Geral

Ministros das Comunicações, Fábio Faria, do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, e do Turismo, Gilson Machado, cumprem agenda em Natal nesta segunda 

A capital potiguar começa a semana com a presença de três ministros: Fabio Faria (comunicações), Rogério Marinho (Desenvolvimento), e Gilson Machado (Turismo) cumprem até da de visitas trcnicas e entregas do Governo Federal.

A agenda dos ministros começa, às 10h, pelo Complexo Cultural da Rampa.

O Complexo da Rampa vai abrigar o Museu da Rampa e o Memorial do Aviador, que passam por obras de ajustes e retoques finais.

Além desta visita técnica, os Ministros ainda visitarão o Forte dos Reis Magos. Na agenda está prevista, ainda, a entrega da restauração do Antigo Armazém Real da Capitania – Casa do Patrimônio.

Os deputados federais, estaduais, a Governadora e secretários estaduais participam da agenda de entregas.

Opinião dos leitores

  1. Essa equipe técnica de ministros é a mais competente dos últimos 40 anos, altamente comprometidas com a reconstrução do país, que estava desmantelado pelos governos comunistas. Todos os dias temos obras inauguradas por este país a fora, que as mídias militante não mostram, hoje temos as redes sociais para desmascaralos. Avante Brasil vamos ter mais 4 anos de sucesso!

  2. Hô Véio Bom da gota serena é o Presidente Bolsonaro e sua equipe Ministerial, vida longa ao Presidente, muitas realizações e sucesso na sua gestão atual e na próxima que iniciará em 2022 até 2026.

  3. Graças ao Presidente Bolsonaro e Seus Ministros, que o RN não afundou de vez. Parabéns Presidente Bolsonaro e sua equipe Ministerial. O povo ordeiro agrave.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

VÍDEO: “Não tenho como saber o que acontece nos ministérios, vou na confiança em cima de ministros e nada fizemos de errado”, diz Bolsonaro sobre o caso Covaxin

O presidente Jair Bolsonaro disse nesta segunda-feira (28) que “não tem como saber o que acontece nos ministérios”, ao comentar com apoiadores o caso da compra da vacina Covaxin.

A compra pelo governo federal de doses da vacina indiana Covaxin se tornou o principal tema da CPI da Covid nos últimos dias.

Em depoimento à comissão, o servidor do Ministério da Saúde e ex-chefe do setor de importação da pasta Luis Ricardo Miranda disse que identificou suspeitas de irregularidades na compra.

Ele e o irmão, o deputado federal Luis Miranda (DEM-DF), disseram que alertaram o presidente Jair Bolsonaro, em reunião no dia 20 de março, sobre as suspeitas.

Nesta segunda, ao sair do Palácio da Alvorada, Bolsonaro disse a apoiadores que tem “confiança nos ministros” e não sabe de tudo o que acontece nas pastas.

“Eu recebo todo mundo. Ele que apresentou, eu nem sabia da questão, de como tava a Covaxin, porque são 22 ministérios. Só o ministério do Rogério Marinho [Desenvolvimento Regional], tem mais de 20 mil obras”, declarou.

“Então, eu não tenho como saber o que acontece nos ministérios, vou na confiança em cima de ministros e nada fizemos de errado”, completou Bolsonaro.

Líder do governo

À CPI, o deputado Luis Miranda contou ainda que, quando fez a denúncia de suspeitas sobre o contrato ao presidente, Bolsonaro reagiu dizendo: “Isso é coisa de fulano”, em referência a um parlamentar.

“Ele diz: ‘isso é coisa do fulano. [Palavrão], mais uma vez’. E dá um tapa na mesa”, relatou o parlamentar.

Miranda resistiu a apresentar o nome do parlamentar citado por Bolsonaro, mas, ao final de seu depoimento, afirmou que o era o líder do governo na Câmara, Ricardo Barros (PP-PR).

Senadores da CPI devem ir ao Supremo Tribunal Federal (STF) na tarde desta segunda para apresentar uma notícia-crime contra o Bolsonaro.

Os parlamentares vão alegar que Bolsonaro cometeu prevaricação. Nesse caso, a prevaricação se configuraria, segundo os senadores, pela omissão de Bolsonaro ao não comunicar uma suspeita de irregularidade.

Suspeitas de irregularidades

Luis Ricardo Miranda, ex-chefe do setor de importação do Ministério da Saúde, disse que se recusou a assinar um documento (espécie de nota fiscal internacional) da compra da Covaxin, porque, segundo ele, havia suspeitas de irregularidades.

Entre os pontos suspeitos apresentados pro Luis Ricardo estão:

preço acima do contratado

números de doses menor que o contratado

documento em nome da empresa Madison, com sede em Cingapura. A fabricante da Covaxin, que consta no contrato, é a Barath Biotech.

Com G1 e UOL

Opinião dos leitores

  1. Essa fala do presidente foi dita hoje pela manhã. Acabei de ver o vídeo e, para “variar”, o artigo acima tira as frases do contexto para favorecer essa narrativa mentirosa. O presidente falou para apoiadores, calmamente, sorrindo, repetindo o que já se sabe e o óbvio, que não ocorreu nada de errado nesse episódio. O resto é só versão.

  2. Ué! Mas tem entrevista dele falando que qualquer vacina passaria por ele, que era ele quem mandava e a última palavra era a dele, a história mudou foi? Tá com medo?

  3. Tem que processar todo mundo que está repercutindo essas mentiras. Não se pode atacar a honra das pessoas, muito menos do presidente, sem nada concreto, apenas com base em narrativas mentirosas.

    1. NARRATIVA. Palavra que está na moda na boca do gado. Quando aprendem uma palavra nova repetem à exaustão. Outra expressão que também gostam é “no tocante”. E quando falam uma merda muito grande dizem que foram mal interpretados, que tiraram a fala do contexto, pedem desculpas a quem se sentiu injuriado, etc. etc….e seguem a toada da ignorância mesmo assim. Enfim, o gado🐮

  4. Cadê D “H”?
    Não vai passar por aqui pra descarregar 17 toneladas de 💩 não?
    Tem que defender o minto das rachadas.

  5. Mais uma narrativa mentirosa que cai. Essa vacina ainda não foi comprada (não chegou ao Brasil nenhuma dose), nenhum centavo foi pago por ela, o preço cobrado foi o mesmo ofertado aos demais países, não houve qualquer tipo de pressão para acelerar as negociações (dito na CPI pelo próprio servidor irmão do deputado vigarista) e os erros formais detectados no tal “invoice” foram prontamente corrigidos pelo vendedor, em dois dias após detectados, sem qualquer dificuldade. Então, estamos diante de “corrupção virtual ou imaginária”, não é? Francamente!

    1. O processo de compra estava válido, com empenho de mais de um bilhão. Foi interrompido quando descoberto. Até o momento Bozo não desmentiu Miranda. E Barros vai ficando líder de seu governo, onde não há corrupção. Mas esperemos, parece que o caso da covaxin não é o único.

    1. Denúncias de fatos inexistentes feita por um vigarista internacional numa CPI comandada por corruptos notorios e divulgados pela grande mídia militante, saudosa de seus $$$$$$$$, e por gente como vc, cujo caráter está bem demonstrado no nível dos comentários que faz por aqui. Sem mais, “cumpanhero”.

  6. Mentiroso da casa de vidro.
    Solta a gravação, Luis Miranda.
    Cadeia no Bozo!
    Pega 🔥🔥 cabaré…

  7. 1o momento, não tolero corrupção e iremos avançar no combate; 2o momento quando o filho foi flagrado, mudou quem dirigia as investigações, desligou coaf do mMJ, não apoiou a prisão em 2a instância, e acionou outros mecanismo contrário ao combate a corrupção. 3o momento, após o lider do governo ser flagrado com dinheiro nas nádegas e o sales recebendo propina de madeireiros devastando floresta, não afasta os suspeitos e até os apóia. 4o momento, junta a sua base de apoio com pt e centrão e aprova na câmara projeto de lei que impossibilita de um corrupto ser preso, e pior não devolver o roubo. Resumo: isso é governo igual ao pt, construiu um muro de obstáculos enormes pra proteger criminosos corruptos, uma traição em quem confiou nele pra não fazer o que pt fez. Bandido

  8. Bozoluf kkkkk eu não sei de nada, isso não é comigo. Governo sem falcatrua, daqui a pouco não sabe de nada do ministério do meio ambiente.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Turismo

FOTOS: ABIH-RN recebe Ministros do Turismo e das Comunicações e apresenta pleitos da hotelaria para o turismo do Estado

Fotos: Divulgação

O Ministro do Turismo, Gilson Machado, e o Ministro das Comunicações, Fábio Faria, estão na capital potiguar nesta segunda-feira, 24, para cumprirem agenda administrativa, e na oportunidade, a convite da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis do Rio Grande do Norte (ABIH-RN), participaram de um almoço com a presença de diversas entidades e lideranças do turismo do Estado.

