , AECIO NEVES, SERRA, E CORJA, todos profundamente honestos igual ao jegue de nove dedos e a anta.

    1. É gado, e parte do partido deles (senadores e deputados) apoia teu genocida. Rogério Marinho q o diga, né gado?
      Tdo farinha do mesmo saco.

  7. Fico imaginando se Boulos tivesse sido eleito e sancionasse uma sandice dessas, a boiada já estaria louca, espumando pela boca

    1. Falou o seguidor de Fidel, Msduro, Lula e Boulos.
      O cara sequer imaginar Boulos prefeito de São Paulo é querer acabar com a cidade.
      Comunismo e Estado islâmico são muito parecidos.
      Ambos são coisas horríveis.
      Mas arregimentam adeptos com facilidade que passam a defender a causa dia e noite nas redes sociais feito cães enlouquecidos espumando pela boca.

    2. Calma Paulo, não vá deixar o Rapaz de 19 anos viúvo

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Finanças

Câmara de São Paulo aumenta em 46% salário de Bruno Covas e amplia teto do funcionalismo

Foto: Andre Bueno/CMSP

Em uma sessão extraordinária convocada para a manhã desta segunda-feira, 21, os vereadores de São Paulo aprovaram, em primeira votação, um projeto de lei que concede aumento de 46% no salário do prefeito Bruno Covas (PSDB), passando de R$ 24.175,55 para R$ 35.462,00. O vice-prefeito e os secretários municipais também terão reajuste. Para ter validade, é necessário que o projeto passe por uma segunda votação, que deve ocorrer nesta quarta-feira, 23.

O salário do prefeito era visto como uma trava que impedia algumas categorias do funcionalismo público de receberem salários acima dos R$ 24,1 mil. Essas categorias vinham fazendo pressão junto a vereadores para a concessão do aumento. O salário do prefeito e do secretariado não tinha reajuste desde 2012.

A medida pode gerar um impacto próximo de R$ 500 milhões por ano, segundo estimativa feita pelo gabinete do vereador José Police Neto (PSD), que se opôs ao reajuste. Só na administração direta, contando ativos e inativos, há 1.873 pessoas que poderão ter o salário elevado, o que resulta em um gasto extra de R$ 274 milhões por ano. A eles, somam-se os funcionários de empresas públicas, como a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), da própria Câmara Municipal e do Tribunal de Contas do Município (TCM) — órgão de fiscalização que não divulga o salário bruto de seu próprio pessoal, só o líquido. Esses gastos, somados, seriam da ordem de R$ 220 milhões, segundo a estimativa.

“Meio bilhão é o que o Covas conseguiu economizar com a reforma da Previdência”, apontou o parlamentar. Police Neto destaca, entretanto, que esse valor vai ser destinado só para uma cúpula de funcionários. “O que a gente mais discutiu nessas eleições foi a desigualdade. Essa medida que aprofunda as desigualdades é o que vai inaugurar a próxima gestão”, afirmou.

A Lei Complementar 173/2020, aprovada em maio pelo Congresso, que permitiu um socorro de R$ 125 bilhões a Estados e municípios para combater a crise do coronavírus, determinou que servidores públicos desses entes federativos não poderiam receber reajuste salarial até o fim de 2021. O projeto votado na Câmara Municipal respeita a norma federal, determinando que esse aumento só entre em vigor no dia 1º de janeiro de 2022.

Manobra

A votação se deu mediante a uma manobra conhecida na Câmara como “cavalo”, quando um projeto é usado para colocar outro em votação.

O texto usado como cavalo foi um projeto que estava parado desde 2018 e permitia aumento de 2,8% nos salários de alguns servidores do Legislativo. Esse texto parado recebeu uma redação nova (um projeto substitutivo), que mudou o tema da norma, e o colocou em votação sem que o novo projeto passasse pelas comissões de Constituição e Justiça, Administração Pública e Finanças.

Dessa forma, o texto foi colocado em votação sem a apresentação pública de nenhum estudo que mensurasse o impacto financeiro da medida, especialmente o quanto a folha de pagamento dos servidores vai crescer com a medida. Os vereadores das comissões se reuniram na própria sessão de votação e votaram um parecer conjunto pela legalidade do projeto.

Líder do governo na Câmara, o vereador Fábio Riva (PSDB) citou o fato de que o último aumento havia sido dado há oito anos e afirmou que a inflação apurada por diferentes índices havia variado mais do que o porcentual de aumento dado nesta segunda. “Hoje , com essa aprovação, o que estamos fazendo aqui é uma reposição inflacionária bem inferior a qualquer desses índices que norteiam essas questões”, disse. “É uma reposição inflacionária, uma vez que essa é uma questão imperiosa para o bom andamento da administração pública.”

A reportagem procurou Riva para saber qual seria o impacto financeiro do reajuste, mas ele não atendeu o telefone.

O salário do vice-prefeito eleito, Ricardo Nunes (MDB), que participou da votação, será de R$ 31.915,80 (hoje, é R$ 21,7 mil). Já o salário dos secretários municipais subirá de R$ 19.340,40 para R$ 30.142,70, um porcentual de reajuste de 55%.

A aprovação se deu por aclamação, com registro de votos contrários das bancadas do PSOL e do PT, e de parlamentares de direita, como Fernando Holiday (Patriota). “Só seria razoável aprová-lo se fosse feita de uma maneira conjunta para os servidores, ou pelo menos concomitante”, disse o vereador Eduardo Suplicy (PT). A segunda votação (final) do projeto deve ocorrer nesta quarta-feira, quando deve ser votado também o orçamento da cidade para o ano que vem.

Estadão

 

Opinião dos leitores

  1. Funcionário público tomou o orçamento público para si. São insaciáveis, quanto mais der, mais querem. São uma espécie de casta carregada pelos mais pobres. Alguém tem que mudar isso.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comportamento

Aumenta o número de jovens que excluem perfis em redes sociais para aproveitar a vida real

LONGE DO CELULAR - O escritor Enrique Coimbra abandonou até seu canal no YouTube: sem distrações – Brenno Prado/VEJA

“Meu conselho é: se puder sair das redes sociais, saia”, cravou Tristan Harris, ex-funcionário do Google, em entrevista a VEJA em setembro. Ele está no documentário da Netflix O Dilema das Redes, que detalha os riscos à privacidade das pessoas, que, em sua visão, acabam virando produtos do Facebook, Instagram, Twitter e outros. Se for tomado por base o estudo realizado pela agência de pesquisa Dentsu Aegis Network, muita gente já estava dando ouvidos ao conselho de Harris antes mesmo de ver o documentário. Foram entrevistadas 32 000 pessoas em 22 países, em março e abril, e o resultado foi surpreendente: entre os jovens de 18 a 24 anos, a Geração Z, um em cada cinco afirmou ter desativado suas contas nas redes sociais.

O número também impressiona por outro motivo: a debandada é duas vezes maior nessa faixa etária do que entre usuários acima de 45, mostrando que os mais velhos parecem se sentir menos afetados pelo admirável mundo novo. Entretanto, a maior preocupação apontada pelos que pularam fora das redes, em qualquer idade, é o dano que elas estariam causando à saúde mental. Mas qual seria, na prática, esse prejuízo psicológico? Harris diz que o ambiente virtual vicia. Trata-se de um processo químico no cérebro. Sempre que vivenciamos algo prazeroso, o neurotransmissor chamado dopamina é ativado, fazendo com que procuremos mais do mesmo, e receber curtidas no Facebook e Instagram dispara o processo. Na mesma medida, a sensação contrária é frustrante.

Foto: Reprodução/Veja

O escritor carioca Enrique Coimbra, de 28 anos, faz parte do grupo de desertores das redes sociais. Ele largou todas elas, até mesmo seu canal no YouTube, no qual dava dicas de controle emocional e tratamentos para ansiedade e depressão a mais de 200 000 inscritos. “Minha vida sem rede social melhorou 2000%. As pessoas não fazem ideia da manipulação emocional que elas nos impõem”, conta o escritor. Antes leitor assíduo de livros pelo celular, mudou para o leitor de e-book a fim de evitar distrações.

A Dentsu detalha a posição dos entrevistados brasileiros em sua pesquisa: 39% afirmaram que pretendem se distanciar do mundo virtual. A empresa ressaltou, porém, que resultados mais concretos devem ser observados quando a pandemia acabar. Com a Covid-19, as pessoas usaram mais o computador para trabalhar e se divertir, possivelmente ficando sobrecarregadas de tanto contato com as redes. Uma vez que as restrições forem sendo afrouxadas, elas talvez passem a se preocupar menos com a exposição a elas.

O cenário de polarização política e propagação de notícias falsas também tem tratado de afastar usuários. Muitos ficam desiludidos quando ofendidos e acabam se dando conta de que estão em um ambiente hostil. Há queixas dirigidas também a um dos maiores sucessos dos últimos anos, o TikTok, aplicativo que tomou o mundo. A psicóloga Marina Haddad Martins ressalta que as redes dão uma ilusão de falso preenchimento. “A Geração Z, que já nasceu na era da internet, talvez dê menos importância às redes do que os mais velhos, que pegaram a virada da tecnologia”, diz ela. Isso explicaria a disposição em largá-las. Eles estariam valorizando o palpável, a segurança emocional e as relações pessoais. Quem diria, o mundo real, este no qual sempre vivemos, parece estar na moda outra vez. Que bom.

Veja

Opinião dos leitores

  1. Ótimo que a maturidade da geração Z tá chegando, que o povo que são presos, a procurar do saber sobre vida dos outros estão perdendo , tempo que na juventudi vale ouro.. E que não se recupera na mesma qualidade, por que tudo tem o seu tempo de depreciação. Desde a paixão ate União, Tudo é real, menos a ilusão que são os fotógrafos da vida a leia. Nem tudo é real na vida digital. A única coisa real na vida digital é a velocidade do tempo perdido. Nas redes, você não só encontra conhecimento e comunicação, mas a futilidade e o vazio de pessoa querendo mostrar o que realmente não são. Pois são escravos do vício em querer viver dando satisfação na rede para pessoas que nem querem ver o mundo real, mas só o colorido digital que vai da anatomia e passa pela estética efêmera do ser vivo que não consegue viver fora da rede. É UM VAZIO IMENSO DE UM SER, QUE PREENCHE OLHANDO O PASSANDO E O PRESENTE EM FOTOS SEM PERCEBER QUE NÃO ENXERGA O FUTURO A QUATRO PALMO DOS OLHOS.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Câmara Municipal de Natal aumenta restrições para prevenir contra o coronavírus

A Mesa Diretora da Câmara Municipal de Natal publicou novo ato no qual reforça as medidas de prevenção para reduzir a possibilidade de contágio do novo coronavírus (Covid-19) nas dependências do Palácio Padre Miguelinho, sede do Poder Legislativo Municipal. Uma nova série de restrições de acessos e medidas de controle voltam a ser efetivadas durante os trabalhos legislativos e administrativos da instituição.

Para tanto, foram considerados o aumento expressivo de casos na cidade e a necessidade de prevenir novas ocorrências, mas também de tentar manter o funcionamento dos serviços. Como já vinha ocorrendo, como Sessões Ordinários continuam sendo realizados de forma híbrida, mas agora além das terças e quintas-feiras, também acontecem nas quartas-feiras, sempre com início às 10 horas, através da plataforma virtual com as votações sendo feitas através do Sistema de Deliberação Remota – SDR.

Contudo, o plenário está limitado à presença dos membros da Mesa Diretora e, no máximo, sete vereadores. Para dar apoio às Sessões Ordinárias fica permitida a entrada de até quatro servidores do Setor Legislativo e três do Setor de Comunicação, sendo proibida a entrada de assessores parlamentares no plenário. Já as reuniões das Comissões técnicas voltam a ocorrer apenas de forma virtual, com o mesmo sistema de deliberações através do SDR.

O acesso e circulação do público externo nas dependências da Câmara estão vedados, sendo restritos aos vereadores e até três servidores por gabinete. Também fica liberado o acesso aos servidores em sistema de rodízio de trabalho, empregados terceirizados e demais colaboradores indispensáveis ao funcionamento e manutenção dos serviços.

O controle da entrada de pessoas no prédio da Câmara será feito pela Guarda Legislativa, inclusive do acesso dos assessores parlamentares, dentro do limite determinado. As demais medidas adotadas no Ato n° 18, de 31 de agosto de 2020 e n° 22 de 03 de dezembro de 2020 estão mantidas, bem como as medidas adotadas por atos anteriores e que não tenham sido revogadas ou que confrontem com o novo ato.

Medidas previstas no Ato 23/2020

– Sessões Ordinárias nas terças, quartas e quintas-feiras a partir das 10h;

– Sessões Ordinárias em formato híbrido com votação remota;

– Limite de pessoas em Plenário: membros da Mesa Diretora e mais sete vereadores, quatro servidores do setor Legislativo e mais três da Comunicação;

– Proibida a entrada de assessores parlamentares no Plenário;

– Reuniões de comissões técnicas apenas virtuais com votação remota;

– Proibida circulação do público externo nas dependências da Câmara;

– Acesso às dependências da Câmara apenas para servidores em rodízio, empregados terceirizados e colaboradores essenciais ao funcionamento da Casa;

– Acesso aos gabinetes limitado ao vereador e mais três assessores;

– Guarda Legislativa faz o controle de entrada.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Produção de veículos aumenta 7,4% em outubro, diz Anfavea

Foto: © REUTERS/Washington Alves/Direitos Reservados

A produção de veículos cresceu 7,4% em outubro ao atingir 236.468 unidades ante as 220.162 produzidas em setembro. Na comparação com outubro do ano passado houve queda de 18% e no acumulado do ano o recuo foi de 38,5%. Os dados foram divulgados nesta sexta-feira(06) pela Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea).

Segundo o balanço mensal da entidade as vendas fecharam o mês com 215.044 unidades licenciadas, o que corresponde a uma elevação de 3,5% sobre o mês anterior e uma retração de 15,1% sobre outubro do ano passado. A queda acumulada no ano chega a 30,4%, em linha com os -31% previstos pela Anfavea.

Os dados mostram ainda que as exportações cresceram 14,3% sobre o setembro, com a comercialização de 34.882 veículos. Na comparação com outubro de 2019 o aumento foi 16,4%. Já no acumulado de 2020 houve queda de 34,2% nas vendas para o mercado externo.

“Os resultados de outubro revelam os esforços da indústria para atender ao crescimento da demanda em alguns segmentos do mercado. Temos muitos desafios para atingir uma recuperação mais vigorosa, como os novos protocolos das fábricas, a dificuldade de planejar o médio prazo, a alta dos custos e, recentemente, a falta de alguns insumos”, disse o ressaltou o presidente da Anfavea, Luiz Carlos Moraes.

Agência Brasil

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Produção de motocicletas no país aumenta 13,1% em setembro

Foto: CNI/José Paulo Lacerda/Direitos reservados

A produção de motocicletas registrou alta de 13,1% na produção em setembro, na comparação com o mesmo mês do ano passado, segundo balanço divulgado nesta quarta-feira (14) pela Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares (Abraciclo). Foram montadas em setembro 105 mil motocicletas, o melhor resultado do ano até agora.

No acumulado do ano, a fabricação de motocicletas caiu 17,1%, com a fabricação de 693,5 mil unidades, contra 836,4 mil de janeiro a setembro de 2019.

Segundo o presidente da Abraciclo, Marcos Fermanian, a produção foi muito impactada no auge da pandemia do novo coronavírus, mas as fábricas têm conseguido recuperar parte das perdas nos últimos meses. “Desde a retomada gradual das atividades, as fábricas registram curva ascendente. Esse quadro se confirmou em setembro, quando alcançamos o melhor resultado do ano”, disse Fermanian.

As exportações acumulam queda de 18,8% de janeiro a setembro em comparação com o mesmo período do ano passado. De janeiro a setembro, foram vendidas para o exterior 23,6 mil unidades. A Argentina é o principal destino da produção brasileira exportada, com 7,2 mil unidades. Em seguida vêm a Colômbia (4,5 mil unidades) e os Estados Unidos (4,3 mil unidades).

Para este ano, a estimativa da Abraciclo é que sejam produzidas 937 mil motocicletas, uma retração de 15,4% em relação ao total fabricado em 2019.

Agência Brasil

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Estupro de vulnerável aumenta 62% no primeiro semestre de 2020 no RN, informa Monitor da Violência

Foto: Wagner Magalhães/Arte G1

O portal G1-RN noticia nesta quarta-feira(16) que o estupro de vulnerável consumado aumentou 62% no Rio Grande do Norte no primeiro semestre de 2020 em comparação com o mesmo período do ano passado.

De acordo com o texto, o levantamento é do Monitor da Violência e mostra que nos primeiros seis meses do ano esse crime aconteceu 118 vezes no estado contra mulheres – no ano anterior foram 73. Proporcionalmente, o estudo aponta que esse é o maior crescimento entre os estados do Brasil.

É considerado estupro de vulnerável consumado qualquer conjunção carnal ou ato libidinoso com menores de 14 anos de idade. A pena para esse crime varia de oito a 15 anos de prisão.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

VÍDEO: Técnica desenvolvida por pesquisadores da UFRN aumenta expectativa no combate à desertificação do semiárido

O replantio da Caatinga, castigada pela ação humana há séculos, é uma das alternativas utilizadas em ações para sua restauração. O problema é que, nos métodos convencionais, a mortalidade das plantas transplantadas chega a 70%, o que significa um grande desafio para as equipes que atuam nesse bioma. Porém, uma técnica desenvolvida por pesquisadores da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) demonstrou que algumas espécies de plantas têm maior resistência a esse processo, o que gera uma grande esperança no reestabelecimento de áreas florestais do semiárido.

Entre os métodos de plantio diferenciados para essa área, a pesquisa coordenada pela professora Gislene Ganade, do Departamento de Ecologia do Centro de Biociências (CB/UFRN) e coordenadora do Laboratório de Ecologia da Restauração (LER), experimentou a substituição de plantas de raízes curtas por mudas de raízes longas. Esse primeiro trabalho realizado entre os anos de 2013 e 2016 numa área de cinco hectares da Floresta Nacional de Açu (Flona), no município de Assú, apresentou resultados muito satisfatórios. A ação utilizou seis espécies de arvores nativas, entre elas a jurema preta, a catingueira e a aroeira.

Pesquisadora Gislene Ganade transplanta muda de Juazeiro. Foto: Divulgação

O experimento revelou que as plantas grandes com raízes grandes atingem até 70% de sobrevivência, enquanto as plantas pequenas com raízes pequenas apenas 30%. O melhor é que os resultados foram confirmados para plantas irrigadas durante 1 ano e plantas irrigadas só no momento do plantio, dispensando assim o custo de montagem de um sistema de irrigação periódica. Não é à toa que a técnica utilizada ganhou o certificado Dryland Champions (campeões das terras áridas) da Organização das Nações Unidas (ONU).

A mesma técnica foi aplicada com grande sucesso em um segundo experimento de plantio de ampla escala implementado também na Flona de Açu, utilizando então 16 espécies de árvores. O trabalho realizado entre 2016 e 2019, foi registrado pela equipe em fotos e num vídeo apresentado pela professora Gislene Ganade. A técnica de plantio com mudas de raízes longas também já foi implementada em outras áreas dos municípios de São Bento do Norte (RN) e no Parque Nacional do Catimbau, em Pernambuco.

Além disso, o projeto já estabeleceu uma lista das localidades em que mais de 600 espécies arbóreas podem ser plantadas em toda a Caatinga, inclusive considerando as mudanças climáticas e sua relação com a perda ou ganho de espécies em cada localidade. Uma projeção futura foi apresentada para os próximos 50 anos, de 2020 a 2070. A experiência exitosa reforça a tese do grupo de pesquisadores do LER de que a Caatinga pode e deve ser restaurada.

Pesquisa

O projeto desenvolvido pela UFRN para a restauração da Caatinga está integrado à plataforma TreeDivNet que colabora com 16 países. Além disso, mantém parcerias com a Universidade Técnica de Munique (Alemanha) e a Universidade de Exeter (Inglaterra) em pesquisas que investigam as espécies arbóreas com maior potencial ecofisiológico para fixar carbono e restaurar áreas degradadas no semiárido brasileiro.

A partir desta pesquisa já foram desenvolvidas 10 teses de doutorado, 6 dissertações de mestrado, 14 trabalhos de conclusão de curso, 7 artigos científicos e 6 artigos submetidos em revistas internacionais. Recentemente, ela foi apresentada na live Restauração da Caatinga: Avanços e novas perspectivas, promovida pela Associação Caatinga de Fortaleza, pela professora Gislene Ganade. Esse tema tem o incentivo da ONU que instituiu a Década de Restauração de Ecossistemas, com início marcado para 2021 e seguindo até 2030.

A ação da ONU é voltada à recuperação de ecossistemas degradados em todo o mundo para o combate à crise climática e para o fortalecimento da biodiversidade e dos serviços ecossistêmicos.  Nesse sentido, destaca a professora Gislene Ganade, “a Caatinga terá importante contribuição para o mundo se projetos de restauração em larga escala forem implementados, sendo que esses projetos também representam uma valiosa contribuição ao combate à desertificação desse importante ecossistema brasileiro”.

UFRN

Opinião dos leitores

  1. Parabéns a UFRN pelo ótimo trabalho. O gado não vai gostar dessa matéria porque o gado só gosta de pasto e mentiras.

    1. Pelo seu comportamento e no linguajar raivoso…. deve trabalhar na UFRN ou fazer parte daquilo de alguma forma. Falar de pessoas como se fossem animais nao é nada etico, e parece fazer parte de alguns meios que espero nao ser educacional. Felizmente, o ente publico as vezes faz jus a sua despesa.. e quando nao faz, deve ser criticado e cobrado. Tem outro animal que simboliza quem nao quer entender criticas construtivas e simboliza ideologias, mas acho feio usar esses termos.

    2. João, vai ver se eu estou na esquina. Deixa de ser hipócrita. Você sabe muito bem que quem sustenta seus argumentos com baixo nível intelectual e alto nível de sadismo é a caterva que sustenta o que ouvem do seu líder mor. Gado é até um elogio para vermes. Agora vocês é que são mi mi mi, é?

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Cannabis medicinal no RN: justiça em silêncio enquanto a demanda aumenta

Fotos: Divulgação

Grupo Reconstruir publicou um texto que vale reflexão. Leia íntegra abaixo:

Cannabis medicinal no RN: justiça em silêncio enquanto a demanda aumenta

Em meio à pandemia do novo Corona vírus, que se alastra no Brasil, sem termos condições de vislumbrar seu pico e o subsequente declínio, chama atenção a necessidade de assistência médica das pessoas infectadas pelo vírus, mas há também um grupo de pessoas desesperadas por auxílio médico, que pela urgência do combate à pandemia, acabam invisibilizadas.

Falamos dos pacientes com doenças autoimunes, doenças crônicas, e o grupo que vem aumentando exponencialmente nessa pandemia: as pessoas que lutam contra as chamadas “doenças da mente”, que pode ser depressão, transtorno de ansiedade, síndrome do pânico, entre outras.

Devido à necessidade de isolamento social, somado ao risco de contágio que pode vir a ser uma espécie de roleta-russa, segundo o presidente da Associação Reconstruir Felipe Farias, a busca por tratamentos alternativos tem aumentado de forma significativa, entretanto, mais uma vez a população tem esbarrado na morosidade da justiça para obter um tratamento que resgate sua qualidade de vida. No Brasil já são mais de 17 mil pessoas que fazem uso da Cannabis medicinal, com mais de 89 habeas corpus expedidos para cultivo familiar, sendo seis deles no RN. Trata-se de uma alternativa prática e barata para acessar o tratamento, e não precisar pagar mais de R$ 2 mil na farmácia em um fármaco importado.

Assim como é feito no estado da Paraíba com a ABRACE, a ação ajuizada pela Associação Reconstruir Cannabis Medicinal (ARCM), requer autorização judicial para produzir o óleo medicinal da Cannabis para as mais variadas patologias. Finalizada toda a instrução processual, o processo está concluso para julgamento desde 1º e abril de 2020, sendo que o Juiz da 4ª Vara Federal da Seção Judiciária do RN até agora não proferiu nenhuma sentença. Ou seja, um processo que já teve de tudo, menos a decisão final; teve proposta de fomento à pesquisa nacional, garantias de um medicamento de alta qualidade, produção de robustas provas e um parecer favorável do Ministério Público Federal.

Apesar de não ter prazo, o processo é prioritário, afinal falamos da saúde de pessoas que correm inclusive risco de vida, sem falar nas crianças e idosos enfermos envolvidos.

Enquanto isso, mais de quatrocentos e sessenta famílias aguardam pelo tratamento.

Contato:

reconstruircannabis@gmail.com
www.instagram.com/reconstruircannabis

Opinião dos leitores

  1. Fala em cortar repasse para esses bichos preguiças . em 10 minutos o mundo desaba. Não se pode contar com esses juízes e desembargadores.faz uma busca em processos concluso para julgamento.os bichos preguiças estão cansados.vem aí o recesso já já

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Segurança

Roubo de dados aumenta 108% durante a pandemia; saiba como se proteger

Foto: Ilustrativa

Além de seguir as recomendações de saúde para evitar o contágio da Covid-19, os brasileiros também precisam se proteger do roubo de informações pessoais e bancárias. Números levantados pela empresa de pesquisa Refinaria de Dados, mostram que a busca por informações roubadas aumentou 108% entre março e maio no Brasil. Os criminosos estão usando a pandemia para aplicar golpes, se aproveitando do aumento de compras online e do saque do auxílio emergencial de R$ 600. No E Tem Mais desta quarta (17), Monalisa Perrone conversa com o responsável pela pesquisa, Gregório Gomes. Ele explica como funciona o roubo de dados pessoais e que medidas de segurança os usuários podem adotar ao navegar com segurança na internet. OUÇA AQUI.

CNN Brasil

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Morte por infarto em NY aumenta 8 vezes; medo de procurar hospital para evitar contaminação por coronavírus e efeitos de infecção viral assombram

Foto: Noam Galai / Getty Images

O número de chamadas para o serviço de emergência do Corpo de Bombeiros de Nova York registrou um aumento exponencial dos pedidos de socorro relacionados a ataques cardíacos e, consequentemente, do número de mortes.

De acordo com dados do Corpo de Bombeiros de Nova York, divulgados pelo site especializado Angioplasty.org, entre os dias 30 de março e 5 de abril de 2020, o atendimento de emergência da corporação recebeu 1.990 ligações com relatos de infartos. E o total de chamadas resultou em 1.429 mortes por problemas cardíacos – número oito vezes maior do que o registrado em 2019 no mesmo período.

A relação entre a escalada de mortes por problemas cardíacos e a Covid-19 é alvo de estudo por sociedades de cardiologia dos Estados Unidos e também de outros países como o Brasil. No momento atual, os especialistas sinalizam duas possibilidades para o crescimento dos óbitos por causas cardíacas:

1. Com os hospitais tomados por pessoas infectadas por Covid-19, os pacientes cardíacos têm evitado ao máximo optar pela internação. Desta forma, um problema que poderia ser identificado e solucionado diante de um primeiro sintoma pode se agravar.

2. A Covid-19 poderia representar um risco adicional ao paciente cardíaco e potencializar os fatores que levam a um infarto ou a outro problema no coração.

Ainda não existem estudos conclusivos para determinar como a escalada de mortes por problemas cardíacos está sendo influenciada pelas duas razões mencionadas.

O cardiologista Claudio Munhoz, especialista em arritmias cardíacas, menciona alterações no coração que podem ser relacionadas a uma infecção grave como a causada pelo coronavírus.

“Uma infecção viral gera um processo inflamatório significativo no corpo. Pode provocar uma série de alterações como inflamações do coração, que chamamos de miocardite. Ao mesmo tempo, existem os infartos, que são entupimentos de artérias do coração por placas de gordura. Muitas vezes, o infarto agudo tem origem em uma inflamação.”

Munhoz explica que o processo inflamatório pode fazer com que as placas de gordura “se fraturem” dentro da artéria – o que representaria um gatilho para o infarto. “O coronavírus poderia representar uma agressão aguda ao coração ou instabilizar uma doença prévia do paciente. E, além disso, qualquer agressão ao coração, seja um infarto ou uma inflamação por um vírus, pode causar arritmia, que aliás vem sendo constatada em pacientes com a Covid-19.”

Diante das incertezas relacionadas aos efeitos do coronavírus sobre pacientes cardíacos, a recomendação é buscar ajuda médica diante de sintomas como dores no peito, falta de ar e dores abdominais. Mesmo que o primeiro contato seja por telefone.

“O coronavírus pode causar alterações cardiológicas. Em geral, o mecanismo da lesão é inflamatório – miocardite. Porém, a forma da pessoa sentir é igual a um infarto. A pessoa pode ter dor no peito, falta de ar, palpitações e até desmaio. Mas o sintoma principal é dor no peito, semelhante a um infarto. Esse é o problema. São sintomas iguais, mas doenças diferentes”, avalia o cardiologista Ronaldo Gismondi, integrante da Sociedade de Cardiologia do Estado do Rio de Janeiro (Socerj). “Se a pessoa tem coronavírus, o mais comum é ter miocardite. A relação com o infarto não é possível provar, por enquanto.”

MEDO DE IR AO HOSPITAL

O outro fator apontado por médicos – a relutância de pacientes cardíacos em procurar um hospital – apresenta sinais mais evidentes da influência da Covid-19.

Na semana passada, o site especializado Angioplasty.Org promoveu uma pesquisa com cardiologistas dos Estados Unidos que revelou uma queda de até 50% de pacientes cardíacos em alguns hospitais. A redução coincide justamente com o aumento dos chamados de emergência em residências para o 911 – o número do atendimento do Corpo de Bombeiros no território americano.

Em artigo no jornal The New York Times, o cardiologista Dr. Harlan Krumholz, professor de medicina da Universidade de Yale, perguntou: “Para onde foram todos os ataques cardíacos?” Em seu texto, ele fez uma ponderação: “A explicação mais preocupante possível é justamente que as pessoas ficam em casa, sofrem mais e acabam correndo mais riscos do que se estivessem em um hospital sob a ameaça de infecção por coronavírus.”

Época e O Globo

Opinião dos leitores

    1. "Alarde" falso? Bem se vê que a ignorânciae a má fé não tem limites. Já são mais de 20000 mortos nos EUA e o camarada vem falar em alarde falso.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *