Polícia Civil captura grupo potiguar suspeito de furtar clientes em supermercados em Fortaleza

Foto: James Tavares/ Secom/Ilustrativa

Uma ação rápida da Polícia Civil do Estado do Ceará (PCCE), nesse domingo (2), por meio de investigações de equipes dos 2º e 9º Distritos Policiais, com o apoio da Assessoria de Inteligência da Polícia Militar do Ceará (PMCE), resultou na captura de cinco pessoas, todas oriundas do estado do Rio Grande do Norte. Os presos, um homem e quatro mulheres, são suspeitos de furtar clientes de supermercados em atendimento. Os detalhes do trabalho policial foram apresentados, em coletiva de imprensa, na tarde desta segunda-feira (3), na sede do 2º DP, em Fortaleza.

De acordo com a delegada Socorro Portela, responsável pelas investigações, o grupo chegou a Fortaleza, no último dia 30, e desde então cometia crimes na cidade. Eles estavam hospedados em uma pousada no bairro Meireles, na Área Integrada de Segurança 1 (AIS 1). Foram capturados Márcio Daniel Pereira (41), Maria José da Silva (43), Maria Siqueira Sales (19), Priscila Santos de Lima (21) e Érica Ferreira da Silva (21). Todos não registravam antecedentes criminais no Ceará. Com eles, foram apreendidos oito bolsas, 37 peças de roupas femininas, três óculos, quatro folhas de cheques em brancos, 12 cartões bancários em nome de terceiros, dez aparelhos celulares, joias, relógios e a quantia de R$ 946,00. O veículo utilizado pelo grupo, um Voyage, de placas OJT 9181 do Rio Grande do Norte, também foi apreendido.

Ainda conforme Socorro Portela, o grupo cometeu vários crimes em supermercados da Capital cearense. A delegada explicou que as quatro mulheres se passavam por clientes e ficavam procurando vítimas nos estabelecimentos comerciais. Quando encontravam, geralmente mulheres idosas, elas esbarravam na vítima e subtraíram bens de sua bolsa, como cartões de crédito, dinheiro e aparelhos celulares. Ela explicou também que as criminosas observavam as vítimas utilizando os cartões e copiavam as senhas, em seguida, subtraíam os cartões e efetuavam compras. Enquanto as mulheres agiam dentro do comércio, o homem esperava as criminosas dentro do veículo já ligado, para facilitar a fuga deles. “Nós recebemos informes que o grupo estava agindo em diversos supermercados situados nos bairros Aldeota, Cidade dos Funcionários, Meireles, Presidente Kennedy e São Gerardo”, disse Socorro.

O grupo foi abordado por uma composição da PMCE após informações repassadas pela Coordenadoria Integrada de Operações de Segurança (Ciops) da Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS). As capturas aconteceram com o apoio da inteligência artificial do Sistema Policial Indicativo de Abordagem (Spia), ferramenta desenvolvida pela SSPDS, Polícia Rodoviária Federal (PRF) e Universidade Federal do Ceará (UFC).

Os presos foram conduzidos para o 9º Distrito Policial onde foram autuados em flagrante por furto qualificado e associação criminosa. A delegada Socorro Portela orienta que vítimas do grupo devem procurar o 2º Distrito Policial, na Aldeota, para registrar a ocorrência.

Denúncias

A Polícia Civil do Estado do Ceará (PCCE) mantém as investigações acerca da atuação do grupo em Fortaleza. A Polícia orienta as vítimas que reconhecerem o grupo a procurarem o 2º Distrito Policial para formalizar um procedimento na delegacia. A sede do 2º DP fica na Rua Costa Barros, 1971, no bairro Aldeota. Para mais informações, o telefone de contato da delegacia é (85) 3101-1147.

Procon Natal constata aumento de 6,16% no ano para a cesta básica nos supermercados

O PROCON NATAL – Instituto Municipal de Proteção e Defesa do Consumidor de Natal realiza semanalmente pesquisa de cesta básica nos principais estabelecimentos comerciais da cidade do Natal, onde constata variação nos preços de 40 itens divididos por grupo econômico como mercearia, açougue, hortifrúti, higiene e limpeza. No mês de dezembro as pesquisas foram realizadas nas quatro semanas do mês, junto a seis hipermercados e quatro supermercados, como também dez supermercados de bairro denominados de mercadinhos, contemplando as quatro zonas administrativas de Natal. A pesquisa identificou que os preços praticados pelo comércio da cidade do Natal estão pareados não encontrando muita diferença em relação aos estabelecimentos pesquisados nas zonas administrativas.

GRUPO ECONÔMICO

Em análise por grupo econômico, a pesquisa verificou 14 ítens de mercearias, sete de açougue, seis de higiene e limpeza, e treze de hortifrúti. A pesquisa encontrou uma variação no mês de dezembro nos quarenta produtos que compõem a cesta básica nos hipermercados 0,51%, 0,22%, 0,58% e 13,46%. Já nos mercadinhos a pesquisa encontrou uma variação de 0,94%, 0,27%, 1,67% e 5,73%.

ANÁLISE DA ALIMENTAÇÃO

A cesta básica para o natalense foi positiva tanto nos hipermercados como nos mercadinhos de bairro. No acumulado dos doze meses do ano passado, as oscilações nos preços dos produtos da cesta básica são inúmeros, mais especificamente de safra definida e de sazonalidade. No entanto, destacou-se os hortifrúti como o tomate, o chuchu e a batata, e demais produtos de mercearia como o feijão-carioca, o pão francês e a farinha de mandioca. São diversos os motivos encontrados, que justificam o aumento nos preços desses produtos e a elevação da cesta básica no primeiro semestre, considerado relativamente normal com o custo médio de R$232,80 e uma alta nos meses seguintes fechando o segundo semestre com o custo médio de R$248,08. Isso equivale à variação de 6,16% no ano para os hipermercados, e para os mercadinhos o primeiro semestre teve um custo médio de R$217,00 e uma elevação no segundo semestre que superou a cesta básica dos hipermercados, chegando a R$234,00, com uma variação anual de 6,48%.

Em análise, o Núcleo de pesquisa aponta que o trabalhador gastou em média 28,32% do salário-mínimo para adquirir a cesta básica e esse mesmo trabalhador compromete 55 horas e 45 minutos para ganhar o equivalente para a compra dos produtos que a compõe. Isso considerando o custo da cesta básica e o valor líquido constante no contracheque do trabalhador, em que já está descontado o recolhimento da Previdência Social. Esse comprometimento do ganho e horas de trabalho foi calculado de janeiro a dezembro de 2018.

O PROCON NATAL, orienta os consumidores natalenses a uma pesquisa na hora da compra, uma vez que se faz necessário, devido à diferença de preços dos produtos pesquisados que variam entre os bairros e quanto à estrutura do comércio. O consumidor deve aproveitar os preços em promoção nos estabelecimentos assim como os dias específicos de promoções que são anunciados.

ANÁLISE DETALHADA POR GRUPOS

HORTIFRÚTI – Neste grupo econômico, no mês de dezembro, a média ficou em R$43,59; no mês anterior foi de R$37,72. A variação nas quatro semanas foi de 14,31% com uma média de R$40,76, e de janeiro a dezembro, a média foi R$38,08 com uma variação negativa de -3,0%. Esse grupo econômico tem influência de fenômenos naturais com as chuvas que prejudicam a colheita da safra e que leva à redução na oferta de produtos. Foram produtos encontrados em alta no mês: tomate, cebola, batata e o chuchu, mantendo-se estáveis na segunda e terceira semanas e aumentando na quarta semana com os preços médio em: R$4,70; R$3,99; R$4,36 e R$3,50 respectivamente por semana. No entanto, a batata-doce foi o único produto em queda desde a segunda semana do mês, com o preço médio de R$3,65.

AÇOUGUE – Esse grupo econômico tem um custo elevado para o trabalhador, por seus produtos serem carne de 1ª (alcatra) e de 2ª (músculo), além de carne de sol de primeira, frango congelado, ovos, queijo coalho e pescado (filé de merluza e polaca). O valor médio anual encontrado pela pesquisa foi de R$ 150,94 e uma variação no mês de 3,24%; em relação ao mês de novembro, a variação foi de 0,22% com o valor médio de R$153,70 e em dezembro, com valor de R$ 154,04; nas quatro semanas do mês de dezembro o valor médio encontrado pela pesquisa foi de R$155,26, com uma variação semanal de 4,52%. Durante o mês de dezembro, entre os produtos desse grupo econômico, destacaram-se a carne de segunda, que manteve-se estável nas três primeiras semanas e elevou-se na última com um valor médio de R$22,62, e uma variação mensal de 4,52%. Também destacou-se o pescado, com um valor médio no mês de R$29,91 e uma variação de 23,06%, com queda desde a segunda semana do mês.

HIGIENE E LIMPEZA – Nessa categoria, os itens pesquisadas são sabonete comum de 90g, creme dental de 90g, água sanitária de um litro, detergente líquido de 500ml, sabão em pó pacote de 500 g e sabão em barra de 200g. Registraram um valor médio anual de R$14,01 e uma variação de 11,0% no ano e teve seu maior valor no mês de dezembro de R$15,15 e R$12,75. A variação de novembro e dezembro foi de 0,58% com o menor valor de R$15,06 e 15,15%, respectivamente. Durante o mês de dezembro destacou-se o sabão em pó que teve queda na quarta semana, mas os demais produtos mantiveram-se estáveis.

MERCEARIA – No grupo de econômico de mercadorias são encontrados os produtos de subsistência da cesta básica. Para o Núcleo de pesquisa do PROCON NATAL esses produtos são arroz agulhinha tipo 2, feijão carioquinha, açúcar cristalizado 1kg, sal refinado 1kg, fubá pré-cozido, farinha de mandioca 1kg, macarrão sêmola 500g, café 250g, pão francês o 1kg, leite pasteurizado um litro, óleo de soja 900ml, margarina 250g, biscoito maisena 500g e biscoito creme cracker 500g. A variação desse grupo econômico em relação ao mês anterior foi de 0,51%, com o valor médio de R$52,82 em dezembro, e de R$52,55 para o mês de novembro. De janeiro a dezembro, o valor médio desse grupo econômico foi de R$ 51,31, com variação anual de 3,39%, e durante o mês de dezembro a média foi de R$52,84 e uma variação no mês de 2,32%. O produto que mais se destacou nesse grupo econômico foi o pão francês que teve uma alta no mês, sendo encontrado o seu maior preço de R$17,69 na segunda e terceira semanas do mês no hipermercado Carrefour da zona norte. Onde a média do preço encontrada pela pesquisa para esse produto no mês foi de R$12,02 e uma variação no mês de 2,32%.

A cesta básica nos supermercados iniciou com o preço médio em janeiro de 2018 de R$232,72 e no final do ano com o preço médio de R$265,59. Em relação aos grupos econômicos, açougue, mercearia, higiene/limpeza e hortifrúti foram respectivamente: R$149,27 e R$154,04; R$51,57 e R$52,82; R$35,99 e R$43,59; R$12,75 e R$15,15. No gráfico 02, observamos o preço médio da cesta básica e também os preços médios dos grupos econômicos dos mercadinhos de bairro pesquisadas por este órgão, nos meses de janeiro a dezembro de 2018.

A cesta básica nos mercadinhos de bairro iniciou o ano com um custo médio de R$217,91 e no final do ano com o custo médio foi de R$240,65. Em relação aos grupos econômicos, o de hortifrúti, higiene/limpeza, açougue e mercearia, foram respectivamente: R$32,35 e R$32,40; R$14,99 e R$16,83; R$138,45 e R$140,46; R$49,29 e R$50,97.

COMPORTAMENTO DOS PREÇOS

No mês de dezembro, apesar de uma predominância de alta nos produtos da cesta básica na cidade do Natal, mais precisamente no segundo semestre, os preços tiveram tendência de alta elevando a cesta básica. A variação encontrada pelo Núcleo de pesquisa, em destaque e por várias vezes, tiveram seus preços elevados o tomate, a cebola, a batata e o chuchu, devido à estiagem e entressafra no mercado nacional. O pão francês também chegou a ser encontrado a preços muito acima da média, mas nesse caso devido à variação do Dólar. Outros produtos também contribuíram na variação da cesta básica como o feijão-carioca e a farinha de mandioca. Também tiveram alguns produtos que registraram queda como o pescado e a batata-doce. A cesta básica dos natalenses teve uma variação de 6,16%, mas manteve-se sem nenhuma constância de média durante o ano, já para os mercadinhos a cesta básica variou a maior no segundo semestre de 6,48% e isso foi o que elevou a sua variação ser maior que a dos hipermercados. O PROCON NATAL continua orientando aos consumidores a sempre pesquisar antes de qualquer compra, pois a variação de um estabelecimento para outro chega a ser grande mesmo entre estabelecimentos de mesma rede.

Confira a pesquisa completa o site do PROCON NATAL www.natal.rn.gov.br/procon .

 

VEM AÍ MUITA CORRERIA E FILAS EXTENSAS: A partir de segunda, supermercados no RN só até 22h

Em decorrência da insegurança no Estado, os supermercados do Rio Grande do Norte vão fechar mais cedo a partir desta segunda-feira (14).  Na ocasião, os estabelecimentos irão fechar as portas às 22h e, agora, a correria será grande. A informação foi confirmada pela Associação dos Supermercados do RN (Assurn), que alega que não há casos recentes de assaltos ou números alarmantes. A medida visa prevenir esses tipos de ocorrências e visa à segurança dos clientes e funcionários.

Polêmico. Enquanto os trabalhadores merecem e têm o direito de chegar em casa sem qualquer tipo de ameaça, por outro lado, muita gente tinha como este horário a alternativa para fugir das grandes filas. O mesmo exemplo vale para quem trabalha até tarde e agora terá que sacrificar um pedaço do fim de semana para realizar suas compras.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Renato disse:

    Lucio Borges, ai é que você se enganar! As lojas não estão fechando mais cedo por conta de pressão de ninguem! Os horários das empresas continuaram o mesmo, as lojas fecharam mais cedo, porém o trabalho interno as horas continuaram a mesma coisa! Antes de abrir a boca para falar o que não entende se informou primeiro!

  2. Aline disse:

    Não sei se fico mais abismada com a forma que as notícias são dadas ou com os comentários!

  3. Samuel disse:

    Absurdo! Os supermercados deveriam investir mais em funcionários e aumentar o quadro durante o dia, para tentar minimizar as filas e a insatisfação do cliente.

  4. Lucio Borges disse:

    Tai o resultado, esse povo ganha e nao quer trabalhar ai pra evitar manifestação os donos de supermercados que pagam seus impostos regulamente temq ue dizer que é por outros motivos quando na verdade todos nos sabemos que é pressao desse povinho que nao quer trabalhar, só quer ganhar ganhar e nada de retorno a quem lhe dar o pão de cada dia, fora os que roubam as coisas do supermercado. os da zona norte ja fecham cedo faz tempo porque ali o povo é tudo uns selvagens mesmo agora a zona sul fazer isso por pressao desses "trabalhadores" é osso!!!!!!!!!!

  5. ALEX DUBEUX disse:

    MUITO BEM
    CHEGA DE TRABALHO ESCRAVO

Supermercados em Natal serão obrigados a disponibilizar 80% dos caixas para atender consumidores

A Câmara Municipal de Natal (CMN) aprovou, na sessão plenária desta terça-feira, Projeto de Lei da vereadora Eudiane Macedo (SDD) que obriga os Supermercados do Município a disponibilizarem, no mínimo, 80% dos caixas existentes nos estabelecimentos para atender os consumidores. A Lei agora segue para ser sancionada pelo prefeito Carlos Eduardo (PDT).

Já chegamos a observar o absurdo de um supermercado com 20 caixas disponíveis ter apenas quatro funcionando. É um desrespeito ao consumidor. Então, nosso Projeto de Lei determina que os Supermercados coloquem pelo menos 80% dos caixas disponíveis nas lojas para funcionar. Além disso, a Lei prevê que todos devem ter embalador, para evitar o desvio de função”, explicou a vereadora.

De acordo com Eudiane Macedo, a Lei, quando sancionada, vai representar um avanço para todos os consumidores de Natal. “Quem frequenta os supermercados de Natal sabe como é o transtorno, quando você termina suas compras e vai para o caixa. As filas são enormes. O tempo de espera é abusivo. E o que revolta a população é que, na maioria dos supermercados, enquanto as filas são imensas e a demora longa, poucos dos caixas existentes têm funcionários para atender os consumidores. Agora isso vai mudar”, avaliou a parlamentar.

A Lei entrará em vigor 120 dias após sancionada pelo prefeito Carlos Eduardo.

Lei que autoriza postos de combustíveis em supermercados volta a Câmara Municipal hoje

A polêmica Lei dos Postos – que consiste na permissão da venda de combustíveis em supermercados, hipermercados e shoppings – voltará hoje ao plenário da Câmara Municipal. O vereador Fernando Lucena (PT) apresentará o mesmo projeto que foi proposto pelo vereador Raniere Barbosa (PRB) no dia 1º de dezembro do ano passado. O petista já conseguiu 16 assinaturas favoráveis à proposta.

Na primeira passagem pela Casa, o projeto provocou um embate entre donos de postos de combustíveis e consumidores. Várias entidades representativas participaram do debate. O projeto foi derrubado na segunda votação, por 10 votos a 9, depois de ter sido aprovado na primeira, por 9 votos a 8.

“A população merece combustíveis mais baratos. Acredito que, dessa vez, a Casa avaliará melhor o projeto, que beneficia o consumidor”, disse Lucena.

Já o vereador Enildo Alves (DEM), autor da Lei que proíbe a comercialização de combustíveis em supermercados, disse que continuará em defesa da manutenção do que diz a legislação proposta por ele. “Sou contra a votação em regime de urgência. Essa matéria precisa ser debatida. São necessárias audiências públicas, com participação das classes envolvidas”.

Fonte: Diário de Natal

Empresário Beto Santos abre o verbo e diz que vende os seus postos para as redes de supermercados

O empresário Beto Santos utilizou sua conta no Twitter hoje para fazer indagações bem pertinentes, fundamentadas e pouco colocadas durante as discussões a respeito do projeto de lei que tentou viabilizar postos de combustíveis nos supermecados.

Ele diz que não é contra supermercado A ou B ter um posto de combustível, desde que esse empreendimento seja fora do supermercado.

De acordo com o Beto, os empresários do varejo querem postos dentro dos supermercados porque assim, os supermercados e hiper poderiam realizar compensações tributárias nos itens que vendem nas prateleiras.

Ele citou como exemplo o Carrefour, que tem a gasolina mais barata da capital, em contrapartida possui a cesta básica mais cara, conforme levantamento do Procon.

Tanto é assim, que ele passou a defender uma campanha. Já que essas multinacionais têm interesse em reduzir o preço da gasolina que comprem então os postos na capital.

“Duvido que algum queira!!!!!”, diz Beto Santos.

Beto dispara: “Mandem seus gerentes procurarem o sindipostos !! , comprem um dos 28 postos a venda em Natal e venham ser um associado Sindipostos”.

“Eu mesmo vendo os meus postos para o carrefour, extra, pão de açúcar, wall mart, é só me procurarem que vendo eles, todos em excelentes endereços”

“e tem mais, vendo pelo preço de mercado, sem especulação”

Resolvido o problema. Se a intenção das multinacionais é vender gasolina abaixo do preço praticado em Natal, comprem esses postos, ponham suas bandeiras e faça o consumidor feliz.

Estamos precisando de gasolina mais barata, atenção grandes redes, ajudem a população de Natal e adquiram esses postos!!!!

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Gente no Brasil o problema da gasolina nao eh do POSTO, eh do IMPOSTO. Vejam hoje em Goiania GO, gasolina foi vendida sem imposto: Cr$ 1,26 – viram a diferença que vai pros CORRUPTOS???

  2. Todo mundo querendo ser cordeiro, mas ninguém deixa de ser lobo nessa estória. Entre multinacionais e donos de postos, eu prefiro pensar na sucateada saúde do RN….

  3. DIEGO_EURO
    Os vereadores que votaram contra o cidadão natalense foram esses: Adão Eridan (PR), Assis Oliveira (PR), Chagas Catarino (PP), Dickson Nasser (PSB), Enildo Alves (PSB), George Câmara (PCdoB), Maurício Gurgel (PHS), Heráclito Noé (PPS), Ney Lopes Júnior (DEM) e o Bispo Francisco de Assis (PSB)
    Gostaria de solicitar imparcialidade ao blogdoBG e públicar meu comentário com essa lista, idependente de estar envergonhado em ver o nome do pai do blogueiro entre os vereadores que contribuiram para esse absurdo.

    • bruno disse:

      Caro, essa lista foi publicada nesse blog duas vezes. Não precisa vc levantar "imparcialidade não". Do meu Pai, citado no seu comentário, eu tenho muito orgulho.
      Não precisa virar cavaleiro do apocalipse para eu liberar comentário aqui não. Só não libero se tiver ofensas pessoais ou baixarias

  4. Helder Oliveira disse:

    Em outros momentos cheguei a elogiar o BlogdoBG pela imparcialidade com a qual postava suas notícias. Não venho ao blog procurando ler exatamente aquilo que gosto, mas acho curioso como alguém pode ser contrário àquilo que tende a beneficiar a população como um todo. Não estou nem um pouco preocupado se os donos de postos não aguentarão a concorrência, afinal, vivemos em uma sociedade capitalista, se o senhor empresário do ramo de combustíveis não conseguir oferecer um produto de qualidade a um preço acessível, feche suas portas. Como consumidor eu quero ter direito à livre concorrência, eu quero ter direito de pagar menos por aquilo que compro. Essa desculpa de que a riqueza gerada aqui irá para fora também é descabida, afinal, não acredito que o Carrefour promova uma emigração em massa de franceses para Natal com o objetivo de trabalhar em seus postos, muito menos vi alguma vez se quer dono de posto dividir seu lucro com a população nem reverte-lo de algum modo para benefício social. Os empresários de postos nunca se dirigiram à população para falar sobre o cartel que eles organizam, visível e do conhecimento de todos nessa cidade, inclusive dos nossos vereadores, que não sei como, mas ainda tiveram coragem de prestar esse desserviço ao povo natalense. Estou com vergonha de nossos vereadores, de todos os que votaram contra a população. Não me importa se ele é pai de blogueiro, médico hematologista, filho de ex deputado, bispo de qualquer igreja que seja. Gostaria de saber os reais motivos que levam esses senhores a trabalhar contra nós e os blogueiros a defenderem objetivos tão obscuros.

  5. diego_euro disse:

    gostaria de saber quem votou contra este PL?

  6. Fábio Borges disse:

    Muito oportuno a colocação do empresário em um momento que a PL foi indeferida pelos seus comparsas. Não vi esta disposição do empresariado quando a lei estava para ser votada, pelo contrário, o que eu vi foi uma mobilização (quase que desesperada) do setor para tentar ludibriar a população. Soube que, inclusive, frentistas foram liberados para fazer barulho na câmara. Utilizaram-se de argumentos fantasiosos e (deixa eu pensar…) ridículos, não consegui uma palavra mais adequada, falaram muito em segurança, como se a questão fosse a instalação ou não de postos na cidade – e não a sua disponibilização na área de supermercados – usando esse raciocínio, acho que a província potiguar, teria que fechar a maioria de seus postos pois, temos esses nas imediações de escolas, creches, shoppings e até supermercados (acho que o Ver. Enildo Alves não abastece nestes últimos com medo de uma repentina explosão), já disse aqui mesmo no Blog, que posto de gasolina é posto de gasolina em qualquer lugar, e um acidente teria graves proporções independente da sua localização. O que precisava ser colocado, se a segurança fosse o motivo da discussão, seria uma fiscalização rigorosa e atuante. Enfim, vi muitos xenófobos, com discursos inflamáveis, que em seu próprio discurso se contradizem, não é meio paradoxal? Reproduzindo a palavra do blogueiro (é a que esta a vista e não me lembro das inúmeras anteriores), "Sou a favor de quem emprega aqui", questiono aos que se utilizam desse argumento, será que o carrefour (já que é tão falado), traria os frentistas, os gerentes e os demais funcionários da França? Pelo menos no posto lá da ZN ninguém falou comigo em francês (não tinham nem sotaque, disfarçam bem!), pelo contrário, o que existe lá é um sistema bem dinâmico e informatizado, quem me derá, se perto da minha casa tivesse um posto como aquele, olha que nem estou me referindo ao preço praticado lá. Quem não sofre com a espera quando o motorista da frente resolve pagar o combustível no cartão? Principalmente no posto BR ao lado da Ponta Negra FIAT, fica a dica para o destemido empresário Beto Santos. Não acredito que, quem é a favor da "livre concorrência" possa ir de encontro a essa PL (deixo bem claro que não tenho nada pessoal contra o blogueiro, nem ao menos o conheço, e os demais que comentaram esta notícia, só estou argumento a cerca dos pensamentos expostos). Falaram em "dumping", e pelo menos poderiam ter o trabalho de pesquisar para saber do que se trata, sendo, segue uma pequena definição: "é uma prática comercial que consiste em uma ou mais empresas de um país venderem seus produtos, mercadorias ou serviços por preços extraordinariamente abaixo de seu valor justo (nosso preço de gasolina atual é tudo menos justo) para outro país". Ficou claro? Não? Então lá vai um exemplo: Pode-se constatar a prática de dumping se a empresa A, localizada no país X, vende um produto nesse país por US$ 100 e o exporta para o Brasil por US$ 80, sempre levando em consideração a existência de condições comparáveis de comercialização (volume, estágio de comercialização, prazo de pagamento etc.). Amigos, os super e hiper, não vão exportar combustível, eles se utilizaram do mesmo revendedor nacional, pagaram a mesma carga tributária e utilizaram mão de obra local, não subestimem a inteligência do povo. Finalizando, quero dizer ao amigo que tem um primo dono de supermercado, que adoraria ter uma redução de R$15,00 ao encher o tanque do meu carro ou ter um desconto de mesmo valor no supermercado da família.

  7. Eduardo disse:

    Parabéns a Brunão mais uma vez por ter opinião. Mais um blog só para dar informação já há demais. E a Beto, parabéns novamente por meter a cara a tapa, como se diz. O empresariado não deve se esconder ou se acovardar. Pelo contrário, deve ter orgulho de seus negocios. São eles que fazem girar a economia, geram empregos e impostos. Temos que acabar com esse pensamento mesquinho e atrasado que todo empresário é desonesto,corrupto.

  8. Roberto James disse:

    Senhores, todo combustível vendido pela petróleo Brasil s/a-Petrobras já vem com toda carga tributaria, assim existe diferença de icms. Como os supermercados fabricam bolo, pães entre outros eles usam créditos dos combustíveis e assim barateiam seus produtos. Façamos a seguinte conta: vá num posto da roberto freire e veja quantas pessoas trabalham lá por turno. E depois comparem com o Carrefour. O Carrefour ê francês, metade do extra é francês, walmart americano. Isso vamos mandar nosso dinheiro pra fora. Porque o petróleo é nosso mas o dinheiro é deles…

  9. Luiz Henrique disse:

    Concordo em parte. Se o supermercado aumentar nos alimentos não fará diferença, irei lá somente abastecer. A feira faço em outros!! rsrs

  10. Neto disse:

    Ridículo!!!!! Uma pena…. É so não votar em quem é contra pagarmos menos por um mísero litro de combustível!!!

  11. Felipo Bruno disse:

    Primeiro parabenizar o empresário pela coragem, sou primo do dono da Rede Mais da Ayrton Senna. Se essa lei fosse aprovada, queria só ver como ficaria a situação dele, emprega lá mais de 100 pessoas. Até agora só vi muito demagogo que fica dizendo isso e aquilo como se fossem economizar muito dinheiro com um posto em supermercado, não passa de R$ 15,00 em 2 tanques por mês.
    E queria BG dizer que fiquei mais fã ainda de vc depois que vc respondeu um comentário ai em baixo, mostrou relamente que não tem amarras nem se esconde. Parabéns e a partir de hoje não entrarei mais uma vez por dia não, será mais do que isso.

  12. Caio Alencar disse:

    É cada vez mais notória a falta de imparcialidade deste blog. Cuidado Bruno, seus leitores não são burros e o povo natalense já começa a por em xeque a sua credibilidade.

    • bruno disse:

      Porque Caio, o blog só é imparcial quando escreve o que vc quer ler? Pelo contrário, temos sim coragem de abordar e de opinar. A posição desse blogueiro é clara. Sou a favor de quem emprega aqui, de quem tem compromisso com a terra, de quem lutou muito para ter o que tem. Se lembre que muitos empresários são pequenos, sejam de supermercado e ou de postos, não aguentam uma retumba porque já vivem comprometidos. Sou a favor da livre concorrência, da igualdade de condições. Minha posição é clistalina. Sempre opinei, aqui não tem maquiagem, aqui não se joga para a plateia. Gostem ou não do blog, de mim ou de minhas posições. Sou esse!!!

  13. IGOR HENRIQUE disse:

    Beto tocou no X da questão, se a intenção é ter posto para baixar o preço, compre os que já existem e estão á venda. Natal já tem muitos postos, não é necessário a instalação de novos empreendimentos. O PL 411/ 2009 foi apresentado para beneficiar os grandes grupos de fora, a derrubada desse projeto foi uma glória para o empresariado local.

  14. Fernando Henrique disse:

    Concordo plenamente com o empresário, se tem 28 postos a venda por que os supermercados não compram?! Querem enganar o consumidor aumentando o preço dos outros produtos!

    Parabéns pela coragem! Dou TOTAL apoio!

  15. Ricardo disse:

    Finalmente alguém com coragem para colocar a cara. Quem gera emprego aqui, quem paga imposto, quem se sacrifica é julgado e penalizado pela populaçao como bandidos, ai essas grandes redes que para elas Natal é um interior querem aproveitar o dumping para se darem bem. Sou funcionarios público, mas privilegio o que é da terra!!!
    Não conheço esse empresário, mas parabéns pela coragem!!

MP vai ajuizar ação contra a lei que proíbe postos em supermercados

O MP vai entrar com uma ação para que a justiça permita postos em supermercados. Eu pergunto, o que fez o MP esse tempo todo que não entrou com essa ação ainda? Quantos anos não tem a lei de Enildo Alves aprovada pela CMN que não permiti postos nos mercados? Esse tempo todo ninguém do MP tocou no assunto, depois de um movimento da população e que apareceu as ações. Fica essas indagações no ar. Segue reportagem do Diário de Natal:

Após a derrubada da Lei dos Postos na Câmara Municipal de Natal (CMN), que permitiria a instalação de postos de combustíveis nas dependências de hiper e supermercados de Natal, o Ministério Público Estadual vai ajuizar uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADIn) contra a Lei Municipal nº 4.986/98. O MPE quer que a livre iniciativa prevaleça, e que não haja empecilhos à instalação de postos de abastecimento como o que funciona, por exemplo, nas dependências do Carrefour, na Zona Norte da capital, que pratica preços abaixo da maioria dos postos de Natal.

O projeto de lei, de autoria do vereador Raniere Barbosa (PRB), foi rejeitado nesta quinta-feira (1º) na Câmara por 10 votos a 9, em uma votação com ânimos acirrados e galerias lotadas. Antes mesmo da votação do projeto na Câmara, o MP já havia anunciado, por meio do procurador-geral de justiça Manoel Onofre Neto, que entraria com uma ADIn em caso de rejeição da lei. Essa semana a Diretoria de Comunicação do MP divulgouuma nota sobre o assunto.

No comunicado, o MP informou deixar claro que “respeita as atribuições dos integrantes da Câmara Municipal de Natal e considera amadurecida a discussão sobre referido projeto de lei, fundamentado no princípio constitucional da livre concorrência”. Por fim, o órgão reitera a informação de que “há, no âmbito da Procuradoria Geral de Justiça, procedimento e estudo para ajuizamento de ADIn da Lei Municipal nº 4.986/98”.

O promotor de Defesa do Consumidor, José Augusto Peres, se reuniu com o procurador geral de Justiça, Manoel Onofre Neto, e solicitou análise do procurador em relação à propositura da ADIn. “Espero que nos próximos dias tenhamos uma resposta positiva dele de que vai ingressar com a ação no Tribunal de Justiça”, destacou o promotor.

A assessoria de comunicação do MP informou que assessoria jurídica está analisando o pedido do promotor de Defesa do Consumidor, José Augusto Peres, e só então emitirá um parecer ao procurador Manoel Onofre. A expectativa é que o procurador somente se pronuncie sobre a possibilidade de ajuizar a Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADIn) depois da emissão do parecer da assessoria jurídica.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Eduardo disse:

    O MP agora que legislar também? Os vereadores existem para isso. E não vejo movimento algum da população, que seria a maior interessada. Não estou entendendo essa do MP, como também do Vereador Ranieri Barbosa. Vivemos em um estado democrático de direito e tudo foi feito dentro da lei. Volto a dizer: Não entendo esse Procedimento do vereador Ranieri e muito menos do MP.

  2. Fernando Fernandes disse:

    Caro Giovanni, se o MP entrar com essa ação vai ganhar, porque como se explicar que na Zona Norte o Carrefour pode ter Posto de Combustíveis e no restante da cidade não?

Câmara Municipal pegando fogo!!!

Clima quente na Câmara Municipal de Natal. Galerias ocupadas para pressionarem os vereadores na votação do projeto de lei dos postos de combustíveis. Vaias e apupos. Bate-boca entre edis. Está só começando.

Até frentista os donos dos postos liberaram para endossar o coro. Discussões inflamadas sobre a gasolina. Será que vai explodir?

OPINIÃO DOS LEITORES:

Votação da lei dos postos em supermercados na CMN ficou para amanhã

A votação do projeto de lei que tenta viabilizar a instalação de posto de gasolina em supermercados e hipermercados de Natal ficou mesmo para amanhã.

O presidente da Casa, Edivan Martins, já havia informado que o adiamento acontecera. A notícia é que o projeto está pronto.

A emenda que o vereador Franklin Capistrano apresentou após a primeira votação do projeto já tramitou pelas cinco comissões – Justiça e Redação Final,  Saúde, Assistência Social e Defesa do Consumidor,  Planejamento Urbano, Meio Ambiente, Transportes e Habitação e Finanças.

O texto deverá ir a plenário na tarde desta quinta-feira. Será o episódio final das inflamadas discussões que giram em torno do projeto.

 

Lei dos Postos vai a votação hoje!!!

Nunca visto antes na Câmara uma celeridade tão grande numa votação de um projeto, isso mostra que quando o Presidente da casa quer, as coisas acontecem. Segue reportagem da Tribuna do Norte:

O projeto de lei que permite a instalação de postos de combustíveis nos supermercados e hipermercados de Natal deve ser apreciado hoje em segunda e definitiva votação. O presidente da Câmara Municipal de Natal (CMN), vereador Edivan Martins (PV), destacou ontem a disposição de pôr a matéria para julgamento dos parlamentares após três comissões – a de Legislação, Justiça e Redação Final; Planejamento Urbano, Meio Ambiente, Transportes e Habitação; e de Defesa do Consumidor – haverem se manifestado favoravelmente à proposta de autoria do vereador Raniere Barbosa (PRB). Ainda hoje outras duas comissões – Finanças, Orçamento e Fiscalização; e  Planejamento Urbano, Meio Ambiente, Transportes e Habitação – também devem opinar sobre o projeto antes do desfecho em à plenário.
Edivan explicou que a condição para que a matéria pudesse ser posta em votação, no caso a Audiência Pública que debateria o assunto com os principais entes envolvidos, já se concretizou e não havia motivos para protelar a pauta da matéria. Com isso,  a perspectiva da semana passada – que dava conta de pelo menos mais dois meses de discussão antes da apreciação final pelo legislativo – acabou em derrocada. “Nós desprendemos esforços consideráveis para que esse projeto pudesse ser viabilizado e votado o mais rápido possível. As Comissões entenderam isso e tiveram participação determinante nesse processo”, registrou Raniere Barbosa.

(mais…)

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Corre na "RADIO RUA" que tem dois vereadores que vao comemorar o Ano Novo na França com tudo pago, inclusive com direito a levar familiares.

Construção desaba sobre supermercado e deixa um morto e dois feridos graves em Santa Cruz

Foto Emanoel do Celular

A cidade de Santa Cruz parou para acompanhar uma grande tragédia. O desabamento do prédio onde funcionava o Mercadinho Mandacaru comoveu a cidade.

Segundo informações do Blog do Wallace, três pessoas foram vítimas da tragédia. Uma já faleceu, outras duas estão feridas em estado grave.

Casas próximas ao Mercadinho estão com sua estrutura comprometida. Um dos moradores se recusa a deixar o local, mas a PM está negociando, pois a área oferece risco e deve ser isolada.

Em contato com o Batalhão de Polícia Militar de Santa Cruz, o blog do Wallacy colheu a informação de que as vítimas do desabamento do Mercadinho Mandacaru foram encaminhadas para os hospitais da Grande Natal.

Uma das pessoas envolvidas no desabamento faleceu no local da tragédia.

O Corpo de Bombeiros está a caminho para Santa Cruz, quando deverá vistoriar o local e apontar possíveis causas para o desabamento.

 

Prefeitura tem até quinta-feira para dizer se é a favou ou contra a lei que proíbe Postos em Supermercados

Tribuna do Norte:

A Prefeitura de Natal tem até o dia 21 de julho para se posicionar a respeito e propor possíveis alterações na lei municipal nº 4.986, que desde 1998 impede a instalação de postos de combustíveis em hipermercados, supermercados e shopping centers da cidade. O prazo foi dado pela Procuradoria Geral da Justiça, como forma de alterar a lei sem precisar levar a questão ao Judiciário. A procuradoria defende  o fim da restrição, para aumentar a concorrência entre os postos e, por consequência, provocar redução de preços para o consumidor.

(mais…)

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. ANTONIONI disse:

    Será otimo para todos a abertura de postos nesses estabelecimentos. Todos pouparão tempo e dinheiro. E é obvio que a comodidade será enorme. Essa lei juntamente com a que proibe a estalação de postos com a distancia minima de 600 metros um do outro é ridicula e só beneficia os donos de postos e esse cartel que existe em natal.

  2. carlos disse:

    O sr geraldo junior esta "AMARELANDO"

Esta vaga não é sua nem por um minuto!

Excelente vídeo que mostra a necessidade de todos refletirem profundamente sobre o respeito por vagas de deficientes, principalmente, nos shoppings e supermercados.

http://www.youtube.com/watch?v=C50FAN9bYqU

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Fernando lopes disse:

    Excelente . Meus parabéns, isso sérve também para a vaga dos idosos. Em Natal então o desrespeito e grande principalmente nos shopings. Se um segurança for se intrometer , e capaz de perder o emprego.