Abdon Gosson, presidente da ABIH-RN, abriu o evento agradecendo a presença dos Ministros e dos representantes das entidades presentes, “Esse é um momento oportuno e extremamente importante de podermos levar aos Ministros Fábio Faria e Gilson Machado, a real situação de como está o turismo no Rio Grande do Norte. Estamos mostrando as dificuldades e os apelos que o momento pede, principalmente pensando em cada um daqueles que trabalham nos mais diversos setores do turismo e suas circunstâncias dolorosas. Esperamos que os nossos Ministros se sensibilizem e solidarizem-se cada vez mais para poder ajudar o setor que mais gera emprego no RN, grande responsável para que a economia do estado possa também sobreviver. Deixo aqui nosso agradecimento aos ministros pela dedicação e preocupação para com o nosso setor nesse momento tão difícil.”, agradeceu Abdon.

Gilson Machado reafirmou o compromisso do Ministério em recuperar o setor o mais rápido possível. “Não tenho dúvida que o nosso país no pós-pandemia vai ser o destino da vez. Eu sei porque tem operadores do mundo todo, da Europa, da Ásia, disputando os aeroportos brasileiros, isso é uma visualização concreta do retorno do turismo no Brasil, inclusive tem uma companhia espanhola querendo fazer um voo direto aqui para Natal e só estão esperando os protocolos de fronteira, e nesse momento estamos provocando a organização mundial do turismo (OMT) para nos dizer quais são as vacinas e os protocolos que poderemos usar para diminuir o sofrimento de todos e voltar o mais rápido possível aos negócios para que o turismo se abasteça e volte a gerar emprego. Eu sei da dificuldade que o estado tem aqui de segurança, e eu e Fábio Faria, aqui presente, vamos amanhã conversar com o Ministro Tarcísio Gomes (Ministro da Infraestrutura) e Anderson Torres (Ministro da Segurança Pública), e vê o que pode ser feito aqui para o estado de forma urgente.”, afirmou ministro Gilson.

Na ocasião, a ABIH-RN também entregou um ofício aos ministros solicitando alguns pleitos do setor, entre eles a edição da MP do PERSE, a desburocratização dos empréstimos do BNB e Fungetur, criação do Voucher Turismo, além de alguns pleitos relacionados a infraestrutura turística, como a realização de Estudos técnicos para a estruturação de projetos de concessões e PPP’s, inclusive estudos de viabilidade técnica e econômica pelo BNDES para o Forte dos Reis Magos, o Complexo da Rampa, e o Centro de Convenções de Natal. Além da construção do Centro de Convenções de Pipa, em Tibau do Sul; construção do PIER de embarque na Lagoa de Guaraíras, em Tibau do Sul/Pipa; implantação da Ciclovia/Calçadão Tibau do Sul-Pipa (projeto já enviado ao MTur); urbanização da Praia de Tourinhos, e Parque Linear da Praia do Cardeiro, ambos em São Miguel do Gostoso; e o Terminal Turístico Árvore do Amor, em Maxaranguape. Na oportunidade também foram solicitadas ações de promoção e divulgação do destino.

“Eu e Gilson Machado estamos conectando o nosso grupo de trabalho que une Comunicações, Saúde e Turismo, e estamos levando para todos os pontos turísticos do Brasil, e agora no RN, pontos de internet com o projeto ‘Wi-fi Brasil’. Aqui no Rio Grande do Norte foram vinte pontos para as praias turísticas e vamos conectar o país todo. Porque o turista que vem de fora precisa de internet, o nosso destino é muito bonito naturalmente, o que falta é infraestrutura e incentivo, e o trade pode contar com a gente para o que precisar”, ressaltou Fábio Farias, Ministro das Comunicações.

O diretor da ABIH Nacional e também vice-presidente da ABIH-RN , José Odécio, também agradeceu os ministros pela oportunidade de ouvir os pleitos do turismo potiguar e acrescentou: “Esse encontro é fundamental para que possamos demonstrar aos ministros como está a cadeia do turismo nesses tempos de pandemia, um dos setores mais atingidos e que precisa do apoio, não só do Governo Federal, mas também do Governo do Estado e dos Municípios. Esse encontro nos dá a oportunidade de apresentamos o quadro acerca da real situação pela qual estamos vivendo. Saímos desse encontro com a certeza de que teremos o apoio dos Ministros Fábio Faria e Gilson Machado, para enfrentarmos essa crise e também para buscar, com a retomada, aprimoramento das infraestruturas turísticas que o Rio Grande do Norte precisa, e assim fortalecer a cadeia produtiva do turismo aqui no RN.

A ABIH-RN, na pessoa do nosso presidente Abdon Gosson, está de parabéns pelo empenho a frente das questões e desafios que essa Pandemia nos trouxe, e aqui, representando também a ABIH Nacional, na pessoa do nosso presidente Manoel Linhares, destaco o excelente trabalho da ABIH Nacional, que durante esse período de pandemia, junto com as demais entidades do setor de turismo do Brasil, vem buscando soluções face a essa grave crise. Muitas conquistas já foram obtidas, outras porem necessitam avançar, especialmente no que tange ao suporte das pequenas empresas e, com a retomada, é preciso investimento nas ações de promoção e divulgação do destino, pleitos aqui apresentados ao Ministro Gilson.”, concluiu José Odécio.

Também participaram do almoço, o ex-governador do RN, Robinson Faria, os deputados federais: General Girão, Beto Rosado e João Maia, Manoel Andrade (diretor financeiro da ABIH-RN), Sérgio Gaspar (diretor da ABIH-RN junto a ABIH Nacional), Sérgio Boffa (diretor do Interior), Luís Fernando Tinoco (Conselho de ética da ABIH-RN), Gabriela Duarte (gerente executiva da ABIH-RN), Neiwaldo Guedes (presidente do Conselho Curador do Natal Convention Bureau), Leandro Martins (diretor financeiro do Natal Convention Bureau), Juan Garcia (diretor do SHRBS), Francisco Câmara Júnior (presidente do SINDETUR), Diassis Holanda (conselheira da ABAV-RN junto a ABAV Nacional), Wanderson Borges (presidente da ASHTEP), Fábio Pereira (presidente da Ae Gostoso), Júnior Lima (presidente do SINGTUR RN), além de membros da comitiva dos ministros e convidados.

 

Opinião dos leitores

  1. É muito complicado trabalhar num estado cuja governadora parece estar empenhada em destrui-lo. O RN ainda sobrevive graças ao governo Bolsonaro, que já enviou muita ajuda para cá, incluindo muito dinheiro. E tem as obras. Mas, a governadora é um enorme impecilho para o desenvolvimento do RN. Esperar o que de uma administração do PT?

    1. Realmente, vc é bobo. Parabéns pelo pseudônimo muito adequado. Vc tem quantos anos, bebezinho?

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Reforma fortalece tríade de ministros: Fábio Faria, almirante Rocha e general Ramos estão em alta após mudanças na esplanada

Foto: Cleverson Oliveira/Mcom

A reforma ministerial reconfigurou a relação de poder no Palácio do Planalto com a chegada de dois ministros civis ao quarto andar, restringindo o espaço dos militares. Mesmo assim, o núcleo mais forte do entorno do presidente Jair Bolsonaro, após a dança das cadeiras, é uma tríade com dois militares e um civil. O grupo mais influente junto a Bolsonaro contempla o ministro das Comunicações, Fábio Faria, o agora ministro-chefe da Casa Civil, general Luiz Eduardo Ramos, e o secretário especial de Assuntos Estratégicos (SAE) e secretário interino de Comunicação, almirante Flávio Rocha, o “ministro sem pasta”.

Com o tempo, esse grupo deve agregar mais um civil: a nova ministra da Secretaria de Governo, Flávia Arruda. À medida que a campanha eleitoral se aproximar, e o presidente ficar mais dependente do Centrão, a ministra indicada pelo bloco, e responsável pela articulação política, deverá se fortalecer, apostam aliados.

É sintomático o avanço dos civis na sede do Executivo. Até o ano passado, os quatro ministros palacianos eram militares: Ramos, então ministro da Secretaria de Governo (Segov); Walter Braga Netto, então na Casa Civil, e agora remanejado para o Ministério da Defesa; Augusto Heleno, ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI); e Jorge Oliveira, ministro da Secretaria-Geral (SG) da Presidência, que entrava na contabilidade como egresso da Polícia Militar, e atualmente despacha no Tribunal de Contas da União (TCU).

Foto: Alan Santos/PR

O novo desenho palaciano agora contempla dois deputados licenciados no quarto andar: Onyx Lorenzoni (DEM-RS), ex-Casa Civil que voltou ao palácio realocado na SG; e a novata Flávia Arruda (PL-DF), que recentemente assumiu a Segov e tem potencial para formar dupla com Faria no concorrido núcleo duro do presidente.

De longe, o ministro civil, da chamada “ala política”, mais influente junto a Bolsonaro é Fábio Faria. No jargão palaciano, ministro forte é aquele que está a um lance de escadas do presidente. Por isso, embora tenha gabinete no Bloco R da Esplanada, Fábio Faria ganhou uma sala no segundo andar do palácio, e passe livre ao gabinete presidencial, no terceiro andar.

O deputado licenciado é combativo nas redes sociais se o assunto é a defesa do governo e do presidente, mas é considerado um político de trato afável e perfil conciliador, nas reuniões privadas.

Foto: Marcelo Casal Jr./Ag.Brasil

Mais que combativo, Faria é quem orienta os demais auxiliares sobre a linha de defesa do governo nas redes sociais. Ele foi o primeiro ministro a reagir nas redes sociais à decisão do ministro Luís Roberto Barroso do Supremo Tribunal Federal (STF) que obrigou o Senado a instalar a CPI da Covid, iminente palanque preferencial da oposição. A CPI vai comprovar uma “atuação responsável e íntegra”, registrou Faria no Twitter.

O ministro é o autor da ideia de criar um “vacinômetro” e articulou o recente jantar de Bolsonaro com empresários, em São Paulo, como reação à carta de banqueiros e economistas com críticas à condução da economia e da crise sanitária. Ele também se aproximou do almirante Flávio Rocha, e costurou para que o militar assumisse a Secretaria de Comunicação no lugar do empresário Fabio Wajngarten.

Segundo o próprio Ramos e outras fontes, o auxiliar mais próximo de Bolsonaro é o almirante Flávio Rocha, que passou a acumular a SAE, que tem status de ministério, com a Secom. A relação de Rocha com o presidente remonta há pelo menos 20 anos. Eles se conhecem desde quando o almirante era assessor parlamentar da Marinha e frequentava o gabinete do então deputado Jair Bolsonaro.

Por fim, o general Luiz Eduardo Ramos, amigo de Bolsonaro desde os tempos da Academia Militar das Agulhas Negras (Aman), sobreviveu às várias tentativas do Centrão, e também de fogo amigo no governo, de derrubá-lo do cargo. Diante do acirramento da crise política, cedeu a função de interlocutor do Planalto com o Congresso, mas “caiu para cima”, na Casa Civil.

Faria, Ramos e o almirante encabeçam o grupo de ministros das alas política e militar que atuam nos bastidores para neutralizar a chamada ala ideológica, de onde emergem as crises mais estridentes do governo. Três expoentes dessa ala já sofreram degola: o ex-ministro da Educação Abraham Weintraub, o ex-chanceler Ernesto Araújo e o ex-Secom Fabio Wajngarten. O assessor especial da área internacional, Filipe Martins, é um remanescente do grupo, mas que está na linha de tiro dos ministros políticos e militares.

Heleno e Onyx são apontados como ministros com menos influência na tomada de decisões estratégicas. Contudo, têm lugares cativos junto a Bolsonaro pelo histórico de lealdade e confiança. Em contrapartida, o novo ministro da Defesa, Braga Netto, pode perder influência nas decisões estratégicas ao se deslocar para a Esplanada. “Com ele, agora, não é mais só descer as escadas para falar com Bolsonaro”, pondera uma fonte militar. Braga Netto, entretanto, joga em dupla com Ramos, e tem laços estreitos com Bolsonaro.

Ex-presidente da Comissão Mista de Orçamento (CMO), e ex-primeira-dama do Distrito Federal, Flávia Arruda é o primeiro nome que o Centrão emplaca no primeiro escalão. Ela é próxima do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), mas foi alçada ao posto pelo ministro Ramos, graças à sintonia fina estabelecida com o general quando era presidente da CMO. “Creditaram a indicação da ministra ao Arthur Lira, mas na realidade ele soube pela Flávia que ela estava sendo indicada”, disse Ramos ao Valor. “Quem escolheu a Flávia foi o presidente da República, a partir de quatro nomes que eu apresentei a ele.”

Em paralelo, Flávia tem tudo para agradar Bolsonaro: primeiro de tudo, a confiança de Ramos. Além disso, ela é discreta, quer fugir dos holofotes para não irritar o presidente. E, nos bastidores, é considerada hábil e conciliadora.

Se tiver atuação decisiva para costurar uma saída política para o impasse envolvendo a Lei Orçamentária de 2021, que descarte o veto presidencial, a ministra tende a se consolidar no núcleo forte do entorno presidencial, diz um expoente do Centrão.

Ao fim e ao cabo, porém, quem realmente tem voz e poder de ação no governo continua sendo o núcleo da “copa e cozinha”: os filhos – senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), e vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ) -; o titular da Secretaria de Assuntos Jurídicos, Pedro Nunes; e o chefe de gabinete, Célio Faria. “Esse é o grupo que realmente manda”, resume uma fonte palaciana.

Valor

 

 

Opinião dos leitores

  1. Esses três tem fama máscaras quem manda no governo e controlam Bolsonaro com chicote e esporas são outros: Ciro Nogueira, Waldemar Costa Neto, Artur Lira, Roberto Jefferson. A turminha do Bozo.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Bolsonaro recebe chefes de poderes, governadores e ministros

Foto: Agência Brasil

O presidente Jair Bolsonaro se reúne na manhã desta quarta-feira (24) com chefes de poderes, ministros e governadores para discutir medidas de combate à pandemia de Covid-19.

Por volta de 8h, os participantes começaram a chegar à residência oficial do Palácio da Alvorada. Entre os primeiros que chegaram estavam o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, o governador de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM), e o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL).

Pouco depois, chegaram autoridades como o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, o ministro Bruno Dantas, do Tribunal de Contas da União (TCU), o governador de Amazonas, Wilson Lima (PSC), e o governador do Rio de Janeiro, Cláudio Castro (PSC).

Governadores que fazem oposição declarada a Bolsonaro não foram chamados. Desde o início da pandemia, Bolsonaro tem tido atritos com governos estaduais por discordar de medidas de isolamento social para conter o avanço do vírus.

O encontro ocorre um dia após o país ter atingido o recorde de mais de 3 mil mortes em 24 horas. É o pior momento no Brasil.

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), que vê com “grande preocupação” a situação do Brasil, o país é o segundo em maior número mortes, atrás somente dos Estados Unidos.

Em pronunciamento nesta terça (23), Bolsonaro disse que estão “garantidas” 500 milhões de doses de vacina até o fim deste ano. O presidente omitiu, no entanto, a informação de que o Ministério da Saúde reduziu em quase 10 milhões o total de doses previstas para abril.

Segundo o consórcio de veículos de imprensa, com base em dados fornecidos pelas secretarias estaduais de Saúde, 6,04% da população do país foi vacinada até as 20h21 desta terça-feira, o que representa 17,1 milhões de doses aplicadas.

Ainda segundo o consórcio, 12,7 milhões de pessoas receberam a primeira dose, e 4,3 milhões, a segunda dose até agora.

De acordo com o Planalto, o encontro desta quarta tem como objetivo “fortalecer o ambiente de união nacional para prevenção e combate ao vírus da Covid-19, além de ser um espaço para discussão de ações institucionais conjuntas”.

O encontro está marcado para as 8h no Palácio do Alvorada. Segundo a Presidência, são aguardadas na residência oficial da Presidência da República as seguintes autoridades:

Hamilton Mourão, vice-presidente da República;

Luiz Fux, presidente do Supremo Tribunal Federal (STF);

Rodrigo Pacheco (DEM-MG), presidente do Senado;

Arthur Lira (PP-AL), presidente da Câmara dos Deputados;

Augusto Aras, procurador-geral da República;

Bruno Dantas, ministro do Tribunal de Contas da União.

Também devem participar da reunião os seguinte governadores:

Romeu Zema (Minas Gerais);

Ronaldo Caiado (Goiás);

Renan Filho (Alagoas);

Wilson Lima (Amazonas);

Ratinho Júnior (Paraná);

Marcos Rocha (Rondônia);

Além de Queiroga, foram chamados o ex-titular da pasta da Saúde Eduardo Pazuello e os demais 21 ministros do governo.

G1

Opinião dos leitores

    1. Quem vai ganha a DO BURRO, são as jumentinhas e os jumentinhos apoiadores de quadrilheiros. Procura logo um proctologista burro vei.

  1. Para salva vidas, e vencer a pandemia é preciso a união de força, e não a divisão. Todos sabemos que devemos esquecer, e,refletir nossas ações. Morreram muitos entes queridos: mães, pais, filhos, avós, avôs, tios, tias,primos,primas, irmãs, irmãos, amigos,amigas … Famílias estão abaladas, em luto. De que adianta saber que errou? Devemos ajudar a encontrar alternativas. Discórdia para depois.E preciso amar as pessoas como se não houvesse amanhã… Bom dia.

    1. Eh verdade. Mas Não tem político santo, a maioria, senão todos, são medíocres e corruptos! Péssimos gestores públicos não iriam se tornar melhores em plena pandemia…

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Judiciário

Ministros do STF veem ‘afronta’ com PEC da Imunidade e avaliam que projeto será questionado na Corte

Foto: Reprodução

Ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) ouvidos pelo blog desde a quarta-feira (24) avaliam que a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que dificulta a prisão de parlamentares, esvaziando poderes do Judiciário, é uma espécie de “retaliação” e “afronta” à Corte por conta da decisão unânime de manter preso o deputado federal Daniel Silveira (PSL-RJ).

Na análise de um ministro do STF, a cúpula da Câmara argumentou, na semana passada, que não queria confrontar uma decisão do STF, tampouco criar uma crise institucional com a Corte. Por isso, decidiu manter a prisão de Silveira em plenário.

No entanto, aproveitou o episódio para acelerar a discussão de um projeto que beneficia – e blinda – a classe política. “O confronto menor seria soltar um, não dar margem para não prender ninguém”, ironiza um integrante do STF, reservadamente.

Ministros da corte avaliam que o projeto será questionado, e a Corte terá de avaliar a constitucionalidade do texto. Reservadamente, ministros já admitem pontos da PEC que, uma vez questionados no STF, deverão ser derrubados.

Blog da Andréia Sadi – G1

Opinião dos leitores

  1. STF E CONGRESSO NACIONAL; QUAL DOS DOIS É O MAIS IMUNDO? A DISPUTA É ACIRRADA! COMO NÃO É CORRETO GENERALIZAR, FICA UMA OU OUTRA RESSALVA!

    1. Faltou falar do executivo que também é igual aos outros poderes

  2. STF querendo mandar em tudo. Está criado conflito. Vamos ver o comportamento dos deputados. Foram “abrir” para o STF no caso do Daniel Silveira, agora aguente o pancão.

  3. 2 STF's, um solta bandidos elitistas o outro manda prender jornalistas por opinião. A CANALHICE ESCANCARADA!!! O Congresso e a População tem que reagir a essa DITADURA.?????

  4. Agora que rodrigo maia saiu e entrou Lira, os projetos de interesse da nação vão ser aprovados com rapidez. Esse da imunidade parlamentar é um deles. Kkkkkkkkk

  5. se o stf estar achando ruim, então a PEC deve ser muito boa, para que o stf quer prender bandidos se todo os dias so faz soltar???

  6. Grande projeto de lei da nova política conservadora brasileira de extrema direito. Mais uma pérola para a história do Brasil.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

“Presidente julgou que era desnecessária a minha presença. Só isso”, minimiza Mourão, sobre ausência em reunião ministerial

FOTO: FÁBIO RODRIGUES POZZEBOM/AGÊNCIA BRASIL

O vice-presidente da República, Hamilton Mourão, preferiu não polemizar sua exclusão da reunião ministerial convocada por Jair Bolsonaro nesta terça-feira (9). O encontro, que conta com a presença de 22 dos 23 ministros, não estava na agenda oficial do presidente nesta manhã.

“Não, não fui convidado, não fui chamado. Então acredito que o presidente julgou que era desnecessária a minha presença. Só isso”, afirmou Mourão a jornalistas em Brasília.

Questionado se a situação o deixou desconfortável, Mourão negou. “Não, não estou incomodado, não.”

Bolsonaro tem trabalhado em temas fundamentais para o seu governo como o auxílio emergencial, priorizando a busca de opções para viabilizar uma nova rodada do benefício. Também está na pauta uma solução para o preço dos combustíveis, reivindicação direta dos caminhoneiros.

Os atritos entre o presidente e o vice se intensificaram no fim do mês passado, quando Mourão abordou publicamente o desempenho do ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo. Bolsonaro se irritou, negou a intenção de demiti-lo e se referiu ao general da reserva do Exército de “palpiteiro”.

Mas o episódio que azedou a relação entre dois ocorreu após o site Antagonista ter publicado que o chefe da assessoria parlamentar de Mourão enviou mensagens ao gabinete de um deputado federal falando sobre as articulações em curso no Congresso para um eventual impeachment de Bolsonaro.

Depois de semana de atritos, Mourão sai em defesa de Bolsonaro

O vice, assim que teve conhecimento da notícia, afirmou que o assessor agiu por conta própria e por isso seria demitido.

Para colocar panos quentes na situação, Mourão fez um agrado ao chefe do Executivo, ao escrever, nas redes sociais, em 1º de fevereiro, que não há motivos para a aceitação do impeachment do presidente.

R7

 

Opinião dos leitores

  1. PODEM ANOTAR E GUARDAR O DIA E O MÊS E O ANO DE HOJE, 09/02/2021, EM 2022 O ATUAL VICE PRESIDENTE HAMILTON MORÃO VAI SER A PIOR DOR DE CABEÇA QUE O PRESIDENTE JAIR MESSIAS BOLSONARO JÁ SENTIU NA VIDA, QUANDO FOR FORMADA A CHAPA DA CANDIDATURA A REELEIÇÃO DE BOLSONARO E COM TODA CERTEZA O VICE NÃO VAI SER MOURÃO, COM O QUE ELE SABE DOS BASTIDORES E DOS PODRES DO PRESIDENTE ELE SIMPLESMENTE VAI DETONALO JUNTO COM A OPOSIÇÃO. QUEM VIVER VERÁ.

  2. Mourão se afastando dessa CATERVA, vai ser o único a escapar de ações penais e futuras prisões. Podem aguardar. General Heleno tinha total razão: "se gritar, pega ladrão, não fica um, meu irmão". Ali Babá agora está bem assessorado!

  3. Na atual conjuntura, em que o governo se uniu ao Centrão (aquele mesmo que o general Heleno cantou parodiando uma música conhecida : se gritar pega Centrão, não fica um …), não ser lembrado para participar de uma reunião com o MINTO é até um mérito!

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Bolsonaro faz reunião fora da agenda sem a presença de Mourão e com parte dos ministros para tratar de preço dos combustíveis

Foto: Marcos Correa / Presidência da República

Alvo de críticas, o presidente Jair Bolsonaro reuniu boa parte da equipe de ministros, nesta terça-feira, para falar da alta de combustíveis e da preocupação com os impactos do reajuste. Integrantes do governo afirmaram à CNN que foi uma reunião de “constatação” do problema, uma vez que consideram inevitável o aumento no preço de frete, passagens e alimentos, como efeito cascata.

Os ministros de Minas e Energia, Bento Albuquerque, e o de Economia, Paulo Guedes, apresentaram o cenário. Guedes afirmou que o “grande vilão” é o ICMS, cobrado pelos governos estaduais e que o governo federal trabalha para regulamentar o imposto, que passaria a ter alíquota fixa. Ainda não há definição se será por meio de decreto ou projeto de lei. A segunda opção exige acordo com o Congresso.

Outra frente é reduzir o Pis/Cofins, que é tributo federal. Haverá reunião de técnicos da Economia e Casa Civil para falar da redução de impostos. E a longo prazo, a equipe de Guedes aposta na reforma tributária.

Pazuello

Durante a reunião, os ministros também trataram de pandemia e da renovação do auxílio emergencial, que está em construção.

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, falou de Manaus. Ele recapitulou sua defesa e voltou a dizer que agiu de acordo com as informações que tinha.

Alguns chegaram ao Planalto na expectativa de mudança na equipe, como a formalização de que Onyx Lorenzoni assumirá a Secretaria Geral da Presidência – o que não ocorreu, apesar de Bolsonaro já ter confirmado que fará essa mudança.

Um ministro afirmou à CNN que as mudanças ficarão para depois do Carnaval. O governo irá anunciar o novo ministro da Cidadania e pretende criar mais uma pasta, ao menos, contando com a aprovação da Autonomia do Banco Central, que deixaria de ter status de ministério.

CNN Brasil

Opinião dos leitores

  1. Vice-presidente normalmente, não exerce função de governo. Além disso, o vice Mourão andou fazendo comentários desnecessários e teve um assessor envolvido em boatos sobre "impeachment". Melhor dar um tempo enquanto a poeira baixa. Mas, vai dar certo.

  2. Mourão é sem dúvida o mais qualificado para conduzir nossa nação. Acho que as pesquisas deveriam ter o nome dele.

    1. Os metidos a isentões, aqueles que querem ver suas vidas regidas enquanto eles ficam no sofá, estão loucos para achar um nome e chamar de "seu".
      O que vocês conhecem da vida de Mourão? Que ele é general do exército e vice presidente do Brasil. Além disso sabem o quê? Qual é a experiência política de Mourão? Quantos cargos ou funções ele ocupou na vida pública? Não estou julgando nada dele, apenas querendo saber sobre sua vida, chega de dar tiro no escuro da política, chega de talvez, basta de quem sabe.
      Já a esquerdalha não pode carimbar um nome assim, pois eles precisam eleger um dos seus corruptos de estimação.

  3. Petrobras produz aqui em real. Refina aqui em real. Paga salarios aqui em real. Mas vende com a cotacao do preco internacional e no dólar.

  4. Quase certeza que Morão não vai dormir esses dias.. tá muito preocupado com reunião. Brasil acima de tudo….

  5. Vilão é esse dólar fora do controle.

    Preço do petróleo ainda não retornou a patamares pré pandemia, quando retornar e o dólar 20% mais caro veremos gasolina a 6 reais.

    Foda, ou dá uma segurada na realização da Petrobrás ou veremos o combustível a 7-8 reais.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Judiciário

PF investiga venda de dados de ministros do Supremo e do presidente Bolsonaro

A Polícia Federal investiga um esquema de venda na internet de dados pessoais do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e de ministros do Supremo Tribunal Federal (STF). A informação é da âncora da CNN Daniela Lima.

Os autos foram enviados ao diretor-geral da PF, delegado Rolando Alexandre, pelo ministro do STF Alexandre de Moraes.

Na segunda-feira (1º), o site do jornal O Estado de S.Paulo noticiou que os dados de ministros e do presidente da República estariam a venda na internet. Eles seriam vítimas, assim como outras dezenas de milhões de brasileiros, de um megavazamento de dados pessoais e empresariais.

Fux citou a reportagem em um ofício a Moraes, que é o relator do inquérito que investiga notícias falsas e ameaças aos ministros da Suprema Corte.

Na decisão em que determinou à PF a abertura da investigação, o ministro cita quatro sites: fuivazado.com.br; raidforums.com/Thread-SELLING-JBR-Serasa-Experian-Full-Service; raidforums.com/Thread-Just-Brazil-Basic-PF; drive.protonmail.com/urls/RG3F26N3FC.

O ministro Alexandre de Moraes determinou aos provedores de mecanismos de busca, como Google, Yahoo, Ask e Bing, que retirem quaisquer menções aos sites citados.

Os três últimos seriam plataformas da chamada “deepweb” ou “darkweb”, que é uma espécie de segunda internet que está alheia aos mecanismos de busca e a rastreamentos, frequentemente associada às atividades ilegais.

Moraes também determinou que “bloqueiem o acesso e exibição do material divulgado pela imprensa,  consistente em dados privados, ilegalmente obtidos, dos ministros do STF e de outras autoridades”.

CNN Brasil

Opinião dos leitores

  1. Esses ministros do supremo deviam liberar essas informações obtidas na surdina e sem comprovação de veracidade. Para ser justo com o que fizeram com os procuradores e ao juiz Sérgio Moro, dois pesos e duas medidas, a justiça é cega na vontade dos homens.

  2. Só pode investigar clandestinamente os membros da lava jato. Isso porque desbaratou uma quadrilha que roubou mais de um trilhão de reais, inclusive recuperou 40 BILHÕES DE REAIS, corruptos, os que inocenta e libera eles, nem pensar.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Fiocruz rejeita pedido de vacina para ministros do STF e STJ e diz que estoque irá para Ministério da Saúde

A Fiocruz entregará 1 milhão de doses da vacina de Oxford/AstraZeneca na semana de 8 a 12 de fevereiro. Foto: Divulgação/Fiocruz Minas

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) negou o pedido do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Superior Tribunal de Justiça (STJ) para reservas de vacinas contra a Covid-19. A instituição informou que a produção é destinada “integralmente” ao Ministério da Saúde. Segundo nota, a estratégia visa atender à demanda do Programa Nacional de Imunização (PNI).

O STF encaminhou ofício pedindo a reserva sete mil doses de vacina para a imunização de ministros e servidores da Corte e do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). O diretor-geral do STF, Edmundo Veras dos Santos Filho justificou que os servidores desempenham “papel fundamental no país” e que muitos deles fazem parte dos chamados grupos de risco. O documento foi enviado dia 30 de novembro.

“Tal ação tem dois objetivos principais. O primeiro é a imunização do maior número possível de trabalhadores de ambas as casas, que desempenham papel fundamental no país e têm entre suas autoridades e colaboradores uma parcela considerável de pessoas classificadas em grupos de risco”, diz um trecho do ofício.

Em outro trecho, o diretor-geral do STF dá a entender que a reserva de vacinas para servidores da Corte e do CNJ seria uma “contribuição” ao restante da sociedade pois liberaria “equipamentos públicos de saúde”.

“Adicionalmente, entendemos que a realização da campanha por este Tribunal é uma forma de contribuir com o país nesse momento tão crítico da nossa história, pois ajudará a acelerar o processo de imunização da população e permitirá a destinação de equipamentos públicos de saúde para outras pessoas, colaborando assim com a Política Nacional de Imunização”

O Superior Tribunal de Justiça também fez um pedido similar à Fiocruz. Já foram encaminhadas as resposta ao STF e STJ. A Fiocruz entregará ao Ministério da Saúde 1 milhão de doses da vacina de Oxford/AstraZeneca na semana de 8 a 12 de fevereiro.

O Globo

 

Opinião dos leitores

  1. É muita falta de vergonha na cara e de civilidade chegar a dizer algo como " …a realização da campanha por este Tribunal é uma forma de contribuir com o país nesse momento tão crítico da nossa história, pois ajudará a acelerar o processo de imunização da população e permitirá a destinação de equipamentos públicos de saúde para outras pessoas…"
    É de dá nojo!

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Judiciário

Deputada Natália Bonavides(PT-RN) pede que PGR investigue ministros por comprar cloroquina ‘para dar esperança’

Foto: Pablo Jacob / Agência O Globo

A deputada Natália Bonavides, do PT do Rio Grande do Norte, pediu que a PGR investigue se Eduardo Pazuello, ministro da Saúde, e Fernando Azevedo, ministro da Defesa, cometeram crime de responsabilidade após o Exército afirmar ao TCU que comprou cloroquina, sem eficácia comprovada, para dar “esperança” à população contra a Covid-19.

“Se a própria manifestação do comandante é de que não há tratamento consagrado da Covid-19, a mencionada esperança pelo Exército não passa de pura propaganda. Desse modo, o laboratório, que deveria ser usado para produzir medicamento eficaz, foi usado pelo Exército e pelo ministro da Defesa como ferramenta de propaganda político-partidária, para homologar o discurso negacionista do governo federal”, escreveu Bonavides no pedido apresentado contra os dois generais e ministros.

Em um documento enviado ao TCU em julho e tornado público nesta segunda-feira, disse o Exército sobre a compra recorde de cloroquina, substância defendida publicamente por Jair Bolsonaro:

“Não poderia ser exigível comportamento diverso do Laboratório Químico Farmacêutico do Exército, senão a busca dos insumos necessários e o pronto atendimento às prementes necessidades de produção da cloroquina que, por seu baixíssimo custo, seria o equivalente a produzir esperança a milhões de corações aflitos com o avanço e os impactos da doença no Brasil e no mundo”, escreveu o comandante da 1ª Região Militar, com nome mantido em sigilo, embora seja público que se trata do general André Luiz Silveira.

No mesmo ofício, o Exército desprezou a falta de comprovação científica da substância contra a Covid e admitiu:

“Até a presente data não há tratamento consagrado pela comunidade científica para a Covid-19”.

Guilherme Amado – Época

Opinião dos leitores

  1. Essa deputada é a mesma que votou para salvar o mandato do deputado Wilson Santiago da Paraíba, denunciado por CORRUPÇÃO.
    Contra a CORRUPÇÃO essa deputada não se mostrou tão preocupada.
    Se havia uma esperança que a medicação ajudasse, claro que deveria ser tentada.
    Ao contrário do que dizem, havia muitos estudos que apontavam a medicação como tratamento possível para a Covid.
    O eleitor potiguar precisa aprender a votar em políticos que atuam em prol do RN, ao invés de servir apenas para fazer oposição ao governo federal.

  2. Foi a segunda mais votada com mais de 100 mil votos aqui no RN. Com certeza na próxima será a primeira.

  3. Essa deputada já apresentou algum projeto que beneficie o RN? Só sabe usar o cargo pra bater nos adversários

    1. Coitada, esquece ela que o Jean Prates e ela, tiveram as piores colocações como parlamentares.

  4. Ou deputada fraca essa Natália, só pensa em perseguir seus adversários políticos, mulher vá procurar alternativas para o Brasil e para o nosso pobre RN se desenvolverem, foque em bons projetos de lei, deixe seus adversarios fazerem o deles,faça o seu. É tão fraquinha, que não deve saber nem o papel de um parlamentar.

  5. Algum assessor avisa, aí pra deputada deixar de fazer da câmara federal um escritório de advocacia. Tenho visto várias vezes provocando STF pra decidir sobre besteiras; e perde.
    Votou contra em matérias relevantes :
    Marco regulatorio do saneamento no Brasil.
    Projeto de Lei 1485/2020 (trata de dobrar as penas para casos de desvios de verbas da Pandemia), e várias outras.

  6. Foi eleita recentemente uma das piores deputadas do parlamento…. tem que aparecer e fazer firula para seus eleitores…. tá correta.kkkkkk

  7. Nobre deputada, ao invés de ficar querendo dar nó em pingo dágua. Apresente projetos que benificie o sofrido RN, incentive empresas a se estabelecerem, e as que aqui estão permanecerem. O RN precisa de ajuda para mudar sua triste realidade, incentivos a geração de emprego e renda. Vamos tomar como exemplo o que vem dando certo nos Estados vizinhos, pra frente é que se anda…

    1. Tadinho do governo federal. Tão bom, tão eficiente, né?! A Terra Plana é um paraíso mesmo.

  8. Já foi provado cientificamente que a medicação é eficaz contra o vírus. Só que não admite são aqueles que fazem uso político da pandemia ou não tem compromisso com a vida das pessoas, só com a causa política e para aparecer.
    Quem foi o pior parlamentar do RN na Câmara e Senado em 2020?

  9. Parabéns deputada!
    É o modis operandi de muitos pastores, vendem ilusões (agua santa, cajado de israel, pilula milagrosa…).
    Trouxeram dos templos pro governo…
    Tudo placebo para enganar o gado.
    Daquj a pouco vao cobrar como cobram nos templos de pilantras!

    1. Vc ajuda nessa campnha insidiosa contra um mediciamento para ser usado de forma precoce e consorciada. A lei do retorno não falha (nem precisa acreditar em Deus). Depois tá em cima de uma cama, por anos, pedindo para morrer todo o dia, não sabe pq foi.

  10. Espero que Fátima Bezerra entenda e se arrependa do malefício que causou ao RN ao apoiar esta inútil fazendo-a Deputada Federal. Creio que no PT existem nomes decentes a serem apresentados aos seus eleitores nas próximas eleições.

  11. Alguém avisa a essa deputada que nada faz pelo RN, que a Cloroquina serve para malária, lúpus e artrite reumatóide. No tocante ao uso para o Covid, em todas as portas das UBS de Natal está a informação da inclusão da Cloroquina no protocolo usado contra a doença.

  12. O tratamento com a substância é defendido por muitos médicos de ponta.
    Com em Medicina, quase tudo tem controvérsia. Queria ver esses vermes desocupados que passam o dia floodadno a áreia de comentários com as mesmas palavras, discutiindo com uma Dra. ilse Yamagushi ou Paulo Porto da vida… ou aquela Marina Bucar, ou aquele Antony Wong…. Crimiinosos, ESSES SIM, GENOCIDAS, polticizaram o uso do medicamento (bem como qualqeur outtro que se atrevesse) a reduzir o desespero das pesssoas.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Judiciário

Barroso: pressão fez ministros do STF mudarem voto sobre a prisão em segunda instância

Foto: Reprodução

No livro recém-lançado “Sem data venia: um olhar sobre o Brasil e o mundo”, o ministro Luís Roberto Barroso diz que dois colegas de Supremo Tribunal Federal (STF) que antes haviam votado pela prisão de condenados em segunda instância cederam à pressão “dos que pretendem que tudo permaneça como sempre foi”.

Embora não tenha mencionado os nomes, o placar no STF foi alterado no fim do ano passado, barrando a detenção após sentença de segundo grau, porque Gilmar Mendes e Dias Toffoli mudaram o entendimento que já tinham manifestado em julgamento anterior sobre o assunto.

Se antes tinham votado pelas penas antecipadas, em 2019 mudaram de ideia e votaram pela possibilidade de condenados aguardarem em liberdade até o trânsito em julgado — ou seja, até que o último recurso seja analisado nos tribunais. Em 2016, ambos haviam votado pela prisão depois de condenação por tribunal de segunda instância.

“A mais importante alteração (trazida pelo STF), sem dúvida, foi a possibilidade de execução de decisões penais condenatórias após o julgamento em segundo grau, fechando a porta pela qual processos criminais se eternizavam até a prescrição, dando salvo-conduto aos ladrões de casaca. Essa mudança, todavia, não duraria muito, justamente por haver se revelado extremamente eficaz”, escreveu Barroso.

Segundo o ministro, “a corrupção contra-atacou com todas as suas forças e aliados, até conseguir desfazer a medida. Ressalve-se, com o respeito devido e merecido, o ponto de vista legítimo de quem entende que a Constituição impõe que se aguarde até o último recurso”.

Ainda no livro, Barroso afirmou que, em seguida, veio “a revanche dos que pretendem que tudo permaneça como sempre foi”. Ele conta que “a articulação para derrubar a possibilidade de execução das condenações criminais após a segunda instância foi o momento mais contundente da reação, logrando obter a mudança de posição de dois ministros do Supremo Tribunal Federal que, antes, haviam sido enfaticamente favoráveis à medida”.

A obra fala de temas que passaram pelo Supremo, como as decisões recentes no sentido de que o governo federal, os estaduais e as prefeituras têm atribuições no enfrentamento da Covid-19.

Segundo o ministro, a pandemia trouxe uma dimensão política que “se manifesta em uma enorme falta de liderança e coordenação no seu enfrentamento no Brasil”. Ele afirma que “União, estados e municípios não foram capazes de construir uma estratégia harmônica, inclusive e sobretudo porque, no plano federal, ignoravam-se as recomendações da ciência e da medicina”.

Matéria completa AQUI no Justiça Potiguar.

Opinião dos leitores

  1. Pelo menos a pressão foi para que a literalidade da constituição fosse aplicada. Se são a favores da prisão em segunda instância não tem problema. No entanto, para aplicar prisão em segunda instância primeiro é necessário alterar o texto constitucional.

  2. A Turma do Lula livre exerceram pressão com força, só pode. Pois era ele o bola da vez para ir em cana. É por isso um dos mas interessado.

    1. Junto com Lula, Bozo é o maior defensor do fim da prisão em segunda instância. Seus filhos estão enrolados até o talo. Mas o gado só enxerga o curral vizinho.

    1. Ô problema é que no senado também estão os grandes interessados nessa mudança. Foram eles mesmos que fizeram a pressão. Ademais, mudança de posição de ministro apesar de revelar muito da sordidez de seu caráter, não é crime. Nesse barco a grande maioria rema pra um só lado, seja deputado, senador, ministro, presidente e filhos, ex-presidentes e cúmplices, de direita, esquerda, de cima e de baixo. Me diga: quem é a favor da prisão em segunda instância ?

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Bolsonaro diz que seu governo são “ministros, estatais e bancos oficiais”, que CGU e PF estão de olho na malversação do dinheiro público, e que investigação que mirou senador é exemplo contra a corrupção

(Foto: Alan Santos/PR)

O presidente Jair Bolsonaro tentou se desvincular das acusações envolvendo o senador Chico Rodrigues (DEM-RR), vice-líder do governo no Senado. Em conversa com apoiadores nesta quinta-feira, 15, o chefe do Planalto admitiu que há desvios de dinheiro público destinado pela União para Estados e municípios, mas repetiu que não há corrupção em seu governo.

“Alguns acham que toda a corrupção tem a ver com o governo. Não. Nós destinamos aí dezenas de bilhões para Estados e municípios, tem as emendas parlamentares também e, de vez em quando, não é muito raro, a pessoa faz uma malversação desse recurso. Agora, a CGU (Controladoria-Geral da União) está de olho, a nossa Polícia Federal está de olho e tomamos decisões”, afirmou o presidente.

O vice-líder do governo foi alvo de uma operação da Polícia Federal na quarta-feira, 14, em Boa Vista (RR), e escondeu dinheiro na cueca durante a abordagem dos policiais. A Controladoria-Geral da União também faz parte da apuração. Aos simpatizantes, o chefe do Planalto chegou a dizer que o mal uso do dinheiro público “não é muito raro”, mas repetiu que não há corrupção no governo. Chico Rodrigues, porém, é um dos articuladores políticos do Planalto no Congresso.

A investigação, sob sigilo, apura desvios de recursos públicos destinados ao combate à pandemia de covid-19, oriundos de emendas parlamentares. A ordem de busca e apreensão foi autorizada pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Luís Roberto Barroso. Na manhã desta quinta-feira, 15, Bolsonaro foi questionado por um apoiador sobre a operação enquanto cumprimentava simpatizantes no Palácio da Alvorada.

“Essa investigação de ontem é um exemplo típico do meu governo, que não tem corrupção no meu governo, não tem corrupção, e combate à corrupção seja de quem for”, declarou o presidente. “Vocês estão há quase dois anos sem ouvir falar em corrupção no meu governo. O meu governo são ministros, estatais e bancos oficiais. Esse é o meu governo.”

Segundo o Estadão apurou com duas fontes que tiveram acesso a informações da investigação, foram encontrados R$ 30 mil dentro da cueca do vice-líder do governo Jair Bolsonaro. Ao todo, os valores descobertos na casa do senador chegariam a R$ 100 mil. A investigação apura indícios de irregularidades em contratações feitas com dinheiro público, que teriam gerado sobrepreço de quase R$ 1 milhão.

No Alvorada, Bolsonaro disse “lamentar” desvios de recursos na saúde pública, pontuando que essa prática acaba matando “inocentes”. Aos simpatizantes, o presidente da República declarou que a operação de quarta é “orgulho para o meu governo, para o meu ministro Wagner Rosário (da CGU) e para a minha Polícia Federal.” Chico Rodrigues deve perder o cargo de vice-líder no Senado. “Nós estamos combatendo a corrupção, não interessa quem seja a pessoa suspeita”, afirmou.

Em nota divulgada na quarta-feira, Chico Rodrigues disse que tem “um passado limpo e uma vida decente” e afirmou nunca ter se envolvido em escândalos. “Acredito na justiça dos homens e na justiça divina. Por este motivo estou tranquilo com o fato ocorrido hoje em minha residência em Boa Vista, capital de Roraima. A Polícia Federal cumpriu sua parte em fazer buscas em uma investigação na qual meu nome foi citado. No entanto, tive meu lar invadido por apenas ter feito meu trabalho como parlamentar, trazendo recursos para o combate ao covid-19 para a saúde do Estado”, afirmou o senador.

Também em nota, o DEM, partido de Chico Rodrigues, afirmou estar atento a todos os detalhes da investigação. “Havendo a comprovação da prática de atos ilícitos pelo parlamentar, a Executiva Nacional aplicará as sanções disciplinares previstas no estatuto do partido”, disse a legenda.

Estadão

Opinião dos leitores

  1. E eu achando que o presidente da República governava para todos,
    Igual o judiciário, cega qdo é conviniente .

  2. Será que só esse aliado do governo está roubando? Tirando os ladroes notórios e conhecido, não tem mais ninguém, Bolsonaro? Olhe com calma, inclusive em casa.

    1. Chega ser até engraçado o tanto que o bolsonarista chegar a ser ridículo, pois tudo que acontece é culpa de Lula, agora porque é do lado do bolso está tudo certo …..bando de sem futuro

    1. Estão esquecendo os filhos do présidente, vai tirando de letra e o gado elogiando.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Judiciário

STF arquiva inquéritos da delação de Cabral que envolvem ministros do STJ e TCU

Foto: Rosinei Coutinho – 1º.jul.2020/STF

O Supremo Tribunal Federal (STF) arquivou a abertura de inquéritos com base no acordo de delação premiada do ex-governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral (MDB), com a Polícia Federal.

O pedido sumário de arquivamento foi feito pelo procurador-geral da República, Augusto Aras, em abril. Entre abril e junho, o presidente do STF, Dias Toffoli, determinou os arquivamentos de três inquéritos que iriam investigar ministros do Superior Tribunal de Justiça (STJ) e do Tribunal de Contas da União (TCU).

Outros nove inquéritos, também abertos a partir da delação de Cabral, e que envolvem parlamentares e outras autoridades com foro no Supremo, estão na mão de Toffoli para decisão. Sobre esses, Aras ainda não se manifestou pelo arquivamento.

A decisão de Toffoli pelos três arquivamentos é oposta ao entendimento do ministro Edson Fachin, que, em fevereiro, homologou a delação de Cabral e autorizou que a Polícia Federal conduzisse 12 inquéritos no STF para apurar as acusações feitas por ele contra autoridades com foro privilegiado.

Na ocasião, Fachin enviou as investigações para que o presidente do STF distribuísse para o sorteio de um relator, que passaria a acompanhar o trabalho da PF. Mas Toffoli enviou os relatórios da PF com os conteúdos da delação para a PGR se manifestar. Em seu parecer, Aras afirmou que não existiam “indícios mínimos para a abertura das investigações”.

Apesar da decisão do arquivamento do STF, o acordo da deleção premiada entre Cabral e a PF permanece. Caso Cabral apresente fatos novos, eles podem ser desarquivados. Enquanto isso, a PF segue aguardando decisão do STF para saber se os outros nove inquéritos terão futuro.

Entre o que foi estabelecido com a PF, Cabral se comprometeu, para ter acesso à benefícios, como a redução de pena, a devolver R$ 380 milhões recebidos por meio de propina quando era governador. No entanto, a PF não decidiu, no momento da assinatura do acordo, quais benefícios seriam concedidos ao ex-governador do Rio. Assim como todo o conteúdo da delação, o acordo também está em segredo de Justiça.

Procurado, o advogado Marcio Del’Ambert, que defende Cabral, optou por não se manifestar.

CNN Brasil

 

Opinião dos leitores

  1. Primeiro foi removido o PT, depois alguns partidos tendem a se desintegrar por incompetência dos seus membros, vide MDB, PSDB, e outros menos qualificados, todos cheios de ladrões. Essa ação envolve o descrédito do poder executivo e legislativo, os únicos intocaveis são os deuses do Olimpo do judiciário, muitos plantados nos tribunais superiores, tipo STF, STJ, DESMBARGADORES, todos promovidos a posição por conchavos políticos e apadrinhamento. Está na hora da nação dar um basta nessa pouca vergonha. Temos um ministro que nunca conseguiu passar em concurso de juiz e é ungido a mais alta corte do país, isso é inominável, essa nomeação foi por capricho e gosto de um analfabeto, sem falar em indicações meramente interesseiras e políticas de compadrio, isso enfraquece as nossas instituições, o que as torna desacreditadas, um péssimo exemplo de resultados, a matéria acima é um exemplo de desfaçatez.

  2. A nossa nação precisa se libertar de duas facções de fanáticos por criminosos, que são os PETRALHAS e MITRALHAS. Precisamos buscar a cura para essas doenças mentais que provocam a cegueira inconsequente. As visões e análises dos fatos são distorcidas e tendenciosas.

  3. Gol da Alemanha !! O MPF passou a ser um orgão de assessoria da presidência da república, em defesa de seus interesse.

  4. Petistas mentirosos, o pgr não deu parecer pra arquivar, e caso fosse verdade, esse mesmo pgr já pediu várias investigaçoes sobre a familia presidencial. Vocês petralhas são o lixo da sociedade, mentirosos fdp.

  5. O Procurador Geral da Republica, nomeado por Bolsonoro, deu parecer pelo arquivamento. Entenderam?

    1. Leia-se ENGAVETADOR GERAL DA REPÚBLICA ( de bananas, rsrsrsrsrsrsrs).

  6. Arquiva um inquérito de um possível ato de corrupção , autoriza uma nova comissão para o impeachment do witzel e manda PF atrás de fake News, esse STF está de sacanagem cada dia que passa o ódio da população a essa instituição aumenta mais e mais.

  7. STF prestando um desserviço ao país, acobertando magistrados, muito suspeito, parece acreditar que estão todos eles acima da lei

  8. Mais porquê será? Na corte só tem gente honesta e de condutas totalmente corretas, mas porque será que o pau que dar em Chico não é o mesmo que dar em FRANCISCO, eita corte que merece credibilidade ????????????

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Judiciário

(VÍDEO): Roberto Jefferson:”Falando em nauseabunda, tem dois ministros lá [no STF] que têm esses gostos, né? Dois de rabo solto. Um é o Carmen Miranda e o outro é o Lulu Boca de Veludo”

 

Ver essa foto no Instagram

 

O ex-deputado Roberto Jefferson concedeu uma entrevista para o canal bolsonarista Questione-se no Facebook em que dispara ofensas e ataques, inclusive de caráter sexual, a ministros do STF (Supremo Tribunal Federal). Chega a dizer que são “sodomitas”. Ele chama o ministro Edson Fachin de “Cármen Miranda”, o ministro Luís Roberto Barroso de “Lulu Boca de Veludo”, o ministro Gilmar Mendes de “Sapão” e o futuro presidente do STF, Luiz Fux, de “Beija Pé”. Segundo diz, Fux se “ajoelhou e beijou os pés” da mulher do ex-governador do Rio Sergio Cabral para agradecer a defesa que ela fez da indicação dele ao STF. Em outro momento, ele afirma que Fachin foi indicado ao STF por Joesley Batista, da JBS, e que percorreu gabinetes do Senado pela mão do “homem da mala” da empresa, Ricardo Saud. Jefferson faz referências ainda a Dias Toffoli, presidente da corte, e a supostas acusações feitas pela Odebrecht a ele. Chama os ministros da corte de “monturo de lixo” e diz que as pessoas vomitariam se pudessem ver as reuniões reservadas do Supremo. Diz ainda que os ministros do tribunal, com exceção das magistradas mulheres, são “homens de pouca estatura jurídica e moral, lobistas” indicados pela TV Globo, por empreiteiras e por “partidos comunistas”. A entrevista foi divulgada na segunda (20), na página do canal Questione-se, e já teve 65 mil visualizações. Jefferson é presidente do PTB, partido do centrão aliado a Jair Bolsonaro no Congresso. Em 2012, ele foi condenado pelo STF no processo do mensalão por corrupção e lavagem de dinheiro. Em um dos trechos da entrevista, o ex-deputado declara o seguinte: “Falando em nauseabunda, tem dois ministros lá [no STF] que têm esses gostos, né? É, tem. Tem ministros de rabo preso e dois de rabo solto. Um é o Carmen Miranda e o outro é o Lulu Boca de Veludo. É uma coisa… Você imagina um homem desses julgando”, afirma. [Matéria na íntegra no Blog.] Mônica Bergamo – Folha de São Paulo

Uma publicação compartilhada por Blog do BG (@blogdobg) em

O ex-deputado Roberto Jefferson concedeu uma entrevista para o canal bolsonarista Questione-se no Facebook em que dispara ofensas e ataques, inclusive de caráter sexual, a ministros do STF (Supremo Tribunal Federal). Chega a dizer que são “sodomitas”.

Ele chama o ministro Edson Fachin de “Cármen Miranda”, o ministro Luís Roberto Barroso de “Lulu Boca de Veludo”, o ministro Gilmar Mendes de “Sapão” e o futuro presidente do STF, Luiz Fux, de “Beija Pé”.

Segundo diz, Fux se “ajoelhou e beijou os pés” da mulher do ex-governador do Rio Sergio Cabral para agradecer a defesa que ela fez da indicação dele ao STF.

Em outro momento, ele afirma que Fachin foi indicado ao STF por Joesley Batista, da JBS, e que percorreu gabinetes do Senado pela mão do “homem da mala” da empresa, Ricardo Saud.

Jefferson faz referências ainda a Dias Toffoli, presidente da corte, e a supostas acusações feitas pela Odebrecht a ele.

Chama os ministros da corte de “monturo de lixo” e diz que as pessoas vomitariam se pudessem ver as reuniões reservadas do Supremo. Diz ainda que os ministros do tribunal, com exceção das magistradas mulheres, são “homens de pouca estatura jurídica e moral, lobistas” indicados pela TV Globo, por empreiteiras e por “partidos comunistas”.

A entrevista foi divulgada na segunda (20), na página do canal Questione-se, e já teve 65 mil visualizações.

Jefferson é presidente do PTB, partido do centrão aliado a Jair Bolsonaro no Congresso.

Em 2012, ele foi condenado pelo STF no processo do mensalão por corrupção e lavagem de dinheiro.

Em um dos trechos da entrevista, o ex-deputado declara o seguinte: “Falando em nauseabunda, tem dois ministros lá [no STF] que têm esses gostos, né? É, tem. Tem ministros de rabo preso e dois de rabo solto. Um é o Carmen Miranda e o outro é o Lulu Boca de Veludo. É uma coisa… Você imagina um homem desses julgando”, afirma.

“Aí querem fazer pauta de gênero. Porque eles até hoje não encontraram os seus, não é? Você imagina uma cena, um ministro do Supremo de quatro, e um negão pa, puf puf nele [simula gestos de conotação sexual]. Não dá. Como esse homem pode representar a Justiça, rapaz? Vem um fuzileiro naval daqueles, um paludo, pa, pa, ‘grita, ministro. Me bate, me bate. Pa, pa.’ Que horror, meu irmão. Um sodomita. Dois. Tem dois sodomitas ministros, rapaz. Se fossem juízes, nunca deixariam a vara, a Justiça de primeira instância. Usam saias. Não é por saber jurídico. É por opção sexual. [balança as mãos]. Eu fico olhando aquilo. Um homem desses não passa em Supremo nenhum do mundo. Só no governo da Dilma e do Lula que essas pessoas conseguem ser ministros. (…) O Carmen Miranda, o Fachin, ele foi pela mão do homem da mala, da JBS. Ele foi em todos os gabinetes…”​,

Sobre Fux, Jefferson afirma: “O Luiz Fux chegou no Rio quando ele tomou posse, foi aprovado no Senado [para ser ministro do STF]. Houve uma festa aqui no Rio, na casa do [então governador] Sergio Cabral, ele ajoelhou e beijou os pés da [então primeira-dama] Adriana Ancelmo. Esse homem vai ser o presidente do Supremo. O próximo. O ‘Beija-Pé’. Meu Deus. Um cara que tem uma dobradiça na coluna. Tem que acabar isso.”

Parte do vídeo começou a circular em grupos de WhatsApp e já gera reações.

“O desrespeito, a agressão e a calúnia aos ministros do Supremo Tribunal Federal, no contexto em que foram proferidos e veiculados, são claras tentativas de desgaste do próprio tribunal que integram, e, assim, de um dos mais importantes pilares do Estado de Direito. A reação tem que ser firme, rápida, contundente e pedagógica”, diz Marco Aurélio de Carvalho, do grupo Prerrogativas.

Mônica Bergamo – Folha de São Paulo

 

Opinião dos leitores

  1. Ele fez isso porque só vai ser preso após o trânsito em julgado. Estão esquecidos? Além disso, os que criticam Roberto Jefferson, passaram anos e muitos ainda hoje ouvem o condenado de nove dedos. Não têm, portanto, moral para criticá-lo.

  2. Só esqueceu de falar dele, ex-presidiário ,que se fosse nos EUA iria morrer na cadeia depois todos os crimes de corrupção que cometeu. Meu mito cloroquina ainda fica dando pilha a uma figura dessa.

  3. Só no Brasil um vagabundo desses tem platéia e admiradores : é quase inacreditável.

  4. Milagre ! Os petistas eleitores do ratinho de nove dedos, admitem que ele roubou e comeu o queijo, vamos bater Palmas, alguns abriram os olhos, quem sabe alguns sobrevivam.

  5. Esse combina com o estilo mito de ser. Diz ser cristão, conservador, defensor dos bons costumes, família, igreja, doutrina, hierarquia e disciplina. Só que é tudo ao contrário.

  6. Rapaz, eu apoio o governo mas tenho asco desse pilantra. O presidente precisa urgentemente se livrar desse lixo.

  7. Se esse senhor tivesse vergonha, não abriria nem a boca, é um condenado pela justiça por corrupção. E saliente-se que parece ser hétero. Mas como vivemos um momento no país em que a truculência e as agressões estão valorizadas, é uma forma de ele emergir das trevas. Não se discute idéias nem projetos, mas apenas agressões e insinuações. Ele deveria usar seu discurso em prol da redução do número de tantos deputados, vereadores e assessores, sendo que estes só servem para alimentar as rachadinhas. Isso sim é um assunto sério, a vida sexual das pessoas dizem respeito unicamente a elas.

    1. Quanta falta de conhecimento , pelas caridades ! Este político , Roberto Jeferson foi condenado e cumpriu a pena , mas, graças a ele o Mensalão do seu partido , que deve ser o PT, foi denunciado por ele. Hoje é o presidente do PTB , partido que apoia o Pr. Bolsonaro. Se atualize. Quanto às "duas" do STF, não é difícil de descobrir, basta assistir uma sessão de julgamento que aparece logo quem são , apesar de que cada um escolha o seu gênero , não sou contra isso, mas seja macho pra sair do armário !

  8. Roberto Jefferson. O arauto da moralidade e dos bons costumes. O cristão benevolente e humilde. O Moisés do centrão. Alma límpida e despida de vaidades. Homem do bem que nunca desejou o mal de ningt. Voltou a ganhar holofotes. Que bom ver a cara da nova política no horizonte do Brasil. Pronto. Terminei de cagar. Manheeeeeê! ACABEI.

  9. Chega a ser patético os bolsonaristas darem ouvidos a Roberto Jefferson: um dos maiores ladrões do dinheiro público que nosso país já viu! Sempre apoiou quem mandasse no dinheiro! Apoiava Lula (é tanto que foi condenado e cumpriu prisão pelo mensalão); apoiava Dilma e Temer. Agora virou o "santo do pau oco" do governo Bolsonaro… É muita cegueira desse povo que segue o MITOmaníaco!

    1. Não nos esqueçamos também que ele fazia parte da tropa de choque contra o impeachment do Collor. Era o Marun da época.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Judiciário

PF prende em BH homem suspeito de ameaçar de morte Maia e ministros do STF

Três armas foram apreendidas com suspeito de fazer ameaças de morte — Foto: Polícia Federal/Divulgação

A Polícia Federal prendeu nesta segunda-feira (13) em Belo Horizonte um homem suspeito de ameaçar de morte o presidente da Câmara de Deputados, Rodrigo Maia, e ministros do Supremo Tribunal Federal (STF). Ele gravava vídeos dizendo que os derrubariam “na bala” e os deixariam “igual a uma peneira”. Sem citar qual, a PF disse que as gravações eram publicadas “em ambiente virtual”.

O nome do suspeito não foi divulgado pela corporação. Três armas de fogo (uma delas com registro vencido em nome de terceiro); um computador; um celular; roupas utilizadas nos vídeos; e munições foram apreendidos. O suspeito foi preso em flagrante por porte ilegal de arma.

As investigações que resultaram na ação “para combater crimes contra a segurança nacional” começaram em maio deste ano. A polícia também diz que “crimes de calúnia e difamação contra diversas autoridades também teriam ocorrido”. Se condenado, o homem poderá cumprir até 13 anos de prisão.

G1

Opinião dos leitores

  1. Quando a PF vai bater a porta da atriz da globo q falava que queria matar o presidente e esfregar a cara dele no asfalto?

  2. Esses terroristas quando são presos viram cordeirinhos. Igual ao ídolo deles, quando foi detido no Exército.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *